Você está na página 1de 14

30/04/2012

30/04/2012 Controle de Obras Mecânica dos solos • Limites de Atterberg Prof. Ilço Ribeiro Jr 1

Controle de Obras Mecânica dos solos

• Limites de Atterberg
• Limites de Atterberg

Prof. Ilço Ribeiro Jr

1

dos solos • Limites de Atterberg Prof. Ilço Ribeiro Jr 1 Limites de consistência ou Limites

Limites de consistência ou Limites de Atterberg

Os solos finos interagem com a água e por isso a granulometria sozinha não é suficiente para caracterizá-los.

A plasticidade do solo é função da sua composição mineralógica e determina a capacidade de expansão, contração e compressibilidade.

Quanto maior o teor de argila mais plástico será o solo. Porém, solos com mesma quantidade de argila pode ter plasticidade diferente se a composição mineralógica for

distinta.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

2

Limites de Atterberg • Para definir os limites entre os estados do solo, Casagrande usou
Limites de Atterberg
Para definir os limites entre os estados do solo,
Casagrande usou os estudos de Atterberg:

Limite de liquidez (LL ou W L ) é a umidade que limita o estado líquido do sólido. O w L é obtido através do aparelho Casagrande que é composto por uma concha.

A concha é preenchida com solo em uma determinada umidade faz-se uma ranhura no meio da amostra.

Provoca-se a queda da concha e conta-se o número de golpes para a ranhura. Isto é repetido para vários teores de umidade. O wL será a umidade correspondente a 25 golpes.

de umidade. O wL será a umidade correspondente a 25 golpes. 30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr

30/04/2012

Prof. Ilço Ribeiro Jr

3

•

Volume

V a

V s

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 3 • Volume V a V s A diferença entre o

A diferença entre o limite de liquidez e o de plasticidade é definida como índice de Plasticidade, I P.

é definida como índice de Plasticidade, I P . • I p Líquido Plástico Semi-sólido Sólido
• I p Líquido Plástico Semi-sólido Sólido
I p
Líquido
Plástico
Semi-sólido
Sólido
O IP representa a faixa na qual o solo apresenta comportamento plástico
O IP representa a faixa na qual o solo apresenta
comportamento plástico

w s

faixa na qual o solo apresenta comportamento plástico w s L i m i t e

Limite de Contração

w p

L i m i t e d e C o n t r a ç ã

Limite de Plasticidade

w L

C o n t r a ç ã o w p Limite de Plasticidade w L

Teor de Umidade

Limite de Liquidez

Prof. Ilço Ribeiro Jr

4

30/04/2012

30/04/2012 O limite de liquidez (LL) é o teor de umidade em que um solo passa

O limite de liquidez (LL) é o teor de umidade em que um solo passa de

estado plástico para estado líquido, adquirindo a capacidade de fluir.

O limite de plasticidade é o teor de umidade em que o solo passa do

estado plástico para o semi-sólido, onde perde a capacidade de ser moldado. Estes dois limites são usados na determinação do índice de plasticidade, e na classificação do solo.

O limite de contração (LC) é o menor teor de umidade em que um solo

fino pode estar saturado (todos os vazios preenchidos por água). Com teores maiores que LC, ao ter reduzida a umidade, solos finos tem seu volume diminuído. Abaixo de LC, a redução do teor de umidade não resulta em contração.

O estudo da consistência é apresentado em outro local.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

5

da consistência é apresentado em outro local. Prof. Ilço Ribeiro Jr 5 Limite de liquidez Prof.

Limite de liquidez

da consistência é apresentado em outro local. Prof. Ilço Ribeiro Jr 5 Limite de liquidez Prof.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

6

30/04/2012

30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.

Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande)

30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.
30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.
30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

7

30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.
30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.
13mm
13mm
30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.
30/04/2012 Ensaio de Limite de Liquidez (Aparelho de Casagrande) Prof. Ilço Ribeiro Jr 7 13mm Prof.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

8

30/04/2012

30/04/2012 Limite de Liquidez 65 60 55 50 45 LL w l 40 35 30 10

Limite de Liquidez

65 60 55 50 45 LL w l 40 35 30 10 20 30 40
65
60
55
50
45
LL
w
l
40
35
30
10 20
30
40
50
60
70
80 90 100
Teor de umidade (%)

Número de golpes

W l = Limite de liquidez = LL

Prof. Ilço Ribeiro Jr

9

W l = Limite de liquidez = LL Prof. Ilço Ribeiro Jr 9 Limite de Liquidez

Limite de Liquidez (Método do cone)

l = Limite de liquidez = LL Prof. Ilço Ribeiro Jr 9 Limite de Liquidez (Método

Prof. Ilço Ribeiro Jr

10

30/04/2012

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6

Prof. Ilço Ribeiro Jr

11

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 11 Prof. Ilço Ribeiro Jr 12 6

Prof. Ilço Ribeiro Jr

12

30/04/2012

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7

Prof. Ilço Ribeiro Jr

13

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 13 Prof. Ilço Ribeiro Jr 14 7

Prof. Ilço Ribeiro Jr

14

30/04/2012

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 15 Prof. Ilço Ribeiro Jr 16 8
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 15 Prof. Ilço Ribeiro Jr 16 8
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 15 Prof. Ilço Ribeiro Jr 16 8

Prof. Ilço Ribeiro Jr

15

30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 15 Prof. Ilço Ribeiro Jr 16 8
30/04/2012 Prof. Ilço Ribeiro Jr 15 Prof. Ilço Ribeiro Jr 16 8

Prof. Ilço Ribeiro Jr

16

30/04/2012

30/04/2012 Resultado do W L pelo método do cone 30 y = 0,4593x - 20,497 R²

Resultado do WL pelo método do cone

30 y = 0,4593x - 20,497 R² = 0,998 25 20 15 10 5 50,00
30
y = 0,4593x - 20,497
R² = 0,998
25
20
15
10
5
50,00
60,00
70,00
80,00
90,00
100,00
110,00
Umidade (%)
Prof. Ilço Ribeiro Jr
17
Penetração do Cone (mm)
(%) Prof. Ilço Ribeiro Jr 17 Penetração do Cone (mm) Limite de Plasticidade do solo •

Limite de Plasticidade do solo

O limite de plasticidade (W P ) é o valor de umidade que limita o estado plástico do semi-sólido. É obtido moldando-se cilindros de solo que são rolados sobre uma placa de vidro fosco com a mão até que comece a fissurar com diâmetro de 3mm.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

18

30/04/2012

30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores

Limite de Plasticidade

30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores
30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores
30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores

Prof. Ilço Ribeiro Jr

19

30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores
30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores
30/04/2012 Limite de Plasticidade Prof. Ilço Ribeiro Jr 19 w P = média de três teores

w P = média de três teores de umidades

Prof. Ilço Ribeiro Jr

20

I p (%)

30/04/2012

I p (%) 30/04/2012 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Carta de Plasticidade

80

70

60

50

40

30

20

10

0

Carta de Plasticidade

– Silte – Solo orgânico – Alta plasticidade – w l > 50% – Baixa
– Silte – Solo orgânico – Alta plasticidade – w l > 50% – Baixa

Silte

Solo orgânico

Alta plasticidade w l > 50%

Baixa plasticidade w l < 50%

C – Argila M O H L CL CL-ML ML
C
– Argila
M
O
H
L
CL
CL-ML
ML

Linha B

CH

CL

MH ou OH

plasticidade – w l < 50% C – Argila M O H L CL CL-ML ML
plasticidade – w l < 50% C – Argila M O H L CL CL-ML ML
plasticidade – w l < 50% C – Argila M O H L CL CL-ML ML

ML ou OL

plasticidade – w l < 50% C – Argila M O H L CL CL-ML ML

0

10

20

30

40

50

60

W l (%)

70

80

90

100

Prof. Ilço Ribeiro Jr

21

40 50 60 W l (%) 70 80 90 100 Prof. Ilço Ribeiro Jr 21 Atividade

Atividade das argilas

Os índices de Atterberg indicam a influência da fração argila no comportamento dos solos. A atividade da argila é função da composição mineralógica da argila. O índice de atividade de uma argila foi definido por Skempton como sendo:

de uma argila foi definido por Skempton como sendo: Ia  I P   2

Ia

I

P

 

2

Sendo:

<2teor de argila com diâmetros menores que 0,002mm

Prof. Ilço Ribeiro Jr

22

30/04/2012

30/04/2012 Ia atividade 0,75 a 1,25 normal <0,75 Inativa >1,25 ativa A atividade esta

Ia

atividade

0,75 a 1,25

normal

<0,75

Inativa

>1,25

ativa

A atividade esta relacionada com a capacidade de

expansão e

contração do solo

Classificação da argila quanto a sua atividade

120 100 80 ativa normal 60 40 inativa 20 0 0 20 40 60 80
120
100
80
ativa
normal
60
40
inativa
20
0
0
20
40
60
80
100
 < 2
I P (%)

Prof. Ilço Ribeiro Jr

23

80 100  < 2 I P (%) Prof. Ilço Ribeiro Jr 23 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES

APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE CONSISTÊNCIA

Correlações com solos residuais são mais complexas, pois suas estruturas dependem da rocha matriz e os limites de consistência são realizados com amostras destorroadas. Dessa forma precisam de correlações específicas.

Prof. Ilço Ribeiro Jr

24

30/04/2012

30/04/2012 Índice de consistência • O índice de consistência é utilizado para representar o estado das

Índice de consistência

O índice de consistência é utilizado para representar o

estado das argilas e é obtido pela expressão:

o estado das argilas e é obtido pela expressão: • Somente a umidade não consegue representar

Somente a umidade não consegue representar o estado do solo (especialmente dos sedimentares). O índice de consistência dá uma posição relativa do estado do solo em relação aos limites de Atterberg.

Quando o teor de umidade é igual a w L , o IC=0, a medida em que o solo vai secando, IC aumenta, chegando a 1 quando w = w P

Prof. Ilço Ribeiro Jr

25

chegando a 1 quando w = w P Prof. Ilço Ribeiro Jr 25 Exemplo: • Dado

Exemplo:

Dado 2 argilas A e B

Quando as duas estiverem com a mesma umidade e igual a 50% estarão em estados totalmente diferentes.

Já quando a argila A estiver com w =60% e B com w=40%, as duas terão o mesmo IC (=0,4) e as duas terão consistências semelhantes.

 

w

L

w

P

IC p/ w = 50%

Argila

(%)

(%)

A

80

30

0,6

B

50

25

0

argila B w P w L w P w L argila A 0 20 40
argila B
w P
w L
w P
w L
argila A
0
20
40
60
80
100

Umidade (%)

Prof. Ilço Ribeiro Jr

26

30/04/2012

30/04/2012 Aplicação do Índice de consistência Consistência IC Mole <0,5 Média 0,5 a 0,75

Aplicação do Índice de

consistência

Consistência

IC

Mole

<0,5

Média

0,5 a 0,75

Rija

0,75-1,0

Dura

>1

Prof. Ilço Ribeiro Jr

27