Você está na página 1de 2
CURSO: TURMA REGULAR INTENSIVA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR: BRUNO PINHEIRO AULA 07 MATÉRIA:

CURSO: TURMA REGULAR INTENSIVA DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR: BRUNO PINHEIRO

AULA 07

MATÉRIA: EMENDA CONSTITUCIONAL

BLOCO: 1-4

Indicações de bibliográficas:

DIGITE AQUI AS INDICAÇÕES E APERTE ENTER APÓS CADA INDICAÇÃO

Leis e artigos importantes:

Constituição Federal

ADCT

TEMA: Emenda Constitucional

PROFESSOR: Bruno Pinheiro Continuação da aula passada
PROFESSOR: Bruno Pinheiro
Continuação da aula passada

Obs: Decisão recente do STF sobre a EC: pode se dar em um mesmo dia os dois turnos de discussão e votação, art 60, §2, CF. Ele entende que a questão é regimental.

1. Conflito intrasistêmico:

Homogêneo é o conflito entre normas da mesma natureza.

Heterogêneo: entre princípios e normas.

1.1.

Conflitos em espécies:

a. Conflito entre CF e direito comunitário: o direito comunitário é ditado de primazia aplicativa. Esse conflito não gera invalidade das normas. O direito comunitário tem primazia aplicativa.

das normas. O direito comunitário tem primazia aplicativa. Curso: TURMA REGULAR INTENSIVA – Matéria: DIREITO

Curso: TURMA REGULAR INTENSIVA Matéria: DIREITO CONSTITUCIONAL Prof: BRUNO PINHEIRO Aula: 5 - Bloco: 1-4

b. Conflito entre a CF e direito natural: Hipótese de Otto Bachof, que defendeu a possibilidade de se declarar inconstitucional de uma norma constitucional. No Brasil adota-se o direito positivo.

c. Conflito entre CF e DH: prevalece o DH, pois tem como finalidade a pessoa humana. Aplica-se a norma que mais protege.

d. Conflito entre norma materialmente constitucional e formalmente constitucional: Otto Bachof defende a hierarquia entre normas constitucionais, logo, uma norma materialmente constitucional prevalece sobre uma norma formalmente constitucional.

e. Conflito entre normas originárias:

Entre princípios: Analisa-se a proporcionalidade pela adequação.

Entre regras: não é solucionável pela ponderação, conforme doutrina majoritária, e sim por hierarquia, critério temporal, especialidade, exceção e derrotabilidade/ superabilidade.

Entre princípios e regras: prevalece a regra, pois ela delimita o princípio. Ex: Art. 5º, XLVII, CF.

A interpretação pode adotar duas linhas com metodologia distintas, que são o textualismo e o originalismo. No primeiro significa que a interpretação da Constituição é próxima do literal, formal, gramatical. O intérprete deve buscar o significa gramatical do texto interpretado. Já par ao originalismo cabe ao intérprete buscar/ revelar a intenção do constituinte quando editou a constituição, por meio dos métodos históricos de interpretação.

por meio dos métodos históricos de interpretação. Nos EUA o orginalismo diz que cabe ao intérprete

Nos EUA o orginalismo diz que cabe ao intérprete buscar descobrir a vontade dos pais fundadores.

Para o sistema não interpretativista, a interpretação também é parte do processo de criação do direito, a interpretação não se limita à finalidade da lei ou do legislador. É uma atividade construtiva, que não pode ser arbitrária. Dentro do interpretatismo nós temos o procedimentalismo (cabe ao intérprete resguardar o procedimento democrático, quem joga é o juiz), o substancialismo (cabe ao judiciário garantir os direitos substanciais previstos na CF, mesmo contra ou diante de omissões ou manifestações contrárias dos demais poderes).

ou manifestações contrárias dos demais poderes). Curso: TURMA REGULAR INTENSIVA – Matéria: DIREITO

Curso: TURMA REGULAR INTENSIVA Matéria: DIREITO CONSTITUCIONAL Prof: BRUNO PINHEIRO Aula: 5 - Bloco: 1-4