Você está na página 1de 5

NOÉMIA DE SOUSA – um pequeno contributo para seu melhor conhecimento

(II)
Com a devida vénia, vou transcrever um texto de Pires aran!eira, Professor,
Doutorado em Literaturas dos Países Africanos de Língua Portuguesa, constante no
manual sobre “Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, datado de !!" #
$niversidade Aberta%
Inoc"ncia Mata, Professora, &estre em Literaturas 'rasileira e Africana de Língua
Portuguesa, colaborou nas partes ( e ()%
Elsa #o$ri%ues $os Santos, Professora, &estre em Literaturas 'rasileira e Africana de
Língua Portuguesa, colaborou na parte, capítulo"%
Advirto ser uma informa*ão est+tica, !!", mas ,ue penso ter ainda muita utilidade
para mel-or se con-ecer, ./0&)A de 1/$1A%
2Msaho e a poesia $e No&mia $e Sousa'
A (o) e*&mera que permanece+ No&mia $e Sousa
Assim, o caderno Sangue Negro foi entregue aos promotores da Mensagem, em
Luanda, por um intermedi+rio ou ,uando a autora por l+ passou, em !", a camin-o da
Europa% De imediato, o impacto dos ,- poemas foi enorme, tendo Ant3nio 4acinto
recordado -+ poucos anos 56, o fascínio ,ue despertaram, indiciando a via pela ,ual a
pr3pria poesia angolana poderia seguir7 a valori8a*ão da herança negra e a revolta
contra a domina*ão colonial% / impacto dos poemas propagou9se : Casa dos Estudantes
do )mpério% .oémia de 1ousa nunca publicou ,ual,uer livro ;, para além desse caderno
policopiado, de divulga*ão clandestina, pois nem todos os textos poderiam circular sem
problemas% $ma parte dos poemas foi saindo em <ornais, revistas e colect=neas,
nomeadamente em / Brado Africano, Itinerário, Vértice e Mensagem 5CE)6 e nas
mostras antol3gicas levadas a cabo, em revista, <ornal ou livro, por &+rio de Andrade
5!">, !"?,!"@,!A,!A!,etc%6, Luís Polana- 5!AB6, Alfredo &argarido 5!AC6 e
outros%
.oémia de 1ousa nasceu em CB de 1etembro de !CA, em &o*ambi,ue
5CatembeD&aputo6% 1em livro publicado, rumou a Lisboa% &ais tarde, mudou9se para
Paris% Eegressaria a Portugal, onde foi <ornalista da agFncia noticiosa portuguesa, em
Lisboa,
&orreu em ? de De8embro de CBBC, Cascais, Portugal%
A poesia de .oémia de 1ousa situa9se na intersec*ão do .eo9realismo com a .egritude%
Embora a poetisa não con-ecesse a Négritude franc3fona ,uando escreveu os poemas
5segundo seu testemun-o6, a específica situa*ão colonial de &o*ambi,ue, mais dada :
descrimina*ão racial do ,ue Angola, e o seu con-ecimento de língua francesa e inglesa,
permitiram ,ue as mesmas fontes 5Black Renaissance norte9americana, )ndigenismo
-aitiano e .egrismo cubano6, associadas : divulga*ão de .eo9realismo e do
&odernismo em &o*ambi,ue, originassem um discurso de .egritude intuitiva%
/ caderno é dedicado a dois amigos, um deles 4oão &endes, ,ue tem direito a uma
sec./o pr3pria, irmão do escritor mo*ambicano /rlando &endes, e significativamente
tem duas epígrafes, uma de &iguel Gorga e outra de Carlos /liveira, poeta do .ovo
Cancioneiro coimbrão%
Gorna9se imprescindível con-ecer a organi8a*ão do 0a$erno, para ,uem pretender a
leitura integral da obra 5C6% 1ão as seguintes as suas partes7 2.ossa (o8H, 2'iografiaH,
2&un-uana !"H, 2Livro de 4oãoH e 21angue .egroH% Por,ue representam a mel-or
poesia da autora e também a sua africanidade e mo*ambicanidade, tornando9se
consagrados, os seus mais divulgados e con-ecidos poemas são7 2.ossa vo8H, 21e me
,uiseres con-ecerH, 2Deixa passar o meu povoH, 2&agaí*aH, 2.egraH, 2$m diaH,
2Poema para Eui de .oron-aH, 2IodidoH, 2A 'illie JollidaK, cantoraH e 21angue
negroH 5>6%
Antes de mais, convém salientar ,ue a poesia de .oémia de 1ousa se organi8a num
discurso orali8ado, exaltado, pleno de emo*ão% Assim, a enuncia*ão caracteri8a9se por
uma rela*ão de permanente di+logo e interpela*ão entre o locutor e o alocut+rio% As
expressLes inter<eicionais, as exclama*Les, as reticFncias, os vocativos e apelativos, e
outros discursos de proximidade entre os interlocutores da enuncia*ão, tipificam um
discurso não analítico, não tão distanciado do ob<ecto como, por exemplo, o de
Agostin-o .eto%
(e<amos alguns exemplos sintom+ticos da sua poesia%
2.ossa vo8H é dedicado a 4osé Craveirin-a 5assim como outro texto cultua o poeta Eui
de .oron-a6% De imediato, salta : vista o vincado anaforismo da retoma do título no
corpo do texto% Essa entrada sublin-a a preponder=ncia da vo8 colectiva, por sua ve8 a
vo8 figurando sinedo,uicamente os corpos das pessoas do povo% Eepare9se, logo no
primeiro verso, numa característica do vocabul+rio de .oémia de 1ousa, ,ue pode
entender9se como uma parcial cedFncia : superficialidade do estere3tipo -erdado do
exotismo da literatura colonial5ista67 o uso de ,ualificativos como 2b+rbaraH, a,ui
aplicado : vo8, ,ue reaparecer+ em 21angue negroH 5este, vincadamente apologético da
raça, das raí8es específicas do ser negro6% Depois, a referencialidade geo9social, através
de ine,uívocos antrop3nimo e top3nimo, ,ue indicam o personagem e o Continente7
2&aguiguanaH e 2MfricaH% / uso de referFncias étnicas, ,ue circunscrevem um espa*o
físico e cultural ligado ao mato, : ruralidade, isto é, : Mfrica profunda 5não urbana67 o
2ataba,ueH 5instrumento musical, tambor6N a lan*a 5de &aguiguana6N os batu,ues de
guerraN a 2s-ipalapalaH 5instrumento musical6%
Godo o poema se constr3i para a denOncia da violFncia contra o coloni8ado, com
especial incidFncia na 2E1CEA()DP/H, em maiOsculas%
Em 21e me ,uiseres con-ecerH, assiste9se : compara*ão entre o predicador e uma
est+tua ou estatueta maconde% / poema tem a data de C"9C9!?!, o ,ue acrescenta um
outro sentido :s potenciais leituras7 nesse dia de fraternidade e alegria cristãs, para
con-ecer os africanos é preciso ol-ar com profundidade e compreensão a sua origem
ancestral% /s 2c-icotes da escravaturaH, a 2Mfrica da cabe*a aos pésH, a 2min-a alma de
MfricaH, são frases ,ue refor*am a repetida ideia de um passado -ediondo de
escravidão, ,ue é sempre preciso recordar, para mel-or tomar consciFncia da origem da
domina*ão, e de um Continente não aculturado, ,ue permanece ainda, em grande parte,
ligado : nature8a%
A referFncia aos 2batu,ues frenéticos dos muc-opesH e : rebeldia dos 2mac-anganasH
reafirma a tendFncia de a reivindica*ão neo9realista se cru8ar com o sentido de perten*a
étnica%
2Let mK people goH 5?6 foi o título inicial do poema 2Deixa passar o meu povoH,
publicado no Caderno Poesia negra de expresso portuguesa 5!">6, organi8ado, em
Lisboa, no =mbito da CE), pelo angolano &+rio de Andrade e o são9tomense Qrancisco
4osé Genreiro% .esse caderno saiu também 2&agaí*aH%
Poema com grande divulga*ão, 2Deixa passar o meu povoH apresenta um predicador
locali8ado numa noite morna de &o*ambi,ue, escutando na r+dio os cantores negros
norte9americanos Paul Eobeson 5foi também actor6 e &arian Anderson a interpretarem
2spirituals negros de JarlemH% A arte dessas figuras da Jarlem Eenaissance, tal como
'illie JollidaK no poema ,ue l-e é dedicado, inspira o predicador, ,ue gan-a for*as
para escrever sobre o povo a ,ue pertence%
Pelo 2turbil-ãoH ,ue provoca no sangue, pelos 2vultos familiaresH ,ue são
conclamados nessa noite de ins3nia e luminosa experiFncia, em sintonia com o
sofrimento do povo, o acto de escrita assemel-a9se : experiFncia sugerida no poema
2C-uva oblí,uaH, de Pessoa%
2&agaí*aH é o outro poema inserido no Caderno colectivo de !">, volume
assumidamente da .egritude% / magaí*a era o trabal-ador mo*ambicano ,ue emigrava
para as minas do Eand ou compounds 5+reas de explora*ão6 da Mfrica do 1ul% 1on-ando
com uma vida mel-or, retorna : terra na condi*ão em ,ue partira, miser+vel como
sempre% Podemos concluir, por ser um magaí*a, ,ue se trata obviamente de um negro,
paradigma de todos os magaí*as% &as nada confirma a sua ra*a, cor de pele ou etnia
precisa% Gípico poema neo9realista, descrevendo um ,uadro social e econ3mico, de
aliena*ão e domina*ão, não deixa de se en,uadrar na .egritude, não s3 pelo macrotexto
da publica*ão 5caderno colectivo da .egritude6, como ainda pela ra8ão do magaí*a,
além de prolet+rio, ser negro%
/ poema 2.egraH, publicado na revista neo9realista Vértice 5!"B6, alem de, como se
disse <+, na Mensagem angolana 5!"C6, é também um dos mais con-ecidos% / tema é a
incapacidade de as pessoas al-eias : cultura mo*ambicana poderem cantar a mul-er
negra% Irande parte dos epítetos de ,ue os poetas exotistas ou coloniais usaram e
abusaram nas suas composi*Les, nos seus 2formais e rendil-ados cantosH, estão a,ui
expostos numa pan3plia ,ue desconstr3i o mito poético de negra sedutora e lObrica7
2esfinge de ébanoH, 2amante sensualH, 2<arra etruscaH, 2exotismo tropicalH,
2demFnciaH, 2animalidadeH, etc%
A negra, no final do poema, surge como a mãe da predicadora, podendo ler9se essa
&RE, em letras maiOsculas, como a &ãe9.egra, mãe de todos os negros, ou se<a, a
&ãe9Mfrica% A mul-er negra, exaltada e elevada a esse cume da &ãe9Mfrica, recupera
no texto a integridade ,ue o ol-ar cOpido do poeta ex3geno vin-a lan*ando sobre ela%
.esta selec*ão de poemas, 2$m diaH, dedicado a 4%&% 54oão &endes, irmão de /rlando
&endes6, aparece como o exemplo, muito comum em Mfrica, do texto prometeico, ,ue
enuncia uma série de dese<os ,ue se -ão9de cumprir nos 2tril-os abertos de
&o*ambi,ueH, ,uando todos mergul-arem no 2clarão eterno do dia infind+velH% A
locali8a*ão espacial é a,ui também explicitada7 &o*ambi,ueN Mfrica%
Escreveu &anuel Qerreira ,ue a sua é uma 2poesia de forte impacto social, acusat3riaH,
emotiva mesmo 5neste aspecto se distanciando da sua similar portuguesa6, também por
apresentar como discurso ,ue não aspira : conten*ão, : perfei*ão -elénica ou : minOcia
parnasiana%
.o contexto da viragem dos anos ?B, .oémia, como outros africanos, percepcionava a
poesia como testemun-o de uma condi*ão -umana e denOncia social e política, ainda
,ue sob a forma de lamento ou piedade% .esse sentido, o .eo9realismo confunde9se
com a .egritude da reivindica*ão cultural e da apologia racial e pode di8er9se, mais do
,ue em rela*ão a outros escritores, ,ue a fusão das componentes estéticas dos dois
movimentos nunca foi tão completa e, por ve8es, ,uase indestrin*+vel%
Para os africanos de língua portuguesa, especialmente .oémia de 1ousa, nesses anos
decisivos, a .egritude foi assumida como refinamento negro, a especificidade r+cica do
.eo9realismo, tornando9se, além de uma estética anti9burguesa, uma ética anti9
imperialista% 0 nesse ponto ,ue, porém, a .egritude se afasta em definitivo do .eo9
realismo7 ,uando se exclui o branco dos seus textos e os engloba numa condena*ão ,ue
impossibilita distinguir os aliados de classe ou condi*ão% /ra .oémia, na sua poesia,
lan*a uma ponte aos 2irmãos brancosH, ao contr+rio de Agostin-o .eto, em cu<a poesia
eles não tFm ,ual,uer lugar positivo% Assim%, podemos concluir ,ue a .egritude, em
.oémia, é veemente, emotiva, devido : sua expressividade, mas o .eo9realismo
sustenta ideol3gica e esteticamente a sua poesia, como primigénio, profundo texto de
sustenta*ão%
Essa simplicidade, esse estado, como ,ue prim+rio, da enuncia*ão, transmite9nos uma
sensa*ão de imperfei*ão e prosaísmo da poesia # o ,ue levou um Eui Snopfli, nos anos
AB, a desconsiderar .oémia como poetisa, negando9l-e ,ual,uer import=ncia, depois da
sua inclusão na antologia de Alfredo &argarido, em !AC% .o contexto mo*ambicano,
essa é, -o<e, uma posi*ão insustent+vel%
56 Entrevista a &ic-el Laban, Angola # encontro com escritores, vol% , Porto, Qunda*ão Eng%
Ant3nio de Almeida, !!, p%AA%
5C6 .ão existe ao dispor dos interessados uma c3pia fidedigna, uma ve8 ,ue o original se encontra no
Ar,uivo Jist3rico de &o*ambi,ue%
5>6 Estes poemas encontram9se nas antologias .o reino de Caliban, vol% >, e "B poetas africanos, de
&anuel Qerreira, com excep*ão de 'illie JollidaK, inserto nos Gextos Complementares, a partir da
edi*ão original%
5?6 Expressão do norte9americano 4ames Teldon 4o-nson%
'ibliografia
% Leituras complementares
JA&)LG/., Eussel, !iteratura africana, literatura necessária, vol% C, Lisboa, Ed% UB, !@>, pp% >>9
>A%
&AEIAE)D/, Alfredo, "studos so#re literaturas das naç$es africanas de l%ngua portuguesa,
Lisboa, A Eegra do 4ogo, !@B, pp% ?@A9?@!6%
Granscrito por um'-alane
Adenda a bibliografia%
Bibliografia essencial: Noémia de Sousa, Sangue Negro, Associação de Escritores
Moçambicanos, Maputo, 200
* Só tardiamente publicou o seu livro de poesias Sangue Negro, em 2001, com poemas
coligidos por Nelson Saúte.