T R IB

U

PODER JUDICIÁRIO

IÇ A

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA
R S

MEH
Nº 70046758736
2011/CRIME
APELAÇÃO CRIME. TRÁFICO DE DROGAS.
REFORMA DA DECISÃO A QUO QUE REJEITOU A
DENÚNCIA POR AUSÊNCIA DE JUSTA CAUSA,
DIANTE DA INVALIDADE DO LAUDO PERICIAL
PROVISÓRIO DE CONSTATAÇÃO DA NATUREZA
DA SUBSTÂNCIA. INTELIGÊNCIA DO ART. 50, § 1º
DA LEI Nº 11.343/06.
DERAM PROVIMENTO AO APELO DO MINISTÉRIO
PÚBLICO.

APELAÇÃO CRIME

PRIMEIRA CÂMARA CRIMINAL

Nº 70046758736

COMARCA DE PORTO ALEGRE

MINISTERIO PUBLICO
EVERTON
BARBOSA

VINICIUS

APELANTE
DA

SILVA

APELADO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.
Acordam os Desembargadores integrantes da Primeira Câmara
Criminal do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em dar
provimento ao apelo do Ministério Público para receber a denúncia
determinando o prosseguimento do feito.
Custas na forma da lei.
Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes
Senhores DES. MARCO ANTÔNIO RIBEIRO DE OLIVEIRA (PRESIDENTE
E REVISOR) E DES. MANUEL JOSÉ MARTINEZ LUCAS.
Porto Alegre, 30 de maio de 2012.

1

ST

L D E JU
NA

Vila Nova. já embalados e com pesos semelhantes – sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar. caput da Lei nº 11. Bairro Restinga. ainda que gratuitamente. por volta das 19h45min. notíciascrime de que. n via pública. decidiu o magistrado pela rejeição da denúncia por ausência de justa diante da invalidade do laudo pericial provisório de constatação da natureza da substância. razão pela qual o prendera em flagrante. drogas – vinte e quatro porções de maconha pesando aproximadamente 25. 90/92. após receberem. Narra a denúncia que: “No dia 09 de maio de 2011. 2 ST L D E JU NA . na Alameda N. Agentes policiais. Everton Vinícius da Silva Barbosa. MARCEL ESQUIVEL HOPPE. por diversos dias. no local dos fatos. Restinga. na oportunidade. e trazia consigo. nº 903. RELATÓRIO DES. ocorria o crime de tráfico de entorpecentes. trazia consigo e entregava a consumo. no interior de sua mochila.60 (vinte e cinco gramas e sessenta centigramas). 33. nesta Capital.T R IB U PODER JUDICIÁRIO IÇ A ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL DE JUSTIÇA R S MEH Nº 70046758736 2011/CRIME DES.” Às fls. apreendidos. os demais entorpecentes. o Ministério Público denunciou Everton Vinicius da Silva Barbosa por incurso nas sanções do art. abordaram o denunciado. MARCEL ESQUIVEL HOPPE (RELATOR) Na Comarca de Porto Alegre.343/06. Relator. o qual estava fornecendo gratuitamente drogas para consumo a Petersen Pereira da Rosa.

da Relatoria do Colega Des. Não há que se decretar a nulidade do laudo de constatação preliminar da natureza da substância apreendida. 94). Ao final. decidido pelo recebimento da denúncia.T R IB U PODER JUDICIÁRIO IÇ A ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL DE JUSTIÇA R S MEH Nº 70046758736 2011/CRIME Inconformado apelou o Ministério Público (fl. Manuel José Martinez Lucas. 61/63) evidentemente deve ser reformada. MARCEL ESQUIVEL HOPPE (RELATOR) Recentemente. Nas razões. já que qualquer discussão em relação àquele laudo provisório perde interesse ante a 3 ST L D E JU NA . § 1º da Lei nº 11. esta Primeira Câmara Criminal julgou caso idêntico. É o relatório. no julgamento da apelação crime nº 70044848703. e que os pressupostos do art. requereu o recebimento da denúncia (fls. VOTOS DES. Esta Câmara adotou o procedimento informatizado. tendo sido atendido o disposto no artigo 613. inc. do CPP. 50. tendo. A Defesa contra-arrazoou o recurso (fls. Sérgio Guimarães Britto é pelo provimento do apelo ministerial. I. Citou precedentes do TJ e do STL. Sustenta que o fato do perito ser policial civil em nada macula a idoneidade do laudo. 112/129). Afirma que segundo a regra do art.343/06 prevê que para estabelecer a materialidade é suficiente o laudo de constatação da natureza e quantidade da droga. à unanimidade. 159 do CPP são aplicáveis á instrução criminal. 103/107). Nesta instância. alega que estão presentes os requisitos necessários ao oferecimento da denúncia nos termos do art. o parecer do Procurador de Justiça. Subiram os autos. 41 do CPP. em voto proferido nos seguintes termos: “A decisão que rejeitou a denúncia (fls.

igualmente na espécie já há laudo definitivo à fl. para receber a denúncia. é suficiente o laudo de constatação da natureza e quantidade da droga. DES. 26.T R IB U PODER JUDICIÁRIO IÇ A ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL DE JUSTIÇA R S MEH Nº 70046758736 2011/CRIME existência de laudo pericial definitivo dando conta de que a droga apreendida é substância entorpecente de uso proscrito no Brasil (fl. MANUEL JOSÉ MARTINEZ LUCAS . determinando o prosseguimento do feito em seus ulteriores termos.De acordo com o(a) Relator(a). 50 da Lei nº 11. MARCO ANTÔNIO RIBEIRO DE OLIVEIRA .” Ademais. Comarca de Porto Alegre: "DERAM PROVIMENTO 1 “Para efeito da lavratura do auto de prisão em flagrante e estabelecimento da materialidade do delito. firmado por perito oficial ou. Ademais. 25).343/061. nos termos do § 1º do art. no qual foi confirmada a presença de canabinoides.Presidente . DES. Daí por que dou provimento ao apelo do Ministério Público para receber a denúncia determinando o prosseguimento do feito. o qual é peça informativa apta ao oferecimento da exordial acusatória. na falta deste.De acordo com o(a) Relator(a). a denúncia foi oferecida com base em laudo de constatação da natureza da substância (fl. realizado pelo Instituto Geral de Perícias. esse realizado regularmente por peritos oficiais do Instituto Geral de Perícias e devidamente identificado com a ocorrência nº 1011/2010 – guia de remessa de fl. Em face do exposto. por pessoa idônea.Apelação Crime nº 70046758736. 97.” 4 ST L D E JU NA . pelo que a denúncia igualmente não se mostra nula. MARCO ANTÔNIO RIBEIRO DE OLIVEIRA (PRESIDENTE E REVISOR) . DES. DOU PROVIMENTO ao apelo. 31).

T R IB U PODER JUDICIÁRIO IÇ A ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TRIBUNAL DE JUSTIÇA R S MEH Nº 70046758736 2011/CRIME AO APELO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA RECEBER A DENÚNCIA DETERMINANDO O PROSSEGUIMENTO DO FEITO. UNÂNIME." Julgador(a) de 1º Grau: MAURO CAUM GONCALVES 5 ST L D E JU NA .