Você está na página 1de 9

Direito Administrativo

Thais Nunes (PR)

artigos anteriores |

e-mail

21/05/09 - DICAS QUENTES - Prova de Agente Administrativo da Receita


Federal
Amados Alunos da Rede Aprovação
Elaborei uma lista de afirmativas corretas de provas anteriores da ESAF para que vocês
possam ler antes da prova. Espero que todos os alunos da Rede Aprovação DESTRUAM
A CONCORRÊNCIA. Não estarei com vocês na hora da prova, mas estarei com o
coração.
Prof. Thais Nunes | contato@thaisnunes.com.br
“Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das
minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?” (Isaías 43:13)
01.(ESAF/2009 - Analista em Planejamento, Orçamento e Finanças Públicas da
SEFAZ/SP) O ato administrativo em consonância com a lei, mas que ofende os bons
costumes, as regras da boa administração e os princípios de justiça, viola o princípio da
moralidade.
02.(ESAF/2009 - Analista em Planejamento, Orçamento e Finanças Públicas da
SEFAZ/SP) A administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas
áreas de competência e jurisdição, precedência sobre os demais setores
administrativos.
03.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) O prazo de validade do
concurso público será de até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período.
04.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) A administração fazendária e
seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,
precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei.
05.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal) A declaração de desnecessidade de
cargo público, prevista no parágrafo 3º do artigo 41 da Constituição Federal, implica
eventual aproveitamento do servidor colocado em disponibilidade em outro cargo.
06.(ESAF/2005 - Auditor Fiscal da Receita Federal) O sistema de remuneração dos
servidores públicos, sob a forma de parcela única, ou subsídio, permite o pagamento
somente da seguinte vantagem: INDENIZAÇÕES.
07.(ESAF/2006 - Advogado do IRB) É possível, nos termos definidos em lei, a adoção de
requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria para servidores
públicos que sejam portadores de deficiência.
08.(ESAF/2002 - Analista de Controle Externo do TCU) É possível que um servidor
público federal se aposente em cargo público da União recebendo aposentadoria pelo
regime geral da previdência.
09.(ESAF/2002 - Especialista em Políticas Públicas do MPOG) Correlacione as duas
colunas, quanto aos princípios da Administração Pública.
Razoabilidade - Prestigia o entendimento do homem médio.
Moralidade - Relaciona-se com os costumes.
Finalidade - Interessa-se pelo permanente atendimento do bem comum.
Economicidade - Avalia a relação custo/benefício.
Eficiência - Preocupa-se com a governabilidade.
10.(ESAF/2002 - Especialista em Políticas Públicas do MPOG) No regime especial de
previdência do servidor público é possível que a aposentadoria se dê por critérios
diferenciados, desde que a atividade exercida prejudique a saúde, nos termos de lei
complementar.
11.(ESAF/2006 - Analista do IRB) Considerando-se os princípios que regem a
Administração Pública, relacione cada princípio com o respectivo ato administrativo.
Impessoalidade - Concurso Público.
Impessoalidade - Pagamento por precatório.
Moralidade - Punição de ato de improbidade.
Publicidade - Divulgação dos atos da Administração Pública.
Eficiência - Escolha da melhor proposta em sede de licitação.
12.(ESAF/2006 - Analista de Finanças e Controle da CGU) Por força de disposição
constitucional, as áreas de atuação de uma fundação devem ser definidas por lei
complementar.
13.(ESAF/2000 - Analista de Finanças e Controle) O regime jurídico-administrativo
abrange diversos princípios. Entre os princípios abaixo, assinale aquele que se vincula à
limitação da discricionariedade administrativa: RAZOABILIDADE.
14.(ESAF/2000 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Os proventos de aposentadoria, por
ocasião de sua concessão, não poderão exceder a remuneração do respectivo servidor,
no cargo efetivo em que se deu a aposentadoria.
15.(ESAF/2000 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Ao servidor ocupante,
exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e
exoneração, aplica-se o regime geral de previdência social.
16.(ESAF/2000 - Auditor Fiscal da Receita Federal) A aposentaria compulsória, por
implemento de idade, ocorre aos setenta anos, seja homem ou mulher o servidor.
17.(ESAF/2003 - Técnico da Receita Federal) A proibição de acumular cargos e
empregos públicos estende-se a entidades controladas direta ou indiretamente pelo
Poder Público.
18.(ESAF/2003 - Técnico da Receita Federal) A lei deverá dispor sobre requisitos e
restrições ao ocupante de cargo público que possibilite o acesso a informações
privilegiadas.
19.(ESAF/2000 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Os casos de contratação por tempo
determinado são destinados, exclusivamente, ao atendimento de necessidade
temporária de excepcional interesse público.
20.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal) A exigência de concurso público de
provas ou de provas e títulos, estabelecida no art. 37, inciso II, da Constituição Federal,
pode ser excepcionada por lei que autorize a contratação por tempo determinado para
atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.
21.(ESAF/2002.2 - Auditor Fiscal da Receita Federal) A lei federal que rege a
contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de
excepcional interesse público aplica-se a todas as esferas da Federação.
22.(ESAF/2002.1 - Auditor Fiscal da Receita Federal) O teto remuneratório previsto na
Constituição Federal, correspondente ao subsídio mensal do Ministro do Supremo
Tribunal Federal, não alcança: O SALÁRIO DE EMPREGADO DE EMPRESA PÚBLICA
FEDERAL.
23.(ESAF/2000 - Técnico da Receita Federal) A teoria da responsabilidade objetiva do
Estado consiste em que ele responde pelos danos causados por seus agentes a
terceiros: INDEPENDENTE DE PRÉVIA PROVA DE DOLO OU CULPA DESSES
SERVIDORES.
24.(ESAF/2000 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Assinale a opção que indica a
prescrição para as ações de ressarcimento decorrentes dos ilícitos praticados por
qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuízos ao erário: NÃO OCORRE
PRESCRIÇÃO.
25.(ESAF/2006 - Técnico da Receita Federal - Tecnologia da Informação) A
responsabilidade civil objetiva, da Administração Pública, compreende os danos
causados aos particulares, até mesmo: SEM HAVER CULPA OU DOLO DO SEU AGENTE,
PELO ATO OU FATO DANOSO.
26.(ESAF/2006 - Analista de Controle Externo do TCU) Pela regra do teto
remuneratório, ficou estabelecido que, nos Estados-federados, o limite de remuneração
no âmbito do Poder Judiciário é o subsídio dos desembargadores. Esse mesmo teto,
conforme a integridade da norma constitucional, abrange, ademais dos membros do
Ministério Público, a(s) categoria(s) de: PROCURADORES E DEFENSORES PÚBLICOS.
27.(ESAF/2006 - Analista Técnico da SUSEP) A legalidade, como princípio básico da
Administração Pública, especificamente, consiste mais em que, a autoridade
administrativa só pode praticar atos, quando: AUTORIZADOS OU PERMITIDOS EM LEI.
28.(ESAF/2006 - Analista de Controle Externo do TCU) A responsabilidade decorre de
ato comissivo ou omissivo, culposo ou doloso.
29.(ESAF/2006 - Analista de Controle Externo do TCU) A obrigação do servidor em
reparar o dano estende-se a seus sucessores, até o limite do valor da herança.
30.(ESAF/2006 - Analista de Controle Externo do TCU) A responsabilidade objetiva pode
abranger ações de agentes de empresas privadas, desde que concessionárias de
serviços públicos.
31.(ESAF/2006 - Analista Administrativo da ANEEL) A autonomia gerencial, financeira e
orçamentária dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser
ampliada mediante: CONTRATO DE GESTÃO.
32.(ESAF/2002.2 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Havendo compatibilidade de
horários, é possível a acumulação remunerada do exercício do cargo público com o
desempenho do seguinte mandato eletivo: VEREADOR.
33.(ESAF/2006 - Administrador da Escola Nacional de Administração Pública) É vedada
a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria pelo
regime de previdência do servidor público, ressalvados, nos termos definidos em leis
complementares, os casos, entre outros, de servidores que exerçam atividades de risco.
34.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) A exigência constitucional de concurso
público para provimento de cargos públicos reflete a aplicação efetiva do princípio da
impessoalidade.
35.(ESAF/2006 - Técnico Administrativo da ANEEL) A ação de ressarcimento contra
servidor que causa prejuízo ao erário é imprescritível.
36.(ESAF/2006 - Agente Executivo da SUSEP) No caso da extinção de órgão público, em
que fiquem extintos cargos ou declarada sua desnecessidade, os servidores efetivos
seus ocupantes, quando forem estáveis, devem ficar: EM DISPONIBILIDADE.
37.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) O gerenciamento de recursos públicos sem
preocupação de obter deles o melhor resultado possível, no atendimento do interesse
público, afronta o princípio da eficiência.
38.(ESAF/2002 - Auditor Fiscal da Previdência Social) A condenação do servidor público
nas penas previstas para atos de improbidade não prejudica uma eventual ação criminal
pelos mesmos fatos.
39.(ESAF/2005 - Auditor do Tesouro do RN) A indisponibilidade de bens é uma medida
de natureza cautelar que visa a garantir o ressarcimento do erário.
40.(ESAF/2005 - Auditor do Tesouro do RN) A lei deve estabelecer a gradação das
penas a serem aplicadas, por ato de improbidade administrativa.
41.(ESAF/2005 - Auditor do Tesouro do RN) A propositura da ação de improbidade
administrativa não impede que se intente a ação penal, pelos mesmos fatos.
42.(ESAF/2001 - Agente Tributário Estadual do MS) A vedação à utilização de imagens e
símbolos que possam significar promoção pessoal de autoridades e servidores públicos
justifica-se, basicamente, pelo princípio da Impessoalidade.
43.(ESAF/2005 - Auditor-Fiscal do Tesouro Estadual do RN) O princípio da publicidade
visa a dar transparência aos atos da administração pública e contribuir para a
concretização do princípio da moralidade administrativa.
44.(ESAF/2005 - Auditor-Fiscal do Tesouro Estadual do RN) A exigência de concurso
público para ingresso nos cargos públicos reflete uma aplicação constitucional do
princípio da impessoalidade.
45.(ESAF/2005 - Auditor-Fiscal do Tesouro Estadual do RN) O princípio da
impessoalidade é violado quando se utiliza na publicidade oficial de obras e de serviços
públicos o nome ou a imagem do governante, de modo a caracterizar promoção pessoal
do mesmo.
46.(ESAF/2005 - Auditor-Fiscal do Tesouro Estadual do RN) A aplicação do princípio da
moralidade administrativa demanda a compreensão do conceito de “moral
administrativa”, o qual comporta juízos de valor bastante elásticos.
47.(ESAF/2006 - Agente Executivo da SUSEP) A responsabilidade objetiva do Estado,
como pessoa jurídica de direito público interno, compreende os danos causados a
terceiros, até mesmo quando: NÃO HAJA CULPA DO AGENTE (QUEM CAUSOU O DANO).
48.(ESAF/2003 - Auditor do Tesouro Municipal da Prefeitura de Fortaleza/CE) O
princípio constitucional da legalidade significa: Que os atos praticados pelos servidores
públicos devem estar de acordo com o que estabelece a lei.
49.(ESAF/2003 - Auditor do Tesouro Municipal da Prefeitura de Fortaleza/CE) Também
as pessoas jurídicas de direito privado, prestadoras de serviço público, estão sujeitas ao
regime da responsabilidade civil objetiva do Estado.
50.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) A edição de ato de caráter
normativo não pode ser objeto de delegação.
51.(ESAF/2003 - Auditor-Fiscal do Trabalho) Entre os seguintes princípios
constitucionais da Administração Pública, assinale aquele que é mais diretamente
vinculado aos costumes, reconhecidos também como fonte de Direito: MORALIDADE.
52.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) A competência é irrenunciável
e se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída como própria, salvo os
casos de delegação e avocação legalmente admitidos.
53.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) Um órgão administrativo e
seu titular poderão, se não houver impedimento legal, delegar parte de sua
competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam
hierarquicamente subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de
índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.
54.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) O ato de delegação e sua
revogação deverão ser publicados no meio oficial.
55.(ESAF/2004 - Advogado do IRB) Quando se verifica que a matéria de fato ou de
direito, em que se fundamenta o ato, é materialmente inexistente ou juridicamente
inadequada ao resultado obtido, temos vício do ato administrativo em relação ao
seguinte elemento: MOTIVO.
56.(ESAF/2005 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação)
Considerando-se os poderes administrativos, relacione cada poder com o respectivo ato
administrativo:
Poder Vinculado - Alvará para construção de imóvel comercial.
Poder de Polícia - Apreensão de mercadoria ilegal na alfândega.
Poder Hierárquico - Avocação de competência por autoridade superior.
Poder Regulamentar - Decreto estadual sobre transporte intermunicipal.
Poder Disciplinar - Aplicação de penalidade administrativa a servidor.
57.(ESAF/2006 - Administrador da ENAP) A prática de ato administrativo, com vício
insanável de legalidade (ato ilegal), é motivo suficiente, para a própria Administração
declarar a sua: ANULAÇÃO.
58.(ESAF/2006 - Advogado do IRB) Considerando que o poder de polícia pode incidir em
duas áreas de atuação estatal, a administrativa e a judiciária, relacione cada área de
atuação com a respectiva característica:
Polícia Judiciária - Sua atuação incide apenas sobre as pessoas.
Polícia Judiciária - Pune infratores da lei penal.
Polícia Judiciária - É privativa de corporações especializadas.
Polícia Administrativa - Atua sobre bens, direitos ou atividades.
Polícia Administrativa - Atua preventiva ou repressivamente na área do ilícito
administrativo.
59.(ESAF/2006 - Administrador da ENAP) Incluem-se entre os denominados poderes
administrativos, o poder: Hierárquico no âmbito da Administração Pública.
60.(ESAF/2006 - Agente Executivo da SUSEP) O poder de que dispõe a autoridade
administrativa, para distribuir e escalonar funções de seu órgão público, estabelecendo
uma relação de subordinação, com os servidores sob sua chefia, chama-se poder:
HIERÁRQUICO.
61.(ESAF/2002 - Técnico da Receita Federal) Os poderes vinculados e discricionários se
opõem entre si, quanto à liberdade da autoridade na prática de determinado ato.
62.(ESAF/2002 - Técnico da Receita Federal) Os hierárquico e disciplinar se equivalem,
com relação ao público interno da Administração a que se destinam.
63.(ESAF/2002 - Técnico da Receita Federal) Enquanto os de polícia e regulamentar
podem se opor e/ou se equiparar, em cada caso, quer no tocante a seus destinatários
(público interno e/ou externo) como no atinente à liberdade na sua formulação (em tese
tais atos tanto podem conter aspectos vinculados e discricionários, como podem se
dirigir a público interno e/ou externo da Administração).
64.(ESAF/2000 - Técnico da Receita Federal) O poder administrativo, pelo qual se
disciplinam e restringem determinadas liberdades individuais, exercitadas até por
particulares, que em razão disto podem ficar sujeitos à cobrança de tributo, na
modalidade de taxa, é o: DE POLÍCIA.
65.(ESAF/2002 - Auditor Fiscal da Receita Federal) O ato administrativo que resulta da
manifestação de dois ou mais órgãos, cujas vontades se unem para formar um ato
único, denomina-se: ATO COMPLEXO.
66.(ESAF/2003 - Técnico da Receita Federal) O ato de autoridade administrativa que
aplica uma penalidade de advertência a servidor seu subordinado, pela inobservância de
um determinado dever funcional, estará contido no contexto, particularmente, do
exercício regular de seu poder: DISCIPLINAR E HIERÁRQUICO.
67.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Conforme a doutrina, o ato
administrativo, quando concluído seu ciclo de formação e estando adequado aos
requisitos de legitimidade, ainda não se encontra disponível para eclosão de seus efeitos
típicos, por depender de um termo inicial ou de uma condição suspensiva, ou
autorização, aprovação ou homologação, a serem manifestados por uma autoridade
controladora, classifica-se como: PERFEITO, VÁLIDO E INEFICAZ.
68.(ESAF/2003 - Técnico da Receita Federal) No âmbito da Administração Pública
Federal, o ato administrativo, quando eivado de vício insanável de legalidade do qual
tenha gerado efeitos patrimoniais, para terceiros de boa-fé, só pode ser anulado,
administrativamente, no prazo decadencial de cinco anos.
69.(ESAF/2006 - Técnico da Receita Federal - Tributária e Aduaneira) Entre os
requisitos ou elementos essenciais à validade dos atos administrativos, o que mais
condiz, com o atendimento da observância do princípio fundamental da impessoalidade,
é o relativo à FINALIDADE.
70.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação) A
anulação pode se dar mediante provocação do interessado ao Poder Judiciário.
71.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação) A
revogação tem os seus efeitos ex nunc.
72.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação)
Tratando-se de motivo de conveniência ou oportunidade, a invalidação dar-se-á por
revogação.
73.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação) Motivo e
objeto formam o denominado mérito do ato administrativo.
74.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação) Ato
administrativo complexo é aquele formado pela manifestação de dois órgãos, cujas
vontades se juntam para formar um só ato.
75.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tecnologia da Informação) A
classificação dos atos administrativos em atos de império e atos de gestão ampara-se
na teoria de personalidade dupla do Estado.
76.(ESAF/2006 - Técnico da Receita Federal de Tecnologia da Informação) O ato
administrativo, - para cuja prática a Administração desfruta de uma certa margem de
liberdade, porque exige do administrador, por força da maneira como a lei regulou a
matéria, que sofresse as circunstâncias concretas do caso, de tal modo a ser inevitável
uma apreciação subjetiva sua, quanto à melhor maneira de proceder, para dar correto
atendimento à finalidade legal, - classifica-se como sendo: DISCRICIONÁRIO.
77.(ESAF/2002 - Técnico da Receita Federal) Salvo disposição legal específica em
sentido contrário, o prazo normal para a interposição de recurso administrativo, quanto
aos processos autuados no âmbito da Administração Pública Federal Direta, conforme
previsto na Lei n.º 9.784/1999, é de: DEZ DIAS.
78.(ESAF/2003 - Técnico da Receita Federal) Correlacione as duas colunas quanto aos
princípios da lei federal de processo administrativo:
Oficialidade - Impulsão, de oficio, do processo administrativo, sem prejuízo da atuação
dos interessados.
Segurança Jurídica - Interpretação da norma administrativa da forma que melhor
garanta o atendimento ao fim público a que se destina, vedada a aplicação retroativa de
nova interpretação.
Gratuidade - Proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas
em lei.
Finalidade - Atendimento a fins de interesse geral, vedada a renúncia total ou parcial
de poderes ou competências, salvo autorização em lei.
Motivação - Indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a
decisão.
79.(ESAF/2003 - Auditor Fiscal do Trabalho) No âmbito das regras deontológicas do
Código de Ética do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal.
♠ Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de
desmoralização do serviço público, o que quase sempre conduz à desordem nas
relações humanas.
♣ O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores,
velando atentamente por seu cumprimento e, assim, evitando, a conduta negligente.
♥ A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público
caracterizam o esforço pela disciplina.
♠ O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que
poderá consolidar a moralidade do ato administrativo.
80.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) De acordo com o Decreto n.º 1.171/1994,
é vedado ao servidor público:
♥ Determinar a um servidor que lhe é subordinado que vá ao banco pagar suas contas
pessoais (contas do mandante).
♠ Informar a um amigo sobre ato de caráter geral que está para ser publicado, cujo teor
o beneficia (o amigo), mas que ainda é considerado assunto reservado no âmbito da
Administração Pública.
♣ Ser membro de organização que defende a utilização de crianças como mão-de-obra
barata.
81.(ESAF/2006 - Analista de Finanças e Controle da CGU) Estão subordinados ao Código
de Conduta Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal:
♣ Os empregados das empresas públicas federais.
♠ Os empregados das empresas privadas que prestam serviços aos órgãos e entidades
do Poder Executivo Federal mediante contrato de prestação de serviços (serviços
terceirizados, tais como segurança e limpeza).
♥Os que prestam serviço de natureza temporária na Administração Pública federal
direta, sem remuneração.
82.(ESAF/2004 - Analista Administrativo da ANEEL) Ética no setor público pode ser
qualificada como: Cumprimento dos deveres e finalidades para os quais o serviço
público foi criado.
83.(ESAF/2004 - Analista Administrativo da ANEEL) Ética no setor público pode ser
qualificada como: Poder responsabilizar o servidor público por aquilo que ele fez e,
também, por aquilo que não fez mas que deveria tê-lo feito.
84.(ESAF/2004 - Analista Administrativo da ANEEL) Ética no setor público pode ser
qualificada como: Fornecimento aos cidadãos de informações relativas às razões que
levaram à adoção de decisão de interesse público, num sentido ou noutro.
85.(ESAF/2002.1 - Auditor Fiscal da Receita Federal) Pelo Código de Ética do Servidor
Público Federal, aprovado pelo Decreto n.º 1.171, de 22 de junho de 1994, a sanção
aplicada pela Comissão de Ética é de: CENSURA.
86.(ESAF/2006 - Analista de Finanças e Controle da CGU) As comissões de ética
previstas no Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo
Federal, aprovado pelo Decreto 1.171/1994: Devem orientar os servidores do
respectivo órgão ou entidade sobre a ética no serviço público.
87.(ESAF/2009 - Analista Administrativo da ANA) Como regra geral, a alienação de bens
imóveis da administração pública será precedida de avaliação e realizada por meio de
licitação na modalidade de: CONCORRÊNCIA.
88.(ESAF/2009 - Analista Administrativo da ANA) No Pregão, o prazo de validade das
propostas, se outro não estiver fixado no edital, será de: 60 (SESSENTA) DIAS.
89.(ESAF/2009 - Analista Administrativo da ANA) A licitação é inexigível quando houver
inviabilidade de competição, em especial: Para a contratação de artistas consagrados
pela opinião pública.
90.(ESAF/2000 - Técnico da Receita Federal) Para a alienação por venda de bens
imóveis da Administração Pública, de acordo com as normas pertinentes estabelecidas
na legislação que rege a matéria (Lei n.° 8.666/1993), a modalidade de licitação cabível
é: CONCORRÊNCIA OU LEILÃO.
91.(ESAF/2008 - Técnico de Finanças e Controle da CGU) Leia atentamente as situações
abaixo para classificá-las como ensejadoras de uma das duas opções oferecidas.
Reposição ao Erário - Servidor público efetivo recebe valores em decorrência do
cumprimento de uma decisão judicial, que é posteriormente modificada, tornando-os
indevidos.
Reposição ao Erário - Servidor público efetivo recebe importância superior a que lhe
era devida em razão de erro material por parte da Administração.
Indenização ao Erário - Servidor público efetivo desatentamente liga equipamento
elétrico na tomada com cuja voltagem ele era incompatível, causando a destruição do
aparelho.
Indenização ao Erário - Motorista oficial, servidor público efetivo, infringe as leis de
trânsito fazendo com que a União seja multada.
92.(ESAF/2006 - Advogado do IRB) Relativamente às formas de provimento do servidor
público, assinale a opção em que o servidor passa a exercer suas atribuições como
excedente. READAPTAÇÃO.
93.(ESAF/2006 - Técnico Administrativo da ANEEL) É causa de suspensão do período de
estágio probatório: A participação em curso de formação para ingresso em outra
carreira.
94. (ESAF/2008 - AFC/CGU - Desenvolvimento Institucional) Correlacione as colunas
abaixo a respeito dos tipos de vantagens previstas na Lei 8.112/1990:
Adicional - Pagamentos que possuam relação com o local e a natureza do trabalho.
Gratificação - Retribuição por encargo de curso ou concurso.
Indenização - Ajuda de custo.
Indenização - Diárias.
95.(ESAF/2008 - Técnico de Finanças e Controle da CGU) Assinale o tipo de exoneração
que se caracteriza por encerrar um juízo de conveniência e oportunidade da
Administração: EXONERAÇÃO AD NUTUM.
96.(ESAF/2008 - Técnico de Finanças e Controle da CGU) Assinale a opção que
contempla licença em que há a possibilidade de sua concessão ao servidor, ora com, ora
sem remuneração: LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA.
97.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) Nos termos do Regime Jurídico Único do
servidor público da União (Lei n.º 8.112/1990), não é possível conceder-se a seguinte
licença ao servidor em estágio probatório: PARA CAPACITAÇÃO.
98.(ESAF/2008 - Desenvolvimento Institucional da CGU) São hipóteses de vacância que
importam provimento em novo cargo: PROMOÇÃO E READAPTAÇÃO.
99.(ESAF/2008 - Desenvolvimento Institucional da CGU) Servidor público federal, em
gozo de licença para tratamento da própria saúde, é designado para o exercício de
função de confiança. A licença da qual goza o servidor não poderá exceder a 30 (trinta)
dias, contados da data da publicação da designação do servidor para a função, sob pena
de esta última ser tornada sem efeito.
100.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle da CGU) A destituição de cargo em
comissão, exercido por não ocupante de cargo efetivo, será aplicada nos casos de
infração sujeita à penalidade de demissão ou de suspensão.
101.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle - Correição) Servidor que causar
dano a terceiro em acidente com veículo oficial, que conduzia irregularmente,
responderá perante a Fazenda Pública em ação regressiva.
102.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) A responsabilidade administrativa resulta
de atos ou omissões praticados no desempenho do cargo ou função.
103.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) Nos casos em que a Fazenda Pública for
condenada a indenizar terceiro, por ato de servidor público no exercício da função,
assiste-lhe o direito de regresso contra o responsável, desde que o mesmo tenha agido
com dolo ou culpa.
104.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) A obrigação de reparar o dano causado ao
erário estende-se aos sucessores do servidor e contra eles será executada, até o limite
do valor da herança recebida.
105.(ESAF/2006 - Auditor Fiscal do Trabalho) A absolvição criminal que negue a
existência do fato afasta a responsabilidade administrativa.
106.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) O período de 30 dias de férias pode ser
acumulado, por necessidade do serviço, pelo máximo de dois períodos.
107.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) É vedado levar à conta de férias
qualquer falta ao serviço.
108.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) Após o primeiro período aquisitivo de
férias, não se exigirá mais doze meses de exercício, passando ao regime de anualidade.
109.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) As férias poderão ser interrompidas por
motivo de comoção interna ou por necessidade do serviço, declarada pela autoridade
máxima do órgão ou entidade.
110.(ESAF/2008 - Analista de Finanças e Controle - Correição) A proibição de valer-se
do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem caracteriza-se mesmo que ausente
a vantagem financeira.
111.(ESAF/2006 - Técnico Administrativo da ANEEL) Assinale a opção que contemple
um exemplo de licença não remunerada do servidor público: Licença para o
desempenho de mandato classista.
112.(ESAF/2006 - Técnico da Receita Federal - Tributária e Aduaneira) À luz da Lei n.°
8.112/1990, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União,
não constitui forma de provimento nem de vacância de cargo, a figura: DA
REDISTRIBUIÇÃO.
113.(ESAF/1998 - Auditor Fiscal da Receita Federal) A natureza do regime jurídico único
dos servidores públicos federais é de ordem predominantemente: LEGAL.
114.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) O servidor em débito com o erário que
for demitido ou exonerado terá o prazo de 60 dias para quitar o débito. Caso não o faça
nesse prazo, ocorrerá: INSCRIÇÃO DO DÉBITO EM DÍVIDA ATIVA.
115.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) A recondução de servidor estável
decorrerá de: Inabilitação em estágio probatório relativo a outro cargo.
116.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) são se considera como de efetivo
exercício o afastamento decorrente de: Licença para tratamento de saúde, até o limite
de três anos.
117.(ESAF/2004 - Técnico Administativo do MPU) O servidor público que exerce
mandato eletivo: Quando afastado do cargo, possui direito à contagem do tempo de
serviço para todos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento.
118.(ESAF/2004 - Analista Processual do MPU) O afastamento de servidor para servir
em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere dar-se-á:
Com perda total da remuneração.
119.(ESAF/2005 - Auditor Fiscal da Receita Federal - Tributária e Aduaneira) No âmbito
do Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n.° 8.112/1990), a
vantagem que se caracteriza como indenização é: AJUDA DE CUSTO.
120.(ESAF/2004 - Técnico Administativo do MPU) De acordo com a Lei n.º 8.112/1990,
as férias dos servidores públicos: Podem ser acumuladas, até o máximo de dois
períodos, ressalvadas as hipóteses em que haja legislação específica.