O GROTESCO E O ESTRANHO

Amanda Caroline Zavataro do Nascimento
1
Resumo: O presente artigo trata do Grotesco definindo suas características principais e associando a categoria estética ao
conceito de Estranho de ! "reud!
#alavras$chave: Grotesco! Estranho! Arte! #sican%lise!
A&stract: 'he present article deals (ith the Grotes)ue defining its main characteristics and associating the aesthetic categor* to
the concept of trange of ! "reud!
+e*$(ords: Grotes)ue! trange! Art! #s*choanal*sis!
O GRO'ECO
O Grotesco é uma categoria estética )ue e,iste desde a Antiguidade Cl%ssica até os dias de ho-e!
.ictor /ugo encontra e,emplos de seres grotescos na 0líada e na Odisséia! #orém o nome e,iste apenas a
partir do século 1. )uando em escava23es nas redonde4as de Roma foram encontradas pinturas
ornamentais numa gruta 5grotta em italiano6! Essas pinturas possuíam um estilo -amais visto onde figuras
humanas se mesclavam 7s gavinhas8 galhos de %rvores8 flores e partes de animais!
9o seu surgimento até os dias de ho-e o Grotesco sempre esteve no meio de discuss3es
relacionadas ao seu valor estético! :ns veementemente contra8 argumentavam )ue além da falta do )ue
era considerado padr;o na arte 5e)uilí&rio8 simetria8 propor2;o8 solide4!!!6 a tem%tica grotesca era por
demais <fantasiosa8 sem sentido8 alheia 7 realidade=! eus defensores afirmavam )ue era e,atamente na
fantasia8 na imagina2;o8 na vis;o dos sonhos8 )ue estava a import>ncia do estilo? -% )ue n;o tentava
retratar a realidade8 muito menos ideali4%$la! @ulgavam$no <alegre8 lAdico8 leve=!
Em 1BBC8 o tradutor de .itrAvio8 Donsenhor E%r&aro8 ao )uestionar as deformidades da nature4a ali
operadas8 aca&a por encontrar uma via de compreens;o do grotesco ao sugerir )ue se poderiam
denominar a)uelas manifesta23es de sogni dei pittori 5sonhos do pintor em italiano68 su&linhando seu
car%ter imagin%rio!
<Das t;o logo alguém )ueira reali4ar sonhos8 poder% misturar todas as criaturas umas com as
outras!= Essa cita2;o de 9Frer retrata muito &em a pro,imidade do Grotesco com o onírico8 a fantasia8 a
imagina2;o! O hí&rido e o contrastante est;o sempre presentes! Outras características associadas ao estilo
s;o a monstruosidade8 a deformidade8 a falta de cone,;o com a realidade!
Em defesa do Grotesco8 .ictor /ugo escreve 9o Grotesco e do u&lime! Nele8 o autor francGs di4:
<deveria ser feito8 em nossa opini;o8 um livro &em novo so&re o emprego do grotesco nas artes=! /ugo
1
Graduada em 9esenho 0ndustrial 5HIII68 pela :niversidade Norte do #aran% J :NO#AR8 especiali4ada em DarKeting e #ropaganda 5HII16
pela :niversidade Estadual de Londrina $ :EL! 'ra&alha na %rea de 9esign Gr%fico h% mais de M anos com atua2;o principalmente em
pro-etos de 0dentidade .isual! Aluna do Destrado em Artes .isuaisN:9EC desenvolve pes)uisa orientada pela #rofO 9rO andra Regina
Ramalho e Oliveira intitulada: O Grotesco em 0magens do istema .isual: #ercep23es da Constru2;o de Efeitos de entido!
defende a uni;o harmoniosa de opostos como o feio )ue e,iste ao lado do &elo8 o disforme ao lado do
gracioso8 o grotesco no reverso do su&lime8 o mal com o &em8 a som&ra com a lu48 o corpo com a alma8 o
animal com o espírito!!! para alcan2ar uma eleva2;o da Arte e fugir do comum )ue8 segundo ele8 é seu
inimigo! #ara fugir do comum8 /ugo sugeria a re-ei2;o do tradicionalismo e a inova2;o em todos os
campos da arte! Essa inova2;o consistia em contrapor opostos harmoniosamente de forma )ue um
ressaltasse o outro8 valori4ando$os ao mesmo tempo em )ue mostrava uma realidade natural8 n;o
ideali4ada!
Das o )ue /ugo define como grotescoP #ara entender o conceito de grotesco podemos entender o
)ue considerava su&lime -% )ue colocou um em oposi2;o ao outro! u&lime8 segundo ele8 é o )ue direciona
o olhar para um mundo mais elevado8 so&re$humano! N;o é apenas o &elo! Grotesco8 ent;o8 é o )ue nos
aparece como um mundo noturno8 a&ismal8 desumano! N;o apenas o feio! Q tam&ém monstruoso8
disforme8 horrível!
#or todas essas características associadas ao Grotesco8 um conceito )ue é fortemente relacionado
ao mesmo é o de E'RAN/O! Das o )ue significa EstranhoP 9o Latim Extraneu? Ad-etivo: desconhecido?
)ue n;o é usual? curioso8 singular? e,traordin%rio? anormal? descomunal? admir%vel? censur%vel?
repreensível? imprRprio? livre? isento? arredio? es)uivo? u&stantivo masculino: estrangeiro? )ue é de fora!
O E'RAN/O 9E 0GD:N9 "RE:9
O artigo <O Estranho= foi pu&licado em 1S1S! Nele o autor define conceitos de estranho8 e,emplifica
e discute )uest3es relacionadas ao tema! Ele inicia o te,to da seguinte forma: <R raramente um
psicanalista se sente impelido a pes)uisar o tema da estética8 mesmo )uando por estética se entende n;o
simplesmente a teoria da &ele4a8 mas a teoria das )ualidades do sentir=!
Ele segue di4endo )ue o tema do TestranhoU relaciona$se indu&itavelmente com o )ue é assustador
V com o )ue provoca medo e horror! E )uestiona: <5!!!6 )ue nAcleo comum é esse )ue nos permite
distinguir como TestranhasU determinadas coisas )ue est;o dentro do campo do )ue é amedrontadorP=! Ou
se-a8 nem tudo o )ue é amedrontador é estranho! O )ue define essa diferencia2;oP .eremos
posteriormente!
"reud -ustifica sua pes)uisa di4endo: <Nada em a&soluto encontra$se a respeito deste assunto em
e,tensos tratados de estética8 )ue em geral preferem preocupar$se com o )ue é &elo8 atraente e su&lime 5e
n;o6 com os sentimentos opostos8 de repulsa e afli2;o!=
egundo o autor8 podemos entender o )ue é estranho de duas maneiras: entendendo os
significados )ue teve a palavra ao longo do tempo ou reunindo as propriedades do )ue desperta
sentimentos de estranhe4a e desco&rir o )ue essas propriedades tGm em comum! Das antecipa a resposta
di4endo: <o estranho é a)uela categoria do assustador )ue remete ao )ue é conhecido8 de velho8 e h%
muito familiar=! #orém -oga outra )uest;o ao leitor: <Como isso é possível8 em )ue circunst>ncias o familiar
pode tornar$se estranho e assustador8 é o )ue mostrarei no )ue se segue=!
/E0DL0C/ E :N/E0DL0C/
"reud fa4 uma e,tensa pes)uisa etimolRgica da palavra heimlich e de seu oposto unheimlich! Ele
encontra os seguintes conceitos para cada palavra:
Heimlich: pertencente 7 casa8 n;o estranho8 conhecido8 familiar8 doméstico8 amistoso8 íntimo8
amigavelmente confort%vel8 o )ue desperta uma sensa2;o de repouso agrad%vel e de seguran2a! Heimlich
tam&ém se di4 de um lugar livre da influGncia de fantasmas! 9a idéia de TfamiliarU8 pertencente 7 casaU8
desenvolve$se outra idéia de algo afastado dos olhos de estranhos8 algo escondido8 secreto? e essa idéia
e,pande$se de muitos modosW Heimlich tam&ém possui um segundo significado )ue é oposto ao primeiro
e remete ao )ue é ou est% escondido8 oculto da vista8 de modo )ue os outros n;o consigam sa&er8
sonegado aos outros! ecreto8 privado8 sorrateiro8 suspeito! Num sentido diferente8 como afastado do
conhecimento8 inconscienteW tem tam&ém o significado da)uilo )ue é o&scuro8 inacessível ao
conhecimento!
#or Unheimlich entende$se: misterioso8 so&renatural8 )ue desperta horrível temor8 som&rio! "reud
usa uma cita2;o de chelling )ue di4: <Unheimlich é o nome de tudo )ue deveria ter permanecidoW
secreto e oculto mas veio 7 lu4=! E afirma: <Entre os seus diferentes mati4es de significado a palavra
TheimlichT e,i&e um )ue é idGntico ao seu oposto8 TunheimlichT! Assim8 o )ue é heimlich vem a ser
unheimlich 5!!!6 a palavra TheimlichT n;o dei,a de ser am&ígua8 mas pertence a dois con-untos de idéias )ue8
sem serem contraditRrias8 ainda assim s;o muito diferentes: por um lado significa o )ue é familiar e
agrad%vel e8 por outro8 o )ue est% oculto e se mantém fora da vista! T UnheimlichU é ha&itualmente usado8
conforme aprendemos8 apenas como o contr%rio do primeiro significado de TheimlichT8 e n;o do segundo!=
O autor &usca sinXnimos da palavra TestranhoU em diversos idiomas para entender seu significado!
Assim encontra: em francGs $ 0n)uiétant8 sinistre8 lugu&re? em espanhol $ ospechoso8 de mal agFero8
lAgu&re8 siniestro! Em %ra&e e he&reu TestranhoU significa o mesmo )ue TdemoníacoU8 ThorrívelU!
9e volta ao alem;o8 ele indaga se o )ue é estranho é assustador por ser desconhecido8 mas conclui
)ue nem tudo o )ue é novo assusta! "reud di4 )ue algo tem )ue ser acrescentado ao fator TnovidadeU para
)ue passe a ser amedrontador!
O "A'OR 1 J O: O Y:E "AZ O 9ECON/EC09O ER E'RAN/O

Anteriormente vimos )ue ao falar do desconhecido "reud )uestiona se o )ue é estranho é
assustador por ser desconhecido8 mas conclui )ue nem tudo o )ue é novo assusta! "reud di4 )ue algo tem
)ue ser acrescentado ao fator TnovidadeU para )ue passe a ser amedrontador! Q esse acréscimo )ue
denominei de "ator 1!
"reud cita como e,emplos <!!! o animismo8 a magia e a &ru,aria8 a onipotGncia dos pensamentos8 a
atitude de homem para com a morte8 a repeti2;o involunt%ria e o comple,o de castra2;o compreendem
praticamente todos os fatores )ue transformam algo assustador em algo estranho=! Cita tam&ém <Dem&ros
arrancados8 uma ca&e2a decepada8 m;o cortada pelo pulso8 5!!!6 pés )ue dan2am por si prRprios8 5!!!6=
todas essas coisas tGm algo peculiarmente estranho a respeito delas!
:m outro e,emplo de algo )ue pode se tornar estranho é )uando a distin2;o entre imagina2;o e
realidade desaparece e surge ent;o a dAvida se o )ue vemos e ach%vamos ser fantasia8 se apresenta
como real! Essa dAvida est% fre)uentemente presente em rituais m%gicos!
A CONCL:ZE 9E "RE:9
"reud e,p3e duas considera23es )ue acredita serem essenciais ao estudo! Ele di4 )ue se é verdade
)ue sentimentos reprimidos se transformam em ansiedade ent;o o )ue causa medo8 deve ser algo )ue foi
antes reprimido e agora retorna tra4endo a sensa2;o de estranhe4a! Ou se-a8 o estranho n;o é algo novo!
Q a)uilo )ue -% foi conhecido8 e )ue sR desaparece por conta do processo de repress;o! E assim confirma
a defini2;o de chelling )uando di4 )ue o estranho é algo )ue deveria ter permanecido oculto8 mas veio 7
lu4!
o&re a )uest;o )ue levanta no início do te,to so&re o tema da estética8 ele volta ent;o di4endo: <Q
evidente8 portanto8 )ue devemos estar preparados para admitir e,istirem outros elementos8 além da)ueles
)ue esta&elecemos até a)ui8 )ue determinam a cria2;o de sensa23es estranhas! #oderíamos di4er )ue
esses resultados preliminares satisfi4eram o interesse psicanalítico pelo pro&lema do estranho8 e )ue
a)uilo )ue resta pede provavelmente uma investiga2;o estética=!
NOA CONCL:ZE
Duitas palavras em comum aparecem )uando tentamos definir os conceitos de Grotesco e de
Estranho! Alguns e,emplos s;o: assustador8 sinistro8 lAgu&re8 oculto8 fora da realidade8 amedrontador8
horroroso!
A constru2;o desses conceitos tem a ver com diversos fatores e um dos mais importantes é a
realidade ou sua ausGncia! O Grotesco se apresenta como um limite tGnue entre realidade e n;o realidade8
numa tentativa de mostr%$la de forma diferente8 n;o ideali4ada!
'am&ém o Estranho aparece )uando a realidade e a fantasia se mesclam e o limite entre elas fica
ne&uloso! Elementos como mem&ros decepados8 o&-etos inanimados )ue ganham vida8 retorno da morte8
reali4a2;o imediata dos dese-os8 onipotGncia de pensamento entre outros s;o t;o estranhos )uanto
grotescos! E parece )ue a pes)uisa de um deles8 tra4 necessariamente a presen2a do outro!
Como disse "reud8 sua pes)uisa so&re o Estranho foi reali4ada no campo da psican%lise e dei,ou
uma interroga2;o no campo da estética! Q -ustamente essa a lacuna )ue a pes)uisa em andamento da
nossa disserta2;o de mestrado pretende responder! @% )ue estudando o Grotesco estaremos elucidando
tam&ém o Estranho!
E0EL0OGRA"0A
$ "reud8 ! <.olume 1.00=! Edi2;o tandard Erasileira das O&ras #sicolRgicas Completas de igmund "reud! [mago8
Rio de @aneiro8 1SCS!
$ /offman8 E! '! A! <O /omem de Areia= em Contos "ant%sticos! 0mago8 Rio de @aneiro!
$ /:GO8 .itor! 9o u&lime e do Grotesco! ;o #aulo: #erspectiva8 1S\\!
$ +A]ER8 ^! O grotesco! ;o #aulo: #erspectiva8 1S\C!
$ http:NNpt!(iKipedia!org
$ http:NN(((!google!com!&r

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful