Você está na página 1de 9

2

CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE – CEAMA


FACULDADE ATENAS MARANHENSE – FAMA
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS
DISCIPLINA: ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS
PROF. MSc. GERISVAL ALVES PESSOA

ANÁLIA ALMEIDA DE SOUSA


CLEIDE FERREIRA MONTELO TORRES
DANIELLE CORDEIRO MUNIZ
SUELY DE MORAES RÊGO MARTINS
VILZA MARIA SALAZAR CRUZ

DEFININDO ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS E DE RECURSOS HUMANOS

São Luís
2009

SUMÁRIO
3

1 ANÁLISE DO AMBIENTE EXTERNO......................................................................2

2 DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO, VISÃO E MISSÃO.......................................................2

3 ESTRUTURA DE INDÚSTRIA E COMPETITIVIDADE............................................3

4 ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO.......................................................................4

4.1 Análise de SWOT..................................................................................................5

5 ANÁLISE DE CLIENTES E ESTRATÉGIAS DE MAKETING..................................5

6 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO.......................................................................6

7 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS.................................................................................6

8 ESTRATÉGIAS DE RH.............................................................................................7

REFERÊNCIAS.........................................................................................................8

1 ANÁLISE DO AMBIENTE EXTERNO


2

Análise de Oportunidades e Ameaças do Cenário (Modelo OT)

OPPORTUNITIES THREATS
(OPORTUNIDADES) (AMEAÇAS)

1. Instabilidade das relações 1. Entrada de novos concorrentes;


sentimentais; 2. Doenças Sexualmente Transmissíveis
2. Desestruturação da instituição - DST’s;
familiar; 3. Estatuto da criança e do adolescente -
3. Liberalidade feminina; ECA;
4. Aumento do poder aquisitivo 4. Escassez de mão-de-obra qualificada
feminino; no mercado de trabalho;
5. Crescimento da indústria do 5. Altos custos com registro em órgãos
sexo; regulamentadores (Prefeitura, Polícia
6. Crescimento populacional Federal, Ministério da Fazenda,
ocasionado pela expansão do pólo Vigilância Sanitária).
industrial.

2 DEFINIÇÃO DO NEGÓCIO, MISSÃO E VISÃO

NEGÓCIO:

Serviços de entretenimento, prazer e imaginação (segmento de hospedagem


de curta duração).

MISSÃO:

Oferecer ao público de hospedagem curta, serviços com qualidade,


credibilidade, competitividade, segurança e respeito aos princípios éticos e
sócio-ambientais, num clima descontraído e aconchegante.

VISÃO:
2

Ser referência local no segmento em que atua até 2014, através do incentivo à
participação e criatividade da equipe, inovação da base tecnológica,
aprimorando os serviços oferecidos visando sempre o bem-estar e a
privacidade do cliente.

3 ESTRUTURA DE INDÚSTRIA E COMPETITIVIDADE

INDÚSTRIA
Hoteleiro
(setor):

ENTIDADES QUEM SÃO? PODER DE BARGANHA OU


BARREIRA DE ENTRADA
Lavanderia; Grande volume de compras;
Bebidas; Regularidade nas compras;
Produtos de limpeza e Pontualidade no pagamento;
higiene;
FORNECEDORES
Sex shops;
Vigilância privada e
eletrônica;
Gêneros alimentícios.
Clientes atuais e Preços atrativos;
potenciais de maioridade. Atendimento personalizado.
COMPRADORES

Hotéis; Foco na diferenciação de


Pousadas; serviços;
COMPETIDORES
Motéis; Localização estratégica;
Inovação tecnológica.
Cassinos; Reprodução de vídeos recém-
SERVIÇOS Casas de shows; lançados;
SUBSTITUTOS
Artefatos de sedução criativos.
Boates; Fidelização;
NOVOS Clubes noturnos. Acesso à distribuição;
ENTRANTES
Vantagens de custo.
2

Secretaria de Turismo;
Vigilância Sanitária; Licenças regulamentadas.
ORGÃOS
REGULADORES Associação Brasileira da
Indústria de Hotéis – ABIH.

4 ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO

Análise de Forças ou Fortalezas e Pontos Fracos ou Fraquezas

FORÇAS FRAQUEZAS
1. Localização geográfica; 1. Baixa divulgação multimídia (TV, Rádio
2. Tecnologia das instalações; AM e FM, Internet...);
3. Conforto e segurança aos 2. Imagem ainda não solidificada no
clientes; mercado;
4. Higiene do ambiente. 3. Baixa taxa de ocupação;
5. Excelência na prestação de 4. Falta de participação da equipe na
serviços; tomada de decisões;
6. Fornecedores sem 5. Clima organizacional instável;
intermediários; 6. Alta rotatividade de pessoal.
7. Cartão fidelidade (aplicação de
descontos);
8. Horário de funcionamento 24h;
9. Amplo espaço físico para
estacionamento;

4.1 Análise de SWOT

OPORTUNIDADES AMEAÇAS
3

•Desenvolver parcerias estratégicas •Manter a melhoria contínua dos


F
com fornecedores, garantindo a redução serviços e a boa estrutura física;
O
R dos custos; •Acompanhar o aprendizado constante
Ç
•Oferecer serviços voltados à realização dos colaboradores.
A
S de fantasias eróticas.

•Ampliar os investimentos da •Incentivar a gestão participativa,


F organização em marketing (preço, criando um clima favorável ao
R
A praça, propaganda e promoção); comprometimento e envolvimento da
Q •Melhorar o clima organizacional; equipe;
U
E •Capacitar continuamente a equipe de •Consolidar a imagem da organização.
Z trabalho.
A
S

5 ANÁLISE DE CLIENTES E ESTRATÉGIAS DE MARKETING

ATRIBUTOS DE VALOR
Avaliação Interna Avaliação do Cliente
ATRIBUTOS DE VALOR Importância Desempenho Importância Desempenho
(A, M, B) (A, M, B) (A, M, B) (A, M, B)
1. Higiene A A A A
2. Segurança A A A A
3. Bom atendimento A M A M
4. Culinária diversificada B B B B
5. Conforto A A A A
6. Modernização nas
M M M M
instalações
7. Promoções A B A B
8. Instalações adaptadas
M B M B
para deficientes

QUADRANTE ESTRATÉGICO
Importância

A 7 3 1 2 5
2

M 8 6

B 4

B M A
Desempenho

6 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO

1. Escolha correta de fornecedores

2. Controle de custos

3. Posição geográfica favorável

4. Inovação

5. Qualidade no atendimento

6. Capital

7. Higiene, conforto e segurança nas instalações

8. Estratégias de marketing

7 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

1. Investir fortemente em atividades de marketing, durante 1 ano, visando


a consolidação da imagem da organização no mercado local.
2. Desenvolver um sistema de gestão da qualidade, no período de 6
meses, garantindo a melhoria contínua dos serviços e a satisfação do
cliente no atendimento.
3. Otimizar os processos de limpeza e segurança.
2

4. Aplicar 10% do faturamento da organização em treinamento e


desenvolvimento do capital humano.

5. Promover o aprimoramento do planejamento contínuo da organização.

6. Elaborar um plano financeiro voltado para a redução de custos.

8 ESTRATÉGIAS DE RH

Com base no 1° objetivo estratégico


1. Obter parcerias com empresas de consultoria em marketing, buscando
a orientação técnica necessária.
2. Treinar a equipe de trabalho para desenvolver estratégias de marketing
e endomarketing.
3. Reduzir o turnover com programas de benefícios, tais como: formação
continuada, plano de saúde, reconhecimento profissional, incentivo à
participação e criatividade da equipe.
4. Encantar os clientes nos diversos aspectos do atendimento em função
dos desejos e necessidades atuais e potenciais.

REFERÊNCIAS

ALVES, Aluízio Caffé. Planejamento estratégico I. UNIMONTE: Centro


Universitário Monte Serrat, 2004.

ENAP. Planejamento estratégico: conceitos e ferramentas. Disponível em:


<www.enap.gov.br>. Slides 1 a 96.

KAPLAN, Robert S. Organização orientada para a estratégia: como as empresas


que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de
Janeiro: Campus, 2000.
3

KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10. ed.


São Paulo: Prentice Hall, 2000.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos,


metodologias e práticas. 19. ed. São Paulo: Atlas, 2003.