Você está na página 1de 12

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONDIM DE BASTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONDIM DE BASTO DISCIPLINA DE BIOLOGIA Nome: Nº 10ºano Turma A Classificação:

DISCIPLINA DE BIOLOGIA

Nome:

10ºano Turma A

Classificação:

,

valores

A professora:____________________

90 min. 13 de fevereiro de 2014

3º Teste de Avaliação (V1)

  • I- Vulcão de Santa Helena

O vulcão de Santa Helena é o vulcão mais ativo da costa oeste dos EUA. A sua atividade vulcânica está associada ao contexto tectónico desta região (figura 1).

Acumulação do magma na crusta Placa Juan de Fuca Placa Norte-Americana Acumulação do magma na base
Acumulação do magma
na crusta
Placa
Juan de Fuca
Placa
Norte-Americana
Acumulação do magma
na base da crusta
Formação do magma

Figura 1

O vulcão de Santa Helena tem uma história rica e complexa, com mais de 275 000 anos, nos quais ocorreram episódios violentos com libertação de material com composição dacítica, que alternaram com erupções mais efusivas, em que grandes quantidades de lava com composição basáltica e andesítica foram emitidas. O teor em sílica de cada uma das lavas referidas é o seguinte:

lava basáltica: teor em sílica de aproximadamente 5o%;

lava andesítica: teor em sílica de aproximadamente 60%;

lava dacítica: teor em sílica de aproximadamente 63,5%. A erupção recente mais violenta ocorreu no dia 18 de maio de 1980. Diversos indícios antecederam a

erupção, nomeadamente a libertação de “pequenas” plumas de cinzas, que chegavam a atingir os 3000 m de

altitude, o aumento da temperatura dos gases expelidos nas fumarolas e sismos mais intensos. Nestes eventos não ocorreu a libertação de material líquido ou parcialmente fundido. No dia 1 de abril de 1980, o registo sísmico mudou radicalmente: o número de sismos aumentou, tornando- se estes mais frequentes, menos intensos e mais rápidos. Este registo não é típico de sismos com origem tectónica e revelava que o magma estava a ascender na câmara magmática. Em meados de abril verificou-se uma elevação no relevo do vulcão e a formação de um domo, a uma taxa que chegou a superar os 1,5 m/dia. As explosões freáticas (causadas pela água que se infiltrava nas rochas quentes do vulcão) tornaram-se menos fortes, convertendo-se em fumarolas no final do mês de abril.

No dia 18 de maio, o domo explodiu e deslizou a uma velocidade de 177 a 250 km/h. A perda deste material expôs o magma, que explodiu de imediato para um dos lados, juntamente com os gases aquecidos e a elevadas pressões (fig. 2A). As plumas de cinzas emitidas eram gigantescas e cobriram vastas áreas de terrenos com camadas de cinzas. Os geólogos Crandell e Mullineaux estudaram camadas de material emitido nesta erupção (fig. 2B) e noutras que a antecederam para caracterizarem a atividade vulcânica do vulcão de Santa Helena.

No dia 18 de maio, o domo explodiu e deslizou a uma velocidade de 177 a
No dia 18 de maio, o domo explodiu e deslizou a uma velocidade de 177 a

Figura 2

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 3., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.

1. O teor em sílica determina se o magma é fluido, formando rochas como o ___ ___

como o

.

,

ou viscoso, originando rochas

____

  • (A) andesito (…) basalto

____

  • (B) basalto (…) andesito

____

  • (C) dacito (…) andesito

____

  • (D) dacito (…) basalto

2. Na erupção que ocorreu em 1980 no vulcão de Santa Helena foram expulsas grandes quantidades de gases. Quanto maior o teor em gases de um magma…

____

  • (A) … maior o caráter explosivo da erupção, pois os gases mantêm-se dissolvidos no magma.

____

  • (B) … maior o caráter explosivo da erupção, pois os gases separam-se das frações sólida e liquida e

forçam a ascensão súbita e violenta da mistura.

____

  • (C) … menor o caráter explosivo da erupção.

____

  • (D) … menor o caráter explosivo da erupção, pois os gases mantêm-se dissolvidos no magma.

3. Os geólogos Crandell e Mullineux caraterizaram a atividade do vulcão de Santa Helena com base em técnicas radiométricas, determinando a idade dos depósitos de materiais vulcânicos da figura 2B.

Das suas análises radiométricas, é possível afirmar que…

____

  • (A) … o ratio isótopo-pai/isótopo-filho se reduz do topo para a base da sequência.

____

  • (B) … o ratio isótopo-pai/isótopo-filho se mantém constante nas diferentes amostras.

____

  • (C) … só é possível datar os materiais vulcânicos de forma relativa.

____

  • (D) … o teor de isótopos-filho é sempre superior ao teor de isótopos-pai.

4. Mencione a importância de os riscos vulcânicos serem considerados nos planos de ordenamento do território, nomeadamente na autorização de edificações próximas de um vulcão.

5. Ordene as letras de A a E de modo a reconstituir uma possível sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com a circulação da água hidrotermal no vulcão de Santa Helena.

  • A. A água infiltrada aquece e pode chegar mesmo a vaporizar ao chegar perto da câmara magmática.

  • B. Libertação à superfície de água e vapor de água a elevadas temperaturas.

  • C. A água infiltrou-se ao longo das fraturas existentes nas rochas que compõem o cone do vulcão de Santa Helena.

  • D. A neve acumulada num glaciar no topo do vulcão começou a derreter em função do aumento da temperatura das rochas que se encontram por baixo.

  • E. A água aquecida ascende ao longo das fraturas existentes no cone vulcânico.

______________________________________

6. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas aos dados apresentados.

____

  • (A) Os materiais piroclásticos emitidos no evento eruptivo em 2004 poderiam encontrar-se no topo da

sequência da figura 2.

____

  • (B) Os magmas expulsos nas erupções do vulcão de Santa Helena formaram-se todos a temperaturas

que superam os 1300ºC.

____

  • (C) Na região representada na figura 2B não existem vestígios de erupções com emissão de lava.

____

  • (D) A existência de um glaciar no topo do vulcão aumentou a probabilidade de se formar uma nuvem

ardente na erupção de 1980.

____

  • (E) A diminuição da frequência sísmica é um indicador da ascensão de magma no aparelho vulcânico.

____

  • (F) A redução das explosões freáticas levou a concluir que o vulcão Santa Helena estaria a acalmar.

____

  • (G) O vulcão de Santa Helena deve a sua atividade à ocorrência da subducção da placa Juan de Fuca sob

a placa norte-americana.

____

  • (H) Na erupção de 1980, o abatimento de um bloco do cone vulcânico expôs o magma a uma maior

pressão, levando a uma separação violenta da fração gasosa do magma.

7. Faça corresponder a cada uma das afirmações a respetiva estrutura ou material vulcânico, indicado por um número da chave. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

Afirmações

 

Chave

  • (a) Mistura constituída por material rochoso

(1)

Cone vulcânico

 

fundido e gases.

(2)

Chaminé

  • (b) Estrutura originada pelo colapso da parte

(3)

Cratera

superior do aparelho vulcânico e posterior

(4)

Caldeira

preenchimento da depressão por água.

(5)

Cinzas

  • (c) Emanação de gases a elevadas temperaturas

(6)

Câmara magmática

através de fissuras existentes à superfície.

(7)

Fumarola

  • (d) Materiais vulcânicos com dimensão inferior a 2 mm.

(8)

Magma

  • (e) Estrutura por onde o magma ascende até atingir a superfície.

 

(a)

(b)

, (c)

(d)

(e) _____

  • II- Atividade sísmica nos Açores

O arquipélago dos Açores localiza-se no oceano Atlântico, a cerca de 1500 km do continente Europeu e a 3900 km do subcontinente Norte-Americano. Este arquipélago é constituído por 9 ilhas e diversos ilhéus.

As ilhas açorianas encontram-se no “planalto” dos Açores, uma zona espessa e irregular do fundo oceânico, com profundidades médias de 2000 m. Os investigadores defendem que a formação deste planalto submarino deve ter estado associada a um ponto quente próximo da junção tripla de três placas litosféricas.

As principais estruturas tectónicas incluem o rifte oceânico, a zona de fratura Açores-Gibraltar, que inclui o rifte da Terceira (RT) e a falha Glória. Já foram catalogados diversos vulcões submarinos ao longo destas estruturas tectónicas. O rifte da Terceira possui uma pequena taxa de expansão anual.

Este enquadramento tectónico altamente complexo explica a sismicidade e vulcanismo intenso na região. Desde o povoamento das ilhas, há centenas de anos, ocorreram mais de 30 sismos fortes resultando em milhares de vítimas mortais e perdas materiais.

Em 1998, as ilhas do Faial e do Pico foram abaladas por um sismo de magnitude 5,8, que causou 8 mortos e desalojou mais de 1500 pessoas.

II- Atividade sísmica nos Açores O arquipélago dos Açores localiza-se no oceano Atlântico, a cerca de

Figura 4 (A) Enquadramento tectónico do arquipélago dos Açores. (B) Atividade sísmica nos Açores nos últimos 30 anos (os pontos são epicentros dos sismos registados).

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 4., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. A zona de fratura Açores-Gibraltar é um limite do tipo

____

e corresponde ao limite entre a placa ____.

____

  • (A) divergente (…) africana e euroasiática

____

  • (B) conservativo (…) africana e euroasiática

____

  • (C) divergente (…) africana e americana

____

  • (D) convergente (…) africana e americana

  • 2. As ilhas açorianas estão dispersas ao longo de um alinhamento

____

que coincide com um importante limite

 

na região.

____

  • (A) SE-NW (…) divergente

____

  • (B) NE-SW (…) transformante

____

  • (C) NW-SE (…) divergente

____

  • (D) NW-SE (…) transformante

3.

O registo do epicentro dos sismos nos últimos 30 anos nos Açores permite concluir que…

____

  • (A) … todos os sismos estão mais próximo do rifte da Terceira.

____

  • (B) … a maioria dos sismos está associada ao vulcanismo submarino muito comum na região.

____

  • (C) … a maioria da atividade sísmica ocorre ao longo do rifte da Terceira e do rifte da dorsal médio-

oceânica.

____

  • (D) … apenas ocorre atividade sísmica associada ao rifte da dorsal médio-oceânica.

  • 4. A melhor explicação para o registo de ondas P e para a ausência de registo de ondas S numa estação sismográfica distanciada do epicentro de um sismo gerado na região dos Açores será pelo facto de as ondas S deixarem de se propagar ao atravessarem o limite…

____

  • (A) … crusta continental/manto.

____

  • (B) … núcleo externo/núcleo interno.

____

  • (C) … crusta continental/crusta oceânica.

____

  • (D) … manto/núcleo externo.

  • 5. Faça corresponder cada uma das descrições expressas na coluna A à respetiva designação, que consta na coluna B. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

Coluna A

Coluna B

  • (a) Permite a deteção e registo dos movimentos bruscos da litosfera.

 

(1) Ondas P

  • (b) Abalo sísmico de menor intensidade que pode ocorrer depois do abalo sísmico principal.

(2) Ondas S (3) Ondas superficiais

  • (c) A vibração das partículas ocorre paralelamente à direção de propagação da onda.

(4) Isossista (5) Réplica

  • (d) A vibração das partículas ocorre perpendicularmente à direção de propagação da onda.

(6) Sismograma (7) Sismógrafo

  • (e) São ondas lentas e de grande amplitude e a sua velocidade de propagação é constante.

(8) Abalo premonitório

  • (a)

(b)

, (c)

(d)

(e) _____

  • 6. A primeira erupção observada nos Açores ocorreu no século XV, tendo sido registadas pelo menos 28 erupções até à atualidade. Muitas destas erupções causaram vítimas humanas e perdas de bens materiais. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações seguintes, relativas ao vulcanismo açoriano.

a)

As lavas associadas às erupções efusivas têm origem em magmas básicos e apresentam um menor teor

b)

em gases e elementos voláteis. As escoadas lávicas são características de erupções explosivas nos Açores.

c) A lava encordoada e a lava escoriácea presentes em diversos locais das ilhas resultaram de magmas

d)

mais ácidos. A formação de agulhas e domos é comum em vulcões cujo magma associado é muito viscoso e são

e)

frequentes nos Açores. As lavas em almofada que se encontram em algumas ilhas açorianas resultaram de erupções submarinas.

f) A existência de caldeiras vulcânicas preenchidas por lagos pode aumentar o risco vulcânico das Açores.

g)

O vulcanismo do tipo serretiano caracteriza-se por magmas contendo poucos gases e sem elementos

h)

voláteis dissolvidos. A atividade vulcânica nos Açores está limitada a fumarolas e nascentes termais.

7. Segundo os registos históricos, a maioria das erupções açorianas são submarinas. A erupção dos Capelinhos, na ilha do Faial, em 1957 e 1958, ainda está muito presente nas recordações dos faialenses, tendo sido uma das causas da imigração de milhares de açorianos para a América.

Apresente uma justificação para o facto de a maioria das erupções que ocorrem nos Açores serem submarinas.

  • III- Sismos em Portugal

Os sismos são fenómenos com origem natural ou humana, que resultam da libertação súbita de energia acumulada nas rochas. A fraturação do material origina a libertação de energia em todas as direções, sob a forma de ondas sísmicas que ao atingirem a superfície podem causar estragos avultados e perda de vidas humanas. Em Portugal ocorrem sismos de forma regular, não sendo a maioria sentidos pelas populações. O sismo de 1755, e o tsunami associado, causou a maior destruição de que há registo em Portugal, tendo as vítimas mortais ascendido a mais de 70 000, segundo estudos mais recentes. Foi um sismo muito forte, com uma magnitude na ordem dos 8,7. Em 1980 ocorreu um sismo nos Açores, com epicentro próximo do Faial, com uma magnitude de 7,2, que causou 60 mortos e grandes prejuízos económicos. Recentemente, ocorreu no dia 13 de fevereiro de 2013 um sismo com epicentro a NE de Valongo, com uma magnitude de 3,1. A figura 4 resulta de centenas de inquéritos à população sobre as consequências deste sismo. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera determinou que o sismo foi originado a 7 km de profundidade e que foi sentido com intensidade máxima III/IV (na escala de Mercalli Modificada) na região epicentral.

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. Com base nos relatos é possível determinar a

_____

dos sismos, indicador da _____.

____

(A)

magnitude (…) energia libertada

____

  • (C) magnitude (…) destruição causada

____

(B)

intensidade (…) destruição causada

____

  • (D) intensidade (…) energia libertada

2.

Com base nos dados, é possível concluir que…

____

(A)

… a intensidade diminui nas regiões mais próximas do epicentro.

 

____

(B)

… a intensidade é constante, independentemente da distância ao epicentro.

____

(C)

nas regiões mais afastadas do epicentro, como por exemplo Bragança, o sismo não foi sentido.

____

(D)

… o sismo foi pouco intenso pois ocorreu a profundidades reduzidas.

3.

A intensidade sísmica é um valor que

com a distância ao epicentro, enquanto que a magnitude é um

valor

para um dado sismo.

 
 

____

  • (A) varia (…) variável

____

  • (C) não varia (…) fixo

____

  • (B) não varia (…) variável

____

  • (D) varia (…) fixo

4.

O sismo de Valongo deverá estar associado…

 
 

(A) … à atividade vulcânica. (B) … ao abatimento de minas.

(C) … à atividade tectónica. (D) … ao enchimento de uma barragem.

5.

As ondas P distinguem-se das ondas superficiais por…

 

____

  • (A) … a sua velocidade não ser constante.

____

  • (B) … serem de grande amplitude.

____

  • (C) … se propagarem apenas em meios sólidos.

____

  • (D) … a sua velocidade ser sempre constante.

6.

Ordene as letras de A a E de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos responsáveis pela ocorrência do sismo de Valongo.

  • A. Sismógrafos em Espanha registam as ondas.

  • B. As ondas sísmicas atingem o epicentro.

  • C. Perceção do sismo no Porto.

  • D. Rutura das rochas a 7 km de profundidade.

  • E. Propagação das ondas P e S a partir do hipocentro.

_____________________________________________________---

7.

Faça corresponder a cada uma das afirmações da coluna A um dos números da coluna B.

   

Coluna A

 

Coluna B

 
  • (a) Propagam-se através do interior da Terra.

   
  • (b) São ondas de compressão.

 
  • (c) Apresentam reduzida velocidade de propagação e grande amplitude.

 
  • (d) São as que apresentam maior velocidade de propagação.

  • (e) Provocam vibração dos materiais apenas na superfície da Terra.

(1) Ondas superficiais (2) Ondas P

  • (f) A sua velocidade de propagação é constante.

 

(3) Ondas P e S

  • (g) A velocidade de propagação diminui no núcleo externo da Terra.

  • (h) A descontinuidade de Moho é marcada por um aumento da sua velocidade de propagação de 6,5 km/s para 8 km/s.

(a)

(b)

(c)

(d)

; (e)

; (f)

; (g)

; (h) _____

  • 8. A distribuição dos sismos no globo e a sua profundidade não é uniforme. Explique por que motivo os sismos mais profundos (até 600 km) ocorrem nas fossas oceânicas.

  • IV- Modelo da estrutura interna da Terra

A partir do estudo da velocidade de propagação das ondas sísmicas é possível inferir sobre o estado físico dos materiais em profundidade, a sua densidade e a sua rigidez. A sismologia também é essencial para estudar a composição química dos materiais. Admite-se que o manto superior seja essencialmente constituído por uma rocha ígnea ultrabásica o peridotito. Esta rocha é fundamentalmente composta por minerais ferromagnesianos como as olivinas, piroxenas e anfíbolas. Diversos estudos experimentais provam que a composição mineralógica do peridotito varia com a profundidade, em função da pressão. Os cientistas admitem que, apesar de haver alterações mineralógicas, não se verificam modificações importantes na composição química do manto superior para o inferior. Várias décadas após a descoberta da expansão dos fundos oceânicos e da aceitação da Teoria da Tectónica de Placas, permanece por esclarecer como se processa a convecção mantélica e de que forma este processo é o motor responsável pela mobilidade litosférica e que, em última análise, é a causa da atividade tectónica.

IV- Modelo da estrutura interna da Terra A partir do estudo da velocidade de propagação das

Figura 3 (A) Variação da velocidade das ondas até a profundidade de 900 km. (B) Modificações na estrutura cristalina do mineral olivina com o aumento da profundidade

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 4., selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. Os dados apresentados na figura 3 enquadram-se nos métodos provam que ____.

do estudo do interior da Terra e

_____

____

(A)

diretos (…) a litosfera assenta sobre uma camada muito rígida

____

(B)

indiretos (…) a rigidez do manto é uniforme

____

(C)

diretos (…) o manto inferior é mais rígido do que o manto superior

____

(D)

indiretos (…) a partir dos 700 km de profundidade a rigidez dos materiais aumenta

  • 2. Por volta dos 400 km de profundidade ocorre um aumento da velocidade das ondas S, em resultado…

____

(A)

… da maior plasticidade das rochas.

____

(B)

… de modificações químicas significativas.

____

(C)

… da maior compactação dos minerais de olivina, que aumentam a rigidez das rochas.

____

(D)

… de o material se encontrar fundido.

3.

Para além da sismologia, o estudo dos meteoritos também permitiu inferir a composição química do núcleo

da Terra, tendo-se concluído que é composto essencialmente por semelhante aos ____.

 

,

possuindo o núcleo uma composição

 

____

(A)

ferro e níquel (…) siderólitos

 

____

(B)

ferro e níquel (…) sideritos

____

(C)

ferro e alumínio (…) sideritos

____

(D)

níquel e alumínio (…) siderólitos

 

4.

Observe os seguintes gráficos, respeitantes à composição de diferentes camadas internas da Terra.

(I)

(I) (II)
 

(II)

(I) (II)

(III)

 
(III) (IV)

(IV)

(III) (IV)

4. A composição química da crusta continental até aos 35 km de profundidade poderá ser representada pelo

gráfico

 

;

entre os 200 e os 900 km o gráfico que melhor traduz a composição do manto é o

.

 

(A)

I (…) IV

 

(C) III (…) II

(B)

II (…) IV

(D) II (…) III

5.

Faça

corresponder

a

cada

uma

das

letras

de

(a)

a

(e),

que

identificam afirmações relativas ao

comportamento das ondas sísmicas no interior da geosfera, o número de (1) a (8) da chave que assinala cada uma das suas camadas. Utilize cada letra apenas uma vez.

 

Afirmações

 

Chave

 

(a)

Entre os

100

e

os

200

km

existe uma zona de baixas

 

velocidades.

 

(1) Núcleo interno

(b)

Camada limitada pela descontinuidade de Gutenberg e pela

(2) Núcleo externo

descontinuidade de Lehman.

 

(3) Manto

(c)

Zona limitada inferiormente pela descontinuidade de

(4) Crusta

Mohorovicic.

 

(5) Astenosfera

(d)

Camada responsável pela geração à superfície de uma zona

(6) Litosfera

de sombra sísmica das ondas P.

 

(e)

Zona em que ocorre um aumento muito acentuado da

velocidade de propagação das ondas P.

 
 
  • (a)

 

(b)

, (c)

 

(d)

(e) _____

6. Muitos pressupostos da teoria da tectónica de placas assentam na ideia de que as placas litosféricas flutuam sobre uma zona mais plástica do manto. Explique a importância da descoberta de uma zona de baixas velocidades como dado fundamental para a aceitação da Teoria da Tectónica de Placas.

 

GRUPO I

   

GRUPO II

1

2

3

 

5

6

  • 4 1

7

 

2

 
  • 3 4

5

6

7

5

5

5

 

10

10

  • 5 5

10

 

5

 
  • 5 5

10

10

10

 
 

GRUPO III

     

GRUPO IV

 

1

2

3

 
  • 4 5

6

7

8

1

 
  • 2 3

4

5

6

5

5

5

 
  • 5 5

10

10

15

5

 
  • 5 5

5

10

10