Você está na página 1de 36

Amamentação em bebês prematuros

propriamente dita
• Momento do inicio
• Idade Gestacional Corrigida de 34 semanas, ou
peso de 1800 gramas não garantem coordenação
sucção-respiração-deglutição.
• É necessário que o bebê apresente sinais de
prontidão para se alimentar por via oral
• Estabilidade na coordenação entre as funções de
respirar, sugar e deglutir

Recursos tradicionalmente utilizados no
processo de transição alimentar da via gástrica
para a amamentação de bebês prematuros
• Utilizados para driblar as dificuldades
inerentes à prematuridade
• Treino para a adequação dos padrões orais
e o estabelecimento da amamentação
• Necessidade de avaliação fonoaudiológica
• Variamcoma individualidade de cada caso.
SNN. Sucção não nutritiva
• Dedo enluvado
• Favorece a organização comportamental e dos
padrões de sucção
• Facilita alimentação por via oral precoce e
coordenada
Mama vazia
• O esvaziamento da mama através de ordenha
• Oferecimento da mama esgotada e sem leite
ao RNPT
• SNN fisiológica
• Procedimento seguro, natural e sem custos
• Favorece o RNPT e a mãe
Copinho
Copinho não é bico, logo não causa confusão de bicos
Copinho não é umdispositivo. Copinho é uma técnica.
Alternativa temporária, e não método definitivo de
oferta de leite, logo, eventuais efeitos indesejáveis tem
duração limitada, na medida de seu uso.
Copinhos não podem ter alargado seu orifício de saída,
como são os dispositivos combicos.
Copinhos são mais higiênicos que dispositivos com
bicos.
Bebês não se alimentam sozinhos no copinho. É
necessário o concurso de um cuidador. Já
mamadeiras...
Copinho
• Cerca de vinte músculos atuam durante a ordenha do leite
materno.
• Os músculos responsáveis pela movimentação da
mandíbula (abaixamento, protrusão, elevação e retrusão)
estimulam o crescimento facial de maneira adequada . E
são os mesmos quando o bebe suga o peito e quando
recebe leite no copinho
• Ao contrário do que ocorre no aleitamento por mamadeira.
GOMES, C. F. Avaliação eletromiográfica dos músculos masseter, temporal e
bucinador de lactentes em situação de aleitamento natural e artificial. 2005.
176 f. Tese (Doutorado em Pediatria) – Faculdade de Medicina de Botucatu,
Botucatu, 2005.
Finger feeding
• Técnica sonda dedo
• Oferta do leite e treino da sucção através de uma
sonda gástrica conectada a uma seringa e a outra
extremidade fixada no dedo mínimo enluvado
com fita adesiva onde o leite flui por sucção e não
por gravidade, permitindo ao fonoaudiólogo a
avaliação e treino dos padrões orais e a
adequação da sucção no prematuro, sem contato
com bicos artificiais
• Alternativa de alimentação do prematuro na
ausência materna
Translactação
• Leite – sonda – seio
• Facilita a ação da prolactina na medida em
que o bebê suga o seio
• Facilita a ação da ocitocina na medida em que
a mãe se tranquiliza
• Método transitório
• Recomendado pela OMS. Aplicável à
amamentação de RNPT
Observação de mamada em bebês
prematuros
RUIDO AMBIENTE
( ) Ambiente silencioso, sem conversas
em torno, presença reduzida de
monitores e equipamentos emissores de
ruído, decibelimetro entre 50-65dB
( ) Ambiente barulhento, conversas em
torno, muitos monitores e equipamentos
emissores de ruído, decibelimetro acima
de 65 dB.
Iluminação ambiente
( ) Iluminação ambiente discreta,
penumbra nos casos de bebes com
pesos menores, presença de campos
para quebrar sua intensidade
( ) Iluminação ambiente intensa,
ausência de campos de proteção
para a luminosidade excessiva
Estado emocional da mãe
( ) Mãe calma, segura,
ausência de dores,
acompanhada de familiares
tranquilos, satisfeita com a
evolução do bebê e com a
perspectiva de sucesso
( ) Mãe ansiosa, insegura,
sentindo dores, desacompanhada
ou acompanhada de familiares
tensos, preocupada com o bebê ou
com a possibilidade de insucesso
Postura da mãe
( ) Mãe confortável, levando o
bebê a mama, segura com
cuidado, olha nos olhos
conversa com o bebê.
( ) Oferece a mama com os
dedos em forma de C.
( ) Mãe desconfortável, inclina-se para
colocar o bebê na mama, segura sem
cuidado, sem olhar ou conversa com o
bebê.
( ) Oferece a mama em forma de tesoura.
Postura do Bebê
( ) Organizado com apoio,
posição barriga com barriga,
mantém-se em flexão, podendo
levar as mãos ‘a face e
apresentar preensão palmar.
( ) Desorganizado, postura em extensão,
instável, posicionado com a barriga para
cima, abocanha e solta a pega da mama.
Estado de vigília do bebê
( ) Bebê acordado, mostrando
sinais de aproximação, calmo,
sem choro, tranquilo
( ) Alerta durante toda a
mamada.
( ) Bebê sonolento, irritado, sinais de
afastamento
( ) Sonolento logo após o início da
mamada.
Frequência respiratória
( ) Mantém-se dentro dos
limites da normalidade durante
toda a mamada.
( ) Grupos de sucções com
pausas adequadas, coordena
sucção, deglutição e respiração.
( ) RN apresenta alteração da freqüência,
tornando-se taquipneico, dispnéico durante
a mamada.
( ) Pequenos grupos de sucção com pausas
longas para respirar.
( ) Não coordena sucção, deglutição e
respiração.
Coloração da pele
( ) Não há alteração de
coloração da pele durante a
mamada.
( ) Durante a mamada a pele torna-se
marmorata (moteada) ou cianótica com o
seguimento da mamada.
Saturação
( ) Níveis acima de 90,
estáveis, mantendo o
padrão anterior
( ) Níveis caindo bruscamente
para abaixo de 90, instabilidade,
mudança do padrão anterior
Reflexo de busca
( ) Completo, com rotação da
cabeça, abertura da boca e
anteriorização da língua.
( ) Incompleto, com rotação insuficiente da
cabeça, abertura incompleta da boca ou
anteriorização reduzida ou ausente da
língua.
Verificação da pega
( ) Língua anteriorizada e
posicionada abaixo do seio.
( ) Boca bem aberta, com
lábios evertidos.
( ) Bochechas arredondadas,
sem ruídos durante a sucção.
( ) Mantém pega durante a
mamada.
( ) Língua posteriorizada (observar o
frênulo lingual) ou com ponta elevada, não
visualizada sob o seio, indicando ordenha
ineficaz.
( ) Boca com abertura reduzida, lábios
invertidos.
( ) Bochechas contraídas, com ruídos
durante a sucção.
( ) Não consegue manter a pega durante a
mamada. Abocanha e solta.
Padrão de sucção
( ) Firme, vigorosa, com sugadas
profundas e lentas, pausas
adequadas, ritmo de 1:1 (1 sucção
por segundo).
( ) Débil, lenta, com sugadas
rápidas com ritmo 2:1, pausas
longas ou muito longas (2sucções
por segundo).
Deglutição
( ) Pode-se ouvir a deglutição
do bebê, porém não há
aerofagia.
( ) Não há engasgos ou tosse.
( ) Ruídos de deglutição de ar, engasgos,
tosse, cianose, alterações respiratórias,
letargia ou sonolência após a deglutição.
Regurgitação
( ) Ausência de regurgitação
durante a mamada.
( ) Apresenta regurgitação (nasal ou oral)
durante as mamadas.
Duração da mamada
( ) Acima de 20-30 minutos (para
retirar o leite posterior) e sem
alterações fisiológicas nesse período.
( ) Após a mamada as mamas
encontram-se flácidas e o bebê dá
sinais de saciedade.
( ) De curta duração e/ou duração excessivamente
longa, com alterações fisiológicas nesse período
(necessitando para isso ser interrompida),
apresentação de sinais de retraimento, adormece
no inicio da mamada.
( ) Após as mamadas as mamas encontram-se
cheias e tensas. O bebê não mostra sinais de
saciedade, mas de stress.
Sinais de aproximação
• Traduzem emissão de volume adequado de
estimulação e interação.
• Convite ao contato e uma permissão
fisiológica do RN para as ações de interação
• Respostas compatíveis com um bebê
organizado.
Sinais de aproximação
• Extensão de língua
• Mão à face
• Mãos juntas tocando-se
• Pés juntos tocando-se
• Entrelaçar os dedos
• Aconchegar-se
• Mão à boca
• Movimentos de preensão
• Abocanhar: movimentos de abertura e fechamento de boca
• Procura de anteparo para os pés ou pernas
• Reflexo de procura
• Fixar-se visualmente ou auditivamente
• Fazer “OOH” com a boca (arredondando os lábios)
• Segurar a mão do examinador
Sinais de retraimento
• Traduzem volumes exagerados de estimulação
e interação.
• Dificultama interação como cuidador
• Sinais de defesa de umRN sobrecarregado
• Indicativos de necessidade de redução do
estimulo estressante
• Respostas características de um bebê
desorganizado.
Sinais de retraimento
• Regurgitação
• Soluços
• Caretas, retração de língua.
• Arqueamento do tronco
• Dedos espalhados
• Asa de avião
• Saudação
• Sentado no ar
• Espirrar
• Bocejar
• Suspirar
• Tossir
• Desviar
• Franzir a testa
Aconselhamento aplicado a AM RNPT
• A mãe deve ser tratada com interesse. E com disponibilidade. Nada
de pressa. De atenção enquanto a atende. Isso vai permitir que a
mãe se sinta bem em conversar com você.
• Deixe a mãe falar. Dê-lhe essa chance. Muito do que ela necessita
passa por ai.
• Toque-a com carinho enquanto conversa.
• Não a interrompa, e seja paciente. Espere ela dizer tudo que sente.
• Encoraje-a a falar usando gestos e respostas que mostrem interesse
• Converse com ela apenas o necessário para compreender o que a
mãe lhe diz. Baseie suas perguntas nas coisas que ela fala para que
ela perceba que você está dando atenção à ela.
• Evite julga-la ou critica-la: os dias que ela não pode vir ou chegou
tarde, a coleta de leite em pequena quantidade... Não a deixe se
intimidar por criticas. Todo poder é da mãe. Todo poder é,
prematuramente, da mãe prematura.
AM em RNPT: um desafio
AM RNPT: um desafio
• Pessoal suficiente
• Pessoal capacitado
• Pessoal remunerado
• Espaço físico compatível com as praticas
• Apoio institucional
• Envolvimento da mãe e da familia
Obrigado

Interesses relacionados