Você está na página 1de 3

COMUNIDADES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM E O ENSINO DA HISTÓRIA – A INTERNET E A DIDÁCTICA DA HISTÓRIA

CFECOeiras 09

Guia do Trabalho Prático e Reflexivo


Este documento tem como objectivo dar algumas linhas de orientação para o
desenvolvimento de trabalhos escritos, no âmbito da acção de formação: COMUNIDADES
VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM E O ENSINO DA HISTÓRIA – A INTERNET E A DIDÁCTICA DA
HISTÓRIA.
As linhas de orientação não visam criar regras de trabalho fixas, são antes linhas de rumo
para a articulação entre os trabalhos práticos realizados em sessão e a promoção de um
desenvolvimento mais teórico e reflexivo sobre as aprendizagens, problemáticas e mobilização de
competências demonstradas nos diferentes contextos de actuação por forma a promover uma
reflexão passível de ser analisada com vista à avaliação global individual e colectiva dos
formandos.
Este documento, deve pois, ser entendido como um ponto de partida para a organização de
conteúdos e apresentação dos mesmos, quer para realização de trabalhos individuais, quer para
trabalhos realizados em grupos de actividades colaborativas.

Apresentação e Reflexão Inicial


Esta fase de implementação da mobilização de competências é realizada em sala, com o
apoio do formador. É essencialmente realizada em cada um dos temas de forma a realizar uma
introdução mais teórica e de contexto e que permitirá aos formandos enquadrarem a sua
experiência, conhecimentos, capacidades e aptidões de forma a criarem propostas de trabalho
individuais e/ou colectivas que possam ser implementadas e realizadas no decurso do processo
formativo. As actividades serão realizadas num contexto de brainstorming com o apoio de suportes
de aprendizagem (Slides, Vídeos, Textos e outros…) e sempre que necessário serão solicitadas
algumas leituras ou pesquisas de enquadramento temático. Uma vez que o trabalho a realizar
exige uma intervenção prática de construção de uma comunidade virtual de aprendizagem ou
planeamento de realização em contexto de sala, acresce a este trabalho teórico a necessária
reflexão de modelos e formas de implementação prática das actividades a realizar em função dos
objectivos desta acção de formação.

Planificação e Modelo
Nesta fase, quer seja um trabalho individual, quer seja um trabalho de grupo, os formandos
deverão eleger as temáticas a abordar, tecnologias/recursos a serem utilizadas e realizar uma
planificação preliminar (caso seja individual, encontrar as ideias estruturantes da reflexão; caso
seja em grupo, para além deste ponto, incluir a definição da organização social do trabalho de
grupo, isto é, definição dos papeis de cada membro na realização do trabalho).
Nesta fase serão ainda realizados alguns conjuntos de pesquisas e trabalho de organização
temática com o acompanhamento do formador.

Guião Prático para a Acção de Formação – CVAH09 1


COMUNIDADES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM E O ENSINO DA HISTÓRIA – A INTERNET E A DIDÁCTICA DA HISTÓRIA
CFECOeiras 09

Desenvolvimento e Monitorização
Após a consolidação das fases anteriores, os formandos iniciam individualmente ou em
grupos, o trabalho de realização das actividades, recurso, instrumento ou produto que se tenham
proposto realizar. O desenvolvimento das actividades é feito em contexto de sala e pode ser
realizado por transposição directa de actividades profissionais fora deste contexto. Aqui, as
ferramentas de comunicação síncrona e assíncrona (e-mail, página de apoio -
http://cvah09.ning.com) funcionam também como espaço de troca de dados, informações e
esclarecimento de dúvidas, para além das actividades de monitorização e apoio realizadas pelo
formador em contexto formal de sala.
Os formandos devem utilizar as ferramentas de comunicação com o formador para irem
dando algumas informações formais sobre as actividades desenvolvidas casos estas impliquem
actividades para além do contexto de sala. Estas informações são dadas por meio dos espaços
dedicados aos Grupos (na plataforma de apoio ao curso) ou por e-mail directamente para o
formador. Preferencialmente deve sempre ser utilizada a plataforma pois esta é uma forma de
partilhar dúvidas e práticas que beneficia todos.

Acompanhamento e Competências
Ao longo do desenvolvimento do trabalho, os formandos serão sempre acompanhados pelo
formador. Este acompanhamento revestir-se-á, muitas vezes, de apoio técnico, recomendações de
leituras, articulação de conhecimentos, reflexões conjuntas e trabalho colaborativo. Este
acompanhamento será realizado em sala, assim como, através das ferramentas de comunicação
disponíveis, quer síncronas quer assíncronas (neste caso no espaço de 24 horas).

O formador pode ser contacto via:


E-mail: olgacacao@gmail.com
Messenger: olgacacao@hotmail.com
Endereço da Plataforma: http://cvah09.ning.com/

E-mail: joecalima@gmail.com
Messenger: jo_eca@hotmail.com
Endereço da Plataforma: http://cvah09.ning.com/

Guião Prático para a Acção de Formação – CVAH09 2


COMUNIDADES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM E O ENSINO DA HISTÓRIA – A INTERNET E A DIDÁCTICA DA HISTÓRIA
CFECOeiras 09

Apresentação Final
Para que o formador possa proceder a uma análise global das actividades realizadas para
além do acompanhamento realizado em sala, os formandos deverão criar um documento de registo
reflexivo dessas mesmas actividades e de práticas metodológicas de um ponto de vista mais
teórico. Quando o trabalho for realizado a nível individual, este documento final é individual.
Quando o trabalho realizado for de grupo o documento é realizado pelo grupo devendo conter uma
componente de análise reflexiva individual de cada um dos seus elementos.

Este trabalho final terá o seguinte modelo:


- Índice
- Introdução (máximo 1 página) – concepção, reflexões de escolha,
desenvolvimento, ferramentas, opções tomadas, etc.
- Actividades desenvolvidas (máximo 8 páginas sem contar com imagens, gráficos
e esquemas)
a. Descrição
b. Finalidade e objectivos
c. Etapas, Metodologia e resultados
d. Pontos fortes e ponto fracos
- Análise auto-reflexiva e crítica (máximo 1 página/ 1 página por elemento do
grupo)
a. Análise pessoal de competências utilizadas/adquiridas (Se em trabalho de grupo
deve ser registada a reflexão individual de cada um dos elementos desse mesmo
grupo.)
- Conclusões (máximo 1 página)
- Anexos
Por último, quer o trabalho seja realizado individualmente, quer o seja em grupo, existirá uma
pequena apresentação ao grupo de formandos com a duração máxima de 10 minutos que depois
será comentada por todos, incluindo o formador.

Análise final de observação competências.


A análise final será realizada por via da avaliação inter-pares e auto e hetero avaliação.
As conclusões serão partilhadas num blog público a realizar no final da acção de formação onde
serão colocadas fotografias, resultados de análise do trabalho e partilha de práticas para alargar a
reflexão obtida pela experiência vivida por todos à comunidade educativa interessada na temática
da acção de formação.

João Lima | Olga Cação | 09 | CVAH09

Guião Prático para a Acção de Formação – CVAH09 3