Você está na página 1de 7

Colégio Anísio Teixeira

Aluna - Priscila Borges

Série – 2° ano

Matéria – Química

Feira de Santana

2009
1

Índice

Introdução -------------------------------------------------- página 4

Pilhas -------------------------------------------------------- página 5

Eletrolise ---------------------------------------------------- página 6

Conclusão --------------------------------------------------- página 7

Bibliografia ------------------------------------------------- página 8

A eletroquímica estuda as transformações de energia química em elétrica e vice


– versa. Ela estuda pilhas e eletrólise, a diferença entre eles é simples, nas pilhas ocorre
uma reação química pra gerar eletricidade, enquanto na eletrólise, tem que passar uma
corrente elétrica para ocorrer uma reação.

As reações de eletroquímica não ocorrem somente com metais, mas também


ocorrem nos processos de oxidação de plásticos, alimentos, entre tantos outros, sendo a
eletroquímica bastante abrangente.
2

Pilhas

Pilha é qualquer dispositivo no qual uma reação de oxi - redução espontânea


produz corrente elétrica, para a reação química se processar é necessário apenas ligar os
terminais da pilha.
Cátodo é o eletrodo que recebe elétrons do circuito externo; é o pólo positivo da
pilha.
Ânodo é o eletrodo que emite elétrons para o circuito externo; é o pólo negativo
da pilha.
Os elétrons saem do ânodo (pólo negativo) e entram no cátodo (pólo positivo) da
pilha.
A primeira pilha foi criada em 1800, por Alessandro Volta, que utilizava discos
de cobre e zinco, separados por algodão embebido em solução salina.
1

Os discos foram chamados de eletrodos, sendo que os elétrons saiam do zinco


para o cobre, fazendo uma pequena corrente fluir.
Simbolizada por “E” o potencial de eletrodo é a tendência de deslocar o
equilíbrio num dos sentidos, ele pode ser:
• potencial de oxidação: indica a tendência maior a deslocar o equilíbrio no sentido de
oxidação;
•potencial de redução: indica a tendência maior a deslocar o equilíbrio no sentido da
redução.
Há alguns fatores que podem influenciar o potencial do eletrodo como a
temperatura e a concentração.
1° fator: temperatura- Um aumento na temperatura do eletrodo favorece a perda de
elétrons, então o equilíbrio se desloca no sentido de oxidação, havendo um aumento do
potencial de oxidação.
2° fator: concentração- um aumento de concentração dos íons na solução favorece o
recebimento de elétrons por parte desses íons, então ocorre uma diminuição do
potencial de oxidação.
A corrosão dos metais, principalmente, o ferro está bastante presente em nosso
dia-a-dia, isso pode ser notado ao nosso redor, nas latarias dos automóveis, nas cadeiras
metálicas, nos portões e em outras superfícies metálicas desprotegidas.
Um método de proteção, que é bastante utilizado é a pintura. A tinta, no caso da
pintura dos metais é uma película que fica entre a superfície do metais e o ambiente,
evitando assim, que se forme uma pilha eletroquímica entre a superfície do metal e o
ambiente.

Eletrólise

Na eletrolise ocorre à transformação de energia elétrica em energia química, para


a reação química se processar é necessário fornecer energia porque ele é um processo
não – espontâneo.

Eletrólise tem grande utilização em indústrias na produção de muitas substâncias


como os metais alcalinos e alcalino-terrosos, ela é aplicada também na obtenção de
elementos químicos.
Eletrólise ígnea é aquela que é realizada a altas temperaturas para que haja a
fusão da substância que pretende submeter a esse processo, diferente da eletrólise
aquosa, onde a passagem elétrica ocorre através de um líquido condutor. Os produtos do
processo ígneo:

Sódio: eletrólise ígnea de NaCl (cloreto de sódio).

Alumínio: eletrólise ígnea de Al2O3 (bauxita).


2

Soda cáustica (NaOH): eletrólise aquosa do NaCl (cloreto de sódio).

Gás hidrogênio: eletrólise aquosa do NaCl (cloreto de sódio).

Cloro: eletrólise ígnea do gás cloro (Cl2)

Leis de Faraday

1ª lei de Faraday:
• Nos condutores em equilíbrio a eletricidade é distribuída apenas na superfície
externa; no seu interior não há traço de eletricidade.
2ª lei de Faraday:
• No equilíbrio elétrico a força elétrica no interior dos condutores completamente
fechados e desprovidos de corpos eletrizados é nula.

Conclusão

Conclui- se que a eletroquímica é uma das fontes de energia mais usadas hoje
como as pilhas que para você ouvir um rádio em um ligar que não tenha tomada.

A eletroquímica é apenas a energia química transformada em energia elétrica,


nela estuda – se as pilhas em que ocorre a energia espontânea e eletrolise que ocorre a
energia não – espontânea.
2

Bibliografia
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20071228085937AA8x2sR

http://www.quiprocura.net/corrosao.htm

http://www.coladaweb.com/quimica/eletroquimica/eletroquimica-e-pilha

http://www.alunosonline.com.br/quimica/eletrolise/

Geraldo José Covre, Química Total

Sardella e Mateus, Curso de Química volume 2