Você está na página 1de 37

Compressibilidade

Unidimensional

Compressibilidade Unidimensional

Introdução

Introdução • Deslocamentos em edificações (recalques): – Hipótese usual do cálculo estrutural: deslocamentos

Deslocamentos em edificações (recalques):

Hipótese usual do cálculo estrutural:

deslocamentos nulos

Natureza: sempre existem, por menores que

sejam

Introdução

Introdução • Engenharia Geotécnica – Métodos de cálculo de deslocamentos – Recalques admissíveis (baseados

Engenharia Geotécnica

Métodos de cálculo de deslocamentos

Recalques admissíveis (baseados na experiência)

Determinação EXATA dos deslocamentos ou

recalques das estruturas:

MUITO DIFÍCIL!

Deformações nos Solos

Deformações nos Solos • Deformações sem variação de volume – Somente mudanças de forma (distorções) •

Deformações sem variação de volume

Somente mudanças de forma (distorções)

Deformações com variação de volume

Compressibilidade do solo

Compressibilidade do Solo

Compressibilidade do Solo Compressibilidade de cada fase: Ar: Muito compressível Água e Sólidos: Praticamente
Compressibilidade do Solo Compressibilidade de cada fase: Ar: Muito compressível Água e Sólidos: Praticamente

Compressibilidade de cada fase:

Ar:

Muito compressível

Água e Sólidos:

Praticamente

incompressíveis

Variação de volume nos solos:

Variação no volume de vazios (ar + água)

Compressibilidade do Solo

Compressibilidade do Solo REDUÇÃO DE VOLUME: EXPULSÃO DE ÁGUA E AR DOS VAZIOS (É INSTANTÂNEA OU

REDUÇÃO DE VOLUME:

EXPULSÃO DE ÁGUA E AR DOS VAZIOS (É INSTANTÂNEA OU LEVA TEMPO?)

Compressibilidade do Solo

Compressibilidade do Solo ARRANJO ESTRUTURAL E TIPO DE LIGAÇÃO ENTRE PARTÍCULAS X COMPRESSIBILIDADE ? EXEMPLO: ARGILA

ARRANJO ESTRUTURAL

E

TIPO DE LIGAÇÃO ENTRE PARTÍCULAS

X

COMPRESSIBILIDADE ?

EXEMPLO:

ARGILA FLOCULADA

X

ARGILA DISPERSA

AREIA MUITO FOFA

X

AREIA COMPACTA

CONCLUSÃO:

ESQUELETO SÓLIDO É FATOR DE IMPORTÂNCIA NA

COMPRESSIBILDADE

Compressibilidade Unidimensional

Compressibilidade Unidimensional
Compressibilidade Unidimensional

Recalque Unidimensional

Recalque Unidimensional Hipóteses: 1) Compressão unidimensional 2) Sólidos incompressíveis
Recalque Unidimensional Hipóteses: 1) Compressão unidimensional 2) Sólidos incompressíveis

Hipóteses: 1) Compressão unidimensional

2) Sólidos incompressíveis

Recalque Unidimensional

Recalque Unidimensional
Recalque Unidimensional

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica Célula de adensamento de Anel Fixo
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica Célula de adensamento de Anel Fixo

Célula de adensamento de Anel Fixo

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica Célula de adensamento de Anel Flutuante
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica Célula de adensamento de Anel Flutuante

Célula de adensamento de Anel Flutuante

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica a v = Coef. de Compressibilidade m v = Coef.
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica a v = Coef. de Compressibilidade m v = Coef.
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica a v = Coef. de Compressibilidade m v = Coef.
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica a v = Coef. de Compressibilidade m v = Coef.

a v = Coef. de Compressibilidade m v = Coef. de Compressibilidade Volumétrica

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica Recompressão descompressão Reta Virgem
Recompressão descompressão
Recompressão
descompressão

Reta Virgem

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica ’ i ’ a ’ f  H  H
’ i ’ a ’ f
’ i
’ a
’ f

H

H

1 e

0

C

R

log

a

i

C

C

log

f

a

Ensaio de Compressão

Unidimensional ou Edométrica

Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica
Ensaio de Compressão Unidimensional ou Edométrica

Tensão de Pré-Adensamento

Tensão de Pré-Adensamento Uma argila é dita pré-comprimida se ela já foi alguma vez submetida a

Uma argila é dita pré-comprimida se ela já foi

alguma vez submetida a uma pressão acima da pressão devida a peso próprio presente. (Terzaghi e

Peck, 1948)

A tensão efetiva vertical na qual se iniciam grandes

mudanças na estrutura natural [

Mesri, 1996)

]

(Terzaghi, Peck e

Tensão de Pré-Adensamento

Tensão de Pré-Adensamento • Causas: – Erosão dos solos – Ressecamento dos solos (tensões capilares) –

Causas:

Erosão dos solos

Ressecamento dos solos (tensões capilares)

Subida do lençol freático

Reações químicas no solo (por ex.: intemperismo)

Derretimento de geleiras, movimento de dunas,

drenagem de lençóis empoleirados

Envelhecimento dos solos (aging)

Outras causas, inclusive artificiais

Tensão de Pré-Adensamento

Tensão de Pré-Adensamento • Razão de sobre-adensamento (RSA) ou Overconsolidation ratio (OCR) RSA OCR  

Razão de sobre-adensamento (RSA) ou

Overconsolidation ratio (OCR)

RSA OCR

a

0

RSA < 1 Solo sub-adensado (em adensamento

ou amostra de má qualidade)

RSA = 1 Solo normalmente adensado

RSA > 1 Solo Pré-adensado

Tensão de Pré-Adensamento

Tensão de Pré-Adensamento
Tensão de Pré-Adensamento
Tensão de Pré-Adensamento M = 1/m v W =  x e
Tensão de Pré-Adensamento
M = 1/m v
W =  x e

Curvas e = f(log ’) de vários solos

Curvas e = f(log  ’) de vários solos

Correlações Empíricas

Correlações Empíricas • Pré-análises da compressibilidade a partir da experiência e de ensaios mais simples •

Pré-análises da compressibilidade a partir da

experiência e de ensaios mais simples

Validade restrita

Resultados possíveis:

Solo ótimo ou solo problemático (ensaios

desnecessários)

Solo duvidoso quanto à compressibilidade ou existe a possibilidade de economizar no projeto (ensaios necessários ou vantajosos)

Correlações Empíricas

Correlações Empíricas • Pré-adensamento: – Umidade próxima do LP: pré-adensado – Umidade próxima do LL:

Pré-adensamento:

Umidade próxima do LP: pré-adensado

Umidade próxima do LL: levemente pré-adensado

Tensão de pré-adensamento:

a = vo

Schmertmann (1991): a = 1,2 vo

Massad (2009): a = vo + 20 kPa

Correlações Empíricas

Correlações Empíricas
Correlações Empíricas

Correlações Empíricas

Correlações Empíricas
Correlações Empíricas

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque Para o perfil de solo a seguir pede-se a estimativa de

Para o perfil de solo a seguir pede-se a

estimativa de recalques unidimensionais para um prédio de 3 pavimentos, dimensões 15 m x

28 m, assente sobre um radier a 1,5 m de

profundidade.

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque 1º Passo: Analisar o perfil. Em geral, para areias e argilas

1º Passo: Analisar o perfil. Em geral, para areias e

argilas pré-adensadas → recalques desprezíveis. 2º Passo: Avaliar se a hipótese de recalque

unidimensional é adequada para o caso em análise.

3º Passo: Obter os parâmetros dos solos e das fórmulas.

de recalque unidimensional é adequada para o caso em análise. 3º Passo: Obter os parâmetros dos

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque H = 9m = 900 cm C c = 0,014w –

H = 9m = 900 cm

C c = 0,014w 0,17 = 0,014 x 55 0,17 = 0,6 (Castello e Polido, 1986)

e o S.e = G.w e o = G. w / S → e o = 0,55 x 2,65 / 1 e o = 1,46 o ’ = tensão vertical efetiva no meio da camada de argila marinha, cinza esverdeada (pode-se subdividir em quantas partes quiser, usualmente 3)

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque
Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque  z = acréscimo de tensão vertical no meio da camada

 z = acréscimo de tensão vertical no meio da camada de argila marinha, cinza esverdeada (pode-se subdividir em quantas partes quiser, usualmente 3), a 15,5m de

profundidade abaixo do radier. Adotada teoria de

Westergaard.

em quantas partes quiser, usualmente 3), a 15,5m de profundidade abaixo do radier. Adotada teoria de

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque  a = tensão de pré-adensamento da camada.  a =

a = tensão de pré-adensamento da camada. a = RSA . o Solos ligeiramente pré-adensados:

Schmertmann (1991):

a = 1,2 . o ’ = 1,2 . 138,3 = 165,96 kPa Massad (2009):

a = o ’ +   138,3  20 ≈ 159 kPa

Exemplo de Estimativa de Recalque

Exemplo de Estimativa de Recalque Conclusão: Recalques desprezíveis! ’ i ’ f ’ a
Exemplo de Estimativa de Recalque Conclusão: Recalques desprezíveis! ’ i ’ f ’ a

Conclusão:

Recalques desprezíveis!

’ i ’ f ’ a
’ i ’ f ’ a