Você está na página 1de 57

G5 Phoenix Escrita Fiscal por Computador

Manual de Utilização
Rua Padre Estevão Pernet 215 Tatuapé
Í N D I C E
I N F O R M A Ç Õ E S S O B R E O S I S T E M A
Configuração Mínima 5
Processo para download 5
Como baixar os sistemas da internet 5
Ferramentas 6
M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O - G 5 P H O E N I X
C A D A S T R O
Das Empresas 8
Ficha Geral 8
Ficha Escrita 10
Ficha Cont 13
Razão Social Completa 13
Complemento Produtor Rural 13
Dos Contadores 13
Plano de Contas Intg. (Novo CFOP) - Geral / individual 14
Ficha Códigos Fiscais 14
Ficha Serviços 18
Ficha Automáticas 20
Plano de Contas Intg./ Conta Corrente 20
Ficha Impostos 20
Ficha Duplicatas 21
Ficha Bancos 21
Fornecedores/Clientes 21
Sintético 22
Analítico 22
Por Plano de Contas 22
Resultados Anteriores 22
Ficha Verso da GIA 23
Ficha GINTER 23
Ficha Caixa Registradora 23
Ficha Nº Livros 24
Ficha Saldos a Compensar 24
Ficha V.DIPAM 24
Outros Valores Mensais 25
Ficha Outros Valores Mensais 25
Ficha Resumo da Apuração 26
Ficha Estimativa 26
Montar Filas 27
Layout Exp. Contábil 27
Parâmetros Integração Contábil 28
Inventário 28
Ficha Grupos 28
Ficha Itens 29
Resíduos 29
Cód.DARF 29
Layout Exp. Notas 30
Crédito Presumido dos Estoques PIS e COFINS 30
Cadastro / Relação de CFOP 31
Cadastro / Usuários e Senhas 31
E S C R I T U R A Ç Ã O
Notas ICMS/IPI 32
Lançamentos Notas Fiscais 32
Ficha Notas 33
Ficha RDZ 46
Lançamentos DIPI 46
Lançamentos Notas por Talão 47
Procurador Automático de Notas Repetidas e Esquecidas 48
Procurador Automático de Diferenças nos Lançamentos 48
Integrar Faturamento e Compra 48
Ficha Importar Arquivo 48
Ficha Apagar Integração 49
Nota Fiscal Paulista 49
Notas ISS 49
Lançamentos Notas ISS Serviços Prestados 49
Lançamentos Notas ISS Serviços Tomados 53
Lançamentos Talão ISS Serviços Prestados 55
Procurador Automático de Notas Repetidas e Esquecidas 56
Procurador Automático de Diferenças nos Lançamentos 56
Cadastro de turbos para lançamentos de ISS 57
Cadastro de Serviços 57
Prestados 57
Tomados 57
Prestação de Serviços Pré-definição 58
Informe de Rendimentos Serviços Tomados 58
Informe de Rendimentos Serviços Prestados (Propaganda e Publicidade) 58
Integrar Serviços ISS 59
Ficha Importar Arquivo 59
Ficha Apagar Integração 59
Inventário 60
Lançar Movimento Inventário 60
Copiar Movimento Inventário 61
Importa lançamentos p/livro de Inventário 62
PIS/COFINS não cumulativo 62
Lançamento 62
Crédito 63
Lctos Carta de Correção 63
Declaração de Faturamento Carta Banco 65
Sintegra (Digitar/Importar) 66
Digitar tipo 54 66
Digitar tipo 71 67
Digitar tipo 75 67
Digitar tipo 85 69
Ficha Decl.Exportação 69
Ficha Reg.Exportação 69
Ficha Lançamentos 69
Cadastrar Código de Produto GRF-CBT (Reg.88E) 70
Cadastrar Transportador GRF-CBT (Reg.88T) 70
Procura erro digitação reg. 54/75 71
Importar 54, 71, 75, 60 (M/A/I), 88 (C, D, E, T) 71
PER-DCOMP (Digitar/Importar) 71
Notas Fiscais de Exportação Direta 72
Informações Registro de Exportação 72
Notas Fiscais de Transferência de Crédito 72
Exportar Arquivos 73
Complemento Informações IN 86/2001 73
Digitar Arquivo Mestre Mercadorias 4.3.1/4.3.3 73
Digitar Arquivo Itens Mercadorias 4.3.2/4.3.4 74
Digitar Arquivo Itens Serviços 4.3.6 75
Arquivo ASCII (Receita Federal IN 86/2001) 75
Controle dos Impostos Federais/DARF 75
Central de Controle/Conta Corrente 76
Ficha IRPJ/CSLL 76
Ficha Quotas 77
Ficha Impostos na Fonte 78
Procura erros em DARF 79
Forma de Pagamento Padrão ou Individual 79
Feriados 79
Feriados Municipais 79
Feriados Bancários Excepcionais 79
Taxa Selic 80
Recuperar Impostos na Fonte (ISS Entradas) 80
Relatório de Vencimentos 81
Relatório da Central de DARF 81
Exportar DCTF 82
Controle de Crédito ICMS Ativo Permanente CIAP 83
Lançamentos dos bens para CIAP 83
Relação total Vendas/Vendas Isentas 83
Relatório de totais de créditos/estornos 84
Relatório CIAP Modelo B 84
Relatório CIAP modelo D 84
Conta Corrente 85
Início dos lançamentos automáticos Geral ou Individual 85
Lançamentos de Baixa 85
Procurar erros 86
Transportar saldos do ano anterior 87
Recalcular lançamentos 87
Relatórios 88
Demonstração Gráfica Financeira 89
PIS/COFINS/CSLL Retidos 89
Empresas passíveis de retenção 89
PIS/COFINS/CSLL (Serviços Prestados) 89
Resíduos Serviços Tomados 90
Relatórios 90
L I V R O S
Entradas Web Saídas Web 90
Entradas Parcial e Saídas Parcial 91
Gerador de relatórios Entradas e Saídas 91
ISS Serviços Prestados - Modelo 51 / Serviços Prestados Modelo 53 91
ISS Serviços Prestados Novo Modelo 51 Web / Serviços Prestados
Novo Modelo 53 Web 91
ISS Serviços Tomados (Modelo 56 Entradas (Município São Paulo) Web 91
ISS Serviços Prestados (Alternativo) 91
Notas de Materiais/Sub-empreitadas Modelo 53 (I.S.S.) Web 91
Inventário e Inventário (Novo Modelo) Web 92
Inventário (PIS/COFINS não cumulativos) 92
Fornecedores e Destinatários Configurável 92
ICMS Fonte p/ Substituto 92
Declaração Produtor Rural 92
MRC Mapa Resumo de Caixa 92
M E N S A L
Apuração ICMS Web 93
Apuração IPI Web 93
Apur. PIS / COFINS Web 93
Apur. ICMS.- Estimativa 93
Estouro de Caixa 93
Planilha Contábil 93
Escrituração de Notas Modelo 1 e Modelo 2 93
Pagamento de DARFs 94
Liquidação de Títulos 94
Exporta Planilha Contábil p/ Terceiros 94
Verifica Estouro Simples Paulista 94
Resumo Planilha por CFO/ CC 94
Resumo Planilha por Contas Contábeis 94
Evolução dos Faturamentos Mensais c/ Apurações de PIS / COFINS Web 94
Evolução das Compras e Vendas c/Apuração de ICMS Web 94
Nova GINTER 95
Auxílio GINTER (Declaração Simples Paulista) 95
DCA Demonstrativo de Crédito Acumulado (Frete c/Subst.Tributária) 95
Impressão Carta de Correção 95
Dipam Mensal 95
Totalizador de Operações da Linha Phoenix 95
Encerramento do Mês 95
Acumulado IR Fonte/INSS (Serviços) por destinatário 95
A N U A L
Verso GIA 96
Acum. Por Cód. Fiscais (Aux. Frente DIPAM) 96
Aux. Verso DIPAM 96
Entradas 96
Saídas 96
Temo Abert. / Encerr. 96
GINTER Anual/Semestral 97
Mov. DIPI - Entradas e Saídas 97
DIPI Mensal 97
Sintético 97
Analítico 97
DIPI Anual 97
Sintético 97
Analítico 97
Apurações IPI 97
Sintegra até 2002 97
Arq. ASCII (Receita Federal IN 86/2001) 98
Exportar para o programa SINCO da SRF 98
Acumulado IR Fonte (Serviços) por destinatário 98
Acumulado Impostos Retidos (Serviços) por destinatário 98
Transportar Saldos/Resíduos para o ano seguinte 98
G U I A S
Guias 98
Nova GIA Eletrônica- v. 7.* 99
Declaração Simples Paulista 100
Exportar DNF 100
Declarações Municipais 101
DIRF Serviços Tomados (Exportar/Imprimir) 101
Informe Serv.Tomados 101
Informe Art.30 Lei 10.833/2003 102
Exportação/Impressão DIRF 102
Sintegra/GRF-CBT 103
Sintegra sem Movimento (somente para operações interestaduais) 104
R E L A T Ó R I O S D I V E R S O S
Cadastro de Empresas Geral ou Resumido 104
Fornecedores - Sintético ou Analítico 104
Clientes - Sintético ou Analítico 104
Cadastro do Inventário 104
Cadastro Parametrizado 104
Plano de Contas Intg - Geral ou Individual Web 104
Códigos Fiscais Web 105
A U X I L I A R
Ativar Empresa. 105
Controle de Impressão 105
Recuperar Arquivos Danificados 107
Reindexação de Arquivos 107
Mostra Histórico de Reindexações Passadas 107
Personalizar Menus 108
Importa Cadastro Fornecedores/Clientes 108
Exportar Notas no Formato Texto 109
Juntar (unir) Lançamentos (Arquivos). 109
Dos Cadastros 109
Dos Movimentos 110
Imprimir arq. Texto na Matricial (mesmo com acentos e cedilhas) 110
Enviar e Controlar relatórios pela internet 111
Web Phoenix 111
BackupPhoenix 111
5
CONFIGURAÇÕES MÍNIMAS PARA UTILIZAÇÃO DO G5 PHOENIX
Para assegurar um pleno funcionamento do sistema, existem alguns requisitos mínimo
s quanto
ao ambiente em que será instalado:
Sistema Operacional Processador Memória
Win98 900Mhz 128Mb
2000/XP 900Mhz 256Mb
- Trabalhar em rede utilizando como protocolo de comunicação o TCP/IP, no caso de um
a
rede ponto-a-ponto com endereços fixo.
- Devido ao fato do Protocolo NetBeui trabalhar com Broadcasting retirar das con
figurações
da rede de todas as máquinas este protocolo.
- Verificar se existe em todas as máquinas a placa de rede modelo RTL8029, caso ex
ista entrar
na página do fabricante e fazer download do driver para atualização, pois com o driver
original que vem com a placa o time out de acesso é pequeno podendo gerar erros e
até
mesmo corromper dados (apenas para Win98).
- Em uma rede ponto-a-ponto não utilizar mais que 8 computadores na rede.
- As configurações de vídeo têm que ser no mínimo 256 cores e 800 x 600 de resolução.
- Deixar as fontes de vídeo como fontes pequenas.
- O nome do servidor não pode conter caracteres especiais como *.- / espaço # @, poi
s influenciam
no desempenho do sistema na criação de arquivos.
- Os terminais devem estar com as unidades Mapeadas.
- A pasta de instalação do sistema não pode estar mapeada diretamente, deve-se mapear
o
C:do Servidor ou uma pasta qualquer e fazer a instalação dentro desta pasta.
COMO BAIXAR OS SISTEMAS DA INTERNET
Entrar em www.contmatic.com.br e na área de clientes após digitar o código e senha sal
var
as instalações, como mostra a tela abaixo. Os arquivos na internet são compactados par
a
diminuir o tamanho, agilizando o Download.
PROCESSO PARA DOWNLOAD:
1- Entre na área de clientes
e digite o código (sem o
dígito) e a senha
2- Selecione o sistema o
qual deseja efetuar o
download. (Ao clicar no
arquivo será aberta uma
tela conforme abaixo)
6
3- Ao clicar em salvar será aberta uma tela
para indicar o local onde será salvo o
arquivo.
4- Fazer o processo para todos os arquivos
do programa selecionado, salvando todos
no mesmo local.
5- Após concluir o download, entre no local
onde foi salvo os arquivos e clique duas
vezes sobre cada arquivo salvo.
6- Será aberta uma tela com algumas instruções, onde será
mostrado a versão do sistema e local onde será
descompactada a instalação, como a tela abaixo.
7- Clique em OK
8- Após este processo será criada dentro da pasta Phoenix uma
pasta de acordo com o sistema que foi efetuado o Download,
por exemplo, a Escrita, será criada uma pasta Escrita onde
dentro desta pasta estará os arquivos de instalação,
instalar.exe, instalar.W02, etc. Estes arquivos podem se
copiados para disquete ou instalados diretamente.
FERRAMENTAS ÚTEIS DO SISTEMA
Para apagarmos um cadastro ou lançamento.
Para ativarmos uma empresa se precisar sair da tela
Para acharmos um cadastro ou lançamento.
Para gravarmos um cadastro ou lançamento.
Para visualizarmos o cadastro da empresa sem precisar sair da tela.
Para inserirmos um novo registro.
Para pesquisarmos por Apelido, Razão Social, CGC, número de N.F., UF,
etc. onde selecionamos o item a ser pesquisado, digitamos a frase contida no
texto e teclamos Ctrl+seta para baixo para ir ao próximo registro e Ctrl+seta para
cima para ir
ao registro anterior.
Usando Ctrl+seta para direita ou Ctrl+seta para esquerda iremos ao início ou ao fi
nal do registro
selecionado.
Tem a mesma função do botão
7
Para sairmos da tela.
Para enviarmos um relatório do vídeo para a impressora.
Para irmos ao primeiro registro.
Para irmos ao registro anterior.
Para irmos ao registro seguinte.
Para irmos ao último registro.
Seta amarela > Para visualizarmos as opções de cadastramento.
Seta vermelha > Para abrirmos à tela de cadastramento.
8
M A N U A L D E O P E R A Ç Ã O - G 5 P H O E N I X
C A D A S T R O
DAS EMPRESAS
O cadastro das empresas é composto por três fichas Geral, Escrita e Cont.
FICHA GERAL
Será criado um apelido numérico ou alfanumérico para cada empresa. É oportuno
lembrar que uma vez definido o apelido da empresa este não poderá ser alterado, pois
o sistema
gera os arquivos de banco de dados pelo apelido.
No cadastro das filiais informaremos o apelido da matriz para que o sistema poss
a
nela centralizar as informações para efeitos contábeis.
Endereço Teclaremos Ctrl+enter para selecionar o tipo de logradouro (Rua, Avenida.
,
etc)
Neste campo, teclaremos CTRL+Enter para visualizar e selecionar um município
válido. Esta informação é importante para integração dos sistemas Phoenix com os programas
da Receita Federal e Prefeituras.
Os demais campos serão preenchidos com os dados da empresa:
Razão Social, Endereço Completo, CNPJ, CPF, Inscrição Estadual, Natureza Jurídica, CCM,
Antigo CNAE (desnecessário), CNAE, Início de atividade, Data do registro (na JUCESP
ou
Cartório), Capital Social, Responsável, CPF, Qualificação, Telefone.
9
Neste campo teclaremos Ctrl+enter para selecionar a opção de enquadramento.
Se a empresa estiver enquadrada no lucro real, cadastraremos com o tipo 0-Nenhum
Se a empresa estiver cadastrada como lucro presumido, cadastraremos com a opção 2 ou
3.
Se a empresa for optante pelo Simples Nacional cadastraremos com a opção 7 ou 8.
Se a empresa for Lucro Presumido EPP (faturamento até R$ 120.000,00 no ano) e também
for corretora de seguros, cadastraremos com a opção 3-Lucro Presumido EPP e informarem
os
a opção de Corretora no campo .
Tanto para Lucro Presumido como para Simples Nacional, temos a opção de escolher reg
ime
caixa ou competência.
No caso do Simples Nacional, em 2007 não é permitido optar pelo regime de caixa. Dev
emos
aguardar manifestação por parte do CGSN Comitê Gestor do Simples Nacional.
Em relação aos campos abaixo, vide manual do sistema JR PHOENIX.
- Opção ISS Simples
- Opção ICMS Simples
- Distribuição Lucro Presumido
- Simples Federal Majoração 50%
10
FICHA ESCRITA
Para visualizarmos as opções de preenchimento nesta tela. podemos usar CTRL+Enter ou
clicar nas setinhas
Informaremos o tipo da empresa:
1 Comércio
2 Indústria
3 Microempresa
4 Com.c/Registradora
5 Auto serviço
6 Prestação de Serviço
Opção 1 Para os estabelecimentos comerciais e para aqueles, que além de comerciais,
também prestam serviços.
Opção 2 Para os estabelecimentos industriais ou equiparados à indústria (Ex. importadore
s)
Opção 3 - Esta opção atualmente não é mais válida. Era utilizada no caso das microempresas
antes do surgimento do Simples Paulista.
Opção 4 - Para os usuários de Máquina Registradora, ECF ou PDV. Neste caso preencher
também a opção dos totalizadores.
Opção 5 - Esta opção atualmente não é mais válida. Era utilizada antigamente pelos estabelecim
entos
que compravam bebidas com substituição tributária e não emitiam NF específica
para venda dessas bebidas. Através do lançamento da compra o sistema calculava 18% s
obre
o PVV (preço de venda a varejo) e estornava no Registro de Saídas.
Informaremos o período de apuração do ICMS:
11
1 Mensal (Apuração mensal do ICMS)
2 Decendial (Esta opção não é mais válida)
Informaremos o regime de apuração do ICMS:
1 R P A Regime Periódico de Apuração mensal
2 CEC Cadastro Especial de Contribuintes (Esta opção não é mais válida)
3 Estimativa Apuração semestral (Esta opção não é mais válida)
Informaremos:
1 Livro Caixa - Para integrarmos lançamentos fiscais do G5 PHOENIX para o livro ca
ixa do
JR PHOENIX.
2 Contabilidade - Para integrarmos lançamentos fiscais do G5 PHOENIX para a contab
ilidade.
Informaremos:
1 Um mês após Vencimento da Gare-ICMS no mês subseqüente ao fato gerador.
2 Dois meses após Vencimento da Gare-ICMS no segundo mês subseqüente ao fato gerador.
Informaremos o percentual de redução de ISS concedido
pela Prefeitura para essa empresa, se for o caso.
Esta opção é válida para fatos geradores até 06/2007. À
partir de 07/2007 entrou em vigor o Simples Nacional e todas as regras do Simple
s Paulista
foram revogadas.
Até 06/2007 tínhamos as seguintes opções:
0 Não enquadrada
1 ME
2 EPP
Informaremos:
1 Plano de Contas Geral - Se utilizarmos um único plano de contas de integração contábil
ou plano de contas do livro caixa para várias empresas cadastradas. (veja menu Cad
astro
Plano de Contas Intg.)
2 Plano de Contas Individual Se a empresa que utilizar um plano de contas indivi
dual de
integração contábil ou do livro caixa. (veja menu Cadastro Plano de Contas Intg.)
Informaremos :
1 Sintético Quando na contabilidade for utilizada uma única conta para todos os clie
ntes e
12
uma única conta para todos os fornecedores.
2 Analítico Quando na contabilidade for utilizada uma conta para cada cliente e um
a conta
para cada fornecedor.
Obs. Quando selecionarmos a opção Analítica, o G5 PHOENIX irá criar um arquivo de forneced
ores/
clientes individual para essa empresa.
Preencheremos esse campo somente se o tipo da empresa
for 4-Comércio c/registradora.
Atualmente só é permitido o uso de equipamentos que possuam 1 totalizador para cada
alíquota,
por isso, utilizaremos sempre a opção 6 totalizadores.
Informaremos a data inicial que a empresa optou pela
apuração do IPI mensal, decendial ou quinzenal.:
1 Mensal (ME ou EPP)
2 Decendial
3 Quinzenal / Mensal (podendo ser quinzenal no período de 01/2004 a 09/2004e mensa
l a
partir de 10/2004)
Informaremos se a empresa está enquadrada no lucro
real apuração de PIS e COFINS não cumulativos. No caso de não estar, cadastraremos
com a opção 0-Não Enquadrado.
Informaremos o CNAE Fiscal com 7 dígitos. Será impresso
na Gare-ICMS.
FICHA CONT
Em relação à tela acima, vide manual do sistema CONTÁBIL PHOENIX.
Obs Para desabilitar esta ficha, clicaremos com o botão direito do mouse e em segu
ida clicaremos
na opção Cont.
13
RAZÃO SOCIAL COMPLETA
Através desta opção cadastraremos
a razão social completa
da empresa, que será impressa
nos livros, apurações, termos,
etc.
COMPLEM. PRODUTOR RURAL
Nesta opção cadastraremos as informações
necessárias para que o
sistema possa imprimir, através do
menu Livros, a Declaração de Produtor
Rural (Portaria CAT 17, de 20-
02-2003)
DOS CONTADORES
Através desta opção cadastraremos
o nome da empresa/
escritório e os nomes dos
contadores.
O contador deverá ser selecionado
através do menu
Auxiliar/Controle de Impressão/
Dados de sua empresa
14
PLANO DE CONTAS INTG. (NOVO CFOP) GERAL OU INDIVIDUAL
O cadastro deste plano servirá para integração contábil ou para utilização do Conta Corrente
O Plano de contas integrado será Geral ou Individual, de acordo com o cadastro da
empresa.
O Plano de Contas Integrado se divide em três fichas: Códigos Fiscais, Serviços e Auto
máticas
FICHA CÓDIGOS FISCAIS
Nesta tela (veja modelos no final da explicação) preencheremos os campos abaixo:
Se utilizarmos o sistema Contábil Phoenix, clicaremos neste botão para informar
o nº do plano utilizado, no caso de termos cadastrado a empresa com a opção de Pl.Conta
s
Intg = Geral
Se utilizarmos o sistema Contábil Phoenix, e tivermos cadastrado a empresa
com a opção de Pl.Contas Intg = Individual o nº do plano utilizado aparecerá automaticamen
te,
se estiver informado no cadastro da empresa.
Assinalaremos a opção desejada antes de iniciar o cadastro
Assinalaremos este campo para que o sistema efetue a contabilização do lançamento.
Caso estivermos utilizando este cadastro apenas para efeito do controle de dupli
catas
ou da observação automática para os livros (ver explicação mais adiante), não marcaremos
esta opção.
Cadastraremos todas as centenas dos CFOPs utilizados na escrituração das notas,
ou apenas aqueles que desejarmos integrar com a contabilidade, ou utilizar no co
ntrole
das duplicatas (Conta Corrente).
Neste campo definiremos um nº, que deverá ser digitado na tela de escrituração das
notas, no campo C/C.
Para facilitar o trabalho de quem lança as notas, sugerimos que o nº seja sempre 1, po
is
assim, no momento do lançamento, podemos deixar o campo C/C em branco, que o sistema
entenderá como se estivesse preenchido com o nº 1. Exemplo:
CENTENA CFOP (Correspondente a...) C/C (Correspondente a...)
101 (p/Entradas) 1.101 1 Matéria Prima
101 (p/Entradas) 1.101 2 Material de Embalagem (neste
caso será necessário digitar 2 no
campo C/C ao escriturar a nota)
102 (p/Entradas) 1.102 1 Revenda de Mercadorias
101 (p/Saídas) 5.101 1 Venda de Produtos Industrializados
15
Nas entradas, informaremos neste campo o nº da conta contábil (débito).
Quem utiliza o sistema Contábil Phoenix, poderá teclar Ctrl+enter para pesquisar no pl
ano
de contas.
Nas saídas informaremos neste campo a palavra CLIENTE.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Sintético, o sistema
buscará a conta do cliente cadastrada na ficha Automáticas deste menu.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Analítico, o sistema
buscará a conta do cliente informada no cadastro do cliente.
Obs. Não desejando contabilizar o valor da nota, informaremos um asterisco neste c
ampo.
Nas entradas informaremos neste campo a palavra "FORNECEDOR.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Sintético, o sistema
buscará a conta do fornecedor cadastrada na ficha Automáticas deste menu.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Analítico, o sistema
buscará a conta do fornecedor informada no cadastro do cliente.
Nas saídas informaremos neste o nº da conta contábil (crédito). Quem utiliza o sistema C
ontábil
Phoenix, poderá teclar Ctrl+enter para pesquisar no plano de contas.
Obs. Não desejando contabilizar o valor da nota, informaremos um asterisco neste c
ampo
Informaremos o nº do histórico utilizado na contabilidade. Quem utiliza o sistema
Contábil Phoenix poderá teclar Ctrl+enter para pesquisar ou cadastrar o
histórico utilizado na contabilidade. Exemplo : Histórico nº 1 = Compra de mercadorias
Neste campo, poderemos informar o seguinte:

ou apenas:

onde:
999999 A999999 - Integrará o nº inicial e o nº final da nota fiscal (no caso de agrupament
o
de notas)
999999 - Integrará o nº da nota fiscal
SER - Integrará a série da NF
DD/MM/AAAA Integrará o dia/mês/ano do lançamento da nota
FFF - Integrará o nome do fornecedor ou do cliente.
Informaremos nestes campos as contas de
débito e de crédito assim como o histórico e,
opcionalmente, o complemento do histórico
ref. ICMS
Obs. Não desejando contabilizar o valor do ICMS, informaremos um asterisco neste c
ampo
16
Informaremos nestes campos as contas de
débito e de crédito assim como o histórico e,
opcionalmente, o complemento do histórico
ref. IPI.
Obs. Não desejando contabilizar o valor do IPI, informaremos um asterisco neste ca
mpo
Informaremos nestes campos as contas
de débito e de crédito assim como o histórico e, opcionalmente, o complemento do históri
co
ref. PIS não cumulativo (só para Lucro Real).
Obs.Não desejando contabilizar o valor do Pis, informaremos um asterisco neste cam
po
Informaremos nestes campos as contas
de débito e de crédito assim como o histórico e, opcionalmente, o complemento do históri
co
ref. COFINS não cumulativo (só para Lucro Real).
Obs.Não desejando contabilizar o valor da COFINS, informaremos um asterisco neste
campo
Estes campos poderão ser utilizados
para cadastrarmos observações automáticas para os registros de entradas e de saídas. No
primeiro campo informaremos a frase que deverá aparecer no livro (8 dígitos) e no ca
mpo
Frase por Extenso informaremos a frase sem abreviação que aparecerá no relatório são do
plano de contas de integração (menu Relat.Div./Plano de Contas Intg.)
Exemplo:
CENTENA CFOP (Correspondente a...) C/C Frase p/ Obs.do
Livro
Frase por Extenso
915 1.915 1 Conserto - Remessa para
Conserto
556 1.556 1 Mt.Escr. - Material de Escritório
556 1.556 2 Mt.Limp. - Material de Limpeza
Assinalaremos este campo no caso de utilizarmos a rotina do Conta Corrente
(Controle de duplicatas) para o CFOP selecionado.
17
MODELO ENTRADAS:
MODELO SAÍDAS:
18
FICHA SERVIÇOS
Nesta tela (veja modelos no final da explicação) preencheremos os campos abaixo:
Se utilizarmos o sistema Contábil Phoenix, clicaremos neste botão para
informar o nº do plano utilizado, no caso de termos cadastrado a empresa com
a opção de Pl.Contas Intg = Geral
Se utilizarmos o sistema Contábil Phoenix, e tivermos cadastrado a empresa
com a opção de Pl.Contas Intg = Individual o nº do plano utilizado aparecerá
automaticamente, se estiver informado no cadastro da empresa.
Assinalaremos a opção desejada antes de iniciar o
cadastro
Assinalaremos este campo para que o sistema efetue a contabilização do
lançamento. Caso estivermos utilizando este cadastro apenas para efeito do
controle de duplicatas ou da observação automática para os livros (ver explicação mais adi
ante),
não marcaremos esta opção.
Neste campo definiremos um nº, que deverá ser digitado na tela de escrituração das
notas, no campo C/C.
Para facilitar o trabalho de quem lança as notas, sugerimos que o nº seja sempre 1, po
is
assim, no momento do lançamento, podemos deixar o campo C/C em branco, que o sistema
entenderá como se estivesse preenchido com o nº 1.
Informaremos nestes
campos o seguinte:
No caso dos serviços tomados, informaremos neste campo o nº da conta
contábil (débito). Quem utiliza o sistema Contábil Phoenix, poderá teclar
Ctrl+enter para pesquisar no plano de contas.
Nos serviços prestados informaremos neste campo a palavra CLIENTE.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Sintético, o sistema
buscará a conta do cliente cadastrada na ficha Automáticas deste menu.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Analítico, o sistema
buscará a conta do cliente informada no cadastro do cliente.
Obs.Não desejando contabilizar o valor do serviço, informaremos um asterisco neste c
ampo.
Nos serviços tomados informaremos neste campo a palavra
"FORNECEDOR.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Sintético, o sistema
buscará a conta do fornecedor cadastrada na ficha Automáticas deste menu.
Se a empresa estiver cadastrada como método de contabilização Analítico, o sistema
buscará a conta do fornecedor informada no cadastro do cliente.
Nos serviços prestados informaremos neste o nº da conta contábil (crédito). Quem utiliza
o
sistema Contábil Phoenix, poderá teclar Ctrl+enter para pesquisar no plano de contas.
Obs.Não desejando contabilizar o valor do serviço, informaremos um asterisco neste c
ampo.
19
Informaremos nestes campos as
contas débito, crédito, o histórico
contábil e o complemento do
histórico.
Não será necessário o preenchimento dos campos relativos ao Pis, COFINS e CSLL, uma
vez que essas retenções ocorrem no momento do pagamento ou recebimento da duplicata.
Dessa forma, para a correta contabilização desses valores, deverá ser utilizada a roti
na do
Conta Corrente.
Assinalaremos este campo no caso de utilizarmos a rotina do Conta
Corrente (Controle de duplicatas).
MODELO SERVIÇOS TOMADOS
MODELO SERVIÇOS PRESTADOS
20
FICHA AUTOMÁTICAS
Os campos Fornecedores e Clientes desta ficha só deverão ser preenchidos com as respecti
vas
contas contábeis quando o método de contabilização for sintético, ou seja, quando
existir uma única conta contábil para todos os fornecedores e uma única conta contábil p
ara
todos os clientes.
Quando a empresa estiver cadastrada com o método de contabilização analíticom ou seja, s
e
existir no plano de contas contábil uma conta específica para cada fornecedor ou cli
ente, deixaremos
estes campos em branco
No campo Caixa deverá ser informada a conta caixa ou conta banco.
Nos demais campos, informaremos as contas contábeis (débito e crédito) correspondentes
a
cada tributo.
MODELO FICHA AUTOMÁTICAS
PLANO DE CONTAS INTG. / CONTA CORRENTE
O cadastro deste plano servirá para contabilização das duplicatas, DARFs pagos e retenções
FICHA IMPOSTOS
Nesta tela selecionar o código do
DARF que foi pago ou o código
do DARF ref.retenções (5952.2) e
informar as respectivas contas
contábeis (teclando ctrl+enter abre o
plano do Contábil Phoenix)
21
FICHA DUPLICATAS
Selecionar (x) Duplicatas Pagas
ou (x) Duplicatas Recebidas e
informar as contas contábeis de
juros (teclando ctrl+enter abre o
plano do Contábil Phoenix)
FICHA BANCOS
Cadastrar o caixa e os bancos com
suas respectivas contas contábeis.
Exemplo: 1 - Bradesco, 2 - Caixa,
3- Itaú, etc.
FICHA HIST/COMPLEM.
Selecionar a opção desejada
(Pagamento DARF, Pagamento
Duplicata ou Recebimento
Duplicata) e informar pelo menos o
histórico do valor principal e o
histórico das retenções. Como
complemento do histórico podemos
utilizar os "coringas" que estão
relacionados abaixo, a fim de trazer
o nº da dupl., o nº do cheque, etc.
Alguns desses coringas estão com
problemas e já estamos
providenciando o ajuste.
FORNECEDORES E CLIENTES
Para cadastrarmos um novo fornecedor ou cliente, clicaremos no botão Novo, informare
mos
o CNPJ, Razão Social, Inscrição Estadual, UF, Endereço, Cidade, CEP, Código do Município
e clicaremos em Gravar.
Lembramos que não é necessário fazer esse cadastramento por aqui, pois ao escriturar a
nota fiscal, abrirá uma tela para cadastrarmos o fornecedor/cliente.
Temos opção de cadastrarmos fornecedores e clientes pelo método Sintético ou Analítico.
Nesta opção ordenaremos o fornecedor ou cliente por CNPJ ou Razão
Social. Ao clicarmos neste botão, a opção mudará para Razão Social.
Nesta opção visualizaremos o cadastro de fornecedores.
Ao clicarmos neste botão, a opção mudará para Clientes.
22
SINTÉTICO
Quando a empresa estiver
cadastrada dessa forma, o
sistema criará um arquivo
de fornecedores e clientes
que será utilizado por todas
as empresas cadastradas
com esse método.
ANALÍTICO
Quando a empresa estiver cadastrada dessa forma, o sistema criará um arquivo de fo
rnecedores
e clientes exclusivo para essa empresa.
Notem que no cadastro do fornecedor/cliente analítico teremos as seguintes opções para
cadastrarmos
a conta contábil do fornecedor e do cliente:
a) C/C Específico (modo antigo) Se, ao cadastrar o cliente ou fornecedor, preencher
mos a
sua conta contábil neste campo, o sistema irá considerá-la apenas para a empresa que e
stiver
ativa, mesmo que existam outras empresas que utilizem o mesmo plano de contas.
b) Conta Contábil - Se, ao cadastrar o cliente ou fornecedor, preenchermos a sua con
ta contábil
neste campo, o sistema irá compartilhar esse cadastro com todas as empresas que ut
ilizarem
o mesmo plano de contas.
POR PLANO DE CONTAS
Ao cadastrarmos a conta contábil do cliente ou do fornecedor no campo Conta Contábil,
o
sistema irá
compartilhar esse
cadastro com todas
as empresas que
utilizarem o mesmo
plano de contas.
e criará um terceiro
arquivo de
fornecedores e
clientes.
NÃO DEVEMOS
utilizar esta tela para
cadastrar novos fornecedores e clientes. O sistema copiará o cadastro analítico compa
rtilhado
automaticamente para esta tela.
RESULTADOS ANTERIORES
A tela de resultados anteriores é composta por seis fichas Verso da Gia, Ginter, Ca
ixa Registradora,
Nº livros, Saldos a Compensar e V.Dipam
A finalidade desta tela é cadastrar saldos de períodos não escriturados pelo nosso sis
tema a
fim de dar continuidade aos cálculos.
23
FICHA VERSO DA GIA
Esta ficha era utilizada
para cadastrar os valores
acumulados por códigos
fiscais para preenchimento
do verso da
antiga gia anual.
Com o lançamento da
Nova Gia Eletrônica /
Secretaria da Fazenda/SP, a partir de Julho/2000 a demonstração dos valores por CFOP
passou a ser mensal. Atualmente esta tela não é mais utilizada.
FICHA GINTER
Esta ficha era
utilizada para
cadastrar os valores
acumulados por UF
para preenchimento
da antiga
declaração anual
chamada Ginter.
Com o lançamento
da Nova Gia Eletrônica / Secretaria da Fazenda/SP, a partir de Julho/2000 a demonstr
ação
dos valores por UF passou a ser mensal. Atualmente esta tela não é mais utilizada.
FICHA CAIXA REGISTRADORA
As empresas que utilizarem máquina registradora, ECF ou PDV deverão cadastrar nesta
tela,
as informações
relativas a cada caixa,
ou seja, o nº de série
do equipamento, o nº
de redutor Z e o
grande total
existentes no último
dia do período
anterior para que o
sistema dê continuidade
aos cálculos.
Lembramos que estas informações serão fundamentais para correta impressão do Mapa Resumo
do Caixa, impressão do livro de saídas e geração do arquivo magnético da Portaria
CAT 32/96 (Sintegra)
24
FICHA Nº LIVROS
O sistema numera
as páginas dos
livros
automaticamente,
porém se for
necessário fazer
alguma alteração,
ativaremos a empresa
no mês da
alteração e
cadastraremos
aqui o mês anterior e a última numeração.
No caso de querermos dar continuidade a numeração de páginas do ano anterior, cadastra
remos
mês 0 (zero) como mês anterior.
FICHA SALDOS A COMPENSAR
O sistema transporta os saldos
credores de ICMS, IPI e
PIS/COFINS não cumulativos
automaticamente, porém se
necessário cadastrar esse
saldo durante o exercício, ativaremos
a empresa no mês da
alteração e cadastraremos
aqui o mês e o saldo anterior.
FICHA V. DIPAM
Esta ficha era utilizada para
cadastrar os valores acumulados
por município para
preenchimento do verso da
antiga declaração anual
chamada Dipam-B.
Com o lançamento da Nova
Gia Eletrônica / Secretaria
da Fazenda/SP, a partir
de Julho/2000 a informação
para Dipam passou a ser
mensal. Atualmente esta
tela não é mais utilizada.
25
OUTROS VALORES MENSAIS
FICHA OUTROS VALORES MENSAIS
A tela de outros valores mensais é composta por três fichas Outros Valores Mensais, R
esumo
da Apuração e Estimativa.
Esta opção servia para quando a empresa estava cadastrada como
ME no Simples Paulista. Neste caso, informávamos aqui o
faturamento do mês. A partir de julho/2007 este campo não é mais
utilizado.
Se houver algum valor isento de PIS e COFINS, informaremos
neste campo.
Informaremos aqui outros valores que farão parte da base de cálculo do
PIS e COFINS.
Este campo era utilizado pela Prefeitura de Campinas. Atualmente
não é mais utilizado.
Aqueles que não escrituram as notas de serviços
prestados pelo nosso sistema, poderão informar aqui o
valor de serviços prestados no mês e IR Fonte (se houver)
no campo correspondente ao % LP (percentual
Lucro Presumido) utilizado pela empresa.
Se as notas de Serviços Prestados estiverem escrituradas
no sistema, o valor automaticamente aparecerá neste campo.
A informação do % LP é importante para que o JR PHOENIX apure corretamente o valor do
IRPJ.
Podemos cadastrar aqui frases que serão impressas no final do Registro
de Entradas e do Registro de Saídas.
26
FICHA RESUMO DA APURAÇÃO
Cadastraremos aqui outros valores que deverão ser levados para a NOVA GIA e para a
apuração
do ICMS.
Ao clicarmos na palavra Crédito o botão mudará
para Estorno de Débito, em seguida para
Débito e Estorno de Crédito.
Informaremos o código (teclando Ctrl+enter abrirá a lista), o fundamento legal (apen
as para
os códigos X.99) , a frase, a partida/contra partida/histórico (para quem faz integr
ação contábil)
e o valor.
Ao clicarmos na palavra ICMS, mudará para IPI.
Ao clicarmos em Mensal o botão mudará para 1º,
2º e 3º decêndios respectivamente. Os valores aqui
cadastrados serão levados para apuração de IPI.
FICHA ESTIMATIVA
Esta ficha era utilizada no caso
das empresas enquadradas no
regime de estimativa. Atualmente
não existe mais esse regime e
esta tela não deve ser utilizada.
27
MONTAR FILAS
Podemos montar uma fila de diversas empresas para impressão de livros, guias, rela
tórios
diversos e declarações.
No campo Nova fila, daremos um número à fila. Aparecerão todas as empresas no lado
esquerdo da tela.
Podemos selecionar por Tipo
de Empresa (Comércio, Indústria,
etc.)
Para incluir empresas dentro
da fila, podemos dar um duplo
clique na empresa ou usar opção
das setas Depois de montar
a fila, clicar no botão Aplicar.
Para selecionar a fila, entramos
na o menu Auxiliar/Controle de
Impressão, item Fila de Impressão.
No caso das declarações, na
própria tela onde são geradas,
já existe opção para selecionar
a fila.
Para que a fila funcione corretamente,
uma das empresas da fila deverá estar ativada.
LAYOUT EXP.CONTÁBIL
Quem não utiliza o CONTÁBIL PHOENIX, deverá cadastrar nesta tela o layout de exportação,
que será fornecido pelo responsável do programa de contabilidade.
Para que o G5 PHOENIX
exporte o arquivo para o
diretório definido nesta tela
devemos ir ao menu
Mensal / Exporta planilha
contábil p/ terceiros.
28
PARÂMETROS INTEGRAÇÃO CONTÁBIL
Nesta tela podemos
configurar por empresa
diferentes formas de
contabilização:
Integrar (planilhar)
lançamentos nota a
nota ou por totais.
Integrar ICMS/IPI/ISS
nota a nota ou por
totais.
Considerar tudo a
vista.
Considerar tudo a
prazo.
Separar a vista e a prazo
Não contabilizar determinados impostos (ICMS, IPI,...)
INVENTÁRIO
Cadastraremos nesta tela os Grupos e Itens do Inventário.
FICHA GRUPO
Cadastraremos aqui os grupos do inventário.
Exemplo :
1 - Matéria Prima
2 - Material de
Embalagem
3 - Produtos Acabados
4 Mercadorias
29
FICHA ITENS
Digitaremos o nº do grupo (a descrição aparecerá automaticamente se já tiver sido cadastra
da).
Cadastraremos os itens do inventário informando: Código, Descrição, NBM/SH (NCM),
Cód.Produto, Unidade, Alíq.ICMS e alíquotas do PIS e COFINS não cumulativos, se for o
caso.
Clicaremos neste botão para visualizar os itens por grupo.
RESÍDUOS
O sistema transporta os resíduos dos
impostos federais (inferiores a R$10,00)
automaticamente, porém se for necessário,
cadastre os resíduos do ano anterior nesta
tela.
CÓD. DARF
Em relação a esta tela, vide manual JR
PHOENIX
30
LAYOUT EXP. NOTAS
Esta tela permite
cadastrar um layout
para exportar notas
em arquivo texto.
Podemos criar um
layout diferente para
notas de entrada e
saída ou utilizar o
layout padrão da
Contmatic.
Para cadastrarmos
um novo layout,
clicaremos na
opção Limpar,
depois nas opções
Entradas e Saídas
(ou apenas
Entradas se o
layout for diferente para Saídas), Clicaremos na primeira linha disponível em Descrição d
os
Campos e daremos um duplo clique na variável disponível em Campos passíveis de exportação,
completando com a posição e tamanho.
Não é necessário utilizar todas as variáveis, cadastraremos apenas o necessário.
Em seguida configuraremos o diretório conforme modelo acima.
Informaremos também:
Valores decimais ( )com ponto Ex.1.000.00
( ) sem ponto Ex.100000
Alíquota com ( ) zero casas decimais Ex.18
( ) 1 casa decimal Ex.18.0
( ) 2 casas decimais Ex.18.00
CRÉDITO PRES. DOS ESTOQUES PIS E COFINS
A empresa que era optante pelo Lucro
Presumido e está passando para Lucro Real
(PIS/COFINS não cumulativos) poderá informar
aqui o valor do estoque existente na data dessa
alteração. O sistema utilizará o crédito em doze
parcelas mensais, mediante a aplicação de
0,65% para PIS e 3% para COFINS.
31
CADASTRO / RELAÇÃO DE CFOP
Através desta opção podemos consultar os novos CFOPs, vigentes a partir de 01/2003 e a
sua correlação com os antigos
CADASTRO / USUÁRIOS E SENHAS
Através desta opção cadastraremos os usuários com suas respectivas senhas e permissões
Clicando no botão EXPLICAÇÕES, abrirá o manual.
32
E S C R I T U R A Ç Ã O
NOTAS ICMS/IPI
LANÇAMENTOS NOTAS FISCAIS
A tela de escrituração das notas é composta por três fichas Notas, Rdz e DIPI
FICHA NOTAS
Ao acessar a Escrituração das Notas, a tela estará pronta para lançarmos
as entradas. Clicando na palavra ENTRADA, a opção mudará para SAÍDA.
Podemos configurar os lançamentos através desta opção. Ao clicarmos nela abrirá
uma tela onde teremos:
Podemos optar por habilitar somente a tela de
lançamentos das notas ou habilitar na seqüência a
tela de lançamentos da DIPI/DNF. A opção DIPI/DNF somente
poderá ser selecionada se a empresa estiver cadastrada como
Indústria.
O método manual nos obriga a digitar o valor do
ICMS. O método automático calcula
automaticamente o valor do ICMS.
Se optarmos por número, ao pesquisar a nota
através da opção o sistema pedirá para
digitar o nº da Nota Fiscal.
Se optarmos por CNPJ ao clicar na opção
o sistema pedirá para digitar o nº do CNPJ, e assim
sucessivamente.
Podemos optar por: Turbo 1, Turbo 2 ou Turbo 3.
Turbo 1: Quando selecionada esta opção, ao acionar a tela do turbo aparecerão os
33
seguintes campos: Tipo ICMS, IPI, Icms fonte e P.V.V.
Turbo 2: Quando selecionada esta opção, ao acionar a tela do turbo aparecerão os segui
ntes
campos:: Tipo ICMS, IPI, Icms fonte, P.V.V., A Vista e A Prazo
Turbo 3: Quando selecionada esta opção, ao acionar a tela do turbo aparecerão os segui
ntes
campos:: Tipo ICMS, IPI, Icms fonte, P.V.V. e Vencimento
Obs. Neste caso o vcto significa apenas um código e não a data do vencimento. Exemplo:
0 => tudo a vista (na provisão contábil o valor total vai para a conta caixa/banco)
1 => tudo a prazo (na provisão contábil o valor total vai para a conta do fornecedor
/cliente)
2 => metade a vista metade a prazo (na provisão contábil, metade do valor vai para a
conta
do fornecedor/cliente e metade para a conta caixa/banco)
3 => 1 parte a vista e duas partes a prazo (na provisão contábil vai 1/3 do valor pa
ra a conta
caixa/banco e 2/3 para a conta do fornecedor/cliente)
4 => 1 parte a vista e 3 partes a prazo (na provisão contábil vai 1/4 do valor para
conta caixa/
banco e 3/4 para a conta do fornecedor/cliente) e assim sucessivamente...
O sistema confere o cálculo do ICMS e também a soma dos valores
escriturados. Se quisermos que o sistema tenha uma tolerância nas
diferenças de centavos, informaremos aqui os valores.
O sistema acusará erro somente nas diferenças de valores superiores ao que foi cadas
trado.
Podemos modificar a aparência da tela de lançamentos de acordo
com as necessidades de cada empresa. Esta é uma das
ferramentas que o sistema possui para agilizar a escrituração.
Primeiramente escolheremos um número para o projeto através das setinhas< >,
Clicaremos então no desenho para abrir a seguinte tela:
Nesta tela clicaremos em Projetar Nova Tela. Os
campos coloridos (amarelos) poderão ser apagados com
um duplo clique. Podemos também excluir os campos À
Vista e À Prazo e deixar o campo Venc.. Após
excluídos os campos, clicaremos em Gravar Projeto.
Para selecionar o projeto clicaremos em CTRL,
localizaremos o projeto através das setinhas e clicaremos
em OK.
Podemos fixar campos a fim de evitar a digitação das mesmas informações a cada
nota lançada. Clicando nesta opção escolheremos os campos a serem fixados,
podendo ser: Data, Série, Espécie, CNPJ, UF, Cód.Fiscal,etc.
Depois de selecionados os campos, clicaremos em OK.
O sistema desabilitará o campo fixado e não
passará mais por ele, tornando mais rápida a
digitação. Para desfixar entraremos na opção
Fixar e desmarcaremos o que foi fixado.
Uma outra forma muito simples para fixar campos é
dar um duplo clique no campo já preenchido. Para
desfixar basta dar um duplo clique no campo fixado.
34
A seguir, tela com alguns campos fixados:
Preenchimento da tela de Escrituração das Notas
Ao lançarmos as entradas, informaremos a data da entrada da mercadoria no
estabelecimento. Ao lançarmos as saídas, informaremos a data da emissão da
nota fiscal.
Informaremos a data de emissão da nota fiscal.
Informaremos a espécie.
NF (nota fiscal modelo 1, 2, ...)
ECF (cupom fiscal)
CTR (conhecimento de transporte rodoviário modelo 8)
NFSC (nota fiscal de serviço de comunicação modelo 21)
Informaremos a série :
1, 2,... (para notas fiscais modelo.1);
D1, D2,... (para nota fiscal de venda a consumidor modelo 2);
U, Un, B, ... (para conhecimentos de transporte)
1, 2, 3, ... (para identificar o equipamento emissor de cupom fiscal)
* Quando houver mais de um equipamento emissor de cupom fiscal, devemos efetuar
os lançamentos
separadamente, atribuindo um nº de série para cada equipamento. Isso é fundamental
para que o arquivo magnético da Secretaria da Fazenda (Sintegra) seja gerado corre
tamente.
Informaremos aqui o número do documento fiscal.
Para o caso de agrupamento de notas nas saídas, apenas nos casos em
que a legislação permitir, informaremos o número da última nota do grupo.
No caso de cupom fiscal, o preenchimento deste campo é obrigatório
O preenchimento deste campo não é obrigatório. Apenas para fins de controle,
informaremos aqui o nº do talão de notas de venda a consumidor.
ou Informaremos aqui o CNPJ do emitente da nota
35
fiscal no caso de entrada ou do destinatário no caso de saída.
Excepcionalmente no caso de prestação de serviços de transporte, informaremos neste ca
mpo
o CNPJ do tomador do serviço. Ao abrir a tela para cadastrar o tomador, informaremos
a
sua UF (do tomador), não importando que a UF do destinatário (informada na tela de l
ançamento)
seja diferente.
É necessário proceder dessa forma para que o sistema consiga exportar corretamente p
ara o
sistema da Nova Gia e para gerar corretamente o arquivo magnético a ser validado n
o Sintegra.
Quando se tratar de pessoa física, informar o nº do CPF (sem acrescentar zeros à esque
rda
ou a direita) Ex. 178.658.956-45. Ao preencher o cadastro da pessoa física, inform
ar a palavra
isento no campo Inscrição Estadual.
Informaremos a unidade de federação (Ex. SP, RJ, RS, etc) da origem das mercadorias,
no caso das entradas ou do destinatário, no caso das saídas.
Quando tratar-se de importação ou exportação informaremos EX neste campo.
Digitaremos o código fiscal ( Ex. 1.101, 2.101, 5.101, 6.101, etc) de acordo com a
natureza da operação.
Digitaremos o número da conta contábil para integração com a contabilidade* ou o
número da conta caixa para integração com o livro caixa. (veja explicações da
integração contábil neste manual e da integração com livro caixa no manual do sistema JR
Phoenix)
Digitaremos 1 quando utilizarmos o CFOP 6.949 (Outras saídas não especificadas,
para outros Estados) para NÃO CONTRIBUINTE ou 2 para aquisição de energia
elétrica/petróleo de outros Estados.
A finalidade deste campo é transportar corretamente os valores para o sistema da N
ova Gia.
Quando se tratar de vendas interestaduais para não contribuinte, não é necessário preenc
her
este campo uma vez que utilizaremos o CFOP próprio Ex. 6.107, 6.108
a) No caso dos combustíveis informaremos CBT para que o
sistema exporte a informação da NF para o programa GRF-CBT
da Secretaria da Fazenda.
b) No caso de valor de cancelamentos de cupom fiscal,
informaremos o valor do cancelamento, precedido do sinal de adição. Ex. +25,55. O si
stema
automaticamente somará esse valor ao GT que será impresso no registro de saídas.
Nos demais casos, digitaremos a observação desejada para impressão no Registro de Entr
adas
ou Saídas.
Nos lançamentos de compras para o Ativo, teclaremos Ctrl+enter e
cadastraremos o bem na tela que se abrirá para efeitos de controle dos créditos
do Ativo.
Podemos também fazer o cadastro do bem através do menu Escrituração/Controle de Crédito
de ICMS Ativo Permanente CIAP.
Informaremos aqui o valor total da nota fiscal.
Podemos tornar mais rápida a escrituração das notas, utilizando os códigos turbo.
Digitando qualquer número neste campo, abrirá uma tela com a relação de códigos.
36
No campo , digitaremos o código
escolhido ou a alíquota do ICMS.
No campo , digitaremos o valor do
IPI.
Se digitarmos o nº 2 o valor será levado para
o campo isento/IPI.
Se digitarmos o nº 3 o valor será levado para
o campo outras/IPI
No campo digitaremos o valor do
ICMS retido na fonte, quando se tratar de
compras ou vendas com substituição tributária.
Utilizaremos o tipo ICMS 113 quando se tratar
de compras com substituição tributária pelo
contribuinte substituído.
Utilizaremos o tipo ICMS 122 quando se tratar
de compras ou vendas com substituição
tributária pelo substituto.
No campo podemos informar a
base de cálculo utilizada para cálculo do ICMS Fonte no caso do substituto (tipo ICM
S 122).
Essa BC será impressa no registro de saídas conforme determina a legislação.
No campo informaremos o código do município constante nos arquivo préformatados
da Nova Gia e da DS.
Este campo só deverá ser preenchido nas situações exigidas para Dipam da Nova Gia ou
para Dipam da DS (Declaração Simples Paulista)
Exemplos: Compras de produtor rural, prestação de serviços de transporte e de comunicação,
distribuição de energia elétrica, etc.)
37
Explicaremos abaixo a função de cada código turbo:
Aliq. (7,12, 13, 18, 25, 3,2) > Digitando uma destas alíquotas, o sistema calculará
automaticamente
o ICMS.
1 A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, a
o utilizarmos
o turbo 1, o sistema preencherá o campo Base de Cálculo do ICMS, deixando o
campo da alíquota em branco. O sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples
Nacional, saberá que o lançamento é tributado pelo ICMS.
Até 06/2007 > Se a empresa estivesse cadastrada como Simples Paulista-EPP,, ao uti
lizarmos
o turbo 1, o sistema preencherá o campo Base de Cálculo do ICMS e, aplicava o
percentual correspondente a faixa de receita daquele mês. O percentual aplicado e
o valor
do ICMS só podiam ser visualizados no Registro de Saídas.
2 - Isentas > Ao digitarmos o número 2, o sistema levará o valor para a coluna Isento
/
ICMS. Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, o sistema JR Phoenix
,
que efetua os cálculos do Simples Nacional, saberá que o lançamento é isento de ICMS.
3 Outras > Ao digitarmos o número 3, o sistema levará o valor para a coluna Outras/
ICMS. Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, o sistema JR Phoenix
,
que efetua os cálculos do Simples Nacional, entenderá que trata-se de operação sujeita
ao regime de substituição tributária
102 IPI embutido. > Ao digitarmos o número 102 nas entradas ou saídas, o sistema rep
etirá
o valor contábil no campo base de cálculo ICMS e levará a observação de que o
IPI está embutido (na BC do ICMS)
103 Aprov. 50% > Ao digitarmos o número 103 nas entradas, o sistema dividirá o valor
contábil em duas partes (50%) levando uma delas para o campo Base Cálculo/IPI e outra
parte para o campo Outras/IPI. Informaremos o valor do IPI já calculado no campo própr
io,
dentro do turbo.
104 Frete (base Rdz 80%) > Ao digitarmos o número 104 nas entradas ou saídas, o sist
ema
reduzirá a base de cálculo do ICMS em 20%, ficando 80% do valor na base de cálculo
e 20% na coluna isentas.
105 Sai Faturamento > Ao digitarmos o número 105 nas saídas, o sistema não somará
o valor na base de cálculo do PIS/COFINS.
106 Isentas > Ao digitarmos o número 106 nas entradas, o sistema levará o valor para
a
coluna Isento/ICMS. Este turbo era utilizado na época em que existiam máquinas regis
tradoras
com menos de 6 totalizadores. Para a empresa cadastrada como comércio com registrad
ora
e com menos de 6 totalizadores, o sistema aplicava 15% sobre o valor contábil
para encontrar o preço de venda a varejo, sobre esse valor aplicava 18% e estornav
a no
Registro de Saídas. Atualmente o sistema não efetua mais esses cálculos.
108 Superf. 25% > Ao digitarmos o número 108 nas entradas, o sistema aplicará a alíquo
ta
de 25%. Para a empresa cadastrada como comércio com registradora e com menos
de 6 totalizadores, antigamente o sistema aplicava 30% sobre o valor contábil para
encontrar o preço de venda a varejo, sobre esse valor aplicava 7% e somava ao débito
no
Registro de Saídas. Atualmente o sistema não efetua mais esses cálculos.
111 Refeições > Ao digitarmos o número 111 nas saídas, o sistema reduzirá a base de
cálculo do ICMS em 30%, ficando 70% na coluna base de cálculo e 30% na coluna isenta
s
113 Subst.Tributária > Ao digitarmos o número 113 nas entradas, o sistema deduzirá do
38
valor contábil, o valor do ICMS fonte que foi informado e levará o resultado para a
coluna
Outras/ICMS.
116 Redução base > Ao digitarmos o número 116 nas entradas ou saídas, podemos reduzir
a base de cálculo do ICMS, informando o percentual da redução e a alíquota do
ICMS.
117 Redução 41,67% > Ao digitarmos o número 117 nas entradas ou saídas, o sistema
reduzirá a base de cálculo do ICMS em 41,67%, levando a diferença para a coluna Isento/
ICMS.
118 Redução 61,11% > Ao digitarmos o número 118 nas entradas ou saídas, o sistema
reduzirá a base de cálculo do ICMS em 61,11%, levando a diferença para a coluna Isento/
ICMS.
120 Pão Fabricação > Ao digitarmos o número 120 nas saídas de pão, o sistema aplicará
alíquota de 7%.
121 Tributado 7% > Ao digitarmos o número 121 nas entradas, o sistema aplicará a alíqu
ota
de 7%. Este turbo era utilizado na época em que existiam máquinas registradoras
com menos de 6 totalizadores. Para a empresa cadastrada como comércio com registrad
ora
e com menos de 6 totalizadores, o sistema aplicava 15% sobre o valor contábil para
encontrar o preço de venda a varejo, sobre esse valor aplicava 11% e estornava no
Registro
de Saídas. Atualmente o sistema não efetua mais esses cálculos.
122 St (p/substituto) > Ao digitarmos o número 122 nas entradas ou saídas, o sistema
deduzirá do valor contábil, o valor do ICMS fonte que foi informado e levará o resulta
do para
a coluna Outras/ICMS.
123 Entra Fat. > Ao digitarmos o número 123 nas saídas, o sistema irá considerar o val
or
para a base de cálculo do PIS e COFINS, mesmo que o CFOP não se identifique como
receita.
125 Compra sem créd. PIS/COFINS > Este turbo será utilizado quando a empresa
adquirir mercadoria para revenda ou industrialização que não tenham direito ao crédito
do PIS e COFINS. Ex. produtos monofásicos (ex.pneus), produtos sujeitos a substitu
ição
tributária do PIS/COFINS (ex.cigarros). Deve ser utilizado pelas empresas que apur
am
PIS/COFINS não cumulativos (Lucro Real)
126 Dev.Vdas PIS/COFINS Cumulat.> Este turbo será utilizado quando a empresa
receber a título de devolução uma mercadoria que na ocasião da venda foi tributada a
0,65%-PIS e 3%-COFINS. Neste caso o sistema irá considerar que a mercadoria retorn
ou
ao estoque e fará o crédito do PIS/COFINS em 12 parcelas calculadas a 0,65 e 3% resp
ectivamente.
127 - SFT PIS/COFINS pela compra > Ao digitarmos o número 127 nas entradas o siste
ma
deduzirá da base de cálculo do PIS/COFINS o valor que foi digitado no campo P.V.V.
Não recomendamos a utilização deste turbo.
128 Crédito PIS/COFINS no 1.949 > Este turbo fará o crédito do PIS e COFINS para os
CFOPs 1.949/2.949. Deve ser utilizado pelas empresas que apuram PIS/COFINS não cum
ulativos
(Lucro Real)
39
129 - Dev.Vendas no 1.949 > Este turbo fará o crédito do PIS e COFINS quando houver
devolução (retorno de mercadorias não entregues ao destinatário) através dos CFOPs
1.949/2.949. Deve ser utilizado pelas empresas que apuram PIS/COFINS não cumulativ
os
(Lucro Real).
130 Dev.Vdas só COFINS Cumulat.> Será utilizado pelas empresas que já recolhiam o
PIS não cumulativo, venderam uma mercadoria tributada a 3% de COFINS que agora está
sendo devolvida . Neste caso o sistema não fará o crédito da COFINS. Deve ser utilizad
o
pelas empresas que apuram PIS/COFINS não cumulativos (Lucro Real)
131 Dev.Compras só COFINS Cumulat.> Será utilizado pelas empresas que já recolhiam
o PIS não cumulativo (Lucro real), devolveram uma compra feita na época em que a
COFINS era cumulativa, ou seja, não havia direito ao crédito pela compra. Neste caso
, o
sistema não fará o débito da COFINS. Deve ser utilizado pelas empresas que apuram
PIS/COFINS não cumulativos (Lucro Real)
Informaremos o valor da base de cálculo do ICMS. Se houver várias alíquotas
na mesma nota, utilizaremos uma linha para cada alíquota.
Informaremos a(s) alíquota(s) do ICMS
Podemos digitar o valor do ICMS ou selecionar a opção para que o cálculo
seja feito automaticamente através da opção CTRL. Neste caso digitaremos
a alíquota e ao teclar ENTER, o valor do ICMS será calculado
automaticamente.
Informaremos o valor da mercadoria isenta do ICMS. Se houver mercadoria
tributada e isenta na mesma NF (exceto nos casos de BC reduzida), devemos
lançar o valor, isento numa linha que esteja vazia, a fim de que o sistema
possa distinguir o CST (Código de Situação Tributária) para o SÍNTEGRA.
Informaremos o valor correspondente a outras do ICMS.
Na impossibilidade de utilizar o turbo, podemos optar pelo preenchimento do tipo q
ue
tem a mesma função. Digitando o número 1 (um) neste campo a tela abrirá e
optaremos por um dos tipos a seguir:
0 Normal > Se deixarmos o campo em branco ou digitarmos o número 0, o sistema
entenderá como um lançamento normal.
2 IPI Embutido > Ao digitarmos o número 2, o sistema entenderá que o IPI está embutido
na base de cálculo do ICMS, não acusando erro ao gravar o lançamento. Constará
no campo observações do livro.
3 Aprov.50% > Ao digitarmos o número 3, o sistema entenderá que houve aprovei40
tamento de 50% para cálculo do IPI. Constará no campo observações do livro.
5 Sai faturamento > Ao digitarmos o número 5, o sistema não irá considerar o valor
para a base de cálculo do PIS e COFINS.
8- Trib. 25% > Ao digitarmos o número 8, o sistema entenderá que se trata de produto
tributado a 25% Constará no campo observações do livro (habilitado apenas para comércio
com registradora)
11 Refeições > Ao digitarmos o número 11, o sistema entenderá que se trata de
venda de refeições. Constará no campo observações do livro.
13 Subs.Tribut. > Ao digitarmos o número 13, o sistema entenderá que se trata de
mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária (contribuinte substituído).
Constará no campo observações do livro.
16 Red.Base Cálc. > Ao digitarmos o número 16, o sistema entenderá que houve
redução na base de cálculo do ICMS. Constará no campo observações do livro.
17 Red. 41,67% > Ao digitarmos o número 17, o sistema entenderá que houve redução
de 41,67% na base de cálculo do ICMS. Constará no campo observações do livro.
18 Red. 61,11% > Ao digitarmos o número 18, o sistema entenderá que houve redução
de 61,11% na base de cálculo do ICMS. Constará no campo observações do livro.
20 Pão Fab. > Ao digitarmos o número 20, o sistema entenderá que se trata de venda
de pão de fabricação própria. Constará no campo observações do livro.
21 Tribt. 7% > Ao digitarmos o número 21, o sistema entenderá que se trata de produt
o
tributado a 7%. Constará no campo observações do livro.
22 ST (p/substituto) > Ao digitarmos o número 22, o sistema entenderá que se trata
de mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária (contribuinte substituto)
.
Constará no campo observações do livro.
23 Entra Fat. > Ao digitarmos o número 23 nas saídas, o sistema irá considerar o valor
para a base de cálculo do PIS e COFINS, mesmo que o CFOP não se identifique
como receita.
25 Compra sem créd.PIS/COFINS > No caso das empresas optantes pelo lucro real,
ao digitarmos o nº 25 nas entradas, o sistema não fará o crédito de PIS e COFINS
26 Dev.Vdas PIS/COFINS Cumulat > No caso das empresas optantes pelo lucro real,
ao digitarmos o nº 26 nas entradas, o sistema irá considerar que a mercadoria que
na ocasião da venda foi tributada a 0,65%-PIS e 3%-COFINS, retornou ao estoque e
fará o crédito do PIS/COFINS em 12 parcelas calculadas a 0,65 e 3% respectivamente.
27 SFT PIS/COFINS pela compra > Ao digitarmos o número 27 nas entradas, o sistema
deduzirá o valor digitado no campo P.V.V.da base de cálculo do PIS/COFINS
Não recomendamos a utilização deste tipo.
28 Crédito PIS/COFINS no 1.949 > No caso das empresas optantes pelo lucro real,
ao digitarmos o nº 28 nas entradas, o sistema fará o crédito do PIS e COFINS para os
CFOPs 1.949/2.949
41
29 Dev.Vendas no 1.949 > No caso das empresas optantes pelo lucro real, ao digit
armos
o nº 29 nas entradas o sistema fará o crédito do PIS e COFINS quando houver
devolução (retorno de mercadorias não entregues ao destinatário) através dos CFOPs
1.949/2.949.
30 Dev.Vendas só COFINS Cumulat. > No caso das empresas optantes pelo lucro
real, ao digitarmos o nº 30 nas entradas, o sistema não fará o crédito da COFINS.
31 Dev.Compra só COFINS Cumulat > No caso das empresas optantes pelo lucro
real, ao digitarmos o nº 31 nas saídas, o sistema não fará o débito da COFINS
97 Estorno > Este tipo atualmente não pode mais ser utilizado.
98 Ef. Fiscal > Ao digitarmos o número 98, o sistema entenderá que a nota foi emitid
a
somente para efeito fiscal. Constará no campo observações do livro.
99 Cancelada > Ao digitarmos o número 99, o sistema entenderá que a nota foi cancela
da.
Constará no campo observações do livro.
Informaremos o valor da base de cálculo do IPI.
Informaremos o valor do IPI.
Quando se tratar de um comércio recebendo uma nota fiscal com destaque do valor do
IPI,
devemos informar o valor do IPI no campo próprio. Esse valor aparecerá apenas na col
una de
Observações do livro de entradas.
Quando se tratar de uma indústria que não tenha direito ao crédito do IPI destacado na
NF de
compra, lançaremos neste campo o valor.do IPI, precedido do sinal de subtração. O sist
ema
levará o valor do IPI para a coluna de observações do livro como IPI não aproveitável. Ex.
-
25,40
Informaremos o valor da mercadoria isenta do IPI.
Informaremos o valor correspondente a outras do IPI
Informaremos o valor do ICMS retido na fonte nas entradas ou saídas de
mercadorias com substituição tributária.
O valor de ICMS Fonte lançado nas Saídas será deduzido da base de cálculo do
PIS/COFINS.
No caso de contribuinte substituto, informaremos a base utilizada para cálculo
do ICMS Fonte. Essa BC será impressa no registro de saídas conforme determina a legi
slação.
Informaremos o código do município (estadual) constante nos arquivo préformatados
da Nova Gia e da DS. Este campo só deverá ser preenchido nas situações exigi42
das para ficha Dipam da Nova Gia (ou Simples Paulista até 06/2007) Exemplos: Compras
de produtor rural, Prestação de serviços de transporte e de comunicação, distribuição de energ
ia
elétrica, etc.)
Teclando Ctrl+enter neste campo, abrirá a lista dos municípios:
Informaremos aqui o valor a vista. Se a compra ou venda for totalmente a
vista, não é necessário preencher este campo.
Infomaremos aqui o valor a prazo. Se as entradas ou saídas forem todas a
prazo podemos configurar n menu Cadastro/Parâmetros Integração Contábil a opção Considero
tudo a prazo
Para os usuários que projetaram uma tela com o campo Vcto na opção CTRL,
informarão aqui um dos códigos a seguir:
Em branco tudo à vista
1 tudo à prazo
2 metade à vista, metade à prazo
3 1 parte à vista, duas partes à prazo
4 1 parte à vista, três partes à prazo
5 1 parte à vista, quatro partes à prazo
e assim sucessivamente.
Esta opção (contabiliza) pode ser utilizada para contabilizarmos manualmente os lançam
entos
fiscais.
Teclaremos CTRL+Enter para abrir a tela. Informaremos: Partida (conta débito), C/P
artida
(conta crédito) e valor.
Estes campos só estarão habilitados nos
casos de operações interestaduais para empresas optantes pelo Simples Paulista (até
06/2007) ou Simples Nacional (a partir de 07/2007), para lançamento do diferencial
de carga
tributária.
Poderemos digitar os valores nestes campos ou teclar Ctrl+Enter no campo Base de
Cálculo
para abrir a calculadora automática, onde informaremos a base de cálculo, alíquota de
origem
e alíquota de SP.
O campo Outras servia para, no Simples Paulista, informar o valor da nota nos caso
s de
entrada interestadual que não tivesse a diferença a ser recolhida (Ex. remessas, com
pras
com substituição tributária)
43
Agora com o Simples Nacional não é necessário preencher este campo. Se não houver difere
nça
a ser recolhida, deixar em branco
Poderemos informar nestes campos os valores isentos e tributados
de PIS e COFINS.
Nas entradas estes campos sserão válidos apenas para PIS/COFINS não cumulativos (lucro
real)
Se a operação for totalmente a vista, deixar em branco.
Se a operação for parte a vista e parte a prazo, informar os respectivos valores
Se a operação for totalmente a prazo, informar o valor no campo A prazo
Se todas as operações forem a prazo, configurar o sistema através do menu Cadastro/
Parâmetros de Integração Contábil, a fim de que não seja necessário digitar o valor a cada
lançamento efetuado.
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, atr
avés desta
informação o sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples Nacional, saberá se o
lançamento é tributado ou não pelo PIS/COFINS
Após feitas as configurações necessárias, teclando Ctrl+enter abrirá a tela de baixa das
duplicatas, Veja explicações do menu Escrituração/Conta Corrente e também o manual detalhado
do conta corrente que está disponível para download em nosso site.
Teclando Ctrl+enter, abrirá a seguinte tela:
Teclando Ctrl+enter neste campo abrirá uma tela onde serão preenchidas as informações
necessárias a geração do arquivo da Nota Fiscal Paulista para efetuar o REDF Registro
Fiscal de Documentos Fiscais.
Ao teclar Ctrl+enter, abrirá a seguinte tela:
44
Estes campos já vem preenchidos automaticamente
Teclar ctrl+enter para selecionar Sim ou Não - Neste campo deverá ser informado
se a mercadoria está sendo retirada pelo comprador ou se a entrega será feita pelo
vendedor. (Preenchimento Obrigatório)
Teclar ctrl+enter para selecionar Sim ou Não - Neste campo deverá ser
informado se a mercadoria será paga a vista ou a prazo (Preenchimento Obrigatório)
Se no item anterior foi informado a prazo, informar
a quantidade de prestações, qual seria o valor a vista e como ficou o preço final a pr
azo. (Estes
campos serão habilitados somente se estiver marcado que possui pagamento a prazo)
Caso tenha Sim no campo Possui entrega , este
campo ficará habilitado para, se for o caso, ser assinalado. Quando assinalado, o
sistema irá
gerar as informações de local de entrega de acordo com o cadastro do cliente. (Estes
Campos
Serão Habilitados Somente Se Estiver Marcado Que Possui Entrega)
45
estes campos
deverão ser preenchidos o endereço de entrega, se for o caso. (estes campos serão habi
litados
somente se estiver marcado que possui entrega)
Neste campo poderá
constar qualquer informação complementar que seja do interesse do contribuinte. (Não
Obrigatório)
Neste campo
poderá constar qualquer informação complementar que seja do interesse do fisco (Não Obri
gatório)
.
M O D E L O S
46
FICHA RDZ
No caso das empresas cadastradas como
Comércio, esta ficha estará habilitada e
poderá ser utilizada em substituição a tela
normal de lançamentos, com a finalidade de
agilizar os lançamentos.
Clicaremos em Novo e informaremos: Dia,
espécie, série, nº., até nº., CNPJ, UF, etc.)
Esta tela atende apenas aos lançamentos
com apenas uma alíquota para cada nota.
LANÇAMENTOS DIPI (ou ficha DIPI da tela de escrituração das notas)
As indústrias e os comércios equiparados a indústria, devem prestar informações referente
ao
IPI na DIPJ (Declaração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica)
Para que o sistema possa exportar os dados para essa declaração, precisaremos preenc
her a
tela DIPI, que pode ser acionada (através da opção CTRL) ou então peo menu Escrituração/
Notas ICMS-IPI/Lançamentos DIPI
DIPI/DNF
Após escriturar a DIPI, podemos dar
continuidade com as informações
relativas a DNF Demonstrativo de
Notas Fiscais. Para isso teclaremos
Ctrl+enter no campo Co
Essas informações são necessárias
para aqueles que precisam gerar o
arquivo da DNF para a Receita Federal.
Apenas alguns produtos têm essa
obrigatoriedade. Quando digitarmos
uma NCM que faça parte de um dos
Anexos da DNF, o campo com o
Cód.Espécie já ficará habilitado.
47
LANÇAMENTOS NOTAS POR TALÃO
Para lançarmos notas fiscais de venda a
consumidor, podemos utilizar esta tela que
tornará mais ágil o lançamento. Esta tela
não poderá ser utilizada caso a empresa
esteja obrigada ao REDF-Nota Fiscal
Paulista.
Clicaremos na opção Novo e preencheremos os campos a seguir:
Podemos informar o nº do talão (opcional).
Informaremos a espécie Ex. NF.
Informaremos a série Ex. D-1, D-2, etc
Informaremos o CFOP. Ex. 5.102
Informaremos a alíquota. Ex. 1 (para Simples Paulista), 2 (para isento), 3
(para outras), 18, etc.
Informaremos o número da conta contábil para integração com a contabilidade
(vide Cadastro/Plano de Contas Intg Novo CFOP (Geral ou Individual) ou o número
da conta caixa para integração com o livro caixa (vide manual JR
PHOENIX Cadastro/Contas Caixa/ Geral ou Individual)
Digitaremos a data de emissão da nota fiscal.
Digitaremos o número inicial do dia.
Digitaremos o número final do dia.
Digitaremos o valor total do dia.
Clicaremos nesta opção para carregar o lançamento.
Antes de sairmos da tela, clicaremos na opção nesta opção para que o sistema
grave os lançamentos que foram carregados. Os lançamentos aparecerão automaticamente
na tela de Escrituração das Notas.
Dicas
A partir do 2º lançamento, digitando + no campo Dia, o sistema trará o próximo dia e o pró
nº. da nota fiscal.
Quando o cursor estiver no campo do Valor, teclaremos F12 e o sistema mostrará a cal
culadora.
Após somarmos os valores, teclaremos F12 novamente e o sistema levará o total para o
48
campo do Valor.
PROCURADOR AUTOMÁTICO DE NOTAS REPETIDAS E ESQUECIDAS
Nesta tela podemos verificar se houveram lançamentos de notas repetidas, faltantes
ou duplicadas
por período: Do Mês ou Anual.
Repetidas O sistema mostrará todas as notas idênticas.
Faltantes O sistema mostrará a nota posterior àquela que estiver faltando.
Duplicadas O sistema mostrará todas as notas que tiverem o mesmo número.
PROCURADOR AUTOMÁTICO DE DIFERENÇAS NOS LANÇAMENTOS
Podemos verificar se há erros de escrituração nas notas de entradas ou saídas selecionan
do
o período (do mês ou anual), individual ou em fila.
Podemos configurar para que o sistema só mostre diferenças acima de um determinado v
alor.
INTEGRAR FATURAMENTO / COMPRA
FICHA IMPORTAR ARQUIVO
Através desta opção poderemos importar
dados do sistema de Faturamento,
Compras.ou a Nota Fiscal Eletrônica doa
Prefeitura de São Paulo
Para imprimir o layout de importação,
selecionaremos a opção desejada e
clicaremos no item Imprimir Manual.
O arquivo a ser importado deverá estar
com o seguinte nome:
Para as notas de saídas: Apelido.Smês
(Ex.Phoenix.S11)
Para as notas de entradas: Apelido.Emês
(Ex.Phoenix.E11)
Sugerimos que o arquivo texto a ser
importado esteja no diretório Contfat.
A opção Integrar só ficará habilitada se o arquivo estiver com o nome correto, no diretório
correto.
49
FICHA APAGAR INTEGRAÇÃO
Através desta opção poderemos apagar as notas
integradas (todas ou selecionando apenas o lote
desejado, que corresponde ao dia em que foi feita a
integração).
Também podemos apagar todas as notas do mês,
independentemente se foram integradas ou
digitadas.
NOTA FISCAL PAULISTA
Através desta opção faremos a integração da Nota Fiscal
para o REDF Registro Eletrônico de Documentos
Fiscais da Secretaria da Fazenda.
NOTAS ISS
LANÇAMENTOS NOTAS ISS - SERVIÇOS PRESTADOS
Nesta tela lançaremos as notas de prestação de serviços.
Através desta opção
podemos localizar um
lançamento.
Através desta opção
podemos configurar a tela de
escrituração eliminando ou
desabilitando campos
desnecessários para agilizar a
escrituração.
Clicando nesta opção o
sistema abrirá a tela de Lançamento de Serviços por Talão.
Através desta opção podemos selecionar o método de pesquisa por talão, nº ou dia.
Ao clicar na opção Acha o sistema obedecerá a opção selecionada aqui.
Podemos fixar campos para evitar digitação repetida ao escriturar as notas. Clicando
nesta opção o sistema automaticamente fixará os campos Até Número, CNPJ, Nº talão,
Cód.Serv., Espécie, Série, Sub-Série, %LP, C/C
Selecionando um lançamento e clicando nesta opção o sistema excluirá o lançamento.
50
Digitaremos o dia de emissão da nota fiscal.
Ao efetuar a integração das notas fiscais eletrônicas de serviço, da prefeitura de
São Paulo, este campo será automaticamente preenchido,
Nos demais casos, deixar este campo em branco.
Digitaremos o número inicial do dia.
Digitaremos o número final do dia.(No município de São Paulo, apenas os estacionamento
s
e usuários de cupom fiscal podem agrupar notas para lançamento)
Digitaremos o CNPJ ou CPF do cliente.
Digitaremos o número do talão (opcional).
Teclando Ctrl+enter neste campo, abrirá uma tela onde podemos criar um código turbo
para cada código de serviço ou para cada situação diferente.
Atribuiremos um nº a ele e preencheremos os campos: Descrição, código de serviço, modelo,
espécie, série, sub-série, percentual LP, etc.
Se utilizarmos esta ferramenta. Ao efetuar os lançamentos precisaremos digitar ape
nas o dia,
nº, CNPJ, o código turbo e o valor. As demais informações serão preenchidas automaticament
e.
Teclando Ctrl+enter abrirá a tela de pesquisa dos códigos de serviços cadastrados.
Podemos também cadastrar novos códigos através desta opção.
Antes de cadastrar os códigos de serviços, é importante verificar se o Código Município par
a
IRPJ está preenchido no cadastro da empresa.
Se a empresa estiver cadastrada como SIMPLES NACIONAL, ao cadastrar o código de serv
iço,
cadastraremos também qual o Anexo utilizado para cálculo do Simples Nacional e qual
o
percentual LP para efeito de distribuição de lucros aos sócios.
Informaremos o modelo do livro (51 ou 53).
Informaremos a espécie do documento fiscal. Teclando Ctrl+enter abrirá uma lista
com as opções
Informaremos a série do documento fiscal.
Informaremos a sub-série. Se não for o caso, deixar em branco
Informaremos o % L.P. para que o sistema JR PHOENIX apure corretamente o IRPJ.
Se não utilizarmos o JR PHOENIX, não será necessário o preenchimento deste campo.
51
Digitaremos o número da conta contábil para integração com a contabilidade*
ou o número da conta caixa para integração com o livro caixa. (veja explicações da integração
contábil neste manual e da integração com livro caixa no manual do sistema JR Phoenix)
Informaremos o valor total da nota.
Informaremos o valor e
teclaremos CTRL +
Enter para cadastrar
as informações ref. a compra dos
materiais informados como dedução.
Este cadastro é necessário para o
município de São Paulo. O sistema
deduzirá este valor para cálculo do ISS.
Se a empresa estiver no Simples Nacional,
este valor será exportado para o
sistema JR Phoenix para cálculo do DAS
Documento de Arrecadação do Simples
Nacional.
Informaremos o valor e
teclaremos CTRL +
Enter para cadastrar as informações ref. a
subempreitada informada como dedução.
Este cadastro é necessário para o município
de São Paulo. O sistema deduzirá
este valor para cálculo do ISS.
Informaremos um dos seguintes tipos:
0 Tributada Nesta opção o sistema entenderá que se trata de um lançamento normal
o lançamento será exportado para a DES como Situação T (Operação Normal
Tributação conforme documento emitido).
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, ao
utilizarmos o tipo 0, o sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples Naci
onal,
saberá que o lançamento é tributado pelo ISS.
1 Isentas (Tomador Serv.) Nesta opção o sistema entenderá que o lançamento
não será tributado porque o ISS foi retido pelo tomador.
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, ao
utilizarmos
o tipo 1, o sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples Nacional,
saberá que o ISS foi retido pelo tomador.
2 Isentas (no Município) Nesta opção o sistema entenderá que a operação é isenta
do ISS e que o serviço foi prestado dentro do município.
3 Remessas/Devoluções Nesta opção o sistema levará o valor para o livro de ISS
na coluna Remessa/Devolução
52
4 Isentas (Tributável Simples Federal) Discutível Nesta opção o sistema levará o
valor para o livro de ISS na coluna Isentas ou não tributadas. Esta operação era tributa
da
pelo Simples Federal (até 06/2007)
5 Isentas (Tributável Fora do Município) Nesta opção o sistema entenderá que a operação
é isenta do ISS em São Paulo e que o serviço foi prestado fora do município
(neste caso o vr. do ISS é pago ao outro município)
Ao cadastrar o cliente, informar o Cód.Munic./Cidade.
6 Cancelada Nesta opção o sistema entenderá que a nota foi cancelada.
7 Não tributada Nesta opção o sistema entenderá que a operação não é tributada.
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, ao
utilizarmos
o tipo 7, o sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples Nacional,
saberá que o lançamento não é tributado pelo ISS.
8 Regime Especial/Estimativa Nesta opção o sistema entenderá que a empresa
recolhe o ISS por estimativa.
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, ao
utilizarmos
o tipo 8, o sistema JR Phoenix, que efetua os cálculos do Simples Nacional,
saberá que o ISS dessa empresa é fixo (estimativa).
Neste campo, informar 1 se o serviço for prestado fora do município.
A partir de 07/2007 > Se a empresa estiver cadastrada como Simples Nacional, ao
digitarmos o tipo 1 neste campo, o sistema entenderá que o serviço foi prestado
fora do município.
Informaremos a base de cálculo do ISS. Teclando Ctrl+enter o sistema
repetirá o valor total da nota neste campo.
Se o código de serviço estiver cadastrado, a alíquota aparecerá automaticamente.
Se a base de cálculo e a alíquota estiverem preenchidas, o sistema
calculará automaticamente o iISS.
Informaremos o valor do ISS que foi retido pelo tomador do serviço.
Informaremos o valor do serviço isento de ISS.
Informaremos o valor da remessa ou devolução.
Teclando Ctrl+enter o sistema abrirá uma lista de opções e o sistema calculará
automaticamente os valores retidos.
Neste campo deverá constar o valor do IRF da nota.
Estes campos servem apenas para informação,
porém estes valores não são válidos para o
controle e compensação das retenções uma vez que estas retenções ocorrem no momento
do pagamento e não da emissão da nota. Para controlar corretamente as retenções temos
que utilizar o Conta Corrente (vide menu Escrituração/Conta Corrente).
Neste campo deverá constar o valor do INSS retido, se for o caso.
Informaremos o valor à vista. Se a prestação de serviços for totalmente à
53
vista, não é necessário preencher este campo.
Se a operação for totalmente à vista, deixar em branco.
Se a operação for parte a vista e parte a prazo, informar os respectivos
valores.
Se a operação for totalmente a prazo, informar o valor no campo A prazo.
Se todas as operações forem a prazo, configurar o sistema através do menu Cadastro/
Parâmetros de Integração Contábil, a fim de que não seja necessário digitar o valor a cada
lançamento efetuado.
Digitaremos observação que deverá constar no
Registro de Notas Fiscais de Serviços Prestados.
Após feitas as configurações necessárias, teclando Ctrl+enter abrirá a tela de baixa
das duplicatas, Veja explicações do menu Escrituração/Conta Corrente e também
o manual detalhado do conta corrente que está disponível para download em nosso site
.
Teclando Ctrl+enter, abrirá a seguinte tela:
LANÇAMENTOS NOTAS ISS SERVIÇOS TOMADOS
Digitaremos o dia de
emissão da nota fiscal.
Digitaremos o número da
nota fiscal.
Digitaremos o
CNPJ ou CPF
do prestador do serviço.
Informaremos a espécie
do documento fiscal.
Teclando Ctrl+enter abrirá uma lista com as opções.
Informaremos a série do documento fiscal.
Informaremos a sub-série. Se não for o caso, deixar em branco.
Digitaremos o número da conta contábil para integração com a
contabilidade* ou o número da conta caixa para integração com
o livro caixa. (veja explicações da integração contábil neste manual e da integração com livro
caixa no manual do sistema JR Phoenix)
54
As empresas estabelecidas no município de São Paulo só precisarão preencher
este campo quando forem responsáveis pelo recolhimento do ISS (ISS retido
pelo tomador do serviço). Neste caso preencher com o código de recolhimento utilizado
na
guia. Esse código pode ser pesquisado dentro do sistema DES.
As empresas estabelecidas em outros municípios deverão preencher com o código do serviço
.
Teclando Ctrl+enter abrirá a tela de pesquisa dos códigos cadastrados. Podemos também
cadastrar novos códigos através desta opção.
Antes de cadastrar os códigos de serviços, é importante verificar se o Código Município par
a
IRPJ está preenchido no cadastro da empresa.
Digitaremos o valor total da nota.
Para o município de São Paulo, deixar em branco. Para os demais municípios que
exigirem esta informação na declaração eletrônica de ISS, informar 1 se a operação
for isenta com ISS não retido.
Informar 1 se a prestação do serviço for de fora do município.
Neste campo informaremos a base de cálculo para o ISS retido, se for o
caso.
Este campo será automaticamente preenchido pelo sistema, que buscará as
informações na tela onde o código de serviço/recolhimento foi cadastrado.
Este campo será automaticamente preenchido pelo sistema.
Teclando Ctrl+enter abrirão as opções : 1-Sim e 2-Não.
Selecionando a opção 1-Sim, o sistema juntará todos os valores do IRF
pertencentes ao mesmo período de apuração e levará o valor para a Central de
DARFs possibilitando a impressão da guia.
Selecionando a opção 2-Não, o sistema levará os valores individualmente para a Central de
DARFs possibilitando a impressão da guia.
Deixando este campo em branco o sistema não dará a opção para impressão da guia.
Teclando Ctrl+enter o sistema abrirá uma lista de opções e o sistema calculará
automaticamente os valores retidos.
Através desta opção podemos selecionar o código de recolhimento do IRF.
Neste campo deverá constar o valor do IRF da nota.
Estes campos servem apenas para informação,
porém estes valores não são válidos para o
controle e a impressão da guia de recolhimento uma vez que estas retenções ocorrem no
momento do pagamento e não da emissão da nota. Para controlar corretamente as retenções
temos que utilizar o Conta Corrente (vide menu Escrituração/Conta Corrente).
Neste campo deverá constar o valor do INSS constante na NF.
Informaremos o valor à vista. Se o serviço tomado for
totalmente à vista, não é necessário preencher este campo.
Se a operação for totalmente à vista, deixar em branco.
Se a operação for parte à vista e parte a prazo, informar os respectivos
valores. Se a operação for totalmente a prazo, informar o valor no campo A prazo
55
Digitaremos observação que deverá constar no Registro de
Notas Fiscais de ServiçosTomados.
Após feitas as configurações
necessárias, teclando
Ctrl+enter abrirá a tela de baixa das
duplicatas, Veja explicações do menu
Escrituração/Conta Corrente e
também o manual detalhado do conta
corrente que está disponível para
download em nosso site.
Teclando Ctrl+enter, abrirá a seguinte
tela:
LANÇAMENTOS TALÃO ISS SERVIÇOS PRESTADOS
Para lançarmos notas fiscais de prestação de serviços por talão, podemos utilizar esta tel
a
que tornará mais ágil o lançamento. Esta opção só poderá ser utilizada nos casos em que a
legislação não exigir a informação do CNPJ/CPF.
Clicaremos na opção
Novo e preencheremos
os campos a seguir:
Podemos informar
o nº. do
talão (opcional).
Informaremos o
código de serviço.
Informaremos a
espécie.
Informaremos a
série.
Informaremos a sub-série.
Informaremos a alíquota ou um dos tipos (vide instruções no rodapé da tela):
101 Isentas (Tomador Serv.).
102 Isentas (Município).
103 Remessas/Devolução.
Digitaremos o número da conta contábil para integração com a contabilidade* ou
o número da conta caixa para integração com o livro caixa. (veja explicações da
integração contábil neste manual e da integração com livro caixa no manual do sistema JR
Phoenix).
Informaremos o % L.P. para que o sistema JR PHOENIX apure corretamente o
IRPJ.
56
Se não utilizarmos o JR PHOENIX, não será necessário o preenchimento deste campo.
Digitaremos o dia de emissão da nota fiscal.
Digitaremos o número inicial do dia.
Digitaremos o número final do dia.(No município de São Paulo, apenas os estacionamento
s
e usuários de cupom fiscal podem agrupar notas para lançamento)
Digitaremos o valor total.
Clicaremos nesta opção para carregar o lançamento.
Antes de sairmos da tela, clicaremos nesta opção. Os lançamentos aparecerão
automaticamente na tela de Escrituração/ISS.
Dicas
A partir do 2º lançamento, digitando + no campo Dia, o sistema trará o próximo dia e o pró
nº. da nota fiscal.
Quando o cursor estiver no campo do Valor, teclaremos F12 e o sistema mostrará a cal
culadora.
Após somarmos os valores, teclaremos F12 novamente e o sistema levará o total para o
campo do Valor.
PROCURADOR AUTOMÁTICO DE NOTAS REPETIDAS E ESQUECIDAS
Nesta tela podemos verificar se houveram lançamentos de notas repetidas, faltantes
ou duplicadas
por período: Do Mês ou Anual.
Repetidas O sistema mostrará todas as notas idênticas.
Faltantes O sistema mostrará a nota posterior àquela que estiver faltando.
Duplicadas O sistema mostrará todas as notas que tiverem o mesmo número.
PROCURADOR AUTOMÁTICO DE DIFERENÇAS NOS LANÇAMENTOS
Podemos verificar se há erros de escrituração nas notas de serviços tomados (entradas) o
u
nas notas de serviços prestados (saídas), selecionando o período (do mês ou anual), indi
vidual
ou em fila.
57
CADASTRO DE TURBOS P/LCTOS DE ISS
Nesta tela podemos cadastrar diversos códigos
turbo que ajudarão a agilizar os lançamentos das
notas fiscais de serviços prestados.
Para cada código de serviço ou para cada situação
diferente atribuiremos um nº. ao turbo e
preencheremos os campos: Descrição, código de
serviço, modelo, espécie, série, percentual LP, etc.
Utilizando esse código turbo, ao escriturar as notas
será necessário apenas informar o dia, nº., CNPJ,
o código turbo e o valor. As demais informações
serão preenchidas automaticamente.
CADASTRO DE SERVIÇOS
PRESTADOS
Nesta tela cadastraremos todos os
códigos de serviços, para cada
município.
No cadastro da empresa, deverá estar
preenchido o campo Código município
p/ IRPJ.
Ao entrar nesta tela o sistema já
mostrará o município da empresa ativa.
Informaremos o código do serviço, descrição, alíquota, %LP (para cálculo do IRPJ no lucro
presumido e para distribuição do lucro aos sócios no Simples Nacional) e Anexo do Simp
les
Nacional, se for o caso.
O campo não precisará ser preenchido se a empresa for contribuinte do
município de São Paulo.
O preenchimento do campo servirá para cálculo do IRPJ no lucro presumido e para dist
ribuição
do lucro aos sócios no Simples Nacional
Este campo deverá ser preenchido apenas no caso de empresa
optante pelo Simples Nacional. Teclando Ctrl+enter abrirá a lista com as
opções.
TOMADOS
Nesta tela cadastraremos os códigos
de recolhimento do ISS retido para
São Paulo, ou os códigos de serviços
para outros municípios.
No cadastro da empresa, deverá estar
preenchido o campo Código
município p/ IRPJ.
Ao entrar nesta tela o sistema já mostrará o município da empresa ativa.
Se a empresa for de São Paulo, informaremos o código de recolhimento do ISS retido (
se for
o caso), descrição e alíquota.
O campo só deverá ser preenchido por quem utiliza esses sistemas.
58
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PRÉ-DEFINIÇÃO
Através desta opção podemos pré-definir o %
que deverá ser utilizado para cálculo do IRPJ
conforme os códigos de serviço utilizados.
Também será necessário este cadastro para
que o sistema imprima o livro de ISS incluindo
os códigos não utilizados no mês, com a expressão
sem movimento . Neste caso é também
é necessário criar um arquivo vazio no
bloco de notas ou wordpad e salva-lo dentro
da pasta Phoenix/CTRL com o nome de Especial.
G5
INF.REND.SERVIÇOS TOMADOS
Através desta opção podemos visualizar/imprimir um informe de rendimentos dos serviços
tomados
INF.REND.SERVIÇOS PRESTADOS (PROPAGANDA E PUBLICIDADE)
Através desta opção podemos visualizar/imprimir um informe de rendimentos dos serviços
prestados pelas empresas de propaganda e publicidade.
59
INTEGRAR SERVIÇOS ISS
FICHA IMPORTAR ARQUIVO
Através desta opção poderemos importar os lançamentos de notas de outros sistemas.
Para imprimir o layout de importação, selecionaremos a opção ISS Serviços Prestados
(NOVO) ou ISS Serviços Tomados (NOVO) e clicaremos no item Imprimir Manual.
Sugerimos que o arquivo texto a ser importado esteja no diretório Contfat.
Para as notas de serviços prestados: Apelido.Imês (Ex.Phoenix.I11)
Para as notas de serviços tomados: Apelido Tmês (Ex. Phoenix.T11)
A opção Integrar só ficará habilitada se o arquivo estiver com o nome correto, no diretório
correto.
FICHA APAGAR INTEGRAÇÃO
Através desta opção poderemos apagar as notas integradas (todas ou selecionando apenas
o
lote desejado, que corresponde ao dia em que foi feita a integração).
60
INVENTÁRIO
LANÇAR MOVIMENTO INVENTÁRIO
Clicaremos na opção Novo e preencheremos os seguintes campos:
Informaremos um código para o item. Se esse item já tiver sido cadastrado as informações
do cadastro aparecerão automaticamente.
Obs. Os itens e grupos cadastrados através desta tela automaticamente aparecerão no
menu
Cadastro/Inventário
Para as indústrias informaremos o código NCM/SH (Nomenclatura Comum do
Mercosul/Sistema Harmonizado) , antiga NBM/SH
Informaremos a descrição do item Ex..Tecidos
Informaremos um código para o grupo. Se esse grupo já tiver sido cadastrado as
informações do cadastro aparecerão automaticamente.
Informaremos a descrição do
grupo. Ex.Matéria Prima
Informaremos a quantidade. Ex.100.
Informaremos a unidade. Ex.Kgs, Pçs, Mts.
Informaremos o valor unitário
61
Informaremos a alíquota e o sistema calculará automaticamente o valor do
ICMS.
No caso de PIS não cumulativo (lucro real) Informaremos a alíquota e o
sistema calculará automaticamente o valor do Pis
No caso de COFINS não cumulativo (lucro real) Informaremos a alíquota e
o sistema calculará automaticamente o valor da COFINS
Este código deve ser informado para que o sistema possa gerar corretamente
o registro 74 do arquivo magnético da Secretaria da Fazenda (Portaria CAT 32/96)
Temos as seguintes opções:
Se na opção anterior tivermos selecionado a opção 2 ou 3, informaremos
aqui o CNPJ de terceiros ou do possuidor, respectivamente.
COPIAR MOVIMENTO INVENTÁRIO
Através desta tela podemos copiar o movimento de um mês para o outro ou de um ano pa
ra o
outro.
Selecionaremos uma das opções:
Copiar a quantidade:
> copiará para outro mês/ano o inventário completo.
> copiará para outro mês/ano sem a quantidade
Podemos também apagar os lançamentos que foram copiados, ou apagar todos os lançamento
s
do mês (copiados e digitados)
62
IMPORTA LANÇAMENTOS P/LIVRO DE INVENTÁRIO
Através desta opção podemos
importar lançamentos de outros
sistemas para o livro de Inventário.
Primeiramente cadastraremos o
layout utilizando os campos
disponíveis. Podemos também
utilizar o Layout padrão do
sistema, bastando para isso clicar
em Padrão
Gravaremos o layout e no
momento de importar, clicaremos
em Carrega
Para importar, localizaremos o arquivo
com as informações e clicaremos em
Importar.
Podemos Apagar a Importação do mês
ou Apagar todos os lançamentos do mês
PIS/COFINS NÃO CUMULATIVO
LANÇAMENTO
Através desta opção podemos incluir manualmente valores que servirão para a apuração do
PIS/COFINS não cumulativos (Lucro Real) Ex.Outras receitas, valores isentos, vr.de
aluguéis,
outros créditos, etc.)
Para calcular o fator de
rateio que será aplicado
sobre o valor dos
créditos rateáveis o
sistema utiliza a seguinte
fórmula:
Receita tributada / Total
geral de receitas (isenta
+ tributada) = fator de
rateio
63
CRÉDITO
Através desta opção poderemos selecionar a opção de excluir ou não o IPI e o ICMS Fonte
para calcular a base de cálculo das entradas
LCTOS CARTA DE CORREÇÃO
Através desta opção podemos elaborar uma carta de correção (comunicação de irregularidades)
para as notas fiscais.
Para chamar a carta de correção através da tela de escrituração das notas de entradas e saíd
as,
basta selecionar a nota e teclar F7.
Primeiramente assinalaremos o item a ser retificado e teclaremos Ctrl+enter. Abr
irá a seguinte
tela onde digitaremos a informação correta do item selecionado.
Para alterar a descrição ou incluir um novo item, devemos assinalar o item e teclar
Ctrl+barra
64
de espaço. Abrirá a seguinte tela:
Clicando nesta opção abrirá a seguinte tela, onde podemos alterar o texto da
carta.
Clicando nesta opção podemos visualizar/alterar os itens que estão sendo corrigidos:
Após gravar a carta, selecionaremos a
impressora através do menu
Auxiliar/Controle de Impressão e
clicaremos no desenho da impressora,
selecionando um dos modelos
disponíveis : Papelaria ou Alternativo
Podemos também imprimir a carta
através da opção Impressão Carta de
Correção no menu Mensal.
65
DECLARAÇÃO DE FATURAMENTO (CARTA BANCO)
Através desta opção podemos imprimir uma declaração de faturamento/compras.
Clicando em Calcular, o sistema carregará os valores. Na tela aparecerão 24 meses, mas
apenas os 12 útimos estarão habilitados. O sistema permite que os valores sejam alte
rados,
basta clicar no campo e informar o valor desejado.
Para alterar o texto basta clicar nele. Teclando F7 com o cursor no texto, o siste
ma abrirá a
tela com as máscaras que podem ser utilizadas:
Após gravar o modelo, selecionaremos a impressora através do menu
Auxiliar/Controle de Impressão e clicaremos em Imprimir. O
sistema abrirá a seguinte tela onde podemos selecionar um dos três
modelos disponíveis e a opção Compras.
66
SINTEGRA (DIGITAR/IMPORTAR)
DIGITAR TIPO 54
Nesta tela digitaremos as informações necessárias para que o sistema possa gerar o reg
istro
54 conforme Portaria CAT 32/96 (Sintegra).
Nesta tela digitaremos as informações necessárias para que o sistema possa gerar o reg
istro
54 conforme Portaria CAT 32/96 (Sintegra).
Clicando nesta opção, selecionaremos Entrada ou Saída
Para cada nota selecionada, informaremos:
Neste campo informaremos o modelo Do documento fiscal conforme . art.4º,
§ 2º da Portaria CAT 32/96. Exemplo: NF = modelo 1 , CTR = modelo 8, etc
CST Informaremos o código de situação tributária conforme Tabela II do Anexo
V do RICMS, Decreto 45.490/00. Exemplo: 000 = Nacional Tributada, 020 = Nacional
com
redução da base de cálculo, etc
Neste campo informaremos o nº de ordem do item constante na NF. Exemplo
1, 2, 3...
Neste campo informaremos o código que foi estabelecido pela empresa
para o produto. Teclando Ctrl+Enter abrirá a tela onde poderemos selecionar/
cadastrar o produto.
Informaremos a quantidade constante na NF para esse item.
Informaremos o valor desse item (Qtde x vr.unitário)
67
Informaremos o valor (se houver)
Informaremos a base de cálculo do ICMS referente ao item
Informaremos a base de cálculo do ICMS/ST referente ao item
Informaremos a alíquota do ICMS
Informaremos o valor do IPI correspondente a esse item.
Clicando nesta opção o sistema mostrará um relatório com os erros encontrados.
DIGITAR TIPO 71
Nesta tela digitaremos as informações necessárias para que o sistema possa gerar o reg
istro
71 conforme Portaria CAT 32/96 (Sintegra). Este registro só é necessário para quem esc
ritura
conhecimentos de transporte nas saídas (transportadoras), pois se refere a nota fi
scal que
acompanha a mercadoria que está sendo transportada.
Informaremos o CNPJ do tomador do serviço (responsável pelo pagamento do frete) e os
dados constantes na NF: Nº, modelo, série, data, etc
DIGITAR TIPO 75
Nesta tela cadastraremos os produtos para que o sistema possa gerar o registro 7
5 conforme
Portaria CAT 32/96 (Sintegra)
68
Estes campos devem ser deixados em branco
Neste campo informaremos o código que foi estabelecido pela empresa para o
produto.
Este campo somente será preenchido para os combustíveis. Esta informação é
necessária para que o sistema possa exportar as informações para o programa GRF-CBT, d
a
Secretaria da Fazenda. Teclando Ctrl+Enter, o sistema abrirá uma lista de códigos váli
dos.
Informaremos o código do produto conforme a TIPI (Tabela de Incidência do IPI)
Informaremos a descrição do produto
Informaremos a unidade (Kg, lt, mt, etc)
Informaremos o código de situação tributária conforme Tabela II do Anexo V do
RICMS, Decreto 45.490/00. Exemplo: 000 = Nacional Tributada Integralmente, 020 =
Nacional
com redução da base de cálculo, etc
Informaremos as respectivas alíquotas do ICMS
Informaremos o percentual de redução na base de cálculo do ICMS
69
Informaremos a base de cálculo do ICMS de substituição tributária nas operações
internas.
DIGITAR TIPO 85
Nesta tela digitaremos as informações necessárias para que o sistema possa gerar o reg
istro
85 conforme Portaria CAT 32/96 (Sintegra).
Este registro se destina a informar dados relativos à exportação, obrigatório para os ex
portadores,
inclusive Comerciais Exportadoras e "Trading Companies" e deve ser gerado com a
empresa ativa no mês em que ocorreu a averbação, não importando que as notas de exportação
estejam escrituradas em meses anteriores.
Preencheremos as três fichas com as informações correspondentes aos dados da exportação:
FICHA DECL.EXPORTAÇÃO
FICHA REG.EXPORTAÇÃO
FICHA LANÇAMENTOS
70
CADASTRAR CÓDIGO DE PRODUTO GRF-CBT (Reg.88E)
Através desta tela podemos fazer a correspondência do código do produto estabelecido p
ela
empresa com o código do produto estabelecido pela Secretaria da Fazenda.
Esta rotina só é necessária para os contribuintes obrigados a exportar as informações para
o
programa GRF-CBT, da Secretaria da Fazenda.
A NF do combustível deverá estar escriturada com a expressão CBT na coluna de observações.
CADASTRAR TRANSPORTADOR GRF-CBT (Reg.88T)
Através desta tela podemos cadastrar as informações relativas ao transporte dos combus
tíveis.
Esta rotina só é necessária para os contribuintes obrigados a exportar as informações para
o
programa GRF-CBT, da Secretaria da Fazenda.
A NF do combustível deverá estar escriturada com a expressão CBT na coluna de observações.
71
PROCURA ERRO DIGITAÇÃO REG. 54/75
Através desta tela podemos verificar possíveis erros de digitação dos registros 54 e 75.
IMPORTAR 54, 71, 75, 60(M/A/I), 88(C/D/E/T)
Através desta tela podemos importar de outros sistemas as informações para os registro
s 54,
71, 75, 60 e 88.
Assinalaremos os registros a serem importados, informaremos o diretório e o nome d
o arquivo
(teclando Ctrl+enter será possível localizar o arquivo) e clicaremos em integrar.
Podemos também verificar as integrações que foram feitas anteriormente ou selecionar o
s
registros e apagar a integração do mês.
PER-DCOMP (DIGITAR/EXPORTAR)
Através desta opção podemos complementar as informações necessárias a fim de que o sistema
possa exportar algumas informações relativas ao pedido de ressarcimento do IPI para
o
sistema PER-DCOMP da Receita Federal.
72
NOTAS FISCAIS DE EXPORTAÇÃO DIRETA
Nesta tela informaremos o nº do registro de exportação e os dados da NF.
INFORMAÇÕES REGISTRO DE EXPORTAÇÃO
Nesta tela selecionaremos o código do país, o código da moeda e informaremos a data do
embarque, o número e o valor do despacho.
NOTAS FISCAIS DE TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITO
Nesta tela informaremos as Notas Fiscais de Transferência de Credito (matriz/filia
is)
73
EXPORTAR ARQUIVOS
Nesta tela selecionaremos os itens desejados e o sistema irá gerar os registros a
serem importados
no sistema Per-Dcomp.
Leia o MANUAL DE DIGITAÇÃO DO PER-DCOMP que está disponível neste menu
COMPLEMENTO INFORMAÇÕES IN 86/2001
Através desta opção complementaremos as informações necessárias para a geração do arquivo
magnético da Receita Federal conforme IN 86/2001.
DIGITAR ARQUIVO MESTRE MERCADORIAS (4.3.1 / 4.3.3)
Informaremos aqui os dados relativos ao transporte da mercadoria.
ENTRADAS
SAÍDAS
74
DIGITAR ARQUIVO ITENS MERCADORIAS 4.3.2 / 4.3.4
Complementaremos nesta tela as informações necessárias para gerar os registros 4.3.2 e
4.3.4.
Clicando numa destas opções podemos importar as
informações já constantes no lançamento da DIPI ou no registro 54 (Sintegra) para esta t
ela.
ENTRADAS
SAÍDAS
75
DIGITAR ARQUIVO ITENS SERVIÇOS (4.3.6)
Complementaremos nesta tela as informações necessárias para gerar os registros 4.3.6
ARQ.ASCII (RECEITA FEDERAL IN 86/2001)
Nesta opção assinalaremos o período e os registros desejados e clicaremos em Executar
CONTROLE DOS IMPOSTOS FEDERAIS/DARF
Através desta opção podemos gerenciar e controlar os impostos federais
76
CENTRAL DE CONTROLE/CONTA CORRENTE
No caso das empresas enquadradas no Simples (até 06/2007) ou Lucro Presumido, o si
stema
carrega para esta tela os valores calculados através do sistema JR Phoenix.
No caso das empresas optantes pelo Lucro Real, o sistema carrega para esta tela
os valores
de IRPJ e CSLL constantes no sistema Contábil Phoenix e os valores de PIS e COFINS
não
cumulativos constantes no G5 Phoenix.
É necessário que a empresa matriz esteja ativa e que as seguintes informações do cadastr
o
da empresa estejam preenchidas e compatíveis:
-Tipo IRPJ (ficha Geral)
- PIS/COFINS não cumulativos (ficha Escrita)
-Tipo empresa - para efeito de cálculos (ficha Cont)
O usuário poderá substituir os valores automáticos da Central de DARFs, pelos valores
por
ele apurados, bastando informá-los na segunda linha de cada campo, assim como ocor
re no
sistema Jr Phoenix.
Para efetivar o pagamento de um débito, basta preencher os campos Pagto e campo Data
do Pagto .
O sistema calculará juros e multa automaticamente quando o pagamento do DARF for e
fetuado
fora do prazo. Para isso basta que a taxa Selic esteja cadastrada no sistema (me
nu Escrituração/
Controle dos Impostos Federais/DARF/Taxa Selic).
FICHA IRPJ/CSLL
Este campo deve ser utilizado para digitar um código substituindo outro já
existente, ou ainda, incluir um novo código de DARF Central.
Deve ser utilizado para diferenciar mais do que um pagamento para o mesmo débito d
e
um determinado período. Informaremos parc.1, parc.2, ...
Deve-se informar 1 para DARF pago ou 2 para DARF cancelado. Lembramos
que este campo deverá ser utilizado quando efetivamente ocorrer o pagamento
do respectivo DARF. O item DARF cancelado é utilizado para cancelar o campo
DEBITO.
Associado ao campo anterior, permitirá a integração contábil referente ao
77
pagamento do DARF. Será utilizado para cálculo de acréscimos legais por atraso no paga
mento.
Informar a Conta Contábil a ser utilizada para contabilizar o pagamento do tributo
,
caso deseje integrar com a contabilidade. Teclando Ctrl+enter, abrirá uma tela par
a
pesquisar/cadastrar o banco/caixa.
Informar o número do cheque (poderá fazer parte do histórico contábil).
Deve ser informada a competência ou quota do DARF, mas apenas para
débitos incluídos manualmente.
Informar se o pagto dos DARFs IRPJ e CSLL serão feitos em quotas. Essa
informação aparecerá automaticamente se o sistema estiver adequadamente configurado
(menu Escrituração/Controle dos Impostos Federais/DARF/Forma de Pagamento)
O sistema preenche essa informação automaticamente conforme o código do
DARF selecionado
O sistema preencherá a data do vencimento dos impostos automaticamente, basta
que os feriados estejam devidamente cadastrados. (menu Escrituração/Controle dos Imp
ostos
Federais/DARF/Feriados)
Neste campo será informado o valor do débito da competência escriturada.
Deve ser informado o valor total do DARF. O Valor principal compreende a soma
do débito do mês e resíduos anteriores.
Neste campo será informado o valor de resíduo de períodos anteriores.
O sistema apura estes valores automaticamente, de acordo com a data
de vencimento informada. A taxa Selic deve ser cadastrada
mensalmente.
Deve ser utilizada para incluir
informações adicionais ao DARF.
FICHA QUOTAS
Os valores aparecerão na ficha Quotas, quando a empresa estiver configurada para P
agamento
em Quotas, e estiver ativa no trimestre seguinte ao fato gerador.
A 1ª quota vencerá no 1º mês do trimestre seguinte e será calculada sem acréscimos.
A 2ª quota vencerá no 2º mês do trimestre seguinte e será paga com o acréscimo de 1%.
A 3ª quota vencerá no 3º mês do trimestre seguinte e será paga como o acréscimo de 1% +
Selic
78
FICHA IMPOSTOS NA FONTE
O sistema automaticamente mostrará nesta tela o valor do DARF IRRF constante na te
la de
escrituração das notas fiscais de serviços tomados e o valor do DARF PIS/COFINS/CSLL
constante na tela de baixas das duplicatas ref. serviços tomados (Conta Corrente).
Esta opção de procurar erros em DARFs também está disponível no menu Escrituração/
Controle dos Impostos Federais/DARF/Procura erros em DARFs
Esta opção de relatório também está disponível no menu Escrituração/
Controle dos Impostos Federais/DARF/Relatório da Central de DARF
Esta opção de exportar as informações para DCTF também está disponível no menu
Escrituração/Controle dos Impostos Federais/DARF/Exportar DCTF
79
PROCURA ERROS EM DARF
Nesta opção, o sistema consistirá as
informações relativas aos DARFs
FORMA DE PAGTO PADRÃO OU INDIVIDUAL
Nesta tela cadastraremos a forma de pagamento
do IRPJ e da CSLL.
A forma de pagamento padrão será utilizada por
todas as empresas que não estiverem cadastradas
como forma de pagamento individual.
A forma de pagamento individual será utilizada
pela empresa que estiver cadastrada com essa
opção
FERIADOS
Através das opções abaixo cadastraremos os feriados municipais e bancários para cada mun
icípio
selecionado.
Clicando em Acha Município abrirá a lista dos municípios.
FERIADOS MUNICIPAIS FERIADOS BANCÁRIOS EXCEPCIONAIS
80
TAXA SELIC
Nesta opção cadastraremos mensalmente a taxa Selic divulgada pelo governo.
RECUPERAR IMPOSTOS NA FONTE (ISS ENTRADAS)
Esta ferramenta limpa todos os registros de pagamentos dos impostos na fonte, de
vendo o
usuário fazê-los novamente.
81
RELATÓRIO DE VENCIMENTOS
Detalha os vencimentos de impostos do mês/trimestre ativo
RELATÓRIO DA CENTRAL DE DARF
Através desta opção podemos selecionar os relatórios e DARFs a serem impressos.
82
EXPORTAR DCTF
Através desta opção podemos gerar o arquivo para integração
com a DCTF Mensal ou Semestral, podendo ser ainda
individual ou em fila.
Devemos ainda observar o item Considero todos débitos como
pagos que simula os pagamentos dos DARFs e os exporta
para a DCTF.
Obs. Na Central esses DARFs ainda ficarão em aberto.
83
CONTROLE DE CRÉDITO ICMS ATIVO PERMANENTE CIAP
LANÇAMENTOS DOS BENS PARA CIAP
Através desta opção cadastraremos as informações da nota fiscal de compra do Ativo e as
informações relativas ao bem adquirido, para que o sistema possa efetuar o controle
do crédito
de ICMS em 48 parcelas.
RELAÇÃO TOTAL VENDAS / VENDAS ISENTAS
Através desta opção podemos visualizar os valores totais de vendas (isentas + tributad
as) e
os valores totais de vendas isentas.
O sistema irá calcular o fator de rateio para determinar qual foi o percentual de
vendas tributadas
em relação ao total de vendas do mês.
Esse fator será aplicado sobre 1/48 para determinar o crédito do mês.
A fórmula utilizada para o rateio é : [(Receita total receita isenta) / receita tota
l] x 100 = fator
de rateio
84
RELATÓRIO DE TOTAIS DE CRÉDITOS / ESTORNOS
Através deste relatório podemos visualizar os totais creditados (modelo D)
Podemos solicitar o relatório da empresa ativa ou de todas as empresas selecionand
o o período
desejado.
RELATÓRIO CIAP MODELO B
Este modelo só pode ser utilizado até 2000. Nessa época o crédito total era efetuado na
ocasião
da compra e durante 60 meses, mensalmente era feito um estorno na proporção das
vendas isentas.
RELATÓRIO CIAP MODELO D
Este é o relatório oficial, onde podemos visualizar o controle do crédito de ICMS das
compras
do Ativo
Permanente.
85
CONTA CORRENTE
Através desta opção é possível efetuar o controle de contas a pagar e a receber que possib
ilitará
o controle das retenções incidentes nos pagamentos e recebimentos de serviços tomados
e prestados, a impressão dos informes de rendimentos,a exportação dos valores retidos
para a DCTF e DIRF, a integração contábil dos títulos, etc.
INÍCIO DOS LANÇAMENTOS AUTOMÁTICOS GERAL OU INDIVIDUAL
Nesta opção informaremos a partir de qual data iremos fazer o controle das duplicata
s. Exemplo
01/01/2007.
LANÇAMENTOS DE BAIXA
Nesta tela informaremos as baixas das duplicatas. Ao clicarmos na opção "ENTRADAS",
o
sistema mostrará as outras opções (SAÍDAS, SERVIÇOS PRESTADOS, SERVIÇOS
TOMADOS)
Preenchimento dos campos::
Informaremos :
1 - se houver retenção de IRRF
2 se houver retenção de
PIS/COFINS/CSLL
Deixaremos em branco se não
houver retenção.
,
Se a nota estiver
escriturada o valor aparecerá
automaticamente. Teclando ctrl+enter ou deixando em branco, o sistema irá consider
ar o valor
que aparece acima como sendo o valor a ser pago ou recebido.
Se necessário podemos alterar o valor que o sistema mostra nesse campo - basta dig
itar o
valor desejado logo abaixo do valor que está aparecendo.
Podemos também incluir valores manualmente.
Teclando Ctrl+enter, abrirá uma tela onde informaremos o nº de parcelas. Automaticam
ente
o sistema mostrará o valor e os vencimentos. Estes valores e vencimentos podem
ser alterados. Podemos digitar nesses campos as informações que desejarmos.
86
Se for o caso, teclando Ctrl+enter, o sistema abrirá uma tela onde podemos selecio
nar
o código de retenção (5952-02) e digitar o valor (a tecla F12 aciona a calculadora e,
apóso cálculo, teclando F12 novamente, o sistema levará o resultado para o campo)
Teclando Ctrl+enter selecionaremos : 1-
Boleto, 2-Duplicata, 3-Recibo ou 4-Outros
Informaremos o nº da duplicata
Informaremos o complemento do nº da
duplicata, se for o caso (ex.A, B, C)
Teclando ctrl+enter, o sistema repetirá o
nº da duplicata
Informaremos a data do pagamento da duplicata
Informaremos os valores de desconto, juros e multa, se houver.
Teclando ctrl+enter, abrirá uma tela para selecionar (ou cadastrar) os bancos/caix
a
(para efeito de contabilização dos pagamentos e recebimentos)
Esses bancos/caixa poderão também ser cadastrados através do menu Cadastro/Plano de
contas Intg/Conta Corrente - ficha Bancos"
Informaremos o nº do cheque que foi utilizado para pagamento, ou deixaremos
em branco
PROCURAR ERROS
Através desta opção o sistema irá consistir os lançamentos, mostrando possíveis erros.
87
TRANSPORTAR SALDOS DO ANO ANTERIOR
Através desta opção o sistema transportará os saldos das duplicatas em aberto do ano ant
erior
para o ano atual.
A empresa deve estar ativa no ano em que a baixa foi efetuada.
Exemplo: Não podemos baixar uma duplicata paga em 2008 com a empresa ativa em 2007
. É
necessário transportar os saldos para depois efetuar a baixa no ano atual.
RECALCULAR LANÇAMENTOS
Através desta opção o sistema transportará para a tela de baixas, todas as notas do períod
o
selecionado através do menu Escrituração/Conta Corrente/Início dos Lançamentos Automáticos
88
RELATÓRIOS
Através desta opção podemos obter relatórios configuráveis de saldos e vencimentos.
89
DEMONSTRAÇÃO GRÁFICA FINANCEIRA
Através desta opção podemos obter um demonstrativo gráfico do conta corrente.
PIS/COFINS/CSLL RETIDOS
EMPRESAS PASSÍVEIS DE RETENÇÃO
Informaremos aqui se a empresa ativa é passível de retenção
PIS/COFINS/CSLL (SERVIÇOS PRESTADOS)
Ao lançar o recebimento de uma duplicata com retenção de PIS/COFINS/CSLL, os valores
automaticamente aparecerão nesta tela. Esses valores também poderão ser digitados e se
rão
compensados automaticamente nos valores dos impostos a recolher do mês/trimestre.
90
RESÍDUOS (SERVIÇOS TOMADOS)
Os resíduos inferiores a 10,00 relativos as retenções
devidas na 2ª quinzena serão transportados para os
meses seguintes até que ocorra pagamento superior a
5.000,00 para o mesmo CNPJ, quando esse resíduo será
somado ao valor devido das retenções
Exemplo:
Na primeira quinzena de fevereiro ocorreu pagto de um
título para o CNPJ 55.555.555/0001-91 no valor de
6.000,00, cujo valor de retenção (PIS/COFINS/CSLL) foi
recolhido através de DARF.
Na segunda quinzena de fevereiro ocorreu um outro
pagamento para o mesmo CNPJ no valor de 180,00.
cujo valor de retenção (PIS/COFINS/CSLL) foi de 8,37.
Nesta situação, o valor pago na 2ª quinzena não atingiu o
limite estabelecido pela legislação, que é de 5.000,00,
mas considerando que a apuração é mensal, se
somarmos o valor de 180,00 (2ª quinzena) com o valor de
6.000,00 (1ª quinzena) a retenção será devida e o sistema transportará esse resíduo para que
seja somado ao próximo DARF emitido para o mesmo CNPJ.
RELATÓRIOS
Através desta opção podemos obter diversos relatórios das retenções
L I V R O S
ENTRADAS WEB / SAÍDAS WEB
Através destas opções poderemos imprimir o Registro de Entradas ou Saídas oficiais para
encadernação.
Podemos selecionar o período desejado e visualizar os livros na tela, ou imprimir
utilizando
impressora matricial, HP ou jato de tinta. Para selecionar o tipo de impressão ire
mos ao menu
Auxiliar/Controle de Impressão. Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEBP
hoenix,
onde o cliente do contador poderá receber os livros via Web.
Ao pedir a impressão dos livros temos a opção de selecionar os
meses a serem impressos, ou então imprimir uma determinada
página Disponível apenas para matricial). Para isso faremos o
seguinte:
No caso de impressão em matricial pediremos o relatório em
Matricial Tutbo Edit para saber qual a página a ser impressa.
Depois selecionaremos a impressora Matricial Turbo para fazer a
impressão, informando o nº da página desejada.
Para selecionar as impressoras, iremos ao menu
Auxiliar/Controle de Impressão
Deixando os campos Da folha Até Folha em branco, a
impressão será completa.
91
ENTRADAS PARCIAL E SAÍDAS PARCIAL
Esta é uma opção de relatório que poderá nos ajudar a conferir os lançamentos ou fazer
combinações de códigos, alíquotas, etc.
Ex. Podemos imprimir um livro somente com as saídas interestaduais, selecionando o
s
CFOPs e UFs desejadas.
Podemos criar vários projetos. Primeiro selecionaremos um nº de projeto através das se
tas.
Após configurar o projeto, gravaremos.
Para ativar um projeto criado anteriormente, devemos localizá-lo através das setas,
clicar no
nº do projeto e depois em OK.
GERADOR DE RELATÓRIOS - ENTRADAS E SAÍDAS
Esta opção é semelhante a Entradas e Saídas Parcial, com a diferença de que podemos
criar um novo layout para o relatório.
Depois de cadastrado o layout criaremos e selecionaremos um projeto conforme exp
licação
anterior.
Será impresso um relatório apenas com os dados da empresa e a relação das notas fiscais
seguindo o layout selecionado..
ISS - SERVIÇOS PRESTADOS - MODELO 51 / SERVIÇOS PRESTADOS - MODELO 53
Através destas opções poderemos imprimir o Registro de Notas Fiscais de Serviços Prestad
os
modelo 51 ou modelo 53 no formato antigo (sem o CNPJ)
Podemos visualizá-los na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou j
ato de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
ISS - SERVIÇOS PRESTADOS -NOVO MODELO 51 WEB... / SERVIÇOS PRESTADOS -
NOVO MODELO 53 WEB...
Através destas opções poderemos imprimir o Registro de Notas Fiscais de Serviços Prestad
os
modelo 51 ou modelo 53 conforme legislação atual, ou seja, com o CNPJ.
Podemos visualizá-los na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou j
ato de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber os livros via Web.
ISS - SERVIÇOS TOMADOS (MODELO 56 ENTRADAS - (MUNICÍPIO DE SÃO PAULO)
WEB...
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Notas Fiscais de Serviços Tomados
modelo 56.
Podemos visualizá-lo na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber os livros via Web.
ISS - SERVIÇOS PRESTADOS (ALTERNATIVO)
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Notas Fiscais de Serviços Prestados
modelo 51 ou modelo 53 com o NNPJ e também com a coluna Valor Contábil.
Este modelo é semelhante ao relatório impresso pelo programa DES Declaação Eletrônica
de Serviços
Podemos visualizá-lo na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
92
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber os livros via Web.
NOTAS DE MATERIAIS/SUBEMPREITADAS MODELO 53 (ISS) WEB...
Através desta opção poderemos imprimir os lançamentos dos materiais e das subempreitadas
informados através da tela de escrituração das notas de ISS - serviços prestados modelo
53.
Podemos visualizá-lo na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber os livros via Web.
INVENTÁRIO E INVENTÁRIO (NOVO MODELO) WEB...
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Inventário, ativando a empresa no
mês em que os lançamentos foram efetuados e selecionando o tipo de impressão através da
janela Auxiliar/Controle de Impressão. Poderemos também gerar o arquivo para o siste
ma
WEB-Phoenix, onde o cliente do contador poderá receber os livros via Web.
INVENTÁRIO (PIS/COFINS NÃO CUMULATIVOS)
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Inventário ocntendo as colunas do P
IS
e COFINS não cumulativos a recuperar (Lucro Real)
FORNECEDORES E DESTINATÁRIOS CONFIGURÁVEL
Através desta opção poderemos imprimir um livro separando as operações por fornecedores
ou destinatários.
Nesse livro constará : Data, Espécie, Série, Nº da Nota, Emissão, Valor Contábil, CFOP, C/C,
A Vista, A Prazo , CNPJ e Razão Social.
ICMS FONTE P/ SUBSTITUTO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório de ICMS Fonte para substituto refere
nte
Entradas e Saídas, onde constará a base de cálculo e o valor do ICMS Fonte totalizando
por UF.
Lembramos que este relatório só poderá ser impresso se utilizarmos o turbo 122 ou o ti
po 22
ao escriturar as notas.
DECLARAÇÃO PRODUTOR RURAL
Através desta opção podemos obter a Relação de Entradas e Saídas de Mercadorias em
Estabelecimento de Produtor conforme a Portaria CAT 17, de 20-02-2003.
Este relatório atende os estabelecimentos de produtor rural.
MRC MAPA RESUMO DE CAIXA
Através desta opção poderemos imprimir o Mapa Resumo de Caixa.
Esta opção será utilizada por quem utiliza ECF.
93
M E N S A L
APUR.ICMS Web...
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Apuração de ICMS.
Podemos visualizá-lo na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber as apurações via Web.
APUR.IPI Web...
Através desta opção poderemos imprimir o Registro de Apuração de IPI.
Podemos visualizá-lo na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o mês/quinzena/decêndio desejados e o tipo de impressão, iremos ao men
u
Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber as apurações via Web.
APUR. PIS / COFINS - Web
Através desta opção poderemos imprimir a Apuração do PIS/COFINS cumulativo (lucro presumid
o)
ou não cumulativo (lucro real).
Podemos visualizá-la na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber as apurações via Web.
APUR. ICMS - ESTIMATIVA
Através desta opção poderemos imprimir a antiga apuração semestral de ICMSEstimativa.
Atualmente já não existe mais a apuração do ICMS por estimativa no Estado de São Paulo.
Podemos visualizá-la na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou ja
to de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão
ESTOURO DE CAIXA
Através desta opção poderemos imprimir um relatório que nos dará uma posição do caixa.
Neste relatório constará o valor total de compras, vendas e devoluções, à vista e à prazo.
PLANILHA CONTÁBIL
Através desta opção poderemos imprimir uma planilha mensal, com o resumo dos lançamentos
que serão integrados para contabilidade.
Temos três tipos de planilhas:
ESCRITURAÇÃO DE NOTAS MODELO 1 E MODELO 2
Mostra os lançamentos de provisões (entradas, saídas, guias de recolhimento)
94
PAGAMENTO DE DARFS
Mostra os lançamentos dos DARFs pagos através da Central de DARFs (menu Escrituração)
LIQUIDAÇÃO DE TÍTULOS
Mostra os lançamentos das duplicatas pagas e recebidas através do Conta Corrente (me
nu
Escrituração)
EXPORTA PLANILHA CONTÁBIL P/TERCEIROS
Através desta opção poderemos exportar os lançamentos da escrita fiscal para sistemas co
ntábeis
de terceiros.
Antes de exportar devemos:
- Configurar as contas contábeis através do menu Cadastro/Plano de Contas Intg (Novo
CFOP) geral ou individual
- Configurar os parâmetros de integração contábil através do menu Cadastro/Parâmetros de
Integração Contábil
- Cadastrar o layout de terceiros e configurar o diretório onde o arquivo deve ser
gerado através
do menu Cadastro/Layout Exp.Contábil
VERIFICA ESTOURO SIMPLES PAULISTA
Através desta opção controlávamos as empresas que estavam para estourar os limites (ME e
EPP) do Simples Paulista até 06/2007.
RESUMO PLANILHA POR CFO / CC
Através desta opção poderemos imprimir uma planilha contábil mensal, parcial ou anual co
m
o resumo dos lançamentos que serão integrados para contabilidade em ordem de código fi
scal
e conta contábil.
RESUMO PLANILHA POR CONTAS CONTÁBEIS
Através desta opção poderemos imprimir uma planilha contábil mensal, parcial ou anual co
m
o resumo dos lançamentos que serão integrados para contabilidade em ordem de conta c
ontábil.
EVOLUÇÃO DOS FATURAMENTOS MENSAIS C/APURAÇÕES DE PIS/COFINS - Web
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que demonstrará separadamente
os valores utilizados para o cálculo do faturamento e do PIS/COFINS-Lucro Presumid
o.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber o relatório via Web.
EVOLUÇÃO DAS COMPRAS E VENDAS C/APURAÇÃO DE ICMS - Web
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que demonstrará os débitos, créditos
e estornos de débitos e créditos constantes na apuração do ICMS durante o ano.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber o relatório via Web.
95
NOVA GINTER
Através desta opção poderemos imprimir um relatório mensal que totalizará os débitos, das
entradas e saídas interestaduais por CFOP e UF que poderá ser útil para o preenchiment
o
ou conferência da NOVA GIA.
AUXÍLIO GINTER (Dec.Simples Paulista)
Através desta opção poderemos imprimir um resumo com os valores das entradas interesta
duais
e diferencial de alíquotas das empresas optantes pelo Simples Paulista, válido até
06/2007.
DCA DEMONSTRATIVO DE CRÉDITO ACUMULADO (FRETE C/SUBST.TRIBUTÁRIA)
Através desta opção poderemos imprimir um relatório contendo o valor total dos conhecime
ntos
de transporte escriturados nas saídas.
IMPRESSÃO CARTA DE CORREÇÃO
Através desta opção poderemos selecionar e imprimir as cartas de correção que foram preenc
hidas
através do menu Escrituração/Lctos Carta de Correção.
DIPAM MENSAL
Através desta opção poderemos visualizar/imprimir um relatório mensal das entradas e das
saídas por código de município e na página seguinte um relatório mensal das entradas ou
saídas por CNPJ.
TOTALIZADOR DE OPERAÇÕES DA LINHA PHOENIX
Através desta opção acionaremos o sistema que totalizará as operações realizadas em todos
os sistemas Phoenix. As quantidades aparecerão assim que a empresa for ativada.
ENCERRAMENTO DO MÊS
Através desta opção podemos
encerrar o mês para evitar
inclusões, exclusões ou
alterações que possam alterar
o resultado das apurações.
Para encerrar,
selecionaremos o mês e
clicaremos em Encerrar ou
daremos duplo clique no mês
desejado.
Para reabrir, selecionaremos
o mês e clicaremos em Reabrir ou daremos duplo clique no mês desejado.
ACUMULADO IR FONTE/INSS (SERVIÇOS) POR DESTINATÁRIO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório mensal contendo os valores dos serviço
s
prestados com incidência de IR Fonte e/ou INSS acumulados por CNPJ.
96
A N U A L
VERSO GIA
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual, onde constará um resumo de
códigos fiscais agrupados. Este relatório era utilizado para preencher a antiga Gia
40 (até
06/2000).
ACUM. POR CÓD. FISCAIS (AUX. FRENTE DIPAM)
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que relacionará individualmente
os valores lançados em cada CFOP.Este relatório era utilizado para preenchimento da
antiga
Dipam.
AUX. VERSO DIPAM
ENTRADAS
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que relacionará na primeira página
,
as compras por município (desde que o município tenha sido informado na escrituração
das notas) e na seqüência relacionará o total anual de compras por fornecedor. Este re
latório
era utilizado para preenchimento da antiga Dipam.
SAÍDAS
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que relacionará na primeira página
,
as vendas ou prestações de serviços, por município (desde que este tenha sido informado
na escrituração das notas de saídas) e na seqüência relacionará o total anual de vendas ou
prestação de serviços por destinatários. Este relatório era utilizado para preenchimento d
a
antiga Dipam.
TERMO ABERT./ENCERR.
Através desta opção poderemos preencher os dados dos termos de abertura e encerramento
.
Podemos visualizá-los na tela ou imprimir utilizando impressora matricial, HP ou j
ato de tinta.
Para selecionar o tipo de impressão iremos ao menu Auxiliar/Controle de Impressão.
Para imprimi-los basta clicar no desenho da impressora e selecionar o termo.
Ao cadastrar os termos de abertura e encerramento dos livros de ISS, podemos inf
ormar o nº
do Decreto que deverá ser impresso nos livros.
97
GINTER ANUAL/SEMESTRAL
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual que totalizará as entradas e saída
s
interestaduais por UF.
MOV. DIPI ENTRADAS E SAÍDAS
Através desta opção poderemos imprimir um relatório mensal de tudo o que foi lançado na
tela da DIPI (Escrituração/Notas ICMS/IPI/Lançamentos DIPI).
DIPI MENSAL
SINTÉTICO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório mensal com as informações da DIPI.
Podemos optar por imprimir com ou sem o código de natureza. Podemos também escolher
se queremos imprimir 80% do que foi escriturado (conf.DIPJ) ou imprimir 100%.. N
este último
caso o sistema imprimirá tudo e colocará um asterisco no que exceder 80%.
ANALÍTICO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório mensal analítico com as informações
da DIPI onde, além do valor total, serão impressos também: quantidade, valor da mercad
oria
e imposto.
Este relatório pode auxiliar o preenchimento da DIPI Bebidas para aqueles que são obri
gados
a apresentá-la.
DIPI ANUAL
SINTÉTICO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual com as informações da DIPI.
Podemos optar por imprimir com ou sem o código de natureza. Podemos também escolher
se queremos imprimir 80% do que foi escriturado (conf.DIPJ) ou imprimir 100%.. N
este último
caso o sistema imprimirá tudo e colocará um asterisco no que exceder 80%.
Este relatório poderá auxiliar no preenchimento ou conferência da DIPJ.
ANALÍTICO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual analítico com as informações da
DIPI onde, além do valor total, serão impressos também: quantidade, valor da mercadori
a e
imposto.
APURAÇÕES IPI
Através desta opção poderemos imprimir uma apuração anual do IPI que poderá auxiliar no
preenchimento ou conferência da DIPJ.
SINTEGRA ATÉ 2002
Através desta opção poderemos gerar o arquivo magnético com todas as operações para a
Secretaria da Fazenda de SP conforme a estrutura antiga (válida apenas até o exercício
de
2002)
Ativaremos a empresa no ano desejado, preencheremos o período (Ex. 01/01 à 31/12), i
nfor98
maremos o local do arquivo a ser gerado (Ex. A:\Apelido.txt ou C:\Apelido.txt),
informaremos
o que foi digitado na espécie (somente nos caso de utilizarmos máquina registradora
ou lançarmos
conhecimentos de transporte em seguida clicaremos em Executar.
ARQUIVO ASCII ( RECEITA FEDERAL IN 86/2001)
Através desta opção poderemos gerar o arquivo magnético para ser entregue ao fisco feder
al
quando solicitado.
Depois de escriturar as notas e preencher as informações necessárias através do menu Esc
rituração/
Complemento Informações IN 86, ativaremos a empresa no ano desejado, informaremos
o mês inicial e final (Ex.01 à 12), selecionaremos os registros desejados e clicarem
os
em Executar. Os arquivos serão gerados na pasta Phoenix\SRF\apelido\ano.
EXPORTAR PARA O PROGRAMA SINCO DA SRF
Através desta opção poderemos gerar o arquivo magnético simplificado para ser validado no
programa SINCO da Receita Federal
Ativaremos a empresa no ano desejado, informaremos o mês inicial e final (Ex.01 à 12
), selecionaremos
entradas e/ou saídas e clicaremos em Executar. Os arquivos serão gerados na
pasta Phoenix\SRF\apelido\ano.
ARQUIVO ASCII (IN 68/95) REVOGADO PELA IN 86
Esta IN 68/95 foi revogada, portanto não deve mais ser utilizada
ACUMULADO IR FONTE (SERVIÇOS) POR DESTINATÁRIO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual contendo os valores dos serviços
prestados que sofreram retenção do IR Fonte, acumulados por CNPJ.
Este relatório poderá auxiliar no preenchimento ou conferência da DIPJ.
ACUMULADO IMPOSTOS RETIDOS (SERVIÇOS) POR DESTINATÁRIO
Através desta opção poderemos imprimir um relatório anual contendo os valores dos serviços
prestados que sofreram retenção do PIS/COFINS/CSLL e IIR Fonte, acumulados por CNPJ.
Este relatório poderá auxiliar no preenchimento ou conferência da DIPJ.
TRANSPORTAR SALDOS/RESÍDUOS PARA O ANO SEGUINTE
Através desta opção poderemos transportar saldos credores e resíduos dos impostos para o
ano seguinte.
G U I A S
Através desta opção poderemos imprimir as seguintes guias de recolhimento:
Gare ICMS, DARF PIS, DARF COFINS, DARF IPI, DARM/ISS (municípios de São Paulo,
Campinas, Cotia e Santana do Parnaíba).
A impressão poderá ser feita:
a) em formulário contínuo na matricial ou
b) personalizada (desenhada) na impressora matricial ou na HP (exceto Darm)
O telefone a ser impresso nas guias, deverá ser cadastrado na janela Auxiliar/Cont
role de
Impressão/Dados de sua empresa.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
ta99
dor poderá receber as guias via Web
NOVA GIA ELETRÔNICA V 7.*
No sistema da Nova Gia o cadastro
do contribuinte deverá estar
previamente cadastrado, pois o
layout da Secretaria não nos permite
integra-lo.
Ativaremos a empresa no mês que
desejarmos fazer a exportação para
Nova Gia; iremos ao menu Guias
no item Nova Gia Eletrônica.
Temos três formas de gerar a gia.
Ao selecionarmos esta
opção, o sistema irá gerar o arquivo
da empresa ativa.
Ao selecionarmos esta opção o sistema irá gerar um arquivo para cada empresa
da fila selecionada.
Ao selecionarmos esta opção o sistema irá gerar um único arquivo para
todas as empresas da fila selecionada.
Após termos selecionado uma destas opções, clicaremos no botão Exportar . O sistema irá
gerar um arquivo com o apelido da empresa e o mês (Phoenix.11) ou com o nº da fila e
o mês
no caso de optarmos por gerar em fila num só arquivo (Fila0001.11) . O arquivo será ge
rado
no diretório Phoenix/NGia 2007(ex):
Então, sairemos do sistema G5-Phoenix e entraremos no sistema da NOVA GIA.
Clicaremos em Arquivo, importar, pré-formatado. Localizaremos a pasta Phoenix e dep
ois a
pasta Ngia2007 (ex)
Selecionaremos a opção Arquivos do tipo todos os arquivos *.*
100
Aparecerão as empresas com o mês. Clicaremos na empresa desejada e depois em Abrir.
Aparecerá a inscrição estadual. Clicaremos nela e depois em importar
DECLARAÇÃO SIMPLES PAULISTA
Para gerarmos a DS, que é válida até 06/2007,
informaremos no cadastro da empresa, ficha
Escrita, campo Simples Paulista, a data de
opção e o tipo (ME ou EPP) .
No sistema da DS o cadastro do contribuinte
deverá estar previamente cadastrado, pois o
layout da Secretaria não nos permite integra-lo.
Ativaremos a empresa no último dia do período a
ser gerado, iremos ao menu Guias no item
Declaração Simples Paulista.
Temos três formas para exportar a declaração:
Ao selecionarmos esta opção, o sistema irá gerar o arquivo da empresa ativa.
Ao selecionarmos esta opção o sistema irá gerar um arquivo para cada empresa
da fila selecionada.
Ao selecionarmos esta opção o sistema irá gerar um único arquivo para
todas as empresas da fila selecionada.
Após termos selecionado uma destas opções, clicaremos no botão Exportar . O sistema irá
gerar um arquivo com o apelido da empresa e a extensão txt (Phoenix.txt) ou com o
nº da fila
e o mês no caso de optarmos por gerar em fila num só arquivo (Fila0001.txt) . O arquiv
o
será gerado no diretório Phoenix/DS2007(ex):
Então, sairemos do sistema G5-Phoenix e entraremos no sistema da Declaração do Simples
DS.
Clicaremos em Arquivo, importar, pré-formatado. Localizaremos a pasta Phoenix e depo
is a
pasta DS2007 (ex)
Selecionaremos a opção Arquivos do tipo todos os arquivos *.*
Aparecerão as empresas com a extensão txt . Clicaremos na empresa desejada e em Abrir.
Aparecerá a inscrição estadual. Clicaremos nela e depois em importar
EXPORTAR DNF
Após termos escriturado a tela da DIPI/DNF no
mês desejado, iremos ao menu Guias no item
Exportar DNF.
Temos duas formas de gerar o DNF:
Ao selecionarmos esta opção, o
sistema irá gerar o arquivo da empresa ativa.
Ao selecionarmos esta opção o
sistema irá gerar um arquivo para cada empresa
da fila selecionada.
Após termos selecionado uma destas opções,
clicaremos no botão Exportar .
O sistema irá gerar um arquivo com o nome de DNFnf.txt dentro da pasta Phoenix\
DNF\Apelido|2007/mês
DECLARAÇÕES MUNICIPAIS
Através desta opção poderemos exportar o arquivo texto contendo as informações do ISS
para os sistemas das Prefeituras que constarem na lista.
101
Após selecionado o programa, abrirá uma outra tela onde clicaremos em Exportar. O sist
ema
mostrará os nomes dos arquivos e em qual diretório foram gravados.
Depois disso, acessar o programa da Prefeitura e importar o arquivo.
DIRF - SERVIÇOS TOMADOS (EXPORTAR/IMPRIMIR)
Através desta opção poderemos exportar as informações dos serviços tomados para a DIRF
além de imprimir os comprovantes de rendimentos.
INFORME SERV.TOMADOS
Através desta opção poderemos imprimir informes dos serviços tomados com retenção do
IRF:
102
INFORME ART.30 LEI 10.833/2003
Através desta opção poderemos imprimir informes dos serviços tomados com retenção do
PIS/COFINS/CSLL
EXPORTAÇÃO/IMPRESSÃO DIRF
Através desta opção poderemos gerar o arquivo que será importado na DIRF, assim como
visualizar as retenções mês a mês.
Para exportar, ativaremos a empresa no último dia do período em que desejarmos fazer
a
exportação
Temos duas formas para fazer essa exportação:
Ao selecionarmos esta opção, o sistema irá gerar o arquivo da empresa ativa.
Ao selecionarmos esta
opção o sistema irá gerar um arquivo
para cada empresa da fila selecionada.
Informaremos também se o sistema
deve ou não exportar os serviços
tomados de pessoa física (DARF
cód.0588) e se o sistema deve ou não
incluir o vr.do IRRF no total do
rendimento.
Clicaremos no botão Exportar . O
sistema irá gerar um arquivo com o
seguinte nome DirfG5_apelido.txt na
pasta Phoenix\Dirf2007 (ex.)
Em seguida, entraremos no programa
DIRF e importaremos o arquivo gerado
pelo G5 Phoenix.
103
SINTEGRA/GRF-CBT
Através desta opção poderemos gerar os seguintes arquivos magnéticos para a Secretaria d
a
Fazenda de SP:
Selecionaremos o período e os registros desejados e clicaremos em
Executar. O sistema irá gerar um arquivo no diretório que estiver indicado na tela,
com o nome
de Apelido_ano_mês.txt.
Selecionaremos o mês e os registros desejados e clicaremos em Executar. O
sistema irá gerar um arquivo para cada UF com a qual a empresa ativa tenha realiza
do operações.
O arquivo será gerado no diretório que estiver indicado na tela, com o nome de Apeli
do_
ano_mês_UF.txt.
Combustíveis - Os fabricantes, distribuidores, revendedores e consumidores de comb
ustíveis
que estiverem obrigados a apresentação do arquivo magnético a ser validado no programa
GRF-CBT, deverão selecionar o mês, os registros necessários (54, 75, 88 e a opção só dos
combustíveis CAT 95/03 e uma das seguintes opções:
O sistema irá gerar um arquivo no diretório que estiver indicado na tela, com o nome
de Apelido_
ano_mês.txt.
Para que seja possível a geração deste arquivo, as notas de compra e venda dos combustív
eis
deverão estar escrituradas com a expressão cbt na coluna de observações. Também
deverão estar escriturados os registros 54, 75, 88E e 88T referentes a essas notas
(menu
Escrituração/Sintegra Digitar/Importar)
104
SINTEGRA SEM MOVIMENTO (SOMENTE PARA OPERAÇÕES INTERESTADUAIS)
Através desta opção poderemos gerar um arquivo magnético interestadual sem movimento
para transmitir as UFs com as quais não houve movimentação de Entradas ou de Saídas.
R E L A T Ó R I O S D I V E R S O S
CADASTRO DE EMPRESAS GERAL OU RESUMIDO
Através desta opção poderemos imprimir o cadastro das empresas completo ou resumido, e
m
ordem de Apelido ou Razão Social.
FORNECEDORES - SINTÉTICO OU ANALÍTICO
Através desta opção poderemos imprimir o cadastro de fornecedores sintético ou analítico e
m
ordem de CNPJ ou Razão Social.
CLIENTES SINTÉTICO OU ANALÍTICO
Através desta opção poderemos imprimir o cadastro de clientes sintético ou analítico em or
dem
de CNPJ ou Razão Social.
CADASTRO DO INVENTÁRIO
Através desta opção poderemos imprimir o cadastro de Grupos e Itens do Inventário.
CADASTRO PARAMETRIZADO
Através desta opção poderemos configurar a forma de impressão dos relatórios Ex. Por Tipo
de IRPJ, Por tipo de Empresa ou por CNAE Fiscal, em ordem de Apelido ou Razão
Social.
PLANO DE CONTAS INTG GERAL OU INDIVIDUAL Web...
Através desta opção poderemos imprimir o cadastro do plano de contas integráveis geral o
u
individual.
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber o relatório do cadastro do plano de integração contábil via Web.
CÓDIGOS FISCAIS Web...
105
Através desta opção poderemos imprimir os atuais códigos fiscais de modo normal (imprime
todos) ou resumido (possibilita selecionar os CFOPs desejados)
Poderemos também gerar o arquivo para o sistema WEB-Phoenix, onde o cliente do con
tador
poderá receber a relação dos CFOPs via Web.
A U X I L I A R
ATIVAR EMPRESA
Através desta opção ativaremos a empresa para podermos iniciar a escrituração fiscal.
Selecionaremos o mês e apelido da empresa, em seguida clicaremos no botão ativar.
Podemos ordenar o cadastro das empresas por: Tipo Empresa, Regime de Apuração, Apeli
do
e Razão Social.
CONTROLE DE IMPRESSÃO.
Através desta opção selecionaremos a forma como serão impressos os relatórios e guias em
geral.
Tela que aparecerá se ativarmos a empresa até 09/2004:
106
Tela que aparecerá se ativarmos a empresa a partir de 09/2004:
Selecionaremos Mensal
/Decendial.
Com a empresa ativa até
09/2004, aparecerão também
as opções de IPI 1ª e 2ª
quinzenas.
Selecionaremos esta opção
para que possamos imprimir
as guias desenhadas em matricial ou HP.
Todos os campos serão
preenchidos.
O campo do valor total sairá em
branco.
Serão preenchidos somente os
dados cadastrais da empresa.
Através desta opção poderemos selecionar o modo de
impressão.
Através destas opções poderemos enviar os relatórios para o Edit (do
DOS), para o Notepad ou para o Wordpad a fim alterar informações
para em seguida imprimir na impressora matricial.
Selecionaremos uma das opções e pediremos a impressão do relatório desejado.
O sistema mostrará no vídeo, o relatório e o nome do arquivo que poderá ser salvo Ex. Ph
l9999.
tmp.
Nessa opção poderemos selecionar a fila de impressão. (vide Cadastro/
Montar Filas)
- Podemos configurar a impressão para 80 ou 132 colunas.
Nesta tela selecionaremos o contador que poderá ter sido cadastrado
antecipadamente através do menu Cadastro/Dos Contadores
Os dados do escritório ou da empresa serão impressos no rodapé dos relatórios que ficam
no
menu Relatórios Diversos.
O telefone cadastrado nesta tela será impresso nas guias de recolhimento.
107
RECUPERAR ARQUIVOS DANIFICADOS
Esta é uma rotina que servirá para reorganizar os arquivos. Poderemos selecionar o p
eríodo:
Do mês / Anual e Individual / Em fila.
REINDEXAÇÃO DE ARQUIVOS
Esta é uma opção que deverá ser utilizada somente com o acompanhamento de um consultor
técnico da Contmatic.
MOSTRA HISTÓRICO DE RENDEXAÇÕES PASSADAS
Esta é uma opção que mostrará todas as ocorrências de reindexações feitas no sistema.
108
PERSONALIZAR MENUS
Através desta opção poderemos criar teclas de atalho.
Selecionaremos a janela e em seguida clicaremos no campo da opção desejada.
Ex. Relat.Div./Clientes
Atribuiremos uma tecla de atalho para o item selecionado Ex: CTRL + Z (podendo s
er uma
letra ou um número), logo após clicaremos em Gravar.
No caso do exemplo acima, ao teclarmos CTR + Z, o sistema mostrará o relatório de cl
ientes.
IMPORTA CADASTRO FORNECEDORES/CLIENTES
Através desta opção poderemos importar cadastro de fornecedores ou clientes de outros
sistemas.
Cadastraremos aqui o layout de importação.
Selecionaremos o diretório onde se encontra o arquivo texto, optaremos por
Fornecedor ou Cliente e Sintético ou Analítico. Clicaremos então em Executar.
109
EXPORTAR NOTAS NO FORMATO TEXTO
Cadastraremos o layout de exportação no menu Cadastro/Layout Exp. Notas, ou nesta próp
ria
tela clicando em LAYOUT (vide explicações no menu Cadastro/Layout Exp.Notas )
Podemos selecionar um nº de projeto para que as configurações fiquem gravadas nele. Pa
ra
isso devemos escolher um nº de projeto e clicar nesse botão Exemplo:
Escolheremos então nesta tela os códigos fiscais que deverão ser exportados,
o período e a ordem. Poderemos fazer combinações Ex. CFOP 6.101,
6.102 RJ, SC.
Para gravar o projeto, clicaremos no botão Gravar Projeto
O sistema exportará tudo referente aos campos que forem deixados em branco.
Para exportar clicaremos em OK
O sistema irá gerar um arquivo no diretório Phexport/AAAA
JUNTAR (UNIR) LANÇAMENTOS (ARQUIVOS).
DOS CADASTROS
Através desta rotina poderemos unir cadastros que foram digitados em máquinas difere
ntes.
Poderemos juntar os seguintes arquivos:
Cadastro de empresas: Cadgw.btr e
CadgwSld.btr
Fornecedores/Destinatários: Fornec.btr
Planilha Contábil : Ccontg.btr.
Ex.: Temos a máquina 1 (origem) e a
máquina 2 (destino).
Criaremos na máquina 2 a seguinte árvore
de subdiretórios: \Phorigem\Geral .
Copiaremos para dentro desse subdiretório o
arquivoFornec.btr que está na máquina 1.
Na máquina 2 iremos ao menu Auxiliar
/Juntar (unir) Lançamentos (arquivos) / dos
Cadastros; informaremos o diretório
\PhOrigem; selecionaremos os arquivos a
serem unificados através das setas, informaremos a senha PHX e clicaremos em Juntar
110
DOS MOVIMENTOS
Através desta rotina poderemos unir movimentos que foram digitados em máquinas difer
entes.
Poderemos juntar os seguintes arquivos:
Notas de Entradas e Saídas: Notas.btr
Lançamentos da DIPI: Dipi.btr
Notas de ISS Serviços Prestados: Iss.btr
Cadastro de Fornecedores Analítico : Foranali.btr
Cadastro de Plano de Contas
Integráveis Individual (Planilha Contábil)
: Cconti.btr
Ex.: Temos a máquina 1 (origem) e a
máquina 2 (destino).
Criaremos na máquina 2 a seguinte
árvore de subdiretórios:
\Phoenix\Empresas\Apelido\2005.
Copiaremos para dentro desse
subdiretório (2005) o arquivo Notas.btr
que está na máquina 1.
Na máquina 2 iremos ao menu Auxiliar
/Juntar (unir) Lançamentos (arquivos) /
dos Movimentos; informaremos o
diretório \PhOrigem; selecionaremos a empresa através das setas, selecionaremos o mês
e
as opções a serem unidas. Informaremos a senha PHX e clicaremos em Juntar.
IMPRIMIR ARQ. TEXTO NA MATRICIAL (MESMO COM ACENTOS E CEDILHAS)
Através desta opção poderemos imprimir um relatório na impressora matricial com acentos
e
cedilhas.
Selecionaremos uma das opções Matricial Turbo-Edit, Notepad ou Wordpad na janela Auxil
iar/
Controle de Impressão
Em seguida pediremos a
impressão do relatório
desejado e o sistema
mostrará no vídeo juntamente
com o nome do arquivo
(Ex.Phl9999.tmp)
Nesta tela informaremos qual
o arquivo a imprimir digitando
o caminho completo.
Ex.C:\Windows\Temp\Phl9999.tmp, ou poderemos localizá-lo através da opção Acha.
Com um duplo clique no arquivo, poderemos visualizá-lo e fazer as alterações necessárias
salvando-o antes de imprimir.
Poderemos incluir vários arquivos na lista e usar a opção Imprimir toda lista ou clicar
na opção
impressora e dar um duplo clique no arquivo para imprimir.
111
ENVIAR E CONTROLAR RELATÓRIOS PELA INTERNET
Esta opção foi desenvolvida
com o propósito de facilitar ao
escritório contábil o envio de
relatórios e guias para os
seus clientes através de email.
Clicando no botão Manual e
Explicações é possível obter
todos os esclarecimentos para
utilização dessa rotina.
Atualmente tornou-se mais
prática a utilização do nosso
sistema Visual Phoenix, que
está disponível para download
em nosso site, é gratuito e
pode ser distribuído para os
clientes do escritório contábil a
fim de que abram os relatórios do sistema Phoenix que forem enviados através de e-ma
il.
W E B P H O E N I X
É um sistema que possibilita o envio e recebimento de informações entre o contador e s
eu
cliente, referente aos cadastros, lançamentos, relatórios e guias.
Para efetuar as configurações necessárias a sua utilização e verificar os procedimentos ne
cessários,
vide manual que está disponível em nosso site para download.
B A C K U P P H O E N I X
Para efetuarmos o backup através do sistema Phoenix é imprescindível que todos os sist
emas
da linha Phoenix estejam fechados.
Para fazer o backup,
mantenha selecionada
a opção "Backup".
Informe o local onde
deverá ser gravado o
backup, selecione o
sistema, o tipo de
cópia, a empresa e o
ano. Clique em
Atualizar Lista e
clique em Processar.
Já para restaurar um
backup, selecione a
opção "Restauração".
Informe o local onde
se encontra o backup
a ser restaurado,
clique em Carrega
Arquivo, selecione o
arquivo a ser restaurado e clique em Processar.