Você está na página 1de 2

BARBOSA, Jacqueline. P.

Do professor suposto pelos PCNs ao professor real


de lngua portuguesa: so os PCNs pratic!"eis# $n: ROJO, Ro%ane &. R. A
prtica de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. Sao Paulo:
'D(C, )**+
O artigo ,-.... te/ a inten0o de discutir algu/as das op01es te2ricas
assu/idas pelos PCNs de 3ngua Portuguesa, so4retudo a ado0o 4a56tiniana
de g7neros do discurso co/o o48eto de ensino9, al:/ de ,apontar ca/in6os
relati"os a co/o tra4al6ar co/ os g7neros do discurso e/ sala de aula9 ;p.
+<*=
,Nen6u/ dos docu/entos oficiais colocados co/o refer7ncias curriculares
;PCNs e de/ais propostas curriculares de estados e /unicpior= pode ser
transposto direta/ente para a sala de aula, o que feriria a nature>a desses
pr2prios docu/entos e seria contradit2rio co/ alguns princpios orientadores
da pr!tica pedag2gica nestes assu/idos, por e%e/plo, o princpio de respeito ?
pluralidade de realidades culturais. Dessa for/a, so necess!rio outros n"eis
de concreti>a0o, confor/e apontado pelo pr2prio docu/ento introdut2rio aos
PCNs, tais co/o a rel@ela4ora0o de propostas curriculares no A/4ito dos
/unicpios e estadosB a ela4ora0o do pro8eto educati"o de cada escola e a
ela4ora0o da progra/a0o de cada professor a ser desen"ol"ida e/ sala de
aula, que de"e estar respaldada por e integrada co/ os n"eis anteriores9 ;p.
+<*=
,A elei0o dos g7neros do discurso, tal co/o definido por Ba56tin C co/o
sendo a cristali>a0o de for/as de di>er s2cio@6istorica/ente constitudas @,
co/o o48etos de ensino, pelo fato de esse conceito incluir aspectos da orde/
da enuncia0o e do discurso, pode conte/plar, de /aneira /ais satisfat2ria
-e/ co/para0o co/ a sele0o de te%tos por crit:rios estruturais for/as
;narra0o, descri0o, etc.= ou funcionais ;te%tos infor/ati"os, te%tos liter!rios,
etc.=., o co/ple%o processo de produ0o e co/preenso de te%tos. A no0o de
gnero per/ite incorporar elementos da ordem do social e do histrico ;que
aparece/ na pr2pria defini0o da no0o=B per/ite considerar a situao de
produo de u/ dado discurso ;que/ fala, para que/, lugares sociais dos
interlocutores, posiciona/entos ideol2gicos, e/ que situa0o, e/ que
/o/ento 6ist2rico, e/ que "eculo, co/ que o48eti"o, finalidade ou inten0o,
e/ que registro, etc.=B a4range o contedo temtico C o que pode ser di>"el
e/ u/ dado g7nero, a construo composicional C sua for/a de di>er, sua
organi>a0o te%tual que no : in"entada a cada "e> que nos co/unica/os,
/as que est! dispon"el e/ circula0o social C e seu estilo verbal sele0o de
recursos disponi4ili>ados pela lngua, orientada pela posi0o enunciati"a do
produtor do te%to. Neste sentido, a apropria0o de u/ deter/inado g7nero
passa, necessaria/ente, pela "incula0o deste co/ seu conte%to s2cio@
6ist2rico@cultural de circula0o.9 ;p. +<)@+<D=

Você também pode gostar