Você está na página 1de 15

Materiais Compósitos

1. INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS


COMPÓSITOS

1.1 Introdução
1.2 Exemplos de compósitos
1.3 Definição
1.4 Classificação
1.5 Caracterização das fases
1.6 Processos de fabricação de compósitos
1.7 Comportamento mecânico de materiais compósitos
1.8 Aplicações
1.Introdução aos materiais compósitos
1.1 Introdução
Antigamente:

Antigos usavam feixes palha em tijolos para aumentar a


integridade estrutural.

Artesãos usavam a tecnologia de compósito na moldagem de seus


trabalhos, utilizando papéis em camadas e diferentes tamanhos
para dar a forma final

1.Introdução aos materiais compósitos


1.1 Introdução
Atualmente:

Tecnologias avançadas requerem materiais com propriedades


ímpares e performance em uso que não são alcançadas por
constituintes individuais (metais, cerâmicos, ou polímeros)

Combinação de materiais: a nível químico


estrutural

produzindo uma nova classe de produtos para engenharia

MATERIAIS COMPÓSITOS
1.Introdução aos materiais compósitos
1.1 Introdução

Por que a necessidade?

- materiais com propriedades não usuais


- aplicações especiais: aeroespaciais, de transporte
- materiais resistentes, normalmente são densos

O que o engenheiro faz?

Combinar propriedades através das fases que constituem o


compósito.

1.Introdução aos materiais compósitos


1.2 Exemplos de compósitos
Materiais compósitos conhecidos:

Aço perlítico: ferrita (mole e dúctil) Combinação: razoável


cementita (frágil) alta ductilidade e
resistência
1.Introdução aos materiais compósitos
1.2 Exemplos de compósitos
Materiais compósitos conhecidos:

Concreto: cimento (mole e dúctil) Combinação: razoável


brita e areia (dureza) ductilidade e alta
resistência mecânica

1.Introdução aos materiais compósitos


1.2 Exemplos de compósitos
Materiais compósitos naturais:
Ossos: fibras de colágeno (pequenas e mole) compósito
matriz de mineral apatita Ca(PO4)2 de resistência
1.Introdução aos materiais compósitos
1.2 Exemplos de compósitos
Materiais compósitos naturais:
Madeira: fibras de celulose (duras) compósito
matriz de lignina (mole) de resistência
natural

1.Introdução aos materiais compósitos


1.2 Exemplos de compósitos
Materiais compósitos fabricados:
Fibra de vidro: fibras de vidro (rigidez) compósito
matriz epoxi (mole) alta
resistência
1.Introdução aos materiais compósitos
1.3 Definição

Microestrutural materiais compostos de duas ou mais


fases diferentes

Macroestrutural sistema de materiais compostos de


dois ou mais constituintes com
diferentes formas estruturais (matrizes,
partículas, fibras)
Definição geral deve satisfazer as condições:
1. Possibilidade de ser manufaturado
2. Formado por duas ou mais espécies: - física e/ou
quimicamente distintas
- distribuídas adequadamente
- com interface de separação
3. Apresentar características que não dependem de um único constituinte

1.Introdução aos materiais compósitos


1.3 Definição
Por que produzir materiais compósitos
Satisfazer propriedades: Tecnologia + ciência → novos materiais

- rigidez
- tenacidade
- resistência
- T elevadas
- baixa densidade
- resistência à corrosão

União de dois ou mais materiais para formar uma


combinação de propriedades

MATRIZ +FASES DISPERSAS


1.Introdução aos materiais compósitos
1.4 Classificação
MATERIAIS PARA ENGENHARIA

Carbetos Silicones
METÁLICOS CERÂMICOS POLIMÉRICOS
Boretos
Nitretos
Silicetos
Compósito
Cerâmico/metal Compósito
METAL
Metal/polímero

Compósito Cerâmico/
metal/polímero
CERÂMICO POLÍMERO

Compósito
Cerâmico/polímero

1.Introdução aos materiais compósitos


1.4 Classificação quanto aos materiais componentes
Compósitos polímero/cerâmica
• Fibra de vidro + resina de poliéster, Kevlar, Nonex, polímero + fibras ou wiskes de β-
SiC, fibras de carbono, Si3N4

Compósitos metal/cerâmica
• carbeto cimentado = partículas extremamente duras de carbeto refratário WC, TiC embebidas em
uma matriz como Co ou Ni, matriz metálica + partículas cerâmicas (carbetos, nitretos, óxidos,
boretos) ou fibras e wiskers cerâmicos (Si3N4, β-SiC, fibras de carbono, etc.). Ni + ThO2, Fe +
NbC, Al + SiC, WC + Co, WC + Ag, WC + Ni,...

Compósitos metal/polímero
• matriz polimérica + Fibras metálicas (W, Mo, Fe, Aço, etc.)

Compósitos metal - metal → W + metal ligante, Ag - W


Compósitos cerâmica - cerâmica → Al2O3 + ZrO2
Compósitos polímero - polímero → polímero + fibras de Nylon
1.Introdução aos materiais compósitos
1.4 Classificação

Combinação: matriz + fibras Deseja-se dar forma ao


produto com alta
performance, segundo
gera
diferentes combinações:

compósito com diferentes


estruturas e propriedades Reforço Configuração
Matriz do compósito
Whiskers
depende Metal Fibras Laminado
Polímero Arames Estrutural
Cerâmico Flocos Particulado
processamento utilizado e Partículas Fibroso
da forma final do produto

1.Introdução aos materiais compósitos


1.4 Classificação
Constituição dos materiais compósitos

Matriz fase contínua


Fase dispersa

Classificação dos materiais compósitos, segundo sua fase dispersa:

PARTICULADO REFORÇADO ESTRUTURAL


POR FIBRAS LAMINADO
1.Introdução aos materiais compósitos
1.4 Classificação
Constituição dos materiais compósitos
Propriedades função das fases constituintes:
- quantidades relativas
- geometria da fase dispersa

Concentração Tamanho Forma

Distribuição Orientação

1.Introdução aos materiais compósitos


1.4 Classificação
Fluxograma geral
COMPÓSITO

Reforçamento Reforçamento Estrutural


por partículas por fibras

Partículas Alinhamento Descontínuo Painéis


Dispersão Laminados
grandes Contínuo c/ fibras sandwich

Alinhados Randômica
1.Introdução aos materiais compósitos
1.5 Caracterização das fases
Fase Matriz
- Pode ser um metal, um polímero ou um cerâmico
- Metais e polímeros ductilidade desejável
- Cerâmicos necessita de reforço para melhorar a tenacidade à fratura

• Funções da fase matriz


¾Se interliga a fase dispersa e atua como meio pelo qual a tensão
externa aplicada é transmitida e distribuída somente uma pequena
porção de carga aplicada é sustentada pela fase matriz
¾Proteger fibras individuais de danos na superfície, resultantes de uma
abrasão química ou mecânica com o meio
¾Separa constituintes da fase dispersa maciez e plasticidade
previne propagação de trincas
frágeis na fase dispersa

1.Introdução aos materiais compósitos


1.5 Caracterização das fases
Fase Matriz
Escolha dos materiais

Fator essencial força de ligação entre a matriz e a fase dispersa

Por quê?

Resistência mecânica final do compósito depende do grau e da


magnitude desta ligação
Forças de ligação intensas - minimizam o efeito do
arrancamento da fase dispersa
- maximizam a transferência da
tensão aplicada da fase matriz
para a dispersa
1.Introdução aos materiais compósitos
1.5 Caracterização das fases
Fase Dispersa
Materiais frágeis
Normalmente encontra-se na forma de fibras
compósitos fibra + matriz alta RM e tenacidade

Principal função um pequeno diâmetro da fibra é mais


resistente que o material volumoso,
pois a probabilidade da presença de
reforçar materiais
uma superfície crítica de falha que
pode carregar a fratura é menor
Requisitos
propriedades superiores a da fase matriz

- elevado E
- elevada RM

1.Introdução aos materiais compósitos


1.6 Processos de Fabricação de Compósitos

O tipo de processamento depende: matriz


forma da fase dispersa

Compósitos de matriz orgânica: geralmente são laminados, extrudados ou moldados


por compressão, dependendo das requisições de
projeto e custo efetivo

Compósitos de matriz metálica: geralmente são laminados, fundidos, rolled ou


extrudados

Compósitos de fibras curtas e descontínuas: moldagem combinada, moldagem


rotacional, moldagem por injeção,
ou fundição centrífuga
1.Introdução aos materiais compósitos
1.6 Processos de Fabricação de Compósitos

Processamentos típicos:

- Metalurgia do pó - Moldagem rotacional


- Método de Pressão e roll bonding - Pultrusão
- Infiltração líquida - Moldagem por injeção
- Coextrusão - Fundição centrífuga
- Técnicas de placas (eletrodeposição) e aspersão - Moldagem de lâminas
- Solidificação controlada
- Hand lay-up
- Spray-up
- Filament winding
- Vaccum Bagging (bolsa de vácuo)
- Moldagem de metal em matriz

1.Introdução aos materiais compósitos


1.7 Comportamento mecânico de materiais compósitos
Qual a resposta de um material compósito devido a aplicação de uma
carga?

Macroscopicamente, pode ser:


- Homogêneo e isotrópico
- Homogêneo e anisotrópico
- Não-homogêneo e isotrópico
- Não-homogêneo e anisotrópico

Corpo homogêneo: as propriedades são uniformes através do corpo e no qual as


propriedades não são funcionalmente dependentes sobre a posição dependente
dentro do corpo.
Corpo isotrópico: aquele em que iguais propriedades do material são encontradas em
qualquer direção e qualquer ponto dentro do material
1.Introdução aos materiais compósitos
1.7 Comportamento mecânico de materiais compósitos

Materiais compósitos heterogêneos e complexos para descrever seu


comportamento

Por sua própria natureza, um material compósito é altamente


anisotrópico e como conseqüência, a organização, fração volumétrica e
distribuição das fibras, bem como a orientação do carregamento
possuem significativa influência nas propriedades do compósito,
principalmente na resistência mecânica. A melhor combinação de
propriedades é obtida quando a distribuição de fibras é uniforme.

1.Introdução aos materiais compósitos


1.8 Aplicações
Materiais compósitos aplicações nobres

automobilística
aeronáutica estrutural
térmica
militar
INDÚSTRIAS transportes
mísseis
elétrica e eletrônica
marinha
esportiva
2. Compósitos reforçados por partículas
2.2 Compósitos de partículas grandes
Compósitos particulados reais:
Concreto

⇒ Compósito de partículas grandes: matriz e particulados são cerâmicos

⇒ Concreto ≠ cimento
compósito: agregado de partículas circundadas e amarradas
em um corpo sólido por ligações com um cimento.

⇒ Tipos de concreto: cimento portland + agregados


cimento asfáltico brita e areia

⇒ Liga do cimento composta por ≠ proporções de: 3CaO.Al2O3,


2CaO.SiO2,
quanto mais fino mais reativo 3CaO.SiO2
outros minerais

2. Compósitos reforçados por partículas


2.2 Compósitos de partículas grandes
Compósitos particulados reais:
Concreto

Concreto de cimento portland


⇒ Constituintes: cimento portalnd + agergado fino (areia) + agregado
grosseiro (cascalho) + água
⇒ Denso empacotamento dos agregados e boa interface de contato:
consegue-se com partículas de dois diferentes tamanhos
partículas finas preenchem espaços vazios entre partículas grosseiras
agregados compreendem 60 a 80% do volume total
⇒ Cimentação completa: relação cimento/água suficiente para recobrir todas
as partículas
pouca água incompleta ligação
↑porosidade
↓resistência final
2. Compósitos reforçados por partículas
2.2 Compósitos de partículas grandes
Compósitos particulados reais:
Concreto

Concreto de cimento portland


⇒ Características do concreto de cimento portland:
- endurece a temperatura ambiente;
- apresenta suas características mesmo quando em água;
- é extremamente frágil e fraco (cerâmico);
- resistência à tração é 10 a 15 vezes menor que a compressão;
- grandes estruturas, devido a variação térmica, pode ocorrer
expansão e contração consideráveis;
- porosidade: água penetra nos poros, pode ocorrer trincamnto pelo
congelamento/descongelamento

Melhora das propriedades colocar aditivos apropriados no concreto

2. Compósitos reforçados por partículas


2.2 Compósitos de partículas grandes
Compósitos particulados reais:
Concreto
Concreto reforçado
⇒ Reforço - inclusão de tirantes, arames, barras ou rede de aço dentro
do concreto não curado
- torna a estrutura dura e capaz de suportar tensões de
tração, compressão e cisalhamento
- pode desenvolver trincas, mas o reforço é mantido.
⇒ Aço serve como reforço: α ≅ concreto,
não é rapidamente corroído pelo cimento,
forma ligação forte com o concreto na cura
perfis aumentam a adesão aço/concreto
⇒ Reforço com fibras de elevado E: vidro, nylon, aço, polietileno
problema: deterioração no meio
⇒ Concreto protendido: tensão compressiva é introduzida no concreto