Você está na página 1de 48
FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1) ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019
FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1) ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1)

SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN (PARTE 1) ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 – PRÉ-REQUISITO:

ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 – PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA

1 – CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O planejamento de qualquer atividade que de alguma forma se relaciona com o espaço físico que habitamos requer, inicialmente, o conhecimento deste espaço. Neste contexto, torna-se necessária alguma forma de visualização da porção da superfície física do planeta, onde desejamos desenvolver nossas atividades. Para alcançar este objetivo, lançamos mão de um processo de representação da superfície terrestre, superfície irregular, sobre uma superfície plana, folha de papel ou monitor de vídeo. A esta representação denominamos MAPA (JOLY, 1976).

Desta forma, surge o conceito de Mapa Inteligente (SIG), onde cada entidade representada (registro) corresponde a uma enorme gama de informações registradas no banco de dados acoplado (Figura 1).

MAPA DIGITAL BANCO DE DADOS 10/29/aaaa
MAPA DIGITAL
BANCO DE DADOS
10/29/aaaa

Figura 1: Representação de um mapa e seu banco de dados acoplado.

Partindo do conceito de mapas inteligentes, várias perguntas podem ser respondidas como:

Qual a localização dos pontos comerciais, escolas e postos de saúde em meu bairro?

Qual o melhor caminho entre a Praça do meu bairro e a avenida central?

Independente da vinculação a um banco de dados, as formas de representação da superfície terrestre mais comuns, para nós geógrafos, são os mapas, cartas e plantas. A ABNT faz algumas definições a esse respeito. Vejamos

Mapa: representação da Terra nos seus aspectos geográficos naturais ou artificiais que se destina aos fins culturais ou ilustrativos;

• Carta : representação dos aspectos naturais e artificiais da Terra, destinada aos fins práticos

Carta: representação dos aspectos naturais e artificiais da Terra, destinada aos fins práticos da atividade humana, permitindo a avaliação de distâncias, direções e a localização geográfica de pontos, áreas e detalhes;

Planta: carta regular representando uma superfície de extensão suficientemente restrita para que sua curvatura possa ser desprezada e que, por isso, a escala possa ser considerada como constante.

Mas como são feitos os mapas? Os mapas são feitos a partir da integração de diversas ciências e técnicas que juntas englobam uma área do conhecimento humano denominada GEOMÁTICA.

É objeto de estudo da Geomática:

A Geodésia

A Topografia

A Cartografia

A Hidrografia

A Fotogrametria

O Sensoriamento Remoto

O Desenho Assistido por Computador (CAD)

O Gerenciamento de Banco de Dados

O Gerenciamento Cadastral

Os Sistemas de Informações Geográficas (SIG)

Os Sistemas de Posicionamento Global (GPS)

Serão vistos neste contexto, alguns aspectos básicos relativos à

Fotogrametria

Sensoriamento Remoto

2 - TIPOS E NÍVEIS DE AQUISIÇÃO DE DADOS E SEUS SENSORES

SENSORES REMOTOS

Os sensores remotos são equipamentos que captam e registram a energia refletida ou emitida pelos elementos da superfície terrestre (Figura 2).

emitida pelos elementos da superfície terrestre (Figura 2). Figura 2: Da energia solar à produção de

Figura 2: Da energia solar à produção de imagens digitais.

As câmaras fotográficas, as câmaras de vídeo, os radiômetros, os sistemas de varredura (scanners) e os radares são exemplos de sensores (Figura 3).

Figura 3: Exemplos de alguns sensores e seus produtos. A utilização de um sensor ou
Figura 3: Exemplos de alguns sensores e seus produtos. A utilização de um sensor ou

Figura 3: Exemplos de alguns sensores e seus produtos.

A utilização de um sensor ou de outro, em determinado nível de coleta de informação depende, sobretudo, de fatores relacionados com:

objetivo da pesquisa;

tamanho da área imageada;

custos;

precisão desejada dos resultados obtidos;

disponibilidade de equipamentos sensores.

Entretanto, alguns sistemas sensores são mais exaustivamente utilizados que outros em determinados níveis de coleta de dados. Podemos citar como exemplo disso o fato de:

Os radiômetros portáteis e os espectrorradiômetros são equipamentos muito utilizados para obter informações espectrais em áreas experimentais.

Os sensores fotográficos (câmeras fotogramétricas) e, mais recentemente, os radiômetros hiperespectráis, são aerotransportados por serem equipamentos com configuração para operar neste tipo de plataforma, ou seja, em nível aéreo.

Os scanners (imageadores) são muito utilizados em satélites não tripulados, como o Landsat, o SPOT, entre outros.

Os satélites com imageadores temáticos são muito utilizados para o monitoramento de processos ocorrentes na superfície, como as queimadas e desmatamentos.

Dependendo de suas características, os sensores podem ser manuais (Figura 4).

Figura 4: Exemplo de sensor manual. Instalados em plataformas terrestres (Figura 5). Figura 5: Sensores
Figura 4: Exemplo de sensor manual. Instalados em plataformas terrestres (Figura 5). Figura 5: Sensores

Figura 4: Exemplo de sensor manual.

Instalados em plataformas terrestres (Figura 5).

manual. Instalados em plataformas terrestres (Figura 5). Figura 5: Sensores instalados em plataformas terrestres. Ou

Figura 5: Sensores instalados em plataformas terrestres.

Ou plataformas aéreas, como balões, helicópteros e aviões (Figura 6).

aéreas, como balões, helicópteros e aviões (Figura 6). Figura 6: Exemplos de Plataformas Aéreas. As plataformas

Figura 6: Exemplos de Plataformas Aéreas.

As plataformas também podem ser orbitais, como os satélites artificiais (Figura 7).

ser orbitais, como os satélites artificiais (Figura 7). Figura 7: Exemplo de plataforma orbital. De uma

Figura 7: Exemplo de plataforma orbital.

De uma forma resumida, esses sensores podem ser ilustrados através da figura 8.

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

4

Figura 8: Sensores e seus níveis e distâncias de aquisição de dados. 2.2 - TIPOS
Figura 8: Sensores e seus níveis e distâncias de aquisição de dados. 2.2 - TIPOS

Figura 8: Sensores e seus níveis e distâncias de aquisição de dados.

2.2 - TIPOS DE SENSORES

Os sensores podem ser classificados em função da fonte de energia ou do tipo de produto que ele

produz.

2.2.1 - EM FUNÇÃO DA FONTE DE ENERGIA:

ATIVOS (A): possuem sua própria fonte de radiação eletromagnética, como os radares instalados em aviões ou em satélites.

PASSIVOS (B): não possuem uma fonte própria de radiação. Medem radiação solar refletida ou radiação emitida pelos alvos, como os sistemas fotográficos e satélites (Figura 9).

como os sistemas fotográficos e satélites (Figura 9). Figura 9: Tipos de Sensores em relação à

Figura 9: Tipos de Sensores em relação à fonte de energia.

Observa-se também, que os sensores passivos e ativos podem ser agrupados em duas categorias, ou seja, de varredura (scanning) ou de não-varredura (non scanning).

2.2.2 - EM FUNÇÃO DO TIPO DE PRODUTO:

Não imageadores: não fornecem uma imagem da superfície sensoriada. Temos como exemplo os radiômetros (saída em dígitos ou gráficos) e espectro-radiômetro (assinatura espectral) como demonstrado na Figura 10.

(assinatura espectral) como demonstrado na Figura 10. Figura 10: Produto através de saída numérica. Dep. de

Figura 10: Produto através de saída numérica.

• Imageadores: obtém-se como resultado uma imagem da superfície observada. Fornecem informações sobre a variação

Imageadores: obtém-se como resultado uma imagem da superfície observada. Fornecem informações sobre a variação espacial da resposta espectral de cada porção (pixel) da superfície observada (Figura 11).

cada porção (pixel) da superfície observada (Figura 11). Figura 11: Produto através de saída gráfica. Nesta

Figura 11: Produto através de saída gráfica.

Nesta mesma perspectiva podemos definir ainda

Sistema de quadro : São também chamados de sensores de não-varredura, e registram a radiação refletida de uma área da superfície da Terra em sua totalidade, num mesmo instante (framing systems). Este sistema gera produtos na forma de imagens e não imagens.

Sistema de varredura : TM, MSS, SPOT (Figura 12).

• Sistema de varredura : TM, MSS, SPOT (Figura 12). Figura 12: Exemplo de sistema de

Figura 12: Exemplo de sistema de varredura – Satélite Spot.

Sistema fotográfico através de câmaras métricas aerotransportadas (Figura 13).

de câmaras métricas aerotransportadas (Figura 13). Figura 13: Exemplo de recobrimento aéreo por câmera

Figura 13: Exemplo de recobrimento aéreo por câmera fotográfica.

3 - INTRODUÇÃO 3.1 – DEFINIÇÕES INICIAIS Fotogrametria: • ciência e tecnologia de obter informações
3 - INTRODUÇÃO 3.1 – DEFINIÇÕES INICIAIS Fotogrametria: • ciência e tecnologia de obter informações

3 - INTRODUÇÃO

3.1 – DEFINIÇÕES INICIAIS

Fotogrametria:

ciência e tecnologia de obter informações confiáveis através de processos de registro, interpretação e mensuração de imagens (ANDRADE, 1998).

arte, ciência e tecnologia de se obter informações confiáveis de objetos físicos e do meio ambiente através de fotografias, por medidas e interpretação de imagens e objetos (WOLF,

1983).

Fotogrametria é a técnica que permite o estudo e a definição das formas, das dimensões

A

e

da posição de objetos no espaço, utilizando-se de medições obtidas a partir de

fotografias ou imagens raster.

A Fotogrametria pode ser dividida em duas áreas (ROCHA, 2000):

Fotogrametria Métrica: envolve medidas precisas e computacionais para determinar a forma e as dimensões dos objetos. Aplicada na elaboração de mapas planimétricos e topográficos.

Ou

Fotogrametria interpretativa: ocupa-se com o reconhecimento e identificação dos objetos.

Existe uma gama enorme de aplicações através da utilização da fotogrametria, dentre elas destaca-se a elaboração de mapas em colaboração com outras ciências como a Geodésia e a Cartografia. Podemos citar com exemplo a elaboração de mapeamentos como:

Rede de drenagem

Cobertura vegetal

Culturas vegetais

Rede viária

Feições geológicas

Tipos de solos

Uso ocupação do solo

Etc.

De acordo com a posição da câmera podemos definir também dois tipos de fotografias.

A Fotogrametria Terrestre, que consiste nas atividades de captação de dados gráficos por meio da Fotogrametria utilizando como sensor uma câmara métrica terrestre (Figura 14).

como sensor uma câmara métrica terrestre (Figura 14). Figura 14: Exemplo de fotografia terrestre. Dep. de

Figura 14: Exemplo de fotografia terrestre.

A Aerofotogrametria é uma técnica que tem como objetivo elaborar mapas mediante fotografias aéreas tomadas

A Aerofotogrametria é uma técnica que tem como objetivo elaborar mapas mediante fotografias aéreas

tomadas com câmaras aero-transportadas, com o eixo ótico posicionado na vertical ou diagonal, utilizando-se aparelhos e métodos para se obter produtos estereoscópicos (Figura 15).

para se obter produtos estereoscópicos (Figura 15). Figura 15: Exemplo de fotogrametria aérea. De acordo com

Figura 15: Exemplo de fotogrametria aérea.

De acordo com as classificações anteriores, estes podem ser realizados através das seguintes técnicas:

Fotogrametria Analógica;

Fotogrametria Analítica;

Fotogrametria Digital.

3.1.1 - FOTOGRAMETRIA ANALÓGICA

O que é a fotogrametria Analógica?

É a parte da fotogrametria que trata dos aspectos geométricos do uso de fotografias, com a finalidade

de obter valores precisos de comprimentos, alturas e formas, baseando-se no uso de equipamentos ótico- mecânicos analógicos. Ela é totalmente baseada no princípio da estereoscopia e na orientação analógica das fotos (Figura 16).

e na orientação analógica das fotos (Figura 16). Figura 16: Exemplo de um restituidor analógico 3.1.2

Figura 16: Exemplo de um restituidor analógico

3.1.2 - FOTOGRAMETRIA ANALÍTICA

O que é a fotogrametria Analítica?

É a parte da fotogrametria que trata dos aspectos geométricos do uso de fotografias, com a finalidade

de obter valores precisos de comprimentos, alturas e formas, baseando-se no uso de equipamentos eletrônicos analíticos. Ela é totalmente baseada no princípio da estereoscopia e na orientação analítica das fotos

auxiliadas por computadores (Figura 17).

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

8

Figura 17: Exemplo de um Restituidor Analítico. 3.1.3 - FOTOGRAMETRIA DIGITAL O avanço que ora
Figura 17: Exemplo de um Restituidor Analítico. 3.1.3 - FOTOGRAMETRIA DIGITAL O avanço que ora

Figura 17: Exemplo de um Restituidor Analítico.

3.1.3 - FOTOGRAMETRIA DIGITAL

O avanço

que ora se iniciou é tão fantástico e de potencial tão ilimitado que eu não estou preocupado com os futuros

desenvolvimentos

simplesmente devido ao poder da tecnologia digital.”

O resultado irá ultrapassar qualquer expectativa que nós podíamos ter sonhado,

“O maior avanço já ocorrido na Fotogrametria é o aparecimento da Fotogrametria Digital

Entrevista do Prof. Friedrich Ackermann para a revista Geomatics Info Magazine, 1995.

O que é a fotogrametria Digital?

É a parte da fotogrametria que trata dos aspectos geométricos do uso de fotografias, com a finalidade de obter valores precisos de comprimentos, alturas e formas, baseando-se no uso de imagens digitais, armazenadas em meio magnético, na forma de pixels. Ela é totalmente baseada no princípio da estereoscopia e na orientação analítico-digital das fotos (Figura 18).

e na orientação analítico-digital das fotos (Figura 18). Figura 18: Exemplo de um Restituidor Digital. As

Figura 18: Exemplo de um Restituidor Digital.

As fotografias são utilizadas então, para o posicionamento de pontos na superfície terrestre. Pontos que correspondem, por exemplo, aos temas exemplificados anteriormente.

Sendo assim, o posicionamento de pontos é realizado através do método da “Triangulação Fotogramétrica” ou “Fototriangulação”. Também denominada de Aerotriangulação, Triangulação Aérea ou Triangulação Espacial.

Após este posicionamento, faz-se a transferência de informações temáticas para o mapa, sendo esta, denominada de “Restituição” ou também chamada de “Compilação Fotogramétrica”.

Desta forma, podemos definir então, que a área da Fotogrametria que trata das fotografias aéreas é conhecida como “Aerofotogrametria” e engloba suas aplicações correlatas.

3.2 - DEFINIÇÕES COMPLEMENTARES 3.2.1 - FOTOGRAMETRIA A CURTA DISTÂNCIA (TERRESTRE OU AÉREA): Aplicada em
3.2 - DEFINIÇÕES COMPLEMENTARES 3.2.1 - FOTOGRAMETRIA A CURTA DISTÂNCIA (TERRESTRE OU AÉREA): Aplicada em

3.2 - DEFINIÇÕES COMPLEMENTARES

3.2.1 - FOTOGRAMETRIA A CURTA DISTÂNCIA (TERRESTRE OU AÉREA):

Aplicada em problemas laboratoriais, controle geométrico de processos laboratoriais, investigações policiais, etc.

3.2.2 - MICROFOTOGRAMETRIA

Utilizada em técnicas microscópicas permitindo a medida precisa e o mapeamento de objetos microscópicos. Muito utilizada na medicina, como por exemplo, para o monitoramento da evolução de quadros clínicos, análises fisioterápicas e casos forenses.

Desta forma, neste curso iremos trabalhar com conceitos que nos leve a interpretar feições que aparecem nas fotografias aéreas.

4 – INTRODUÇÃO AO PROCESSO FOTOGRÁFICO

4.1 – LUZ

A luz, interagindo com a matéria, gera fenômenos como: absorção, emissão, difusão e reflexão (Figura

19).

absorção, emissão, difusão e reflexão (Figura 19). Figura 19 : exemplos de fenômenos advindos da interação

Figura 19: exemplos de fenômenos advindos da interação da luz solar com a superfície terrestre.

A interação destes processos ajuda a explicar as diferentes cores com as quais os objetos se apresentam. A sensação de cor é determinada pelo comprimento de onda que atinge a retina dos nossos olhos. O qual percebem os comprimentos de onda situados entre 400 a 700 milimicrons, que são interpretados como cores diferentes (ANDRADE, 1998) (Figuras 20 e 21).

como cores diferentes (ANDRADE, 1998) (Figuras 20 e 21). Figura 20: Representação do Comprimento de onda

Figura 20: Representação do Comprimento de onda através do Espectro Eletromagnético.

ESPECTRO VISÍVEL DA LUZ SOLAR Faixa do Comprimento de Onda Cor 400-446 milimicrons violeta 446-500
ESPECTRO VISÍVEL DA LUZ SOLAR Faixa do Comprimento de Onda Cor 400-446 milimicrons violeta 446-500

ESPECTRO VISÍVEL DA LUZ SOLAR

Faixa do Comprimento de Onda

Cor

400-446 milimicrons

violeta

446-500 milimicrons

azul

500-578 milimicrons

verde

578-592 milimicrons

amarela

592-620 milimicrons

alaranjada

620-700 milimicrons

vermelha

Figura 21: Tabela com exemplo da faixa do comprimento de onda visível pelo olho humano.

Essas cores podem ser reproduzidas a partir de dois conceitos muito interessantes: o modelo de cores aditivas e o modelo de cores subtrativas.

O princípio da fotografia colorida consiste na possibilidade de se reproduzir qualquer cor, a partir de

uma mistura de apenas três cores primárias: azul, verde e vermelho. Ou seja, o sistema RGB: Red, Green e Blue.

A mistura das cores primárias, ou adição de uma sobre a outra em proporções diferentes, denomina-se “Processo Aditivo” (Figura 22 e 23).

denomina-se “Processo Aditivo” (Figura 22 e 23). Figura 22: Sistema de cores aditivas – cores primárias.

Figura 22: Sistema de cores aditivas – cores primárias.

OBTENÇÃO DE COR POR ADIÇÃO

Cor

Adição

ciano

verde + azul

magenta

vermelha + azul

amarela

verde + vermelha

branca

verde + azul + vermelha

Figura 23: Sistema de cores aditivas.

O resultado desta mistura é a formação das cores secundárias amarelo, ciano e magenta, também

chamadas de cores subtrativas.

A subtração das cores secundárias amarelo, ciano e magenta em proporções diferentes, através de

filtros, resultará na formação das cores primárias novamente (Figuras 24 e 25).

Figura 24: Sistema de cores secundárias. OBTENÇÃO DE COR POR SUBTRAÇÃO Cor Subtração vermelha branca
Figura 24: Sistema de cores secundárias. OBTENÇÃO DE COR POR SUBTRAÇÃO Cor Subtração vermelha branca

Figura 24: Sistema de cores secundárias.

OBTENÇÃO DE COR POR SUBTRAÇÃO

Cor

Subtração

vermelha

branca - verde - azul

azul

branca - verde - vermelha

verde

branca - vermelha - azul

magenta

branca - verde

ciano

branca - vermelha

amarela

branca - azul

Figura 25: Sistema subtrativo de cores secundárias.

De uma forma resumida, a figura 26 exemplifica bem a interface entre os dois sistemas de cores, o aditivo e o subtrativo.

entre os dois sistemas de cores, o aditivo e o subtrativo. Figura 26: Representação da interface

Figura 26: Representação da interface entre os dois sistemas de cores.

4.2 – O PROCESSO FOTOGRÁFICO

A fotografia é a principal ferramenta de trabalho do fotogrametrista.

Existem na natureza muitos materiais sensíveis à luz. Um dos que reagem quimicamente mais rápido na presença da luz é o brometo de prata. Quando a molécula de brometo de prata recebe luz ela se reduz a bromo e prata. Dependendo da intensidade e do tempo de exposição resultará em mais ou menos prata. Geralmente o brometo de prata é diluído em um tipo de gelatina própria para dar origem à chamada “emulsão fotográfica”. Esta emulsão fotográfica aplicada em um suporte adequado dá origem ao “filme fotográfico” (Figura 27).

Figura 27: Tipos de emulsão para filme fotográfico. No processo fotográfico, o filme é exposto
Figura 27: Tipos de emulsão para filme fotográfico. No processo fotográfico, o filme é exposto

Figura 27: Tipos de emulsão para filme fotográfico.

No processo fotográfico, o filme é exposto à luz, fazendo com que parte do brometo de prata seja reduzido, dando origem à chamada “imagem latente”. Através da aplicação de um agente desenvolvedor chamado de “revelador” faz-se a redução total dos grãos de brometo de prata já parcialmente reduzidos fazendo com que a imagem fique visível. Desta forma origina-se a “imagem revelada”. Observa-se que este processo de revelação deve ser realizado no escuro para não causar a redução dos grânulos de brometo de prata intactos. Após todo este processo, retira-se o restante dos grãos de brometo de prata não reduzidos para que o processo não prossiga estragando a imagem obtida. Isto é feito através da aplicação de um solvente específico chamado de “fixador”.

Porém, os grãos que ficam são os que recebem mais luz, criando uma “imagem negativa”, onde as áreas mais claras são representadas por cores mais escuras (Figura 28).

são representadas por cores mais escuras (Figura 28). Figura 28: Imagem negativa. Para que haja correspondência

Figura 28: Imagem negativa.

Para que haja correspondência de tons com a realidade é necessário reverter os efeitos, criando a “imagem positiva”. O processo de obtenção de “imagens positivas” se dá a partir da exposição do filme ou papel fotográfico à luz que atravessa o filme negativo e sua posterior revelação e fixação como na produção dos negativos (Figura 29).

e fixação como na produção dos negativos (Figura 29). Figura 29: Exemplo de imagem positiva. A

Figura 29: Exemplo de imagem positiva.

A imagem positiva pode ser produzida em material fotográfico transparente ou opaco. A imagem positiva em material de base transparente chama-se “diapositivo fotográfico” e em material de base opaca chama-se “fotografia”. Compare os dois modos através da Figura 30.

Figura 30: Exemplo comparativo entre imagens positiva e negativa. 4.3 – FILMES E FILTROS 4.3.1
Figura 30: Exemplo comparativo entre imagens positiva e negativa. 4.3 – FILMES E FILTROS 4.3.1

Figura 30: Exemplo comparativo entre imagens positiva e negativa.

4.3 – FILMES E FILTROS

4.3.1 – O PROCESSO FOTOGRÁFICO SEGUE O MODELO DE CORES ADITIVO.

Este processo depende do fluxo luminoso incidente no filme, o qual depende também do tempo de exposição do filme à luz.

A combinação do fluxo luminoso com o tempo de exposição gera o “grau de escurecimento do filme revelado” que é dado em “densidade”. Observe que a densidade não pode ser nem muito alta nem muito baixa para não comprometer a distinção das entidades representadas na fotografia, pois, isto poderá comprometer os níveis de contraste da fotografia. Vejamos o exemplo da figura 31.

de contraste da fotografia. Vejamos o exemplo da figura 31. Figura 31: Representação dos níveis de

Figura 31: Representação dos níveis de contraste nas fotografias.

4.3.2 - VELOCIDADE

A velocidade tem a ver com o tempo que ocorre a redução após a exposição do filme à luz. Existe uma variedade de métodos para determinar a velocidade dos filmes.

Os critérios para a determinação da velocidade de filmes aéreos diferem daqueles usados para os filmes pictóricos. Essa diferença se dá através de fatores como:

Variação na distância alvo – câmera;

Pequena variação de luminância dos objetos;

Presença de aerossóis;

Etc.

4.3.3 – PODER DE RESOLUÇÃO

É a qualidade de uma emulsão fotográfica em gravar distintamente pormenores finos. Isso vai depender da granulometria da emulsão, do contraste do filme e do contraste do alvo. A resolução influenciará no tamanho da menor entidade real a ser identificada na fotografia e na capacidade de ampliação (Figura 32).

Figura 32: Ampliação e demonstração da resolução de uma imagem. 4.3.4 - FILTROS São materiais
Figura 32: Ampliação e demonstração da resolução de uma imagem. 4.3.4 - FILTROS São materiais

Figura 32: Ampliação e demonstração da resolução de uma imagem.

4.3.4 - FILTROS

São materiais opacos para determinados comprimentos de onda da luz (cores), mas transparentes para outros. Suas aplicações são muitas e sem o seu uso adequado não seria possível obter boas imagens fotográficas. Podemos citar como exemplo de aplicação o caso dos aerossóis que refletem grande quantidade de luz azul e ultravioleta na atmosfera. O uso de um filtro amarelado, conhecido como menos-azul, pode absorver parte dessa luz ultravioleta e azul, diminuindo a quantidade de luz falsa incidente no filme. O resultado é o aumento do contraste na imagem fotográfica e um maior poder de penetração em condições de bruma.

4.3.4 – FILMES COLORIDOS

Os filmes coloridos são baseados nos princípio da reprodução de imagens através dos modelos tanto subtrativo como aditivo. A diferença é que o filme colorido possui uma camada de emulsão para cada cor diferente, combinado com camadas de filtros para que cada comprimento de onda sensibilize a camada correspondente.

Em relação à sua revelação, cada fabricante, como exemplos a AGFA e a Kodak, possuem seus processos de revelação próprios protegidos por patentes.

5 – ASPECTOS HISTÓRICOS

Antes do advento das técnicas de Aerofotogrametria o trabalho era árduo. Utilizavam-se de inúmeros cálculos matemáticos para a mensuração da geometria, área e distância das entidades cartografadas. Fazia-se a pré-confecção de inúmeros desenhos, através de observações diretas e indiretas, antes do produto cartográfico final.

5.1 - ALGUNS ACONTECIMENTOS MARCANTES NESSE PROCESSO

1726 – Carpeller se utiliza de desenhos em perspectiva, a partir de dois pontos diferentes e com distâncias mensuradas para determinar a posição de entidades no espaço que desejava representar.

1727 – Johann Schulze (médico alemão) descobre o fenômeno do escurecimento dos sais de prata quando expostos à luz. É o início da criação da fotografia.

1759 – J.H.Lambert lança o livro “Freie Perspektive” discutindo pela primeira vez o tema na história.

1826 – Joseph Nicéphore Nièpce (francês) consegue registrar a primeira imagem em uma chapa de estanho polida revestida de betume e pulverizada com solução de petróleo.

1837 – Louis-Jacques Daguerre consegue imprimir imagens sobre papel utilizando sais de prata.

1838 – Wheatstone (inglês) inventa o “Estereoscópio”.

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

15

∑ 1839 – É divulgado oficialmente o invento da fotografia. Com o advento da fotografia,

1839 – É divulgado oficialmente o invento da fotografia.

Com o advento da fotografia, tornou-se possível registrar instantaneamente, em perspectiva, um conjunto de feições do terreno. O primeiro a aplicar a fotografia em perspectiva para fins de mapeamento foi o oficial francês Laussedat, valendo-se do método dos esboços em perspectiva de Carpeller.

5.2 - APERFEIÇOAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA FOTOGRAFIA

Em 1901, Carl Pulfrich introduziu a “marca estereoscópica”, que permitiu mensurações num modelo estereoscópico formado por um par de imagens homólogas observadas através de um estereoscópio. Este modelo foi denominado de “Estereocomparador”.

Apesar desta evolução, as fotografias ainda não ofereciam grandes possibilidades devido aos chamados “ângulos mortos”. Um dos maiores problemas era o não aparecimento de determinadas feições do terreno. A solução foi elevar a câmera fotográfica e os meios mais utilizados na época foram as hastes e os balões.

5.3 - A TÍTULO DE CURIOSIDADE

A história da Aerofotogrametria e do Sensoriamento Remoto está estreitamente vinculada ao uso militar dessas tecnologias. A primeira fotografia aérea data de 1856 e foi tirada de um balão. Um exemplo disso foi, que em 1862, durante a guerra civil americana, o corpo de balonistas do exército fazia o reconhecimento das tropas confederadas através de fotografias aéreas.

Surgi uma nova solução. Alberto Santos Dumont – inventor do avião, tornou seu invento a plataforma mais usada no transporte de câmeras fotográficas para a tomada de “fotografias verticais”. Porém, o uso efetivo do avião para a tomada de fotografias aéreas verticais só teve início na Primeira Guerra Mundial.

A partir de 1909, inicia-se o processo de tomada de fotografias por aviões e na primeira Grande Guerra Mundial seu uso intensificou-se. Durante a II Guerra Mundial houve um grande desenvolvimento com o surgimento do filme infravermelho, com o objetivo de detectar camuflagem, principalmente para diferenciar vegetação de alvos pintados de verde. Destacam-se também, na década de 1960, as primeiras fotografias orbitais da superfície da Terra, tiradas de satélites tripulados como o Mercury, o Gemini e o Apolo.

Uma nova era começou. Com o fim da Guerra Fria, muitos dados, considerados de segredo militar foram liberados para o uso civil. Mesmo neste período, várias contribuições foram feitas através da modelagem matemática para a melhora do produto aerofotográfico e a consagração do conceito de “Aerofotogrametria”.

Desta forma, podemos destacar nomes como

1930 – Otto von Grüber

1930 a 1940 – Earl Church

1948 – Max Zeller e associados – Publicou o “Trité de Photogrammétrie pela Société de Vente H. Wild em Heerbrugg

1899 a 1932 – Sebastian Finsterwalder

Nos anos 1950 – Ordnance survey Organization (Reino Unido) – primeiro sistema de aerotriangulação para controle da deformação do filme.

1950 – Publicação do primeiro livro de Fotogrametria Analítica e destaque para nomes como Helmut Schmid e Duane C. Brown.

1957 – U. Helava inventa o Restituidor Analítico.

1974 – Dean C. Merchant desenvolve métodos avançados para a calibração de instrumentos, principalmente as câmaras fotogramétricas.

No Brasil, o início da utilização da aerofotogrametria se deu em 1922 para a elaboração da carta do Distrito Federal do Rio de Janeiro na escala 1:50.000, quando foi construído o primeiro estereógrafo brasileiro, para o Exército Brasileiro, pelo austríaco Emilio Wolf. Destaque para o empenho dos Profs. Placidino Machado Fagundes, J. Bettencourt de Andrade e Camil Gemael.

Surge em 1965 o primeiro curso universitário de Fotogrametria e Fotointerpretação, do curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná. Que em seguida deu origem, em 1971 ao Curso de

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

16

Pós-Graduação em Ciências Geodésicas, hoje um dos maiores centros de pesquisa nas áreas de Geodésia

Pós-Graduação em Ciências Geodésicas, hoje um dos maiores centros de pesquisa nas áreas de Geodésia e Fotogrametria do Brasil.

A partir de 1990 houve o surgimento e o início da utilização efetiva da Fotogrametria Digital

5.4 - SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO

Digital 5.4 - SÍNTESE DA EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO ∑ Observação da realidade ∑ Observação e ajuste

Observação da realidade

Observação e ajuste através de cálculos astronômicos

Observação e ajuste através de cálculos astronômicos ∑ A Geodésia advém da evolução da astronomia e

A Geodésia advém da evolução da astronomia e da topografia

Melhor ajuste da representação da superfície

∑ Melhor ajuste da representação da superfície ∑ Melhora da qualidade visual ∑ Melhora da qualidade

Melhora da qualidade visual

Melhora da qualidade geométrica das representações

Porém - Desconhecimento das transformações geométricas no processo fotográfico

das transformações geométricas no processo fotográfico ∑ Maior reconhecimento das transformações ocorrentes no

Maior reconhecimento das transformações ocorrentes no processo fotográfico

Maior qualidade na geometria dos entes e das representações

Representação tridimensional de pontos e coordenadas

Maior transito entre os sistemas geodésicos e cartográficos.

5.5 - SÍNTESE ATUAL DE MAPEAMENTO SENSORES PROCESSAMENTOS PRODUTOS Figura 33: Exemplo atual para a
5.5 - SÍNTESE ATUAL DE MAPEAMENTO SENSORES PROCESSAMENTOS PRODUTOS Figura 33: Exemplo atual para a

5.5 - SÍNTESE ATUAL DE MAPEAMENTO

SENSORES PROCESSAMENTOS PRODUTOS
SENSORES
PROCESSAMENTOS
PRODUTOS

Figura 33: Exemplo atual para a criação de um mapa através de recobrimento aerofotogramétrico.

6 – CÂMERAS FOTOGRÁFICAS

6.4 – CÂMERAS

As câmeras fotogramétricas diferem das câmeras convencionais por gerarem imagens fotográficas com estabilidade geométrica, através de um processo de tomada passível de calibração para um melhor resultado.

As câmeras fotogramétricas baseiam-se no princípio da câmera escura, onde há uma caixa em forma de paralelepípedo oco com as paredes internas pretas. Uma das paredes possui um orifício, onde passa a luz da imagem capturada. A parede oposta ao orifício é branca para refletir qualquer comprimento de onda e formar a imagem da realidade o mais fiel possível (Figura 34).

a imagem da realidade o mais fiel possível (Figura 34). Figura 34: Representação da Câmara Escura

Figura 34: Representação da Câmara Escura de uma Câmera Fotográfica.

No entanto, a imagem projetada é fraca, exigindo o auxílio de uma lente convergente para concentrar a luz e formar uma imagem muito mais luminosa e definida. Observem que a concentração da luminosidade é realizada através da utilização de uma lente convergente (Figura 35).

da utilização de uma lente convergente (Figura 35). Figura 35: Representação da utilização de lentes

Figura 35: Representação da utilização de lentes convergentes na câmara escura de uma câmera fotográfica.

Observa-se que, quando um filme é colocado junto à parede branca da caixa onde a

Observa-se que, quando um filme é colocado junto à parede branca da caixa onde a imagem é formada, e este é exposto á luz por um determinado período de tempo, esta imagem poderá ser registrada no filme.

Observa-se também que, existem algumas características que vão influenciar na formação desta

imagem na parede branca da câmara escura. Dentre estas características podemos destacar a distância entre

o orifício e o alvo a ser fotografado. Quanto maior esta distância, maior o espalhamento da luz na parede branca, maior será a imagem e menos luminosa será a imagem (Fator de Brilho). Isto se corrige com a aplicação de lentes convergentes específicas.

Outra característica importante é o diâmetro da(s) lente(s) que ocupa o orifício da câmera escura, ou seja, o melhor ajuste entre seu diâmetro e a distância a ser fotografada (Profundidade de Campo) poderá gerar imagens mais nítidas.

Observa-se então que a “profundidade de campo” é inversamente proporcional ao “fator de brilho”, gerando maior contraste e maior dificuldade de se distinguir objetos na superfície.

Devido a grande profundidade de campo, pequenas alterações provocam alterações insignificantes no foco e no ajuste do diâmetro da lente (Figura 36).

Distância Focal Profundidade de Campo
Distância Focal
Profundidade de Campo

Figura 36: Representação da Distância Focal de uma Câmera Fotográfica e a Profundidade de Campo.

Por isso, nestes tipos de câmeras o diâmetro do orifício da caixa escura é fixo e pode ser regulado por uma peça que se chama “diafragma”. Além do diafragma, as câmeras fotogramétricas possuem um dispositivo regulador do tempo de exposição, chamado obturador, para regular a luminosidade da imagem formada na câmera escura. Portanto, o fluxo luminoso que atinge o filme depende:

Da iluminação da superfície a ser fotografada;

Da distância da câmera (altura do vôo);

Da abertura do diafragma;

Estas características juntas determinarão o tempo de exposição para permitir a formação de uma imagem com “densidade normal”.

Outra característica importante é o ângulo de abertura da lente (relativo à convexidade). Quanto maior

o ângulo, maior a área fotografada. Daí, a altura do vôo poderá ser menor para fotografar a mesma área (grandes oculares).

O projeto de construção das lentes é muito complicado. Devido às dificuldades para se projetar e construir lentes perfeitas, os fabricantes optam por associá-las para diminuir seus defeitos, criando assim as chamadas “objetivas”.

Para finalizar, as partes que compõem uma câmara aerofotogramétrica são o magazine e o cone. Vejamos um exemplo (Figura 37).

Sistema RC30-1 - LEICA analógico
Sistema RC30-1 - LEICA analógico

Figura 37: Representação das partes componentes de uma câmera aerofotogramétrica.

No cone estão:

A objetiva (lentes);

O diafragma (abertura);

O obturador (tempo);

O suporte de filtros;

A esquadria de registros (data, número, etc.).

No magazine estão:

O porta filme;

A placa do plano focal;

A câmara de vácuo;

O servo-motor.

7 – TIPOS DE FOTOGRAFIAS AÉREAS

As fotografias aéreas são classificadas segundo diversos critérios. Para os objetivos aqui propostos, só será utilizada a classificação quanto à geometria, ou seja, orientação do eixo da câmera. Nesta classificação apontam-se as fotografias verticais e oblíquas.

7.1 – FOTOS AÉREAS VERTICAIS

Nesta fotografia, o eixo ótico da câmera coincide com a vertical do lugar fotografado, no momento da tomada da foto. As fotografias verticais são largamente usadas na confecção de bases de dados digitais para Geoprocessamento (Figura 38).

bases de dados digitais para Geoprocessamento (Figura 38). Figura 38: Representação da tomada de uma fotografia

Figura 38: Representação da tomada de uma fotografia aérea vertical.

Suas vantagens sobre as fotos obliquas são a obtenção de medidas facilmente através das relações geométricas e a detecção e o reconhecimento de objetos facilitados pelo fato de a forma da imagem estar mais próxima do real.

A desvantagem é que as fotos não apresentam uma perspectiva ortogonal, como no caso das cartas topográficas.

7.2 – FOTOGRAFIAS AÉREAS OBLÍQUAS São aquelas feitas com o eixo da câmera intencionalmente direcionado

7.2 – FOTOGRAFIAS AÉREAS OBLÍQUAS

São aquelas feitas com o eixo da câmera intencionalmente direcionado entre a horizontal e a vertical. O ângulo normalmente oscila entre 90º e 270º para as fotografias aéreas, podendo ser maior nas fotografias ou imagens tomadas por satélites. As fotografias oblíquas admitem uma subclassificação em oblíqua alta e oblíqua baixa. Observa-se que os termos alta (Figura 39) e baixa (Figura 40) não se referem à elevação do avião sobre o terreno, mas apenas ao ângulo de inclinação do eixo ótico da câmera com relação à vertical.

do eixo ótico da câmera com relação à vertical. Figura 39: Representação da tomada de uma

Figura 39: Representação da tomada de uma fotografia aérea oblíqua alta.

da tomada de uma fotografia aérea oblíqua alta. Figura 40: Representação da tomada de uma fotografia

Figura 40: Representação da tomada de uma fotografia aérea oblíqua baixa.

As fotografias obliquas tem o mesmo aspecto que de uma foto panorâmica tomada do alto de uma elevação (Figura 41).

panorâmica tomada do alto de uma elevação (Figura 41). Figura 41: Representação de uma fotografia oblíqua.

Figura 41: Representação de uma fotografia oblíqua.

O importante é que nesse tipo de foto tem que se observar que a escala aumenta progressivamente dos primeiros aos últimos planos (Figura 42).

dos primeiros aos últimos planos (Figura 42). Figura 42: Representação do aumento progressivo de escala

Figura 42: Representação do aumento progressivo de escala em direção aos últimos planos numa fotografia oblíqua.

Consequentemente, quanto mais longe estiverem os objetos fotografados, menor será a definição das respectivas imagens fotografadas (Figura 43).

Figura 43: Representação da perda de definição em direção aos últimos planos numa fotografia oblíqua.
Figura 43: Representação da perda de definição em direção aos últimos planos numa fotografia oblíqua.

Figura 43: Representação da perda de definição em direção aos últimos planos numa fotografia oblíqua.

Por esses aspectos, este tipo de fotografia não é adequado para medições cartográficas, sendo utilizadas para fins panorâmicos. Desta forma, a tomada de fotografias requer um planejamento bem elaborado a fim de que os objetivos sejam alcançados.

8 – TOMADA DAS FOTOGRAFIAS

A tomada de fotografias requer um planejamento bem elaborado a fim de que os objetivos sejam alcançados. É importante estabelecer informações sobre:

A Câmera;

Aeronave e sua autonomia de vôo;

Altura e altitude de vôo, de acordo com a escala;

Número de aerofotos em cada faixa;

Número de faixas;

Quantidade e tipo de filme;

Tempo de exposição;

Abertura do diafragma;

Filtros;

Intervalo de tempo entre duas fotos;

Elementos para a navegação;

Etc.

8.1 – ALTURA E ALTITUDE DE VÔO

Este tema esbarra em áreas como: a escala das aerofotos, o limite de precisão e a ordem econômica, ou seja, custos. Para fins cartográficos, a relação entre a escala do mapa e a escala das fotografias deve equilibrar os requisitos econômicos com os de precisão. A partir da precisão necessária é possível calcular a escala das aerofotos. Vejamos um exemplo. Se as aerofotos se destinam ao traçado de curvas de nível com eqüidistância de 1m, a precisão do aerolevantamento deverá ser a metade deste valor, ou seja, 50cm de equidistância e o cálculo da escala será baseado não na altitude do terreno e sim no desvio padrão das altitudes do terreno a ser fotografado.

O que seria mais interessante para nós geógrafos no momento? Seria a tomada de aerofotos com finalidade específica de fotointerpretação de um tema particular. Neste caso a escala deverá obedecer outros critérios. Vejamos! Uma vez definida a escala necessária das aerofotos, a altura do vôo poderá ser calculada através da seguinte equação (Figura 44):

Figura 44: Esquema representado a fórmula de cálculo da escala de vôo. Onde: • E
Figura 44: Esquema representado a fórmula de cálculo da escala de vôo. Onde: • E

Figura 44: Esquema representado a fórmula de cálculo da escala de vôo.

Onde:

E – escala;

d – tamanho da fotografia;

D – extensão fotografada;

c – distância focal da câmera;

H – altura do vôo (profundidade de campo).

Lembrando que este valor de altura será calculado a partir da média entre a menor e a maior altitude do terreno a ser fotografado. No caso de levantamentos para fins de fotointerpretação é claro. Vamos ver na prática. Se temos uma câmera com 150mm de distância focal e precisamos de fotografias com escala de 1:10.000, qual a altura do vôo necessário?

com escala de 1:10.000, qual a altura do vôo necessário? E quando se tem as fotografias

E quando se tem as fotografias e precisa-se calcular a escala? Se tivermos um vôo realizado com câmera de distância focal de 150mm a uma altura de 6.000m, qual seria a escala da fotografia?

a uma altura de 6.000m, qual seria a escala da fotografia? 8.2 – RECOBRIMENTO E INTERVALO

8.2 – RECOBRIMENTO E INTERVALO DE TEMPO ENTRE DUAS EXPOSIÇÕES

As fotografias aéreas devem ser tomadas sempre com elevação do sol superior a 30º, em dias claros, nos quais as condições climáticas sejam tais que permitam fazerem-se negativos fotográficos claros e bem nítidos, isto é, bem contrastados. O recobrimento é feito em exposições sucessivas ao longo de uma direção de vôo. Essa sucessão é feita em intervalos de tempo tal que, entre duas fotografias haja uma superposição longitudinal e outra transversal. Vejamos (Figura 45).

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

23

Figura 45: Esquema representativo das faixas de sobreposição lateral e longitudinal durante o sobrevôo. As
Figura 45: Esquema representativo das faixas de sobreposição lateral e longitudinal durante o sobrevôo. As

Figura 45: Esquema representativo das faixas de sobreposição lateral e longitudinal durante o sobrevôo.

As fotografias são tomadas em faixas que se superpõem em cerca de 30% - recobrimento ou superposição lateral (Figura 46).

de 30% - recobrimento ou superposição lateral (Figura 46). Figura 46: Representação do recobrimento lateral durante

Figura 46: Representação do recobrimento lateral durante o sobrevôo.

Entre as fotografias da mesma faixa a superposição deve ser em torno de 60% de recobrimento (ou superposição longitudinal) (Figura 47).

recobrimento (ou superposição longitudinal) (Figura 47). Figura 47: Representação do recobrimento longitudinal

Figura 47: Representação do recobrimento longitudinal durante o sobrevôo.

Observa-se que a superposição longitudinal das aerofotos é necessário para garantir o exame estereoscópico. Como se calcula isso tudo? O cálculo do número de faixas ou linhas de vôo a fim de recobrir toda a área de estudo é necessário e é feito através de um número de faixas com um número exato de fotografias por faixa.

Vejamos como calcular o número de faixas e a quantidade de fotos requeridas para cobrir uma área de 20km de largura, no sentido leste-oeste, por 33km de comprimento, no sentido norte-sul?

Note que:

a escala das fotos serão de 1:30.000;

o formato das fotos serão de 23 x 23cm;

• o recobrimento lateral será de 30%; • o recobrimento longitudinal será de 60%; •

o recobrimento lateral será de 30%;

o recobrimento longitudinal será de 60%;

a linha de vôo será no sentido leste-oeste.

Bom, a área abrangida por cada foto com 23 x 23cm, na escala de 1:30.000, calculada através da regra de três é:

1cm (na foto) = 30.000cm (no terreno)

23cm (na foto) = x cm (no terreno)

X = 690.000cm = 6.900m = 6,9km

Portanto, cada foto de 23 x 23cm abrangerá 6,9 x 6,9km no terreno. Para se calcular a quantidade de faixas a serem percorridas pelo avião, considera-se que cada foto dentro de uma faixa de vôo deverá ser recoberta pela adjacente, da outra faixa, em 30%. Restará então 70% de cada foto de 6,9 x 6,9km. Desta forma, se o recobrimento de 100% é de 6,9km, o recobrimento dos 70% restantes será 4,83km.

Considerando uma distância de 33km no sentido norte-sul e que o vôo será realizado no sentido leste- oeste, tem-se que o número de faixas ou linhas de vôo será dado pelo quociente 33km / 4,83km. Então, o número de fotos será 6,83 e por medida de segurança arredonda-se para 7 e acrescenta-se uma faixa em cada extremidade para que as faixas extremas tenham garantia de recobrimento, ou seja, mais 4 faixas, totalizando 11 faixas. E o número de fotografias por faixa longitudinal?

Para se calcular o número de fotos por faixa de 20km de extensão, no sentido leste-oeste, e levando- se em consideração uma sobreposição, para efeito de estereoscopia, de 60% entre cada foto, conclui-se que restará somente 40% efetivo por foto a ser avaliado. Assim sendo, tem-se:

Recobrimento de 100% = 6,9km

Recobrimento de 40% = xkm

x = 2,76km realmente cobertos pela foto.

Desta forma, o número de fotos será dado através do quociente entre a distância total da faixa no sentido leste-oeste pela área efetiva recoberta pela foto:

20km / 2,76km = 7,24 fotos por faixa.

Arredonda-se para 8 fotos por faixa.

Porém, por medida de segurança, acrescenta-se, ainda mais uma foto por faixa (8+1=9 fotos) tendo em vista que a primeira não é recoberta por nenhuma outra. Isto ocorre em função da necessidade de haver sobreposição para que possibilite a realização da estereoscopia na primeira fotografia de cada faixa também.

Observa-se que o total de fotos para cobrir uma área de 20km por 33km será o número de faixas vezes o número de fotos, ou seja, 11 faixas x 9 fotos por faixa = 99 fotos. Contudo, não podemos deixar de considerar que o recobrimento longitudinal depende também do intervalo de tempo de cada disparo da máquina fotográfica.

De uma maneira simplificada para se medir este tempo, adota-se a equação;

simplificada para se medir este tempo, adota-se a equação; Onde: • • B é a distância

Onde:

B é a distância percorrida pela aeronave entre a tomada de duas fotos;

V é a velocidade da aeronave.

T

é o intervalo de tempo;

8.3 – ARRASTAMENTO DA IMAGEM Outra característica importante a ser considerada é o Arrastamento da

8.3 – ARRASTAMENTO DA IMAGEM

Outra característica importante a ser considerada é o Arrastamento da Imagem. O efeito de arrastamento na fotografia decorre do movimento da aeronave durante o tempo de exposição do filme. É claro que nos dias de hoje com a modernização dos equipamentos, já existem dispositivos que tentam equilibrar o máximo possível o equipamento para que este efeito seja minimizado ao máximo. Alguns outros fatores também influenciarão neste arrastamento, como:

A altura da aeronave sobre o ponto considerado no terreno;

Terrenos com alterações agudas de altitude sempre ocorrerá arrastamento das porções mais altas da imagem;

Condições de turbulência aérea também ocasionarão arrastamento da imagem.

Observa-se que sempre ocorrerá arrastamento, mesmo que mínimo. O que interessa é que este arrastamento não fuja ao padrão aceitável pelas normas cartográficas.

8.4 – CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS

O planejamento para um levantamento fotogramétrico completo de uma área, deve levar em consideração diversos fatores a fim de que se possa realmente cobrir a totalidade do terreno sem perdas nem grandes sombras. Para isso, também torna-se necessário algumas informações referentes à localização e às características geográficas da área a ser levantada. Deve-se observar as condições meteorológicas e climatológicas a fim de evitar nebulosidade. Geralmente o número de dias impróprios se agrupam numa determinada parte do ano. Se possível lançar mão do uso de Cartas Meteorológicas locais. Nos dias ensolarados, sem nuvens, é importante a hora para a obtenção de boas fotos. Observar também o horário para a tomada das fotos, em geral entre 9h e 15h para que sejam evitados efeitos desagradáveis de sombreamento.

A presença de sombras compridas pode obscurecer muito algumas feições. Por outro lado, pequenas sombras podem gerar efeitos desejáveis aumentando a quantidade de informações na imagem.

Observa-se que fora das regiões tropicais sempre haverá sombras. Porém, nas regiões tropicais poderá haver reflexão da luz solar nas camadas atmosféricas diminuindo o contraste das fotografias. Este fenômeno será diretamente proporcional à quantidade de umidade suspensa no ar, limitando o horário de vôo aos que o Sol não esteja em posição zenital. Em regiões de baixa umidade este horário poderá ser ampliado, desde que se respeite a altitude das montanhas para não se gerar sombras muito extensas e também, dependendo da altura do avião, a geração da sombra da própria aeronave.

8.5 – NAVEGAÇÃO

A ferramenta básica para a navegação é o projeto de vôo. O projeto de vôo é constituído por um mapa com as linhas de vôo. Este mapa pode ser acoplado à câmera fotográfica que geralmente possui um dispositivo para projetar a imagem da superfície. Em câmeras mais antigas esta projeção era feita em um visor de vidro opaco na parte superior da câmera. Em câmeras mais modernas existe um visor digital ou notebook onde é projetada a imagem da superfície. Em ambos os visores existem uma reta denominada “linha de fé” para que o operador possa fazer o ajuste com o eixo da faixa a ser fotografada (Figura 48).

o ajuste com o eixo da faixa a ser fotografada (Figura 48). Figura 48: Representação da

Figura 48: Representação da Linha de Fé em um plano de vôo.

Qualquer deslocamento da aeronave, como por exemplo uma “deriva”, a câmera fotográfica deverá possuir recurso para ser girada do mesmo ângulo no sentido indicado pela linha de fé e a faixa de vôo indicada pelo visor. Uma “deriva” ocorre quando o piloto gira a aeronave para um dos lados para compensar ventos laterais (Figura 49).

Figura 49: Representação do processo de deriva. Além da linha de fé, existem linhas paralelas
Figura 49: Representação do processo de deriva. Além da linha de fé, existem linhas paralelas

Figura 49: Representação do processo de deriva.

Além da linha de fé, existem linhas paralelas perpendiculares à linha de fé que se deslocam na velocidade programada para o vôo e que podem ser comparadas com o deslocamento da imagem para o ajuste da velocidade do avião. Isto para que o recobrimento seja correto. Além do mais, junto ao mecanismo que desloca essas linhas paralelas existe um intevalômetro, para disparar a câmera no tempo de recobrimento exato.

Nos equipamentos aéreos mais novos, como sensores digitais existem mecanismos que controlam isso automaticamente (Figuras 50 e 51).

que controlam isso automaticamente (Figuras 50 e 51). Figura 50: Exemplos de equipamentos de aerofotogrametria

Figura 50: Exemplos de equipamentos de aerofotogrametria mais novos e seus produtos.

de aerofotogrametria mais novos e seus produtos. Figura 51: Exemplo de dispositivos que compensam a deriva.

Figura 51: Exemplo de dispositivos que compensam a deriva.

Vejamos o efeito da compensação (Figura 52).

a deriva. Vejamos o efeito da compensação (Figura 52). Figura 52: Esquema comparativo do efeito da

Figura 52: Esquema comparativo do efeito da compensação para deriva no sobrevôo.

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

27

Nos equipamentos mais modernos utiliza-se um mapa digital, onde o acoplamento de um GPS auxilia

Nos equipamentos mais modernos utiliza-se um mapa digital, onde o acoplamento de um GPS auxilia a navegação sobre as faixas e o instante da tomada da fotografia ou imagem através do seu relógio (Figura 53).

fotografia ou imagem através do seu relógio (Figura 53). Figura 53: Exemplo de equipamento para realização

Figura 53: Exemplo de equipamento para realização de sobrevôo apoiado com GPS.

9 – ESTEREOSCOPIA

9.1 – VISÃO ESTEREOSCÓPICA

A estereoscopia é, de uma maneira simplista, a visualização de uma imagem em 3D. Há pessoas que conseguem fazer isso de maneira direta ou natural, porém, o mais comum, é através da visão binocular, com a utilização de lentes ou de polarizadores. Na visão binocular utiliza-se um par de fotografias aéreas com área de recobrimento. O fato é que um mesmo objeto em fotografias diferentes não possui o mesmo centro de perspectiva. E quando cada uma destas fotografias é vista por um olho diferente do observador, faz com que o cérebro humano interprete as diferenças de perspectiva das fotos como profundidade do objeto. Esta diferença de perspectiva do objeto registrado denomina-se paralaxe. Assim, os objetos situados a uma mesma distância do observador possuem a mesma paralaxe, porém, para objetos com distâncias diferentes do observador a paralaxe, possivelmente será diferente.

Observa-se que a paralaxe é maior para objetos mais próximos do observador (Figura 54).

maior para objetos mais próximos do observador (Figura 54). Figura 54: Representação dos ângulos de paralaxe.

Figura 54: Representação dos ângulos de paralaxe.

A inclinação, ou paralaxe, pode ser medida por um instrumento chamado barra de paralaxe, contida em alguns estereoscópios. Um exercício para a observação deste deslocamento pode ser realizado da seguinte forma:

Estica-se um braço à frente, com o polegar levantado;

Observa-se o dedo primeiramente com um dos olhos;

Feixe este olho e abra o outro;

Faça isso alternadamente;

Seu dedo parece deslocar-se da direita para a esquerda.

Este é o efeito da paralaxe.

Para reproduzir o efeito da visão estereoscópica, torna-se necessário fazer projetar na retina de cada um dos olhos do observador a imagem que lhe corresponderia se observasse o próprio objeto, ou seja, o

método consiste em separar imagens na retina de cada olho do observador através de duas

método consiste em separar imagens na retina de cada olho do observador através de duas fotos do mesmo objeto tiradas em pontos diferentes, utilizando um estereoscópio binocular. Observa-se que a visão estereoscópica é responsável por medir altitudes com elevado grau de exatidão para fins de mapeamento.

Dentre os métodos de estereoscopia podemos destacar dois:

9.1.1 – MÉTODO DO ESTEREOSCÓPIO DE LENTES

Este método consiste na utilização de um par de lentes convergentes de distância focal igual ao comprimento de seu suporte. Este conjunto de lentes provoca a visão dos dois olhos do observador em paralelismo tendendo ao infinito. Isto possibilita a visualização de um mesmo ponto fotografado em duas fotografias diferentes, porém, sobre ângulos diferentes, fazendo com que o cérebro humano interprete a diferença angular como um efeito de profundidade (Figura 55).

angular como um efeito de profundidade (Figura 55). Figura 55: Exemplo de estereoscópio portátil de lentes.

Figura 55: Exemplo de estereoscópio portátil de lentes.

9.1.2 – MÉTODO DO ESTEREOSCÓPIO DE ESPELHO Este instrumento segue o mesmo princípio do estereoscópio
9.1.2 – MÉTODO DO ESTEREOSCÓPIO DE ESPELHO Este instrumento segue o mesmo princípio do estereoscópio

9.1.2 – MÉTODO DO ESTEREOSCÓPIO DE ESPELHO

Este instrumento segue o mesmo princípio do estereoscópio de lentes. A diferença é que possui um par de espelhos e um par de prismas, que permite um maior afastamento entre o par de fotografias facilitando o observador (Figura 56).

o par de fotografias facilitando o observador (Figura 56). Figura 56: Exemplo de estereoscópio de espelhos.

Figura 56: Exemplo de estereoscópio de espelhos.

Existem mais alguns métodos de estereoscopia como:

Método do Anaglifo por impressão e por projeção;

Método da Luz Polarizada;

Método do Cintilamento;

Método das Cores;

Holografia.

Porém não serão usuais para nós geógrafos nesta etapa. Nos dias atuais, já existem novos recursos, porém, não substituem os anteriormente citados. Dentre os novos sistemas de visualização, podemos destacar os polarizadores passivos e ativos (Figuras 57 e 58).

os polarizadores passivos e ativos (Figuras 57 e 58). Figura 57: Estereoscopia através do Sistema de

Figura 57: Estereoscopia através do Sistema de Polarização Passiva.

Figura 58: Estereoscopia através do Sistema de Polarização Ativa Veja também alguns exemplos de Acessórios
Figura 58: Estereoscopia através do Sistema de Polarização Ativa Veja também alguns exemplos de Acessórios

Figura 58: Estereoscopia através do Sistema de Polarização Ativa

Veja também alguns exemplos de Acessórios de Controle para ajudar no processo de restituição do modelo estereoscópico (Figura 59) e a tela de controle de um programa típico de restituição (Figura 60).

de um programa típico de restituição (Figura 60). Figura 59: exemplos de Acessórios de Controle Figura

Figura 59: exemplos de Acessórios de Controle

(Figura 60). Figura 59: exemplos de Acessórios de Controle Figura 60: Tela de operação Outro aspecto

Figura 60:

Tela de operação

Outro aspecto importante a ser observado no processo de estereoscopia é a questão do “Exagero de Estereoscopia”. Trata-se de uma mudança na escala vertical do modelo tridimensional observado em relação a escala horizontal. Isto se dá a partir do ângulo vertical entre as tangentes do relevo e até mesmo através de uma possível distorção ocorrida durante o processo de tomada das fotografias. O ângulo vertical pode ser medido por um instrumento denominado estereocomparador de declives, muito utilizado, por exemplo, pelos pedólogos para medir a declividade das rampas. Segundo pesquisas, quanto menor a distância focal das máquinas, maior será o exagero de estereoscopia. Um exemplo é que em uma mesma área recoberta, uma câmera com 88,5mm de distância focal produzirá um exagero 2,8 vezes.

10 – O PROCESSO DE FOTOINTERPRETAÇÃO

10.1 - FASES DA FOTOINTERPRETAÇÃO

O Processo de fotointerpretação é integrado aos objetivos do trabalho e depende de diversos fatores

como:

o fotointérprete;

• o propósito, objetivo ou finalidade da fotointerpretação; • as fotografias disponíveis; • o instrumental

o propósito, objetivo ou finalidade da fotointerpretação;

as fotografias disponíveis;

o instrumental utilizado;

a escala e prescrições do mapa;

A correlação terrestre ou outros levantamentos existentes (bibliografia, mapas ou sensores remotos).

Ou seja, qualquer processo interpretativo pode ser desenvolvido através de fases comuns, que são adaptadas a cada tipo de trabalho.

10.1.1 - TRABALHOS PRELIMINARES:

Realizar a caracterização da área do conhecimento que se destina o trabalho, como Geologia, Geomorfologia, Uso e Ocupação, Planejamento, etc. e delineação bem clara dos objetivos.

10.1.2 - COLETA DE MATERIAL:

Definição da área de trabalho, coleta das fotografias de cobertura da região e de outras informações de apoio como mapas, imagens, fotos, bibliografia, seguida da definição do equipamento de trabalho e avaliação dos dados coletados.

10.1.3 - PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO PROPRIAMENTE:

O processo de interpretação envolve 6 etapas distintas.

detecção;

reconhecimento e identificação;

delimitação;

análise;

classificação;

conclusão.

10.1.3.1 - DETECÇÃO:

Está diretamente relacionada com a visibilidade dos objetos na fotografia, além do tipo de objeto, objetivos da interpretação, escala da foto, qualidade da fotografia (resolução, nitidez, contraste, etc) e do conhecimento do assunto por parte do fotointérprete.

Em seguida realiza-se o exame geral da região, onde é feita a seleção dos objetos ou elementos de acordo com a prioridade ou importância estabelecida para o trabalho de fotointerpretação, seguida pelo reconhecimento e a identificação, sendo que estes três elementos devem inclusive ser avaliados em conjunto. A separação da detecção é relevante, por estar intimamente ligada à qualidade da imagem observada. Vejamos um exemplo através da figura 61.

Figura 61: Detecção de entidades diferenciadas na fotografia. 10.1.3.2 - RECONHECIMENTO E IDENTIFICAÇÃO São
Figura 61: Detecção de entidades diferenciadas na fotografia. 10.1.3.2 - RECONHECIMENTO E IDENTIFICAÇÃO São

Figura 61: Detecção de entidades diferenciadas na fotografia.

10.1.3.2 - RECONHECIMENTO E IDENTIFICAÇÃO

São considerados em conjunto, por não terem fronteiras definidas. Após a avaliação dos fatores que permitem reconhecer e concluir o reconhecimento faz-se a identificação. É um processo similar à leitura de uma frase: resumem-se os elementos necessários para o sentido e a compreensão do seu significado. Observa-se que a leitura de fotos não se constitui no processo de identificação. É definida como sendo o reconhecimento de um objeto ou elemento diretamente visível por meio de conhecimento específico do local, ou com auxílio ou não de meios complementares, como a estereoscopia ou visita de campo.

Estabelece-se com o reconhecimento e a identificação a resposta à pergunta: “O que é” o objeto ou elemento (Figura 62).

pergunta: “O que é” o objeto ou elemento (Figura 62). Figura 62: Exemplo de Reconhecimento e

Figura 62: Exemplo de Reconhecimento e Identificação de elementos na fotografia aérea.

10.1.3.3 - DELIMITAÇÃO

Nesta fase, agrega-se os elementos e objetos em conjuntos, que poderão fornecer dados concretos para a análise. Todos os indícios são importantes para que sejam classificados segundo graus de confiabilidade. É importante não classificar os grupos detectados ainda e após estabelecida a individualidade do grupo, deixa-se a identidade para a classificação (Figura 63).

Figura 63: Exemplo de delimitação de grupos homogêneos detectados na fotografia. 10.1.3.4 - ANÁLISE É
Figura 63: Exemplo de delimitação de grupos homogêneos detectados na fotografia. 10.1.3.4 - ANÁLISE É

Figura 63: Exemplo de delimitação de grupos homogêneos detectados na fotografia.

10.1.3.4 - ANÁLISE

É um processo dedutivo. Fundamenta-se na convergência de fatores, derivada pela observação dos elementos diretamente e os indícios verificados no estágio anterior. Nesta etapa em que se diferencia ou separa grupos de objetos, como também grupa-os. Todo processo dedutivo, fundamenta-se mais nas evidências do que na observação direta, ou seja, é a fase em que se permite a conclusão da classificação. É importante se atentar que o processo dedutivo (análise) somente termina após estudo de todos os indícios e evidências (Figura 64).

estudo de todos os indícios e evidências (Figura 64). Figura 64: Representação da separação de conjuntos

Figura 64: Representação da separação de conjuntos de áreas homegêneas.

10.1.3.5 - CLASSIFICAÇÃO

Esta fase subdivide-se em 3 fases:

descrição da área;

organização da área numa estrutura adequada às investigações de campo;

codificação em convenções para a expressão das informações.

Neste momento se estabelece a identidade dos elementos contidos na área e delineados pela delimitação e pela análise como a natureza dos objetos, como casas, rios, estradas, classes geomorfológicas, tipos de vegetação, óbvio que no caso de serem visíveis. No caso de elementos não muito visíveis, como solos, aspectos humanos, etc., efetua-se em termos dos elementos e sistemas visíveis.

Uma classificação segura só pode ser executada com o auxílio de trabalhos de campo (verdade terrestre), sendo que a correta interpretação em escritório pode diminuir as idas a campo, mas não evitá-la.

Dep. de Geociências – Instituto de Ciências Humanas (ICH) – Universidade Federal do Juiz de Fora (UFJF). e-mail: ricardo.zaidan@ufjf.edu.br / www.ufjf.br/lga

34

Quando utilizadas, as codificações em convenções devem seguir as normas cartográficas que existam (topografia,

Quando utilizadas, as codificações em convenções devem seguir as normas cartográficas que existam (topografia, geologia, pedologia, etc). No caso de estudos que não possuam convenções associadas, deve-se agrupar os elementos e desenvolver uma tabela de convenções para serem aplicadas de forma sistemática e padronizada. Deve ser evitada uma convenção para cada trabalho relativo à mesma área de conhecimento, procurando adotar convenções já existentes (Figura 65).

procurando adotar convenções já existentes (Figura 65). Figura 65: Representação do processo de classificação

Figura 65: Representação do processo de classificação dos conjuntos de áreas homogêneas.

10.1.3.6 - CONCLUSÃO

É o coroamento do trabalho, ou seja, é o relatório final seguido do mapeamento da região (Figura 66).

final seguido do mapeamento da região (Figura 66). Figura 66: Exemplo de mapeamento resultado de processo

Figura 66: Exemplo de mapeamento resultado de processo de fotointerpretação.

10.2 - ELEMENTOS DE RECONHECIMENTO

A tarefa do fotointérprete é interpretar as características de elementos e objetos, e determinar o seu significado, grau de relevância e inter-relacionamentos em imagens. Para isso, são necessárias técnicas para permitir uma identificação mais precisa,

Observa-se que a vista vertical ou quase vertical de um objeto pode ser bastante confusa, porém, com o auxílio dessas técnicas o reconhecimento pode ser bastante facilitado. São os seguintes os elementos de reconhecimento ou fatores guias da fotointerpretação:

tonalidade;

textura;

tamanho;

forma;

• sombra; • padrão; • densidade; • declividade; • associação; • adjacência; • localização.

sombra;

padrão;

densidade;

declividade;

associação;

adjacência;

localização.

10.2.1 - TONALIDADE

É relacionada com as características reflectivas do objeto dentro do espectro registrado pela fotografia. A região do comprimento de onda do espectro registrado é função do filme e do filtro. A capacidade de reflectância em um comprimento de onda, depende da composição de sua superfície, estado físico, intensidade e do ângulo de incidência da luz.

Variações de tonalidade de cinza nas fotos PB e de intensidade nas fotos coloridas fornecem importantes indícios para a identificação de objetos. Observe as diferentes tonalidades, referente às áreas dos números sobrepostos, nas figuras 67 e 68.

às áreas dos números sobrepostos, nas figuras 67 e 68. Figura 67: Diferenciações nos tons de

Figura 67: Diferenciações nos tons de cinza da fotografia aérea.

67: Diferenciações nos tons de cinza da fotografia aérea. Figura 68: Diferenciações nos tons de cores

Figura 68: Diferenciações nos tons de cores da fotografia aérea.

10.2.2 - TEXTURA

É a impressão visual da rugosidade, aspereza ou suavidade, causada pela variação ou uniformidade dos tons de cinza ou da cor. É produzida por um conjunto de características muito pequenas para serem detectadas individualmente: tais como folhas de árvores; pequenas rochas, gramíneas. Texturas suaves são associadas a campos cultivados (plantas de mesma altura), áreas desmatadas e corpos de água parada.

Textura áspera são associadas à florestas, áreas pedregosas. Veja o exemplo de diferentes texturas na figura

69.

Figura 69: Alguns tipos de texturas em fotografia aérea. Observa-se que dependendo da escala e
Figura 69: Alguns tipos de texturas em fotografia aérea. Observa-se que dependendo da escala e

Figura 69: Alguns tipos de texturas em fotografia aérea.

Observa-se que dependendo da escala e em conseqüência da altura de vôo. O que em uma escala pode parecer suave, em outra pode parecer áspera, rugosa ou grosseira. Observe na figura 70.

parecer áspera, rugosa ou grosseira. Observe na figura 70. Figura 70: Tipos de texturas em fotografia

Figura 70: Tipos de texturas em fotografia aérea.

Podem–se classificar as texturas em: grosseira, áspera, rugosa, média, fina e superfina, dependente da sensibilidade do intérprete.

10.2.3 - TAMANHO

Em 2D o tamanho de um objeto é definido pelas dimensões de sua superfície. A comparação através de tamanho relativo pode fornecer um importante auxílio na identificação de feições. O tamanho do objeto real é função do tamanho de sua imagem na fotografia, dependendo exclusivamente da escala da fotografia. Comparações relativas podem ser realizadas sobre fotos de escala desconhecida, porém comparações absolutas só podem em fotos de escalas conhecidas (comprimentos, largura, circunferência).

10.2.4 - FORMA

Descreve a aparência externa ou a configuração de um objeto, pois a vista apresentada, é uma vista superior. Formas características de aspectos humanos e culturais são geometricamente regulares, em contraposição às formas naturais, irregulares e dispersas (Figura 71). A forma é um dos elementos de mais fácil percepção, porém deve ser associada a outros fatores para sanar possíveis dúvidas.

Figura 71: Exemplos de formas naturais e características de ação humana. 10.2.5 - SOMBRA É
Figura 71: Exemplos de formas naturais e características de ação humana. 10.2.5 - SOMBRA É

Figura 71: Exemplos de formas naturais e características de ação humana.

10.2.5 - SOMBRA

É um elemento bastante importante para a fotointerpretação, por fornecer uma impressão sobre a altura do objeto, e por contribuir para a sua identificação. São exemplos destes elementos as caixas d’água, chaminés, diversas espécies de árvores, torres de transmissão, tanques de armazenamento de combustível, etc.

As sombras podem ser relacionadas à hora da tomada da foto, latitude do lugar e a luminosidade solar. Observa-se que as sombras de nuvens são indesejáveis, pois modificam as características tonais dos objetos (Figura 72).

as características tonais dos objetos (Figura 72). Figura 72: Sombreamento na fotografia provocado por nuvens.

Figura 72: Sombreamento na fotografia provocado por nuvens.

10.2.6 - PADRÃO

Caracterizado pela união ou extensão das formas visuais. A repetição de uma certa forma é uma característica de muitas feições humanas e algumas naturais. Plantações de laranjas, loteamentos, cidades, estruturas geológicas, sistema de drenagem podem apresentar padrões retilíneos ou organizados Veja os exemplos das figuras 73.

Figura 73: Exemplo de padrão de arruamentos urbanos. Padrões de drenagem são importantes para identificações
Figura 73: Exemplo de padrão de arruamentos urbanos. Padrões de drenagem são importantes para identificações

Figura 73: Exemplo de padrão de arruamentos urbanos.

Padrões de drenagem são importantes para identificações geológicas, pois dão informações sobre as estruturas subterrâneas e litologia (Figura 74 e 75).

as estruturas subterrâneas e litologia (Figura 74 e 75). Figura 74: Exemplo de padrão de drenagem

Figura 74: Exemplo de padrão de drenagem com tendência retangular.

Exemplo de padrão de drenagem com tendência retangular. Figura 75: Exemplo de padrão de drenagem meândrico.

Figura 75: Exemplo de padrão de drenagem meândrico.

10.2.7 - DENSIDADE

Caracterizada pela freqüência de ocorrência e dependente da escala da foto. Para que a densidade seja mais próxima do real, é conveniente expressá-la em unidades do terreno.

10.2.8 - DECLIVIDADE Varia em intensidade. O ângulo de declive determina o tipo de vertente,
10.2.8 - DECLIVIDADE Varia em intensidade. O ângulo de declive determina o tipo de vertente,

10.2.8 - DECLIVIDADE

Varia em intensidade. O ângulo de declive determina o tipo de vertente, mergulhos de camadas, superfícies e linhas inclinadas. Sua interpretação vai depender muito da visão estereoscópica do intérprete.

10.2.9 - ASSOCIAÇÃO

Subordinação genética e hierárquica à outros elementos de tal forma que o reconhecimento de um confirma ou indica o outro. Um exemplo disso seria que a existência de mata galeria indica a possível existência de um curso d’água, mesmo que este não seja visível (Figura 76).

d’água, mesmo que este não seja visível (Figura 76). Figura 76: Exemplo de associação através da

Figura 76: Exemplo de associação através da presença de matas galerias.

10.2.10 - ADJACÊNCIA OU SÍTIO

É a localização de um objeto em relação ao ambiente que o cerca. Podemos citar vários exemplos, como: as plantações de flores são normalmente com plástico ou com estufas. Outro caso típico é que os plásticos também podem evidenciar áreas ou cicatrizes de movimentos de massa ou de erosão. Outro exemplo ainda seria que uma grande massa de água pode evidenciar uma barragem, usina hidrelétrica ou uma estação de tratamento.

10.2.11 - POSIÇÃO OU LOCALIZAÇÃO

O local de tomada das fotos tem que ser seguido de um breve entendimento ou familiarização com a área geográfica. Isso poderá ajudar, por exemplo, na dedução ou eliminação de diversos fatores que poderão ser importantes para o processo. O clima, com a decorrente caracterização de úmido, semi-úmido, seco, etc, que tem influência direta sobre aspectos erosivos e metamórficos da superfície. Sabendo-se que a região é tropical, um animal grande e preto, estará mais para um búfalo ou zebu do que para um urso.

11 – ORTOFOTOCARTAS

11.1 – MODELO MATEMÁTICO

Como sabemos, o processo fotográfico cria algumas deformações nas fotografias ou imagens. Um modelo serve para corrigir distorções e diminuir erros que ocorram durante o processo de tomada das fotografias. No processo aerofotogramétrico, estas distorções podem ser melhor reconhecidas e com a adoção de modelos de correção tornam-se mais adequadas ainda.

Um Sistema Referencial também é um modelo matemático. Para definir a posição de um objeto torna- se necessário a adoção de um referencial adequado. O que seria e para que serviria um sistema referencial? Este referencial vai alterar as distâncias e medidas possivelmente distorcidas nas entidades representadas na fotografia. E essas alterações vão depender diretamente da porção da fotografia. Notem que centro deforma menos que as extremidades das fotos.

Em Fotogrametria é interessante definir dois tipos de referenciais o Geodésico e o Fotogramétrico. 11.1.1

Em Fotogrametria é interessante definir dois tipos de referenciais o Geodésico e o Fotogramétrico.

11.1.1 - REFERENCIAIS GEODÉSICOS

O elipsóide de referência é um exemplo de referencial geodésico (Figura 77).

é um exemplo de referencial geodésico (Figura 77). Figura 77: Sistemas referencial baseado na forma da

Figura 77: Sistemas referencial baseado na forma da Terra.

11.1.2 - REFERENCIAIS FOTOGRAMÉTRICOS

As marcas impressas na fotografia são um exemplo de Sistema Referencial Fiducial (Figura 78).

são um exemplo de Sistema Referencial Fiducial (Figura 78). Figura 78: Sistema Referencial baseado nas marcar

Figura 78: Sistema Referencial baseado nas marcar fiduciais da fotografia.

A idéia é estabelecer uma relação entre as coordenadas da foto e as coordenadas do sistema geodésico. Isso tudo para que se possa ajustar a imagem à realidade, para que a partir daí, toda e qualquer representação corresponda à realidade (Figura 79).

representação corresponda à realidade (Figura 79). Figura 79: Exemplo ilustrado da relação entre os sistemas

Figura 79: Exemplo ilustrado da relação entre os sistemas de referência da fotografia com o terrestre.

12.2 – FOTOTRIANGULAÇÃO Fototriangulação é uma técnica fotogramétrica para a determinação de coordenadas de
12.2 – FOTOTRIANGULAÇÃO Fototriangulação é uma técnica fotogramétrica para a determinação de coordenadas de

12.2 – FOTOTRIANGULAÇÃO

Fototriangulação é uma técnica fotogramétrica para a determinação de coordenadas de pontos num referencial específico. Veja alguns conceitos sinônimos:

Aerotriangulação;

Triangulação Aérea;

Triangulação Espacial.

Os objetivos da Fototriangulação são basicamente, fornecer coordenadas precisas para os pontos

necessários para a orientação absoluta de modelos fotogramétricos para o sobrevôo, para a restituição ou para

a elaboração de ortofotos (Figura 80).

ou para a elaboração de ortofotos (Figura 80). Figura 80: exemplo da relação pontos cotados, fotografias

Figura 80: exemplo da relação pontos cotados, fotografias e terreno no processo de fototriangulação.

12.2.1 - PLANEJAMENTO

A fototriangulação é uma das tarefas mais importantes num processo de mapeamento. São operações que exigem controle estatístico através de pessoas altamente qualificadas para que não haja a configuração de clusters. Observa-se também que o planejamento da fototriangulação deve ser feito junto com o planejamento da cobertura fotográfica, de preferência, antes do sobrevôo para que auxilie o sobrevôo e a restituição ao mesmo tempo.

12.2.2 - SISTEMA DE COORDENADAS:

A fototriangulação deve ser realizada em referencial geodésico e não num sistema de projeção cartográfico. Isso porque as coordenadas obtidas num referencial geodésico podem ser posteriormente transformadas para o sistema de projeção cartográfica requerido sem perda de qualidade geométrica e porque tais transformações imprimem deformações geométricas ou matemáticas nas entidades representadas.

12.2.3 - PONTOS DE CONTROLE:

Através dos pontos de controle materializa-se o referencial geodésico com que se deseja trabalhar. É ideal que se estabeleça pontos de controle nas extremidades das faixas com as coordenadas X,Y e Z, nas

áreas comuns entre áreas contíguas, ao longo das partes externas das faixas extremas ou então aumentar o recobrimento entre faixas para 60%, incluindo também algumas faixas transversais. Porém, isso poderá tornar

o vôo mais caro do que a execução de uma boa fototriangulação.

Os Pontos de Controle são levantamentos em feições fotoidentificáveis (Figura 81), tais como cantos de edificações, de cercas, de muros, de jardins, de cruzamentos, pontes, etc. ou em sinais coloridos no terreno como carros, latões, pinturas em áreas desmatadas ou asfaltadas. Podem ser estabelecidos também da seguinte forma:

Em posições randômicas;

Em feições características do terreno, tais como o fundo de vales em V, linhas de mudança de declive, pontos culminantes de elevação, pontos mais baixos de depressões, ou;

Em uma rede regular de pontos.

Figura 81: Exemplo de ponto de controle em local facilmente identificável como no centro de
Figura 81: Exemplo de ponto de controle em local facilmente identificável como no centro de

Figura 81: Exemplo de ponto de controle em local facilmente identificável como no centro de uma quadra de tênis.

Porém, nos dias de hoje, em virtude do posicionamento geodésico realizado por satélite (GPS) ser muito mais econômico e preciso, grande parte desses problemas e dificuldades são facilmente sanados.

12.2.4 - VÔO APOIADO:

É feito através de sistemas de GPS. Através de um GPS posicionado no avião com mais de um par de antenas e um outro receptor posicionado em um ponto de referência na Terra (Figura 82).

posicionado em um ponto de referência na Terra (Figura 82). Figura 82: Exemplo de esquema de

Figura 82: Exemplo de esquema de equipamentos aéreos para a realização de um vôo apoiado por GPS.

A conjugação dos dados de posicionamento e altitude desses dois aparelhos dão a atitude e posicionamento do avião, o que aumenta a precisão do levantamento aerofotogramétrico. Observa-se que o vôo apoiado sofre as mesmas restrições do vôo aerofotogramétrico comum, porém, há uma maior quantidade e facilidade de controlo. O vôo apoiado é ideal para lugares de acesso difícil ou perigoso, ou em regiões com poucos pontos fotoidentificáveis. Observa-se que mesmo com o avanço tecnológico, não se pode eliminar os pontos de controle, mas apenas minimizar a quantidade.

12.3 – RESTITUIÇÃO

Significa a reconstrução do terreno fotografado a partir de suas fotografias. O resultado é o modelo ótico tridimensional, também denominado de estereomodelo ou modelo estereoscópico do terreno fotografado (Figura 83).

Figura 83: Esquema representativo do processo de restituição, desde o modelo ao gráfico. Através do
Figura 83: Esquema representativo do processo de restituição, desde o modelo ao gráfico. Através do

Figura 83: Esquema representativo do processo de restituição, desde o modelo ao gráfico.

Através do modelo estereoscópico do terreno fotografado pode-se executar medições e através do restituidor fotogramétrico torna-se possível a construção ou reprodução de um modelo óptico tridimensional, a partir de imagens, e de medir coordenadas de pontos neste mesmo modelo. O resultado final da restituição de um determinado levantamento aerofotogramétrico é uma carta ou mapa do terreno fotografado com informações planimétricas e altimétricas como:

Curvas de nível: forma geométrica dos pontos de mesma altitude;

Pontos Cotados: pontos do terreno situados em locais notáveis de altitude indicada como topos ou depressões.

Então, resumidamente, para a confecção de um mapa a partir de aerofotos são necessárias cumprir as seguintes etapas:

Restituição do modelo;

Compilação das feições extraídas do modelo estereoscópico;

Edição.

Observa-se que a Edição após a Restituição gera informações que serão utilizadas posteriormente no processo de criação das cartas ou mapas, que simplificadamente podemos dividir em duas etapas:

Reambulação ou deambulação: coleta de informações como as nomenclaturas diversas, classificações de estradas, etc.

Adição de informações por pesquisa bibliográfica.

12.4 – RESTITUIDORES

Para a restituição do par estereoscópico de fotografias é necessário um aparelho denominado restituidor fotogramétrico. Este aparelho transforma um par de fotografias, que são imagens perspectivas do terreno em uma projeção ortogonal do que for compilado, ou seja, um modelo estereoscópico do terreno fotografado. Isto permite medir coordenadas do ponto no estereomodelo, compilar feições da imagem, representar o relevo do terreno através de curvas de nível e de pontos cotados. Vejamos alguns exemplos de tipos de restituidores através das figuras 84, 85, 86, 87, 88, 89 e 90.

através das figuras 84, 85, 86, 87, 88, 89 e 90. Figura 84: Restituidor através do

Figura 84: Restituidor através do Método Analógico.

Figura 85: Restituidor através do Método Analógico. Figura 86: Restituidor através do Método Analítico e
Figura 85: Restituidor através do Método Analógico. Figura 86: Restituidor através do Método Analítico e

Figura 85: Restituidor através do Método Analógico.

Figura 85: Restituidor através do Método Analógico. Figura 86: Restituidor através do Método Analítico e Analítico

Figura 86: Restituidor através do Método Analítico e Analítico Acoplando ao Computador.

do Método Analítico e Analítico Acoplando ao Computador. Figura 87; Exemplo de produto gerado através do

Figura 87; Exemplo de produto gerado através do Método Analítico Acoplando ao Computador.

através do Método Analítico Acoplando ao Computador. Figura 88: Restituidor através do Método Digital Dep. de

Figura 88: Restituidor através do Método Digital

Figura 89: Restituidor c om Sistema de Polarização Ativa. Figura 90; Exemplo de produto gerado
Figura 89: Restituidor c om Sistema de Polarização Ativa. Figura 90; Exemplo de produto gerado

Figura 89: Restituidor com Sistema de Polarização Ativa.

Figura 89: Restituidor c om Sistema de Polarização Ativa. Figura 90; Exemplo de produto gerado através

Figura 90; Exemplo de produto gerado através do Método Digital.

12.5 - SÍNTESE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO AEROFOTOGRAMÉTRICO.

- SÍNTESE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO AEROFOTOGRAMÉTRICO. 12.5 – ORTOFOTOS DIGITAIS Uma Ortofoto Digital é uma

12.5 – ORTOFOTOS DIGITAIS

Uma Ortofoto Digital é uma imagem digital da fotografia, corrigida geometricamente através do georreferenciamento e com a adoção de uma projeção cartográfica. Vejamos um exemplo (Figura 91).

Figura 91: Exemplo comparativo de uma imagem e de seu modelo ortorretificado. Uma Ortofotocarta é
Figura 91: Exemplo comparativo de uma imagem e de seu modelo ortorretificado. Uma Ortofotocarta é

Figura 91: Exemplo comparativo de uma imagem e de seu modelo ortorretificado.

Uma Ortofotocarta é a composição de um mosaico de duas ou mais ortofotos digitais ou não, com as devidas convenções cartográficas, como legendas, títulos, coordenadas, etc (Figura 92).

como legendas, títulos, coordenadas, etc (Figura 92). Figura 92: Exemplo de ortofotocarta. 12.5.1 -MOSAICO OU

Figura 92: Exemplo de ortofotocarta.

12.5.1 -MOSAICO OU MOSAICAGEM

É a junção de duas ou mais ortofotos. De maneira simplista, são dois os problemas que podem ocorrer durante o processo de mosaicagem:

O primeiro problema diz respeito à não haver coincidência geométrica das feições imageadas (Figura

93).

geométrica das feições imageadas (Figura 93). Figura 93: Exemplo de falta de coincidência geométrica

Figura 93: Exemplo de falta de coincidência geométrica entre as fotos.

Soluções possíveis: • Caso haja má correção geométrica ou georreferenciamento o indicado é refazer a

Soluções possíveis:

Caso haja má correção geométrica ou georreferenciamento o indicado é refazer a correção geométrica e ou o georreferenciamento ou cortar mais as bordas distorcidas;

Quando o MDT não representa bem o terreno o ideal seria aplicar um modelo de correção geométrica, ou refazer a restituição dos dados.

O segundo problema diz respeito à não haver continuidade radiométrica nas cores entre as imagens. Vejamos um exemplo (Figura 94).

nas cores entre as imagens. Vejamos um exemplo (Figura 94). Figura 94: Exemplo de descontinuidade radiométrica

Figura 94: Exemplo de descontinuidade radiométrica nas fotografias digitais.

Soluções possíveis:

Aplicar um modelo corretivo ou padronizador radiométrico para equilibrar os tons das cores antes de fazer a mosaicagem.

Aplicar um modelo alisador de linhas após a junção das ortofotos.

Observa-se que alguns softwares executam estas duas funções automaticamente ao executar a mosaicagem.

12.6 – EDIÇÃO

É a faze final do processo. Tem por objetivo nas ortofotocartas:

Fazer o controle de qualidade;

Inserir as informações complementares, principalmente as levantadas durante o processo de restituição como, curvas de nível, nomenclatura, gride de coordenadas e projeção cartográfica, convenções, etc;

Sobrepor traçados de projetos de engenharia;

Preparar dados para gravação e arquivamento;

Preparar dados para impressão; Etc.

FONTES E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, J. B. D. Fotogrametria. Curitiba: SBEE, 1998. 258 p.

FITZ, P. R. Cartografia Básica. 2ªed. Canoas: Centro Universitário La Salle, 2005. 219 p.

FLORENZANO, T. G. Imagens de Satélite para Estudos Ambientais. São Paulo: Oficina de Textos, 2002. 97 p.

JOLY, F. La Cartographie. Paris: PUF, 1976. 276 p.

ROCHA, C. H. B. Geoprocessamento: tecnologia transdisciplinar. Juiz de Fora: s.n., 2000.

WOLF, P. R. Elements of Photogrametry with Air Photo Interpretation and Romote Sensing. 2ªed. Singapore:

McGraw-Hill Book Company, 1983.

www.esri.com

www.ig.com.br