Você está na página 1de 11

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

4

1 TEMA

Tratamento de lesões por queimaduras.

2 DELIMITAÇÃO DO TEMA

O Papel do Enfermeiro no tratamento de pacientes com lesões por queimaduras.

3 PROBLEMA

As queimaduras são feridas traumáticas causadas, na maioria das vezes, por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos. Atuam nos tecidos de revestimento do corpo humano, determinando destruição parcial ou total da pele e seus anexos, podendo atingir camadas mais profundas como tecido celular subcutâneo, músculos, tendões e ossos. Baseado neste contexto: A equipe de enfermagem está realizando de forma adequada os cuidados de enfermagem com paciente de queimadura? O enfermeiro está apto a avaliar e orientar o paciente sequelado de queimadura?

4 JUSTIFICATIVA

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

5

A fase de reabilitação no cuidado da queimadura começa imediatamente depois da

ocorrência da queimadura – tão precocemente quanto à fase emergencial e, com freqüência,

estende-se por anos depois da lesão, o paciente queimado enfoca cada vez mais as alterações da auto-imagem e do estilo de vida que podem acontecer (SMELTZER & BARE, 2002). Ainda de acordo com as autoras citadas a cicatrização da lesão, o apoio psicossocial e a restauração da atividade funcional máxima permanecem como prioridades. O enfoque à manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico e à melhora do estado continua. A cirurgia reconstrutora para melhorar a aparência corporal e a função pode ser necessária. Baseado neste princípio isso me motivou o interesse por este assunto, por observar em estágios que, após a alta do individuo acometido por queimadura não era realizado um acompanhamento do seu prognóstico, e de sua evolução durante o processo de reabilitação das seqüelas físicas, psicológicas e sociais do paciente portador de queimadura.

A contribuição desta pesquisa para a enfermagem será de mostrar que enquanto

profissionais da saúde devemos, informar não somente os cuidados de enfermagem, mas também, conduzir o cliente a fase de reabilitação, trabalhando o seu psicológico, físico e social.

Devido ao grande índice de pacientes vitimas de queimaduras, observou-se durante o estágio curricular a grande necessidade da qualificação da área da enfermagem em relação a vítimas de queimaduras em hospital que atendem urgências e emergências. Avalio-se que a equipe de enfermagem necessita de preparo para oferecer ao paciente uma assistência qualificada, humanizada e holística. Diante dessa problemática, conhecimentos técnicos e científicos amplos sobre o processo da queimadura e as conseqüências que ela apresenta a vítima de uma importância para a reabilitação e convalescença do mesmo.

A enfermeira que cuida de um paciente com queimadura requer um alto nível de

conhecimento sobre as alterações fisiológicas que acontecem depois de uma queimadura, bem como habilidades experientes de avaliação para detectar alterações sutis na condição do paciente, além disso, a enfermeira deve ser capaz de fornecer cuidados sensíveis e compassivos para os pacientes que estão criticamente doentes e devem iniciar a reabilitação precoce no curso dos cuidados.

5 OBJETIVOS

5.1 Objetivo Geral

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

6

Abordar a assistência de enfermagem ao paciente queimado prevenindo as seqüelas na fase de reabilitação.

5.1 Objetivos Específicos

- Descrever a anatomia e Fisiologia do Sistema Tegumentar;

- Conceituar queimadura e sua classificação;

- Enfocar os primeiros socorros ao paciente lesado por queimadura;

- Destacar os fatores de risco que possam inicializar a recuperação do paciente;

- Enfatizar a assistência de enfermagem ao paciente com queimaduras destacando as orientações necessárias para a reabilitação;

- Descrever as maneira pelas qual a pele é afetada pelas queimaduras de primeiro, segundo e terceiro grau;

- Enfatizar o papel do enfermeiro durante o processo de reabilitação.

6 PROCEDIMENTOS METODOLOGÍCOS

6.1 Caracterização da Pesquisa

O método utilizado será a pesquisa bibliográfica, segundo Furaste, (2006) e Prestes (2007), método qualitativo, pois para a fundamentação teórico-metodológica do trabalho serão realizadas investigações sobre o conceito de queimadura, fisiopatologia e cuidados de enfermagem durante a fase de reabilitação em livros, pesquisa on-line, artigos científicos

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

7

publicados em revistas especializadas, portanto em literaturas científicas relacionadas com o tema. Quanto à técnica da pesquisa, a mesma será realizada em documentos disponíveis sobre o tema, sendo que o material escolhido para a realização do projeto. Esta pesquisa se trata de uma pesquisa descritiva, quanto aos fins, por expor a necessidade de monitorar a assistência de enfermagem na reabilitação das lesões por queimaduras e as características de um tratamento de forma adequada tendo conhecimento técnico e cientifico de forma ao oferecer ao cliente assistência de qualidade. Trata-se, quanto aos meios, de uma pesquisa ao mesmo tempo bibliográfica e documental. Bibliográfica, pois se recorrerá ao uso de livros e artigos referentes à necessidade no preparo da equipe de enfermagem para repercutir na qualidade da assistência prestada.

7 REVISÃO LITERÁRIA

7.1 Anatomia e Fisiologia do Sistema Tergumentar

Para Herlihy & Maebius, (2002), o tergumento comum é formado por pele e estruturas acessórias (pêlos, unhas e glândulas). A pele é composta por duas camadas, a epiderme e a derme, a derme situa-se sobre uma camada denominada tela subcutânea ou hipoderme. A pele é um órgão complexo que desempenha diversas funções: fornece proteção para todo o corpo, atua como barreira, regular a temperatura, detecta sensações (tato, pressão, temperatura e dor), sintetiza vitamina D e atua como um órgão excreto. (p.100). De acordo com Figueiredo (2006), o sistema tergumentar é constituído pela pele e seus órgãos assessórios, como pêlos, unhas, glândulas e os vários receptores especializados. Pelo seu fácil acesso sob o ponto de vista clínica, a pele oferece um dos melhores indicadores de saúde.

Efeitos fisiológicos quando a pele é queimada, incluem efeitos de curto prazo (perda de fluidos e eletrólitos, incapacidade para regular a temperatura corporal, infecção), e os de longo prazo (cicatrização, perda da função e problemas estéticos e emocionais), (HERLIHY & MAEBIUS, 200)). Para Figueiredo (2006), a pele protege o organismo contra substâncias nocivas líquidas, sólidas e gasosas e insetos. E um órgão de sensibilidade, pois é a sede do tato, com

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

8

o auxílio da qual percebemos a forma, a dimensão e a temperatura dos objetivos. É também um órgão de respiração (de pouca intensidade no homem). Além disso, função excretora, eliminando suor e secreções sebáceas, e auxilia no fenômeno da regulação térmica do organismo pela eliminação de suor, contribuindo para que a temperatura do corpo permaneça constante, independentemente das variações externas.

7.1.1

Funções da Pele

A pele tem como função:

1.

Proteção do corpo contra o meio ambiente;

2.

Termorregulação corporal através da ação das glândulas sudoripas e vasos sangüíneos;

3.

Sensibilidade através dos receptores nervosos espalhados por todo o corpo. (FIGUEIREDO, 2006).

7.1.2

Camadas da Pele

De acordo com Herlihy & Meabius (2002), a pele isola e reveste o corpo por duas camadas:

- Epiderme, uma camada mais externa e superficial;

- Derme, uma camada de tecido conjuntiva profunda.

7.2 Queimaduras

Trevilato, (2001), são lesões produzidas por ação de agentes físicos térmicos (frio ou calor), tais como eletricidade, raios solares, fogo, vapores; ou agentes químicos (produtos corrosivos); ácidos ou álcalis forte.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

9

Segundo Sharp, (2002), queimadura é uma lesão de um tecido produzido pelo efeito do calor, de substâncias químicas ou da eletricidade.

As queimaduras são feridas traumáticas causadas, na maioria das vezes, por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos. Atuam nos tecidos de revestimento do corpo humano, determinando destruição parcial ou total da pele e seus anexos, podendo atingir camadas mais profundas como tecido celulares, cutâneo, músculos, tendões e ossos. (LIMA & SERRA, 2004, p.37).

7.2.1 Incidência de Queimadura

Segundo Smeltzer & Bare, (2002), aproximadamente 1,25 milhões de pessoas sofrem uma queimadura por ano nos Estados Unidos. Desse grupo, cerca de 51.000 necessitam de internação hospitalar aguda. Cerca de 5.500 pessoas morrem por ano em decorrência de queimaduras e lesões inalatórias.

7.2.2 Causas

De acordo com Smeltzer & Bare, (2002), as queimaduras são causadas por uma transferência de energia oriunda de uma fonte de calor para o corpo. O calor pode ser transferido por condução ou radiação eletromagnética. As queimaduras são categorizadas como térmicas, por radiação ou químicas.

7.2.3

Classificação

Para Sharp, a quantidade de uma queimadura depende da quantidade de tecido afetado e da profundidade da lesão, que é descrita como sendo de primeiro, segundo e terceiro grau. Onde são classificadas em: 1) primeiro grau: são as menos graves. A pele queimada fica hiperemiada, dolorosa, muito sensível ao tato e úmida ou edemaciada. A área queimada torna-se branca ao ser levemente tocada, mas não ocorre a formação de bolhas; 2) segundo grau: causam uma lesão mais profunda. Formam-se bolhas na pele. As bolhas apresentam uma base perfeita ou branca e

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

10

contém um líquido claro e espesso. A queimadura, dolorosa ao tato, pode ficar branca ao ser tocada; 3) terceiro grau: produzem uma lesão ainda mais profunda. A superfície da queimadura pode ser branca e macia ou negra, calcinada. A área queimada perde a sensibilidade ao tato. Geralmente, as queimaduras de terceiro grau são indolores porque as terminações nervosas da pele são destruídas (2002. p.

1444).

Segundo Lima & Serra, (2004), após a avaliação da profundidade e extensão da lesão, podemos classificar as queimaduras quanto a gravidade em: Queimaduras leves onde: 1º grau - qualquer extensão; 2º grau – menor que 10%; 3º - menor que 2%. Na maioria das vezes podem ser tratadas em nível ambulatorial, não levam a repercussão hemodinâmica e raramente complicam. As queimaduras moderadas são: 2º grau – entre 10% e 20%, 3º grau – entre 3% e 5%. Estes pacientes necessitam de um acompanhamento diário, podendo ser tratados em nível ambulatorial, porém na maioria das vezes, é mais prudente internar e observar a evolução das manifestações clínicas e da lesão. Portanto as queimaduras graves são: 2º grau – excedem 20% da SC; 3º grau – que excedem 10% da SC. Paciente extremamente, necessitando de internação em um centro de tratamento de queimados ou se for possível, um centro de tratamento intensivo. De acordo com Candido, (2001), a queimadura está classificada em primeiro grau ou superficial. É caracterizada por eritema e dor, por exemplo, a excessiva exposição solar a raios ultravioleta. As lesões tissulares são superficiais, sendo a dor provocada pelo efeito vasodilatadores proveniente da produção local de prostaglandinas, às de segundo grau é conhecida como superficial, que atinge a epiderme e a derme parcial. É identificada pela formação vericulosa (bolhas), e a lesão é dolorosa. O agente mais comum é o líquido quente. A queimadura profunda atinge a epiderme e a derme total. Normalmente, não há formação de vesículas mais tecido necrosado aderido a planos profundos e de colocação esbranquiçada, geralmente necessitando de escarectomia. As queimaduras de terceiro grau ou profunda atinge todos os estratos cutâneos e geralmente planos profundo incluindo tecidos ósseos, com necrose total dos tecidos atingidos. Não provoca dor, pois os terminais nervosos também são destruídos. Segundo Smeltzer & Bare, (2002), a extensão da área de superfície corporal lesado utiliza uma regra pra detectar o quanto foi lesada. Uma regra dos nove: uma estimativa da ASC total envolvida em uma queimadura é simplificada pelo uso da regra dos nove. A regra dos nove é um meio rápido para calcular a extensão de queimaduras. O sistema determina percentuais em múltiplo de nove para as principais superfícies corporais. Agora o método de

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

11

Lund & Browder que reconhece que o percentual da ASC de diversas regiões anatômicas, especialmente da cabeça e das pernas, modifica com o crescimento. Ao dividimos o corpo em áreas muito pequenas e dar uma estimativa da proporção da ASC atribuída para essas partes do corpo, podemos obter uma estimativa confiável da ASC total queimada. A avaliação inicial é feita na chegada ao hospital e é revista no segundo e terceiro dia após a queimadura, porque em geral, a demarcação não está definida até esse momento. No método de Palma os pacientes queimados e analisados o tamanho da região palmar do paciente é de aproximadamente 1% da ASC. O tamanho da mão da palma pode ser empregado para avaliar a extensão da queimadura. Cândido, (2001), ressalta que o cálculo da porcentagem da área corporal envolvida. Esse cálculo é importante para determinar a gravidade da lesão e definir a hidratação que deverá ser administrada ao cliente. Pode-se utilizar a regra dos noves, o mais popular dos métodos ou a tabela de Lund & Browder, utilizada em noves, para o cálculo da porcentagem da superfície queimada existem três grupos: lactente, criança e adulto. Nettina, (2003), afirma que a localização anatômica, as queimaduras que afetam as mãos, pés, face e períneo exigem cuidados especializados. As queimaduras circunferências também requerem atenção especial e podem exigir a escarotomia.

7.2.4

Fisiopatologia

Segundo Nettina, (2003). A fisiopatologia das queimaduras ocorre:

1) No geral uma queimadura resulta da transferência de energia de uma fonte calórica

2)

para o corpo. O tipo de queimadura pode ser por chamas, relâmpago, por contato, escaldamento (água, óleo, etc.), substâncias químicas, eletricidade, inalação ou qualquer fonte térmica. Muitos fatores alteram a resposta dos tecidos corporais a estas fontes de calor; A reação fisiológica a uma queimadura é similar ao processo inflamatório;

3)

As queimaduras podem ser de espessura parcial ou total;

4) A profundidade da queimadura é diretamente relacionada à temperatura do agente causal e a duração do contato com o tecido corporal.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

12

De acordo Smeltzer & Bare, (2002), as queimaduras são causadas por uma transferência de energia oriunda de uma fonte de calor para o corpo. O calor pode ser transferido por condução ou radiação eletromagnética, por radiação ou química. A destrinção do tecido resulta da coagulação, desnaturação protéica ou ionização do conteúdo celular. A pele e a mucosa das vias áreas superiores são os sítios de destruição tecidual. Os tecidos profundos, inclusive as úlceras, podem ser lesados por queimaduras elétricas ou através do contato prolongado.

7.3 Primeiros Socorros com Paciente Queimado

Segundo Trevilato, (2001), conduta imediata, retirar à pessoa do contato a causa da queimadura. Se a causa são agentes químicos, lavar a área queimada com bastante água a temperatura ambiente, retirando a roupa que tenha entrado em contato com a substância. Se o agente é o fogo, apagar de forma adequada (extintor apropriado, areia, água) ou abafar com cobertor. Caso o fogo seja em você mesmo, tente rolar no chão para apagar as chamas. Não

deixar que o queimado corra para não atiçar o fogo. Retirar objetos em contato com a pele (relógios, anéis, pulseiras), desde que não estejam grudados. Em caso de queimadura por vapor (explosão de caldeira) ou gases, remover o paciente para área aberta e ventilada. Nas queimaduras por eletricidade, desligar a força, se não for possível, mova a vítima sem contato direto com ela, separando-a do contato elétrico através de um mal condutor de eletricidade (cabo de vassoura, pedaço de tecido forte, cinto de couro e luvas).

- Verificar sinais vitais (em especial respiração e batimento cardíaco) e nível de

consciência. Se anormais, procede à reanimação cardiorrespiratória. Toda queimadura que

produz alterações de sinais vitais (queda de pressão, aumento de temperatura, respiração e pulso) e sintomas sistêmicos (tontura, palidez, visão turva, náuseas), deve ser considerada grave e encaminhada à avaliação médica.

- Evitar a contaminação, não aplicando, não aplicando substancias estranhas (pasta

dental, pó de café, óleo e manteiga), e utilizando panos e compressas limpas e água pura no

atendimento da queimadura.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

13

Cândido, (2001), ressalta o tratamento de feridas pós-queimadura pode ser realizado de várias formas, todas com vantagens e desvantagens, variando de caso a caso, conforme as necessidades, as possibilidades e a experiência da equipe. Segundo Sharp, (2002), refere que aproximadamente 85% das queimaduras são pouco importantes e podem ser tratadas em casa, em um consultório ou em um serviço de emergência hospitalar. Em queimaduras graves que são potencialmente letais exigem um tratamento imediato, de preferência em um hospital equipado para tratar queimaduras. As queimaduras externas podem acarretar uma perda de líquidos potencialmente letais.

7.4.1 Prevenção e Tratamento das Complicações

As causas primárias de morbidade e mortalidade em vítimas de queimaduras são as relacionadas à infecção e problemas pulmonares. Os antibióticos IV podem ser administrados profilaticamente, para evitar a infecção por gram-positivos. Os agentes antibacterianos tópicos ajudam a retardar a proliferação dos organismos patogênicos, até que o fechamento da ferida ocorra de forma espontânea ou através da intervenção cirúrgica. (SMELTZER & BARE, 2002).

7.5 O Papel do Enfermeiro e Cuidados de Enfermagem

O papel do enfermeiro é orientar o paciente a realizar exercícios de fisioterapia no cuidado para evitar a atrofia muscular e para manter a mobilidade necessária para as atividades diárias. A tolerância à atividade, a força e a resistência do paciente aumentarão gradualmente quando a atividade ocorre por períodos cada vez maiores. Fadiga, febre e tolerância à dor são monitorizadas e usadas para determinar a qualidade de atividade a ser encorajada em uma base diária. A atividade como as visitas da família e as terapias de lazer e jogos, pode proporcionar a diversão, melhorando a perspectiva do paciente e aumentar a tolerância à atividade física. (SMELTZER & BARE, 2002).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software

http://www.foxitsoftware.com

For evaluation only.

14

Segundo Horta, (1979), a enfermagem trabalha com o objetivo de cuidar das necessidades humanas, do paciente vindo que o enfermeiro e sua equipe devem estar motivando o paciente para sua reabilitação. Segundo Smelzer & Bare, (2002), a enfermagem avalia com freqüência os sinais vitais, volumes gástricos residuais e pH do paciente com uma sonda nasogástrica. O histórico da queimadura requer olho, tato e olfato. Aspectos importantes do histórico lesões incluem tamanho, coloração, odor, escara, exsudado, formação de abscesso sob a escara, brotamentos epiteliais, sangramento e aspecto do tecido de granulação.

O cuidado do enfermeiro na unidade de queimados abrange as responsabilidades nos planos administrativos, educacionais e assistenciais: a) plano administrativo: temos a organização do setor, provendo recursos matérias (consumo e equipamento) e humano; b) plano educacional: recebem estagiários e alunos de diversas áreas; participação em cursos promovidos pela Instituição ou solicitada; orientações para funcionários com cursos de desenvolvimento e treinamento; treinamento de novos funcionários; trabalhos e pesquisas na área de enfermagem; c) plano assistencial:

delegando atribuições e cuidados diretos. (LIMA JÚNIOR, 2004, P. 325).