Você está na página 1de 4

1

Como e por que é que ocorre precipitação?


A precipitação está associada à existência de nuvens, no entanto,
nem sempre ocorre. Para que ocorra precipitação é necessário que
as gotículas em suspensão que formam as nuvens originem gotas
de água maiores e com um peso que lhes permita vencer a
gravidade e atingir o solo.

Mas para ocorrer precipitação é necessário que exista a
subida do ar.
Deste facto, o ar ao subir, vai expandir-se e arrefecer, até atingir o
ponto de saturação, a partir deste momento o ar pode condensar,
formando nuvens, que por sua vez podem levar à ocorrência de
precipitação.



Tipos de precipitação

A subida do ar pode acontecer através de quatro processos
diferentes, originando quatro tipos de precipitação:

 Orográficas – subida do ar ao longo das vertentes
montanhas;
 Convergente – subida do ar devido à convergência dos
ventos numa determinada zona;
 Convectiva – subida do ar, causada pelo seu aquecimento,
após ter contactado com uma superfície mais quente. Ao
aquecer, torna-se mais leve e sobe;
 Frontal – subida do ar devido ao contacto de duas massas de
ar diferente.

A precipitação, como a temperatura é influenciada pela
latitude, altitude, afastamento e proximidade do mar e das
correntes marítimas, o que explica a sua desigual distribuição
à superfície da Terra.

2

A Precipitação, a latitude e a pressão atmosférica

A circulação do ar na atmosfera influência a pressão atmosférica,
que por sua vez influência o estado do tempo. O ar desloca-se
sempre das altas para as baixas pressões, o que origina a
convergência e a subida do ar nas áreas de baixas pressões, e
divergência e descida do ar nos centros de altas pressões.

 Altas pressões polares (no hemisfério norte e hemisfério sul);
 Baixas pressões subpolares (no hemisfério norte e hemisfério
sul);
 Altas pressões subtropicais (no hemisfério norte e hemisfério
sul);
 Baixas pressões equatoriais.

A distribuição dos principais centros de pressão atmosférica em
latitude influencia a distribuição da precipitação mundial.

Distribuição da precipitação anual e dos centros de pressão
atmosférica em latitude



 Os centros de baixas pressões estão associados a céu muito
nublado e ao mau tempo – contribuem para o aumento da
precipitação.
 Os centros de altas pressões estão associados a céu limpo e a
tempo seco – contribuem para a diminuição da precipitação.

3


O movimento do ar, nos centros de baixas e de altas pressões,
no hemisfério norte.




Assim, podemos verificar:

 Nas regiões equatoriais, onde há elevadas temperaturas, o ar
sobe, formando centros de baixas pressões que originam
precipitação muito abundante.
 Próximo dos trópicos, o ar desce, originando altas pressões,
que são responsáveis pelo tempo seco predominante nessas
latitudes.
 Nas latitudes médias, dá-se a convergência do ar tropical
com o ar polar, formando-se as baixas pressões que explicam
a ocorrência de precipitação abundante.
 Nos pólos, onde há baixas temperaturas, formam-se altas
pressões e, por isso, há baixos valores de precipitação.



4

A precipitação e o relevo

A precipitação é influenciada pela altitude e pela sua exposição
em relação à linha de costa.
De facto, a precipitação é mais elevada em áreas de maior altitude
e nas áreas montanhosas concordante. As áreas de montanhas
concordantes são paralelas à linha de costa e são fortemente
influenciadas pelos ventos húmidos.

As montanhas podem ter vertentes barlavento, que estão expostas
aos ventos húmidos e vertentes sotavento, que estão abrigadas dos
ventos húmidos. Nas vertentes barlavento é maior a precipitação
do que nas vertentes sotavento, que normalmente são muito secas.



A precipitação e a proximidade/ afastamento do mar

As áreas próximas do mar são influenciadas pelos ventos húmidos
marítimos registando valores elevados de precipitação, à medida
que os ventos marítimos vão avançando para o interior do
território, perdem humidade e o seu efeito amenizador da
temperatura. Assim, verifica-se um contraste litoral/interior.



A precipitação e as correntes marítimas