Introdução

Será abordado através deste os conceitos e as aplicações da Saúde e Segurança na
Mineração.
Através deste trabalho vamos poder entender um pouco melhor sobre como é aplicado este
conceito nas minerações espalhadas por todo país, pois este conceito oi retirado da !"## a
$ual %ulga as condições e deveres de todos $ue irão trabalhar em uma mina.
Será abordado também o ciclo de operações na mina, atuação da segurança do trabalho, higiene
ocupacional e medicina do trabalho, assim como todos os tipos de acidentes $ue e&istem na !"## a
$ual se aplica dentro das mineradoras.
1
Saúde e Segurança na Mineração
A !"## tem como ob%etivo %ulgar os conceitos a serem observados na organi'ação e no ambiente de
trabalho, de orma a tornar compatível o plane%amento e o desenvolvimento da atividade mineira com
a busca permanente da segurança e saúde dos trabalhadores
Ciclo de operações na Mina
Algumas minas trabalham com a e&tração mec(nica e através de perurações e detonações
de minério de erro, sendo utili'ados neste processo trator de esteira, escavadeira, trator de
pneu, patrol, carregadeira, caminhão ora de estrada $ue transporta o minério para ser
beneiciado nas instalações de britagem e de concentração de minérios.
)eralmente nas minas e&istem horários e avisos de detonações em diversas áreas. *sso
ocorre para $ue essas áreas se%am evacuadas antes da detonação para $ue não ha%a
nenhum tipo de acidente com os trabalhadores.
+ imprescindível nas minas ter uma e$uipe especiali'ada de manutenção elétrica e
principalmente uma ,rigada de -merg.ncia para $ue, em caso de acidentes, os
trabalhadores tenham onde recorrer para a solução do mesmo.
Alguns uncionários trabalham em e$uipamentos,mas para isso é necessário $ue neste
e$uipamento tenha sido eito o blo$ueio elétrico corretamente. - se necessário esses
uncionários devem passar por um treinamento de blo$ueio especíico de cada unidade.
/m dos maiores riscos de acidentes em uma mina ocorre por problemas com a eletricidade e
para prestar socorro todos devem estar ciente de $ue o circuito este%a desligado antes de
tocar na vítima para não ocorrer novos acidentes.0ortanto o cuidado no manuseio da parte
elétrica é essencial e deverá sempre ser eito por proissionais.
2
Organização do SESMT (Segurança do Trabalho)
1 S-SM2 tem por ob%etivo a promoção da saúde e a proteção da integridade ísica do
servidor no seu local de trabalho, e a norma $ue rege esses serviços é a !"3..
!ela são dispostas as seguintes obrigações4
• 0ropor melhorias das condições de trabalho5
• 2rabalhar em con%unto com a 6*0AM*!75
• *nspecionar e$uipamentos, veículos e áreas de trabalho5
• -speciicar -0*5
• 0restar acess8ria técnica 9s diversas áreas de trabalho5
• Assessorar na elaboração da análise preliminar de tarea5
• Acompanhar a e&ecução de obras e reormas5
• 2reinar empregados: contratados5
• -laborar procedimento de segurança5
• Acompanhar visitas5
• "eali'ar auditorias nas áreas de trabalho5
• -laborar relat8rios gerenciais e estatísticos.
76*0AM*! ; Comissão Interna de Prevenção de Acidentes na Mineração- NR 22
tuação da !igiene Ocupacional
"econhecer, avaliar e monitorar os riscos do ambiente de trabalho.
tuação da Medicina do Trabalho
A Medicina do 2rabalho deverá elaborar e implementar o 06MS1 <0"1)"AMA =-
61!2"1>- M+=*61 =- SA?=- 16/0A6*1!A> @ !" AB5 reali'ar e&ames de Saúde
1cupacional5 elaborar e implementar 06A <0rograma de 6onservação Auditiva @ !" A e
CB e 00" <0rograma de 0roteção "espirat8ria D !" A e CB5participar da ade$uação
ergonEmica dos postos de trabalho5 atender e acompanhar urg.ncias e médicas5
desenvolver pro%etos de promoção da saúde e prevenção de acidentes5 cumprir
legislação municipal, estadual e ederal.
cidente do Trabalho (Conceito "egal)
Acidente do trabalho é a$uele $ue ocorre pelo e&ercício do trabalho 9 serviço da
empresa, provocando lesão corporal ou perturbação uncional $ue cause a morte, perda
ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.
Conceito #re$encionista

Acidente é uma ocorr.ncia indese%ada, imprevista, $ue interere no processo normal de
uma rotina, gerando danos materiais e:ou pessoais.
Conceito de %uase cidente
+ todo ato ou acontecimento não dese%ado $ue por $uestão de espaço e tempo não
resultou em lesão ou danos materiais.
3
Tipos de cidentes
cidente #essoal&é o acidente $ue ocorre pelo e&ercício do trabalho a serviço da
empresa, provocando lesão corporal ou perturbação uncional $ue cause a morte, perda
ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.
cidente I'pessoal&é o acidente no $ual não há e&ist.ncia de vítimas, embora ha%a
danos materiais.
Classi(icação dos cidentes
)irst id Case * )C
+ todo o acidente $ue decorre em trauma de menor intensidade, e re$uer apenas
tratamento de primeiros socorros, $ue pode ser ade$uadamente tratado por um socorrista
$ualiicado.
Medical Treat'ent Case + MTC
+ todo o acidente ou doença ocupacional $ue re$uer o tratamento por um médico ou pela
e$uipe de saúde, sob supervisão médica, ou $ual$uer caso $ue necessite de tratamento
subse$Fente por médico.
São classiicadas como M26 lesões moderadas ou graves <traumas moderados ou
gravesB $ue necessitam de tratamento por uma e$uipe de saúde. 2odas as doenças
ocupacionais devem ser consideradas pelo menos M26.
,estricted -or.da/ Cases + ,-C
2odo acidente ou doença ocupacional $ue não resulte em aastamento do trabalho, mas
resulte em restrição laboral <uma ou mais tareasB, imediatamente ap8s a lesão.
"ost -or.da/ Case + "-C
2odo acidente ou doença ocupacional $ue resulta em a(asta'ento do trabalho a partir
do turno seguinte ao $ue ocorreu a lesão.
Guando o acidente ocorrer em data anterior a olga, o médico do trabalho, deve decidir se
o empregado estaria ou não capa' de e&ercer suas atividades normalmente no dia
seguinte imediato ao acidente.
6aso o empregado, i$ue internado para observação e não retorne ao trabalho no dia
seguinte ao acidente, é considerado um >H6, mesmo não tendo ocorrido tratamento
médico.
Co'unicação0 In$estigação e n1lise de cidente e %uase
cidente
2em como ob%etivo, analisar as causas $ue provocaram o acidentes e propor melhorias
para a não repetição dessas causas, evitando a ocorr.ncia de novos acidentes.
2odo acidente ou $uase acidente deve ser comunicado imediatamente ao
supervisor:cheia imediata, gestor do contrato e segurança:medicina do trabalho.
4
#rincipais Causas de cidentes de Trabalho e' u'a Mina
• Ialta:alha de procedimento5
• Ialta de treinamento5
• 2reinamento ineica'5
• Ialha:alta de e$uipamento5
• !eglig.ncia do empregado5
• !eglig.ncia de terceiros5
• Ialta de atenção ao e&ecutar a tarea5
• ,rincadeiras5
• Agente nocivo5
• Ialha na comunicação5
• Ialta de sinali'ação5
• 6ondição do ambiente5
• !ão utili'ação de -0*5
• Ialha de pro%eto5
• !ão seguir procedimentos de segurança5
• Stress:Iadiga5
,iscos )2sicos
• "uído, "adiação ioni'ante, "adiação não ioni'ante, 2emperaturas e&tremas,
Jibração.
S2'bolos 3ue indica' 'aterial radioati$o4

CUIDADO
ÁREA RADIOATIVA
As áreas $ue possuem esses símbolos são de acesso restrito.
Kavendo $ual$uer ocorr.ncia com esses matérias deve@se comunicar imediatamente o
Supervisor de "adioproteção ou a Segurança do 2rabalho.
,iscos %u2'icos
0oeira, )ases, Iumos metálicos, !évoas, Japores
5
SISTEM 4E I4E5TI)IC67O 4E #,O48TOS%89MICOS + :4IM5TE
4E !OMME"";
Eti3ueta 5)S



SA?=- <AL/>B
3 @ Mortal @ e&posição curta a esta subst(ncia há
perigo de morte.
M @ Extremamente perigoso @ e&posição a esta
subst(ncia pode causar sérios danos 9 saúde.
# @ Perigoso @ e&posição a esta subst(ncia causa
danos 9 saúde.
N @ Pequeno perigo @ e&posição a esta subst(ncia
causa danos secundários 9 saúde.
O @ Ausência de perigo @ e&posição a esta subst(ncia
não oerece risco signiicante 9 saúde.
*!I>AMA,*>*=A=- <J-"M->K1B
3 @ Ponto de fulgor abaixo de 27ºC e ponto de
ebulição abaixo de 7!7ºC @ esta subst(ncia é muito
inlamável, volátil ou detonadora. -stas
características são dos gases inlamáveis ou lí$uidos
e&tremamente inlamáveis.
M @ Ponto de fulgor abaixo de 7!7ºC @ esta
subst(ncia é inlamável, volátil ou e&plosiva.
# @ Ponto de fulgor abaixo de "!ºC @ esta
subst(ncia pode se inlamar através de uma onte de
calor. -sta característica é dos lí$uidos
combustíveis.
N @ Ponto de fulgor acima de "!ºC @ esta subst(ncia
deve estar pr8&imo de uma onte com temperatura
elevada para se inlamar. A maioria dos s8lidos
inlamáveis estão nesta categoria.
O @ #ão $ inflam%&el @ esta subst(ncia não $ueima
<não combustívelB.
"-A2*J*=A=- <AMA"->1B
3 @ Pode detonar @ esta subst(ncia em condições
normais de pressão e temperatura pode detonar
<Pm:sB.
M @ Explosi&a @ esta subst(ncia e&plode <cm:sB em
contato com onte de calor, cho$ue ou água.
# @ 'nst%&el @ esta subst(ncia provoca reação $uímica
violenta em contato com água em condições normais
de pressão e temperatura.
N D #ormalmente est%&el @ esta subst(ncia pode icar
instável <não violentaB em condições de pressão e
temperatura elevadas ou $uando em contato com
água.
O D Est%&el @ esta subst(ncia permanece estável
mesmo em condições de pressão e temperatura
elevadas ou em contato com a água.
6

,iscos <iol=gicos
• Jírus, bactérias, proto'oários, ungos, parasitas e bacilos.
6onse$F.ncias4=oenças inecciosas
,iscos Ergon>'icos
• 1s riscos ergonEmicos estão relacionados a atores isiol8gicos e psicol8gicos do
e&ercício das atividades proissionais, tais como4 trabalho pesado, postura incorreta,
tensões emocionais, repetitividade, monotonia.
• 1s eeitos podem ser4 artrite, artrose, bursite, hérnia de disco, lombalgia, tenossinovite
etc.
,iscos de cidentes
• Arran%o ísico inade$uado, má$uinas e e$uipamentos sem proteção, erramentas
inade$uadas ou deeituosas.
• -&emplo de conse$F.ncia4 Guedas, cho$ues, $ueimaduras e lesões em geral.
7
)erra'entas SSO
n1lise #re$encionista da Tare(a (#T)
-liminar atos e condições inseguras nos locais de trabalho, levantando as causas e
eeitos de cada risco, adotando medidas de prevenção ou correção. + reali'ada antes do
início da e&ecução da tarea e utili'ando ormulário apropriado.
Co'o Elaborar a #T
N @ Ia'er no local da atividade e mant.@la em local visível5
# @ -nvolver toda e$uipe responsável pela e&ecução da atividade, considerar a
$ualiicação e habilitação do e&ecutante da tarea5
M @ *ncentivar a participação ativa de todos os empregados.
3 D "ea'er a A024
• $uando houver mudanças nas condições ambientais5
• Substituição:inclusão de e&ecutante5
• Substituição de e$uipe.
Tare(a
• 0reparar a atividade5
• -&ecutar a atividade5
• =esmobili'ar.
Metodologia
aB =ividir a tarea em etapas5
bB *dentiicar todas as atividades da etapa5
cB *dentiicar os riscos em cada atividades5
dB *ndicar ações para neutrali'ar:eliminar cada risco.

#er'issão para Trabalhos Especiais
-stabelecer procedimentos para reali'ação de trabalhos especiais ou em condições
especiais de orma a eliminar e:ou controlar os riscos.
ti$idades Especiais
• -spaços coninados5
• =etonações em local de risco5
8
• 2estes radiol8gicos5
• 2rabalhos em instalações elétricas sob tensão5
• 2rabalho em altura5
• 2rabalhos de o&i@corte e solda pr8&imos a locais de risco
• Manutenção em dep8sitos de e&plosivos, inlamáveis, silos de arma'enamento5
• Manutenção em redes de gás natural metano e inlamáveis5
• "etomada de sondagem, desenvolvimento e lavra em galerias subterr(neas e
poços paralisados.
Trabalho e' ltura
0revenir acidentes por $uedas, se%a de pessoa ou de ob%eto, com dierença de nível.
Tipos de Trabalho e' ltura
• Andaimes e plataormas5
• -scadas m8veis5
• 2rabalhos em taludes5
• 2rabalho em cadeiras suspensas <balancin individualB5
4ireito de ,ecusa
Ob?eti$o&
Assegurar aos empregados o direito de recusa ao trabalho $uando identiicar $ual$uer
situação de risco grave e iminente de acidente.
4e(inições&
"isco grave e iminente4 2oda condição ambiental ou situação de trabalho $ue possa
causar dano grave e imediato.
• 1 empregado não se sentindo seguro em iniciar ou continuar uma tarea por %ulgar
haver risco grave e iminente de acidente, comunica ao seu supervisor: cheia
imediata5
• 1 supervisor: cheia imediata analisa %unto com o empregado a proced.ncia do
$uestionamento utili'ando as erramentas de análise disponíveis, Análise
0reliminar de 2areas.
• Kavendo concord(ncia de $ue é necessária medida corretiva: preventiva, esta
deverá ser providenciada antes de se iniciar ou recomeçar a tarea5
• !ão havendo concord(ncia, o empregado interrompe o trabalho, preenche o
ormulário e entrega a primeira via para seu supervisor: cheia imediata $ue a
encaminha para o gerente de área5
• 1 gerente da área e o S-SM2, em con%unto com o supervisor:cheia imediata e o
empregado, analisam a situação e concluem sobre a proced.ncia da recusa.
0reenchem o campo apropriado do ormulário e providenciam as medidas
necessárias para corrigir a situação.
9
E3uipa'ento de #roteção Indi$idual (E#I)
+ todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a saúde e a integridade
ísica do empregado.
Tipos de #roteção
 #roteção para o corpo inteiro
• macacão de segurança
• %a$uetas
• calça
 #roteção para o tronco
• aventais
• %a$uetas
• capas
 #roteção para a cabeça @ protetores (aciais
• 8culos
• máscaras para soldadores
• capacete de segurança
 0roteção contra $ueda
• cinto de segurança
 #roteção para os 'e'bros superiores
• luvas
• mangas
 #roteção respirat=ria
• respirador
 #roteção auditi$a
• protetor auricular
 #roteção para 'e'bros in(eriores
• ,otina de segurança
Cintos de Segurança
<4OMI5", não é mais usado por ser inseguro, a não ser o cinto para eletricista
com talabarte para evitar $uedas ou usado como limitador de movimento.
#,+%8E4IST, usado nas áreas acima de # metros $uando não houver
proteção contra $ueda. Ao estar suspenso ica@se preso por $uatro pontos. 0reso
nas costas, este orçará a coluna a dobrar@se para a rente, evitando o esorço
ou impacto na mesma. /sar a%ustado ao corpo não dei&ando pontos rou&os.
10
8tilização de Tra$a %ueda
0ara movimentação na vertical em subida e descida com cinto de segurança
conectado ao trava $ueda e este ao cabo ou corda guia.
A e&tremidade superior do cabo:corda guia deve estar ligado a estrutura e a
e&tremidade inerior pode estar solta.
1 cabo do sistema de i&ação da cadeira suspensa ou andaime suspenso não deve
ser usado para ai&ar o trava $ueda como cabo guia.
Atado a barra i&a, para movimentação vertical e hori'ontal.
6abo guia hori'ontal, para movimentação em telhados, descarga de caminhões
em arma'éns.
6abo guia vertical, para subir em andaimes e escadas em alturas elevadas acima de
Q metros.
0ara trabalhos em cadeira suspensa, proibido usar corda.

E3uipa'ento de #roteção Indi$idual
• São distribuídos pela supervisão imediata do empregado5
• 2odo -0* recebido é lançado na Iicha *ndividual do empregado5
• 0ara substituição, procurar o supervisorA
,esponsabilidades do E'pregador
• d3uirir o E#IB
• )ornecer so'ente E#I apro$ado pelo MinistCrio do TrabalhoB
• Orientar e treinar os e'pregadosB
• Tornar obrigat=rio o seu usoA
,esponsabilidades do E'pregado
• /sar o -0* apenas para a inalidade a $ue se destina5
• "esponsabili'ar@se pela guarda e conservação5
• 6omunicar ao empregador $ual$uer alteração $ue o torne impr8prio5
• 6umprir as determinações do empregador sobre o uso ade$uado5
• )uardar e higieni'ar seus -0*Rs.
11
,egras de Circulação
Circulação e Transporte de #essoas e E3uipa'entos
• A mina possui norma de tráego.
• + obrigat8rio o uso de cinto de segurança para todos os ocupantes de veículos.
• 1s veículos de pe$ueno porte $ue transitam nas áreas deverão possuir bandeirolas,
sinal sonoro de ré, girole& e ar8is ligados.
• !ão transitar a pé na mina, e&ceto topograia e manutenção de sinali'ação.
• Ii$ue atento aos sinais sonoros de ré dos e$uipamentos e saia o mais rápido possível
do local.
utorização de Tr1(ego
0ara as pessoas $ue irão dirigir em área de lavra é necessário ser treinado e
aprovado no 2reinamento de !orma de 2ráego em Mina a 6éu Aberto, onde o
mesmo receberá uma autori'ação.
Instrução para 8tilização de De2culos "e$es
,esponsabilidades do
8su1rio
@Lelar pelo veículo $ue lhe oi entregue, veriicando se todos os documentos estão em
ordem e se o cartão com o teleone da 6ompanhia de Seguros está %unto 9
documentação do veículo5
@"egistrar todas as anomalias veriicadas durante o uso5
@=isponibili'ar o veículo para manutenção de acordo com o plano de manutenção do
veículo, relacionando os problemas detectados5
@"esponsabili'ar@se pela !otiicação de *nração de 2r(nsito $ue porventura vier a dar
causa, arcando com o Enus inanceiro e de pontuação da 6!KB
<lo3ueio de dispositi$o de 'anobras
O<EETIDO
-stabelecer práticas e instruções mínimas para o blo$ueio de dispositivos
de manobras @ <de e$uipamentos, instalações e:ou circuitosB @ $ue liberem
energia de origem elétrica, térmica, mec(nica, pneumática, hidráulica,
radioativa ou outras, e cu%a ativação inade$uada ou indese%ada possa
resultar em acidentes.
T,EI5ME5TO
12
=everão passar pelo treinamento especíico da área, todos os
empregados envolvidos em atividades nas $uais possa haver liberação
indese%ada de $ual$uer tipo de energia.
E3uipa'entos '=$eis e se'i+'=$eis
O<EETIDO
-stabelecer práticas seguras para operação, de e$uipamentos m8veis e
semi@m8veis.
,EF,S <GSICS
• Somente poderão operar e$uipamento m8veis e semi@m8veis,
empregados autori'ados e $ue portarem crachá de autori'ação5
• 0ara transporte de produtos perigosos o condutor deverá possuir o
curso M10- D Movimentação de 0rodutos 0erigosos.
• 1brigat8rio o uso de sinal sonoro $uando manobrando de ré para
todos os -$uipamentos M8veis e semi@m8veis, e&ceto $uando
operado em área de atuação devidamente sinali'ada e isolada.
• 2odos devem ter e&tintores de inc.ndio instalados em local de ácil
acesso.
• 0ossuir proteção para o operador em caso de capotamento do
e$uipamento e $ueda de ob%etos e materiais.
• + proibido dar carona em e$uipamentos moveis e semi@m8veis.
• Guando houver necessidade do uso de batedor nos
deslocamentos dos e$uipamentos deverão ser observados os
procedimentos especíicos de cada unidade e a legislação de
tr(nsito $uando aplicável.

Ergono'ia
+ um con%unto de ci.ncia e tecnologia $ue procura a adaptação conortável e
produtiva entre o ser humano e seu trabalho, basicamente procurando adaptar as
condições de trabalho 9s características do ser humano.
O<EETIDO
-stabelecer critérios para a elaboração e implementação de ações de ergonomia
para levantamento, avaliação e melhorias dos postos de trabalho.
COMITH 4E E,FO5OMI
-$uipe multidisciplinar $ue irá elaborar o programa ergonEmico,
visando a adaptação das condições de trabalho 9s características
psicoisiol8gicas dos empregados e a nature'a do trabalho a ser
e&ecutado.
ti$idades e' Espaço Con(inado
ES#6O CO5)I54O
13
>ocal não pro%etado para ocupação humana, de acesso limitado ou restrito, sem
condições seguras para trabalhos em seu interior, com possibilidade de contaminação
atmosérica e:ou deici.ncia de o&ig.nio.
O<EETIDO
-stabelecer os re$uisitos mínimos para prevenir acidentes nas atividades
em espaços coninados.
ti$idades e' Espaço Con(inado
#,O IJK 4ECF
4ESC,I67O
Somente poderão e&ecutar atividades em espaço coninado de acesso
restrito os empregados treinados e credenciados pelo S-SM25
Gual$uer atividade em espaço coninado de acesso restrito s8 poderá ser
reali'ada com a emissão da 02-5
1perar em e$uipe de pelo menos # trabalhadores, onde um deles atuará
como vigia, sempre do lado de ora.
1s empregados $ue orem reali'ar trabalhos em espaço coninado,
deverão ser treinados no 0rocedimento -specíico.
Inspeção de Segurança
"eali'ada preerencialmente pela linha gerencial e segurança, com a unção de
detectar alhas individuais e condições inseguras no ambiente industrial ou
administrativo, como por e&emplo4
• Ialta de proteção em má$uinas e e$uipamentos5
• 6ondição de pisos, passarelas e estruturas prediais5
• Ialta de limpe'a e ordenação <SSB5
• Ialta e descumprimento de procedimentos, etc.
Jisando redu'ir o potencial de acidentes através de medidas preventivas e corretivas
nas ações, atitudes e nas condições inseguras do ambiente.
Inspeção e' De2culos e E3uipa'entos M=$eis
2em como ob%etivo a veriicação do uncionamento de itens de segurança do veículo :
e$uipamento m8vel.
. 6into de segurança5
. Iarol5
. Seta5
. Iarolete5
. ,u'ina5
. Alarme de ré5
. "etrovisor5
. 1utros itens.
E$entos de Segurança e Saúde Ocupacional
• =iálogo de Segurança e Saúde ocupacional "eunião de segurança mensal5
• 6*0AM*!5
• S*0A2M*!5
• 6ampanhas de Segurança.
14
#rogra'a de Ferencia'ento de ,isco (#F,)
6abe a empresa de mineração implantar o 0)", abordando no mínimo os seguintes
aspectos4
aB riscos ísicos, $uímicos e biol8gicos5
bB atmoseras e&plosivas5
cBproteção respirat8ria, de acordo com a *nstrução !ormativa nTN, de NN:O3:C3, da
Secretaria de Segurança e Saúde no 2rabalho5
dB investigação e análise de acidentes do trabalho5
eB ergonomia e organi'ação do trabalho5
B riscos decorrentes do trabalho em altura, em proundidade e em espaços
coninados5
gB riscos decorrentes da utili'ação de energia elétrica, má$uinas, e$uipamentos,
veículos e trabalhos manuais5
hB e$uipamentos de proteção individual de uso obrigat8rio, observando@se no mínimo
o constante na !"@Q5
*B estabilidade no maciço5
%B plano de emerg.ncia5
UB outros resultantes de modiicações e introduções de novas tecnologias.
#roteção contra poeira 'ineral
-m toda mina deve estar disponível água <pipa e sistema de aspersãoB em
condições de uso, com o prop8sito de controle da geração de poeiras, onde
rocha ou minério estiver sendo perurado, cortado, detonado, carregado,
descarregado ou transportado.
• As superícies de má$uinas, instalações e pisos dos locais de tr(nsito de pessoas e
e$uipamentos, devem ser periodicamente umidiicados ou limpos, de orma a
impedir a dispersão de poeira no ambiente de trabalho5
• Guando ultrapassados os níveis de ação para e&posição a poeiras minerais,
devem ser adotadas medidas técnicas e administrativas $ue, redu'am, eliminem seus
eeitos sobre a saúde dos trabalhadores e considerados os níveis de ação
estabelecidos nesta !orma.
15
#,EDE567O E COM<TE I5CH54IO
)ogo
+ uma reação $uímica $ue se caracteri'a pela presença de >u' e calor.
Classi(icação
0ara provocar a reação $uímica <ogoB há necessidade da presença de elementos
essenciais4
@ 6ombustível
@ 1&ig.nio <6omburenteB
@ 6alor
@ "eação $uímica
E"EME5TOS ESSE5CIIS
Co'bust2$el
+ o elemento $ue serve de campo de propagação do ogo.
#ode ser&
S8lido, >í$uido e )asoso
ELe'plos&
Madeira, 0apel, 2ecido, Vleo, )asolina, 6arvão, Wlcool, )ra&a, )ases, etc...
OLigMnio (Co'burenteB
+ o o&ig.nio e&istente no ar atmosérico, $ue possibilita vida 9s chamas.
Co'posição do ar at'os(Crico&
!itrog.nio D AXY
1&ig.nio D #NY
1utros gases D NY
Calor
+ o elemento $ue serve para dar início a um inc.ndio e $ue o mantém.
T,5SMISS7O 4O C"O,
,adiação
+ o processo pelo $ual o calor se transmite, por meio de ondas de energia caloríica
$ue se desloca através do espaço ou matérias.
Condução
+ o processo pelo $ual o calor se transmite da matéria para a matéria e de molécula
para molécula, isto é, sem intervalos entre os corpos.
Con$ecção
16
+ o processo pelo $ual o calor se transmite, por intermédio da massa de ar ou de
gases $uentes $ue se deslocam do local do ogo para outros, levando calor
suiciente para incendiar corpos combustíveis com os $uais entrem em contato.
C"SSES FE,IS 4E I5CH54IO
IncMndio da Classe NN
+ o inc.ndio em corpos combustíveis comuns, como4 Madeira, 2ecido, ,orracha, ou
se%a, inc.ndios em materiais s8lidos de nature'a org(nica.
MCtodo de ELtinção
@ "esriamento
gente ELtintor
@ Wgua
@ -spuma
@ Soluções contendo grandes porcentagens de água
IncMndio da Classe N<N
+ o inc.ndio envolvendo lí$uidos inlamáveis tais como4
)asolina, Vleos, 2intas, etc...
MCtodos de ELtinção
@ 0or abaamento
gentes ELtintores
@ 08 $uímico Seco
@ 61#
@ -spuma
@ Wgua em orma de neblina
IncMndios da Classe NCN
+ o inc.ndio em e$uipamentos eletroeletrEnicos energi'ados.
MCtodo de ELtinção
@ Abaamento
gente ELtintor
@ 6o#
@ 08 $uímico
IncMndio da Classe N4N
+ o inc.ndio $ue ocorre em metais piro8ricos <magnésioB.
MCtodo de ELtinção
@ Abaamento
17
gente ELtintor
Agente e&tintor especial a base de graite, sal@gema etc.
MOTO4OS 4E EPTI567O
+ a retirada de um dos elementos essenciais, desa'endo o $uadrado do ogo.
1 "-SI"*AM-!21, A,AIAM-!21 - 1 *S1>AM-!21 constituem as tr.s
possibilidades básicas para e&tinção do ogo.
EPTI5TO,ES 4E I5CH54IO
São aparelhos $ue utili'am agentes e&tintores para 9 proteção contra
princípios de inc.ndio, devem ser manuseados por pessoas treinadas.
8so ou )unção
-&tinguir princípios de inc.ndio.
Classi(icação
1s e&tintores são abricados em vários e dierentes tipos, tamanhos e indicados
segundo suas características, para uma ou mais classes de inc.ndios.
@ 0ortáteis <manuaisB
@ !ão portáteis <carretas ou estacionáriosB
EPTI5TO,ES #O,TGTEIS
Manuais
São aparelhos $ue podem ser transportados manualmente e seu peso total não deve
ultrapassar4
@ #O Ug para p8 $uímico
@ #S Ug para 61#
@ #O Ug para espuma
EPTI5TO,ES 57O #O,TGTEIS
Carretas
-&tintores montados sobre rodas.
Estacion1rios
-&tintores estacionários de maneira i&a.
#,EDE567O E COM<TE
Guando, a prevenção alha, os trabalhadores devem estar preparados para o combate
ao princípio de inc.ndio o mais rápido possível.
#ara 3ue o co'bate se?a e(iciente C necess1rio 3ue4
aB -&istam e$uipamentos de combate a inc.ndio em $uantidade suiciente e
ade$uados.
bB As pessoas $ue trabalhem na área, saibam como usar os e&tintores e $ue
avaliem a capacidade de e&tinção
18
Co'bate ao )ogo co' ELtintor de Ggua #ressurizada
=eve ser operado da seguinte orma4
NB 1 operador leva o e&tintor ao local do ogo5
#B "etira a trava ou o pino de segurança5
MB -mpunha a mangueira5
3B Ataca o ogo <classe AB, dirigindo o %ato dRágua para a sua base.
ELtintor de F1s Carb>nico + COJ
1 61# é encerrado num cilindro com uma pressão de QN atmoseras.
ELtintor de #= %u2'ico Seco
/tili'a bicarbonato de s8dio não higrosc8pico e um agente propulsor $ue
ornece a pressão <61# ou !#B. + ornecido para uso manual ou em carretas e
pode ser de pressão permanente ou com pressão in%etada.
ELtintor de #%S a #ressurizar
NB 1perador leva o e&tintor ao local do ogo5
#B Abre o cilindro de gás5
MB empunha a mangueira5
3B Ataca o ogo procurando ormar uma nuvem de p8,cobrindo toda área atingida.

<,IF4 4E I5CH54IO
Iormada por um grupo de empregados de vários turnos, os $uais são avaliados
clinicamente, treinados e orientados para atuarem em situações de emerg.ncia.
#lano de E'ergMncia
EME,FH5CI é uma combinação de atos, decorrentes de deeito em e$uipamentos,
alhas no controle de processo, enEmenos naturais, ou alhas humanas, $ue podem
resultar em inc.ndio, e&plosão, derramamento ou va'amento de produtos $uímicos,
emissão atmosérica acidental, descarga acidental na água e no solo, ou $ual$uer
acidente com lesão, dano 9 propriedade, ao meio ambiente, e até mesmo na
comunidade.
O #lano de E'ergMncia é o con%unto de medidas a serem adotadas no caso de uma
emerg.ncia como4 inc.ndio, e&plosão, derramamento ou va'amento de produtos
$uímicos, evitando assim $ue estes acidentes se tornem maiores.
19
Conclusão
Sabendo@se $ue o uso de e$uipamentos de proteção e a colaboração de todos os
uncionários é undamental para a saúde e segurança, as mineradoras estão
investindo cada ve' mais em palestras sobre a !"## para inormar aos trabalhadores
o $uanto é importante cada um usar o seu -0* e tomar cuidado em todos os setores
onde irão trabalhar.
1 trabalho de conscienti'ação está sendo cada ve' mais útil e vem a'endo com $ue
o índice de acidentes do trabalho nas mineradoras diminua consideravelmente.
Zá um progresso maior re$uer erramentas adaptadas 9s atuais necessidades para
tomada de decisão, portanto para $ue esses métodos se%am cada ve' mais eica'es é
necessário a comunicação imediata de todos os acidentes e:ou $uase acidentes ao
superior hierár$uico de cada setor.
<ibliogra(ia
*nternet4 )oogle
[[[.mte.gov.br:legislacao:normas\regulamentadoras
0es$uisas com técnico de Saúde e Segurança da Mineradora Jale
20

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful