Você está na página 1de 7

Questões de Ato Administrativo

Questões de Direito Administrativo – Ato Administrativo

01- É toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo


nessa qualidade, tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar,
extinguir e declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a is própria. Esta
é a definição correspondente a de :

a) fato administrativo
b) fato da administração
c) ato jurídico
d) ato administrativo
e) ato da administração

Comentários: O conceito de ato administrativo é fundamentalmente o mesmo do ato


jurídico, sendo este o gênero de que aquele é espécie, do qual se diferencia como um
categoria informada pela finalidade pública. O conceito acima apresentado, na pergunta,
é o ato administrativo propriamente dito, isto é, aquele que se forma com a vontade
única da administração, através do uso de sua supremacia do Poder Publico, contendo
manifestação de vontade apta a produzir efeitos jurídicos para os administrados, para a
própria administração ou para seus servidores, provido de agente competente, com
finalidade pública e revestido de forma legal.

Resposta certa: d

02 – Quais são os elementos ou requisitos do ato administrativo que, se ausentes,


provocam sua invalidação ?

Comentários:A orientação adotada, pela maioria dos administrativistas, é a consagrada


pelo nosso direito positivo (Lei nº 4.717/65 – Lei de Ação Popular), cujo art. 2º, ao
indicar os atos nulos, menciona os cinco elementos do ato administrativo, aqui
enumerados, a saber: competência, finalidade, forma, conteúdo, objeto. Sem a
convergência desses requisitos não se aperfeiçoa o ato, e, conseqüentemente, não se terá
condições de eficácia para produzir efeitos válidos.

03 – O poder atribuído ao agente da administração para o desempenho especifico de


suas funções denomina-se :

Comentários: Competência é a resposta correta. Entende-se por competência


administrativa o poder atribuído ao agente da administração para o desempenho
especifico de suas funções. Por tanto, por ser condição necessária para a validade do ato
administrativo, nenhum ato pode ser realizado validamente sem que o agente disponha
de poder legal para praticá-lo. Daí a afirmação de que “sujeito é aquele a quem a lei
atribui competência para a pratica de ato” . De acordo com Maria Sylvia di Pietro, à
competência administrativa aplicam-se as seguintes regras:

1 – decorre sempre de lei, não podendo o próprio órgão estabelecer, por si, as suas
atribuições;
2 – é inderrogável, seja pela vontade da Administração, seja por acordo com terceiros;
isto porque a competência é conferida em beneficio do interesse público.
3 – pode ser objeto de delegação ou de avocação, desde que não se trate de competência
conferida a determinado órgão ou agente, com exclusividade pela lei.

04 – É o pressuposto de fato e de direito que fundamenta o ato administrativo:


Comentários: Motivo. Pois: este é o pressuposto de fato e de direito que fundamenta o
ato administrativo. Pressuposto de fato corresponde ao conjunto de situações que levam
a Administração a praticar o ato, enquanto pressuposto de direito é o dispositivo legal
no qual se baseia o ato. O motivo, como elemento integrante da perfeição do ato, pode
vir expresso em lei como pode ser deixado a critério do administrador. Portanto, quanto
à sua existência e valoração, no primeiro caso trata-se de ato vinculado e, no segundo,
de ato discricionário. Desta forma, quando o motivo não for exigido para perfeição do
ato, fica o agente com a faculdade de praticá-lo sem motivação. Porém, quando a
Administração motivo e ato, mesmo que a lei não exija a motivação, ele só será valido
se os motivos forem verdadeiros, em decorrência da teoria dos motivos determinantes.
Portanto, se na dispensa de um servidor exonerável ad mutum forem dados os motivos,
ficará a validade do ato condicionada a efetiva existência desses motivos.

05 – Assinale a alternativa incorreta :

a) a competência não pode ser objeto de delegação ou de avocação.


b) Ocorre desvio de poder quando o Estado desapropria um imóvel com o fim de
prejudicar determinada pessoa.
c) O que se exige, a principio, do ato administrativo é a forma escrita
d) O mérito administrativo não está sujeito à apreciação judicial
e) Pressuposto de fato corresponde ao conjunto de situações que levam a Administração
a praticar o ato administrativo.

Comentários: Baseando-se na lei 9.784/99 no seu art. 11 que diz: “A competência é


irrenunciável e se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída como própria,
salvo os casos de delegação e avocação legalmente admitidos”.
Resposta: A.

06 – São elementos de ato administrativo que podem ser deixados a critério do


administrador, nos atos discricionários:

Comentários: Motivo e objeto. Segundo Sylvia Di Petro explica, no âmbito de aplicação


da discricionariedade, quando afirma: “a fonte da discricionariedade é a própria lei;
aquela se existe nos espaços deixados por esta. Nesses espaços a atuação livre da
Administração é previamente legitimada pelo legislador. Normalmente essa
discricionariedade existe:”
a) quando a lei expressamente a confere à Administração, como ocorre no caso da
norma que permite a remoção ex officio do funcionário, a critério da Administração,
para atender à conveniência do serviço;
b) quando a lei é omissa, porque não lhe é possível prever todas as situações
supervenientes ao momento de sua promulgação, hipótese em que a autoridade deverá
decidir de acordo com princípios extraídos do ordenamento jurídico;
c) quando a lei prevê determinada competência, mas não estabelece a conduta a ser
adotada, exemplos dessa hipótese encontram-se em matéria de poder de policia, em que
é impossível à lei traçar todas as condutas possíveis diante de lesão ou ameaça de lesão
à vida, à segurança pública, à saúde.
Comumente se localiza a discricionariedade é no motivo e no conteúdo do ato.
Considerando o motivo como o pressuposto de fato que antecede a pratica de ato, ele
pode ser vinculado ou discricionário. Será vinculado quando a lei, ao descrevê-lo,
utilizar noções previstas, vocábulos unissignificativos, conceitos matemáticos, que não
dão margem a qualquer apreciação subjetiva. Exemplo: terá direito à aponsentadoria o
funcionário que completar 35 anos de serviço público ou 70 anos de idade (...)”.
O motivo será discricionário quando :
1. a lei não o definir, deixando-o ao inativo critério da Administração; é o que ocorre na
exoneração ex officio do funcionário nomeado para cargo de provimento em comissão
(exoneração ad mutum); não há qualquer motivo previsto na lei para justificar a prática
do ato;
2. a lei define o motivo utilizando noções vagas, vocábulos plurissignificativos, que
deixam à Administração a possibilidade de apreciação segundo critérios de
oportunidade e conveniência administrativa; é o que ocorre quando a lei manda punir o
servidor que praticar “falta grave” ou “procedimento irregular”, sem definir em que
consistem; ou quando a lei prevê o tombamento de bem que tenha valor artístico ou
cultural, também sem estabelecer critérios objetivos que permitam o enquadramento do
bem nesses conceitos.
Com relação ao objeto ou conteúdo, o ato será vinculado quando a lei estabelecer
apenas um objeto como possível para atingir determinado fim; por exemplo, quando a
lei prevê uma única penalidade possível para punir uma infração. E será discricionário
quando houver vários objetos possíveis para atingir o mesmo fim, sendo todos eles
válidos perante o direito; é o que ocorre quando a lei diz que, para a mesma infração, a
Administração pode punir o funcionário com as penas de suspensão ou multa.

07 – O ato administrativo, como emanação do poder público, apresenta determinados


atributos que o distingue do ato jurídico do direto privado. Estes atributos são :

a) competência, finalidade, forma, motivo e objeto;


b) presunção de legitimidade, imperatividade e auto-executoriedade;
c) legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência;
d) legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade e probidade
administrativa;
e) finalidade, legalidade e legitimidade.

Comentários: sendo o ato administrativo espécie de ato jurídico, com emanação do


Poder Público, apresenta determinados atributos que o distinguem do ato jurídico de
direito privado, ou seja, impõe-lhe características próprias e condições peculiares de
atuação, permitindo-nos afirmar que os ato administrativos submetem-se a um regime
jurídico administrativo ou a um regime jurídico de direito público, onde o Estado
assume uma posição de supremacia sobre o particular. Os atributos propostas pela maior
parte dos autores são : presunção de legitimidade, imperatividade e auto-executoriedade.

8 – Enquanto não decreta a nulidade de ato administrativo, pela própria Administração


ou pelo judiciário, ele produzirá efeitos e será tido como válido e operante. Esta é uma
das conseqüências da (o) :

a) auto-executoriedade
b) imperatividade
c) presunção de legitimidade
d) legalidade
e) moralidade

Comentários: como conseqüência da presunção de legitimidade, temos que, enquanto


não decretada a invalidade do ato administrativo pela própria Administração ou pelo
Judiciário, ele produzirá efeitos e será tido como válido e operante, mesmo que argüidos
de vícios ou defeitos que o levam à invalidade. Outro efeito da presunção de
legitimidade é o fato de o Judiciário não poder apreciar ex officio a validade do ato, cuja
nulidade somente pode ser decretada pelo judiciário a pedido da pessoa interessada.
Ainda como conseqüência da presunção de legitimidade, segundo Hely Lopes
Meirelles, temos a transferência do ônus da prova de invalidade do ato administrativo
para quem a ivoca.

09 – É atributo existente em todos os atos administrativos :


a) conveniência
b) oportunidade
c) auto-executoriedade
d) imperatividade
e) presunção de legitimidade

Comentários : os atos administrativos nascem com a presunção de legitimidade, esta


decorrente do princípio da legalidade da Administração, que, nos Estados de Direito,
informa toda a atuação governamental. Na verdade, se não existisse tal presunção, toda
atividade administrativa poderia ser questionável, obstaculizando o cumprimento dos
fins públicos ao antepor o interesse individual ao interesse público.

10 – Qual o atributo pelo qual o ato administrativo se impõe a terceiros, independente


de sua concordância ?

a) auto-executoriedade
b) imperatividade
c) presunção de legitimidade
d) legalidade
e) moralidade

Comentários : a imperatividade ou coercibilidade é o atributo pelo qual os atos


administrativos se impõem a terceiros, independentemente de sua concordância, o que,
mais uma vez o diferencia do ato do direito privado, visto que este não cria obrigações
para terceiros sem a sua concordância. Esse atributo não existe em todos atos
administrativos, mas apenas naqueles que impõem obrigações.

11 – Qual o atributo que possibilita que certos atos administrativos possam ser postos
em execução pela própria Administração, sem necessidade de intervenção do
Judiciário ?
a) auto-executoriedade
b) imperatividade
c) presunção de legitimidade
d) legalidade
e) moralidade

Comentários : A auto-executoriedade consiste na possibilidade de certos atos


administrativos poderem ser postos em execução pela própria administração, sem
necessidade de intervenção do judiciário. A auto-executoriedade não existe em todos os
atos administrativos, apenas sendo possível quando expressamente prevista em lei e
quando se trata de medida urgente que caso não adotada de imediato, possa ocasionar
prejuízo maior para o interesse público.
12 – Quando a lei deixa certa liberdade de decisão diante de um caso concreto,
permitindo à autoridade administrativa optar por uma dentre as soluções possíveis,
temos o chamado ato :

a) arbitrário
b) discricionário
c) vinculado
d) regrado
e) auto-executório

Comentários: Ato discricionários – são os que a Administração pode praticar com certa
margem de escolha, ou seja, nesses casos o poder da Administração é discricionário, já
que a adoção de uma determinada solução é feita segundo critérios de oportunidade,
conveniência, justiça, equidade, próprios da autoridade administrativa, porque não
definidos pelo legislador.

13 – São elementos vinculados em todos os ato administrativos :


a) competência, finalidade e forma
b) motivo e objeto
c) objeto e conteúdo
d) finalidade e oportunidade
e) conveniência e finalidade

Comentários: o poder da Administração não é totalmente livre, porque, especialmente


sob os aspectos da competência, da finalidade e da forma.

14 – É o ato que cria uma nova situação jurídica individual para seus destinatários, em
relação à Administração, isto é, cria direitos ou impõe obrigações :

a) Ato declaratório
b) Ato perfeito
c) Ato vinculado
d) Ato constitutivo
e) Ato auto-executório

Comentários: A classificação dos atos administrativos não é uniforme entre os


doutrinadores, dado os inúmeros critérios que podem ser adotados. Abordaremos para
resolução da questão a classificação apresentada por Hely Lopes. Onde quanto ao
conteúdo um ato poderá ser: Constitutivo, extintivo, declaratório, alienativo, abdicativo.
Observe que segundo Elias Freire o ato constitutivo é justamente o que cria uma nova
situação jurídica individual para seus destinatários em relação à Administração, ou seja,
criam direitos ou impõem obrigações. Como exemplo, podem ser citados a nomeação de
servidor e as sanções administrativas.

15 – É o ato que está em condições de produzir efeitos jurídicos, porque reúne todos
elementos necessários à sua exeqüibilidade:

a) Ato declaratório
b) Ato perfeito
c) Ato vinculado
d) Ato constitutivo
e) Ato auto-executório

Comentários: Quanto exeqüibilidade - Ato perfeito, ato imperfeito, ato pendente e ato
consumado. Sendo que o ato perfeito é aquele que está em condições de produzir efeitos
jurídicos, porque reúne todos os elementos necessários à sua exeqüibilidade ou seja, já
completou todo seu ciclo de formação.

16 – São atos praticados pela Administração, nos quais há uma declaração de vontade
do poder público. Coincidente com a pretensão do particular :

a) Atos enunciativos
b) Atos ordinatários
c) Atos negociais
d) Contratos administrativos
e) Contratos da administração

Comentários : Ato negociais são os atos praticados pela Administração, nos quais há
uma declaração de vontade do Poder Público coincidente com a pretensão do particular.
Apesar de encerrarem um conteúdo tipicamente negocial, esses atos – unilaterias – de
interesse recíproco da Administração e do administrativo, não se adentram na esfera
contratual. Dentre os atos mais comuns desta espécie, merecem menção : licença,
autorização, permissão, admissão, visto, aprovação, homologação, dispensa, renuncia e
o protocolo administrativo.

17 – Assinale a alternativa correta :


a) o ato administrativo pode ser revogado somente pelo judiciário
b) o ato administrativo pode ser anulado somente pelo judiciário
c) o ato administrativo pode ser revogado tanto pelo judiciário como pela Administração
d) o ato administrativo pode ser anulado somente pela Administração
e) o ato administrativo pode ser revogado somente pela Administração

Comentários : Art. 53 da lei 9.784/99. A administração deve anular seus próprios atos,
quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência
ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. A revogação é o instrumento
jurídico através do qual a Administração – e somente ela – extingue um ato válido, por
razoes de conveniência e oportunidade (súmula nº 473, do STF e art. 53 da lei nº
9.784/99). Portanto : “funda-se no poder discricionário de que dispõe a Administração
para rever sua atividade interna e encaminhá-la adequadamente à realização de seus fins
específicos”, nas palavras de Hely Lopes.

18 – Os atos administrativos podem ser revogados por razões de :


a) ilegalidade, somente pelo judiciário.
b) ilegalidade, somente pela Administração.
c) ilegalidade, pela Administração ou pelo judiciário.
d) conveniência e oportunidade, somente pela Administração.
e) conveniência e oportunidade, pela Administração ou pelo Judiciário.

Comentários : A revogação é o instrumento jurídico através do qual a Administração – e


somente ela – extingue um ato válido, por razoes de conveniência e oportunidade.

19 – Os atos administrativos podem ser anulados por razões de :


a) ilegalidade, somente pelo judiciário.
b) ilegalidade, somente pela Administração.
c) ilegalidade, pela Administração ou pelo judiciário.
d) conveniência e oportunidade, somente pela Administração.
e) conveniência e oportunidade, pela Administração ou pelo judiciário.

Comentários: A anulação pode ser feita pela Administração Pública, com base no seu
poder de autotutela sobre seus próprios atos (súmulas nº 346 e nº 473 do STF), que
independe de provocação do interessado, uma vez que, estando a Administração
vinculada ao princípio da legalidade, ela tem o poder-dever de zelar pela sua
observância. A anulação também pode ser feita pelo Poder Judiciário, mediante
provocação dos interessados.

Resposta : C

20 – Assinale a alternativa correta :


a) os efeitos da revogação e da anulação retroagem às suas origens.
b) os efeitos da revogação e da anulação não retroagem.
c) os efeitos da revogação retroagem e os da anulação não retroagem.
d) os efeitos da revogação não retroagem e os da anulação retroagem.
e) os efeitos da revogação e da anulação variarão de acordo com o caso concreto.

Comentários: por atingir um ato legal e perfeito, mas inconveniente ao interesse


público, a revogação não retroage, ou seja, seus efeitos se produzem a partir da própria
revogação. São efeitos ex nunc. Os efeitos da anulação dos atos administrativos
retroagem às suas origens, ou seja, reconhecia e declarada a nulidade do ato, pela
Administração ou pelo Judiciário, o pronunciamento da invalidade opera ex tunc, e
obrigando-as à reposição das coisas ao status quo ante.

Resposta: D