… 01/05/2014

FORDISMO CRIATIVO
Crítica à carreira profissiona e artística conte!por"nea # $Menos” autores com
mais atores = mais Arte e menos egoismo. E o porquê.
ou
Gifs + Quadrinhos = Pós modernismo puro = simpes assim mas nem tanto se !ocê
for um querido "a"aca. #cott Mccoud.
Aca"ei de rece"er de uma amiga pu"icit$ria este post iuminado %o"rigado&'.
http())***.ideafi+a.com)gifs,e,o,primeiro,pano-
f".action.ids=/01234152///5678f".action.t9pes=og.i:es
E o que !i caros amantes da nona arte %Quadrinhos'-
;i 2 e+empo de resposta pro <enigma de #cott Mccoud=”.
E como seria esse enigma-
>omo fa?er as <pessoas normais” e a academia %de @etras e de Artes' sentirem o mesmo que nós
%eitores de quadrinhos' sentem quando %!'eem quadrinhos.
Ahando esse post com os gifs fica f$ci di?er(
## a%& o cara s' (so( a t)cnica *e e+trapoar a ,rea *o paine co! a *e *esen%ar e! ci!a *a
sar-eta % espaBo entre dois quadrinhos Cam"as demonstradas no Quadrinhos e Arte #equencia do
Di Eisner e no Ees!endando os Quadrinhos do #cott MccoudF' pra *ar sensa./o *e 0(e o
*esen%o est, sain*o *o pape %coisa assim' e -(nto( co! os 1ifs ani!a*os 2 0(e !a*ito&
por0(e n/o ti3e essa i*eia antes4545
E eu respondo o porquê( Por que !ocê G um querido "a"acaH querido amigI e precisa mudar se ama
os quadrinhos mesmo e se ama !ocê tam"Gm.
>upo a carreira profissiona e artJstica contemporKnea %que !ou chamar de >.P.A.>' pea
defasagem na arte)design %dificudade de surgir coisas "oas mesmoL inteigentesH inspiradas' e a
triste?a de !ida que tem uma pessoa que pensa como o e+empo que in!entei acima %ou seMaH todos
nós'.
Qua G o erro da >.P.A.>- N que ea se acha muito maandrona %querida "a"aca' tendo um
pensamento modernista.
E como G um pensamento modernista-
A de estudar e praticar e defender só uma forma de !er o mundo %fJsico ou artJstico' e achar que
isso ir$ sa!$,o %ou sa!ar a arte'.
A pro"ema-
N que nOo queremos %e M$ desistimos h$ muito' de querer sa!ar o mundo entOo di?emos( , ;amos
sa!ar nossas carreiras peo menos...
A pro"ema(
N que o resutado dos tra"ahos ficam um i+o. Eificimente surge Arte mesmo. #e cada um fica
pensando sua $rea e odiando as outras a coisa nOo acontece. Porque <a coisa” nOo tem uma forma
definida. A reaidade nOo tem uma direBOoH tem todas. Psso G a maneira como entendi o Pós,
modernismo. A o"ra Qichos da @9gia >ar: G o maior e+empo disso que eu carrego(
N uma escutura que diferente da c$ssica %um "ustoH por e+empo' que fica parada em uma posiBOo
ohando pra !ocêH essa nOo tem direBOo nenhuma( nOo tem frenteH nOo tem tr$sH "ai+oH cimaH dentro
nem fora. E tem tudo isso ao mesmo tempo e ainda se reaciona com !ocê %d$ pra pegar e me+er
nea'. @em"rando que pra chegar nesse resutado poGtico foi um tra"aho de dGcadas pois surgiu do
Reoconcretismo "rasieiro pintado em um quadro normaH que depois se i"ertou da modura pra
ficar sempre <mais perto” do espectador. Eepois te!e sua pintura i!re do quadro e foi parar na
paredeH depois argou a parede e foi pro <espaBo”
%dei+ando de fa?er parte apenas das artes !isuais e interagindo com as $reas de arquitetura e
design'. Psso em conMunto com o SGio Aiticica e outros artistas)designers , Grupo Reoconcreto
%Amicar de >astroH Tran? DeissmannH @9gia PapeH SGrcues QarsottiH Di9s de >astroH mais @9giaH
mais SGio'.
A ParangoG do SGio Aiticica ficou assim( Pmagine um quadro do Mondrian...
separado em pedaBos de tecido e que só <funciona” se aguGm usar sam"ando.
Psso G Pós,modernismo. Psso G QrasiH isso G Arte. AMuda todo mundoH %e atG hoMe' como a estiista
contemporKnea @iian Pacce...
e os designs "rasieiros da A>A que <criaram” re!estimentos em mdf %por e+empo'.
Menos a(tores& !ais Arte& !enos e6ois!o e o por0(78
Penso que o que estimua o pensamento fragmentado modernista em uma sociedade que se di? Pós,
modernista G o egoismo %e digo que G um tiro no pG pra todos e atG pro nosso monstro >apitaismo U
que est$ em cada um de nós peo mesmo pensamento'. >ada um defende o pensamento na $rea que
tem e ataca a outra $rea por medo de perder espaBo. Psso ocorre com as o"ras artJsticas tam"Gm %e
os quadrinhos sofrem muito com isso'. #cott Mccoud faa!a disso no seu i!ro( que o futuro dos
quadrinhos seria quando ee se i"ertasse do papeH cita!a e+empos de murais e outros e+empos
%coisa assim'. Toi uma questOo que nOo conseguiu responder. Pensei na Gpoca da facudade que ee
era um "a"aca fa?edor de i!ros que guarda!a a resposta para si mas passaram anos e ee nOo
respondeuH por isso acho que ee nOo G um "a"aca.
Vm fime %como simpes e+empo' com 4 diretores de!e ficar mehor do que só um. Au um fime
inteiro assinado por um grupoH cooperati!a artJsticaH onde todos sOo diretores e rece"em iguamente.
###Mas ai roaria !enos 6rana pra !i!& 0(e so( *iretor e est(*ei !(ito !ais 0(e o c"!era8
ROoH por que o fime seria "om de !erdade porque o "aita editor que !ocê tem ia dar tudo de si e
nOo ficaria se prendendo por que quem !ai assinar G !ocê e o roteirista nem se fae e o fime seria
distri"uJdo de !erdade e nOo seria transmitido só na sua cinemateca cut para os amigos que !ocê
acha que tem mas que só querem sa"er se !ocê G mais esperto que ees pra te rou"arem umas ideias
pra fa?er o mesmo processo mesquinho que !ocê fe? e fófófómmm = como est$ o cinema naciona.
###9 0(a o(tro (cro 0(e *aria& Scott Mcco(*4
A artJstico...
###: *e co!er& *, pra co!prar (!as carteiras *e ci6arro co! ee4
ROoH G assimH ó( outra memória que tenho do i!ro Ees!endando os Quadrinhos G de que e+istem
!$rios graus de carreira de quadrinista %em"rando aqui que os quadrinhos sOo um e+empoH isso
pode ser utii?ado em todas as $reas de produBOo de conhecimento e produBOo de o"ras
artJsticas)designs CatG reigiOoF'...
>omo #cott Mccoud %Ees!endando os Quadrinhos p$ginas 2/0 a 2//' demonstra numas W
carreiras profissionais nos quadrinhos...
a primeira carreira G de uma menina que desenha!a um pouco de quadrinhos na facudade mas
aca"ou tra"ahando em uma agência quaquer %!ida medJocre como artistaH ta!e? "oa como mOeH
nOo estudou muito teoria de desenhoH nOo tentou desco"rir seu próprio desenho...' o outro cara G
um Xim @ee %desenha pra E> >omicsH tem carrOoH fihos "em,educados mas tem pra?os curtosH
tra"aha de madrugadaH nOo cria história nenhumaH só desenhaH nOo tem tempo pra er quadrinhos e
o que queria ser mesmo era um artista autor mestre europeu que mora num ugar camo e inspirador
e nOo ter pra?o pra entregar sua graphic no!e'. A outra G uma artista que se a!enturou nos caminhos
dos quadrinhos underground)autorais. N fei?H tem "ons amigosH rece"e e,mais !e? em quando de
fOs de outros paJses. Yem pouca grana mas a que têm ea financia sua própria o"ra. Quer conhecer
mais seu traBoH humide e humana se consider$ sempre uma auna. A Ztimo cara conseguiu chegar
<$”. Escre!eu e desenhou do seu Meito uma graphic no!e que G tida como referência mundiaH
comparado a um Gerge Ar*e nos quadrinhos. Ee tem uma poupanBa nOo monet$ria que G o pra?er
estGtico que as pessoas tem e terOo ao er sua o"ra. Que como todasH nOo e+iste sem espectador %que
a caharH era o foco dos artistas "rasieiros nos anos 63 e W3'. Esse cara G muito fei?H mas tam"Gm
nOo foge dos pro"emas de ser esquecidoH de ter que reno!ar o tra"ahoH de se co"rar a fim de nOo
conseguir fa?er uma o"ra tOo "oa quanto a mais conhecidaH ter que fa?er uns tra"ahinhos fracos ou
"em comerciais no fim da carreira pra conseguir uma grana...

Esse foi o e+empo do #cott Mccoud. Ressa outra ótica seria %por e+empo' um grupo de
quadrinistas da mesma idade de W paJses da AmGrica @atina fa?erem um $"um Muntos. A o"ra digna
de prêmios ou nOoH seria um sucesso. Mesmo que fosse pea e+periênciaH peos no!os amigosH pra
fa?er uma trip em !$rios paJsesH conhecer o que ees M$ tinham %os paJses pró+imos' e nOo da!am
!aor %a distri"uiBOo seria uma "ee?aH hein'. E isso roa na tua ruaH no teu condomJnioH no teu
"airroH ta!e? atG na sua casa ou no teu tra"aho...
A"s.( os espertos queridos "a"acas dirOo que eu me contradigo sugerindo uma souBOo modernista
num te+to pretensiosamente pós,modernista e eu digo que sim. Mas G a partir de um mGtodo pós,
moderno( a teima com essa i"erdade pra responder quest[es eu aprendi fa? tempo. Escre!er minha
monografia foi o teste. Aprendi tanto em "ares quanto em "i"iotecasH mas a cha!e fina aqui foi um
sa"er antiquJssimo %ta!e? dos ;edasH sei $...' chamado <Seresia da #eparati!idade”. Que ai simH
me deu um dado pra fa?er uma proposiBOo moderna. E o dado G que( nOo importa quem !ocê seMaH
seus defeitos profundos sOo iguais aos meus e am"os sofremos por isso %ainda que em graus
diferentes de sofrimento e peas consequências dee U nOo importando quem seMa o rico ou quem
seMa o po"re' mas as !irtudes profundas %todo mundo foi crianBa um dia' tam"Gm sOo iguais.
EntOoH crianBasH somos seres sociais(
CRI9M& ASSI;9M& R9C9<AM 9 S9 DIVIRTAM COMO 1R=>O e 6an%are!os to*os555
Assinado( Grupo Mandaa de Areia.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful