Você está na página 1de 6

Derek Yu – Sucesso em Games Indie: Guia

para Iniciantes (Making it in Indie Games:

Starter Guide)

Publicado em 27/03/2013

Texto Original: Derek Yu Originalmente publicado em:

guide Transcrição, Tradução e Edição: Caio Marchi < caiomga@gmail.com > @CaioMGA

NOTA: A expressão “making it”, presente no título, é usada no sentido de vencer, concretizar, realizar, “ir lá e fazer”, conquistar.

Transcrição:

no sentido de vencer, concretizar, realizar, “ir lá e fazer”, conquistar. Transcrição: Aê! Sou Indie! E

Aê! Sou Indie! E agora?

De tempos em tempos alguém me pede conselhos sobre como obter sucesso como um desenvolvedor indie profissional. Primeiro, é uma grande honra receber esta pergunta.

Então, eu gostaria de dizer “Obrigado!”. Segundo

tenho que me esforçar bastante. Claro, eu posso sempre dizer “Dê o seu melhor! Trabalhe Duro! Seja verdadeiro consigo mesmo!” e não seria uma resposta terrível nem uma terrivelmente inútil.

droga, se eu quero mesmo ajudar eu

Cá está. Aqui está o conteúdo do link que eu vou enviar quando esta rara situação surgir novamente, porque é muito trabalho escrevê-lo mais de uma vez! Este é o conselho que eu sinto que pode ser realmente útil para alguém que acabou de começar nessa de ser desenvolvedor de games indie. Espero que ajude!

INDIEPENDENTE

Então, o que ser “indie” significa? “Indie” é uma abreviação de Independente? Esse game é “indie”? “Indie” é um gênero? É CONFUSO – POR QUE NÓS PRECISAMOS DA PALAVRA “INDIE” AFINAL DE CONTAS?

Para responder a esta última pergunta, eu ofereço os seguintes casos. Caso 1: uma pessoa quer fazer games, e quem sabe abrir o próprio estúdio. Pesquisa-se “desenvolvimento de games” em algum site de pesquisa. Os resultados, para dizer o mínimo, são decepcionantes. Secos. Acadêmicos. Centrados em programação. ( Tente você mesmo e veja.)

Caso 2: em vez disso, a pessoa digita “games indie” num site de pesquisa. Em vez das páginas sobre conferências, bacharelados, e ferramentas para programação, esta pessoa encontra páginas e mais páginas de games para jogar e comunidades vibrantes cheias de gente que está fazendo exatamente o que ele ou ela quer fazer. Muitos deles estudaram, mas muitos não. Uma riqueza de ideias e ferramentas diferentes é mostrada. Há documentários sobre a criação de games! Não é um lugar onde basta ter um diploma e esperar na fila por emprego. Você pode começar a fazer games AGORA MESMO.

A palavra “indie” é mais do que uma forma de descrever um tipo de processo de

desenvolvimento

explorarem este processo e então florescerem dentro dele. Há um propósito real. Dá

lições reais sobre criação de games e empreendedorismo. Oferece motivações reais!

como todo rótulo, na realidade cria uma avenida para pessoas

Claro, pode ser irritante ver o termo sendo usado de maneira errada, ou se tornando um veículo para pretensão e arrogância. Como qualquer rótulo, “indie” também carrega uma certa quantidade de dogmatismo, compadrismo, e outros -ismos. Porém, o resultado líquido vale alguma coisa. Como alguém que abandonou uma carreira profissional na confecção de games porque eu achava que era um modelo engessado, eu posso te dizer que isso é algo genuinamente valioso.

Nunca haverá acordo ao tentarmos definir o que torna um game indie “de verdade”, provavelmente é melhor assim. Mas eu posso dizer os critérios que eu imaginei para o The Independent Gaming Source para determinar se um game será coberto:

1.

“Independente”, como sendo sem publisher.

2. Estúdio pequeno ( aproximadamente 20 membros ou menos).

Eu escolhi essa definição pois é a mais útil. Alguém que está querendo se tornar um desenvolvedor de games “indie” está interessado no que é possível sob essas restrições e como este tipo de estúdios operam. Isso exclui companhias como Valve e Double Fine, que são certamente independentes mas muito grandes para serem “indie”. Isso também exclui os jogos do tipo que “parecem indie” que não são auto-publicados.

Sob esta definição você continua trafegando em áreas cinzas, mas hey, só porque não

sabemos quando o “vermelho” vira “roxo” não significa que as palavras não sejam úteis. Imagine alguém que quer fazer um game com um time pequeno e quer auto-publicá-

lo

comunidade, etc.? “Indie” continua sendo uma palavra tão boa quanto qualquer outra,

na minha opinião.

quais

deveriam ser as palavras digitadas no Google visando inspiração, conselhos,

Então, devo ir pra escola para aprender como fazer games?

A coisa mas importante para se saber sobre o desenvolvimento de games e estudos é que ninguém, seja num estúdio indie ou numa grande empresa, liga para diplomas. Como poderia, quando alguns dos membros mais proeminentes largaram os estudos ou nunca os começaram? John Carmack, Cliff Bleszinski, Jonathan Blow, e Team Meat fazem todos parte deste clube.

Diploma é um pedaço de papel que diz que em teoria você pode fazer algo – desenvolvedores de games querem saber se você tem paixão o suficiente para trabalhar de verdade, independente da sua graduação. E se você está pensando em se tornar indie, não faz diferença o que os outros pensam – você precisará simplesmente daquela paixão para suceder, senão você não vai. Você é o único que está segurando as portas abertas nesse caso.

Isso não significa que você não deveria frequentar uma universidade( eu estudei Ciência da Computação na faculdade, e apesar de ter sido uma experiência longe de ser perfeita, eu também ganhei muito no que se refere à currículo e às amizades que fiz lá). O ponto é fazer algo – games, mods, arte, e música. Se a faculdade te ajudar com isso, ótimo. Se não, então você deveria repensar como gastar seus recursos mais valiosos:

tempo e dinheiro (ambos podendo atingir patamares exorbitantes nos estudos).

Se eu for estudar, o que eu devo estudar?

Numa universidade comum, eu sugiro graduação em Ciência da Computação, mesmo se você “só quer ser um designer”. O design de games é muito amarrado ao modo como games são feitos.

Numa escola de arte, ilustração, concept art, e modelagem 3d são provavelmente os mais úteis em games. Esta thread no Polycount tem muitas dicas para artistas estudantes tentando entrar no mundo dos games.

Numa escola de games, eles tentaram te envolver em todos os aspectos da criação de games, da programação ao design. Eu me manteria bem longe de escolas voltadas

somente para o design - estes ou são esquemas ou são mais voltados para a Academia do que para a confecção de games. Também vale a pena descobrir se a escola é dona do que você produzir enquanto você for um estudante deles.

Veja também: Jonathan Blow – How to Program Independent Games ( leia os comentários e assista ao vídeo)

Ok, você me disse pra fazer algo. Como eu começo?

Meu melhor conselho para aqueles que estão começando é não se colocar a frente de si mesmos. É fácil começar a se preocupar com ferramentas, times, plataformas, acordos, divulgação, premiações, e qualquer coisa antes de ter um sprite se movendo na tela. Estas estrelas nos seus olhos vão te cegar. Vão te paralisar. Você precisa ativamente fazer games o tempo todo.

Se nós estivéssemos falando sobre pintura, eu te diria para ir correndo pegar um kit de pintura e um bloco de notas na loja de arte mais próxima o quanto antes. Você desenharia um monte de lixo e se sentiria frustrado. Mas isso seria meio que divertido – então você continuaria a fazê-lo. No meio do caminho você leria um pouco de teoria e estudaria o trabalho de outras pessoas. Com bom gosto e sob um olhar crítico, você continuaria pintando até que um dia você pintaria algo bom.

Estamos falando de games. Eu recomento o Game Maker e Unity como as ferramentas para se fazer jogos de todo tipo. Ambas tem um bom equilíbrio no quesito poder contra facilidade de utilização; ambas são baratas ou tem demos gratuitos, e ambas tem uma imensidão de tutoriais e plugins online. Ambas são utilizadas por desenvolvedores profissionais (Unity em particular). Agarre uma e comece a seguir tutoriais. Quando você esbarrar em problemas, peça ajuda. Ajude quando você começar a entender as coisas. Seja ativo na comunidade de criação de games.

Mas acima de tudo, continue fazendo games. É o único jeito de responder a todas estas perguntas que estão na sua cabeça agora.

E assista isso [ inglês ]:

FINALMENTE, MEU TOP 10 DE DICAS:

2. Não subestime a arte. É fácil subestimar a importância da arte do jogo. E mesmo se

você não a subestima, é fácil subestimar a importância de ter um estilo único na arte do jogo. O resultado é que há muitos jogos feios ou genéricos que falham em capturar a atenção das pessoas.

Se você não tem talentos artísticos, tente estilo e coerência como muitos desenvolvedores indie fazem. Mesmo o feio é melhor que o genérico, no geral. Lembre- se: é a primeira impressão da maioria das pessoas sobre seu game.

3. Não culpe o marketing( não muito). Na comunidade indie se tornou popular escreverem artigos de “como eu falhei” com screenshots e comentários sobre um jogo feio e chato onde o texto fala das más decisões de marketing. Vamos encarar a

realidade, ninguém quer admitir que lhe falta criatividade, visão ou talento. É muito mais fácil colocar a culpa em datas de lançamento, trailers, websites, e seja lá o que for.

Esta é a internet. Um bom game vai fazer seu caminho. Marketing certamente ajuda, e o hype certo vai te manter vivo muito além do curto prazo, mas só marketing não vai fazer seu nome ou te derrubar – marketing é somente um multiplicador de quão bom o seu game é. Dizer o contrário só ferirá sua habilidade de auto-crítica e assim suas chances de aprimorar sua técnica. E também encoraja os outros a fazerem o mesmo.

4. Indie não é um gênero nem uma estética. Faça o game que você quer fazer, não o

que você pensa que um game indie “deve ser”. Recentemente, o time bem pequeno e bem independente por trás do The Legend of Grimrock anunciou que o seu tradicional jogo de exploração de cavernas vendeu mais de 600.000 cópias. Não se sinta pressionado a ser desonesto sobre o que você gostaria de fazer – no fim das contas, o que é independência se não estar livre destas pressões?

5. Construa para si um ambiente de trabalho que lhe seja saudável. Você é

introvertido e perde energia próximo de outras pessoas ou é extrovertido e ganha energia dessa forma? Ou algo no meio? Como você quer que o seu dia normal de trabalho seja?

Você quererá focar toda a sua energia disponível em criar, e é incrível o quanto pode ser desperdiçado em coisas aparentemente mundanas. Descobrir seu espaço de trabalho físico bem como seu sistema de apoio pessoal são elementos-chave para a solução deste problema, e é de vital importância na sua carreira como criador independente.

6. Continue independente! Que fique claro, se tornar indie pode ser assustador. Sempre

haverá a tentação de vender a si e a suas ideias para terceiros por um pouco de segurança. Mas honestamente, uma vez que você andar por essa estrada é difícil voltar – cada momento em que você tem segurança pode não ser um momento em que você progrida. Não estou recomendando imprudência, mas é importante se manter comprometido e focado na tarefa da vez. A vida é curta.

Acrescentando, não desista da sua IP ou de forma alguma limite suas oportunidades no longo prazo. Mantenha exclusividade por um tempo determinado. Quando Aquaria foi lançado não estávamos cientes da Steam. O Humble Bundle não existia ainda. Ipad não existia. Estar em todas estas plataformas tem sido ótimo para nós. Você precisa se manter livre de amarras para tirar vantagem do que o futuro lhe trará.

7. Crie sua própria sorte. Como artista, eu devo muito as pessoas ao meu redor – minha

família, amigos, colegas, ídolos. Eu aceito que muito do meu sucesso era simplesmente

sorte por ter nascido com estas pessoas na minha vida.

Porém é importante perceber que você cria muitas das suas oportunidades também. Por exemplo, eu conheci Alec (meu amigo e co-criador do Aquaria) porque ele se ofereceu para me ajudar no I'm O.K. Este foi um jogo iniciado nos fóruns do Pix Fu. O The Pix Fu Forums eram parte do meu site pessoal e os membros eram amigos que eu havia feito antes nos meus dias de Blackeye Software/Klik n' Play.

Você pode traçar um caminho semelhante nas versões do Spelunky original para XBLA até a versão original para PC e os fóruns TIGSource.

Meu ponto é – coloque-se lá fora. Faça coisas (eu não posso destrinchar o suficiente!). Você nunca sabe quando uma porta vai se abrir, mas quando acontecer é provável que estará ligado à situações do seu passado quando você escolheu ativamente participar de algo ou alguma ideia.

8. Evite “negócios como guerra”. Como profissional você precisará tomar decisões de

negócio ao menos ocasionalmente, e sendo um tipo criativo você não deve se interessar

por esse tipo de coisa. Caramba, você deve até mesmo estar morrendo de medo disso.

Bem, eu estou aqui dizendo que você não precisa ser o Gordon Gekko para ter sucesso como um indie. E por favor, não tente sê-lo. Na verdade, evite os Gordon Gekkos. Evite pessoas tentando te confundir. Evite aqueles que tentam achar erros. Evite aqueles que tentam te apressar.

Se você tem um grande game, não há distribuidor com que você tenha de trabalhar, não há plataforma que você tenha que estar presente, ou pessoa que você tenha que trabalhar junto. Sempre esteja disposto a desistir de um mau negócio, especialmente se for necessário para manter sua independência como criador. Por outro lado, seja uma pessoa direta e generosa.

As pessoas ficam na defensiva quando estão assustadas. Não sente-se à mesa com alguém assim, ou alguém assim que na hora de fazer negócios é muito agradável. Isso é Wall Street!

9. Nada de micagem. Simples, foque em fazer um bom game – um game único, profundo

e interessante – em vez de tentar copiar truques baratos para agarrar a atenção das pessoas. Se falarmos de um sistema de jogo com um nome bonito e pomposo mas que no fundo é fraco e raso, ou se falarmos sobre ideias de marketing que você viu em algum lugar, micagem é micagem. E você deveria evitá-las porque são soluções de curto prazo, de alto risco e que no final acabam te barateando como artista, talvez literalmente bem como metaforicamente.

Certamente, deve-se assumir riscos em game design bem como na vida. Meu ponto é que devem ser honestos, devem valer a pena – estes tendem a ser menos arriscados no longo prazo.

10. Você é o seu game – entenda e desenvolva-se. Como um desenvolvedor de games indie seu game será mais “você” do que um game feito por milhares de pessoas. Você tem de entender bem a si mesmo para fazer um game verdadeiramente bem sucedido. Felizmente, descobrir o que faz você “você” - seus gostos, com o que você se importa, suas habilidades – é um dos grandes prazeres na vida e anda bem próximo do seu objetivo de se tornar um criador independente. Descubra-se!