Você está na página 1de 104

PROGRAMA CERTIFICAÇÃO

INTERNA DE CONHECIMENTOS

BANCO DO BRASIL

2009

RESPOSTAS AOS RECURSOS


PROGRAMA DE
CERTIFICAÇÃO INTERNA DE
CONHECIMENTOS
E
CERTIFICAÇÃO EM
CONHECIMENTOS JURÍDICOS

2
AGRONEGÓCIOS

3
QUESTÃO 2

Análise de recurso e justificativa da resposta.

A opção que classifica o “financiamento para plantio de cana-de-açúcar” como


uma operação de CUSTEIO é incorreta justamente pelo referido quesito, pois a
finalidade do crédito é considerada como Operação de Investimento. Esta
definição tem amparo nos seguintes normativos:

LIC – 400.5.2.300, item 24:


“24. Cana-de-Açúcar: conceitua-se como custeio agrícola o financiamento das
despesas de soca e ressoca, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os
replantios parciais.”

LIC – 400.6.2.548, item 40:


“40. ITENS FINANCIÁVEIS - bens e serviços necessários ao empreendimento,
de acordo com a proposta, plano simples ou projeto técnico, tais como:
a) fundação ou ampliação de lavouras de cana, compreendendo os gastos
necessários até a primeira safra (cana-planta);
b) renovação de lavouras de cana em áreas antes ocupadas por canaviais
com ciclo produtivo esgotado (cana-planta, soca e ressoca), compreendendo
todos os gastos necessários até a primeira safra;
c) despesas de custeio associado ao investimento, até 30% do valor do
investimento proposto.”

MCR – 3-2-3:
“3 - Conceitua-se como: (Res 3.240; Res 3.296 art 1º II a)
a) de custeio agrícola, o financiamento de despesas de soca e ressoca de
cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios
parciais; (Res 3.240)”
b) ......

MCR – 3-3-9:
“9 - Conceitua-se como de investimento o crédito destinado a: (Res 3.137)
a) fundação ou ampliação de lavouras de cana, compreendendo os
trabalhos preliminares, o plantio e os tratos subseqüentes até a primeira safra
(cana-planta); (Res 3.137)
b) renovação de lavouras de cana em áreas antes ocupadas por canaviais
com ciclo produtivo esgotado (cana-planta, soca e ressoca), compreendendo
todos os gastos necessários até a primeira safra, de acordo com a alínea
anterior. (Res 3.137)”

Do exposto, fica claro que o ”financiamento para plantio de cana-de-açúcar”


não se caracteriza como Operação de custeio e, sim, como Operação de
Investimento.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

4
QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa da resposta.

O objetivo da questão é que o candidato demonstre conhecimento a respeito


da existência da possibilidade de se realizar operações de crédito rural, SEM a
necessidade de serem observados os tetos estabelecidos no MCR e no LIC.
Tal possibilidade existe e está amparada nos seguintes normativos:

LIC – 400.5.2.527, item 16-b:


“b) extra-teto: é admitida a contratação de operações com recursos
obrigatórios do MCR 6-2 de valor superior aos tetos estabelecidos para
recursos controlados, itens 07 a 09, mediante autorização da Diretoria de
Agronegócios;

MCR 6-2-8-b
“8 - Até 7% (sete por cento) do total dos recursos da exigibilidade, acrescido
e/ou deduzido, conforme o caso, do valor do saldo médio diário dos recursos
recebidos ou repassados mediante DIR-Geral, podem ser aplicados, isolada ou
cumulativamente, em: (Res 3.556; Res 3.564 art 1o III)
a) ................
b) créditos destinados a operações de custeio, independentemente do valor
por tomador/produto estabelecido na seção 3-2, vedada a aplicação dos
referidos recursos em créditos de custeio de beneficiamento ou de
industrialização. (Res 3.556; Res 3.564 art 1o III)”

Resultado de análise dos recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa da resposta.

Os autores dos recursos argumentam que o enunciado da questão, ao


ponderar “...apenas o teto para utilização de recursos controlados...” não
poderia admitir o incremento de 15% no referido teto, pois, neste caso, este
estaria ultrapassado.

Mesmo com a aplicação do percentual de 15%, ou mesmo de 30%, como está


previsto em determinadas situações, sobre os tetos padrões estabelecidos, o
novo valor obtido passa a ser o novo teto para as operações que cumpram as
condições para que haja elevação de teto.
Operações nessas condições não são consideradas operações “extra-teto”,
pois o teto, nesses casos, passam a incorporar o percentual de incremento
admitido nas instruções. A questão está fundamentada nos seguintes
normativos:

LIC – 400.5.2.527, item 8-b:

5
“08. Os tetos previstos no item anterior podem ser elevados em até 15%, nas
situações abaixo, limitado a 30% por beneficiário:
a) ........
b) quando o produtor conjugar o financiamento do custeio com seguro
agrícola, exceto Proagro;
....”

MCR – 3-2-6-a-III:
“6 - Os limites estabelecidos no item anterior ficam elevados: (Res 3.296 art 1o I
a,b; Res 3.369 art 1o VI; Res 3.476 art 1o IV; Res 3.590 art 1o)
a) em até 15% (quinze por cento) para os créditos de custeio, destinados a:
(Res 3.296 art 1o I a; Res 3.369 art 1o VI; Res 3.590 art 1o)
I - ......;
II - .........;
III - produtor que tome crédito conjugado com a contratação de seguro
agrícola ou com mecanismo de proteção de preço baseado em contratos
futuros ou de opções agropecuários; (Res 3.369 art 1o VI);
..........”

Resultado da análise dos recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa da resposta.

O rebate na renda bruta do produtor rural pode chegar a até 90%, a depender
da atividade econômica desenvolvida. O LIC 400.1.2.501, item 6, contempla a
referida condição:
“06. Para efeito de enquadramento no Pronaf, as rendas abaixo são rebatidas
(já constam na DAP com os respectivos rebates) em:
a) 50%, a renda bruta proveniente das seguintes atividades intensivas em
capital: ovinocaprinocultura, piscicultura, sericicultura, fruticultura, café e cana-
de-açúcar;
b) 70%, a renda bruta proveniente das atividades de turismo rural,
agroindústrias familiares, olericultura, floricultura, pecuária leiteira, avicultura
não integrada e suinocultura não integrada;
c) 90%, a renda bruta proveniente das atividades avicultura e suinocultura
integrada ou em parceria com a agroindústria.”

A questão não tratou, em nenhum momento, da PGPM (Política de Garantia de


Preços Mínimos).

No que se refere à aplicação do PGPAF, esse Programa realmente se aplica


em operações de custeio de algumas culturas (lavouras), porém também se
aplica a operações de investimento. Assim, a alternativa na qual consta que “o
PGPAF aplica-se somente em operações de custeio de culturas (lavouras)…”
está incorreta.

6
O LIC – 400.1.2.501, item 40 normatiza a respeito do assunto:
“40. PGPAF - Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar: os
financiamentos de custeio e investimento (principal produto gerador de renda)
de algodão em caroço, alho, amendoim, arroz, borracha natural, café, caprinos
e ovinos, cará, castanha de caju, castanha do brasil, cebola, cera de carnaúba,
feijão, girassol, inhame, juta, leite, malva, mamona, mandioca, milho, pimenta
do reino, pó cerífero de carnaúba, sisal, soja, sorgo, tomate, trigo e triticale, são
abrangidos pelo bônus PGPAF, observadas as condições constantes no
Doc#7277. O bônus PGPAF possibilita a concessão de desconto sobre o saldo
devedor amortizado ou liquidado até o vencimento, em função do preço de
garantia e de mercado/comercialização do produto:
a) os preços de garantia para cada produto e região do PGPAF para o ano
agrícola 2006/2007, 2007/2008 e 2008/2009, constam no Doc#7331;
b) os percentuais de desconto referentes ao período vigente, que inicia no
dia 10 de cada mês e termina no dia 9 do mês subseqüente, constam no
Doc#7332;
c) operações de investimento, somente faz jus ao bônus PGPAF as
contratadas a partir de 01.07.2008. Caso o principal produto gerador de renda
do empreendimento financiado não esteja contemplado no PGPAF, o bônus
será apurado com base em metodologia de cálculo envolvendo os produtos
feijão, leite, mandioca e milho.”

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa da resposta.

Os questionamentos referem-se à redação da alternativa “incentivar a


utilização do Convênio BB Agro Risco Conveniado a associado à utilização do
seguro agrícola”.
Houve erro na elaboração ou na impressão da alternativa que deveria ser:
“incentivar a utilização do Convênio BB Agro Risco Conveniada associado à
utilização do seguro agrícola”.
A expressão BB Agro Risco Conveniada refere-se a nome de produto do
Banco, portanto deve ter a grafia original preservada.
De fato, a alternativa acima, na forma como impressa na prova, também estaria
incorreta, ficando, então 2 alternativas possíveis de serem assinaladas. Sendo
assim, a questão deve ser ANULADA.

Resultado de análise dos recursos: Questão anulada.

QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa da resposta.

7
Conforme conteúdo apresentado no Curso Crédito Rural – Agricultura de
Mercado – Caderno do Participante, da Universidade Corporativa Banco do
Brasil título: Conceito e importância do agronegócio (pág. 9), a cadeia produtiva
do agronegócio é tecnicamente representada pelos seguintes setores:
Insumos, Produção Agropecuária, Indústria, Distribuição e Serviços de apoio.
Para cada setor são apresentados seus respectivos agentes. Os agentes
rações, colheitadeiras, tratores e motores são apresentados como pertencentes
ao setor Insumos. Os agentes pequena indústria rural, extração vegetal e
produção animal fazem parte do setor produção agropecuária. Sendo assim, as
justificativas apresentadas nos recursos não são válidas.

Resultado de análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recurso e justificativa da resposta.

O foco da questão está relacionado à análise da possibilidade de aplicação das


linhas de crédito ou fontes de recursos sem mix. A alternativa de financiamento
com mix de recursos não foi apresentada como opção de resposta na referida
questão. Sendo assim, o gabarito responde ao enunciado da questão.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recurso e justificativa da resposta.

A análise revela que a alternativa “Em set/08, as operações de custeio e


investimento destinadas ao financiamento de bens e serviços para a produção
agrícola e pecuária responderam por 62,8% da Carteira de Agronegócios,
enquanto que as operações de investimento, representaram 38,3% dessa
carteira.”, está incorreta.
Conforme relatório de análise do desempenho da carteira de crédito de
agronegócios, referente ao 3T08, deveria ser assim apresentada:
Em set/08, as operações de custeio e comercialização destinadas ao
financiamento de bens e serviços para a produção agrícola e pecuária
responderam por 62,8% da Carteira de Agronegócios, enquanto que as
operações de investimento, representaram 38,3% dessa carteira.
Dessa forma a questão apresenta realmente duas afirmativas incorretas, razão
pela qual deverá ser anulada.

Resultado de análise de recurso: Questão anulada.

8
COMÉRCIO EXTERIOR

9
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa da resposta.

As distâncias de mercados vendedores na importação constituem fator


importante nas escolhas de mercado pelos motivos elencados ao longo do
capítulo 1 da apostila, especialmente nos itens 1.1.3 em diante. Entre os
fatores que devem ser considerados estão as diferenças culturais e os custos
de transportes e outros agregados ao frete, além dos riscos pelo longo curso
de movimentação de cargas.
Ainda assim, a importação é uma ferramenta importante para o Estado, na
medida que constitui política de troca de interesses de mercado. Cada região
ou país possui domínio tecnológico ou recursos naturais diferentes que
possibilitam o fornecimento dos mesmos para desenvolvimento de parques
industriais e fabricação de produto de melhor qualidade.
Só é totalmente dispensável a importação quando um país possui pleno
potencial para desenvolver projetos sem auxílio de tecnologias ou recursos
naturais de outros países.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Conforme explicitado no item 2.4 da apostila, a proteção do capital nacional é


um alvo permanente do Estado, a fim de proteger seu parque industrial,
garantir mão-de-obra, etc. Os candidatos não se perguntaram o porquê de a
ABIMAQ "travar uma batalha com o BNDES" tentando impedir o estímulo ao
financiamento de bens de capital importados. Ela representa os interesses das
indústrias de bens de capital (máquinas e equipamentos) e entre essas funções
está a de conferir anuência aos processos de importação de bens de capital,
certificando-se de que não há similar nacional. Não cabe conceituar instituições
e nem elencar as funções dessas citadas na apostila, o que seria impossível.
ABIMAQ só aparece nesse item da apostila como exemplo de instituição que
fiscaliza a proteção do capital nacional. E como ela pode fazer isso se não for
parte integrante dos processos de importação como anuente? E como pode
anuir se não tiver as especificações técnicas do bem a ser importado para
realizar consulta a seus associados? As questões problematizam sobre os
conceitos expressos na apostila. Não foi perguntado qual é o papel da
ABIMAQ, mas qual dos itens responderia como caracterização de proteção do
capital nacional.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

10
QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão é referenciada na apostila: itens 2.6 a 2.6.1.


É inquestionável a configuração de protecionismo de mercado e os subsídios a
produtos agrícolas destinados à exportação. Mesmo que seja considerado um
tipo de dumping, é uma medida protecionista.
No Brasil não há tributação qualquer para bens destinados à exportação. Tal
medida visa a tornar os produtos exportáveis mais competitivos para qualquer
país exportador.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Referência da questão: apostila item 3.4.

O termo utilizado ("é considerado por muitos como um sub-ramo do Direito


Tributário") não afirma que "é" um sub-ramo do Direito Tributário. Porém,
também não afirma que "não" é considerado como sub-ramo do Direito
Tributário. Portanto, na a opção correta teve-se o cuidado de expressar que o
Direito Aduaneiro é "considerado" como sub-ramo do Direito Tributário, pois,
mesmo que não seja consenso, está perfeitamente em acordo com o item 3.4
da apostila.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A indicação de gabarito foi equivocada, pois a resposta que está textualmente


respondendo à questão, segundo o item 4.2.4 da apostila é:
“do comércio latino-americano, por meio da implantação de preferências
tarifárias e eliminação de restrições não tarifárias.”

Resultado da análise de recursos: Gabarito 1 – C


Gabarito 2 – C
Gabarito 3 – E
Gabarito 4 – C

11
QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Com relação aos questionamentos apresentados, tem-se que:

• invoice é o termo comum utilizado para a fatura comercial internacional e


objeto de obrigatória apresentação para o fechamento de câmbio e
comprovação da formação do VA-Valor Aduaneiro, não se entendendo o que é
Valor Aduaneiro sem saber o que é invoice;
• a composição de VA-Valor Aduaneiro encontra-se no Decreto
4.543/2002 citado fartamente no capítulo 8 da apostila;
• quando se fala em VA-Valor Aduaneiro, já estão implícitos os valores de
sua formação (CIF)-Cost, Insurance and Freight, conforme Decreto 4.543/2002;
• o VA não vem expresso na invoice (fatura comercial internacional). Ele é
a soma do valor da invoice, que contempla o custo da mercadoria + despesas
internas, inclusive "frete na origem" (como foi pedido na questão), somado ao
valor do frete, sem as despesas no destino (capatazia, deslocamento e
AFRRM) somado ao seguro de frete internacional;
• o frete na origem compõe uma das várias despesas na importação e que
configuram os INCOTERMS - Termo internacional de comércio que contém as
siglas e composições desses termos internacionais. Sem conhecê-los não
seria possível a análise de documentos para pagamentos de compras
internacionais (fechamento de câmbio);
• sabendo-se o que compõe o VA-Valor Aduaneiro, apenas uma resposta
poderia ser assinalada. O VA é composto conforme Decreto, referido no cap. 8
da apostila por CIF - Cost + Insurance + Freight. Cost (custo), é todo valor
expresso na Invoice (fatura comercial internacional), inclusive despesas de
frete interno até o transportador internacional.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recurso e justificativa de resposta.

O exportador ficou inseguro quanto ao pagamento do importador para ele.


Sendo uma empresa brasileira exportadora, o termo "pagamento" deve ser
interpretado do importador para o exportador, pois o contrário não seria
possível.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

12
Análise de recursos e justificativa de resposta.

A remessa sem saque seria a alternativa mais próxima da afirmativa correta,


porém o exportador não poderia lançar mão do dinheiro antes de embarcar a
mercadoria. Sendo assim, a operação possui menor liquidez.
As demais opções possuem alto custo bancário exportador.
A remessa antecipada não vincula o recebimento do valor referente à
transação ao envio das mercadorias, além de ser de baixo custo bancário,
apenas o que instituições financeiras em cada país cobram pela remessa
direta.
Os conceitos estão na apostila: tema 6, item 6.1.1. A questão foi construída
com base nos conceitos, para que os candidatos aplicassem seu aprendizado
em questões práticas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recurso e justificativa de resposta.

O tema 6, item 6.1.4.5 expressa que a Red Clause permite ao exportador


lançar mão de algum adiantamento para financiar a produção dos bens a
serem exportados. Na questão em voga, o exportador está no exterior, o que
não quer dizer que só seja possível lançar mão desse recurso para exportação.

De fato, a operação precisa de autorização prévia do BACEN, mas esse não é


o foco da questão. Partimos da premissa de que o Red Clause já estava
acordado entre as partes envolvidas. A problematização visa a envolver o
candidato numa situação concreta de negociação de Carta de Crédito,
identificando qual a função do Red Clause nessa negociação.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada com base no conteúdo da apostila. Problematizações


foram colocadas para que o candidato pudesse aplicar seus conhecimentos em
casos concretos. Sendo assim, independente da obrigação financeira em
moeda internacional que se tenha que saldar, seja frete, despesas pessoais,
compras internacionais, somente duas opções podem ser usadas como taxa de
conversão: PTAX e taxa oficial divulgada diariamente pelo Banco Central.
Qualquer outra forma de conversão é ilegal. Isto está fartamente divulgado nos
Decretos e artigos dos capítulos 5 e 7.

13
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A resposta à questão encontra-se no item 8.3.2.2 da apostila. O fato gerador


para qualquer produto importado possui caráter diferente do produto
industrializado nacional. Portanto, o fato gerador do produto importado de
qualquer natureza é a sua entrada no país de destino, após nacionalização
(desembaraço alfandegário).
A questão não coloca em sua problematização os regimes de exceção onde a
NCM indica uma alíquota "zero" para IPI. Esses casos são raros e não constam
do conteúdo da apostila.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referência o item 8.1.3 da apostila.


O Brasil não adota tributação na saída de mercadorias para exportação.
O Imposto de Renda não é uma competência tributária aduaneira.
Os conceitos da apostila foram problematizados em situação concreta da rotina
de comércio exterior, através da questão apresentada. Certos termos poderiam
não ser familiares, porém não atrapalham a aplicação do conhecimento
absorvido do conteúdo da apostila. Não é possível falar-se em comércio
exterior sem citar documentos comerciais e de cobrança, mesmo que essas
respostas não tenham sido pedidas nas opções apresentadas. Os termos não
familiares não comprometem a compreensão do que se pede e está expresso
na apostila. Não foi perguntado o que é uma invoice ou o que é uma proforma
invoice. A questão está focada exclusivamente no fato de o Brasil não adotar
uma política de tributação na saída de mercadorias destinadas à exportação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão menciona que a empresa brasileira recebeu uma encomenda,


portanto, irá iniciar as operações de exportação pensando em se beneficiar do
Drawback. A problematização da questão requer entendimento sobre os

14
benefícios do Regime Especial de Drawback, expostos na apostila, item
9.1.1.4. Exceto para as importações para fins de reposição de partes e peças
para a fabricação de bens, que já vêm sendo exportados sob regime de
Drawback, não é o caso da questão; toda importação de partes e peças para
compor bens a serem fabricados no Brasil com a finalidade de atender ao
mercado internacional, entram como SUSPENSÃO e só caracteriza-se a
ISENÇÃO após a exportação dos bens, mediante comprovação junto à
Alfândega de que as partes e peças importadas foram, de fato, utilizados na
fabricação daqueles bens.
Não há importação sob regime de Drawback apenas com SUSPENSÃO de
tributos, uma vez que são estipulados prazos para que cumpram sua finalidade
em território nacional. Ao ultrapassar esses prazos, são obrigados a recolher
tributos e nacionalizar as mercadorias. Há apenas nos casos de importação
temporária, em que ferramentas são importadas para determinados fins,
mediante apresentação à Alfândega de contrato de prestação de serviços, e
depois devolvidas aos países de origem.
O que diferencia as modalidades descritas no tema 9, item 9.1.1.4 referem-se
ao tratamento aduaneiro quanto ao controle de entrada de mercadorias, cujos
despachos serão feitos sem o recolhimento de tributos (I.I, IPI, ICMS, PIS,
COFINS) para que depois possam conceder a isenção no momento em que os
bens fabricados com as peças importadas logrem os objetivos apresentados.
Quando uma modalidade descrita na apostila diz que a importação poderá ser
feita em regime de Drawback exclusivamente com SUSPENSÃO, não quer
dizer que mais adiante ela não vá obter a formalização de ISENÇÃO pela
Alfândega. A SUSPENSÃO é apenas na entrada da mercadoria. Nos casos
especiais de ISENÇÃO e SUSPENSÃO citados no tema 9, são operações em
que ocorrem a SUSPENSÃO e ISENÇÃO quase simultaneamente, no
momento da entrada da mercadoria em território nacional. Normalmente são
destinadas à revenda para fabricação de produtos destinados à exportação por
terceiros ou para venda no próprio país de destino.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

No tema 9, item 9.3 da apostila, há uma explicação genérica sobre os


benefícios da utilização do Entreposto Aduaneiro. O item 9.4.5 aborda
claramente o que foi solicitado na Questão 20.
A questão menciona a intenção de uma empresa transnacional se instalar no
Brasil para servir de polo exportador para outros países da América Latina. A
problematização da questão quer considerar o entendimento das
especificidades do regime de entreposto mencionado. Ora, O Brasil não possui
fronteiras com países da A. Latina? Bolívia, Venezuela, Argentina, Uruguai,
etc.?
O Entreposto aduaneiro funciona como território neutro dentro do Brasil. Sob a
tutela da Alfândega e não tendo sido nacionalizada, não pode haver cobertura

15
cambial. Um documento de cobrança só será emitido pelo dono da mercadoria
no exterior quando a mercadoria for vendida a um dos países limítrofes.
O DEA (Depósito Especial Alfandegado) funciona como armazém alfandegado
em recinto da própria indústria importadora. Apenas indústrias de atividades
muito específicas possuem essa autorização (Indústria de máquinas agrícolas,
aviação, etc).
O item 9.4.5 fala em mercadorias oriundas de países estrangeiros para atender
à demanda comercial de países limítrofes. A exportação tem que atender a
essa exigência, não a importação para recinto alfandegado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

16
CONTROLES INTERNOS

17
QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão possui apenas uma resposta correta, apresentada claramente na


página 14 da apostila de referência para o Exame.
É importante não confundir o programa de compliance com a função de
compliance. O programa de compliance, como o nome já diz, são várias ações
tomadas pela Companhia para atingir o objetivo final da função de compliance.
É claro que, em um nível macro, o objetivo da função de compliance também é
um objetivo da organização bancária, pois esta função está contida na
organização e também faz parte da estrutura (sistema) de controles internos.
Não é função de compliance desenvolver os normativos internos. O termo
compliance significa conformidade ou estar em conformidade, ou seja, esta
função consiste em verificar a conformidade.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de forma objetiva e apresenta apenas uma resposta


correta, referenciada claramente no Capítulo 5, páginas 59 e 60 da apostila.
A questão foi direcionada para a definição do risco de liquidez, quando citava:
“poderia enfrentar, em breve, o risco de também não poder fazer frente às suas
obrigações financeiras”.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de forma clara e objetiva e apresenta apenas uma


resposta correta, respaldada no Capítulo 3, na página 40 da apostila.
A resposta da prova não precisa ser uma cópia fiel da apostila, as questões
devem levar o candidato ao raciocínio e não à memorização da apostila.
A questão pergunta qual alternativa representa o componente ambiente de
controle interno, face aos outros componentes definidos pelo COSO, e não
qual a sua composição, até porque tudo que diz respeito a controle,
governança, testes de verificação, etc. faz parte do ambiente de controles.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

18
QUESTÃO 5

Análise de recurso e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de forma clara e objetiva e apresenta apenas uma


resposta correta, respaldada no Capítulo 6, páginas 87 a 90 da apostila.
A questão requer uma atividade de controle detectiva relacionada ao
processamento de títulos em tesouraria. O controle duplo é uma atividade com
característica preventiva.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de uma forma clara e objetiva e apresenta apenas uma
resposta correta, respaldada no Capítulo 6, página 122.
O fato de ter sido citada a palavra “suspeita”, ao invés de “sérios indícios”, não
invalida de forma alguma a questão.
Quando se diz que uma situação é suspeita entende-se que a mesma já foi
analisada e foi caracterizado indício de lavagem de dinheiro, conforme os
parâmetros previstos na lei.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de forma clara e objetiva e apresenta apenas uma


resposta correta, respaldada nas páginas 59 e 127.
Embora a questão esteja 100% de acordo com a legislação, não era
necessário o candidato ser profundo conhecedor da lei para responder, pois as
respostas podem ser facilmente encontradas na apostila, de acordo com a
definição dos riscos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

19
A questão foi elaborada de uma forma clara e objetiva e apresenta apenas uma
resposta correta, respaldada na página 143 do Apêndice 1 – O Fator Humano e
os Controles: Pontos a Considerar.
Os objetivos e metas devem ser aceitos. Para gerar uma resposta construtiva
através dos controles, o critério básico é fazer com eles sejam aceitos pelas
pessoas controladas. Os controles podem ser aceitos se eles forem
justificáveis e houver uma variedade de razões para isso. A pessoa que os
aceita pode acreditar que eles sejam relevantes para seu trabalho; pela
consideração e respeito com que deseja que seu trabalho seja visto por outros,
mormente seus superiores; pelo entendimento da sua validade ou importância;
pelo desafio profissional que ele apresenta para seu desenvolvimento, etc.
Qualquer que seja a origem e o reforço, a aceitação psicológica dos controles é
um pré-requisito para o sucesso de qualquer controle. Sem essa aceitação, é
sabido que os controles despertam ansiedade, frustração, evasão,
manipulação de resultados e relatórios, “transferência de problemas para
terceiros” e outras reações menos desejáveis.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 9

Análise de recurso e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de uma forma clara e objetiva e apresenta apenas uma
resposta correta, respaldada na página 149 do Apêndice 2 – As Matrizes de
Risco/Controles.
Não é função da matriz de riscos verificar se a Companhia está em compliance
com as normas externas.
A matriz poderá apontar os riscos de compliance, porém nunca verificar se a
Companhia está em conformidade, pois esta função é da auditoria.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recurso e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de uma forma clara e objetiva e apresenta apenas uma
resposta correta, respaldada no Apêndice 3 – Os Acordos de Basiléia, página
143 da apostila.
A nova metodologia proposta por Basiléia II, baseia-se nos chamados três
pilares, que mutuamente devem se apoiar:
Pilar 1: Necessidade de capital mínimo. O capital mínimo deve ser suficiente
para cobrir os riscos de mercado, crédito e operação. Em relação ao Acordo de
1988, os bancos passaram a ter a possibilidade de selecionar de um modo
mais amplo o modelo a ser seguido para o cálculo da necessidade de capital.

20
Todavia, o CSBB fez questão de manter o padrão de 8% sobre os novos APR.
Isso significa que deve haver uma certa compensação, ou seja, entra no
cálculo do capital mínimo bancário o montante de capital para fazer frente aos
riscos operacionais e legais, mas deve haver uma redução do montante de
capital relativo aos riscos de crédito.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de uma forma clara e objetiva e apresenta apenas uma
resposta correta, respaldada no Capítulo 5 Riscos: Identificação e Avaliação na
página 68 da apostila.
A modelagem matricial dos riscos não é um método para identificação dos
riscos. Estes, após sua identificação, irão compor a matriz, que é uma
ferramenta de avaliação e mensuração dos riscos já previamente identificados.
A questão solicita um método de identificação dos riscos. Em nenhuma
hipótese a matriz ou o monitoramento desta pode ser aceito como método de
identificação de riscos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão foi elaborada de forma clara e objetiva e apresenta apenas uma


resposta correta, respaldada no Capítulo 2 – Objetivos e Controles Internos de
um Banco nas páginas 27 e 28 da apostila.
A disseminação da cultura de controles não é uma função do controle de
desempenho, e sim uma prática para implementar um ambiente de controle
eficaz.
Garantir a adequação dos objetivos e metas do Banco às normas emitidas
pelos órgãos reguladores também não é uma função dos controles de
desempenho, e sim de compliance.
Os controles de desempenho devem monitorar, por meio de algumas
ferramentas e análises, se o Banco irá atingir seus objetivos dentro dos
padrões de riscos aceitáveis.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

21
QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada com base no
Capítulo 2 – Objetivos e Controles Internos de um Banco, na página 29 da
apostila.
A criação de uma estrutura tecnológica capaz de identificar falhas nos canais
de comunicação com o mercado financeiro, principalmente com os órgãos
reguladores e fiscalizadores, não está relacionada a um erro ou omissão na
elaboração e divulgação das informações contábeis. A questão aborda a
preocupação com os dados que compõem as demonstrações financeiras. Até
porque a principal divulgação exigida por lei é realizada em jornais de grande
circulação, o que independe de links de acesso ou canais de comunicação
tecnológicos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada com base no
Capítulo 5 – Riscos: Identificação e Avaliação, na página 63 da apostila.
A questão solicita eventos risco externos que estejam ligados diretamente a
atividades e operações bancárias (“gerados por fatores do setor bancário”).
Mudanças nas variáveis econômicas internacionais e movimentações nos
preços de commodities não são fatores específicos do setor bancário, e sim
fatores sistêmicos globais.
Embora os fatores do setor bancário estejam ligados aos fatores sistêmicos
globais, a questão solicita um evento de risco específico do setor bancário.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada de forma


clara e objetiva, com base no Capítulo 5 – Riscos: Identificação e Avaliação,
nas páginas 69 e 70 da apostila.
O mapeamento de processo poderá, no máximo, auxiliar na identificação de
riscos e nunca na sua avaliação propriamente dita.
Cada evento de risco identificado deve ser avaliado em termos de suas
possíveis consequências para a empresa, o que significa avaliar o seu impacto
e a possibilidade de sua ocorrência.

22
O Capítulo 2, página 23 da apostila, cita:
A avaliação do risco de determinado evento é feita a partir de estimativas:
• do seu impacto potencial: corresponde às perdas patrimoniais ou de
resultados que poderiam ser causadas pelo evento;
• da probabilidade de sua ocorrência: corresponde a uma medida da
possibilidade de que o evento aconteça.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada com base no
Capítulo 6 – Atividades de Controle, na página 87 da apostila.
A alternativa “manutenção dos controles de ativos físicos por sistema” não
pode ser válida, pois trata-se de controle ligado à segurança física da
companhia, como roleta eletrônica, etc.
A alternativa “efetuação de pagamentos com controle duplo”, não pode ser
correta, pois a questão cita uma quebra de alçada, ou seja, o analista efetuava
pagamentos que ele não poderia efetuar segundo a norma de alçadas da
Companhia e o controle duplo não resolveria o problema. O controle duplo
pode ser usado, por exemplo, em custódia de cofre aluguel.
A alternativa “reconciliação eletrônica de dados” não pode ser considerada
porque se trata de conferência de dados cruzados com característica detectiva
e não preventiva.
A alternativa “segregação de funções via sistema” também não pode ser
considerada correta, porque este controle não está ligado à situação descrita
na questão. A questão fala da efetivação do pagamento e não de uma mesma
pessoa efetuando e autorizando o pagamento.
A aprovação eletrônica de pagamento permite à Companhia efetuar uma trava
sistêmica, caso os funcionários não possuam alçada suficiente para realizá-lo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada de forma


clara e objetiva, com base no Capítulo 8 – Comunicação, na página 131 da
apostila.
Além de examinar os sistemas de informação utilizados pelo Banco, o controle
interno deve examinar os canais de comunicação que utiliza para verificar se:

23
• estão fazendo com que os níveis superiores da hierarquia do Banco
informem a todos os demais funcionários a respeito das diretrizes fundamentais
da organização, tais como: as estratégias, a missão, os grandes objetivos, os
eventos mais importantes, os sucessos relevantes, etc. Essa comunicação top-
down é uma das mais importantes para estabelecer o chamado clima geral e o
ambiente de controle dentro do Banco;
• estão provendo informações tempestivas sobre o alcance de metas, o
acompanhamento do orçamento, o status de certos importantes, etc., que são
relevantes controles internos de desempenho.
A alternativa “organização dos testes de auditoria” não está correta, pois não
possui nenhuma relação com o fato de a gerência desconhecer uma
informação.
Nas etapas identificação e análise dos riscos não se pode verificar a
inoperância ou ineficiência de um sistema de comunicação interno, apenas são
identificados os riscos operacionais e os impactos são avaliados. Caso o risco
ocorra, os controles internos deverão ser implementados para mitigar os riscos
identificados.
A parte de manutenção de banco de dados diz respeito a controles
relacionados à segurança da informação e não estão relacionados com o fato
mencionado na questão.
A parte de cadastramento das diretrizes da Companhia também não possui
nenhuma relação com o fato mencionado na referida questão, visto que,
conforme o enunciado, apenas uma determinada gerência não recebeu a
informação, ou seja, as diretrizes estavam cadastradas e outras gerências
receberam.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão apresenta apenas uma resposta correta e foi elaborada de forma


clara e objetiva, com base na apostila, páginas 59 e 108.
A questão está relacionada ao risco de crédito.
A alternativa “monitorar as operações mais relevantes para o Banco,
considerando a exposição na mídia” está relacionada ao risco de imagem.
A alternativa “mensurar o grau de exposição ao risco das tomadas de decisão
da alta administração” está relacionada ao risco estratégico.
A alternativa “diagnosticar, por meio de testes, se as taxas praticadas estão de
acordo com as normas legais” está relacionada ao risco legal.
A alternativa “quantificar, por meio de levantamentos históricos, as perdas
decorrentes de falhas na operação” está ligada ao risco operacional.
O risco de crédito nasce da possibilidade de que o tomador do crédito bancário
não tenha a capacidade de cumprir as obrigações fixadas em contrato, quando
devidas.

24
Risco de crédito: é a perda potencial que teria origem na falta de cumprimento
da obrigação de pagar por parte de um tomador de empréstimo ou uma
contraparte numa transação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

ECONOMIA E FINANÇAS

25
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A respeito do ponto I no gráfico: é um dos pontos sobre a fronteira de


possibilidades de produção, embora a produção de bens de consumo seja nula
no ponto I. Assim, em I, todos os recursos produtivos da economia estariam
sendo usados na produção de bens de capital e de modo eficiente, pois I está
sobre a fronteira. Tal fato independe de prazo considerado (longo ou curto).
Logo, a resposta de que I é eficiente, por estar sobre a fronteira, é a correta. As
demais respostas estão incorretas, pois: I não é ineficiente; em I não há
desemprego; I é possível e não é necessariamente preferível ao ponto IV.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Num mercado competitivo, ao tomar o preço como dado, a empresa


maximizadora de lucro produz até que o custo marginal seja igual ao preço.
Esta é a resposta correta. Se apenas se preocupar em aumentar as vendas ao
máximo, a empresa estaria desconsiderando seus custos. Se minimizasse o
custo médio, estaria maximizando sua margem de lucro por unidade vendida,
mas não o lucro total. Se equalizasse a receita total com o custo total, teria
lucro zero. Se minimizasse apenas o custo fixo, estaria desconsiderando as
receitas e os custos variáveis.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Não se pode afirmar, com certeza, que a renda dos compradores diminuindo a
demanda por certo bem também vai diminuir, pois pode ser um bem inferior. Se
os preços dos bens complementares a X tivessem diminuído, o deslocamento
da curva de demanda seria o oposto, ou seja, aumentaria. Se os preços dos
bens substitutos tivessem aumentado, o deslocamento da curva de demanda
também seria o oposto ao mostrado no gráfico. A curva de demanda se
deslocou e, portanto, tal movimento não decorre de modificações no custo de
produção. Finalmente, se a oferta for inelástica, a queda na demanda resultaria
numa diminuição de preço de X, sendo esta a resposta correta.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

26
QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O cálculo do valor da produção agregada a preços de mercado difere do


cálculo a custo de fatores exatamente por incorporar os impostos indiretos e os
subsídios. E esta é a resposta correta. A preços de mercado ou a custo de
fatores, num caso ou noutro, pode-se calcular o produto líquido ou o bruto
(descontando ou não a depreciação); não é característica do cálculo a preço de
mercado que se desconte a depreciação. As importações não são
consideradas no valor da produção agregada em qualquer dos casos. E o
conceito de valor adicionado pode ser aplicado nos cálculos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A curva de demanda agregada é uma relação entre o nível de preços e a


quantidade de produto agregado demandada. É afetada pelas variações na
taxa de juros (política monetária), pelas políticas macroeconômicas do governo
(monetária, fiscal, cambial), e pela demanda externa (expansão ou contração
da economia mundial). Estas são as afirmações corretas, pois a curva não
mostra a relação entre o nível de preço e as exportações, e não tem a mesma
inclinação que a oferta agregada.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Se a inflação interna excedesse a externa, sem haver alteração na taxa de


câmbio, as exportações brasileiras seriam desestimuladas, as importações
seriam estimuladas, e o país perderia reservas internacionais. A direção da
variação dos juros internos seria incerta, e não se relaciona diretamente com a
diferença das inflações. A balança comercial tenderia ao deficit ou a menor
superavit, sendo esta a resposta correta.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

27
Análise de recursos e justificativa de resposta.

Caso o país importe petróleo, uma subida dos preços deste produto tender a
causar maior inflação, mas não devido a aumento de demanda. Não é inflação
de demanda. Assim, esta é a única afirmativa incorreta entre as cinco
apresentadas, sendo, portanto a resposta à questão apresentada.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A política fiscal expansionista pode ser praticada através de maiores gastos


públicos em infraestrutura, e não através de aumento de impostos ou da
ampliação do superavit orçamentário. A expansão da base monetária ou a
queda da taxa de juros não são consideradas políticas fiscais.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recurso e justificativa de resposta.

As políticas comerciais para o setor externo visam a influenciar as exportações


e as importações. Logo, limites para entrada de capital, para a remessa de
lucros, aumentos do juro interbancário e novos tributos sobre o setor varejista
são respostas erradas. A resposta correta diz respeito a tarifas aduaneiras e
cotas sobre os importados.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O desenvolvimento sustentável combina crescimento da produção de bens e


serviços (PIB real) com desenvolvimento da inclusão social e respeito ao meio
ambiente. Esta é a única resposta correta, pois os demais itens omitem pelo
menos um destes aspectos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

28
QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão máximo do Sistema


Financeiro Nacional (SFN) e esta é a única resposta correta. A Susep ou o
Bacen são importantes em suas respectivas áreas e não operam isoladamente
o SFN. O IRB não é uma entidade supervisora.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Quando os prazos da aplicação e da taxa de juros não coincidem, como é o


caso, a taxa efetiva da aplicação deve ser calculada proporcionalmente aos
prazos, ou seja, 12% x 2 ÷ 12 = 2%. Esta é a única resposta correta. A taxa
efetiva da aplicação certamente não é 12% a.a., nem a taxa nominal é de 2%.
As taxas efetiva e nominal não são iguais, e aplicando à taxa efetiva de 2% por
dois meses, sucessivamente, até completar um ano, o investidor de R$ 100,00
obteria mais de R$ 12,00 de juros, pois seria uma taxa de juros composta seis
vezes.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

No Sistema de Amortização Constante (SAC), o componente de amortizações


nas prestações é constante, como o próprio nome diz, e esta é a resposta
correta. O valor presente em um sistema ou em outro é o mesmo; o
componente de juros nas prestações do SAC diminui com o tempo; o SAC tem
prestações iniciais maiores que no SAF; e as prestações do SAF são
constantes.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

29
O valor futuro do fluxo financeiro, na data (D), deve ser obtido “levando”
R$100,00 e R$50,00 para a data (D) e somando aos R$ 50,00 a serem
recebidos em (D). A fórmula correta é:
100 x (1.02)3 + 50 x (1.02) + 50. As demais expressões estão incorretas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A TIR, por definição, é a taxa de desconto que anula o Valor Presente Líquido
(VPL) do fluxo financeiro do projeto, e esta é a única resposta correta. Uma
taxa que anula o VPL e seja negativa, pode não ter sentido econômico,
dependendo do problema; mas a taxa pode ser negativa. A TIR não é sempre
maior que a taxa de juros do mercado e não é o único critério de avaliação e
escolha entre projetos de investimento. A TIR pode ser positiva mesmo que o
VPL seja negativo à taxa de juros do mercado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Comparando os produtos A e B, se A tem maior margem de contribuição do


que B, o lucro do Banco aumentará mais se vender uma unidade a mais de A
do que se vender uma unidade a mais de B. Esta é a única resposta correta,
pois: dependendo do comportamento dos custos adicionais, a receita adicional
com A pode ser menor do que com B; dependendo do comportamento das
receitas adicionais, o custo unitário com A pode ser maior do que com B; o
lucro total com B pode ser maior do que com A, se, por exemplo, o volume de
vendas de B for maior que o de A; e neste caso o banco não deve descontinuar
a colocação do produto B.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

No project finance o próprio projeto (e seu fluxo financeiro) serve de garantia


para os investidores. Não é a empresa (corporation) em si, executante ou

30
“dona” do projeto, que é a garantidora. Logo, o único item errado na questão é
o que afirma que projet finance é praticamente igual ao crédito corporativo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recurso e justificativa de resposta.

A única resposta correta é beta > 1, pois tal valor indica que a ação A tem
retorno com maior volatilidade do que o de mercado como um todo. Os demais
valores de beta não indicam tal volatilidade maior.

Resultado da análise de recurso: Gabarito mantido.

31
GESTÃO DE PESSOAS

32
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com o item 5.3 do regulamento para as provas de certificação para o


Banco do Brasil, “o referencial para a elaboração das questões e, por
conseguinte, para eventuais recursos, será o material encaminhado pelo Banco
do Brasil à Fundação Cesgranrio”. A resposta correta é sustentada pela
apostila de estudo e pode ser encontrada no referido material: Visão Mecânica:
pág. 10, último parágrafo; Visão Econômica: pág. 11, primeiro parágrafo; Visão
Holística: pág. 11, segundo parágrafo. A menção de “gerentes” por Mato &
Souza Silva não visa a conduzir o conceito a uma única categoria profissional,
mas a esclarecer a mudança ocorrida nas concepções profissionais,
independente de um cargo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com o item 5.3 do regulamento para as provas de certificação do


Banco do Brasil, “o referencial para a elaboração das questões e, por
conseguinte, para eventuais recursos, será o material encaminhado pelo Banco
do Brasil à Fundação Cesgranrio”. A resposta correta é sustentada pela
apostila de estudo e pode ser encontrada, no referido material, na página 16,
especialmente no trecho aqui reproduzido:
“As competências organizacionais referem-se a atributos necessários à
organização que lhes conferem ‘vantagem competitiva, geram valor distintivo
percebido pelos clientes e são difíceis de ser imitadas pela concorrência’. (...)
Significa que as organizações precisam gerar benefícios que os clientes
percebam e que os concorrentes tenham dificuldade de imitar. (...) Se
pensarmos em organizações públicas, o foco deixa de ser na vantagem
competitiva e recai na qualidade do atendimento ao cidadão.”
O fato de o conceito falar em dificuldade na imitação de produtos não significa
impossibilidade de imitação. Nesse sentido, não é um argumento válido o
questionamento à questão em função de os produtos bancários serem
“imitáveis”.
A opção “pioneirismo no lançamento de produtos e serviços, permanência no
mercado por mais tempo e investimentos em tecnologia” não está correta por
não se referir ao conceito em si de competências organizacionais, mas por
apenas reproduzir aspectos do texto, sem que estejam necessariamente
vinculados ao conceito.
A opção “capacidade de agregar valor, buscar liderança competitiva e gerar
diferenciais que distanciem a instituição da realidade predatória do mercado”
possui um absurdo, localizado na expressão “que distanciem a instituição da
realidade”.

33
A opção “conquistas realizadas pela empresa que promovem conhecimento
institucional acumulado e segmentação do treinamento de recursos humanos”
vincula conquistas à segmentação do treinamento, o que não está associado a
esse modelo de gestão, e sim a um modelo taylorista/fordista.
A opção “compromisso com a sustentabilidade, com responsabilidade social e
foco no desenvolvimento de talentos que gerem eficiência” também não se
refere ao conceito em si de competências organizacionais, mas se reduz ao
texto introdutório.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A apostila de Gestão de Pessoas, na página 88, diz textualmente:


“[...] tradicionalmente, o treinamento tem sido associado à superação de
problemas de desempenho dos empregados, como também à preparação para
novas funções e as adaptações a novas tecnologias no trabalho. (...) o foco do
treinamento se situa na resolução de problemas de desempenho no trabalho.”
A resposta correta na questão 3 é: “resolução de problemas de desempenho
pela educação e adaptações a novas tecnologias”. Os trechos sublinhados na
citação corroboram a opção.
A atividade de treinamento se dá em meio a um processo educativo, que
envolve técnicas educacionais e demanda a execução do ciclo docente,
composto de planejamento, desenvolvimento da aprendizagem e avaliação.
Portanto, a menção à “educação” não diz respeito apenas a “desenvolvimento”,
mas também a treinamento. O que distingue eminentemente treinamento de
desenvolvimento é o fato de a primeira modalidade ser mais pontual e
episódica, voltada para uma demanda que necessita de resolução com maior
presteza. Já desenvolvimento diz respeito a atividades de formação
permanente, em que a empresa se torna uma organização de aprendizagem.
Nela todas as atividades são educativas, e não apenas o treinamento.
Embora o treinamento alargue as relações interpessoais, seu foco, seu objetivo
maior, não é esse, o que invalida a opção que menciona esse fator. Outra
opção apontada como aceitável é a que colocou a distinção na “preparação do
profissional para outro tipo de trabalho em um futuro próximo”. Essa pode ser
até uma das conquistas de um treinamento, mas não é seu foco, ou seja, seu
objetivo primordial, em contraste com o conceito de desenvolvimento. Por
último, a identificação de treinamento com adestramento, conforme está
exposto em outra opção, implica compreender que pessoas devem ser
conduzidas a um mesmo processo educacional ministrado aos demais animais,
que não são dotados do mesmo tipo de racionalidade que a humana.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

34
QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

No enunciado da questão houve o cuidado, por parte da banca, de mencionar o


autor ao qual o conceito de motivação intrínseca estava associado. Logo, a
resposta correta é aquela definida por Amabile (1983), e não por outros
autores. Tal conteúdo pode ser encontrado no último parágrafo da página 32
da apostila de Gestão de Pessoas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A descrição que corresponde ao modelo taylorista-fordista é a que afirma que


“a gestão de pessoas é desenvolvida nos respectivos departamentos, que se
voltam aos interesses dos colaboradores”. A fragmentação em departamentos,
em que o sujeito se volta apenas para o trabalho particular que lhe cabe é
característica desse modelo de gestão. Logo, a gestão se desenvolve sem uma
visão ampla de todo o sistema da organização, mas voltada apenas para um
respectivo departamento.
Note-se que a descrição não está vinculada ao momento de apogeu do
modelo, situado na primeira metade do século XX, nem tampouco a uma
situação fabril, mas para o contexto bancário contemporâneo, o que implica
considerar interesses coletivos, embora o modelo de gestão descrita possua
características da administração científica. A departamentalização, em um
contexto de administração científica, também contempla interesses dos
colaboradores. Indubitavelmente esse modelo de administração representou
avanços diante de uma conjuntura sem qualquer regulamentação trabalhista,
pois proporcionou elevação de salários, regulou horários de trabalho e tempo
livre pela racionalidade da produção, gerou mobilidade social, considerou que o
trabalhador deveria poder adquirir o bem que produzia, buscando ampliar o
mercado consumidor etc.
O modo de produção taylorista/fordista tem como características a produção
em massa com redução de custos de produção, a rotinização do trabalho, a
repetição, o parcelamento de tarefas, entre outras, que conduziram a uma
desqualificação do trabalhador. Tais características, contudo, não desabonam
a descrição que corresponde à resposta correta, pois o modelo não exclui,
como demonstrado, o atendimento de interesses de colaboradores.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

35
QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com o material de estudo, a satisfação no trabalho está associada


ao “grau segundo o qual os indivíduos se sentem de modo positivo ou negativo
com relação ao trabalho”. (...) Em seguida, encontra-se o trecho: “Você deve
ter notado que a segunda definição inclui não somente uma avaliação positiva,
mas considera uma percepção negativa do trabalho” (Trechos da página 33 da
apostila de Gestão de Pessoas).
Diante dos trechos aqui citados, fica claro que a argumentação de que a
análise II, referente à personagem Ana Lucia, está correta, visto que grau de
satisfação não está relacionado somente a aspectos positivos.
Quanto à afirmação I, está sustentada na página 35 da apostila, que assinala
serem “cinco focos de comprometimento pesquisados (...), a saber: valores,
organização, carreira, trabalho e sindicato. A natureza do vínculo que os
indivíduos estabelecem nesses diferentes focos, assume diversas
nomenclaturas, tais como: comprometimento, identificação, apego,
envolvimento, dentre outras. Mas a maioria dos estudos é centrada no vínculo
com a organização denominado comprometimento organizacional. (...)
prevalece na literatura a ideia de que este envolve ‘sentimentos de lealdade,
desejo de permanecer e de se esforçar em prol da organização’”.
Não é preciso muito esforço para que seja feita uma comparação entre os
trechos aqui expostos e a estrutura da questão 7, não restando dúvidas de que
a afirmação I corrobora o depoimento do personagem Paulo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O enunciado da questão solicita ao respondente operar com duas variáveis: a


figura e o conceito dos autores citados. O fato de a expressão “gerando
inovação” não constar explicitamente do conceito não apenas não invalida o
conceito (ao contrário, é o esperado como resultado em um contexto de
“oportunidades impostas pelas mudanças constantes”), como está relacionado
à figura. Logo, para responder à questão, espera-se que o indivíduo seja capaz
de estabelecer relações entre conceito e figura.
As demais opções da questão não se referem ao conceito de Tarapanoff,
Araújo Jr. e Cornier, não podendo ser, sem qualquer sombra de dúvida,
consideradas, mesmo que aproximadamente, como válidas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

36
QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A figura utilizada na questão está totalmente relacionada ao conteúdo da


apostila (página 41), tendo sito, inclusive, extraída da obra de Nanaka e
Takeuchi, autores usados na apostila para trabalhar o conceito. Neste sentido,
houve ainda maior fidelidade, no que diz respeito à ilustração, ao conceito,
oferecendo aos respondentes maiores subsídios para relacionarem seus
estudos à solicitação da questão.
A introdução da figura não representou uma “ultrapassagem” dos conteúdos
expostos na apostila, mas, ao contrário, um complemento que favoreceu uma
resposta ainda mais adequada. As afirmações, por sua vez, estavam todas
calcadas na apostila. A figura foi meramente um apoio.
A afirmação que trata da externalização não está correta, pois sendo esta
vinculada, segundo os autores, a um processo de conhecimento perfeito,
jamais poderia estar associada a ruídos exógenos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Considerar a opção que manifesta ser a organização Delta aquela que realiza
uma avaliação de mão única é um total equívoco, visto que nela “o
desempenho do subordinado é discutido com seu chefe, a fim de levantar
pontos fortes e fracos de cada profissional da equipe”. Ora, se há discussão e
se envolve cada profissional, jamais pode ser considerada “de mão única”.
A resposta correta, que se refere à avaliação 360º, está totalmente de acordo
com o conceito. No próprio texto da apostila, na página 82, verifica-se que as
fontes oriundas dessa modalidade de avaliação são os “diferentes profissionais
que se relacionam com o trabalhador que está sendo avaliado. Desse modo, as
avaliações poderão ser feitas pelo próprio trabalhador (auto-avaliação), pela
chefia imediata, pelos pares (colegas de uma mesma equipe de trabalho) e
pelos clientes”. Logo, a alegação de que a participação dos clientes não faz
parte desse tipo de avaliação é absolutamente infundada, bem como não
procede a alegação de que a descrição da organização Alfa não menciona uma
avaliação ascendente no processo. A descrição é aberta, ou seja, indica que os
procedimentos são adotados em qualquer direção.
Todas as opções, exceto a correta, contêm elementos discrepantes que não
coadunam com a conceituação relativa a cada modalidade de avaliação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

37
QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A figura utilizada ensejou uma série de afirmações. Isso supõe que a respeito
do assunto “assédio moral” várias afirmações podem ser feitas, sendo elas
diretamente relacionadas à figura, ou não. No entanto, todas as afirmações
versam sobre o mesmo tema, que a figura evoca. Por isso, a alegação de que
a afirmação que menciona o ambiente familiar como local onde o fenômeno
pode ser detectável não procede está equivocada, pois remete ao conceito em
discussão, que é o alvo da testagem de conhecimentos. Isso pode ser
corroborado na apostila, página 55, trecho aqui reproduzido: “O assédio moral
pode ocorrer nas famílias, entre casais e nas organizações”.
A afirmação III também é incorreta, pois não são apenas as pessoas frágeis e
as que possuem algo que o outro não tem que são vítimas desse tipo de
assédio. Há que se reparar que a afirmação é categórica e excludente, dando a
entender que somente os que se enquadram nessas categorias são as vítimas.
Contudo, ao contrário, aquelas que demonstram determinação e elevada
autoestima podem ser, também, vítimas, exatamente por terem essas
características, conforme pode ser verificado na apostila, página 56, 3º
parágrafo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão solicita resposta que corresponda ao conceito de equipe efetiva, que


tem características específicas, diferenciadas de uma equipe comum.
De acordo com o texto da apostila Gestão de Pessoas, nas páginas 61 e 62,
podem ser encontradas as características de uma equipe efetiva, que estão
resumidas na opção correta: “possui comunicação aberta, suporte social e
mecanismos de diminuição de conflitos”.
A questão não solicita ao respondente que analise qual é o papel do líder, mas
requer um complemento à expressão “pois uma equipe efetiva”... . Isso
significa que cabe ao respondente situar-se no conceito solicitado, e não
conjecturar sobre liderança, aspecto que sequer foi mencionado no enunciado.
A opção aqui reproduzida: “vai além da realização das suas tarefas e
atribuições individuais, em um prazo de atuação determinado”, diz respeito à
definição de “time”, e não à de equipe efetiva, o que pode ser comprovado no
último parágrafo da página 60.
Faz-se necessário recordar, ainda, que de acordo com o item 5.3 do
regulamento para as provas de certificação para o Banco do Brasil, “o
referencial para a elaboração das questões e, por conseguinte, para eventuais
recursos, será o material encaminhado pelo Banco do Brasil à Fundação
Cesgranrio”, o que invalida recursos que se utilizem de outros referenciais
bibliográficos.

38
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A opção relacionada ao líder narcisista não responde corretamente a uma das


perguntas, visto que este tipo de líder, ao contrário da alegação de um dos
recursos, possui um comportamento nocivo à equipe, na medida em que
menospreza os subordinados (cf. pág. 66 da apostila de Gestão de Pessoas).
A alegação de que a opção correta não apresenta todas as características de
um líder mentor não procede, pois uma prova não é um tratado de definições,
mas uma síntese de conceitos, cabendo ao respondente raciocinar, inferir e
estabelecer relações.
Faz-se necessário recordar, ainda, que de acordo com o item 5.3 do
regulamento para as provas de certificação para o Banco do Brasil, “o
referencial para a elaboração das questões e, por conseguinte, para eventuais
recursos, será o material encaminhado pelo Banco do Brasil à Fundação
Cesgranrio”, o que invalida recursos que se utilizem de outros referenciais
bibliográficos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O enunciado da questão trabalha com o conceito de “carreira em Y”, ao afirmar


que o personagem “gostaria de ter flexibilidade para escolher, em sua
progressão profissional, entre a área técnica e a gerencial”. Logo, a resposta
correta é a que menciona o modelo em Y. A resposta pode ser confirmada na
apostila de Gestão de Pessoas, na página 99.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os conteúdos relativos à questão 18 encontram-se nas páginas 108 a 109 da


apostila de Gestão de Pessoas. A resposta correta encontra-se nos terceiro e
quarto parágrafos da página 109.

39
Qualquer alegação de que a opção correta estaria inviabilizada porque não
reproduziu ipisis literis o texto da apostila chega a ser patética, pois uma prova
não é um instrumento de medida de sentenças decoradas, mas um instrumento
que proporciona ao respondente fazer inferências, estabelecer ligações entre
conceitos e, enfim, raciocinar coerentemente a partir de conceitos inter-
relacionados.
A opção que trata da “valorização do emprego por meio da estruturação de um
plano de carreira que favoreça o desenvolvimento da qualidade social e o
aprimoramento técnico de seu trabalho” não diz respeito ao modelo
sociotécnico.
Faz-se necessário recordar, ainda, que de acordo com o item 5.3 do
Regulamento para as provas de certificação para o Banco do Brasil, “o
referencial para a elaboração das questões e, por conseguinte, para eventuais
recursos, será o material encaminhado pelo Banco do Brasil à Fundação
Cesgranrio”, o que invalida recursos que se utilizem de outros referenciais
bibliográficos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

É preciso levar em conta a totalidade de cada opção, e não apenas parte da


mesma, para considerar sua correção. Mesmo que parte de um texto
corresponda ao que é solicitado pelo enunciado, se seu complemento for falso,
toda a opção fica descartada. Tal pressuposto inviabiliza considerar qualquer
opção como válida, a não ser a que é apontada como correta pelo gabarito.
Para uma confirmação da correção, recomenda-se a leitura da apostila Gestão
de Pessoas, página 118, os três últimos parágrafos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

40
GESTÃO DE SEGURANÇA

41
QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Para combater a prática de crimes financeiros que possam ameaçar os


poderes constituídos e a ordem democrática, a Lei no 9.613/98 instituiu
obrigações aos diversos operadores do sistema financeiro, como forma de
prevenir e combater a lavagem de dinheiro: Capítulo 1, e subitem 1.3 –
Segurança nas Empresas; Aspectos Regulatórios da Gestão de Segurança
(pág. 18/19)

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

As empresas mantêm, necessariamente, compromissos com seus


empregados, clientes, acionistas, etc. Exige-se que, pelo menos, busque
proteger seus ativos contra riscos que podem, não só, comprometer o negócio,
mas, causar danos sociais e políticos: Capítulo 1 – Segurança; subitem 1.3 –
Segurança nas empresas.
Assim, antecipando-se aos fatos e, na busca de reduzir os danos de
ocorrência, o Banco não pode agir isoladamente, sendo necessário organizar e
coordenar ações que tenham por objetivo as respostas apresentadas (pág. 15).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os recursos impetrados basearam-se na assertiva de que a apostila


disponibilizada não aborda as hipóteses citadas na opção III. No item 1.4 –
Fatores do processo de gestão de segurança, no subitem - Ocorrência e
agentes, o autor afirma que “as organizações estão sujeitas a inúmeros tipos
de ocorrências que variam de acordo com o tipo de negócio e com as
fragilidades encontradas em cada local”.
Cita também que pode tornar-se vítima a unidade mais despreparada, não só
sob o aspecto de equipamentos, mas, principalmente, quanto ao
comportamento de seus funcionários (pág. 20).
Os exemplos citados – prática de jogos de azar e uso de drogas ilícitas – são
uma realidade de nossos dias e as pessoas com tais comportamentos tornam-
se suscetíveis de cooptação pelo crime organizado para facilitar suas ações.

42
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Segundo Mandarini (2006) a classificação dos ambientes varia conforme a


importância do local. Assim, de acordo com o capítulo 2 – Gestão de
Segurança de Pessoas e Ambientes, da UCBB, subitem Ambientes e Níveis de
Segurança (pág. 30), a opção adotada é a que se adequa à questão formulada.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A única resposta adequada ao questionamento é alarme com sensor do tipo


ativo, composto por módulo receptor de luz infravermelho, que dispara quando
há o corte do feixe, de acordo com o item 2.2 – Quesitos de Segurança
Bancária – Conceitos e Finalidades; no subitem Sistema de Alarmes (pág. 35).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A implantação de uma PSI e de suas diretrizes deve seguir o estabelecido no


capítulo 3 – Segurança da Informação, expresso no item 3.2 – Política de
Segurança da Informação. Ele assegura que as normas e os procedimentos
devem ser simples, compreensíveis e alinhados com as estratégias da
empresa, já existentes (pág. 55).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os recursos sinalizam a existência de duas respostas para a questão: Spam e


Phishing.

43
Considerando que Phishing é classificado como um tipo de Spam, e de acordo
com o capítulo Segurança da Informação – Spam (pág. 77), a questão em
pauta tem duas opções de respostas corretas. Assim sendo, os recursos
apresentados encontram amparo.

Resultado da análise de recursos: Questão anulada.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com o capítulo Gestão de Segurança de Pessoas e Ambientes –


subitem Níveis de Classificação das Informações (pág. 60/61), o Banco
classifica as informações em duas categorias e quatro classes. Com base na
situação exposta e no quadro de classificação apresentado na pág. 61, a
alternativa indicada é a única correta.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Em suas alegações, os candidatos apresentam como justificativas outras


fontes de consulta, que indicam diferentes prazos de validade para as senhas e
outros percentuais de repetição dos caracteres. Entretanto, o material de
referência para a prova foi a apostila de Gestão de Segurança da UCBB que
estabelece, no item 3.3 – Gestão de Segurança da Informação, e subitem:
Senhas – Cuidados Especiais, os prazos de validade de 30 ou 45 dias para as
senhas, e que só podem ser repetidas em 60% de seus caracteres (pág. 65).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os argumentos dos que consideram a opção “não há proibição na utilização de


certificado digital em ambiente acessível à outras pessoas” como correta não
procedem.
No capítulo 3 – Segurança da informação, subitem Certificação digital (pág.
86), o BB orienta que, em ambiente acessível a outras pessoas, devem ser
utilizadas senhas de sistema ou de proteção de tela.

44
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os recursos apresentados contestam a utilização da foto digitalizada em 1982,


assim como não ser citada a microperfuração ou não ser citado o órgão de
identificação.
A questão em pauta apresenta como contradição, na cédula de identidade, a
foto colorida, com fundo escuro, uma vez que, de acordo com o subitem 4.2 –
Autenticidade – Documentos de identificação, as fotos coloridas devem ser
apresentadas em fundo claro (pág. 97).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os diversos recursos alegam a possibilidade do indício “divergência de


grafismo” ser uma opção correta. Entretanto, a questão em pauta aborda,
“especificamente”, a utilização de banho químico para adulteração do cheque.
A divergência de grafismo é uma característica da técnica de raspagem. Ela
está baseada no capítulo Segurança em Produtos, Serviços e Processos;
subitem: Fraudes documentais (pág. 110/111), o que inviabiliza qualquer outra
resposta apresentada como recurso.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O cenário citado, independente da opinião pessoal de cada candidato, tinha por


finalidade levá-lo a identificar o objetivo principal das medidas adotadas, pelos
diversos governos, diante desse processo de crise. Assim, de acordo com o
capítulo Gestão da Continuidade dos Negócios; subitem 5.2 – Aspectos Legais,
Governanças e Melhores Práticas (pág. 125), a resposta apresentada é a que
responde corretamente à questão.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

45
QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Na elaboração do Plano de Continuidade, o gestor deverá estabelecer


procedimentos a serem adotados antes da ocorrência do fato – Prevenção;
durante sua ocorrência – Resposta e; após a ocorrência – Retorno. A UCBB
estabeleceu, para cada medida, nomes técnicos, como o apresentado em sua
apostila (pág. 137).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com a realidade apresentada, frente à ocorrência de greves ou


piquetes, somente os cenários apresentados devem ser contemplados no
Plano de Continuidade, de acordo com o subitem 5.5 – Cenários de Ameaça de
Continuidade dos Negócios (pág. 134).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com o capítulo “O Papel das Pessoas na Segurança”, e subitem 6.1,


Conscientização, Educação e Treinamento, o objetivo da instituição é
conscientizar os funcionários, tornando-os aliados na batalha pela redução e
administração dos riscos (pág. 143). Na questão, o objetivo era identificar o
papel das pessoas no processo de gestão da segurança. Esta posição é
ratificada pela instituição BB em sua apostila.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

46
GESTÃO DE CRÉDITO

47
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A Questão se refere aos agentes que compõem o sistema financeiro e às


características de suas operações.
Risco NÃO é incerteza.
Ocorre incerteza quando decidimos unicamente movidos pela nossa
sensibilidade, ou seja, quando tomamos decisões subjetivas (baseadas em
nossa percepção), sem amparo em qualquer metodologia que nos indique as
variáveis que possam oferecer condições objetivas para a decisão (Qualidade
do Crédito – Risco de Clientes – caderno 1 – pág. 19).
Já risco pode ser calculado com base em informações e dados históricos
fundamentados, para que a decisão seja tomada a partir de estimativas
julgadas aceitáveis (Qualidade do Crédito – Risco de Clientes – caderno 1 –
pág. 20).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os recursos apresentados estavam relacionados a equívocos dos


respondentes quanto à verificação de gabaritos, sendo, por isso,
improcedentes.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão não é passível de ser anulada, visto que é possível excluir devedor
do SCPC ou da Serasa como medida administrativa, caso tal medida contribua
para a regularização da pendência no BB, conforme se depreende da análise
do contido no LIC 405.60.2.300 – 48 “a” e 75 “e”. Deve-se considerar, ainda,
que o registro de exceção para determinado cliente ou operação tem como
consequência a exclusão das anotações de cadastros como Cadin, SCPC e
Serasa (LIC 405.60.2.300 – 22 e 47), ainda que tal exclusão seja por prazo
determinado, quando não for oriunda de determinação judicial. Os comandos
de exceção podem ser efetuados por meio do aplicativo CLIENTES 02 – 21
(Serasa) ou 02 – 24 (SCPC). As replicações não são anotações, conforme
disposto no LIC 405.55.2615 – 17 e Curso Cadastro, página 138.

48
Ausência de fundamentação. Adicionalmente, vide LIC 405.60.2.300 – 48 “a” e
75 “e” que trata da possibilidade de exclusão administrativa do devedor, caso
tal procedimento possa contribuir para a regularização da pendência no BB.
O fato de existirem situações de exclusão do SCPC ou Serasa para
cumprimento de decisão judicial não torna inválida a possibilidade de exclusão
também por decisão administrativa.
A questão não é passível de ser anulada, visto que é possível excluir devedor
do SCPC ou da Serasa como medida administrativa, caso isso contribua para a
regularização da pendência no BB, conforme se depreende da análise do
contido no LIC 405.60.2.300 – 48 “a” e 75 “e”. O registro de exceção para
determinado cliente ou operação tem como consequência a exclusão das
anotações de cadastros como Cadin, SCPC e Serasa (LIC 405.60.2.300 – 22 e
47), ainda que tal exclusão seja por prazo determinado, quando não for oriunda
de determinação judicial. Os comandos de exceção podem ser efetuados por
meio do aplicativo CLIENTES 02 – 21 (Serasa) ou 02 – 24 (SCPC). Não existe
sentido em admitir que o BB tomaria decisão administrativa para a exclusão de
clientes que sejam devedores de outras instituições – tais situações são
tratadas com base nas regras de flexibilização (alteração de peso) de
anotações cadastrais, conforme LIC 405.55.2.615 – 31.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão é referente aos tipos de garantias e solicita marcar a opção das


garantias mais adequadas a uma operação de crédito da área comercial de
curtíssimo prazo e a uma operação de crédito de longo prazo. Não foram
considerados aqui casos específicos de liquidação antecipada, mas operações
normais em seu prazo. Assim temos:
• para operações de curto prazo, como diretriz geral, devemos dar
preferência às garantias que possam assegurar autoliquidez (Qualidade do
Crédito – Risco de Operações – caderno 2 – pág. 64);
• alienação fiduciária é ideal (ou mais adequada) em financiamentos de
máquinas, equipamentos e veículos (operações de médio e longo prazos).
Pode ser vinculada, também, em outros tipos de operações, notadamente de
médio e longo prazos (idem, pág. 62).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

49
A questão não é passível de anulação, mas tão somente de alteração do
gabarito, visto que a alternativa “C” é a única que atende ao comando do
enunciado proposto. O conhecimento dos aspectos jurídicos abordados é
necessário ao correto desenvolvimento das atividades relacionadas ao
processo de crédito no BB. A seguir, são apresentados comentários a cada
uma das afirmativas propostas pela questão:
I – Não é recomendável receber em garantia bens caracterizados como
condomínio pró-indiviso em função de problemas que podem surgir na
identificação da parte de cada condômino. Afirmativa CORRETA, visto que o
BB enfrentará maiores dificuldades caso seja necessário executar a garantia,
inclusive na localização de eventuais compradores em processo judicial.
Embora o BB estabeleça condições para aceitação de bens em condomínio
pró-indiviso, deve-se ter em mente que a vinculação de todo o bem, com os
demais condôminos figurando como intervenientes (LIC 407.4.2.666 – 37 “d”)
tornará eventual execução da garantia ainda mais onerosa.
II – Desde que apresentadas todas as certidões definidas nas instruções, e
estas estejam dentro do prazo de validade, não há risco em liberar os recursos
de uma operação antes do registro da hipoteca. A afirmativa está
INCORRETA, visto que a hipoteca se concretiza com o registro cartorário,
passando a ter eficácia contra terceiros. No momento do registro do
instrumento de crédito podem ocorrer situações em que se verifica que o bem
já se encontra hipotecado a terceiros, por exemplo (vide Curso Risco de
Operações, caderno 2, página 118 e LIC 407.7.2.696 – 01).
III – Pode ser utilizado contrato particular para a formalização de operação de
crédito garantida por hipoteca de imóvel, desde que seu registro seja efetuado
previamente à liberação dos recursos. A afirmativa está INCORRETA, visto
que a vinculação de imóvel em hipoteca por meio de contratos deve ser feita
por meio de instrumento público (vide Curso Risco de Operações, caderno 1,
páginas 96 e 106 e LIC 407.7.2.300 – 15 “a” I).
IV – A apresentação de CND do INSS e CRF do FGTS com data de emissão
igual à data da liberação dos recursos é suficiente para afastar o risco de
desclassificação para uma operação de crédito com recursos do BNDES. A
afirmativa está INCORRETA, visto que é obrigatória a apresentação da CND
em vigor também na data do instrumento de crédito (data da contratação) (vide
LIC 407.2.2.658 – 13). Adicionalmente, existem outras situações que podem
levar à desclassificação das operações, como irregularidades na aplicação de
crédito, por exemplo.
V – A realização de operação de crédito com menor impúbere, sem que este
seja devidamente representado do ponto de vista legal, traz como implicação
jurídica tornar o negócio nulo. A afirmativa está CORRETA, visto que a
ausência de representante legal nos atos praticados por menores impúberes
tem como conseqüência tornar referidos atos nulos (vide Curso Cadastro e LIC
405.5.2.300 – 12 “a” e Curso Cadastro páginas 59 e 60).

Resultado da análise de recursos: Gabarito correto em todas as provas é a


letra C.

50
QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Resposta correta: No SAC, o prazo médio de retorno do capital é menor do que


no PRICE. Esta afirmação pode ser constatada de várias maneiras. A mais fácil
é a apresentada a seguir.
No sistema SAC, o montante de juros pagos é menor do que no sistema
PRICE, tudo o mais constante – valor inicial, prazo e taxa. Como o montante de
juros é função do capital emprestado, quanto menor o montante de juros,
menor o volume de capital exposto aos juros, logo o capital retorna mais
rapidamente para o sistema SAC, ou seja, tem prazo médio menor.
Características do sistema SAC: amortização constante, prestação
decrescente, juros decrescentes e prazo médio de retorno dos capitais menor
que do sistema PRICE. Consequentemente, este sistema de amortização é
normalmente utilizado em linhas de recursos contingenciados ou em operações
de longo prazo.
Características do sistema PRICE: amortização crescente, prestação
constante, juros decrescentes. Este tipo de amortização é utilizado em
operações comerciais de menor prazo.
Não há um sistema melhor que outro. Como diz o enunciado, deve-se ponderar
as condições da linha de crédito, as alternativas de amortização do capital mais
adequadas à capacidade de pagamento do cliente e aos interesses do Banco.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Resposta correta: “Condições refere-se à situação do ambiente externo e do


ambiente interno da empresa, na valiação de risco do cliente” (Qualidade do
Crédito, caderno 1, pág. 75).
Os demais itens referem-se a:
- Caráter - refere-se à vontade de cumprir as cláusulas contratuais –
(idem, pág. 65).
- Capacidade - habilidade dos administradores em gerir os negócios –
(idem, pág. 69).
- Operação - taxa de juros, ao prazo e à forma de amortização da
operação –risco da operação.
- Capital - situação econômico-financeira do cliente (idem, pág. 80).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

51
Análise de recursos e justificativa de resposta.

Considerando ELP = RLP = REF = 0, faltam AC – ativo circulante, PC - passivo


circulante, AP - ativo permanente e PL - patrimônio líquido.

Considerando PT – passivo total igual a 1, temos que PC/PT = 0,4, assim PC =


0,4 e PL = 0,6 , já que PC + PL = 1

Como Liquidez geral LG = 1,25 = AC/PC. Logo, AC = 1,25 x 0,4. Isso implica
que AC = 0,5

Como PT = AT = ativo total e AC = 0,5, logo AP = 0,5, porque AC + AP = 1

Índice de imobilização = AP/PL = 0,5/0,6 < 1

Portanto, o índice de imobilização é menor que 1.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A opção em que a explicação apresentada para o problema da inobservância


de vários aspectos ligados ao risco de crédito na chamada crise do subprime
NÃO está correta refere-se à utilização da taxas de juros variáveis que, embora
representem maior risco por sua imprevisibilidade (inflação, política monetária
etc), não impedem sua avaliação.
A questão não propõe que se conheça a temática do subprime, por isso não
questiona se a afirmativa sobre este problema está correta, mas questiona as
explicações baseadas nos conceitos do crédito em geral.
As garantias são acessórias a uma operação e, por isso, sua importância é
relativa (Curso Qualidade do Crédito – Risco de clientes, Caderno 1, pág. 83;
Risco de operações – caderno 1, pág. 63). Não se decide realizar uma
operação com base na garantia, mas no risco e na capacidade de pagamento
do cliente. O negócio dos bancos é dinheiro, emprestar e receber recursos
financeiros, e não receber imóveis ou máquinas em pagamento da operação. O
processo de crédito define como condição primeira a avaliação do risco do
cliente e o deferimento do Limite de Crédito. Portanto, verificamos primeiro se o
risco do cliente está dentro do aceitável para o Banco, de acordo com a Política
de Crédito. Garantia não supre falta de caráter, por exemplo. Uma vez decidido
em realizar o negócio, deve-se analisar a garantia.
Uma das características das operações realizadas que originaram o problema
do subprime era a rolagem da dívida com aumento do valor do capital de
acordo com a elevação do valor dos imóveis, sendo isso um alerta do crédito.
Ou seja, quando um cliente passa a utilizar rolagens sucessivas, com
capitalização de juros etc, indica que apresenta problemas de crédito
(Qualidade do Crédito – Risco de Clientes – caderno 2 – Unidade VI).

52
Com relação à norma “conheça seu cliente”, as instituições basearam seus
empréstimos subprime na garantia, não avaliando o risco do cliente de forma
adequada ou cuja qualificação não recomendava o negócio. Além disso, outras
instituições compraram títulos lastreados por esses empréstimos, baseando-se
no nome da instituição financeira originadora da operação, e não nas
informações dos tomadores finais. A lógica seria que se não houvesse
pagamento de um empréstimo, ele seria substituído por outro.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O enunciado da questão solicita a associação da função exercida pela agência


e sua descrição, em uma operação internacional, não especificando o tipo –
comercio exterior, financeira ou investimento. Assim temos:
Originadora: Agência responsável pela negociação com o cliente (origina a
operação);
Registradora: Agência onde é contabilizada a operação;
Fundiadora: Agência que fornece os recursos (funding) para a operação;
Risco: Agência responsável pela PCLD.
Exemplificando: Um grupo empresarial cuja administração do limite está
centralizada em uma agência Corporate, tem uma empresa na Argentina que
necessita capital de giro. Esta operação pode ser negociada tanto pela
corporate ou pela agência da Argentina (agência originadora). Devido a normas
locais, ao valor da operação, por interesse do Banco ou do cliente, esta
operação pode ser contabilizada em Londres (agência registradora) com
recursos (funding) captados pela agência do Japão (fundiadora). Quanto ao
risco, pode haver uma garantia de qualquer agência – interna, Corporate ou do
exterior –, caso a própria registradora não assuma o risco, transformando a
operação em AA – sem provisão na agência registradora. No entanto, a
operação de garantia será classificada conforme as normas e exigirá provisão
da agência que a emitiu. Portanto, a agência que assumiu o risco da operação,
via garantia, é responsável pela PCLD. No caso de não pagamento, a agência
registradora solicita a emitente da garantia o pagamento, que compensará o
eventual prejuízo com a provisão. (Lic 407-0055).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão refere-se às etapas do processo de crédito, ordenadas para efeito


didático.

53
As maiores dúvidas estão relacionadas à ordem de duas etapas.
A primeira é o acolhimento da proposta. Esta etapa deve vir após o
cadastramento, analise do cliente e estabelecimento do limite de crédito, como
forma de se evitar diversos problemas: acolher proposta de clientes impedidos
de operar ou com restrição impeditiva, ou mesmo com classificação de risco
não aceito pela linha ou produto para contratação, por exemplo. Isso evita
perda de tempo, dar esperança a um cliente que o negócio será realizado e
depois negá-lo etc. Procedendo a análise do cliente (conhecendo-o) e inclusive
definindo-se um portfolio de produtos, antes de efetivamente passar a
elaboração de uma proposta de operação, além da visão abrangente do cliente
melhorando-se a percepção dos riscos envolvidos, pode-se detectar a
oportunidade de outros negócios e atender melhor a necessidade do cliente
(Qualidade do Crédito – Introdução ao processo de crédito – unidade V).
A segunda é a condução que se refere à comprovação da aplicação do crédito,
fiscalização, eventuais alterações das condições pactuadas e
acompanhamento do cliente (Qualidade do Crédito – Introdução ao processo
de crédito – unidade VI; Risco de Operações – caderno 2 – pág. 141). Assim,
esta etapa vem após a contratação da operação e permanece enquanto a
operação estiver em curso normal ou for liquidada.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão solicita que se numere a segunda coluna, que descreve as


características normais do ramo de negócio, de acordo com o respectivo ramo.
São características normais dos ramos:
Supermercado: Necessidade de capital de giro negativo por ter alto giro do
estoque, recebimento em sua maioria à vista e prazo de fornecedores. Para
girar os estoques, reduz-se a margem operacional compensada pelas receitas
financeiras provenientes das disponibilidades proporcionadas pela necessidade
de capital de giro negativo. Esta característica de necessidade de capital de
giro negativo foi muito explorada na época da inflação, para a obtenção de
receitas financeiras. Procurava-se aumentar ainda mais os prazos com os
fornecedores e girar os estoques mais rapidamente, via compressão das
margens. Assim, com o recebimento a vista, os recursos do caixa era aplicado
no mercado financeiro à taxa de inflação mais juros. No entanto, as
características mencionadas prevalecem mesmo em ambiente de moeda
estável.
Escola – Imobilizado alto em função de prédios ou instalações. Não apresenta
estoque ou duplicatas a receber. Os contratos firmados para o período escolar
não podem ser contabilizados como a receber antes da prestação dos
respectivos serviços, respeitando-se o regime de competência. Se os contratos
fossem contabilizados como receitas, gerariam impostos antecipados.
Geralmente se adota o recebimento antecipado da mensalidade no inicio do
mês a que se refere. Assim, mantem-se alguma disponibilidade (Caixa e

54
Aplicações financeiras) para fazer frente as despesas no mês e impostos que
serão exigidos no mês seguinte. Os impostos e encargos trabalhistas são
contabilizados no Passivo Circulante para pagamento no próximo mês,
portanto o índice de liquidez se apresenta baixo considerando a inexistência de
estoque e duplicatas a receber, contra os valores de fornecedores, impostos e
encargos trabalhistas. Os encargos trabalhistas são relativamente elevados por
ser uma escola, como em geral para as empresas prestadoras de serviço, que
são baseadas em mão-de-obra (professores, pessoal administrativo e/ou de
manutenção). Com isso, para escola NÃO se pode afirmar que apresenta uma
necessidade de capital de giro.
Siderurgia: Apresenta elevado imobilizado, portanto necessita que seja
financiado preferentemente por Patrimônio Líquido. Além disso, é característica
de Siderurgia o ciclo financeiro positivo, necessitando de capital de giro próprio
para financiá-lo. Assim, o PL é maior que o imobilizado que não está financiado
por recursos de longo prazo, indicando que o setor trabalha com PL elevado. O
Endividamento geral é Passivo de terceiros dividido por Patrimônio Líquido.
Então, o índice se apresenta geralmente baixo, em condições normais. Nos
casos específicos de empresas siderúrgicas que estejam em processo de
expansão ou de atualização tecnológica, elas podem apresentar endividamento
mais alto. Nestes casos, utilizam recursos de longo prazo ou recursos
internacionais para financiar os investimentos.
As siderúrgicas apresentam ciclo financeiro positivo, ou seja, estoques e
duplicatas a receber bem maiores que os fornecedores. Apresentam também
uma estrutura de dispêndios mensais elevados. Sendo que, para diminuir o
risco de liquidez, quanto maior o ciclo financeiro e maior os dispêndios, maior
necessidade de disponibilidades. Assim, mesmo com valores em financiamento
de capital de giro, para não haver risco de liquidez, necessita-se manter uma
estrutura financeira conservadora ou índice de liquidez relativamente elevado.
Prestação de Serviços: Tendo em vista que não houve maiores especificações
com relação a que tipo de prestação de serviços a questão se referia, a
característica geral do ramo que poderia estar relacionada era unicamente
despesas de mão-de-obra.
A mediana é utilizada como referência para determinação das características
do setor, tendo em vista que é uma medida de tendência central, havendo
ocorrências com valores superiores e inferiores a ela.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Em recurso há alegação de que o conteúdo está incorreto e solicitação de


anulação da questão. Considerando a alternativa:
“as estratégias para ajuizamento de operações de crédito com risco do Banco
levam em consideração o montante do endividamento total do cliente no BB e a
relação custo/benefício da medida.”

55
As estratégias para cobrança e recuperação de crédito do Banco mudaram da
“visão operação” para a “visão cliente”. Nesse contexto, para o
ajuizamento, as estratégias foram definidas com base no endividamento total
do cliente e a relação custo/benefício da medida, conforme dispõe o item 4 do
LIC 450.50.2.300:
“Para ajuizamento de operações cujo risco é do Banco do Brasil, foi definida
estratégia (DOC#5826) que leva em consideração o montante do
endividamento total do cliente no BB e a relação custo/benefício da medida.”
Dessa forma, o conteúdo da alternativa está plenamente condizente com o
conteúdo do item 4 da referida instrução.
Alguns dos casos relatados são tratados, no âmbito das estratégias, como
excepcionalidades, de acordo com o contido no item 7 do mesmo LIC:
“A estratégia de ajuizamento (DOC#5826) considera, também,
excepcionalidades em função do canal de cobrança (agência ou
Gerat), produto e modalidade, tais como: operações rurais, operações de
financiamento ou arrendamento de veículos e, ainda, as especificidades de
novos produtos em fase de lançamento.”

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A opção:
“o objetivo da falência é permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego
dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo a preservação
da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica” está
incorreta, pois o objetivo indicado não é o da Falência, e sim da Recuperação
Judicial, conforme LIC 450.55.2.1701, item 2. Logo, o argumento de que estaria
correta não procede.
A opção:
“as operações de devedores com processamento de recuperação judicial
deferido ou com falência decretada devem ser transferidas para condução das
Gerat” também não está correta, pois as regras para transferência dessas
operações constam do LIC 450.5.2.300, especificamente o item 27, alínea “a”,
incisos I e II. Lá, consta que operações de devedores com falência decretada
ou com processamento de recuperação judicial deferida devem ser transferidas
para as Gerat independentemente de valor.
Além disso, esse assunto também é abordado nas instruções específicas:
Recuperação Judicial – LIC 450.55.2.1701, item 24: “As operações de
devedores com processamento da recuperação judicial deferido devem ser
imediatamente transferidas para condução da Gerat, conforme
LIC#450.5.2.300, item 27 #”.
Falência - LIC 450.55.2.1704, item 19: “A condução das operações de
devedores com processamento de falência deferido está a cargo das Gerat.”

56
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A alternativa – “O Pilar II, objetiva assegurar que o nível de capital seja


compatível com o perfil de risco do Banco” está correta, conforme Curso
Introdução à Gestão de Riscos – Capítulo II, Acordo de Basiléia II, Pilar II,
página 32.
Os quatro princípios estabelecidos pelo Comitê de Basiléia ratificam essa
afirmativa, especialmente o primeiro e o segundo:
“1o Princípio: Os bancos devem ter um processo para estimar sua adequação
de capital em relação ao seu perfil de risco e possuir uma estratégia para
manutenção de seus níveis adequados de capital.”
2o Princípio: Os supervisores devem avaliar as estratégias, as estimativas de
adequação e a habilidade dos bancos em monitorar e garantir sua
conformidade com a exigência de capital mínimo.”
Portanto, no Pilar II a ênfase está na necessidade de os bancos possuírem
volume de capital adequado para suportar todos os riscos envolvidos nos
negócios. O capital (Pilar I) não deve ser visto como única opção que o
regulador utilizará para tratar da questão do risco, mas também os controles e
processos de administração de riscos que se revelarem insuficientes ou
inadequados.
O conteúdo da questão consta do conteúdo programático para a prova de
Gestão do Crédito – item 9 “Acordos de Basiléia (Comitê, Acordo de 1988,
Basiléia II, Exigência de Capital e Índice de Basiléia)”, sendo injustificado o
argumento de que o conteúdo da questão não é pertinente à certificação.
A alternativa: “O terceiro pilar enfatiza a necessidade de divulgação do
processo de gerenciamento das garantias recebidas” não está correta.
Considerando o contexto da questão e o conteúdo do Pilar III – Disciplina de
Mercado, conforme Curso Introdução à Gestão de Riscos – Capítulo II, Acordo
de Basiléia II, Pilar III, página 32, a alternativa é falsa.
Disciplina de Mercado representa um conjunto de exigências de informações a
ser divulgado para os participantes do mercado, possibilitando o
acompanhamento mais preciso das operações do banco, do nível de capital,
das exposições a risco, dos processos de gestão de riscos e da adequação do
capital aos requerimentos regulatórios.
Caso a alternativa fosse considerada verdadeira, o escopo de Pilar III estaria
sendo reduzido ao gerenciamento das garantias recebidas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

57
Candidatos alegam divergência do conceito apresentado na alternativa
(gabarito da prova), e o encontrado na literatura. No entanto, por tratar-se de
avaliação de competências, prevalece o regulamento interno do Banco, que
apresenta o seguinte conceito:
“VaR: corresponde a soma da Perda Esperada Vincenda e do Capital
Econômico - CE para o mês de referência, no período de até 1 ano, LIC
532.1.400.251, item 1.” LIC 532.0001.00500.0264.0001, item 39.
Por esta razão alteramos o gabarito da questão e a alternativa correta passa a
ser:
“perda inesperada representa as perdas decorrentes de eventos não previstos
ou diretamente relacionados aos negócios”.

Resultado da análise de recursos: Gabarito 1 – D


Gabarito 2 – B
Gabarito 3 – B
Gabarito 4 – D

58
MARKETING

59
QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila de Marketing, no capítulo 2.2, sobre


segmentação, alvo e posicionamento. Este último é definido como o conjunto
de atividades que permitem influir na construção e na consolidação de uma
imagem positiva e diferenciada na mente dos diversos públicos de interesse
organizacional.
De acordo com a apostila, o posicionamento não é um mero diagnóstico da
imagem atual da organização junto aos mercados em que atua (opção errada
de resposta). Tal diagnóstico pode, no máximo, ser considerado como uma das
partes de um processo mais amplo de construir e consolidar a imagem
institucional e mercadológica positiva de uma empresa (resposta correta).
O posicionamento também não representa o desenvolvimento de diferenças
significativas para distinguir a oferta entre empresas. Esse é o conceito de
diferenciação (no mesmo capítulo). Sem dúvida, a escolha dessas diferenças é
um dos elementos que podem auxiliar a empresa a alcançar uma imagem
sólida. Mas a apostila evidencia que o conceito de diferenciação não pode ser
tomado como o processo mais amplo (que inclui uma série de outras ações) de
se posicionar uma empresa no mercado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila de Marketing no capítulo 3.4, que aborda um


dos elementos do composto de marketing, a Praça. Segundo o texto, tal
componente do mix de marketing representa todo o conjunto de planejamento
e ações desenvolvido pela organização para tornar um produto disponível à
aquisição, uso e consumo do público-alvo. Portanto, inclui os canais de
distribuição, a logística, o ponto-de-venda (PDV) ou ponto de atendimento. No
caso do BB, são elementos que representam a praça a agência, o caixa
eletrônico e a internet (resposta correta).
A equipe de atendimento e o gerente não integram o elemento Praça. São os
fornecedores do serviço. Dessa forma, poderiam estar inseridos no fator
Produto. Também podem ser considerados como elementos da Promoção,
incluídos na ferramenta força de vendas. Já a marca é um componente
(intangível) do Produto (ou serviço) e não da Praça.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

60
Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila de Marketing, no capítulo 2.3, que aborda,


entre outros temas, a análise do ambiente de mercado. Nesse sentido, a
seleção de possíveis eventos futuros não auxilia a empresa a explorar as
incertezas no seu fluxo de caixa, pois esse (o fluxo de caixa) é um instrumento
administrado pela direção. Ou seja, é uma variável controlável que não gera
incertezas para a organização, embora possa variar em função de
acontecimentos externos. Além disso, não é função de uma análise de cenário
explorar (apenas) os fatores analisados. O objetivo é utilizar tal ferramenta para
analisar os cenários e se preparar melhor para o que pode acontecer.
Na realidade, como está na apostila, a análise de cenário auxilia a empresa,
entre outros objetivos, a explorar as incertezas geradas por um ambiente
competitivo que se transforma com extrema velocidade. Aqui o verbo explorar
está correto. Pois uma análise de cenário, de fato, investiga os fatores externos
(do ambiente), para dessa forma, permitir que a organização identifique as
mudanças do ambiente e se adapte a elas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila de Marketing, capítulo 3.5, que aborda o


composto promocional e explica, entre outras, a ferramenta de promoção de
vendas, definida como incentivo de curto prazo para estimular a venda de um
produto. Utiliza-se uma promoção do BB, denominada “De amigo para amigo”,
com amplo destaque, ainda no portal da empresa na internet. Através dela, são
concedidos prêmios a quem indica amigos para serem clientes do banco.
O fato de não estar na apostila não invalida a questão. Afinal, trata-se de uma
ferramenta bastante divulgada pela empresa que deve ser do conhecimento de
seus funcionários. Além disso, o que se exige na pergunta é o domínio das
ferramentas de comunicação (composto promocional) e não um conhecimento
aprofundado da promoção “De amigo para amigo”.
Tal estratégia não se relaciona com as relações públicas, pois essa ferramenta
tem o objetivo de construção de imagem, no longo prazo, a partir de relações
com investidores e outros stakeholders. As ferramentas típicas dessa área são
assessoria de imprensa, materiais de identidade corporativa (cartões de visita,
uniformes, logotipos em carros), promoção de eventos e projetos sociais. Ou
seja, não se caracteriza como um instrumento para aumentar o número de
clientes (como era citado no enunciado), em curto prazo, como é o caso da
estratégia “De amigo para amigo”.
Também não é uma ação de marketing direto, que se caracteriza por uma
comunicação direta com o cliente, por intermédio de mala-direta, catálogos,
telemarketing, comércio eletrônico, compra pela TV etc. É claro que uma
promoção de vendas deve ser comunicada ao público-alvo. Para isso utiliza-se
não somente o marketing direto, como outras ferramentas de comunicação,

61
entre elas a propaganda e a força de vendas. Mas o que se pede na questão é
o entendimento da concepção estratégica da ferramenta utilizada. Nesse
sentido, conceder prêmios para clientes que indiquem amigos é, claramente,
uma estratégia de promoção de vendas. Não se pergunta como tal promoção é
divulgada, mas a que ferramenta de comunicação ela se relaciona.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila de Marketing, no capítulo 4.3 – estrutura do


plano de marketing – primeira fase (planejamento). Nele, afirma-se que a
análise do ambiente interno envolve aspectos fundamentais sobre o
funcionamento da organização e levará à análise das forças e fraquezas, que
poderão afetar positiva ou negativamente o seu desempenho.
Tal análise não tem o objetivo de identificar o público-alvo a ser conquistado
porque é um instrumento de avaliação do ambiente interno de uma empresa.
Para se definir o público-alvo é necessário um estudo do ambiente externo,
muitas vezes por meio de uma pesquisa de mercado. Essa mesma análise (do
ambiente externo), ainda em sintonia com a apostila, é que auxiliará a empresa
a definir as ameaças e oportunidades do negócio.
A definição dos objetivos e metas de um planejamento, bem como das ações
de marketing (na qual poderiam se encaixar as idéias criativas para sua
comunicação) são feitas em função da avaliação de um conjunto de fatores que
não se restringem ao ambiente interno. Muito pelo contrário, são decisões
planejadas com base muito mais nas variáveis localizadas no ambiente externo
(clientes, concorrência, mercado, tendências, entre outras).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referência a apostila de Marketing, no capítulo 6.4 –


segmentação utilizada pelo BB. Afirma-se que o modelo de segmentação
adotado para as pessoas jurídicas assentou-se nas seguintes variáveis:
segmento econômico e porte das empresas. O porte das empresas é definido
pelo faturamento bruto anual. Já o segmento econômico refere-se à natureza
da atividade econômica da empresa cliente: indústria, comércio ou setor de
serviços.
Não há outro modelo identificado na apostila, especificamente relacionado à
segmentação da empresa para as pessoas jurídicas. Há considerações sobre a
segmentação em geral, que pode ser geográfica, demográfica ou psicográfica.

62
Mas essas são as bases de todo o processo de segmentação de mercado. A
partir delas, o BB define sua própria estratégia, explicada no capítulo 6.4.
Observa-se que essa questão (e a prova como um todo) não parte de
pressupostos sobre as (diversas) áreas de atuação dos funcionários da
empresa, exigindo conhecimentos prévios relacionados com o exercício da sua
atividade profissional. Ao contrário, está baseada unicamente no conteúdo da
apostila fornecida a todos que participam do processo de certificação,
independentemente da área em que atuem.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referência a apostila de Marketing, no capítulo 7.3 –


sobre as características específicas do marketing bancário. Das três
afirmações apresentadas, apenas a primeira e a terceira são verdadeiras.
A primeira, porque de fato (como explicado na apostila), os clientes, em sua
maioria, não conhecem os produtos existentes e têm pouca familiaridade com o
aspecto abstrato de muitos serviços oferecidos. Observa-se que não se diz que
todos os clientes não têm conhecimento e familiaridade, mas a maioria deles.
Daí a necessidade de que o atendente bancário forneça mais detalhes sobre o
produto, tornando-se um prestador de serviços que agrega consultoria e
orientação para aplicações financeiras e investimentos. Deve-se agir assim,
mesmo observando um maior nível de informação por parte da clientela, nos
últimos anos, que continua sem dispor, no entanto, de tempo suficiente para se
inteirar de todos os aspectos relacionados aos variados serviços oferecidos por
um banco.
A terceira também está correta porque os Bancos procuram estabelecer
relações permanentes com alguns clientes, por meio do marketing de
relacionamento. Observa-se que as estratégias desse tipo são direcionadas a
grupos de clientes específicos, segmentados a partir da utilização racional do
banco de dados. Ou seja, não são estratégias para todos os clientes de uma
empresa.
Já a segunda afirmação está errada, pois clientes bancários, embora ávidos
por inovações e novos produtos, não estão sempre voltados para o lucro. Esse
raciocínio contraria um princípio básico de Marketing, explicado na apostila,
segundo o qual clientes buscam uma série de benefícios (funcionais e
emocionais) e não se limitam a apenas um deles no processo de compra.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

63
O referencial para a questão foi a apostila de Marketing, no capítulo 7.4, sobre
qualidade dos serviços. Nele, argumenta-se que o cliente julga a qualidade do
serviço com base na avaliação de cinco atributos, entre eles a empatia –
definida como a consideração e atenção individualizada que a empresa tem
com seus clientes. Trata-se, portanto, da capacidade de o fornecedor do
serviço colocar-se no lugar do cliente (resposta correta).
Não se trata de um fator subjetivo, pois basta definir o que se entende por
empatia e introduzir técnicas para se medir tal habilidade. Portanto, é
exatamente tal entendimento que se pede na questão.
A alternativa que define empatia com referência ao conhecimento dos
bancários e sua (dos bancários) habilidade para inspirar credibilidade não é
confusa. A opção não está sem sentido, pois os dois fatores são claros e não
se ligam à empatia. Segundo a apostila, são elementos que definem o fator
garantia (pelo julgamento dos clientes).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referência a apostila de Marketing no capítulo 8.1 –


conceito de marketing de relacionamento, que explica a veracidade das duas
afirmações do enunciado. A primeira diz que o relacionamento com o cliente
não deve ser um programa de curto prazo ou um modismo e sim fazer parte da
cultura da organização. Já a segunda afirma que as ações de marketing de
relacionamento levam tempo para trazer resultados e o retorno desse
investimento se dá no longo prazo.
Importante frisar que tais ações não geram retorno de curto prazo, exatamente
porque o relacionamento de uma empresa com seus clientes, quando
consistente, demanda tempo para ser construído (como explicado na apostila).
Embora as duas afirmações sejam apresentadas, nesse capítulo, como
premissas para um adequado relacionamento com o cliente, é possível
relacioná-las (como no enunciado) de forma que uma justifique a outra. Basta
colocar a primeira afirmativa em forma de pergunta: porque o relacionamento
com o cliente não deve ser um programa de curto prazo ou um modismo?
Porque as ações desse tipo levam tempo para acontecer, ou seja, dão retorno
no longo prazo. Nesse caso, percebe-se nitidamente que a segunda afirmativa
justifica a primeira (e não apenas se relaciona com ela).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

64
O referencial para a questão foi a apostila de Marketing, no capítulo 8.2, sobre
Modelo de Relacionamento com os Clientes. Nele, afirma-se que o Plano Ouro
de Serviços e o Clube Ouro são instrumentos utilizados pelo BB para
recompensar os clientes atuais e conquistar novos consumidores (resposta
correta).
O fato de os produtos não estarem à disposição, atualmente, no mercado não
invalida a questão. Isso porque tratam-se de ações de reconhecido sucesso na
estratégia da empresa, que se enquadram muito bem numa ação de marketing
de relacionamento. Como o objetivo da questão é avaliar o conhecimento do
candidato em relação aos modelos de relacionamento do BB com seus
clientes, um exemplo antigo (ou recente) é uma boa maneira de se fazer isso.
O fato é que o conteúdo da apostila (independente de ser atualizado por
erratas) deve ser do conhecimento dos candidatos, pois representa o material a
ser estudado. Dessa forma, ao atualizar as nomenclaturas, a errata não
interfere no conteúdo, pois está claro que são ações de marketing de
relacionamento.
Ressalta-se, ainda, que esse (marketing de relacionamento) é o tema da
questão e não os produtos em si (Plano Ouro de Serviços e Clube Ouro). Se a
pergunta exigisse um conhecimento específico do candidato a respeito dos
mesmos, aí sim poderia prejudicar os funcionários mais novos, que foram
admitidos no banco quando esses produtos não existiam mais.
Em relação à alternativa de se ampliar a aceitação dos serviços bancários pela
sociedade, trata-se de uma ação mais ampla, geralmente utilizada para
melhorar a imagem dos bancos perante a população. Não é uma ação voltada
para os clientes. Nesses casos, as ferramentas mais usadas são da área de
Relações Públicas e não de marketing de relacionamento, como as citadas no
enunciado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila de Marketing, no capítulo 8.2 – sobre


modelo de relacionamento com o cliente. Trata-se de uma pergunta sobre o
planejamento das estratégias de relacionamento por meio da customização.
Portanto, o gerente solicita um levantamento junto ao banco de dados com o
objetivo de elaborar propostas para realizar promoções que estejam em
sintonia com a necessidade e o potencial de conversão dos clientes.
Esse é o sentido da estratégia de promoção customizada, qual seja o de utilizar
as informações para detectar necessidades específicas e efetuar as ações de
venda (conversão dos clientes) por meio de ofertas de produtos e serviços que
atendam exatamente essas necessidades.
De acordo com o enunciado, o gerente não pretende elaborar propostas de
utilização de ferramentas para se atingir o público selecionado. Sendo assim,
não cabe como resposta a opção de se elaborar propostas em sintonia com

65
ação de telemarketing e comunicação dirigida. Essas duas ferramentas são de
marketing direto e não de promoção de vendas. Além disso, são realizadas
sem (necessariamente) conter propostas customizadas. Nesses casos, utiliza-
se o banco de dados para segmentar os clientes a serem contatados, mas isso
não significa que as propostas estejam em sintonia com os interesses
específicos dos mesmos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila de Marketing, no capítulo 9, sobre E-


marketing, apresentando três afirmações, das quais duas estão corretas e
outra errada.
A primeira afirmação é verdadeira porque as páginas dos bancos na web
apresentam (sim) diversas informações sobre as estratégias das empresas.
Nelas, obtêm-se informações sobre os produtos, público-alvo a ser disputado e
sobre a linha de comunicação com o mercado, entre outras. Também é
possível simular negócios, mesmo quando as páginas da internet
disponibilizam tais operações apenas para os correntistas. Afinal, não é difícil
passar-se por correntista de um banco para se realizar simulações como
essas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O referencial para a elaboração da questão foi a apostila de Marketing, capítulo


11, que apresenta a classificação de produtos sob a ótica da responsabilidade
socioambiental (figura 18). Nele, os planos de previdência privada são
classificados como produtos benéficos, aqueles que têm baixo apelo, mas
beneficiam o consumidor no longo prazo. O baixo apelo ocorre exatamente
porque o benefício acontece no longo prazo e o consumidor tende a não
demandar tais produtos com a mesma intensidade que procura os outros tipos
de produtos.
Planos de previdência não são considerados produtos desejáveis, porque não
proporcionam alta satisfação imediata, já que os investimentos serão feitos no
presente, para que se obtenham os benefícios no futuro.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

66
QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila de Marketing, capítulo 11, onde se afirma


que, dentre os fatores que têm impulsionado as empresas brasileiras na
ampliação do conceito de responsabilidade socioambiental, está o crescente
grau de organização da sociedade e, especialmente, do terceiro setor.
Dentre esses fatores não se encontra a diminuição das desigualdades sociais,
pois o mesmo não guarda relação direta com os investimentos em
responsabilidade socioambiental. Pelo contrário, o que acontece hoje é que
prevalecem enormes carências sociais no país (conforme consta na apostila),
motivando as empresas a contribuir de maneira mais efetiva com a sociedade.
Da mesma forma, os investimentos em responsabilidade socioambiental não
têm relação direta com o crescimento da participação dos funcionários no lucro
operacional. Mesmo que isso estivesse acontecendo (o crescimento da
participação no lucro), tal fator não representaria um elemento determinante
para o crescimento das ações de responsabilidade socioambiental. O mais
provável seria o inverso. Ou seja, que a participação dos funcionários no lucro
das empresas decorresse do crescimento nos investimentos em
responsabilidade socioambiental.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila de Marketing, no capítulo 8.3, que aborda


o CRM (Customer Relationship Management). Os três benefícios descritos no
enunciado estão corretos.
No primeiro deles, não há necessidade de se destacar graficamente o termo
customização em massa, porque o mesmo é bastante usual na literatura de
marketing, muito utilizado, inclusive, nas estratégias de CRM. Além disso,
espera-se que o candidato domine os conceitos apresentados na apostila e
faça a ligação entre os diversos conteúdos da mesma. Nesse sentido, o CRM
facilita a customização em massa, ou seja, possibilita que a empresa ofereça
opções de diferenciação de seus produtos e serviços, de acordo com as
necessidades específicas de grupos de usuários.
O terceiro benefício apresentado também está correto, pois o CRM possibilita
menores custos. Significa dizer, portanto, que proporciona redução de custos
se comparado com outras ações. Tal redução se origina do fato de que ações
de CRM são mais focadas e geram menor investimento para se atingir o
público-alvo, ao mesmo tempo em que evitam a dispersão, pois atingem os
clientes com mais precisão.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

67
RESPONSABILIDADE
SOCIAMBIENTAL E
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL

68
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referencial a apostila sobre Responsabilidade


Socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que
nas páginas 19 e 20 explica os conceitos do desenvolvimento sustentável, em
sintonia com as três afirmações apresentadas no enunciado, todas corretas.
A primeira afirmação é exatamente a definição que consta do relatório Nosso
Futuro Comum, conhecido como Relatório Brundtland, documento divulgado
em 1987, como resultado da Assembléia Geral das Nações Unidas. Segundo
esse relatório, desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as
necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras
de suprir suas próprias necessidades. Esse conceito não remete ao
entendimento de que as gerações futuras devam satisfazer as necessidades da
geração presente. Muito pelo contrário, afirma que se hoje não nos
preocuparmos com a sustentabilidade do planeta, não há garantias de que as
gerações futuras terão suas (próprias) necessidades atendidas.
As demais opções se relacionam ao conceito de desenvolvimento sustentável,
mesmo se as considerarmos como desafios a serem enfrentados ou
dimensões do mesmo. A segunda afirma que a sustentabilidade do
desenvolvimento implica uma mudança nas relações econômicas, político-
sociais, culturais e ecológicas, nos níveis local e global, exatamente como na
página 20 da apostila. O correto entendimento do conteúdo da matéria daria
aos alunos a percepção de que é preciso haver mudanças em todos esses
níveis, inclusive o cultural, visto aqui no seu sentido mais amplo de percepção
de mundo e modo como as pessoas se comportam nele. Ou seja, as relações
culturais, no contexto do capítulo, não se referem às manifestações artísticas,
ao folclore, à culinária e tradições locais, que (essas sim, as manifestações)
precisam ser respeitadas e preservadas.
A terceira afirmação também não apresenta nada de errado, que vá de
encontro ao conceito de desenvolvimento social, pois esse processo é aquele
que compatibiliza três dimensões: a conservação ambiental, a inclusão social e
o crescimento econômico. O fato de não se complementar o raciocínio, a
exemplo do que consta na apostila (pág. 20), dizendo que as três dimensões
devem ser articuladas a partir da diversidade cultural, não torna a afirmação
incorreta. Muito pelo contrário, pois nas três dimensões encontram-se a base
para projetos de desenvolvimento social. Considerar a afirmação como falsa
(isso sim) seria uma incoerência com o conteúdo da apostila.
Argumenta-se ainda que não se trata de um reducionismo a colocação das
dimensões nesses termos. Ao contrário, o objetivo é ser mais específico, em
sintonia com a ideia que se pretende passar. Ou seja, na dimensão ambiental,
busca-se o enfoque da conservação, aliada à inclusão social (especialmente
dos mais pobres) na dimensão social, sem prejudicar o crescimento
econômico. Essa última dimensão, colocada nesses termos, não torna a
afirmação incorreta, sob o argumento de que o certo seria escrever
desenvolvimento econômico. Estaria errado se crescimento econômico
aparecesse isoladamente. No entanto, ao ser compatibilizado (e isso inclui
aceitação, viabilidade e respeito) com a conservação ambiental e a inclusão

69
social, tem-se a exata compreensão da dimensão econômica sob a ótica do
desenvolvimento sustentável.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que na página 21 e 22
aborda a Agenda 21. Segundo o texto, é incorreto afirmar que seja um
documento que apresenta a solução para os problemas ambientais, políticos e
sociais dos municípios, países e continentes. Nele, afirma-se justamente o
oposto, ou seja, que a Agenda 21 não é um receituário mágico, com fórmulas
para resolver todos os problemas ambientais e sociais.
As demais alternativas estão corretas, pois explicam a Agenda 21 como um
instrumento de apoio à sociedade para discutir e buscar soluções para os
problemas do planeta. Representa, portanto, um guia para se diagnosticar os
problemas de cada cidade, país ou continente, porque, em sua fase de
execução, avalia as crises e conflitos constantes em cada região, para que
sejam entendidos e para pactuar formas de resolvê-los. Seria incorreto afirmar
que os problemas do planeta já estão diagnosticados, pois os mesmos estão
em um processo de análise permanente, que depende de diversas situações e
do olhar de quem os avalia.
A alternativa que define a Agenda 21 como uma forma de participação em que
a sociedade, os governos, os setores econômicos e sociais devem se envolver
também está correta. Afinal, esse é o comportamento que se espera desses
atores sociais, ou seja, a participação. O verbo dever assume esse sentido na
afirmação, qual seja o de enfatizar a necessidade do envolvimento. Não dá à
frase um sentido de obrigatoriedade dessa ação, mesmo porque ela (a frase)
se inicia definindo a Agenda 21 como uma forma de participação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referência a apostila sobre Responsabilidade


socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que na
página 27 cita o Instituto Ethos (2007) para definir o conceito de
responsabilidades socioambiental:

70
É a forma de gestão que se define pela relação ética e
transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela
se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais
compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade (...)

Na mesma página, é esclarecido que filantropia empresarial é, basicamente,


uma ação social externa da empresa, que tem como beneficiária principal a
comunidade em suas diversas formas – conselhos comunitários, organizações
não-governamentais, associações comunitárias. Trata-se, portanto de um dos
públicos com os quais as empresas se relacionam.
Na apostila é dito, ainda, que responsabilidade socioambiental é um conceito
mais amplo, focado na cadeia de negócios da empresa e que engloba
preocupações com um público de relacionamento maior, cujas demandas e
necessidades a empresa deve buscar entender e incorporar aos negócios.
A conclusão, portanto, é que a filantropia empresarial está contida no conceito
de responsabilidade socioambiental, como aparece na primeira afirmação. E
por quê? Porque a responsabilidade socioambiental também diz respeito a uma
relação ética da empresa com os seus diversos públicos de relacionamento
(comunidade entre eles).
Logo, as duas afirmações estão corretas e a segunda justifica a primeira. Ou
seja, as afirmações não apenas se relacionam como também se justificam, pois
as ações de filantropia, dentre outras, fazem parte do conceito de
responsabilidade socioambiental.
Não se está argumentando, na segunda afirmação, que o fato da empresa
praticar a filantropia pressupõe uma relação ética com seus diversos públicos.
Afirma-se que o conceito de responsabilidade socioambiental diz respeito ao
relacionamento com os diversos atores sociais (para usar outra expressão da
mesma apostila, pg. 28) que se relacionam com a empresa.
Observa-se que se trabalha aqui com conceitos, e não com casos práticos, que
tomados por si só, poderiam exemplificar empresas que usam projetos de
filantropia para fins escusos. Tais situações (isoladas) não estão contempladas
no enunciado da questão e não serviriam para argumentar que a segunda
afirmativa não justifica a primeira. Em outras palavras, o fato de que projetos
tidos como de filantropia possam ser praticados por uma empresa fora do
contexto ético da responsabilidade socioambiental não inviabiliza nem
desmente os conceitos colocados nas duas afirmações (especialmente na
segunda). São situações que ocorrem no mundo real dos negócios, mas que
por si só, já se colocam numa posição contrária ao conceito verdadeiro de
responsabilidade socioambiental.
Da mesma forma, exemplos isolados de empresas que usam a bandeira da
filantropia para benefício próprio não se enquadram nos conceitos
apresentados na literatura sobre o tema. São identificados claramente como
golpes, falsos projetos e definidos como ações fora do contexto da ética. A
verdadeira filantropia empresarial, por seu lado, representa uma ação ética,
enquadrada nos princípios da responsabilidade socioambiental. A primeira, por
si só, não pode ser definida como a segunda, mas as duas estão relacionadas,
já que uma faz parte da outra, como afirma o enunciado.

71
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referencial a apostila sobre Responsabilidade


Socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que
nas páginas 35 e 36 explica os diversos fatores considerados num processo de
RSA, de acordo com o Instituto Ethos. Tais fatores representam as diversas
dimensões da responsabilidade socioambiental, consideradas a partir da
atuação da empresa junto a cada um de seus stakeholders (partes
interessadas).
Sendo assim, sob a ótica dos consumidores (pág. 35) especificamente, como
pede o enunciado da questão, uma empresa socialmente responsável é aquela
que investe permanentemente no desenvolvimento de produtos e serviços
confiáveis, que minimizem os riscos de danos à saúde dos usuários e das
pessoas em geral.
A alegação de que o advérbio permanentemente dá um sentido de
obrigatoriedade à alternativa correta não procede. Da mesma forma, não
contradiz a teoria da Administração, no sentido de que nenhum investimento
pode ser pra sempre. O termo quer dizer, de acordo com o conteúdo da
apostila, que ações éticas perante os consumidores devem ser realizadas sem
interrupção. Caso contrário, seria encarada como mero artifício de
comunicação, sem um real envolvimento da empresa com seus clientes.
As demais alternativas referem-se à atuação da empresa perante outros
atores, conforme especificado na apostila, a saber:
- público interno: mantém um relacionamento ético e responsável com
minorias e instituições que as representam (pág. 35);
- meio ambiente: gerencia suas atividades de maneira a identificar e
minimizar os impactos negativos ao meio ambiente e amplificar os positivos,
disseminando os seus conhecimentos (pág 35).
- comunidade: assume o papel de agente de melhorias sociais, em
respeito aos costumes e culturas locais, utilizando estratégias e políticas de
envolvimento comunitário (pág. 36).
- governo e sociedade: mantém relações éticas e responsáveis com os
poderes públicos, cumprindo as leis e contribuindo para a constante melhoria
das condições sociais e políticas do país (pág. 36).
O argumento de que todas as respostas estão corretas, porque visam ao bem
estar da sociedade, relacionando-se, portanto, com os consumidores e, dessa
forma, atendendo ao enunciado, não é válido, pois o consumidor é um ator
específico na atuação de uma organização e é atendido com ações éticas
dirigidas a ele. Da mesma forma, ao assumir o papel de agente de melhorias
sociais, a empresa não está atendendo especificamente o consumidor (mesmo
se o consideramos como um cidadão integrante de uma sociedade, com
costumes e culturas singulares), mas sim à comunidade como um todo.
É claro que seus clientes também podem se incluir nessa comunidade e que os
mesmos são agentes de melhorias em suas decisões de compras. Mas, na
dimensão da comunidade, o foco das ações não está voltado para os

72
consumidores. Ou seja, o público-alvo é outro, as intenções não são as
mesmas, os objetivos são diversos e a forma de se relacionar,
consequentemente, torna-se diferente da maneira de se atuar perante os
consumidores.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), no capítulo sobre RSA
nas instituições financeiras. Na página 39, explica-se o MDL (Mecanismo de
Desenvolvimento Limpo), através do qual os países desenvolvidos podem
comprar créditos de carbono de países em desenvolvimento, responsáveis por
projetos que reduzam a emissão de gases poluentes.
O Protocolo de Kyoto, de fato, instituiu um compromisso, entre os países
desenvolvidos que o assinaram, de reduzir a emissão de gases poluentes em
seus territórios na proporção de, pelo menos 5%, abaixo dos níveis detectados
em 1990. Mas essa alternativa não responde a questão, que se refere à função
do MDL, um mecanismo criativo, elaborado para contribuir com a redução
desses gases na atmosfera, sem instituir metas ou percentuais de participação
dos países.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O referencial foi a apostila sobre Responsabilidade Socioambiental (RSA) e


Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 3.2 esclarece
que, para o Banco do Brasil, responsabilidade socioambiental é um processo
de manutenção da ética e do respeito como atitudes nas relações com os
stakeholders e o meio ambiente (resposta certa).
Para a empresa, responsabilidade socioambiental não está direcionada apenas
a um de seus públicos (o cliente), muito menos o de baixa renda, nem
tampouco com a intenção específica de se obter lucro nesses mercados, como
coloca uma das alternativas. Observa-se que essa resposta limita muito o
conceito de responsabilidade socioambiental, que deve ser entendido em suas
diversas dimensões e possibilidades de atuação ética e responsável perante os
stakeholders.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

73
QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A elaboração da questão teve como referência a apostila sobre


Responsabilidade Socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional
Sustentável (DRS), que no capítulo 3.4 aborda as práticas do BB, alinhadas
aos seus princípios, políticas e compromissos públicos de RSA. Sendo assim,
uma ação relevante foi a adesão pioneira a um compromisso público
representado pelo Protocolo Verde, em 1995. Em decorrência da assinatura
desse documento, o Banco do Brasil estabeleceu algumas medidas, como por
exemplo, “vetou a realização de operações destinadas a financiar atividades
que possam causar impacto ambiental” (pág. 52).
Observa-se que essa é, rigorosamente, a informação da apostila. E está
alinhada com o que se pede no enunciado, ou seja, uma das medidas
adotadas com a adesão ao documento. Não se solicita a medida mais
adequada, nem se afirma que foi tomada uma única (correta) providência.
Nesse sentido, o veto ao financiamento de atividades que causem impacto não
só foi uma das medidas, como é informado na apostila, como também está em
sintonia com os princípios do Protocolo Verde.
Pode-se argumentar que uma atitude adequada é o Banco tornar obrigatória a
apresentação de documentação do órgão ambiental competente para
financiamento de algumas atividades. Essa também foi uma ação adotada,
como esclarece a apostila logo em seguida. Isso porque, a princípio, essa
autorização traria consigo ações mitigadoras desse impacto. O importante, no
entanto, é entender que a partir do Protocolo Verde começa a existir uma
avaliação mais cuidadosa por parte dos agentes públicos na realização de
operações desse tipo. E uma das medidas que passaram a ser tomadas foi
(inclusive) vetar a concessão de crédito a projetos impactantes ao meio
ambiente, especialmente (e não somente) se os mesmos não têm autorização
dos órgãos competentes.
Essa é a única alternativa que está em sintonia com os princípios do Protocolo
Verde. Em função da adesão ao documento, o BB não estabeleceu a
contratação de grupo de trabalho para realizar estudos prévios de impacto
ambiental antes da concessão de financiamentos (como exposto em outra
opção). Essa é uma ação de quem pretende ter o financiamento aprovado, em
sintonia inclusive com a legislação da área. Não é uma atitude a ser tomada
pela instituição financeira. O Protocolo Verde estabelece princípios mais gerais
para que os bancos cumpram um papel indutor fundamental na busca de um
desenvolvimento sustentável.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

74
A questão teve por base a apostila sobre Responsabilidade Socioambiental
(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 5.2
mostra que a Agenda 21 do BB representa um instrumento para apoiar a
incorporação de princípios de responsabilidade socioambiental em sua atuação
(resposta correta). Embora tal explicação, na apostila, não apareça nesses
termos, a Agenda 21 é claramente um orientador das ações da empresa,
estruturadas em três dimensões: negócios com foco no desenvolvimento
sustentável, práticas administrativas e negociais com RSA e investimento
social privado.
Não se trata, portanto, de um conjunto de ações que visam à divulgação da
responsabilidade socioambiental como elemento estratégico dos negócios. O
propósito da Agenda 21 não é anunciar que o banco é socialmente
responsável, mas orientar na execução de ações negociais com base nos
princípios da responsabilidade e da ética com os diversos stakeholders.
Nesse sentido, a Agenda 21 pode ser considerada um plano de ação para se
contribuir com o país, como se coloca em uma das opções de resposta, mas
não com datas previstas para início e término das atividades. Ou seja, não é
uma agenda, no seu sentido mais corriqueiro, que serve pra estabelecer e
controlar datas. Mas sim no seu sentido mais amplo, como pauta de
possibilidades de ações e orientações a serem seguidas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 5.2
relaciona as práticas administrativas e negociais do BB. A pergunta é para o
candidato identificar os programas que têm relação com o público interno e as
únicas opções corretas são: “Qualidade de vida no trabalho”, “Pró-equidade de
gênero” e “Adolescente trabalhador”.
De acordo com a apostila, o Banco do Brasil aderiu ao programa “Pró-equidade
de gênero”, com o objetivo de desenvolver novas concepções na gestão de
pessoas e na cultura organizacional para alcançar a equidade de gênero no
mundo do trabalho. É claramente uma ação voltada para os funcionários, com
objetivo de aprimorar seus processos. Lembrando que tal aprimoramento inclui
o viés humano, pois não se entende a administração hoje sem o componente
das relações humanas.
Da mesma forma, é voltado para o público interno o programa “Qualidade de
vida no trabalho”, lançado em julho de 2007, que visa promover qualidade de
vida no trabalho dos funcionários e colaboradores (estagiários e adolescentes
trabalhadores).
Observa-se, portanto, que essa categoria denominada colaboradores deve ser
considerada como público interno ao lado dos funcionários. Exatamente por
isso, o programa “Adolescente trabalhador” se encaixa como resposta certa,

75
pois a apostila alerta que a postura de responsabilidade socioambiental do
Banco não se restringe a seus funcionários. A preocupação em oferecer
melhores condições de trabalho também abrange os colaboradores do Banco
(estagiários, adolescentes trabalhadores, e contratados). O texto destaca que
um dos objetivos do programa é proporcionar ao adolescente a oportunidade
de construir sua trajetória educacional e profissional e sua relação com o
mundo do trabalho em condições adequadas.
É claro que se pode argumentar que tal programa tem relações também com o
público externo. Afinal, para participar, os jovens devem estar inscritos em
entidades assistenciais e devem pertencer a famílias com renda baixa. No
entanto, percebe-se pelos objetivos que é um projeto voltado para o trabalho,
ou seja, para a educação/qualificação profissional dos colaboradores do banco.
O programa “Circuito Cultural” é relacionado em uma terceira dimensão da
estratégia socioambiental, que contém as ações de cunho social, as quais
reforçam o caráter de empresa cidadã do Banco do Brasil. Trata-se de um
projeto itinerante que percorre cidades brasileiras, levando variadas
manifestações de arte e cultura. Não se trata de um programa dirigido
especificamente para os funcionários e colaboradores do banco. O público-alvo
é nitidamente a sociedade, dentro de uma dimensão de se contribuir para o
desenvolvimento do país, conforme se afirma na apostila. O fato dos
funcionários terem acesso às atividades não significa dizer que as mesmas são
projetadas em função de seus interesses.
Da mesma forma, não é voltado para o público interno o programa “Crédito
Responsável”. O fato de o funcionário adotar procedimentos, de acordo com
instruções, com visão de crédito responsável não inclui o programa nessa
dimensão. As ações são claramente dirigidas ao público externo, como
relacionado na apostila.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão teve como referencial a apostila sobre Responsabilidade


Socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no
capítulo 6 apresenta a Estratégia Negocial de DRS do banco. Nesse contexto,
a Diretoria Menor Renda (Diren) tem o objetivo de desenvolver produtos e
serviços e realizar ofertas adequadas ao segmento menor renda (opção
correta).
A criação dessa diretoria tem o objetivo também de ampliar a atuação da
empresa na “base da pirâmide”, como apresentado em outra opção. Mas não
com o sentido específico de se retomar a liderança entre os Bancos. Se assim
fosse, teríamos um objetivo apenas comercial, que não se ajusta aos princípios
relacionados à responsabilidade socioambiental do BB.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

76
QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 6.3
tece algumas considerações sobre como é calculado o PIB – Produto Interno
Bruto. De acordo com o texto, sob a ótica do desenvolvimento sustentável,
esse indicador deveria incorporar índices que representem avaliações ligadas à
sustentabilidade e ao desenvolvimento humano.
O cálculo do PIB, em si, não deve promover melhorias na qualidade de vida
das pessoas e respeito ao meio ambiente. Isso é tarefa de uma política de
governo e do desempenho da economia, entre outros fatores. Da mesma
forma, o PIB (que pode também indicar o nível do crescimento econômico) não
garante por sua vez (afinal é um indicador) as expectativas das gerações
futuras.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A elaboração da questão baseou-se na apostila sobre Responsabilidade


Socioambiental (RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no
capítulo 7.4 explica o conceito de cadeia de valor como sendo um conjunto
articulado de atividades econômicas, técnicas, comerciais e logísticas que vão
desde o fornecimento de insumos para a produção de um produto até sua
entrega ao consumidor final.
A cadeia de valor não se refere apenas a cadeias de distribuição, como
exposto em outra opção de resposta. É um sistema que envolve todos os
elementos da atividade produtiva, descritos em suas variadas formas (não
apenas na forma logística) e que as influenciam direta ou indiretamente.
Da mesma forma, não se refere a um conjunto articulado de agentes de
regulação, instituições de pesquisa, de financiamento, de desenvolvimento, de
capacitação e de assistência técnica a cooperativas, sindicatos e associações
produtivas. Essa é uma definição bastante limitada, não apenas em relação à
extensão das atividades envolvidas numa cadeia de valor, como também no
que diz respeito aos agentes que nela estão envolvidos.
Cadeia de valor também não pode ser compreendida como um conjunto de
matérias-primas, produtos e serviços, da perspectiva do seu impacto em
relação ao meio ambiente. Essa também é uma opção de resposta bastante
limitada. Além disso, está concluída com o raciocínio de que o objetivo desse
conjunto é ampliar o valor da organização, o que simplifica mais ainda a visão
do que seja cadeia de valor.

77
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 6.3
identifica conceitos ligados ao DRS. Entre eles, explica o Coeficiente de Gini,
que é utilizado para calcular a desigualdade na distribuição de renda de uma
região. Sua escala varia de zero a um. Ao contrário do que ocorre no IDH,
quanto mais próximo de zero estiver o Coeficiente de Gini melhor estará a
situação da região, ou seja, sua distribuição da renda. Em seguida, o texto
apresenta o índice do Brasil em 2006, como colocado no enunciado,
concluindo que o país é o décimo mais desigual em termos de distribuição de
renda, numa lista de 126 países.
O fato de que os índices de distribuição de renda no Brasil vêm melhorando
nos últimos anos não elimina a realidade de que a mesma ainda é muito alta,
fazendo perdurar uma situação de extrema desigualdade social. Sem dúvida,
essa situação decorre, entre outros fatores, dos sérios problemas de
distribuição de renda que se apresentam ainda no país.
Além disso, não se pode concluir, utilizando-se apenas o Coeficiente de Gini,
que o país tem desempenho médio nos índices de desenvolvimento humano.
Essa é uma conclusão real (somente) se considerarmos também o IDH, que
mede o nível de bem-estar de uma população.
O Coeficiente de Gini não serve para apresentar indicativos de crescimento
econômico, pois esse não é o objetivo da análise. Tal conclusão apenas seria
possível se fossem apresentados, no enunciado, outros índices como o do PIB
(Produto Interno Bruto) do país, por exemplo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão baseia-se na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental (RSA)


e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 7.5 discorre
sobre o conceito de concertação numa estratégia DRS. Nesse sentido, o texto
afirma que o Banco do Brasil se posiciona no processo de desenvolvimento do
país como parceiro que quer somar esforços, contribuir com as iniciativas já
existentes e fazer parte de novas iniciativas de desenvolvimento sustentável
que possam ser construídas coletivamente.
Todas as outras opções de resposta exageram ou limitam a atuação do banco
e não estão em sintonia com o conceito de concertação. Nesse sentido, o BB
não é um catalisador das decisões estratégicas de DRS, pois essa definição
coloca a empresa como um agente central em tal processo, quando o objetivo
é o de parceria e participação.

78
Da mesma forma, definir a atuação da empresa como a de um fomentador
principal do desenvolvimento regional sustentável é dar uma situação de
destaque que o banco não ocupa e nem deseja.
O BB também não é um financiador (apenas) para ações de impacto ambiental
e cultural nem tampouco o maestro (mais uma vez o personagem principal) das
ações de mudança na realidade social.
Ressalta-se que a questão procura avaliar o correto entendimento do conceito
de concertação e sua relação com as estratégias de DRS. Nesse sentido, a
promoção do desenvolvimento regional sustentável não pode ser
compreendida como tarefa exclusiva de governos, empresas ou qualquer outra
organização, de forma individual, mas sim do conjunto da sociedade em todas
as suas formas de manifestação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 8.3
demonstra o conceito de associativismo e cooperativismo. Segundo o texto, as
associações são atores sociais importantes e podem ser definidas como uma
união de pessoas físicas ou jurídicas que exercem atividade não econômica e
cujo objetivo seja o de alcançar benefícios comuns para seus participantes.
A finalidade de uma associação é o exercício de atividade não econômica e
esse é o sentido da resposta. Ou seja: união de pessoas físicas e jurídicas que
exercem (após se unirem) atividades não econômicas (tão somente). O fato de
a redação causar ambiguidade na interpretação não anula o acerto da opção,
pois esse sentido também pode ser considerado. Além disso, é a única
alternativa que destaca o interesse não econômico da atividade a ser exercida.
Todas as demais falam de interesses econômicos e finalidades que não se
ajustam ao conceito passado na apostila.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 9
discorre sobre redes de cooperação. Nesse sentido, todas as afirmações do
enunciado são verdadeiras, incluindo a terceira, pois o texto (pág. 129) deixa
claro que tais redes devem ser administradas com a participação direta de
todos nas decisões estratégicas e distribuindo simetricamente os benefícios

79
entre os participantes. Trata-se, portanto, de uma administração democrática,
pois não há nada nessa afirmação que contrarie isso, nem o verbo dever.
Mesmo que se possa argumentar que tal verbo assuma na frase um significado
de obrigação, a mesma é no sentido de atitudes plenamente democráticas,
quais sejam a da participação direta e a da distribuição simétrica dos
benefícios.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão está baseada na apostila sobre Responsabilidade Socioambiental


(RSA) e Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), que no capítulo 11.3
identifica os aspectos relevantes na metodologia DRS integrada. Nesse
sentido, explica que um aspecto relevante é a identificação de uma agência
líder que fará a interlocução com os parceiros (pg. 165). Tal ação não exclui a
participação dos parceiros locais, que continuam a se relacionar com as
agências localizadas em sua jurisdição. Nesse caso a agência líder centraliza
as informações, indiretamente, das agências em seu território de abrangência,
para servir de interlocutor dos mesmos junto aos parceiros globais. Dessa
forma, a identificação (não por obra do acaso, mas coordenada por sua
superintendência ou gerência regional) de uma agência líder serve para que a
mesma funcione como interlocutor dos parceiros, tanto regional como global.
Por sua vez, a garantia de ganhos significativos nas atividades produtivas não
se configura como aspecto relevante na metodologia DRS do BB, pois tal
objetivo contraria o próprio conceito de estratégias desse tipo. A atuação do
banco se dá no sentido da participação e contribuição ao desenvolvimento
regional sustentável, sem exigir garantias de resultados. Busca, sim, maximizar
os ganhos dos diversos agentes envolvidos, inclusive de suas agências, mas
isso não quer dizer que pretenda a garantia desses ganhos nesse
envolvimento, nem tampouco de modo significativo, pois muitas vezes tais
resultados podem ser medidos de maneira diversa da que se realiza em
avaliações de mercado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

80
TEORIA GERAL DA
ADMINISTRAÇÃO

81
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A Administração Clássica caracterizou-se pela estrutura que a organização


deveria possuir para ser eficiente. A eficiência passa pelo processo de
capacitação e o autor, à pág. 10, é claro ao afirmar que a competição se tornou
desenfreada (pelo crescimento acelerado e desorganizado das empresas,
citados na mesma página) e incrementada pós-revolução industrial, com a
explosão do consumo, o que demandou maior eficiência organizacional.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A página 11 da apostila, que expõe as ideias de Taylor, é clara ao assegurar as


premissas propostas no gabarito. A cooperação não deve se dar somente ao
nível operacional, mas sim da alta administração para com os colaboradores.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A pergunta se refere à capacidade do aluno em compreender as variáveis


estratégicas preconizadas na Teorias dos Sistemas, objeto de estudo da
página 27 da apostila, que ratifica, de forma veemente, o proposto nesta
questão.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A referida questão, dentro das premissas do BB, requer do candidato


compreensão acerca dos conceitos estabelecidos. Não fora solicitado, nem
sugerido, que a questão representasse a ordem lógica da pirâmide de Maslow,
apresentada na página 19 da apostila.
A questão aborda temas que traduzem o universo moderno organizacional,
dentro do qual as gestões participativas e colegiadas representam não só a

82
autorrealização como o autodesenvolvimento profissional, cuja realização de
potencialidades é fator crescente de motivação e o trabalho em equipe é
representativo da necessidade humana de pertencer a grupos sociais, uma
necessidade social, premissas claras na página 19, ao tratar das necessidades
estabelecidas por Maslow.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão versa sobre a Abordagem Sistêmica da Administração. A apostila,


em sua página 26, é clara ao ratificar o proposto no questionamento ao afirmar
que “é constituída de inúmeras partes... relações de interdependência...
formando todo mais ou menos coerente”. Todas as demais opções tornam-se
inócuas ao não afirmar ou propor qualquer relação com a teoria sistêmica.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Dentro dos preceitos interpretativos de se propor uma avaliação holística – do


todo organizacional – no caso, o ambiente interno de uma agência fictícia, a
questão está respaldada nos pressupostos da apostila citados à página 33,
quando afirma que a análise do ambiente interno corresponde a estudar áreas,
pessoas, processos e sistemas – etapa de diagnóstico interno do processo de
planejamento. Não se requereu na questão que o candidato avaliasse o
ambiente competitivo, medido pelos cenários externos e internos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A apostila em sua página 40 – último parágrafo – é clara e objetiva ao ratificar o


proposto na questão sobre o estilo de liderança: abdica do poder de decisão,
transfere autoridade aos subordinados e permite que estes exercitem o
processo decisório.

83
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão se respalda literalmente no exposto na apostila, à página 36. A


questão transcreve do próprio texto o que versa sobre os interesses dos
empregados: garantia de emprego e governo e recolhimento de impostos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O uso de sinonímia permite a aferição da capacidade cognitiva do candidato. A


questão, amplamente respaldada por tal processo, propôs-se, como
apresentado na apostila, às páginas 41 e 42, a avaliar a capacidade do
candidato na reflexão acerca do conteúdo estudado.
A sequência está ipsis líteris como proposto na apostila por Maximiano, não
cabendo, portanto, outra alternativa.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão aborda o tema “Estrutura Organizacional” da apostila que, em sua


página 50, nos informa que a “estrutura de uma empresa é composta por
diversas áreas, formando um conjunto estrutural”. E complementa: “É
fundamental compreender que, internamente, os processos se cruzam nas
áreas e entre áreas. Portanto, as atividades são realizadas dentro das áreas e
pelos profissionais que formam a estrutura organizacional”.
Fiel aos conceitos acima, a questão e também fiel à sua apostila, cito a página
51 e início da página 52, no que se refere às atribuições das referidas áreas e
seus profissionais, a saber:
Finanças – ...gerenciar riscos; ... otimizar recursos para gerar valor para a
empresa Marca, ações no mercado de capitais
Controller – A apostila cita dois tipos de profissionais, sendo o outro,
Tesoureiro. A esta atividade pressupõe a função de controladoria, sendo que
este exerce atividades contábeis, assessorando as diversas áreas.
Ao final, o autor da apostila ratifica a estrutura ao propor que os profissionais
desta área “interpretam dados”, dentre outros.

84
A combinação de respostas não permite que se tenha outra estrutura, dada à
singularidade dessas atividades, mais uma vez, ratificadas pelo proposto na
apostila do BB.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A apostila, em sua página 50, refere-se com precisão ao proposto na


alternativa correta ao afirmar, no terceiro parágrafo, que “a integração entre os
departamentos de uma empresa é vital”, o que é ratificado pela assertiva
apresentada no quinto parágrafo da referida página: “internamente, os
processos se cruzam nas áreas e entre as áreas”, objeto da quesitação e cuja
resposta a Banca ratifica.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O detalhamento extenso não é uma característica de um projeto, dado a sua


duração, normalmente curta e objetiva. Esta premissa fica clara ao se perceber
o descrito na apostila em sua página 73, pois um projeto tem que ser ágil,
mutável, previsível, sucinto e temporário – o que é proposto nas demais
alternativas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Para concepção e implantação de novas estratégias, no caso específico da


questão, uma operação internacional, a apostila, na página 63, trata da
abordagem por rede, proposta da questão.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

85
QUESTÃO 15

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão é clara em seu propósito, condizente com a apostila em sua página


59, subitem “fatores que influenciam a decisão de centralizar ou
descentralizar”. A primeira proposição é a que corrobora a questão, cujo objeto
é perceber se o candidato avalia a descentralização ou centralização dentro de
um contexto organizacional, pois, na mesma apostila, à mesma página, há a
assertiva de que “essa agilidade permite às empresas responderem de maneira
mais rápida às mudanças do ambiente”.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 16

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A apostila, em suas páginas 78 (final) e 79 (início), é clara ao descrever as


características das ações estratégicas, e uma delas, no 4o item, representa “o
consumo de valores expressivos”, o que desqualifica o item 1, da questão e
ratifica o gabarito proposto.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A apostila, na página 93, lista um rol de aspectos a serem considerados como


vantagem competitiva. Não há referência à avaliação endógena da
concorrência bem como de estrutura resistente à pressão, premissas propostas
na questão e que não condizem com a compreensão do que vem a ser
vantagem competitiva, ratificada pela lista citada à página 93.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão trata de benchmark, uma modalidade de gestão que está


amplamente embasada no conteúdo da apostila, em sua página 111. A
assertiva que trata da proposição de mudanças radicais é típica de

86
reengenharia, o que não foi pedido na questão. As demais alternativas,
próprias do benchmark, representam os princípios de reciprocidade, analogia,
medição e validação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Ao propor a competência na produção ótima como um dos itens da questão,


esta leva em consideração o princípio da efetividade, definido na apostila em
sua página 93. Entretanto, o questionamento se dá sobre eficiência, objeto de
definição à página 94, “competência para produzir resultados com os recursos
disponíveis” – a melhor maneira. De forma análoga, as opções disponíveis
representam os exemplos da apostila, a saber: um bom rendimento em tarefas
(estudar) e a execução de planos com mínimo dispêndio (melhor faculdade ao
meu alcance), representam a melhor maneira de se fazer algo, citados na
página 94.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A opção dada como certa representa o contexto estratégico organizacional em


sua essência, diferente de fragmentos estratégicos, objeto das demais
afirmações, que estão erradas. O exposto encontra respaldo na apostila do BB
em sua página 101 que, entre outras colocações, afirma:
“[...] Considerando a visão sistêmica, em que tudo influencia tudo, um efeito
seria decorrente da dinâmica do sistema”, e ainda:
“Segundo Bauer (1999), as mudanças da gestão exigem do administrador:
perceber o feedback com o estado de equilíbrio da organização; compreender
comportamentos complexos”; e, finalizando, afirma na mesma página que a
organização é um conjunto de pessoas, processos e sistemas, estes últimos
previsíveis, sendo as reações entre estes membros não lineares.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

87
CONHECIMENTOS JURÍDICOS

88
QUESTÃO 1

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O gabarito considera correta a alternativa segundo a qual apenas a afirmativa


III é verdadeira.
De fato, a afirmativa III está correta, pois manifesta que “a superveniência de
norma geral federal suspende a eficácia da lei estadual naquilo que lhe for
contrária”. A questão, vale lembrar, trata especificamente da competência
legislativa concorrente, prevista no art. 24, da Constituição Federal, dispositivo
este que, em seu § 4º dispõe justamente que “a superveniência de lei federal
sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for
contrário”. Não cabe, portanto, qualquer dúvida acerca da afirmativa III.
As demais afirmativas não estão corretas, pelas razões apresentadas a seguir.
A afirmativa I (“Em caso de conflito entre uma lei federal e uma lei estadual
versando sobre norma geral, deve prevalecer a lei federal, visto que a
competência estadual é remanescente, não podendo excluir nenhuma lei de
âmbito superior”) é falsa porque a competência dos Estados neste caso é
suplementar, e não remanescente. Vale lembrar que a “competência
remanescente” dos Estados nada tem a ver com “competência concorrente”,
referindo-se apenas ao fato de que são reservadas aos Estados as
competências que não lhes sejam vedadas pela Constituição, conforme dispõe
o art. 25, § 1o, da Constituição Federal.
A afirmativa II (“Sendo omisso o legislador federal na elaboração de normas
complementares, os Estados exercerão competência legislativa plena, para
atendimento de suas peculiaridades”) é falsa porque a competência da União
refere-se à elaboração de normas gerais e não de normas complementares,
conforme dispõe o art. 24, §§ 1o e 3o, da Constituição Federal.
Por fim, a afirmativa IV (“Conflitos entre leis federais e leis estaduais versando
sobre o mesmo tema serão resolvidos a partir do critério cronológico”) também
é falsa, pois as competências da União e dos Estados são distintas (a União
edita normas gerais e os Estados, normas complementares), devendo-se, em
caso de conflito, verificar qual das entidades invadiu a esfera de competência
da outra, e não qual a norma mais recente.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 2

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O gabarito considera correta a alternativa segundo a qual “há


inconstitucionalidade formal, que pode ser apreciada inclusive por meio de
ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo próprio Presidente da
República”.

89
De fato, o caso citado é um exemplo típico do que se denomina
inconstitucionalidade formal por vício de iniciativa. Segundo recorda o prof. Luís
Roberto Barroso,

“relativamente ao vício de iniciativa, quando conferida esta


privativamente ao Presidente da República, vigorou por algum tempo o
entendimento de que ele poderia ser convalidado no momento da
sanção, expresso no verbete n. 5 da Súmula do STF: ‘A sanção do
projeto supre a falta de iniciativa do Poder Executivo’. Tal orientação,
todavia, já não prevalece de longa data, tendo o STF entendido que
ela expressava a jurisprudência predominante sob o regime da
Constituição de 1946.” (grifamos!)
(BARROSO, Luís Roberto. O Controle de Constitucionalidade no
Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 2004, p. 26).

Esta é uma questão pacífica, como frisou o professor, de longa data, não
cabendo mais nenhuma discussão a este respeito.
Também não se discute a legitimidade (universal, a propósito) do Presidente da
República para o ajuizamento da ação direta de inconstitucionalidade “mesmo
quando haja participado diretamente do processo de elaboração da lei,
mediante iniciativa ou sanção”. (BARROSO, Luís Roberto. O Controle de
Constitucionalidade no Direito Brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 2004,
p. 121.).
As demais alternativas não foram questionadas, não havendo dúvida, portanto,
de que eram todas falsas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 3

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O gabarito considera correta a alternativa segundo a qual, a fim de tutelar


interesses difusos decorrentes da infração da ordem econômica e da economia
popular, uma sociedade de economia mista poderia ajuizar ação civil pública.
De fato, de acordo com o art. 5o da lei no 7347/85, empresas públicas e
sociedades de economia mista têm legitimidade expressa para o ajuizamento
de ação popular, não havendo qualquer dúvida a este respeito. Quanto ao
objeto, dispõe o art. 1o desta mesma lei que poderá ser ajuizada a ação civil
pública de responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados “por
infração da ordem econômica e da economia popular” (inciso V).
As demais ações não poderiam ser ajuizadas porque faltaria à sociedade de
economia mista legitimidade ativa para tanto.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

90
QUESTÃO 4

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O gabarito considera correta a alternativa segundo a qual, no dia seguinte à


entrada em vigor dessas leis, seria possível o ajuizamento (junto ao STF) “da
Ação Direta de Inconstitucionalidade tendo por objeto as normas X e Y, mas
não seria possível o ajuizamento da Ação Declaratória de Constitucionalidade
em nenhum dos casos”.
Os recorrentes não observaram que, embora seja possível o ajuizamento de
uma ação declaratória de constitucionalidade tendo por objeto uma lei federal,
não é possível o ajuizamento da ação “no dia seguinte à entrada em vigor da
referida lei”. A Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) não visa
apenas a declarar a constitucionalidade de uma lei, mas a pôr fim a uma
controvérsia judicial relevante a respeito da constitucionalidade da lei. Ou seja,
para o ajuizamento de uma ADC, é necessário que a constitucionalidade da lei
tenha sido questionada em outras instâncias judiciais, gerando o que a lei
9868/99 denomina “controvérsia judicial relevante sobre a aplicação da
disposição objeto da ação declaratória” (art. 14, III), o que não poderia ter
ocorrido já no dia seguinte à entrada em vigor da lei federal.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 5

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O gabarito considera correta a alternativa segundo a qual apenas a afirmativa I


é verdadeira.
De fato, a afirmativa I está correta, e reproduz o que dispõe o art. 174 da
Constituição Federal, in verbis:

Art. 174. Como agente normativo e regulador da atividade econômica, o


Estado exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e
planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo
para o setor privado.

As demais afirmativas são incorretas, pelas seguintes razões:


A afirmativa II, segundo a qual, “por integrarem a administração pública, as
empresas públicas e as sociedades de economia mista, que exercem atividade
econômica, poderão, excepcionalmente, gozar de privilégios fiscais não
extensivos às do setor privado”, contraria expressamente o que dispõe a
Constituição em seu art. 173, § 2o, a saber: “As empresas públicas e as
sociedades de economia mista não poderão gozar de privilégios fiscais não
extensivos às do setor privado”.
Já a afirmativa III, que assegura que, dentre os princípios da ordem econômica
previstos na Constituição, inclui-se o tratamento favorecido para as empresas
brasileiras de capital nacional de pequeno porte, reproduz, na verdade, a antiga

91
redação do inciso X do artigo 170 da Constituição, dispositivo este revogado há
mais de uma década, pela emenda constitucional no 6 de 1995. A partir desta
emenda, o princípio da ordem econômica passou a ser o de “tratamento
favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis
brasileiras e que tenham sua sede e administração no País”.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 6

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A resposta alternativa proposta nos recursos – estado de perigo – não está


correta porque o estado de perigo não acarreta a nulidade do ato, que é
apenas anulável. No estado de perigo, a pessoa contrai obrigação
excessivamente onerosa, para livrar a si ou a pessoa da família de um perigo
atual ou iminente.
Na lesão, a parte age premida por séria necessidade ou simples inexperiência.
Trata-se de lesão, que pode ensejar a anulabilidade do negócio jurídico
praticado.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 7

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A resposta “requerer a busca e apreensão dos veículos” está incompleta,


porque o juízo da falência seria o único competente para decidir sobre a
restituição dos veículos.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 8

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O artigo 40 da Lei no 6.404/76 não se aplica ao penhor ou caução de ações, e


sim a outros direitos reais incidentes sobre as referidas ações.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

92
QUESTÃO 9

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O enunciado trata de um caso de lesão a consumidores, praticado por


funcionário de empresa de turismo.
O CDC é lei especial, que deve ser aplicada neste caso, ao invés da regra
geral do Código Civil.
A pessoa jurídica tem responsabilidade objetiva pelos atos praticados por seus
empregados – art. 932, III e 933 Código Civil.
A desconsideração da personalidade jurídica do artigo 50 do Código Civil só
acontece em caso de abuso da personalidade jurídica, por meio da qual os
sócios se escudam na pessoa jurídica para praticar atos abusivos em proveito
próprio ou com o intuito de fraudar a lei. Nenhuma das duas situações está
presente no enunciado. O que se verifica é que a sala comercial não pertence
à empresa e sim a um dos sócios. A desconsideração da personalidade
jurídica, admitida pelo CDC, permitiria a execução do patrimônio do sócio para
ressarcir os consumidores.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 10

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O Código Civil estabelece, de forma expressa, no artigo 828 III que o benefício
de ordem, por meio do qual o fiador é devedor subsidiário, não se aplica ao
fiador que se obrigou como principal pagador.
O enunciado da questão indica que os fiadores se obrigaram como principais
pagadores.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 11

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A solicitação de impugnação à questão aduzindo que há controvérsia quanto à


forma de interposição não procede.
Não há, pois, reparo a fazer ao gabarito, concessa venia aos candidatos, vez
que é possível no processo de execução alegar a incompetência relativa.
No mais, não é possível impugnação como defesa na execução lastreada em
título extrajudicial.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

93
QUESTÃO 12

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O contrato de abertura de crédito não é título executivo extrajudicial e a


jurisprudência admite a propositura de ação monitória ou procedimento
monitório.
Assim, a opção indicada está correta e a pergunta solicita a opção incorreta.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 13

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão é clara ao indicar que o agravante obteve o efeito requerido, que é o


suspensivo.
A mera referência ao CPC não tem o condão de modificar o gabarito.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 14

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A jurisprudência colacionada não modifica a resposta diante da jurisprudência


assente e da doutrina admitindo Código de Processo Civil Comentado de
Antonio Carlos Marcato, p. 1389.
O gabarito deve ser mantido porque não existem duas opções corretas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 17

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Não poderia ser outra opção, porque no item II da questão está expresso que a
gratificação NÃO integra o cálculo das horas extras, o que está equivocado.
Recomenda-se o recorrente exame do conteúdo do Enunciado 240 do TST.
“O adicional por tempo de serviço integra o cálculo da gratificação prevista no
art. 224, parágrafo 2o, da CLT”.

94
Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 18

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Pela dicção do texto legal, prorrogação é termo usado pelo legislador quando
se refere a horas extraordinárias (máximo 2), caso contrário, seria alteração de
jornada contratual com acréscimo de horas, o que, no caso dos bancários, é
expressamente vedado por lei. Vide Título III da CLT, arts. 224-226.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 19

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O trabalhador, ao pedir demissão não tem direito a “sacar” ou “levantar” os


depósitos do FGTS, mas terá direito aos mesmos após decorridos 3 anos da
extinção do vínculo (Lei 8.036/90).
Na questão não foi explicitado o “sacar” ou “levantar” os depósitos do FGTS, o
que efetivamente pode ter induzido o candidato a erro.
Considera-se parte dos recursos propostos procedentes e devem ser
consideradas corretas as opções I e III, apenas, com alteração do gabarito para
B.

Resultado da análise de recursos: Gabarito 1 – B


Gabarito 2 – B
Gabarito 3 – B
Gabarito 4 – B

QUESTÃO 20

Análise de recursos e justificativa de resposta.

De acordo com a expressividade do texto legal, “qualquer que seja o ramo de


atividade da cooperativa, não existe vínculo empregatício entre ela e seus
associados, nem entre estes e os tomadores de serviços daquela” (CLT,
art. 442, parágrafo único, red. L. 8.949/94; v. também L.5.754/71, que define a
Política Nacional do Cooperativismo, art. 90, e índice da legislação). O instituto
trouxe inegáveis possibilidades de subsistência a inúmeras áreas carentes;
para o aplicador da lei, a fraude é o divisor de águas que pode afastar sua
aplicação; o aproveitamento do trabalho realizado por cooperativas encontra
resistência, principalmente quando se trata de atividade fim da empresa
tomadora. Lamentavelmente existem milhares de trabalhadores com relações
de empregos evidentes acobertadas por falsos contratos com falsas

95
cooperativas, formadas por mãos empresariais (vide CARRION, Valentim.
Comentários à CLT, 31 ed., SP. 2006, LTr, p. 286).
Entretanto, a questão não versa sobre fraude, tampouco sobre
responsabilidade solidária ou subsidiária do tomador de serviços. Também não
se perquiri da interpretação dos Tribunais Trabalhistas em casos de
materializada fraude ao cooperativismo, eis que não se pergunta como deve ou
deveria se portar o aplicador da lei.
A questão indaga se existe vínculo de emprego: “Neste caso, há vínculo de
emprego de José Santos?”. Pela expressividade da literalidade da Lei, vide
parágrafo único do art. 442 da CLT, não há vínculo de emprego. Portanto,
dado o caráter objetivo da questão, não comportando abordagem de
controvérsias doutrinárias e jurisprudenciais refratárias ao cooperativismo e/ou
não coniventes com hipotéticas fraudes (que só pode ser verificado de per si
em cada caso concreto), o gabarito deve ser mantido.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 21

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os recursos não procedem.


A questão versa sobre prorrogação de competência em razão do lugar, que, in
casu, não pode ser oposta fora do momento processual próprio.
Ademais, como trata-se de questão de múltipla escolha, objetiva, não nos
apoiamos nas controvérsias jurisprudenciais nem em doutrinas minoritárias, ou
ainda não dominantes, especialmente as ainda não acolhidas pelo legislador.
Vide doutrina do Prof. Eduardo Saad, acima mencionada:
Pág. 259: “(...) ressalvamos a hipótese da incompetência relativa não argüida
pela parte no momento processual apropriado, o que importa a prorrogação de
competência”.
Pág. 261: “Um dos pressupostos processuais é o da competência do Juiz para
conhecer e julgar a causa.
Por ser relativa, ela se prorroga se não se opuser exceção”.
Vide ainda Francisco F. J. Neto e Jouberto de Q. P. Cavalcanti. Direito
Processual do Trabalho, Tomo I, 3 ed. Lúmen Júris: RJ, 2007, pág. 211:
“a competência relativa pode ser prorrogada, quando não alegada
oportunamente pelas partes.” (artigos 111, 112 e 304 do CPC aplicados
subsidiariamente ao processo do trabalho).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 22

Análise de recursos e justificativa de resposta.

96
Vide a doutrina supramencionada:
“12.4.2.1. Sentenças Processuais Típicas
Serão hipóteses de sentenças processuais típicas, quando o magistrado, ao
extinguir o processo, sem resolução do mérito, pela constatação da:
a) inocorrência de pressuposto processual de existência;
b) inexistência de pressuposto processual de validade;
c) presença de pressuposto processual de validade existente;
d) inexistência de elementos da ação. “

Portanto, cabe esclarecer:


São pressupostos processuais de existência: a jurisdição, que sintetiza: o
poder-dever de decidir e resolver conflitos, bem como o complexo de atos que
o juiz realiza no processo; a petição inicial; a citação e a capacidade
postulatória da parte.
São pressupostos processuais de validade positivos: petição inicial apta; órgão
jurisdicional competente; juiz imparcial; capacidade de agir e capacidade
processual.
São pressupostos processuais de validade negativos: litispendência e coisa
julgada; convenção de arbitragem.
São situações da inexistência dos elementos da ação (carência de ação):
interesse de agir, legitimidade, possibilidade jurídica do pedido.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 23

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão versa sobre processo do trabalho, como é óbvio, inclusive porque


formulada em meio a outras questões também de direito processual do
trabalho, no qual, só existe 01 Recurso Ordinário, vide art. 893, II e art. 895, da
CLT.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 24

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Além da doutrina supramencionada, cabe registro que todo e qualquer servidor


público, devidamente investido em seu cargo, responde por seus atos como
autoridade administrativa para fins de Mandado de Segurança.
Ademais, na questão, jamais poderia ser correto o item IV, tendo em vista o
alcance equivocado expresso para a Ação Civil Pública, eis que a mesma não
se destina a resguardar os mesmos interesses da Ação Popular.

97
Ou seja, Ação Civil Pública não é sinônimo de Ação Popular, estando o item IV
incorreto em sua formulação e, conseqüentemente, quanto ao seu cabimento
na forma apresentada na questão.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 28

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão deverá ser anulada, tendo em vista que, dentre as alternativas


previstas no enunciado, consta também como correta a afirmação a seguir.
“I – A ausência de comunicação, por parte do Banco, mediante aviso de
recebimento enviado a seu cliente, a fim de informá-lo sobre o apontamento do
seu nome no cadastro de dados de devedores junto à Centralização dos
Serviços de Bancos (Serasa), não resulta em violação de regra prevista no
Código de Defesa do Consumidor”.
Isto porque com base no art. 43, parágrafo segundo, da Lei no 8.078/90
(Código de Defesa do Consumidor), caberá à entidade que administra o Banco
de dados de devedores, no caso, a SERASA e não ao Banco, comunicar ao
devedor, por escrito, o apontamento do seu nome junto ao Cadastro de
Devedores, sob pena de responder pelos danos moral e/ou material perante o
respectivo devedor.
Ademais, o Superior Tribunal de Justiça – STJ, por meio da súmula 359 decidiu
que: “cabe ao órgão mantenedor do cadastro de proteção ao crédito a
notificação do devedor antes de proceder à inscrição.” Nessa linha, AgRg no
Ag964494/RN, 4a Turma, STJ, Rel. Min. Aldir Passarinho Junior.
Por outro lado, as afirmativas III e IV, abaixo transcritas, estariam corretas.
III – “O Banco poderá alterar as condições previstas nos contratos de
empréstimos que venham a ser celebrados, desde que faça prévia
comunicação aos clientes.”
IV – “Ao realizar determinada operação bancária, o cliente não está obrigado a
assinar título em branco a ser preenchido, posteriormente, pelo credor. “
Em relação à afirmação III não há dúvida que o cliente deverá ser informado de
quaisquer condições que alterem as condições de contratação, conforme
previsto no art. 6o, inciso III, da Lei no 8.078/90.
Quanto à afirmação IV pode-se afirmar que se constitui uma cláusula abusiva,
conforme previsto no art. 51 do Código de Defesa do Consumidor.
Dessa forma, não há entre as alternativas previstas nos gabaritos nos 1, 2, 3 e 4
relativos à questão no 28, nenhuma resposta que contemple, conjuntamente, as
afirmativas I, III e IV, razão pela qual concluímos que todas as alternativas
estão incorretas.

Resultado da análise de recursos: Questão anulada.

98
QUESTÃO 29

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A questão envolve, em seu enunciado, algumas formas de extinção do crédito


tributário a que alude o art. 156 do Código Tributário Nacional - CTN, sendo a
dação em pagamento de bens imóveis, na forma e condições estabelecidas em
lei (art. 156, inciso XI, do CTN) a resposta correta, por configurar hipótese de
extinção do crédito tributário.
Quanto às demais alternativas: moratória, depósito do montante integral e
parcelamento, certo é que constituem hipóteses de suspensão do crédito
tributário e não de extinção do crédito tributário, conforme previsão contida no
art. 151, incisos I, II e VI, do CTN.
Nessa esteira, segundo o entendimento do Prof. Luiz Emygdio F. da Rosa Jr.,
em seu Manual de Direito Financeiro e Tributário, Rio de Janeiro: Renovar,
2007, p. 491, “a suspensão da exigibilidade do crédito tributário só afeta a
obrigação tributária principal, pelo que o contribuinte não fica dispensado do
cumprimento das obrigações acessórias dela dependentes, ou dela
consequentes (CTN, art. 151, parágrafo único), porque a obrigação acessória é
autônoma em relação à obrigação principal.”
E prossegue o citado Mestre “enquanto perdurar a causa de suspensão da
exigibilidade do crédito tributário, fica igualmente suspenso o prazo
prescricional referente ao direito da Fazenda Pública para cobrar o crédito,
salvo na hipótese constante da segunda parte do parágrafo único do art. 155,
em que o prazo prescricional continuará a fluir, salvo se houver má-fé do
beneficiado.“
Por outro lado, a alternativa referente à anistia, também não se coaduna como
hipótese de extinção do crédito tributário, mas sim de exclusão do respectivo
crédito, ex vi do arts. 175, inciso II e 180 a 182 do CTN.
A anistia tem o condão de perdoar as infrações cometidas pelo sujeito passivo
à legislação tributária, sendo, portanto, causa de exclusão do crédito tributário.
Assim, a anistia só diz respeito às infrações cometidas à legislação tributária,
não alcançando a obrigação do contribuinte de pagar tributo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 30

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A Lei Complementar no 105/2001, que “dispõe sobre o sigilo das operações de


instituições financeiras e dá outras providências”, efetivamente inovou no
ordenamento jurídico, pois, no art. 6o, conferiu à Administração Tributária
competência para requisitar diretamente às entidades financeiras informações
relativas aos dados bancários de pessoas físicas ou jurídicas, objeto de
investigação em processo administrativo regularmente instaurado.
A hipotética atuação da Administração Tributária relatada no enunciado da
questão no 30 enquadra-se, perfeitamente, às prescrições do dispositivo legal

99
que trata da matéria previsto no aludido art. 6o da Lei Complementar no
105/2001.
Segundo o dispositivo legal acima citado, as autoridades e os agentes das
Fazendas da União, Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderão
proceder ao exame dos documentos, livros e registros de instituições
financeiras, desde que observadas as seguintes condições:
a) que exista processo administrativo ou procedimento fiscal já instaurado;
b) que sejam informações financeiras consideradas, pela autoridade
administrativa competente, indispensáveis para o deslinde dos fatos, objeto de
apuração no processo administrativo fiscal ou no procedimento fiscal.
Assim, entendendo a autoridade que tais informações revelam-se
imprescindíveis para o trabalho de fiscalização, ela requisitará diretamente sua
prestação à instituição depositária, independentemente de qualquer
manifestação do Poder Judiciário. Trata-se de requisição de ordem pública,
não passível de negativa pelo seu destinatário, desde que preenchidos os
requisitos legais.
Na hipótese apresentada, as autoridades fiscais, entendendo ser indispensável
as informações para levar a cabo o procedimento fiscal instaurado, intimaram o
investigado para que as fornecesse. Como este se negou a fazê-lo, as
autoridades informaram a situação ao chefe da repartição fazendária que
diante da análise da situação posta em exame, entendeu que as informações,
como alegado pela fiscalização, seriam indispensáveis para a apuração dos
fatos objeto da fiscalização.
Assim, com base no enunciado da questão sob análise, bem como com fulcro
na competência da autoridade fazendária em requisitar às instituições
financeiras informações sobre movimentações de terceiros, desde que
observada a legislação própria, caberá à instituição financeira prestar as
informações requisitadas, vez que o investigado, ora cliente do Banco, estaria
submetido à fiscalização. Nesse sentido, Recurso Extraordinário - AgRE
261278/PR, 2a Turma, Rel. Min. Gilmar Ferreira Mendes, DO 01/04/08.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 31

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A alternativa correta à questão no 31, ao tratar de tributos e suas espécies,


fundamenta-se na competência residual que, no dizer do Prof. Luiz Emygdio F.
da Rosa Jr., em sua obra Manual de Direito Financeiro e Tributário, Rio de
Janeiro: Renovar, 2007, p. 209, “consiste na atribuição conferida pela
Constituição a determinado ente político da faculdade de instituir outros
tributos, além daqueles que lhe são expressamente previstos em seu favor”.
À vista disso, o art.154, I, da Constituição Federal em vigor, estabelece que a
União, mediante lei complementar, poderá instituir imposto que não seja
cumulativo e não tenha como fato gerador e base de cálculo próprios dos
previstos no atual texto constitucional.

100
Em relação à alternativa relativa à taxa, podemos afirmar que o art. 145, II, da
CFRB/88 e art. 77 do Código Tributário Nacional - CTN possibilita a sua
instituição e cobrança não SOMENTE em razão da prestação de serviço
público, como também com base no exercício regular do poder de polícia.
Por fim, os impostos, taxas e contribuição de melhoria podem ser cobrados não
SOMENTE pela União e Municípios, como também pelos Estados e Distrito
Federal, conforme previsão contida no caput do art. 145 da Constituição
Federal em vigor.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 32

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Os princípios a que se refere o enunciado são os da segurança jurídica e da


impessoalidade, não tendo aplicação direta os princípios da razoabilidade e da
moralidade aos enunciados em tela.
O princípio da razoabilidade está intimamente ligado à adequação entre meios
e fins, vedando a imposição de sanções e obrigações em medida superior
àquelas estritamente necessárias ao atendimento do interesse público. Por sua
vez, o princípio a moralidade traduz a exigência de atuação da Administração
Pública segundo padrões éticos de probidade, decoro e boa-fé.
Como se vê, os princípios invocados pelo recorrente comportam conceituação
própria e específica, distinta daquela mencionada no enunciado da questão.
Aliás, tais conceitos foram extraídos diretamente do direito positivo, mais
precisamente do parágrafo único do artigo 2o da Lei no 9.784/99, que disciplina
o processo administrativo federal.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 33

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A afirmativa questionada pelo recorrente foi extraída literalmente do artigo 173,


§1o, inciso II, da Constituição da República. A ponderação apresentada quanto
à sujeição das sociedades de economia mista à regra do concurso público e ao
estatuto das licitações diz respeito a normas de admissão de pessoal e
contratos administrativos, o que absolutamente não contraria a mencionada
regra constitucional.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

101
QUESTÃO 34

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A indicação de outra alternativa como correta é improcedente. Isso porque faz


menção expressa à idéia de inviabilidade de competição, o que não é um fator
que determina a dispensa de licitação, mas sim, a sua inexigibilidade.
O equívoco se encontra na confusão entre os institutos da dispensa e da
inexigibilidade de licitação, hipóteses que absolutamente não podem ser
confundidas.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 37

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Para a configuração do crime de lavagem de dinheiro, há a necessidade da


existência de um crime anterior, fato gerador do lucro financeiro. A Lei
9.613/98, que tipifica o referido delito, arrola em seu artigo 1o os aludidos
crimes antecedentes. Portanto só pratica o crime previsto nesta lei quando os
valores são provenientes de algum dos crimes enumerados no referido artigo.
No caso da questão, o crime de tráfico de pessoas, tipificado no artigo 231 do
Código Penal, não faz parte dos delitos constante do rol do artigo 1o da Lei no
9.613/98. Ou seja, tráfico de pessoas não está previsto como crime
antecedente e necessário para o delito de lavagem.
O candidato deve se deter ao que está rigorosamente escrito na questão, sem
querer adicionar dados que nela não conste. Em nenhum momento a questão
afirmou que o crime de tráfico de pessoas fora praticado por organização
criminosa. O argumento de que quase sempre é praticado em grupo criminoso,
não torna o crime de tráfico de pessoas como crime de concurso necessário,
muito menos necessariamente praticado por organização criminosa É
absolutamente possível a prática por um único agente. Se houvesse a intenção
de que o crime anterior tivesse sido praticado por organização criminosa, a
questão seria expressa neste sentido.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 38

Análise de recursos e justificativa de resposta.

Trata-se de exemplo clássico e acadêmico, dos mais conhecidos na doutrina,


de erro de tipo. O agente incide nos requisitos objetivos do tipo, porém sem a
consciência do ilícito.

102
Na questão, o agente subtraiu coisa alheia móvel para si, sem a consciência de
que era alheia a coisa. Agiu em erro de elementar do tipo (“alheia”), pois
julgava ser própria a coisa.
Como o crime de furto não admite a modalidade culposa, resta afastada a
tipicidade da conduta por erro de tipo.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 39

Análise de recursos e justificativa de resposta.

A representação tem natureza jurídica de condição objetiva de procedibilidade.


Nela, a vítima manifesta a vontade de ver o autor do fato delituoso processado.
A Ação Penal é Pública, condicionada porém à representação da vítima ou de
quem tiver legitimidade para fazê-la. Ou seja, o titular da Ação Penal é o
Ministério Público, mas só pode intentá-la com a existência desta condição.
A segunda parte do inciso II do artigo 395 do Código de Processo Penal, se
refere à falta de condição para o exercício da Ação Penal. Nesta hipótese, o
artigo determina que o Juiz deve rejeitar a denúncia. O Ministério Público inicia
a Ação Penal pública com o oferecimento da denúncia. No caso de crime cuja
a Ação Penal é Pública condicionada a representação, o MP só pode dar início
ao exercício da Ação Penal cumprida a condição de existência da
representação, que funciona como uma autorização da vítima.
Ou seja, na hipótese em questão, deve o Juiz rejeitar a denúncia, com base no
artigo 395, II, segunda parte (“faltar condição para o exercício da ação penal”).
A absolvição sumária, criada pela Lei 11.719/2008, de que trata o artigo 397,
dá-se depois de oferecida a resposta do acusado (art. 396 e 396-A) por outros
motivos nele elencados. Nenhum deles, constantes dos incisos I, II, III e IV, se
refere diretamente ou indiretamente à ausência de representação.

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

QUESTÃO 40

Análise de recursos e justificativa de resposta.

O Ministério Público não está adstrito às conclusões da autoridade policial


constantes do relatório final do inquérito.
O princípio da obrigatoriedade da Ação Penal Pública, descrito no artigo 42 do
Código de Processo Penal, impõe ao titular da Ação (MP) a obrigação de
oferecer denúncia quando presentes prova suficiente de existência do delito e
indício suficiente da autoria. Em nenhum momento a questão afirma que havia
prova suficiente de existência do delito e indício suficiente da autoria. Afirma a
questão que “o relatório concluía”, sendo a presidência do inquérito policial e a
elaboração do relatório de competência da autoridade policial.

103
Portanto, a questão queria saber se o MP pode ou não discordar, no todo ou
em parte, das conclusões do Delegado de Polícia constantes do relatório. Usar-
se-ia o princípio da obrigatoriedade se a questão afirmasse que o relatório
demonstrava indícios suficientes de autoria e prova do delito.
A livre convicção do membro do Ministério Público, ao decidir se oferece ou
não denúncia (arquivamento ou retorno dos autos à unidade policial), não se
detém necessariamente à opinião da autoridade policial, podendo o MP
denunciar um indiciado e outro não (arquivamento implícito do inquérito
policial), denunciar todos os indiciados, não denunciar qualquer dos indiciados,
etc. Portanto em nada fica obrigado em relação ao relatório policial – o que por
si só exclui todas as outras alternativas incorretas da questão – não sendo
obrigado a oferecer denúncia (alternativa correta).

Resultado da análise de recursos: Gabarito mantido.

104