GRAÇA, FÉ E SALVAÇÃO

- por René Burkhardt | 27 de Março de 2008

"Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores" (Rm 5.8) Que maravilhosa declaração de amor! E quanta dificuldade nós temos para compreender esse amor! Em poucas palavras o Espírito Santo nos mostra a salvação que Deus nos proporcionou, baseada exclusivamente em Sua graça, esperando de nós, apenas, a grande obra de termos fé Naquele que por Ele foi enviado (Jo 6.29), a saber, o Senhor Jesus. O ser humano tem dentro de si um grande pecado, a soberba, que, junto com a incredulidade, causa sua separação do Deus Criador. O Diabo sempre soube desse pecado no homem, idêntico ao que ele mesmo tinha, e provocou Eva a fazer uso dele: "Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal. Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu" (Gn 3.5-6 - grifo meu). Muitas pessoas dizem que Deus é injusto, por condenar todos os homens pelo pecado de Adão e Eva. Dizem que, no lugar deles, não teriam desobedecido. Talvez alguns, não desobedecessem mesmo, naquele momento, mas o fariam em outro qualquer. Porque, na verdade, o pecado não era o desobedecer. Pecado é aquilo que leva a desobedecer. A desobediência se tornou manifesta como pecado, através da lei: "mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás..." (Gn 2.17). O Senhor Jesus deixa claro (ver Mt 5.21-28) que o pecado existe dentro de nós, antes mesmo de ser manifesto pela lei como pecado. Assim, certamente, qualquer um que estivesse no lugar de Adão e Eva, pecaria em algum momento. Essa é a nossa natureza. Fomos feitos assim, para que a Justiça de Deus se manifestasse de forma completa. Junto com essa natureza pecaminosa, o Senhor nos deu o livre arbítrio, o direito de optarmos por aquilo que consideramos certo. Evidentemente que essa nossa natureza sempre nos levaria a optar pelo errado, por caminhos que no final são caminhos de morte (Pv 16.25), mas Deus, em Seu plano perfeito, providenciou que o Seu próprio Espírito estivesse sempre perto de nós, para nos orientar e nos dar a base para escolhermos um caminho. Deus deixou isso registrado para nós, a fim de que não pensássemos que as nossas escolhas são feitas com base no nosso conhecimento, na nossa sabedoria: "Os passos do homem são dirigidos pelo SENHOR; como, pois, poderá o homem entender o seu caminho?" (Pv 20.24) e também: "Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele." (Is 30.21). Isso se refere a crentes e a incrédulos. É de todos os homens que Ele está falando. Logo após a queda do homem, Deus já deixou claro que o pecado estava dentro do homem e que, seguindo a Sua orientação e fazendo uso do livre arbítrio que Ele nos deu, não sofreríamos tanto com as suas conseqüências: "Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo." (Gn 4.7 - grifo meu). Porém, mesmo com essas orientações, Deus, por ser onisciente e onipresente, já sabia que o homem sucumbiria à força do desejo do pecado. É por isto que, desde os tempos eternos, Ele já tinha o Seu plano perfeito de salvação do homem, concedida por Sua graça, alcançada mediante a fé. E aí está o grande atributo do livre arbítrio no homem: escolher ficar eternamente com o seu Criador e gozar das conseqüências desta escolha, ou escolher se afastar eternamente do seu

Criador e sofrer as conseqüências desta escolha. O fato principal é que há uma escolha a ser feita e ela deve ser feita nesta vida. E as conseqüências também começam nesta vida. Aquele que abre mão de satisfazer os desejos do corpo e da mente agora, fica afastado das coisas que há no mundo, todas feitas com a intenção de promover a maior satisfação física possível, mas, ao mesmo tempo, recebe de Deus, através do Espírito Santo, força, paz, esperança e satisfação interiores, que o capacitam a andar em direção contrária ao mundo, a despeito da oposição, zombaria, escárnio e da própria morte que possa sofrer. Já o que opta por se aproximar do mundo e se afastar de Deus, pode até alcançar o objetivo de prosperidade, ou seja, adquirir tudo que for possível e imaginável para a satisfação física e mental, porém, a satisfação nunca se completará. Sempre haverá um vazio interior que bem físico algum poderá preencher. As duas situações dizem respeito à nossa semelhança com Deus. O Criador, que é uma Trindade, a saber, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, nos criou à Sua imagem e semelhança (Gn 1.26). O homem também é uma trindade, a saber, corpo, alma e espírito. Tanto o corpo, como o espírito, têm desejos que precisam ser satisfeitos. Entre os dois fica a alma, recebendo os pedidos de ambos e comandando o cérebro a agir conforme ela achar que é mais necessário. Nosso cérebro não age sozinho. Ele precisa receber comandos para, então, comandar o corpo, que também não age, se não for comandado a agir. Nossa alma está acostumada a dar ouvidos para o corpo, desde que fomos formados no ventre materno. Durante todo o nosso crescimento físico, nossa alma dá comandos ao nosso cérebro, no sentido de satisfazer as vontades do corpo. É na fome, no frio, no calor, na alegria, na tristeza, na preguiça, na procriação e, enfim, em tudo que diz respeito às necessidades físicas. Mas, nesse meio tempo, nosso espírito vai dando espetadas em nossa alma, para que ela também se preocupe com ele e satisfaça suas necessidades. À medida que essas necessidades não são satisfeitas, os golpes do espírito na alma ganham força. E a grande necessidade de nosso espírito é ter comunhão com o Espírito do Deus Pai. Todo o ser humano tem essa necessidade. É por isto que aqueles que optam por ficarem afastados de Deus, podem ganhar o mundo inteiro que nunca ficarão totalmente satisfeitos. Porque seu espírito não foi satisfeito. Por isso o Senhor diz que o desejo do pecado será contra nós, pois ele sempre leva para a satisfação física, não à satisfação espiritual. Por isso, a soberba é o grande pecado que habita no homem, pois ela sempre diz que o próprio homem, como um deus, deve ser o centro das atenções, que, como um deus, ele deve ter todas as suas vontades satisfeitas, que ele, como um deus, tem capacidade para fazer qualquer coisa, que ele, como um deus, tem domínio sobre todo o universo. Por isso, a soberba anda junto com a incredulidade, pois, ao endeusar o próprio homem, não crê no poder do Verdadeiro Deus Criador de estar no comando de todas as coisas, de interferir pessoalmente na vida do homem, de não precisar de nenhuma obra que o homem viesse a fazer por si mesmo, de ser, ao mesmo tempo, o Criador justo e justificador de todas as pessoas que têm fé em Jesus (Rm 3.26). Por isso, se manifestou a "justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos [e sobre todos] os que crêem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos;" (Rm 3.22-25). A GRAÇA "E ainda não eram os gêmeos nascidos, nem tinham praticado o bem ou o mal (para que o propósito de Deus, quanto à eleição, prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama), já fora dito a ela: O mais velho será servo do mais moço. Como está escrito: Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú" (Rm 9.11-13). Esta é uma clara situação, da mesma forma que com a Igreja, em que a graça de Deus é parte integrante e essencial de Seu plano. O Espírito de Deus, através do apóstolo Paulo, também nos informa que Deus elege aqueles que desfrutarão de Sua graça. Essa eleição não tem nada a ver com a doutrina calvinista, onde Deus escolhe aqueles que serão Seus e,

2

independentemente do homem crer e viver o Evangelho, ou não, nada mudará esse destino. De acordo com essa doutrina, os eleitos seriam salvos mesmo sem crer e os não eleitos estariam para sempre perdidos, ainda que cressem. Aqui, e em toda a Palavra de Deus, fica claro que a eleição de Deus é em decorrência, novamente, de Sua onisciência e onipresença. O Senhor conhece todos os dias de nossas vidas, os que já passaram e os que, porventura, ainda existirão. É assim que Ele sabe quem terá um coração de acordo com Ele e que se entregará a Ele, passando, dessa forma, a fazer parte de Sua eleição. Essa eleição decorre da vida das pessoas. Não é ela que define a vida das pessoas. Participar dessa eleição depende do fato de fazermos uso do nosso livre arbítrio, abrindo mão de vivermos para nós mesmos e passando a viver totalmente sob o comando do Espírito Santo. E isso deve ser feito de coração, por amor ao Deus Criador, ao Senhor Jesus, não por interesse de ser salvo, ou por ter outros benefícios de ser cristão. Esse amor ao Senhor deve gerar uma confiança tal que, ainda que Ele nos mandasse para o inferno, ficaríamos felizes, pois teríamos a certeza de que Ele permitiria que trabalhássemos lá para Ele. Seria para Sua honra e Sua glória. Mesmo depois de entregarmos nossa vida de coração ao Senhor, a soberba ainda habita dentro de nós e temos que conviver com isto o tempo todo. Quando o Senhor Jesus disse que aquele que quiser segui-Lo deve negar a si mesmo (Mt 16.24), estava falando de renúncia às próprias vontades, ou seja, dominar o pecado que jaz à porta, dominar a soberba. A soberba do homem o leva a agir de forma quase que incontinente, no intuito de chegar logo ao fim de algo. Ele pensa que tudo depende de suas próprias ações, por não compreender a graça de Deus. Como vimos no versículo anterior, é "para que o propósito de Deus... prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama". As obras vêm de Deus, depois que nos entregamos a Ele. Elas são providenciadas por Ele, não por nós: "Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas" (Ef 2.10). Assim, nossas obras serão as conseqüências de nossa salvação, nunca a causa. Primeiro somos convertidos pelo Espírito de Deus, depois agimos. Primeiro o Senhor Jesus disse "Vinde a mim... e aprendei de mim" (Mt 11.28.29), depois Ele disse "Ide, portanto, fazei discípulos..." (Mt 28.19).Não somos, em nenhum momento, incentivados a agir sem o preparo e o comissionamento do Senhor. A Palavra de Deus nunca nos deu algum indicativo de que devêssemos agir para obter algo de Sua parte. Pelo contrário, a Palavra sempre mostrou que somos totalmente dependentes de Deus para toda e qualquer coisa. No entanto, sempre invertemos a ordem das coisas. Primeiro queremos sair e fazer discípulos, e, só então, vemos que deveríamos ter parado, ouvido, aprendido e esperado a ordem para fazermos algo. Primeiro saímos e fazemos o bem a várias pessoas, distribuímos nosso dinheiro com quem precisa, e, só então, vemos que não o fizemos por amor a Cristo, mas para mostrarmos que temos uma nova vida, diferente da vida dos outros, mais nobre, mais justa que a dos outros. Esse é o tipo de caminho que parece direito ao homem, mas que ao final são caminhos de morte. "...A letra mata, mas o Espírito vivifica" (2Co 3.6) diz o Senhor. Ao fazermos do Evangelho uma lei a ser seguida, apagamos o Espírito Santo e negamos o Seu poder. E, "... se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isso perdoado, nem neste mundo nem no porvir" (Mt 12.32). Isso seria o pecado de morte. Precisamos deixar o Espírito agir em nós, para que, então, a lei seja cumprida em nossas vidas. Senão, estaremos no mesmo caso dos fariseus que foram duramente exortados pelo Senhor por cumprirem os preceitos da lei, mas não cumprirem a sua essência (Mt 23.23). A essência do Evangelho é a graça de Deus manifestada em Jesus Cristo e operada em nós pelo Espírito Santo. "Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo" (Tt 3.4-5 - grifo meu). Enquanto não tivermos uma compreensão perfeita da missão do Consolador na terra, nos homens, continuaremos tentando praticar obras de justiça por nós mesmos. É o Espírito de Cristo que nos convence do pecado, nos guia a toda a verdade, nos anuncia as coisas que hão

3

de vir, nos ensina todas as coisas, nos faz lembrar da Palavra, nos aperfeiçoa, nos santifica, nos fortalece, nos enche de paz, nos habilita com dons, nos ajuda a orar e a louvar a Deus, e tantas outras coisas mais. Tudo isso nos é concedido pela graça de Deus. Não é por merecimento. Se precisássemos fazer algo para merecer isso, já não seria mais pela graça de Deus, mas por nossas obras. Não estaríamos recebendo a graça proveniente do amor e da misericórdia de Deus, mas, sim, um justo salário pelo nosso trabalho. Não existe uma troca de favores. O Senhor Jesus comprou nossas vidas, não nossa obra. Quando compreendemos isso e aprendemos sobre Seu caráter e Sua Palavra, aí sim Ele nos faz trabalhar, mas onde, quando e como Ele quer. A FÉ "Aquele, Pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé? E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé. Ora, a lei não procede de fé, mas: Aquele que observar os seus preceitos por eles viverá. Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro), para que a benção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido" (Gl 3.5, 11-14). A incredulidade é um dos fatores que causam nossa separação de Deus e a fé é o fator que se opõe à incredulidade e que nos leva diretamente a Deus, pois, por ela, recebemos o Espírito prometido. E, como vimos, Ele nos ensina todas as coisas. Porém, há diferentes tipos de fé e todas as pessoas, em algum momento de suas vidas, praticam fé. Quando vamos a um médico e ele receita algo para a nossa cura, temos fé de que assim será e procuramos adquirir o que ele receitou, a despeito de ele ser um desconhecido para nós. Temos fé de que ele foi capacitado por alguma instituição de ensino e que esta estava habilitada a ensinar. Quando vamos a farmácia com a sua receita, temos fé de que o farmacêutico vai entender aqueles garranchos incompreensíveis do médico e de que vai nos dar o remédio correto. Quando entramos em um avião, temos fé de que o piloto está habilitado e sabe pilotar. Também podemos pensar que temos fé ao aplaudir um belo sermão sobre o caráter, os atributos e o governo de Deus, e sobre o plano de salvação, porque a glória e a excelência mostradas nos excitam a esse ponto. Aprovamos a verdade pregada de forma abstrata. Mas tudo isso é uma fé intelectual, não é a verdadeira fé salvadora da qual a Bíblia nos fala. Essa aprovação da verdade também é comum aos incrédulos e aos demônios. Eles também reconhecem que essa pregação é verdadeira, mas se recusam a aplicá-la em suas vidas. A fé que nos leva a receber o Espírito de Cristo também precisa ser compreendida por nossa mente, ao ouvirmos a pregação. Mas precisamos receber a verdade pregada e termos consciência de que essa verdade deve ser aplicada em nossa vida, em nossa conduta. A Palavra trata isso como arrependimento, ou seja, ouvimos a pregação, concordamos que ela é a expressão da verdade, que a nossa vida até aquele momento nos afastava do Deus Criador, por não ter sido de acordo com a Sua vontade, que precisamos de transformação e que só o Senhor Jesus pode fazer isso, porque Ele "se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção" (1Co 1.30 - grifo meu). Essa compreensão intelectual deve ser passada para o nosso coração, que, na verdade, é a nossa alma, para haver uma mudança na nossa conduta. Nesse momento, nossa alma percebe que essa é a forma de satisfazer o nosso espírito. Era isso que nosso espírito pedia há tanto tempo e o nosso ser se enche de alegria com essa descoberta. Então, ainda recebendo a pregação, a alma manda comandos ao cérebro, de forma que o espírito comece a ser satisfeito em primeiro lugar, não mais o corpo. E a pregação diz que só o Espírito Santo pode completar essa satisfação e também diz como podemos recebê-Lo: "Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?" (Lc 11.13). O Senhor está falando do batismo aqui. Não o batismo com, ou em, água, que é o compromisso público que assumimos de entregar nossas vidas nas mãos de Deus. Todo cristão

4

deve passar por esse simbolismo para demonstrar a homens e a seres celestiais que acreditou na Palavra de Deus e optou por viver de acordo com ela. Mas o Senhor fala do batismo que João Batista anunciava, referindo-se a Jesus: "...ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo" (Lc 3.16). Esse é o batismo que nos habilita a dizer: "Senhor Jesus!" (ver 1Co 12.3 e 1Jo 4.1-3) e ele não depende do batismo simbólico (mas o cristão batizado com o Espírito de Deus, certamente buscará cumprir o simbolismo, tão rápido quanto puder). Resumindo, o que foi recebido intelectualmente foi passado para o coração (a alma) e foi transformado em fé. Essa fé é crer incondicionalmente em tudo que o Deus Pai diz a respeito de Seu Filho e aplicar tudo na própria vida. Ela também nos leva a pedir pelo Espírito Santo e recebê-Lo, passando a sermos transformados, aperfeiçoados por Ele, até sermos apresentados perfeitos diante do Deus Todo-Poderoso. Mas se, ao recebermos o pleno conhecimento da verdade, optarmos por continuar vivendo no pecado, ao invés de aplicarmos a Palavra em nossas vidas, estaremos ultrajando o Espírito da Graça, profanando o sangue da aliança e estaremos em rebelião contra Deus. Aqueles que rejeitaram a Lei de Moisés, morreram sem misericórdia pelo depoimento de duas ou três testemunhas. Assim, escolhendo a incredulidade no poder de Deus pelo Espírito, ao invés da fé, seríamos merecedores de um castigo muito mais severo (Hb 10.26-29). É pela fé que a benção da justificação é conduzida até nós: "Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus" (Rm 5.1-2). Então, a fé justificadora é a que nos leva a crer na expiação feita por Cristo, ou crer na Palavra que Deus deu sobre Seu Filho. É a que nos dá acesso a essa graça do perdão e da salvação, na qual estamos firmes. Isto é tratado exaustivamente no Novo Testamento. Com isto, Deus nos mostra que a fé justificadora, ou salvadora, não é crer que somos perdoados ou salvos. Não temos o direito de pensar que seremos perdoados e salvos, até exercitarmos essa fé justificadora, qual seja, a de crermos na obra redentora de Cristo e na Palavra de Deus. Por isto, a verdadeira fé justificadora deve nos levar a buscar a glória de Deus, não Suas bênçãos. A fé é o instrumento da nossa justificação, porque ela é o instrumento natural para recebermos o Espírito Santo e sermos santificados. Ao sermos santificados, é que recebemos o perdão e a salvação. Isso nos mostra a diferença entre verdadeiros e falsos cristãos. É a motivação da busca de um e de outro. Um busca a presença de Deus, porque Ele é o grande Deus Criador. O outro busca a Deus por Suas bênçãos em geral, como a salvação, para não ser eternamente incomodado pelo fogo. Um busca a Deus e é habilitado pelo Espírito a fazer boas obras. O outro faz boas obras para parecer que está sendo usado por Deus. Um ora e louva, porque ama a Deus. O outro, porque quer que os outros pensem que ele é espiritual. Um tem fé. O outro se acha esperto. O destino de um é a salvação, a vida eterna. O destino do outro é a vergonha e o horror eternos. A SALVAÇÃO "Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade" (Fp 2.12-13). O apóstolo Paulo havia acabado de chamar a atenção dos filipenses para Cristo Jesus, dizendo que Ele deveria ser imitado, pois Se esvaziou da forma de Deus, de Rei Soberano, para assumir a forma de servo. Deixou de comandar, para servir. Servir é obedecer a ordens. E Ele obedeceu até à morte. Cumpriu a vontade do Pai até o fim. Evidentemente, a ordem de imitar a Cristo Jesus não foi só para os filipenses, mas para todos os que viessem a crer na Palavra. Este é um dos princípios do cristianismo. O Senhor Jesus disse: "E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo" (Lc 14.27). Onde Ele diz "vier após mim", Ele mostra que é necessário seguiLo, e isto é imitá-Lo, pois, quando tomamos algo como verdadeiro, temos que aplicar em nossas vidas, senão, estaremos enganando aos outros e a nós mesmos. E, neste caso, devemos também obedecer à vontade de Deus, assim como Ele fez.

5

Paulo poderia ter dito "obedecei", em lugar de "desenvolvei a vossa salvação", mas ele quis chamar a atenção para o fato de nossa salvação ser o resultado da nossa obediência, pela fé, à Palavra de Deus. Desenvolver essa salvação é praticar a obediência, em todos os momentos, com temor e tremor diante do Deus Altíssimo, porque Ele nos indica o que fazer e nos capacita, pelo Espírito, a realizar Sua vontade. Portanto, nossa salvação é o resultado da graça de Deus, através da nossa fé em Jesus Cristo. Não podemos nunca colocar a salvação como nosso objetivo, usando Deus como um meio para chegar a ela. A ordem dos fatores, aqui, altera completamente o produto. Quando queremos ser salvos, desviamos nosso olhar do verdadeiro objetivo que deve nortear nossas vidas. Desviamos nosso olhar de Cristo, demonstrando claramente que o fim de tudo é o nosso próprio bem estar. E, na verdade, não cabe a nós decidirmos se seremos salvos ou não. O que cabe a nós é crermos no sacrifício vicário de Jesus, o Filho de Deus, e em toda a Palavra registrada de Deus. E, então, confiar na promessa que Deus fez de salvar todo aquele que fizer isso. A promessa é de uma conseqüência para um ato. O ato é a fé. A conseqüência, a salvação. "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2.8-9). Amém.

Extraído de http://kasteloforte.blogspot.com/2008/08/graa-f-e-salvao.html

6

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful