Você está na página 1de 2

O ano do bônus zero

O ano do bônus zero, um abordagem interessante sobre a crise mundial pelas editoras Ana
Luiza Herzog e Cristina Mano.
Apresentando a nós com uma abordagem crítica sobre o ano em que um a cada cinco
executivos brasileiros ficaram sem bônus devido a situação do mercado.(Exame, 12 de setembro,
2009, pag 21-30).

O Ano do bônus zero, busca mostrar as situações de adaptações que os executivos


brasileiros sofreram neste momento de crise, acarretando em muitos deles a redução de seus bônus
anuais e o não recebimento do mesmo.
Pouca gente acompanhou tão de perto e com tanto entusiasmo o crescimento da economia
brasileira nos últimos anos quanto os principais executivos de grandes empresas instaladas no país.
À medida que as vendas e os lucros das companhias que comandavam se multiplicavam,
eles viam aumentar a bolada que ganhavam como remuneração variável, numa lógica meritocrática
que, a despeito de algumas imperfeições, estabeleceu cada vez mais uma relação entre resultado e
recompensa. Mas o final de 2008 foi marcado pela explosão da crise mundial e as metas e o
desempenho da maior parte dos negócios, que até então só faziam crescer, foram uma de suas
primeiras vítimas. Sem resultado, sem recompensa. Essa é a lógica pelo menos no Brasil. O que se
viu no primeiro semestre deste ano foi uma temporada de bônus das mais fracas. O caso mais
expressivo é o da fabricante de bebidas AmBev, famosa pela agressividade com que costuma
premiar seus executivos pelos resultados atingidos. Se as metas são batidas, os cerca de 200
profissionais que são sócios da empresa, todos acima de alta gerência, chegam a ganhar até 18
salários extras por ano. Desta vez, porém, depois de cinco anos consecutivos em que levaram a
recompensa, nenhum deles ganhou sequer um centavo de bônus e isso incluiu o carioca Luiz
Fernando Edmond, à época presidente da cervejaria. (Desde janeiro deste ano, Edmond está
à frente de outra empresa do grupo, a Anheuser-Busch, nos Estados Unidos.) Embora as vendas
tenham crescido 5,3%, alcançando 13 bilhões de reais, a AmBev ficou aquém das metas
estabelecidas um ano antes. O pior resultado foi o do último trimestre de 2008. O lucro nesse
período foi de 964 milhões de reais, 14% menor que no mesmo período do ano anterior.
"Simplesmente desta vez não deu", diz Carolina Guerra, gerente de remuneração da AmBev.

A situação mundial de fato afetou a economia brasileira, fazendo com que nossas empresas
se adaptassem aos riscos do ambiente externo. As autoras conseguem expressar de forma concreta
com dados relevantes a nossa atual situação, posicionando assim os grandes executivos em virtude e
para a sustentação das empresas dirigidas e sobrevivência de suas posições e da própria companhia.

Podemos afirmar baseados nos fatos e entrevistas, que é tudo uma questão de sobrevivência
e posicionamento de mercado, fatores esses fundamentais para que consigamos passar por essa crise
e ficarmos cada vez mais competitivos na busca pelo respeito e posicionamento mundial.

10 de setembro de 2009

Diego Teixeira da Silva aluno de Administração da FABE