O padre e o demônio

Olhe em volta, leitor. Observe as pessoas e você perceberá que muita gente
vive sem refletir sobre os valores éticos, sobre os princípios morais.
Muita gente acha que a resposta à pergunta: por que determinados
compromissos so considerados mais importantes do que outros é um mero palpite
casual, uma preferência aleat!ria moment"nea.
Os fundamentos te!ricos das grandes escolhas, das grandes decis#es, se
tornam cada ve$ menos discutidos e vo se dissolvendo num amoralismo oportunista.
%uem, atualmente, está disponível para debater o conceito básico da ética, o
conceito de &em'
( verdade que se trata de um debate inc)modo. *or sua abrangência, o
conceito de &em é muito escorregadio. +esenvolvido no nível má,imo de
universalidade, o conceito de &em parece incapa$ de assumir um significado preciso.
Onde se situa a fronteira entre o &em e o Mal' Onde termina um e come-a o outro' .
ra$o, so$inha, pode encaminhar uma resposta satisfat!ria para essa questo'
/á um século, o escritor russo 0eonid .ndreiev 12345627889 abordou o tema
num conto genial, intitulado A conversão do diabo.
.ndreiev conta que um diabo, apelidado no inferno como o :arigudo, cansou6se
de fa$er pequenas maldades com as beatas ou com o velho padre de uma igre;inha em
<loren-a. =omo tinha certa inclina-o filos!fica, desistiu de incitar os outros a
cometerem pecadilhos e se interessou pelos livros doutrinários dos cristos. 0eu6os,
estudou6os com afinco, mas no os entendeu. >dentificou6se, ento, para o padre,
pedindo6lhe a;uda, e,plicando6lhe que era um espírito racional, ??incapa$ de suportar
contradi-#es??.
=ome-a, ento, a narrativa dos esfor-os do padre para ensinar o &em ao
dem)nio.
:arigudo queria para a questo uma resposta clara que pudesse servir6lhe de
guia seguro e confiável em todas as situa-#es da vida. .s má,imas que o padre lhe
ensina, contudo, dei,am6no frustrado.
??@e te derem uma bofetada na face direita, oferece também a esquerda.?? ??@e
te pedirem a camisa, deves dá6la, ainda que no possuas outra.?? ??:o te oponhas ao
mal.?? *ara p)r à prova sua assimila-o do conceito do &em, o diabo sai de <loren-a
por algumas semanas e retorna bastante maltratado.
O velho padre percebe que sua orienta-o no tinha dado certo. O diabo se
meteu numa briga com um su;eito que, em ve$ de esbofeteá6lo, deu6lhe uma
bengalada 1e no uma bofetadaA9, de modo que, revidando a agresso, :arigudo lhe
quebrou duas costelas.
+urante sua viagem, o diabo conta que foi em diversas ocasi#es cercado por
crian-as, meninos carentes. *ediam6lhe tudo, desde cigarros até comida, violo,
canetas, rel!gios, porém no pediram a camisa nova que ele tinha comprado 6 o que o
impediu de praticar o &em. :o deu a camisa e também no deu nada para os
garotos.
Bm dia, estava à beira de um rio e viu uma pessoa se afogando. *oderia tê6la
salvo, se no tivesse lembrado a recomenda-o: ??:o te oponhas ao mal??. Outras
pessoas que chegaram salvaram o quase afogado e bateram muito no pobre :arigudo.
O padre percebe que a tarefa de ensinar o &em ao diabo era mais complicada
do que podia imaginar. *rop#e6lhe o princípio do respeito à vida. O dem)nio, porém,
perturba6o com suas indaga-#es: ??Ontem, uma mosca estava me incomodando muito.
Matei6a ( lícito matar moscas'??
Bm dos melhores momentos do conto de .ndreiev é aquele em que o :arigudo
volta ao inferno e se p#e a pregar o &em na casa de satanás. >mediatamente, todos os
dem)nios o imitam e come-am a argumentar em favor do &em, com talento ret!rico
inve;ável. O deboche termina numa e,ploso de gargalhadas.
:arigudo volta à igre;inha e conta o que aconteceu a seu mestre. +esesperado,
o sacerdote sente que está chegando ao fim de sua vida e no está conseguindo
a;udar seu bi$arro discípulo. O diabo tinha, sem dCvida, boas inten-#es, porém lhe
faltava, em sua forma-o, o ter participado de e,periências vividas o ter assimilado a
dimenso interna significativa de uma mobili$a-o coletiva.
O padre, que tinha a mesma concep-o de ra$o adotada pelo :arigudo, no
podia a;uda6lo a se libertar da estreite$a do logicismo, com seu círculo vicioso, com
sua incapacidade de suportar e digerir as contradi-#es.
Bma mesma concep-o ??ossificada?? da ra$o pre;udicava tanto a perspectiva
do sacerdote como a do capeta. *or isso, antes de morrer, o que o servo de +eus
conseguiu fa$er foi preparar para o desertor fugido do inferno um con;unto de
má,imas que no continham nenhuma verdade conclusiva. <rases do tipo: ??:o
matarás, porém se for necessário mata??. ??:o mentirás, porém se for preciso mente.??
??+á tudo que tens ao pr!,imo, porém em determinadas situa-#es tira6lhe o que ele
possui.??
O padre morreu e o dem)nio que queria saber o que era o &em ficou encostado
num canto da igre;inha florentina, desanimado.
+ecididamente, a ra$o por si s! no dá conta do que é o &em. @e no fi$er
proe$as no trapé$io da dialética, acabará sempre encalhada no impasse a que
chegaram o padre e o dem)nio de 0eonid .ndreiev.
cadernob@jb.com.br
D83E+FGE8558H
LEIA ESTE FAMOSO CONTO DA HISTÓRIA DA LITERATRA MNDIAL
A CON!ERS"O DO DIA#O $ por Leonid Andreie%
6 %uem no ama o bem '
Bma ve$, um diabo, ;á entrado em anos e a quem tinham apelidado, no inferno,
de :arigo, sentiu, inesperadamente, certa inclina-o à virtude. Fntregara6se na sua
mocidade, como todos os diabos, a insignificantes proe$as diab!licas, mas, com a
idade, ;á um tanto cansado do seu oficio, tornara6se comedido..
Fmbora go$asse de !tima saCde, os e,cessos ;uvenis quebraram6lhe um pouco
as for-as e ele no sentia entusiasmo algum pelas tolices da mocidade. =ada ve$
sentia mais acentuada propenso para a ordem 1virtude esta muito comum entre os
diabos9I dotado de espírito firme e esclarecido, embora um tanto metafísico, gostava
de filosofar.
.cabou por perder a fé na perfei-o do inferno e nos costumes diab!licos.
Fnfadava6se principalmente nos dias festivos, quando no tinha nenhuma tarefa a
desempenhar e no sabia como matar o tempo, tanto mais que era celibatário. *ara
lutar contra essa situa-o que tanto lhe perturbava o espírito, entregou6se ao trabalho,
mudando várias ve$es de ofício. +e inicio, instalou6se como diabo tentador em uma
igre;inha cat!lica de <loren-a.
.li, segundo suas pr!prias palavras, saboreou pela primeira ve$ o repouso de
espírito.
.li, também principiou sua converso.
. igre;a, era muito pequena, e ele tinha pouco trabalho. .s míseras velhacadas
que tanto agradavam que diabos ;ovens 6 apagar as velas, fa$er com que o sacristo
trope-asse ou que as velhinhas, enquanto rogavam a +eus, pensassem coisas
escabrosas 6 no o agradavamI ao contrário, chegavam a lhe causar engulhos. %uanto
às tataranhadas importantes, no se oferecia oportunidade para elas.
Jodos os paroquianos eram pessoas modestas, que dificilmente se dei,avam
tentar. :em ouro, que nunca haviam vistoI nem o amor passional, que ;amais
conheceramI nem os orgulhosos sonhos de ambi-o, completamente estranhos a sua
nature$a, podiam turvar a pa$ de suas almas superficiais, ra$o pela qual todos os
esfor-os do diabo eram inCteis.
%uanto aos pecados insignificantes, os fieis entregavam6se a eles de6per6si,
sem necessidade de serem tentados pelo diabo, e este no precisava quebrar a cabe-a
para inventar coisa alguma, mesmo porque o numero dos pequenos pecados muito
redu$ido.
. principio quis tentar o pároco em pessoa, mas todas suas tentativas
fracassaramI o pároco era um velho ;á desdentado, um tanto volvido a inf"ncia
novamente, e puro como uma don$ela. @omente conseguia fa$e6lo esquecer, algumas
tardes, as palavras de sua ora-o, substituindo6as por outras, ou comer carne nos dias
de ;e;um, ou ent)o dormir até muito tarde, faltando a missa da madrugada. Mas o
diabo sentia muito bem que tudo isso no passava de pecadilhos e,teriores e que
semelhantes meios no bastam para a perdi-o da alma de um crente.
*ouco a pouco come-ou a cansar6se do seu oficio, pondo no trabalho cada ve$
mais indiferen-a ou formalismo.
*or descargo de consciência, ocasionalmente contava, a alguma velha
a;oelhada diante da Kirgem, uma anedota escabrosa, cuspia duas ou três ve$es num
canto da igre;a, ou fa$ia com que o velho sacerdote confundisse as palavras da missa
sempre no mesmo ponto. +epois de haver cumprido o seu dever, apressava6se a
sentar no se lugar favorito, a sombra de uma coluna, para acompanhar,
devotadamente, num breviário furtado, as palavras do santo oficio. Mas esse
passatempo, embora agradável, era contrario a nature$a ativa do diabo.
*ara no permanecer ocioso come-ou paulatinamente a trabalhar. Jornou6se,
por vontade pr!pria, uma espécie de sacristo6a;udante, da igre;a. Karria6a de manha,
limpava o metal das portas, ativava os candeeiro durante a missa e, ;unto aos demais
paroquianos, acompanhava o coro, cantando em vo$ de falsete o LOra pro nobis.L
@e lhe acontecia entrar na igre;a pela porta da rua, molhava suas garras na
água benta, ben$endo6se com ela. %uando todos os crentes se acercavam do pároco
para que os aben-oasse, acompanhava a multido, atropelando as pessoas, conforme
seus hábitos diab!licos.
+urante as raras visitas ao inferno, onde precisava apresentar informes acerca
de suas atividades 1os quais, por sua ve$, eram arqui6falsos, como todos os informes
dos diabos de @atanás9, nosso diabo sentia aumentar cada ve$ mais seu asco pelo
inferno, e por seus costumes, sua barulheira infernal, sua su;eira e desordem. .s
bru,as gritadeiras, que antigamente lhe pareciam to cativantes e belas, no lhe
inspiravam agora seno aversoI se divertia prendendo6lhes as vassouras com a porta,
observando depois o terror e as torturas dessas desventuradas, que procuravam
inutilmente livrar suas vassouras de tal aperto. :o inferno todo o mundo mentia e re6
mentia sem cessarI cada palavra era um embuste. @atanás mentia mais do que todos
;untosI e o nosso diabo, que ;á havia perdidos hábitos do ambiente, sentia6se enfermo,
ansioso por sair dali, para respirar um pouco.
.p!s uma de suas visitas ao inferno, voltou com particular satisfa-o à
tranqMila igre;inha e durante dois dias e duas noites dormiu como um ;usto atrás da
coluna. %uando despertou, disfar-ou6se de homem, dirigindo6se ao confessionário,
onde se achava o.pároco, pois era hora das confiss#es.
O velho sacerdote ficou estupefato. quando este senhor desconhecido, ;á idoso,
de e,presso triste e aborrecida, nari$ grande, lábios finos e enrugados, apresentou6se
como diabo. Mas este lhe ;urou, e o sacerdote acabou por acreditá6lo. =om curiosidade
perfeitamente infantil, p)s6sé a interroga6lo sobre as coisas do inferno.
O diabo, porém, no mostrou dese;o de querer falar nelas.
6 .i A meu padre. .quilo no é viverI é um verdadeiro inferno . . .
6 &em, mas onde esto os teus cornos e os teus cascos ' 6 perguntou o padre,
curiosamente. 6 F para que vieste aqui ' *ara, tentar6me, ou para arrepender6te ' @e
;ulgas que me tentas, previno6te de que no o conseguiras.
F com um sorriso levemente ir)nico acrescentou:
6 Fu, meu caro senhor no me dei,o tentar A
6 *ois apesar de tudo., logrei fa$e6lo cair em tenta-o muitas ve$es. Necorda6se
da carne que comeu no ultimo dia de ;e;um '
6 %ue carne '
6 <a$ ho;e quin$e dias. 6 O sacerdote ficou inquieto.
6 Fnto, foste tu quem me sugeriste essa idéia pecadora ' .i meu +eus A Kai6te
. . . vai6te . . . :o te quero ver mais A *#e teus cornos na cabe-a, vai6te . . . @e no
fi$eres, chamarei o sacristo.
6 Kim para arrepender6me ... e o senhor me escorra-a A 6 e,clamou tristemente
o diabo. 6 :o entanto, esta escrito no Fvangelho que se uma ovelha desgarrada . . .
6 Mas, conheces tu o Fvangelho ' 6 perguntou o assombrado sacerdote.
6 O senhor pode e,aminar6me 6 respondeu orgulhosamente o diabo.
6 >mpossível A
6 >nterrogue6me e vera.
6 Fis uma surpresa A Kamos a minha casaI ali te e,aminarei. :o convém que
continues neste santo lugar. . . %ue coisa to e,traordinária A Bm diabo que conhece o
Fvangelho A . Kamos para casa A . . .
+urante toda a noite o pároco, em sua casa, e,aminou o.diabo e cada ve$ mais
se assombrava.
6 Ju es um verdadeiro sábio em quest#es religiosas A Nealmente A 6 *orventura
as estudaste '
6 Bm pouco 6 respondeu modestamente o diabo. .pesar dessa modéstia,
conservava sua dignidadeI no se humilhavaI nem mostrava demasiada afeta-o.
Kia6se logo que era um diabo sério, ponderado e ;udicioso. :o se orgulhava
dos seus conhecimentos, e por isso agradava mais ainda ao velho sacerdote.
6 .final, 6 perguntou6lhe o padre 6 o que dese;as '
6 .final, 6 perguntou6lhe o padre, 6 que dese;as '
Fnto o diabo caiu de ;oelhos, e,clamando:
6 Fnsine6me, meu padre, a praticar a virtude. @into grande dese;o disso. Fu no
posso viver sem praticar a virtude, porem no sei como fa$e6lo. %uanto ao @atanás e a
todos os misteres diab!licos, renuncio a eles para sempre.
F, com o fito de confirmar suas palavras, o diabo cuspiu desdenhosamente três
ve$es seguidas.
O pároco, ento, bateu amigavelmente no ombro do diaboI este afastou6se um
pouco, pois no lhe agradava que o tratassem com demasiada familiaridade e
perguntou insistentemente e com melanc!lica entona-o na vo$:
6 Meu padre, vai o @enhor ensinar6me a praticar a virtude '
6 Oá o veremos A .ntes de mais nada, é preciso come-ar ler as obras dos
@antos. Ju conheces bem a &íblia, mas isso s! no basta . . . Kai passear um
pouco . . . Fnquanto passeias, far6te6ei uma lista do que deves ler.
6 Ouve, meu amigo. .. Fstas sempre assim '
6 %ue di$ o senhor '
6 <alo da tua aparência . . . Jens um aspecto estranho . . . +ir6se6ia que comes
pouco e te entregas sempre a tristes refle,#es . . . Ou talve$ no este;as sempre assim
A . . . @e podes tomar outra forma, mostra6me . . . embora se;a eu velho, nunca vi
outros diabos . . .
Mas o diabo no lhe quis di$er a verdade.
6 :o A Fstou sempre assim 6 foi a resposta.
6 Kerdade ' . . . Janto melhor . . . *ois olha: vai dar uma volta$inha, enquanto
eu trabalho para o teu bem . . . embora tivesse dito que es sábio, na realidade, meu
amigo, ainda te falta muito . . . muito . . .
6 O que mais me interessa e aprender a praticar a virtude. Fnsinar6me6a o
senhor '
6 @im, sim . . . 6 disse o velho sacerdote, tranqMili$ando6o. 6 0eras muitos livros
e aprenderas tudo . . . :o tenhas medo . . .
+urante dois anos o diabo estudou de cabo a rabo todos os livros que o
sacerdote lhe dera, esfor-ando6se por encontrar neles resposta à pergunta que o
perturbava: :o que consiste bem e como fa$ê6lo para que no se transforme no mal'
/á muito tempo que conhecia a língua hebraica e agora estudou também o
grego, para poder ler os livros religiosos no tradu$idos, no pr!prio original. =omparou
os te,tos, procurando os erros que tinham escapado aos outros, fe$ vários
descobrimentos e chegou mesmo a criar novos esquemas religiosos.
=om tudo isso a saCde do nosso abnegado diabo come-ou a ressentir6se
sensivelmente. Fmagreceu e, apesar de tudo, no p)de encontrar resposta ao
problema que tanto o preocupava. .cabou por desesperar6se.
.o fim de dois longos anos de sofrimento e trabalhos, apresentou6se em casa
do sacerdote. +espertando6o em plena noite, gritou6lhe:
6 @alva6me, meu padre A
6 Kamos vamos A. O que aconteceu ' 6 perguntou o sacerdote espantado. 6 %ue
te sucede agora '
6 0i todos os seus livros e continuo to ignorante como antes a respeito de tudo
que se refere ao bem. @alva6me, meu padre A Fu no posso viver assim A
6 Fstá certo de que lestes todos os livros' Jens to pouca paciência '
6 Jodos, meu padre A .gora mesmo terminei o ultimo. +esgra-adamente,
paramim, tenho um espírito curioso, diab!lico e incapa$ de suportar contradi-#es, e os
seus livros esto cheios delas . . .
O sacerdote, moveu a cabe-a num gesto de reprova-o.
6 >sso é mau A . . . muito mau . . . Fm ve$ de crer, no fa$es outra coisa seno
criticar e procurar contradi-#es. @atanás te incita a isso.
6 %ue posso fa$er ' :o posso ser de outra maneira. :o encontro nesses livros
seno contradi-#es. +e um lado, tudo é proibido de outro, tudo é permitidoI o que é
bom segundo um livro, torna6se mau noutro. *or e,emplo: para come-ar dignamente
uma nova vida, tinha a inten-o de me casar com uma mulher honrada, afim de
praticar o bem ao seu lado. Mas depois de ter lido todos esses livros, ;á no sei se o
matrimonio é um bem ou é um mal.
6 .quele que se sente capa$ . . .
6 :o se trata disso. O senhor, por e,emplo, celibatário, como todos os
sacerdotes cat!licos, que consideram o matrimonio como um pecado mortal. :o
entanto, os antigos patriarcas, que eram to santos como os senhores, possuíram
mulher, e ate muitas mulheres cada um. @e @o Ooaquim no se tivesse casado, no
teria aquela filha, que era uma santa também . . .
6 =ala6te, pecador A . . . ( realmente perigoso falar contigo. Obriga6nos a
incorrer em heresias . . . @e te parece bem, casa6te.
6 :o é isto que espero do senhor.
6 %ue esperas ento '
6 *reciso de uma resposta que me possa servir sempre, para todos os casos da
vida, que encerre em si nenhuma contradi-o, e que me indique como devo proceder
para no cometer erros. >sso e o que necessito. %uanto ao matrimonio, como no
tenho pressa, esperarei um pouco. Fntretanto, meu padre, reflita. =oncedo6lhe o pra$o
de sete dias. @e, transcorrido este pra$o, o senhor no me puder dar uma resposta
clara e decisiva, voltarei ao inferno, e o senhor no me vera nunca mais.
Fstava furioso o pobre diabo A =omo se apai,onara pela causa do bem A
O velho sacerdote, compreendendo seu estado de alma, no se $angou ao ouvir
suas grosseiras palavras e come-ou a refletir. Nefletiu seis dias seguidos.
:o sétimo, chamou o diabo, di$endo6lhe:
6Fs um diabo inteligente e, no entanto, ao leres os livros, escapou6te uma coisa
muito importante. Olha aqui: vê o que esta escrito: L.ma a teu pr!,imo como a ti
mesmoL. &em vês que no pode ser mais claro. .ma. . isto se redu$ tudo.
O sacerdote tinha um ar triunfal.
Mas o diabo no parecia nem um pouco entusiasmado, e respondeu:
6 :o A >sso no está claro. *ara provar o amor do pr!,imo, é preciso fa$er6lhe
algum bemI mas como ignoro em que consiste o bem, posso fa$er6lhe algum mal,
algum grande mal, até mesmo arremessa6lo ao inferno. .lém disso, no é nada difícil
isso de di$er que devemos amar ao pr!,imo como a n!s mesmos . . .
6 =omo és e,igente A *ois bem: ama o teu pr!,imo simplesmente, e no como
a ti mesmo. Fnto compreenderás tudo, principiarás a praticar o bem, sem nenhum
esfor-o de tua parte.
6 .mar ' =omo se isto fosse to fácil A ( precisamente o que no posso fa$er.
+e que maneira quer o senhor que um diabo ame ' =ompreenda6me padre, que sendo
diabo por nature$a, no posso me sentir como um an;oI mas ao mesmo tempo no
quero fa$er mal, antes, ao contrário, pretendo somente fa$er o bem. >sto é o que
dese;o que o senhor me ensine.
O sacerdote respondeu6lhe tristemente:
6 *or desgra-a, por causa da tua nature$a, tu possues uma alma abominável.
6 =laro A 6 confirmou o diabo. 6 *or isso quero lutar contra minhas inclina-#es
naturais. :o quero ser condenado ao inferno para toda a eternidade, pois aspiro ao
céu, como os an;os. Fspero que os an;os no se;am os Cnicos candidatos ao céu, no é
verdade ' . . . *reciso que o senhor me a;ude. =oncedo6lhe, novamente, um pra$o de
sete dias. @e no encontrar o senhor nenhum meio de salvar6me, acabou6se. >rei para
o inferno A
*assaram6se outra ve$ os sete dias.
O sacerdote chamou novamente o diabo e lhe disse:
6 +epois de largas refle,#es, encontrei para ti dois preceitos muito práticos.
Fspero que no tenhas nenhuma dificuldade em adota6los. Fstá escrito no Fvangelho:
L@e te pedem a camisa, dá6a, embora no tenhas outra.L Outro preceito ordena: L@e
te do uma bofetada na face direita, oferece igualmente a esquerda.L @egue estes
mandamentos. @erá a tua primeira prova. 0ogo veremos o resultado. /ás de convir
que é muito simples A
O diabo refletiu um pouco, sorrindo, depois, alegremente:
6 >sto sim A .gora ;á sei o que é o bem. :o sei como lhe agradecer . . .
Jranscorreram outras duas semanas.
O velho sacerdote estava certo de que havia encontrado o meio de salvar a
alma do diabo. Mas logo este voltou a sua casa. Mostrava6se mais triste do que nunca:
estava com o rosto cheio de manchas de sangue e de cicatri$es. &rilhava no seu corpo
escuro uma camisa complemente nova.
6 >sto no dá resultado A 6 declarou com vo$ pesarosa A
6 %ue di$es ' %ue te aconteceu ' 6 perguntou assustado o sacerdote 6 é de se
acreditar que brigaste com alguém. Olha teu nari$ . . . F teus olhos ' . . . .i A meu
+eus A Jinhas a inten-o de praticar o bem e, ao invés, te entregaste a brigas . . . Ou
será que alguém te feriu '
6 :o A O caso é que eu briguei.
6 Mas, como ' :o te havia dito: L@e alguém te dá uma bofetada na face
direita, oferece igualmente a esquerda 'L :o te recordas '
6 @im, recordo6mo perfeitamente. Fstive durante quin$e dias, passeando pela
cidade, à procura de alguém que me esbofeteasse, mas como ninguém o fe$, me vi na
impossibilidade de cumprir o santo preceito.
6 Mas no disseste que andaste a brigar '
6 >sto é outro caso. Jive uma disputa com certo senhorI ele me deu uma
bengala na cabe-a. :aturalmente eu lhe devolvi a pancada. . discusso acabou numa
verdadeira batalha. @em me ufanar disso, devo informar ao senhor que ele no foi sem
uma lembran-a minha: quebrei6lhe duas costelas.
O velho sacerdote fe$ um gesto de desespera-o:
6 Mas, homem A Fu te havia dito L@e te esbofeteiam a face direita . . . Mas o
diabo o interrompeu, gritando:
6 Fu digo ao senhor que no me deram na cara, mas na cabe-a. @e se tratasse
do rosto, teria sabido como fa$er . . .
O pobre sacerdote ficou completamente desnorteado. .final, depois de um largo
silêncio, disse ao diabo:
6 .i meu +eus A =omo és estCpido A Peralmente mostras grande habilidade, e
até mesmo regular erudi-o, mas no que se refere ao conceito do bem, qualquer um o
entende melhor. =omo no compreendeste que as palavras do Fvangelho devem ser
interpretadas num sentido mais amplo '
6 :o entanto, o senhor mesmo disse que no se deve interpretar os santos
preceitos, e sim cumpri6los ao pé da letra A..
6 Ju és um desgra-ado A %ue vou fa$er agora contigo ' :o posso seguir6te por
toda a parte, para acautelar6te sobre os erros . . . ( preferível que no saias à rua . . .
F que quer di$er esta camisa nova ' Panhas6te6a, de presente '
6 %ual A =omprei6a para dar ao primeiro que ma pedisse. +urante quin$e dias
estive passeando pela cidade, entre os pobres. *ediram6me tudo que o senhor possa
imaginar, menos a camisa. *rovavelmente ignoram o caminho do bem . . .
6 +esgra-ado A Mil ve$es desgra-ado A 6 e,clamou furioso o sacerdote. 6 Mas
no acabaste de di$er que te pediram muitas coisas '
6 @im.
6 *ediram6te, por e,emplo, po ' 6 @im.
6 F no lhes deste '
6 :o. Fsperava que me pedissem a camisa . . . Ke;a, meu padre, que no fa-o
seno asneiras. :o me repreenda o senhor, se me engano ao procurar o caminho do
bem. %uero encontra6lo, custe o que custar. *or algum motivo renunciei ao inferno,
como a todos os seus pra$eres. *or algum motivo passei, durante dois anos, os dias e
as noites sobre os livros, devorando6os. .gora ve;o que no e,iste salva-o para mim .
. .
6 Fspera . . . e no te desesperes. Kou ensinar6te ainda umas tantas coisas . . .
+i$6me, porémI por que deu aquele homem uma bengalada na tua cabe-a ' Jalve$
se;as uma vitima inocente e, nesse caso, uma parte dos teus pecados poderá ser
perdoada.
O diabo fe$ um ar de dCvida.
6 :em eu mesmo o sei. .ntes, também acreditava ser uma vítima inocente,
mas agora ;á no sei mais nada. . coisa ocorreu da seguinte forma: depois de longos
passeios pela cidade, cansado e desesperado, mas ainda cheio do mais ardente dese;o
de fa$er o bem, sentei6me margem do rio .rno, para descansar um pouco e restaurar
as for-as. +e repente vi que um homem se afogava no rio. :os seus esfor-os
desesperados para se salvar, chegou muitas ve$es perto de mim.
6 F tu, infeli$ '
6 Fu ' =ontemplei6o, perguntando a mim mesmo como era possível que ele se
mantivesse à tona da água quando, segundo todas as leis da física, ele ;á devia ter6se
afogado. Fnquanto assim refletia, acudiu uma por-o de gente, atraída pelos seus
gritos. @e o senhor quer saber a verdade, no foi um s! que me bateu, mas inCmeros .
. .
Jriste e abatido, cheio de feridas e cicatri$es, o diabo permaneceu de pé ante o
sacerdote.
Fste contemplava6o atentamente, com ar pensativo.
+epois suspirou e, apro,imando6se dele, atraiu6o para perto de si, bei;ando6lhe
a fronte. .o fa$er isso, percebeu que a cabe-a do diabo estava coberta de sangue
seco.
5 diabo, depois de haver recebido o bei;o, disse com vo$ assustadaI
6 Jenho medo, meu padre. Ki no inferno horrores sem nome, mas ;amais me
senti to perturbado e inquieto como agora. :o há nada mais terrível do que aspirar
apai,onadamente o bem e no saber como ele é. :o consigo compreender como
podem viver as pessoas na terra, ignorando o que é o bem. =om todo o meu cora-o,
tenho piedade delas A
6 Kivem, apesar de tudo, respondeu o sacerdote. 6 Bns, como animais, sem se
preocuparem com estes graves problemasI outros procuram, como tu, o caminho do
bem e da virtude, e sofrem porque no conseguem encontra6lo. Outros, ainda, crendo
haverem encontrado o bom caminho, inventam preceitos saudáveis e vivem
perfeitamente com eles.
6 F essa gente se salva ' 6 perguntou o diabo, desconfiado.
6 @! +eus o sabe A >sto vai alem dos nossos conhecimentos . . . %uanto a ti,
no te desesperes. Fu no te abandonarei, e te ensinarei ainda algumas coisas
mais.:o me faltara tempo nem paciência para tanto. Ju es um diabo muito impulsivo,
mas no se deve perder a esperan-a. .gora, vai lavar as feridas da cabe-a.
.ssim terminou a conversa entre o diabo e o sacerdote.
.mbos ignoravam que, precisamente no momento de bei;ar o sacerdote a
fronte abominável do diabo, ao mesmo tempo que este, por sua ve$, se compadecia
dos que desconheciam o bem, se reali$a esse mesmo bem, que eles inutilmente
buscavam.
@epararam6se. O sacerdote foi a procura de novos caminhos que condu$issem
ao bem. O diabo encerrou6se na igre;a, atras das empoeiradas colunas, para ali se
restabelecer dos ferimentos, e esfor-ar6se por compreender os grandes e misteriosos
problemas do bem e do mal.
O sacerdote come-ou, novamente, a ensinar o bem ao d!cil diabo. >sto, porem,
foi a causa de uma nova série de aborrecimentos para ambos. +ava o bom padre a seu
discípulo ensinamentos pormenori$ados para as diferentes circunstancias da vida, e
tudo caminhava bem enquanto estas se apresentavam ;ustamente sob o mesmo
aspecto, e na mesma ordem prevista pelo professor. O diabo e,ecutava, no s!
$elosamente, mas com abnega-o, tudo quanto lhe era ordenado, dando provas de
uma vontade de ferro. :o obstante, o débil engenho humano no podia prever todas
as complica-#es da vida, e ele se enganava a cada instante, procedendo bem num
caso e portando6se mal noutro.
@e um pobre lhe pedia alguma coisa de forma no prevista pelo sacerdote,
negava6o. Fram to freqMentes estes casos, que o pr!prio sacerdote principiava a
desanimar6se. :o suspeitava que a vida tivesse tantos e to variados aspectos, nem
que escondesse em si tantos e to obscuros mistérios, e tantos e to inesperados
problemas.
L+e onde provem tudo isto 'L 6 pensava quebrando a cabe-a, enquanto o diabo,
sentado atras de uma coluna da igre;a, curava as feridas, soltando suspiros dolorosos,
e sem nada compreender.
:o s! o diabo, mas também o servo de +eus no conseguia compreender
nada daquilo.
F o velho padre continuava pensando: Lno haverá mais remédio a no ser que
lhe permita comentar os preceitos, embora se;a um tanto perigoso. Fnsinar6lhe6ei as
leis gerais, e ele que as comente depois tratando de adapta6las as circunstancias.L
=om suma docilidade o diabo se aveio com este novo sistema.
@entia6se alquebrado, quase sem energias, mas estava pronto a todos os
sacrifícios. .té ento todos os seus sacrifícios no lhe haviam servido para nada.
&atiam6lhe tanto, que s! isto bastaria para fa$er dele um mártirI mas em ve$ de
acontecer isso, as pancadas no fa$iam mais do que sobrecarrega6lo de novos
pecados, pois os que lhe batiam tinham sobradas ra$oes para se enfurecerem contra
ele.
.lias, ele mesmo o reconhecia, assim como o sacerdote que o protegia. O pobre
diabo, que ;amais vira uma s! lagrima, aprendeu ate a chorar. =horava tanto, que
somente por suas lagrimas e por seu fervoroso dese;o de encontrar o caminho do bem
merecia ser inscrito no numero dos santos.
%uando o sacerdote anunciou ao diabo que daquela data em diante lhe seria
dado comentar os preceitos e adapta6los a vida real, tal como os compreendia, ele
sentiu6se cheio de alegria e foi com certo orgulho que declarou :
6 .gora, meu padre, o senhor pode ficar tranqMilo a meu respeito. Oá que o
senhor permite que eu comente os preceitos, no farei mais tolices. Jenho espírito
firme e idéias positivasI há muito tempo que no bebo álcool, e estou certo de no
mais me enganar. @omente lhe pe-o que no me oculte nada. +iga6me qual a lei mais
importante e mais grave da vida. *rincipiaremos por esta e depois o senhor me
ensinara as outras.
O velho sacerdote p)s6se a procurar na sua mem!ria e a consultar tudo quanto
havia lido e aprendido durante a sua vida. +epois soltou um suspiro de consolo e
disse:
6 F,iste uma lei como a que tu queres, mas tenho medo de revela6la, pois é
perigosa. Jenho, porem, confian-a na a;uda de +eus. *resta aten-o para no
cometeres nenhum erro. Olha A . . . F abrindo um livro sagrado, o sacerdote mostrou
ao diabo estas palavras, grandes e misteriosas: Q Q Q :RO JF O*O:/.@ .O M.0 Q Q Q
.o ver estas terríveis palavras, o diabo ficou assustadissimo, perdendo todo o
seu habitual orgulho:
6 Jenho medo, meu padre disse ele. Fstou quase certo de cometer erros com
isto.
O sacerdote também estava assustado. F ambos, o servo de +eus e o de @at,
cheios de terror, se contemplavam reciprocamente.
6 .pesar de tudo, e,perimenta A 6 disse, por fim, o padre. 6 5 que há de bom
nesta lei é que tu mesmo no deveras fa$er nada, sem dei,ar os demais fa$erem
contigo o que bem quiserem. *ermita6lhes procederem a vontade e submete6te
repetindo sempre esta frase: L*erdoai6os, +eus Onipotente, porque no sabem o que
fa$em.L 6 Fstas palavras so importantíssimas. :o as esque-a A
5 diabo se foi, novamente, a procura do caminho do bem.
*assaram6se dois meses sem que aparecesse.
+urante esse tempo o velho cura esperava o ansiosamente, a todo momento.
<inalmente ele regressou.
/avia emagrecido horrivelmente e todo ele era apenas ossos. Fstava faminto e
sedento. Judo quanto possuía lhe havia sido arrebatado. Fstava todo coberto de
cicatri$es.
O velho sacerdote sentiu certa alegria: tudo testemunhava que seu discípulo
no se havia oposto ao mal. :o entanto, impressionava6o dolorosamente a e,presso
de temor e de angustia que se lia nos olhos do diabo. Fste, respirando com dificuldade
e escarrando sangue, olhou para o velhinho, a quem amava com todo o coraro e a
velha igre;a, onde encontrara um refugio sossegado e desandou a chorar,
perdidamente. O sacerdote p)s6se a chorar também adivinhando que sucedera
qualquer coisa de muito grave.
6 Kamos A =onta6me os erros que acaso cometeste.
6 :o cometi nenhum 6 respondeu tristemente o diabo. 6 *rocedi de acordo com
a lei que o senhor me ensinou sem me opor ao mal.
6 Fnto, por que choras, fa$endo6me também chorar '
6 .h A, meu padre A .ntigamente no sofria, mas agora sofro
infinitamente.Jalve$ o que fi$, seguindo suas indica-#es, se;a verdadeiramente o bem,
mas por que no me causa ele nenhuma alegria ' F impossível que aquele que
pratique o bem, no sinta alegria de espécie alguma. @e o senhor soubesse quanto eu
sofro A @ente6se, e lhe contarei tudo. O senhor mesmo vera onde esta o bem e o que
tenho feito.
F o diabo contou minuciosamente como o haviam perseguido, batido, saqueado
e maltratado. Fis aqui o que lhe acontecera por ultimo :
6 .chava6me deitado, meu padre, atras de uma grande pedra a beira da
estrada e vi a apro,ima-o de dois bandidos. +o outro lado da estrada e na mesma
dire-o, vinha uma mulher com um embrulho nos bra-os que parecia de valor.
Os bandidos correram para ela e gritaram: L+a6nos isso AL Mas a mulher negou6
se. Fnto um dos bandidos tirou sua espada . . .
6 F o que fe$ ' 6 e,clamou, com vo$ comovida, o sacerdote.
6 <eriu com ela a infeli$ mulher, partindo6lhe a cabe-a. Fla caiu, ;untamente
com o precioso fardo que levava nos bra-os. %uando os bandidos o abriram viram que.
o tesouro da assassinada era uma crian-a. Os bandidos puseram6se a rir e um deles, o
que estava com a espada, segurou a crian-a por uma das perninha, al-ou6a no ar
e . . .
6 =omo' 6 perguntou, trêmulo, o sacerdote.
6 . . . atirou6a contra as pedras . . .
O sacerdote se p)s a gritar:
6 Mas tu, tu ' . . . :o fi$este nada para defender a me e o filho '
+F@PN.S.+O A =OMO :RO .J.=.@JF O@ &.:+>+O@ ''
6 =om o que ' .ntes do acontecido me haviam roubado até meu basto, Cnica
arma que possuía.
6 Kamos ver A . . . Bma ve$ que tu és diabo, deves ter cornos... +evia ataca6los
com os teus cornos A :a tua qualidade de diabo, podias haver encontrado um meio de
lutar contra eles.
6 5 senhor se esquece, meu padre, que está escrito: :RO JF O*O:/.@ .O M.0
'
Neinou um demorado silêncio. +epois o sacerdote pálido como um cadáver, caiu
de ;oelhos, e disse cheio de remiso:
6 . culpa é minha A :o foste tu, nem foram os bandidos quem assassinou a
me e o filho. O assassino fui eu . . . Fspera um pouco meu amigo: vou rogar a +eus
que perdoe nossos pecados.
. ora-o durou muito tempo, tanto, que o diabo dormiu.
O sacerdote o despertou di$endo6lhe:
6 Fstas grandes palavras no so para n!s. Fm geral, no se necessitam
palavras, nem leis. Ke;o bem claro, que alguma ve$es é preciso odiar. Fm algumas
ocasi#es convém dei,ar6se bater, mas há circunst"ncias em que se torna necessário
maltratar os demais. Fste é o verdadeiro sentido do bem A
6 :esse caso estou perdido 6 disse resolutamente o diabo, com uma triste
entona-o na vo$. 6 O senhor pode fa$er por seu lado o que lhe agradeI a mim,
porém, dê6me leis para seguir.
6 :ada mais posso fa$er A *ara que te enganes outra ve$ e me fa-as pecar '
:o, meu amigoI basta. .cabaram6se as regras A Oá no e,istem mais regras que
valham A
O diabo ficou furioso.
6 Mas se no e,istem regras é que tampouco e,iste o bem'
6 =omo ' :o e,iste o bem ' Fnto, no é o bem isto de ocupar6me de ti há
tanto tempo '. Kai6te A (s um ingrato A
Mas o diabo, que parecia sumir6se no mais profundo desespero, replicou:
6 O que o senhor me ensinou é bem pouca coisa. :o tem do que se ufanar.
6 ( difícil ensinar o diabo.
6 @e o senhor no possui for-as para ensinar o diabo, é porquê o seu bem vale
muito pouco.
6 =ala6te, desgra-ado, ou te porei na rua.
6 <a-a6o. :o me restará outro remédio seno voltar ao inferno.
Neinou novamente o silêncio. +epois o diabo disse:
6 /ei de regressar, por for-a, ao inferno, meu padre'
@ua vo$ era to triste e comovida, que o sacerdote se condoeu e, com um gesto
de ami$ade, lhe falou:
6 *erdoa6me que te ha;a ofendido, meu amigo. %uanto ao problema do bem,
vou fa$er6te uma pergunta: tu és um diabo curioso de saber tudoI provavelmente
visitaste inCmeros templos e museus e viste muitas obras de arte. +i$e6me:
agradaram6te'
O diabo refletiu um pouco, e respondeu:
6 Bmas sim, outras no.
6 Mas o que apreciaste foi por sua bele$a, no é verdade'
6 :aturalmente.
6 F ouviste falar que e,istem leis para a bele$a '
6 @im, muito ;á se escreveu sobre isso.
6 Muito bem. @uponhamos, agora, que aprendeste essas leis. *oderias criar algo
de belo '
6 :o basta conhecer as leisI necessita6se também ter talento e isso me falta.
6 Fis ai A Mas ento, por que, ! animal, pretendes praticar o bem, sem talento
para ele ' Nequer6se mais talento para o bem do que para a bele$a. O bem e,ige um
enorme talento.
O diabo contemplava, com grande assombro, o sacerdote.
6 Ttima saída A 6 disse. 6 O senhor e,agera, meu padre. @e eu pinto um mau
quadro, no me mandaro, por esse crime, ao inferno, ao passo que se quebro a
cabe-a a meu pr!,imo, ;á no será a mesma coisa. .lem disso, ninguém me obriga a
pintar quadros. :o entanto, e,iste a obriga-o moral de fa$er o bem. Mandam fa$e6lo
e no indicam de que maneira . . . F se alguém se engana, ainda o castigam.
6 :o te di$ia eu que para fa$er o bem é preciso talento '
6 F no caso de no o possuir, devo sofrer eternamente as penas infernais, no e
isso '
O sacerdote fe$ um gesto desesperado di$endo:
6 :o sei, meu amigo. *erdi a cabe-a, falando contigo.
6 *ois no me fale mais do talento. +e6me regras ou leis. +ese;o fa$er o bem e
o seu dever é ensinar6me como devo fa$e6lo. +o contrario. . .
Fstava to enfurecido, que amea-ou ir a casa de outro sacerdote.
O velho pároco sentiu6se ofendido, e disse num tom de censura:
6 *ortas6te mal, muito mal comigo. @ofri em tua companhia, esperei tra$er6te
ao bom caminho como a ovelha desgarrada, principiei a querer6te como a um filho e tu
pretendes agora me atrai-oar. Fu também tenho amor pr!prio e no é ;usto que o
firas. @e no te parece mal, em lugar dessas regras gerais, perigosas no somente
para um diabo mas também para um homem, vou tra-ar6te uma linha, de
procedimento, a que deves te submeter6te6ter todos os dias. Jenho muito tempo de
sobra, e come-arei a trabalhar imediatamente. <arei, para ti, uma espécie de agenda
para todo o anoI nela encontraras tudo quanto deves fa$er diariamente . . . Mas no
deveras te afastar um milímetro sequer do que estiver escrito nela. =aso contrario,
cometeras novos erros. @e esqueceres alguma coisa, ou tiveres duvida a prop!sito de
qualquer detalhe, melhor será que nada facas, a e,por6te a novas desventuras. <echa
os olhos, tapa os ouvidos, :o te movas e fica sossegado, pois assim, pelo menos,
estarás livre de dar mau passo. /o;e mesmo principiarei a trabalhar e tu subiras no
alto da igre;a e permaneceras ali, quietinho. @e te aborreceres, au,ilia um pouco o
sineiro. O coitado ;á esta. velho e se esquece de tocar os sinos, muitas ve$es. Joca o,
pois, para a gloria de +eus A
O velho sacerdote entregou6se ao trabalho com afinco, enquanto o diabo
principiou a no fa$er nada. >nstalara6se num pequeno desvo situado na torre da
igre;a, entre os sinos, as cordas e os trastes velhos. Bma das paredes da torre tinha
na sua parte superior uma ;anelinha cheia de teias de aranha. =ada dois ou três dias.o
velho sacerdote levava ao diabo um pouco de comida, sentando6se um instante ao seu
lado, a fim de conversar com ele. O resto do tempo o diabo no via ninguém e no
fa$ia outra coisa seno refletir.
O sacerdote temia essas refle,#es, vendo nelas 6 e ra$o tinha ele 6 uma
espécie de a-o, impelindo6o a cerrar hermeticamente o espírito do diabo, no
dei,ando que ele pensasse em nada. Fste prometia obedecer6lhe, porem isso era mais
forte do que a sua vontade. Jornava6se dificílimo no pensar no que havia visto e
ouvido, no que consistia sua idéia fi,a, isto e, no bem. O bem possui tantas formas . . .
O pr!prio +eus di$ to depressa uma coisa como.outra A /a inumeráveis verdades que
se cru$am, entrechocam6se, batem6se umas contra as outras. *arece que se
contradi$em, mas na realidade no é assim. %ual é pois a Lverdade verdadeiraL ' Ou,
se todas so verdades, como distingui6las e encontrar a que possa servir melhor '
Jais pensamentos quase enlouqueciam o diabo inspirando6lhe mesmo certo
terror. *ermanecia, durante horas inteiras, im!vel no seu canto empoeirado, sem se
mover, sem respirar sequer.
6 %ue ha, meu amigo ' .borreceste ' perguntava6lhe o velho sacerdote ao
tra$er6lhe a comida. *aciência A :o deves fa$er nada A prosseguia ele. &reve
terminarei meu trabalho, e ento come-aras a viver. ( verdade que a minha saCde me
tra$ cada ve$ mais apreensivo, mas farei todo o esfor-o possível para concluir o
trabalho antes de minha morte. :o te posso dei,ar dessa maneira . . .
O diabo ouviu6o. :o entanto, pareceu no perceber coisa alguma, to absorto
estava em suas refle,#es.
6 =ontradi-#es por toda a parte A murmurou com os olhos cheios de espanto.
6 =omo ' e,clamou alarmado o sacerdote. Onde encontras tantas
contradi-#es ' .s contradi-#es no e,istem seno no espírito, que, sempre
descontente, procura a l!gica em tudo. O principal no é o espírito, mas a consciência.
>sto, porem, se se vive com a consciência tranqMila A
6 Mas, por acaso a consciência no é guiada pelo espírito ' O senhor, meu
padre, se contradi$.
6 Oh A santo +eus A =omo es difícil de te contentares A =ada conversa contigo
me fatiga enormemente e acabo com dor de cabe-a. +evo, no entanto, conserva6la
serena, pois, do contrario, no poderei acabar o trabalho que estou fa$endo. *ara di$er
a verdade, es um diabo muito desagradável l =onfessa6me, com franque$a se
obedeces e,atamente as minhas ordens .
6 Fm que '
6 <icas im!vel ' :o fa$es nada, absolutamente nada '
6 @im. Ontem matei uma mosca, to somente porque me aborrecia demasiado A
. . . no sei se é ou no permitido matar moscas . . .
6 Moscas '.. :aturalmente A . . . >sto, é espera um pouco. . . . Fstas vendo'
.gora, eu mesmo ignoro se pode ou no matar moscas. Prande acontecimento A .ntes
que me fi$esses tal pergunta, ;amais havia pensado nisso e, também eu, matava
moscas . . . .gora . . .
6 . mosca e um ser vivo 6 disse o diabo com triste acento.
6 %uem o duvida ' 6 respondeu comovido o sacerdote. 6 Fnto, também eu
matei seres vivos A %uo pecador sou A . . .
O diabo, que procurava solu-#es claras e precisas, perguntou6lhe:
6 Fm resumo, é licito ou no é licito matar moscas '
6 Moscas ' . . .
Jais palestras perturbavam os dois. .mbos acabavam confusos e, mirando6se
reciprocamente, com olhares estCpidos, no sabiam de que maneira prosseguir.
O sacerdote no levava muito a serio essas contradi-#esI de regresso a sua
casa, esquecia6se delas e punha6se, tranqMilamente, a trabalhar. Mas para o diabo elas
constituíam verdadeiro martírio. =heio de for-as diab!licas, capa$ de mover
montanhas, permanecia indeciso ante as moscas que o picavam e 6 como uma crian-a
6 no sabia de que modo portar6se com elas. =omo se as moscas compreendessem
seu estado de alma pareciam $ombar e ca-oar dele: $umbiam insolentemente ao redor
de sua cabe-a, metiam6se6lhe nas suas peludas orelhas, fa$iam cocega$inhas nos seus
lábios cerrados, assumiam posturas provocadoras, desafiavam6no . . .
O diabo havia odiado muito em sua vida, mas todos estes !dios no era nada
comparados ao !dio fero$ que nutria pelas débeis e insignificantes moscas . . .
O sacerdote estava cada ve$ mais fraco: a saCde declinava e as poucas forcas
diminuíram cada ve$ mais . . . @entia6se a todo o instante to cansado, que era
obrigado a se deitar um pouco.
/á três anos que o diabo estava encerrado no canto da torre da igre;a,
condenado a uma magoa absoluta, esperando pacientemente o programa do bem, que
o sacerdote lhe havia prometido. :o atormentava mais o professor com as suas
contradi-#esI suplicava6lhes somente, que concluísse quanto antes o seu trabalho.
6 .presse6se, meu padre A
6 :o tenhas medo, amigo A :o morrerei sem concluir minha obra. @egundo os
meus cálculos, ainda me restam seis meses de vida, pouco mais ou menos. @im,. seis
meses A Meu trabalho está quase terminado. =ontinua tranqMilo, e no percas o "nimo.
Kim precisamente para te anunciar uma boa notícia: ho;e vo queimar vivo um
herege. Kem comigo para assistir o espetáculo. >sto nos agradará, e nos divertirá um
pouco.
6 :o obstante, está escrito nas @antas Fscrituras: L:o matarásL 6 pensou o
diabo porém, no disse uma palavra ao sacerdote e aceitou gostosamente a proposta,
sobretudo porque se aborrecia terrivelmente na solido.
/á muito tempo ;á que estavam queimando o herege e o povo se divertia a
valer. O diabo e,perimentava, também, certa alegria, porque aquilo lhe recordava o
inferno. Mas lembrou6se, repentinamente, da mosca, a qual no se atreveu a matar, e
as contradi-#es come-aram, a desassossega6lo outra ve$ Olhou o velho sacerdote e
viu que este, mantendo6se de pé a custa de grandes sacrifícios, por causa de sua
debilidade, estava pálido de emo-oI tremiam6lhe as mos, nos seus olhos brilhavam
lágrimas de felicidade, e todo o seu semblante parecia. iluminado por uma divina
alegria.
:o inferno, os diabos queimavam, com freqMência, os pecadores, mas durante
essa opera-o seus rostos ;amais e,primiram to grande felicidade. <icou estonteado,
sem nada compreender. O sacerdote estava louco de alegria. Nego$i;ou6se tanto com o
espetáculo que, de regresso à casa, foi obrigado a se meter no leito, tal era a sua
emo-o.
O diabo no se p)de conter e entabulou conversa:
6 %uisera saber, meu padre, por que se rego$i;a o senhor desse modo.
6 *ois é muito natural: acabam de queimar um herege 6 respondeu o padre com
doce acento na vo$.
6 Fsquece o senhor que está escrito nas @antas. Fscrituras: L:o matarás 'L.
:o entanto, mataram um. homem, e o senhor se alegra A
6 :inguém o matou.
6 Mas se o queimaram A
6 =laro, meu amigo A %ueimaram6no, gra-as a +eus. Nevirou os olhos,
deliciado, e seu rosto e,pressou. uma beatitude to c"ndido e inocente, como a de
uma crian-a.
O diabo esfregava a fronte enrugada, com sua ampla e peluda garra, e
quebrava a cabe-a para e,plicar6se esta nova contradi-o. L:o entendo nada
pensava. 6 *rovavelmente tudo dependerá de como se fa-a o bem.L F, com o cora-o
opresso, resolveu ter paciência e esperar que o sacerdote concluísse o trabalho. Mas
no voltou ao seu cantinhoI permaneceu ;unto ao padre, como criado. @ervia6lhe a
comida, arran;ava6lhe o aposento, limpava6lhe a roupa e varria o solo.
6 Fm tudo isto 6 di$ia 6 no pode haver o menor pecado.
%uando o sacerdote, vencendo sua crescente debilidade, se assentava à mesa
para escrever, o diabo esticava o busto largo e musculoso, seguindo o trabalho com o
olhar, temeroso de que seu professor cometesse o menor erro.
.quele trabalho era a sua Cnica e ultima esperan-a.
.final, o manuscrito ficou pronto. . vida de seu autor parecia acabar6se com
ele. O sacerdote ;á no podia se levantar da camaI nela foi obrigado a escrever,
deitado, as ultimas linhas. Fram irregulares e pouco legíveis, mas tornaram6se as mais
queridas para o diabo, precisamente por serem as ultimas.
.;oelhado ante o sacerdote moribundo, o diabo recebeu de suas mos aquela
preciosa dádiva, e bei;ou com verdadeiro amor a mo esquelética que a entregara.
6 Fstás contente ' 6 perguntou6lhe o sacerdote. 6 *ois eu também estou. Mas
tem cuidado, para no praticares nenhuma tolice A
6 .gora estou seguro de mim 6 respondeu alegremente o diabo. 6 Kou cumprir,
palavra por palavra e letra por letra, tudo o que esta escrito aqui. . menos que o
senhor ha;a cometido algum erro . . .
6 @imI eu sei que porás muito $elo nisso. Mas, pelo amor de +eus A no percas
o manuscrito, porque no encontrarias outro . . . Onde pensas ir ' @e no te
distanciares muito, vem ver6me de ve$ em quando. @entirei falta de ti. .costumei6me
tanto a ver6te A .ntes, teu nari$ parecia6me muito feioI agora me agrada . . . O que é
o habito A . . . Onde pensas ir ' . . .
6 Kou percorrer o mundo A 6 respondeu o diabo.
6 *ena que o senhor morra logo. O senhor devia viver ainda seis meses, pelo
menos. .ssim poderia lhe contar muitas e boas coisas. .h A se o senhor soubesse
como estou ansioso para fa$er o bem A %ue lastima que o senhor no possa ver6me
trabalhar A
O diabo partiu, mas eis aqui o que lhe aconteceu:
Fm lugar de come-ar sua obra com ;uí$o, conforme o programa elaborado pelo
velho sacerdote, apresentou6se no inferno, para nele propagar o bem.
*or que o fe$ '
:o se sabe. Jalve$ tenha perdido a ra$o, de alegria, talve$ movido pelo
orgulho e pela vaidade e quisesse e,ibir6se perante os demais diabos, ou talve$ tivesse
sentido a imperiosa necessidade de visitar o lugar de seu nascimento. O caso foi que
mal abandonou a casa do sacerdote, encaminhou6se diretamente ao inferno, sem a
mínima hesita-o.
%ual foi o resultado da visita '
.penas abriu a boca para pregar um sermo e os demais diabos plantaram6se
diante dele e come-aram também a pronunciar serm#es acerca da necessidade do
bem, ate com mais energia e eloquência do que ele. Jodos eram especialistas na arte
de mentir.
:um instante toda a verdade se transformou numa mentira e as mais santas
palavras, gritadas por aqueles lábios impuros e desavergonhados, tornaram6se em
abomináveis opr!brios. Jodo o inferno se encheu de predicadores e de santos. F
@atanás, alegre com esta nova diverso, se p)s diante de todos e, morrendo de rir,
entoava c"nticos religiosos com vo$ fanhosa.
.lgumas bru,as, velhas e repelentes, representavam comédias cu;os assuntos
eram a Kerdade, o &em e a Kirtude. :unca, ate ento, nem nos dias de maiores
festivais, teve o inferno um aspecto to infernal. Kieram depois cenas de obscenidade,
cheias de gestos impudicos e, por ultimo, acabaram brigando uns com os outros.
:osso diabo, que ha muito tempo havia perdido o costume da vida infernal,
assim como a forca física e a habilidade, era maltratado e batido como nenhum outro.
O mais triste de tudo, porem, foi que, no curso da luta, lhe rasgaram o manuscrito.
%uando, depois de conseguir livrar6se das mos de um grupo de bru,as ébrias, deitou
sobre o pobre manuscrito um olhar e o viu completamente roto, ficou quase louco de
dor, e soltou longos e quei,osos gemidos.
:o seu desespero chegou a insultar o pr!prio @atanás. Fste deu tais mostras de
c!lera, que o infeli$ discípulo do velho sacerdote se apressou a fugir. =orria com toda a
velocidade que lhe permitiam suas pernas cansadas, apertando ao peito o manuscrito
despeda-ado. =orria a casa do velho professor, para que este lhe desse outro.
Mas o velho sacerdote estava moribundo.
6 Fspere o senhor um momento A 6 suplicava6lhe o diabo, a;oelhando6se diante
de sua cama. 6 Fspera A .cabam de rasgar o meu manuscrito A
+urante de$ minutos pelo menos, o diabo gritou, gemeu e implorou, rogando
que lhe trocassem por outro o manuscrito rasgado.
+epois, esfor-ou6se por tranqMili$ar6se e dei,ando de lado o manuscrito,
apro,imou6se ainda mais da cama do velho sacerdote. .p!s um prolongado silencio,
este abriu, penosamente, os lábios ressequidos, perguntando com vo$ débil:
6 <i$este alguma nova tolice '
O diabo lan-ou um olhar triste ao manuscrito esfacelado, mas, para no afligir o
moribundo, ocultou6lhe a verdade.
6 :o é nada, meu padre, seno que vê6lo assim me enche de pesar. (
verdade
que o senhor vai morrer ' Ou o senhor vivera ainda um pouco '
6 :em um s! dia mais, meu amigo. Ontem fi$ os meus preparativos para a
grande viagemI decidi, porem, esperar mais um dia, com a iluso de tornar a ver6te. F
aqui estas A . . . Pra-as, meu amigo A . . . <a-a o favor de levantar a cortininha da
;anelaI quero olhar os arredores pela Cltima ve$.
Mas pela ;anela somente se via um cantinho de telhado vermelho e um
pedacinho de céu, onde pairava uma nuvem vagarosa. O sacerdote se p)s a
contempla6la com alegria, enquanto o diabo pensava: LO que olha ele ' :o ha nada a
ver: o telhado e um pedacinho do céu . . . @erá porventura a nuvem que lhe causa
tanta felicidade ' . . . L
F teve uma idéia. LKou leva6lo ao alto do campanário: dali verá todas as
nuvens que passam no céu e todos os telhados de sua <loren-a . . . F assim o
fe$.
@em nada perguntar ao sacerdote, segurou em seus bra-os musculosos o corpo
frágil e e,tenuado deste e levou6o, com muitas precau-#es, ao campanário, sobre uma
pequena plataforma, da qual se descortinava o admirável panorama da cidade e dos
campos circunvi$inhos.
6 .gora olhe, meu padre. >sto é melhor do que olhar pela ;anela. .qui se
aprecia uma vista mais ampla e mais bela.
*useram6se, ambos, a olhar, cheios de admira-o.
O sol ;á estava quase escondido. :a margem oposta do rio .rno, sobre uma
elevada colina, distinguiam6se alguns ciprestes negros, que pareciam prontos a
perfurar o sol morti-o com suas copas agudas. :a outra margem do rio, nos confins do
hori$onte, estendiam6se as montanhas que, aos suaves refle,os a$ulados do
entardecer, pareciam diáfanas e fantásticas. Joda a formosa cidade estava como que
rodeada de gigantescas grinaldas de flores perfumadas. Os povoados longínquos,
situados nas encostas da montanha, pareciam flore$inhas rosadas, espalhadas aqui e
ali. .s sombras crepusculares perdiam6se entre as montanhas . . .
6 Fu nasci atras dessas montanhas, meu amigo A .li esta minha aldeia natal. .li
amei uma linda criaturinha, mas renunciei ao amor para servir a +eus. +urante
inCmeros anos no pude me esquecer dela, nem da aldeia e muitas ve$es olhei na
dire-o das montanhas, suspirando saudosamente. O sacerdote moribundo olhava
cheio de alegria a seu redor e se entregava a suas recorda-#es. O sol desaparecia
pouco a pouco.
6 .mo também <loren-a, esta formosa cidade, em que vivi tanto tempo 6
continuou o sacerdote. 6 .gradava6me sentir sob meus pés as pedras tépidas de suas
calcadas. .h A, meu amigo, quando se anda pela terra setenta anos, esta se torna em
alguma coisa assim como nossa me e ate suas pedras perdem a dure$a . . . F isto
que estou di$endo será ainda mais certo ali, onde vou agora . . .
O diabo soltou um suspiroI o sacerdote, que continuava em seus bra-os,
sentiu6o, compreendeu a dor do diabo e lhe disse com moribunda entona-o:
6 :o suspires. .. :o te desesperes. .. ( muito possível meu amigo, que
também vás ao *araíso. . . porque és . . . um diabo . . . muito bom . . .
O sol verteu manchas sangrentas pelo céu, empurrando o hori$onte
e,tinguindo6se. O velho sacerdote e,tinguiu6se com o sol. Morreu, abandonando sua
querida <loren-a e todas aquelas terras, que tanto amava.
+esesperado, o diabo esfor-ava6se por desperta6lo, falando6lhe com vo$ rude e
áspera:
6 F as estrelas, meu padre ' 5 senhor no admirou ainda as estrelas A O senhor
no viu ainda a lua, que esta quase a surgir no hori$onte, e vai pro;etar, neste
instante, sua pálida lu$ sobre as la;es da sua amada <loren-a. .bra os olhos, meu
padre, e olhe A @uplico6lhe . . .
%uando compreendeu que tudo estava findo, e que seu amigo e protetor estava
bem morto, transportou6o para bai,o, para sua alcova. Fnquanto o levava em seus
bra-os, pensava: L@ubi com ele vivo ao campanário e o des-o morto A . . . L
Bma dor profunda apoderou6se da alma do diabo.
.gitava6se, chorava, gemia, uivava como um animal fero$, repelando os
cabelos: no estava acostumado dor humana, e manifestava6a de forma ridícula. Jo
grande era seu desespero, que apanhando seu Cnico tesouro 6 o manuscrito
despeda-ado 6 o atirou a um canto.
:o entanto, ao fa$er isto, no compreendia que, precisamente naquele mesmo
instante, se reali$ava o bem, esse bem intangível e misterioso, que ele procurara com
tanto af e a custa de tantos e to grandes sofrimentos.
F no o compreendeu em toda a sua vida.
.quele precioso manuscrito tinha um aspecto muito desagradável. Nasgado,
maltratado, com as folhas engorduradas pelas garras dos dem)nios que o tocaram,
achava6se ante os tristes olhos do nosso diabo, que envelhecera muitos anos num s!
dia. .briu6o com mo tremula, na primeira pagina, e mergulhou largo tempo no estudo
das linhas cuidadosamente escritas.
U medida que ia lendo, seus olhos e,primiam espanto e incompreenso. .o
terminar, estava fora de si, de to surpreso e assustado. .te ento, nunca, nem nos
momentos mais difíceis de sua vida, teve o diabo um ar to estCpido e assombrado.
O manuscrito inteiro lhe parecia uma pilhéria de mau gosto. +ir6se6ia que o
velho sacerdote $ombava do bem e do pobre diabo que to ansiosamente aspirava
pela virtude.
Jambém, o sacerdote havia, com certe$a, perdido o ;uí$o nos seus Cltimos dias,
porque, agora se recordava o diabo, balbuciava, com a gravidade de uma crian-a que
di$ c"ndida simplicidade, coisas néscias, atribuindo grande import"ncia as coisas mais
insignificantes.
+e qualquer forma ele via, claramente, que o haviam enganado. *erdeu sua
ultima esperan-a e sentiu6se furioso. Jodo o manuscrito, da primeira à ultima pagina,
estava composto de curtas prescri-#es, que di$iam, semana por semana, dia por dia,
hora por hora, o que o diabo teria de fa$er.
:o havia nele uma s! lei geral, nem uma s! regra, nem um s! principio. .
palavra L&emL, tampouco, era mencionada, uma Cnica ve$. :ele figurava
simplesmente a descri-o minuciosa do que se devia fa$er em tal dia e a tal hora. O
manuscrito parecia6se, portanto mais do que qualquer outra coisa, com um livro de
receitas.
O que mais dolorosamente impressionou o diabo foi no ver em todo o
manuscrito nem uma s! das formosas verdades que a humanidade recolheu durante
milhares de anos e que esto destinadas a embele$ar o bem. Fle mesmo conhecia
inCmeras delasI esperava, com ra$o, que o velho sacerdote que
tanto estudara, colocasse grande quantidade destas verdades em sua obra.
Mas
no pusera uma que fosse.
@ubitamente um raio de esperan-a iluminou seu cora-o. /avia6o feito
calculadamente o velho sacerdote, para que o diabo dedu$isse por si mesmo as
conclus#es gerais ' O velho sacerdote era muito malicioso. . . .
O diabo p)s6se a trabalhar. F,aminou palavra por palavra, letra por letra com
minucioso cuidado. =opiava, comprovava comparando os te,tos, esfor-ando6se por se
apoderar do fio sutil e apenas perceptível, que condu$ia ao bem. @e o fio se quebrava,
esfor-ava6se por ;untar as e,tremidades.
:o se cansava nem se irritava, esperando sempre chegar a conclus#es
necessárias, as regras do bem, regras que iriam servir para todos os povos e a todas
as épocas. :o era ambicioso, mas as ve$es di$ia consigo com certo orgulho, talve$
trabalhasse para a humanidade. Oulgar6se6ia sua obraI reconheceriam o muito do seu
trabalho e seria erigido um templo novo e magnifico em sua homenagem A..
>mpossível descrever o seu desespero e o seu horror, quando, depois de
terminado o trabalho, nada encontrou absolutamente nada. :em uma idéia geral, nem
uma verdade concludente, clara, indiscutível :
L :o matarasI porem, se for necessário mata. L
L :o mentirasI porem, se for preciso, mente. L
L +a tudo que tens ao pr!,imoI porem, algumas ve$es, tira6lhe o que possua.L
L :o cometas adultério, ainda que, a rigor, possas comete6lo L
L :o cobices a mulher do teu pr!,imoI porém, se no há outro remédio, podes
tirar6lhe sua mulher, seu escravo e seu boi.L
F assim por diante, em tudo o mais. %uase no havia uma s! prescri-o do
manuscrito, que no fosse desmentida páginas adiante. Fm seus esfor-os para chegar
a conclus#es gerais e claras, o diabo encontrava a cada passo mil contradi-#es.
O mais terrível era que o sacerdote admitia, prescrevendo mesmo em alguns
casos, os assassínios e as mentiras, com uma serenidade desconcertante.
6 %uer di$er que sempre esteve a me enganar A e,clamou o diabo pesaroso.
>nstintivamente uma idéia medonha passou por sua cabe-a. >maginou que o sacerdote
fora um grande pecador. *orventura fora @atanás em pessoa que havia querido
achincalhar o diabo ' A .
Fncolhido num canto, di$ia para si, cheio de terror:
6 @im . . . sim . . . é ele . . . é @atanás A . . . @abendo de que eu
procurava o bem com todo o meu cora-o, disfar-ou6se em sacerdote, como eu
me disfarcei em homem, e me perdeu para sempre. :o conhecerei ;amais a verdade,
;amais compreenderei o que é o bem. @erei desgra-ado para todo o sempre.
+esgra-ado e maldito A . .
Fsperou que a porta se abrisse e que @atanás nela se mostrasse com a boca
escancarada no seu riso alegre e ruidoso. @atanás o perdoaria e o convidaria a voltar
com ele para o inferno.
Mas @atanás no apareceu e a porta continuou silenciosa.
+epois de haver refletido, o diabo disse com seus bot#es:
6 Kiverei no desespero fa$endo o que ordena este manuscrito, sem saber ;amais
o que é o bem A Fstou maldito para todo o sempre A . . .
<oi envelhecendo cada ve$ mais.
%uando, de acordo com o manuscrito, precisava salvar alguém, salvavaI
quando era preciso matar, matava. *ouco a pouco se habituou a isso, tranqMili$ando6
se.
=umprindo ao pé da letra tudo o que ordenava o manuscrito, chegou até a
sentir certa alegria. .pesar da certe$a de estar maldito para todos os séculos, mal se
desgostava com isso. +ei,ou, mesmo, de pensar no bem.
*assava, no entanto, algumas ve$es, por situa-#es difíceis. >sso acontecia
quando o manuscrito, meio destruído, interrompia6se e o diabo ficava sem saber o que
havia de fa$er em tal ou qual dia.
@ubia, ento, ao campanário e ali permanecia horas e horas, dias inteiros, sem
fa$er nada, em plena vagabundagem. Os olhos fechados para no ver, os ouvidos
tapados para no ouvir, permanecia im!vel como uma estátua. @uas mos, capa$es de
derrubar montanhas, estavam cru$adas sobre o peito, condenadas à impotência. @ua
abundante cabeleira tornara6se completamente branca.
.o vê6lo quieto e inerte, na velha igre;a de <loren-a, ninguém diria ser aquele
mesmo diabo um ser vivo, condenado ao sofrimentoI acreditar6se6ia, mais facilmente,
tratar6se de qualquer vetusta coluna, à qual ninguém até esse momento, tivesse
prestado aten-o.
Jranscorriam assim as horas e os dias, sem que ele fi$esse o mínimo
movimento, numa inércia absoluta. .s moscas passeavam no seu rosto e metiam6se6
lhe pelos ouvidos e pela bocaI um p! cin$ento cobria6lhe todo o corpoI as aranhas
teciam suas teias sobre sua cabe-a . . .
F ali continuava, sempre im!vel, aquele pobre diabo velho, to amante do bem.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Sobre o a&'or do con'o
0eonid :icolaevitch .ndreiev 6 >mportante escritor russo do início do sec. VVI
de origem muito humilde, nasceu em Orel, NCssia, a 7 de agosto de 2472 e morreu em
2727, em WaoXXala, <inl"ndia.
.té os trinta anos de idade .ndreiev teve uma vida muito pobre, passando dias
e dias sem ter com que se alimentar, chegando a tentar o suicídio, sendo socorrido.
.inda no hospital, percebeu que cometera um erro e que o longo sofrer o fortificara,
concluindo que o homem poderia vencer tudo, menos o destino.
.pesar dos reveses, prosseguiu nos estudos e formou6se em direito, mas, no
possuindo voca-o para a carreira, dedica6se inteiramente à literatura e ao ;ornalismo.
@uas primeiras novelas alcan-am relativo sucesso. Jolstoi 6 em plena gl!ria 6
saCda6o com entusiasmo. Os editores mostram6se sempre interessados em seu livros 6
que ele publica continuamente até se falecimento em condi-#es misteriosas, na
<inl"ndia, onde se e,ilara cinco anos antes.
:inguém o lê sem sentir uma grande compai,o pelos infeli$es que povoam a
sua obra literária. *orque as imagens de tragédia e de amargura desse estranho pintor
de vencidos so desenhadas com mati$es novos, inesperados e comple,os de um
estilo revoltado, impetuoso e torturantemente pessoal.
Fm geral, os trabalhos de .ndreiev refletem a vida sombria e atormentada dos
que ;á perderam todas as esperan-as, todas as ilus#es..té mesmo o humor com que
tenta, por ve$es, impregnar esta ou aquela hist!ria, 66 embora com ironia 66
provocam, as ve$es, arrepios de terror. @empre aponta nossa aten-o para o lado
profundamente trágico e cruel da vida, fustigando o egoísmo e a impiedade, a covardia
e a brutalidade humanas, mas sem a mínima esperan-a, desiludido do efeito de suas
pr!prios palavras.
=olocado entre os grandes escritores pessimistas, .ndreiev desce ao "mago das
misérias que o rodeiam, no hesitando nem mesmo diante do m!rbido, tudo e,pondo
com uma crue$a quase selvagem.
. dCvida sempre o atormenta e por isso mesmo, da sua numerosa bagagem
literária 1contos, novelas, romances, dramas, comédias9 poucos trabalhos refletiro to
nitidamente a sua personalidade como em a L. =onverso do +iaboL, uma das obras
primas do conto universal, que trata com gra-a, sensibilidade e humor e amarga
ironia, do completo fracasso das pretens#es diante das contingências da vida.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful