Você está na página 1de 23

-PÚBLICO

-
N-505
REV. G 03 / 2013

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 21 páginas, Índice de Revisões e GT
Lançador e Recebedor de “ Pig” para Dutos
Submarinos e Terrestres

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do
texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a
responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e
enumerações.
CONTEC
Comissão de Normalização
Técnica

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que
deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma
eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve
ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela
Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de
caráter impositivo.
Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições
previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de
alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da
PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter
não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].
SC - 13
Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam
contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a
CONTEC - Subcomissão Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC -
Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a
seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a
justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os
trabalhos para alteração desta Norma.

Oleodutos e Gasodutos
“ A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer
reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e
expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da
legislação pertinente, através da qual serão imputadas as
responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante
cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito
intelectual e propriedade industrial.”


Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho
- GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são
comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas
Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as
Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos
representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS
está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a
cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são
elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas
sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

2

1 Escopo


1.1 Esta Norma padroniza as dimensões e características básicas das instalações de lançadores,
recebedores e lançadores-recebedores de “pigs”.


1.2 Esta Norma não abrange o projeto hidráulico e mecânico da instalação dutoviária.


1.3 Esta Norma não substitui o projeto de detalhamento dos lançadores, recebedores e
lançadores-recebedores, que deve conter todas as dimensões necessárias para sua fabricação e
montagem.


1.4 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua publicação.

NOTA Quando da substituição de qualquer componente de uma instalação existente
recomenda-se que sejam aplicados os itens desta norma correspondente a este
componente. Deve ser assegurado que a modificação mantenha a operacionalidade e
segurança do conjunto. [Prática Recomendada]


1.5 Para as operações de passagem de “pig” devem ser seguidos os critérios estabelecidos na
PETROBRAS N-2634.


1.6 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.


2 Referências Normativas

Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas,
aplicam-se as edições mais recentes dos referidos documentos.

PETROBRAS N-76 - Materiais de Tubulação para Instalações de Refino e Transporte;

PETROBRAS N-108 - Suspiros e Drenos para Tubulações e Equipamentos;

PETROBRAS N-1487 - Inspeção de Dutos Rígidos Submarinos;

PETROBRAS N-1521 - Identificação de Equipamentos Industriais;

PETROBRAS N-1693 - Critérios para Padronização de Material de Tubulação;

PETROBRAS N-1710 - Codificação de Documentos Técnicos de Engenharia;

PETROBRAS N-2098 - Inspeção de Dutos Terrestres em Operação;

PETROBRAS N-2634 - Operações de Passagem de “Pigs” em Dutos;

PETROBRAS N-2726 - Dutos;

ISO 14313 - Petroleum and Natural Gas Industries - Pipeline Transportation Systems -
Pipeline Valves;

API SPEC 6D - Specification for Pipeline Valves;

ASME BPVC Section VIII - Division 1 e 2 - Rules for Construction of Pressure Vessels;

-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

3
ASME B16.9 - Factory-Made Wrought Buttwelding Fittings;

MSS SP-75 - Specification for High Test, Wrought, Butt-Welding Fittings.


3 Termos e Definições

Para os efeitos deste documento aplicam-se os termos e definições da PETROBRAS N-2726.


4 Condições Gerais


4.1 Recomenda-se que a elevação da geratriz inferior da câmara seja de 1 m em relação ao piso de
operação (ver Figura 1). [Prática Recomendada]

NOTA O espaço livre entre a geratriz inferior da câmara e o piso de operação deve ser suficiente
para instalação das conexões de drenagem, válvulas, caixa coletora e outros acessórios.


4.2 Deve ser previsto espaço livre diretamente atrás da câmara (ver Figura 1), de acordo com as
dimensões mínimas de área indicadas na Tabela 1, que se referem às instalações para operação
com “pigs” instrumentados. Para as instalações que não utilizarão “pigs” instrumentados, as
dimensões da área podem ser reduzidas conforme indicado nas Notas da Tabela 1.



Área livre
Y
Y
Ver 4.1
X
Ø A
1

m




Figura 1 - Definição da Área Livre para Lançadores, Recebedores e
Lançadores-Recebedores


-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

4
Tabela 1 - Área Livre para Lançadores , Recebedores e Lançadores-Recebedores de
“ Pigs” Instrumentados

Área livre
Diâmetro nominal do duto
ØA (mm)
“ X” (mm) “ Y” (mm)
100 a 350 (4” a 14”) L
1
(mar ou terra) +1 000 1 000
400 a 750 (16” a 30”) L
1
(mar ou terra) +1 000 1 400
800 a 1 200 (32” a 46”) L
1
(mar ou terra) +1 000 1 750
NOTA 1 Para o caso do dimensionamento da área livre para lançadores, recebedores e
lançadores-recebedores que não operam com “pigs” instrumentados, a cota “X” deve
ser 1 500 mm para dutos com diâmetro nominal até 12” e 2 000 mm para os dutos
com diâmetro nominal de 14” a 20", e a cota “Y” deve ser 750 mm.
NOTA 2 Dimensão L1 referente à Tabela A.1 ou Tabela A.2.


4.3 A tampa do canhão deve ser do tipo abertura e fechamento rápido, possuir dobradiça ou outro
mecanismo capaz de sustentar e manter a parte móvel durante a abertura ou fechamento da tampa e
ser equipado com dispositivo de segurança que impeça a abertura caso haja pressão no interior da
câmara, seu projeto deve atender ao código ASME BPVC Section VIII - Division 1. O diâmetro interno
do pescoço da tampa do canhão deve ser igual ao diâmetro interno da câmara do canhão.

NOTA Opcionalmente pode ser projetado conforme o código ASME BPVC Section VIII - Division 2,
desde que sejam conhecidas as informações adicionais requeridas para este
dimensionamento.


4.3.1 Recomenda-se que a tampa tenha um dispositivo de travamento distribuído uniformemente e
continuamente ao longo de toda a região de vedação. [Prática Recomendada]


4.3.2 Para ser considerado como do tipo abertura e fechamento rápido, a tampa deve ter um
mecanismo de acionamento em que a operação possa ser realizada por uma única pessoa, em
período máximo de 2 minutos e sem uso adicional de nenhuma ferramenta além das fornecidas ou
especificadas pelo fabricante da tampa.


4.3.3 Deve ser demarcada no piso, com uma faixa amarela, a área correspondente ao raio de ação
da tampa do canhão.


4.4 As dimensões para lançador, recebedor e lançador-recebedor de “pigs” devem ser conforme as
Tabelas A.1 e A.2.

NOTA O dimensionamento das espessuras do lançador, recebedor e lançador-recebedor de “pigs”
deve ser feito conforme a norma de projeto do duto.


4.5 Deve ser prevista uma bacia de contenção, posicionada conforme Figura 2, com volume igual ou
superior aos valores indicados na Tabela 2, que correspondem a um percentual do volume total do
lançador, recebedor ou do lançador-Recebedor. A profundidade da bacia deve ser no mínimo de
100 mm. A bacia deve ser coberta com grade removível, também dimensionada para suportar o peso
do “pig” com o seu dispositivo de transporte.

NOTA A grade deve permitir a operação das válvulas de dreno sem que seja necessária sua
remoção.
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

5

Bacia de contenção
Ver Nota 2
w
Ø A
Ver Nota 1
Z Ver Nota 3
2Y


NOTA 1 A dimensão “Y” deve ser de acordo com a Tabela 1 ou sua Nota, conforme o caso.
NOTA 2 A dimensão “W“ para Recebedor e Lançador-Recebedor deve ser igual a L1, conforme a Tabela A.1
ou Tabela A.2, e para o Lançador deve ser igual a 1,5 vêz o diâmetro externo da câmara.
NOTA 3 A dimensão “Z” se estende até a válvula de bloqueio da câmara


Figura 2 - Posicionamento da Bacia de Contenção para Lançadores, Recebedores e
Lançadores-Recebedores


Tabela 2 - Critério para Dimensionamento da Bacia de Drenagem

Líquido e gás não processado Gás processado
Circuito aberto Circuito fechado Circuito aberto
120 % 60 % 40 %


4.6 Deve ser instalada uma tubulação de equalização de pressão da câmara dotada de uma válvula
de bloqueio e uma de regulagem (item 16 da Tabela A.3). O diâmetro nominal da tubulação deve ser
de 25 mm (1”) para dutos com diâmetro nominal até 150 mm (6”) e de 50 mm (2”) para os demais
diâmetros nominais de duto.


4.7 Devem ser instalados três indicadores de pressão (item 8 da Tabela A.3), sendo um na câmara,
próximo à tampa, e os outros a montante e a jusante da válvula de bloqueio da câmara.


4.7.1 Os manômetros devem ser selecionados de modo que a Pressão Normal do duto possa ser
lida no terço médio das escalas.


4.8 Devem ser instalados dois suspiros atmosféricos, sendo um a montante e outro a jusante da
redução, para viabilizar o adequado enchimento, drenagem ou despressurização da câmara (item 10
da Tabela A.3). Em instalações que requeiram suspiros alinhados para sistemas fechados, estes
devem ser suspiros adicionais aos atmosféricos, conforme Figuras 3 e A.4.


-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

6
4.9 Quando prevista a passagem de “pig” instrumentado, deve ser instalada no lançador, recebedor e no
lançador-recebedor, uma derivação para injeção de nitrogênio com bloqueio, posicionada a montante do
bloqueio do suspiro atmosférico instalado mais próximo a tampa, conforme Figuras 3 e A.4.


Tampão roscado
Tampão roscado
(Suspiro atmosférico)
jeção de nitrogênio)
(Suspiro para
sistema fechado)


Figura 3 - Suspiro Atmosférico e Derivação para Injeção de Nitrogênio


4.10 Em dutos para transporte de produtos na fase líquida, deve ser instalada uma válvula de alívio
térmico (item 3 da Tabela A.3) na câmara. A tubulação de descarga desta válvula de alívio deve ser
conectada a um sistema de coleta ou ao duto.

NOTA A válvula de alívio térmico pode ser eventualmente substituída por outro dispositivo que
efetue a mesma função.


4.11 A redução da câmara do lançador e do lançador-recebedor (item 6 da Tabela A.3) deve ser
excêntrica e a da câmara de recebimento (item 6 da Tabela A.3) deve ser concêntrica. Para lançador
instalado na posição vertical, a redução da câmara deve ser concêntrica. O ângulo total de inclinação
das reduções deve ser, no máximo, igual a 11° (ver Figura 4).

NOTA 1 Esta redução deve seguir um projeto específico, pois as reduções utilizadas normalmente
em instalações industriais não atendem aos requisitos desta Norma. A redução deve ser
fornecida seguindo os critérios de fabricação das ASME B16.9, MSS SP-75 ou outra
equivalente, com a conicidade definida neste item.
NOTA 2 A redução, quando for fabricada por chapa soldada, deve ter a qualidade da solda
rastreável e conter seu certificado constando do “data book”.
NOTA 3 A cesta de recebimento de “pig” para lançador-recebedor deve ser projetada considerando
que a instalação terá uma redução excêntrica.
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

7

Redução excêntrica
Redução concêntrica
11° (máx.)
11° (máx.)



Figura 4 - Inclinação Máxima das Reduções


4.12 Os indicadores de passagem de “pig” (item 4 da Tabela A.3) devem ser instalados a uma
distância mínima da válvula de bloqueio da câmara, conforme dimensão L2 das Tabelas A.1 e A.2.

NOTA 1 O indicador de passagem de “pig” deve ser capaz de detectar a passagem de “pig” de
espuma, sendo instalado na geratriz superior ou na lateral.
NOTA 2 Os sensores ultrassônicos intrusivos deverão facear a parede interna do duto, de modo a
não danificar o “pig” e não ser danificado por ele.
NOTA 3 Para dutos que operem somente com líquido, o indicador de passagem de “pig” deve ser do
tipo ultrassônico ativo não intrusivo. [Prática Recomendada]
NOTA 4 Para dutos que operem com gás processado, o indicado de passagem de “pig” deve ser tipo
ultrassônico ativo intrusivo. [Prática Recomendada]
NOTA 5 Para dutos que operem com gás tratado (não enquadrado) com a possibilidade de
condensação ou arraste de líquido, utilizar indicador do tipo acústico não intrusivo.
[Prática Recomendada]


4.13 Recomenda-se que os lançadores, recebedores e lançadores-recebedores sejam instalados
paralelos ao piso (sem declividade). Em instalações onde haja restrições de espaço é admitido o
arranjo de lançadores, recebedores e lançadores-recebedores sobrepostos ou na vertical.
[Prática Recomendada]


4.14 Lançador, recebedor e lançador-recebedor devem ter placa de identificação informando, em
Português, no mínimo, as seguintes características:

a) identificação da instalação conforme as PETROBRAS N-1710 e N-1521, como se segue:

XXX-YYYY.YYZZ

Onde:
XXX LP (lançador de “pig”), RP (recebedor de “pig”) ou LRP (lançador-recebedor
de "pig") obtido da PETROBRAS N-1521;
YYYY.YY é obtido do Anexo B da PETROBRAS N-1710;
ZZ é o número seqüencial na instalação para lançador ou recebedor de “pig”;

b) fabricante ou montador;
c) ano de fabricação ou montagem;
d) norma de projeto, citando a revisão;
e) pressão de projeto;
f) pressão de teste hidrostático;
g) temperatura máxima e mínima de operação.


-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

8
4.15 O diâmetro interno da câmara dos lançadores, recebedores e dos lançadores-recebedores deve
ser, no mínimo, 89 mm (3 1/2”) maior do que o maior diâmetro interno do duto.


4.16 As válvulas com diâmetro nominal igual ou maior que 300 mm (12”) devem ser motorizadas,
acionadas através de sistemas eletromecânicos, hidráulicos ou pneumáticos. É indispensável
também que o acionamento manual tenha engrenagem de redução em conformidade com a
PETROBRAS N-1693.


4.17 As válvulas (itens 5, 12 e 13 da Tabela A.3) devem ser do tipo passagem plena, montagem
interna “trunnion”, conforme API SPEC 6D ou ISO 14313. A válvula descrita no item 5 da Tabela A.3,
deve ser também do tipo “through-conduit”, conforme API SPEC 6D ou ISO 14313, e para qualquer
variação entre o diâmetro interno da válvula e do duto o degrau deve ser chanfrado com inclinação
máxima de 1:4.

NOTA O tipo e a quantidade devem ser definidos pelo projeto, em função do produto a ser
transportado e dos dados de processo da instalação.


4.18 As derivações de "by-pass" nos recebedores e nos lançadores-recebedores e a derivação do
duto dos lançadores, recebedores e lançadores-recebedores com diâmetro igual ou superior à
metade do diâmetro nominal do duto, devem ser providas de barras de direcionamento, conforme
Figura A.5. Em dutos com diâmetro variável considerar o menor diâmetro como sendo o diâmetro
nominal.


4.19 As derivações de “by-pass” e do duto devem ser preferencialmente montadas na horizontal
(posições 3 horas ou 9 horas) ou na geratriz superior (posição 12 horas). As derivações não podem
ser montadas na geratriz inferior (posição 6 horas) ou em qualquer posição descendente.


4.20 Os lançadores e lançadores-recebedores de "pig" instrumentado, de dutos com diâmetro
nominal a partir de 150 mm (6”) devem ter um bocal flangeado com diâmetro nominal de 50 mm (2”),
para auxiliar a introdução do “pig” no interior da câmara, utilizando cabo para tracionar (ver item 18 da
Tabela A.3). Este bocal deve ser instalado na horizontal (posições 3 horas ou 9 horas), inclinado a
45°, na localização indicada nas Figuras A.2 e A.3.

NOTA 1 Deve-se observar que na área de instalação da câmara não haja nenhum obstáculo que
dificulte a utilização do cabo tracionador através do bocal flangeado;
NOTA 2 O cabo tracionador deve ser de material não metálico ou possuir um revestimento não
metálico.


4.21 Nos trechos percorridos pelo “pig”, o diâmetro interno do trecho entre a redução da câmara e o
tê da derivação do duto, incluindo os acessórios, não deve ser inferior ao menor diâmetro interno do
duto, nem superior ao maior diâmetro interno do duto. Caso o diâmetro interno dessas instalações
seja diferente, a transição entre os diâmetros deve ser cônica, com inclinação máxima de 1:4.


4.22 Deve ser instalada uma tomada de amostra com diâmetro nominal de 25 mm (1”) no pescoço
do dreno próximo a tampa conforme a Figuras 5 e A.4.










-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

9

Tampão roscado
150 mm
Ø 1"


Figura 5 - Tomada de Amostra


4.23 A cesta descrita na Figura A.6 deve ser utilizada no recebimento de “pigs” de espuma.


4.24 Para dutos de gás natural classificar os suspiros e drenos como uso frequente, de acordo com a
PETROBRAS N-108.

-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

10

Anexo A - Figuras e Tabelas

5
Ø A
(mín.)
(mín.)
150
7
150
(mín.)
150
L
1
Desenho esquemático (sem escala)
3
0
0
4
0
0
(
m
í
n
.
)
(mín.)
150
16
Ø A
Nota 4
17
Nota 4
Nota 4
Ø B
14
Ø B
14
15
(
m
í
n
.
)
L
2
L
1

-

7
0
0
(
m
í
n
.
)
(mín.)
200
10 2
8
9
3
17
6
4
12
12
11
19 7
8
13
1
10
8
Vista lateral
Nota 6
Nota 6


Nota 1 Dimensões em milímetros.
Nota 2 Para as demais dimensões, ver Tabelas A.1 e A.2.
Nota 3 Para descrição dos itens numerados, ver Tabela A.3.
Nota 4 Tipos de conexão (como por exemplo: tê, derivação soldada, colar) conforme norma de projeto do duto. (ver
também a PETROBRAS N-76).
Nota 5 Recomenda-se que os itens 2, 8 e 10 sejam instalados em tomadas independentes. [Prática Recomendada]
Nota 6 Quando for utilizada derivação com reforço, esta dimensão pode ser aumentada, no mínimo possível, para
acomodação da chapa de reforço, evitando o aumento excessivo do comprimento da câmara.


Figura A.1 - Recebedor de “ Pigs” (Planta)
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

11

Desenho esquemático (sem escala)
18
150
13
6
0
0
16
12
ØA
1
4
150
5
(mín.)
150
Nota 4
17
6
11
7
4
0
0
(
m
í
n
.
)
15
8
(mín.)
150
(mín.)
(
m
í
n
.
)
(mín.)
Nota 6
Vista lateral
3
Ø B
14
17
9
Nota 4
19
L
1
(
m
í
n
.
)
L
2
L
1

-

4
0
0
(mín.)
200
10 2
8
Nota 8
7
10 8


Nota 1 Dimensões em milímetros.
Nota 2 Para as demais dimensões, ver Tabelas A.1 e A.2.
Nota 3 Para descrição dos itens numerados, ver Tabela A.3.
Nota 4 Tipos de conexão (como por exemplo: tê, derivação soldada, colar) conforme norma de projeto do duto.
(ver também a PETROBRAS N-76).
Nota 5 Para lançadores inclinados ou verticais instalar o dreno (7) o mais próximo possível da válvula de bloqueio da
câmara (5).
Nota 6 Para lançador instalado na posição vertical, a redução é concêntrica (ver 4.11).
Nota 7 Recomenda-se que os itens 2, 8 e 10 sejam instalados em tomadas independentes. [Prática Recomendada]
Nota 8 Quando for utilizada derivação com reforço, esta dimensão poderá ser aumentada, no mínimo possível, para
acomodação da chapa de reforço, evitando o aumento excessivo do comprimento da câmara.


Figura A.2 - Lançador de “ Pigs” (Planta)
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

12

Vista lateral
Ø B
5
Ø A
17
(mín.)
200
Desenho esquemático (sem escala)
3
0
0
4
0
0
(
m
í
n
.
)
14
Ø A
Nota 4
16
12
Ø B
14
18
150
(mín.)
6 Nota 6
4
3
0
0
12
150
150
7
Nota 4
(mín.)
150
(mín.)
150
17
15
4
L
1
(
m
í
n
.
)
L
1

-

7
0
0
L
2
L
2
(
m
í
n
.
)
Nota 4
10 8
10 2
8
11
9
3
19 7
13
8
1
Nota 7
Nota 7


Nota 1 Dimensões em milímetros.
Nota 2 Para as demais dimensões, ver Tabelas A.1 e A.2.
Nota 3 Para descrição dos itens numerados, ver Tabela A.3.
Nota 4 Tipos de conexão (como por exemplo: tê, derivação soldada, colar) conforme norma de projeto do duto.
(ver também a PETROBRAS N-76).
Nota 5 Recomenda-se que os itens 2, 8 e 10 sejam instalados em tomadas independentes. [Prática Recomendada]
Nota 6 Para lançador instalado na posição vertical, a redução é concêntrica (ver 4.11).
Nota 7 Quando for utilizada derivação com reforço, esta dimensão poderá ser aumentada, no mínimo possível, para
acomodação da chapa de reforço, evitando o aumento excessivo do comprimento da câmara.


Figura A.3 - Lançador-Recebedor de “ Pigs” (Planta)
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

13

7
19
PI
2
8
10
10
(atmosférico)
(sistemafechado)
(NOTA 1)
(atmosférico)
7
(sistemafechado)
11
7
(atmosférico)
7
(sistemafechado)
10
10
(atmosférico)
(sistemafechado)
PI
8
(NOTA 1)
tubulação de
equalização
5
válvuladeretenção
válvuladeretenção



Nota A instalação do indicador de pressão, a partir da válvula de bloqueio, deve seguir os requisitos do projeto de
instrumentação;


Figura A.4 - Detalhes de Instalação das Tomadas de Dreno, Suspiro e Instrumentos de
Pressão
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

14

Tabela A.1 - Dimensões para Lançador, Recebedor e Lançador-Recebedor de “ Pigs”
não Instrumentados (Somente para Instalações que Utilizam Dutos
Flexíveis ou Dutos sem Previsão para Inspeção com “ Pig” Instrumentado)

Dimensões para as Figuras A.1, A.2 e A.3 Diâmetro
nominal
ØA L
1
- lançador L
2

L
1
-
recebedor
Ø B
Ø Dreno
80 (3”) 1 000 1 000 1 150 80 (3”) 50 (2”)
100 (4”) 1 000 1 000 1 400 80 (3”) 50 (2”)
150 (6”) 1 100 1 100 1 500 100 (4”) 50 (2”)
200 (8”) 1 350 1 350 1 700 150 (6”) 50 (2”)
250 (10”) 1 600 1 600 1 700 200 (8”) 80 (3”)
300 (12”) 1 800 1 200 1 800 200 (8”) 80 (3”)
350 (14”) 1 800 1 600 1 800 200 (8”) 80 (3”)
400 (16”) 2 000 1 600 2 000 250 (10”) 80 (3”)
450 (18") 2 000 1 600 2 000 300 (12") 80 (3”)
500 (20") 2 000 1 600 2 000 300 (12") 100 (4")
NOTA 1 Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em polegadas.
NOTA 2 Verificar as PETROBRAS N-1487 e N-2098 quanto a exigência de inspeção
com “pig” instrumentado.



























-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

15

Tabela A.2 - Dimensões para Lançador, Recebedor e Lançador-Recebedor de “ Pigs”
para Dutos com Previsão de Passagem de “ Pigs” Instrumentados

Dimensões para as Figuras A.1, A.2 e A.3 Ø Dreno ( Nota 4 )
Diâmetro
nominal
Ø A
Instalação
L
1
-
lançador
L
2

L
1
-
recebedor
e
lançador-
recebedor
Ø B
Líquidos de
alta
viscosidade
Gás e
líquidos de
baixa
viscosidade
Mar
100 (4”)
Terra
2 350 2 400 2 350 80 (3”) 50 (2”) 50 (2”)
Mar 2 000 1 950 2 000
150 (6”)
Terra 2 850 2 850 2 850
100 (4”) 50 (2”) 50 (2”)
Mar
200 (8”)
Terra
3 050 3 000 3 050 150 (6”) 50 (2”) 50 (2”)
Mar 2 900 2 750 2 900
250 (10”)
Terra 4 000 3 850 4 000
150 (6”) 80 (3”) 50 (2”)
Mar 3 600 3 400 3 600
300 (12”)
Terra 4 700 4 500 4 700
200 (8”) 80 (3”) 50 (2”)
Mar 3 700 3 450 3 700
350 (14”)
Terra 4 800 4 600 4 800
200 (8”) 80 (3”) 50 (2”)
Mar 3 300 3 050 3 300
400 (16”)
Terra 5 000 4 700 5 000
250 (10”) 80 (3”) 50 (2”)
Mar 3 600 3 250 3 600
450 (18”)
Terra 5 000 4 650 5 000
300 (12”) 80 (3”) 50 (2”)
Mar 2 000 1 650 3 000
500 (20”)
Terra 4 600 4 250 4 600
300 (12”) 100 (4”) 50 (2”)
Mar 2 100 1 650 3 350
550 (22”)
Terra 4 600 4 150 4 600
350 (14”) 100 (4”) 50 (2”)
Mar 2 000 1 550 3 700
600 (24”)
Terra 5 000 4 550 5 000
400 (16”) 100 (4”) 50 (2”)
Mar 3 200 1 550 4 100
650 (26”)
Terra 4 500 3 950 4 500
400 (16”) 100 (4”) 80 (3”)
Mar
700 (28”)
Terra
3 600 2 950 4 500 450 (18”) 100 (4”) 80 (3”)
Mar 3 100 2 450 4 900
750 (30”)
Terra 3 600 2 950 4 900
500 (20”) 100 (4”) 80 (3”)
Mar 2 600 1 850 4 000
800 (32”)
Terra 3 800 3 150 4 000
500 (20”) 100 (4”) 80 (3”)
Mar
850 (34”)
Terra
3 100 2 300 4 300 550 (22”) 150 (6”) 80 (3”)
Mar 3 200 2 370 4 850
900 (36”)
Terra 4 600 3 750 4 600
600 (24”) 150 (6”) 80 (3”)
Mar
950 (38”)
Terra
3 200 2 370 4 850 600 (24”) 150 (6”) 80 (3”)
Mar
1 000 (40”)
Terra
4 200 3 250 5 150 650 (26”) 150 (6”) 80 (3”)
Mar
1 050 (42”)
Terra
4 200 3 250 5 450 650 (26”) 150 (6”) 80 (3”)
Mar
1 150 (46”)
Terra
4 000 3 270 4 000 700 (28") 150 (6”) 80 (3”)







-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

16

Tabela A.2 - Dimensões para Lançador, Recebedor e Lançador-Recebedor de “ Pigs”
para Dutos com Previsão de Passagem de “ Pigs” Instrumentados
(Continuação)

NOTA 1 Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em polegadas.
NOTA 2 A dimensão ØA corresponde ao diâmetro nominal do duto. Em dutos com diâmetro
nominal variável considerar como ØA o maior diâmetro nominal do duto.
NOTA 3 Em instalações com lançadores ou recebedores compartilhados, adotar para ØA o maior
diâmetro nominal dos dutos interligados a estas instalações.
NOTA 4 Para o dimensionamento do dreno considerar como líquidos de alta viscosidade aqueles,
que na temperatura ambiente, possuem viscosidade superior a 500 cSt ou produtos que
possam gerar depósitos (ex. parafina).
NOTA 5 Em dutos que interligam instalações marítimas e terrestres, o Lançador, Recebedor ou
Lançador-Recebedor Terrestre pode usar as dimensões indicadas para mar.
NOTA 6 Para Lançador-Recebedor utilizar para L1 o maior valor entre os indicados nesta Tabela
(L1-recebedor ou L1 - lançador).


Tabela A.3 - Lista de Itens das Figuras A.1, A.2, A.3 e A.4

Item Descrição Notas Item Norma
1 Duto (ØA). - 4.21
2 Derivação para injeção de nitrogênio - 4.9
3 Válvula de alívio térmico. - 4.10
4 Indicador de passagem de “pig”. 4 4.12
5 Válvula de bloqueio da câmara. - 4.16 e 4.17
6 Redução. - 4.11
7 Dreno. 2 e 6 4.24
8 Indicador de pressão. - 4.7
9 Câmara de lançamento ou recebimento. - 4.15
10 Suspiro. 6 e 7 4.8 e 4.24
11 Tampa de fecho rápido. - 4.3
12 Válvula de “by-pass”. - 4.16 e 4.17
13 Válvula do duto. - 4.16 e 4.17
14 Derivação de “by-pass”. 2 4.18 e 4.19
15 Derivação do duto. 5 4.18 e 4.19
16 Tubulação de equalização de pressão com válvulas. 8 e 9 4.6
17 Suportes. 1 -
18 Conexão flangeada. 3 4.20
19 Tomada de amostra. - 4.22
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

17

Tabela A.3 - Lista de Itens das Figuras A.1, A.2, A.3 e A.4 (Continuação)

NOTA 1 O tipo, quantidade e a localização dos suportes devem ser definidos pelo projeto de detalhamento.
NOTA 2 Diâmetro conforme Tabelas A.1 e A.2.
NOTA 3 Conexão para instalar o “pig” instrumentado no lançador ou lançador-recebedor.
NOTA 4 Os indicadores de passagem de “pig” devem ser capazes de detectar a passagem de “pigs” de
espuma, sendo locados na seguinte posição:

a) na geratriz superior ou lateral;
b) deve estar na cota do limite da dimensão L
2
.

NOTA 5 Diâmetro conforme projeto.
NOTA 6 Para padronização de suspiros e drenos ver PETROBRAS N-108.
NOTA 7 Lançadores e recebedores para os quais seja recomendada inertização com N
2
, devem ter suspiro
com derivação conforme Figura 3.
NOTA 8 Para dutos em que haja possibilidade de formação de depósitos, estas tubulações devem ter
flanges para facilitar desmontagem e limpeza interna.
NOTA 9 A tubulação de equalização deve ser instalada o mais próximo possível da câmara e da derivação
de by-pass” e adequadamente suportada.


-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

18

Corte Y-Y
Planta
Corte X - X
Derivação com "T" forjado
Corte
Derivação soldada com reforço
C
Derivação soldada
Reforço tipo coxim
Barra de reforço transversal
(para a dimensão "B" ver Nota 2)
X
B B
C
C
Desenho sem escala
Nota 4
Nota 4
Barra de reforço das
barras de direcionamento
Colar de topo
Barra guia
C
C
Detalhe
Barra de direcionamento
(para a dimensão "A" ver Nota 1)
A
A
A
A
A
15 (típ.)
Y
L5
X
C
Nota 4
L6
10 (típ.)



Figura A.5 - Barra de Direcionamento de “ Pigs” em Derivação
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

19

NOTA 1 As barras de direcionamento devem estar de acordo com as seguintes informações:

Barras de direcionamento
Ø derivação Número de barras Dimensão “ A’ ’
 80 ( 3) 1 1/2 x  derivação
100 e 150 (4 e 6) 2 1/3 x  derivação
200 a 300 (8 a 12) 3 1/4 x  derivação
350 a 550 (14 a 22) 5 1/6 x  derivação
600 a 750 (24 a 30) 7 1/8 x  derivação
800 a 1150 (32 a 46) 9 1/10 x  derivação
NOTA Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em
polegadas.

NOTA 2 As barras de reforço transversais devem estar, de acordo com as seguintes informações:

Barras de reforço transversais
Ø derivação Número de barras Dimensão “ B’’
 150 ( 6) não há necessidade de barra de reforço
200 a 550 (8 a 22) 1 1/2 x  derivação
600 a 750 (24 a 30) 2 1/3 x  derivação
800 a 1150 (32 a 46) 3 1/4 x  derivação
NOTA Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em polegadas.

NOTA 3 As barras devem ser ajustadas e montadas na peça de conexão, em oficina, antes de a
peça ser enviada ao campo para instalação no duto.
NOTA 4 A extremidade das barras de direcionamento que entra em contato com o “pig” deve ser
ajustada com precisão no duto, de acordo com o seu diâmetro interno, para permitir a livre
passagem do “pig”. Eliminar os cantos vivos para não danificar os “pigs”.
NOTA 5 Material das barras: aço estrutural ASTM A-36 ou equivalente.
NOTA 6 As barras de direcionamento devem ser soldadas à barra de reforço por solda de filete, em
todo o contorno.
NOTA 7 Todas as barras devem ser soldadas à tubulação por solda de filete, em todo o contorno.
NOTA 8 As dimensões das barras devem estar de acordo com as seguintes informações:

Dimensões das barras
Largura
Diâmetro da deri vação Espessura
Barra de
direcionamento -
L5
Barra de reforço
transversal -
L6
100 e 150 (4 e 6) 6,5 35 -
200 a 300 (8 a 12) 9,5 40 35
350 a 550 (14 a 22) 9,5 50 45
600 a 750 (24 a 30) 12,7 60 55
800 a 1150 (32 a 46) 12,7 70 65
NOTA Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em polegadas.

NOTA 9 Dimensões nas figuras em milímetros.





Figura A.5 - Barra de Direcionamento de “ Pigs” em Derivação (Continuação)
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

20


Detalhe A
Nota 5
Nota 6
Detalhe B
Nota 4
Nota 9
Detalhe B
Seção transversal
Detalhe A
Nota 8 Nota 3
Nota 7
150
Nota 1
Sentido do fluxo
3/4"
3/8"
X
3X
Nota 2
Detalhe C - Fechamento da cesta
Detalhe construtivo
Ver detalhe C




Figura A.6 - Cesta de Recebimento de “ Pigs”
-PÚBLICO-
N-505
REV. G 03 / 2013

21

NOTA 1 Diâmetro interno da câmara do recebedor menos 10 mm.
NOTA 2 Dimensões L1 das Tabelas A.1 e A.2.
NOTA 3 Espaçadores para suporte da parte cilíndrica e centralização do dispositivo, confeccionados
a partir de chapas ou barras de alumínio em dimensões compatíveis com o peso do
dispositivo as cestas devem ser fabricadas a partir de chapas ou tubos de alumínio ou em
outro material não centelhante, com espessura mínima de 3 mm.
NOTA 4 Furos igualmente espaçados com diâmetro conforme as seguintes informações:

Diâmetro do duto Diâmetro dos furos
100 a 250 (4 a 10) 19,05 (3/4)
300 a 500 (12 a 20) 22,2 (7/8)
550 a 700 (22 a 28) 25,4 (1)
750 a 1150 (30 a 46) 44,45 (1 3/4)
NOTA Dimensões em milímetros. Valores entre parênteses em polegadas.

NOTA 5 Os dois trechos perfurados de comprimento igual a duas vezes o diâmetro do duto (A)
(Tabelas A.1 e A.2). A soma das áreas dos furos de cada trecho deve ser, no mínimo, igual
a duas vezes a área da seção interna de uma derivação de “by-pass”. Cada trecho deve ser
posicionado de forma que a sua mediatriz coincida com a linha de eixo da derivação de “by-
pass”.
NOTA 6 Diâmetro interno do duto das Tabelas A.1 e A.2 acrescido de 5 %.
NOTA 7 A cesta deve ser bi-partida longitudinalmente e articulada com dobradiças.
NOTA 8 Diâmetro interno da câmara do recebedor dividido por dois. Prever folga que permita
movimentação da cesta dentro do canhão.
NOTA 9 Esta dimensão é limitada pela soma dos comprimentos dos "pigs" que possam ser
recebidos sem a abertura da câmara.
NOTA 10 Em função da dimensão L1 (Tabelas A.1 e A.2), a cesta pode ser confeccionada em partes,
de forma a facilitar seu transporte e manuseio.
NOTA 11 Dimensões nas figuras em milímetros.




























Figura A.6 - Cesta de Recebimento de “ Pigs” (Continuação)



N-505
REV. G 03 / 2013

IR 1/2

ÍNDICE DE REVISÕES
REV. A, B, C e D
Não existe índice de revisões.
REV. E
Partes Atingidas Descrição da Alteração
1.2 Revisado
3.2 Revisado
3.9 Incluído
4.2 e 4.3 Revisados
4.6 Revisado
4.9 e 4.10 Revisados
4.13 Revisado
4.15 Revisado
4.18 à 4.22 Revisados e Renumerados
FIGURAS A-1 e A-3 Revisadas
TABELA A-1 Incluída
TABELAS A-2 e A-3 Revisadas
REV. F
Partes Atingidas Descrição da Alteração
2 Revisado
3 Revisado
3.1 e 3.2 Eliminados
3.3 à 3.9 Renumerados
4.1 à 4.5 Revisados
TABELA 1 Revisada
4.6 à 4.11 Revisados
4.13 à 4.19 Revisados
4.20 Revisado e Renumerado
4.21 Eliminado
4.22 Revisado
4.23 e 4.24 Incluídos
FIGURA A-1 Revisada




N-505
REV. G 03 / 2013

IR 2/2

REV. F
Partes Atingidas Descrição da Alteração
FIGURA A-2 Revisada
FIGURA A-3 Revisada
TABELA A-1 Revisada
TABELA A-2 Revisada
TABELA A-3 Revisada
Notas da TABELA A-3 Revisadas
FIGURA A-5 Revisada
FIGURA A-6 Incluída
REV. G
Partes Atingidas Descrição da Alteração
Todas Revisadas