Você está na página 1de 21
Aula 1: INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO, ENGENHARIA E BELAS ARTES
Aula 1: INTRODUÇÃO
Aula 1:
INTRODUÇÃO
UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO, ENGENHARIA E BELAS ARTES
UNIVERSIDADE DE CUIABÁ
FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO, ENGENHARIA E BELAS ARTES

ENGENHARIA CIVIL Disciplina: Estruturas de Concreto Armado I

DE ARQUITETURA E URBANISMO, ENGENHARIA E BELAS ARTES ENGENHARIA CIVIL Disciplina: Estruturas de Concreto Armado I

Histórico

O concreto é um material de uso recente.

MATERIAL

PERÍODO

OBRA

Madeira

neolítico

palafitas

Pedra

4.500 AC

pirâmides

Pedra 4.500 AC pirâmides

Metal

sec. XVII

cobertura do palácio do

Kremlim

Kremlim

Concreto

sec. XIX

ponte

Esse material desenvolveu-se a partir da idéia de se obter uma pedra artificial

resistente, de baixo custo, durável e amoldável. A armação é utilizada de modo a ter um produto capaz de resistir a carregamentos que produzam tensões de tração.

Histórico do Concreto armado no

mundo

1849 Primeiro objeto de concreto armado da História, um barco construído pelo Francês Lambot.

- 1852 - Coignet executa elementos de construção com emprego de

concreto armado (vigotas e pequenas lajes);

- 1867 a 1878 - Mounier registra patentes para construção, primeiramente de vasos, tubos e depósitos e, depois, de elementos de construção;

- 1880 - Hennebique constroi a primeira laje armada com barras de aço de

seção circular;

- 1884 - Freytag adquire as patentes de Mounier para emprego na Alemanha;

- 1892 - Hennebique obtém patente do primeiro tipo de viga, como as atuais, com estribos;

- 1897 - Rabut inicia o primeiro curso sobre concreto armado, na França;

- 1902 a 1908 - São publicados os trabalhos experimentais realizados por Wayss e Freytag;

- 1902 - Mörsch, engenheiro alemão, publica a 1º edição de seu livro de concreto armado, com resultados de numerosas experiências;

-

S i s t e m a M o n i e r Primeira ponte
S i s t e m a M o n i e r Primeira ponte

Sistema Monier

Primeira ponte de concreto armado do mundo.

Construída em 1875 nos jardins do palácio do Marquês Tiliêre de Chazelet, França. (WITTFOHT [1975] pág. 108)

Arco com vão de 40 metros . Exposição de Bremen em 1890. (WITTFOHT [1975] pág.

Arco com vão de 40 metros . Exposição de Bremen em 1890.

(WITTFOHT [1975] pág. 108)

Principais eventos relacionados com o

desenvolvimento do concreto armado no Brasil.

Em1908: Inauguração da primeira obra em concreto armado no Brasil, Rio de

Janeiro, uma ponte projetada por Hennebique com 9 metros de vão.

Em 1912: Deu-se a fundação da primeira a empresa - Companhia Construtora de Concreto Armado, no Rio de Janeiro. Mais tarde, essa empresa foi incorporada pela Wayss-Freitag, ficando Riedlinger, o fundador dessa empresa, no cargo de engenheiro-chefe.

Em 1929: Emílio Henrique Baumgart construiu a ponte sobre o Rio do Peixe, com 68 metros de vão, na estrada entre Joaçara e Herval do Oeste em Santa Catarina. Ele empregou um processo construtivo original, hoje denominado

processo dos balanços progressivos. A ponte sobre o Rio dos Peixes tornou-

se recorde mundial em vão de viga de concreto armado por muito tempo.

Em 1930: Inauguração do maior edifício de concreto armado do mundo nessa época, o Edifício A Noite, com 24 andares, construído e projetado por Emílio Baumgart.

Ponte sobre o Rio do Peixe Projetada e construída por Emílio Henrique Baumgart

Ponte sobre o Rio do Peixe Projetada e construída por Emílio Henrique Baumgart

Foto - Cortesia do Eng. Narbal Marcellino ECV / UFSC - Florianópolis – SC e

Foto - Cortesia do Eng. Narbal Marcellino ECV / UFSC - Florianópolis SC e do Prof. P. B. Fusco USP

Edifício A Noite – Maior edifício de mundo até o aparecimento do Empire State. 1930.

Edifício A Noite Maior edifício de mundo até o aparecimento do Empire State. 1930.

Edifício Barão de Capanema – Sede do MEC no Rio de Janeiro. 1936. Arquitetos: L.Costa;
Edifício Barão de Capanema – Sede do MEC no Rio de Janeiro. 1936. Arquitetos: L.Costa;

Edifício Barão de Capanema Sede do MEC no Rio de Janeiro. 1936.

Arquitetos: L.Costa; O. Niemeyer;

;Le

Courbusier.

Principais eventos relacionados com o desenvolvimento do concreto armado no Brasil.

Nos anos 40 e anos 50 foram construídas as seguintes obras de importância:

o Pavilhão de Exposições de São Cristóvão, projetado por Paulo Rodrigues

Fragoso;

o Estádio Mário Filho, o Maracanã, projetado por Antônio Alves de Noronha;

as Obras da Pampulha e os principais edifícios Públicos de Brasília projetados por

Joaquim Cardoso;

Ponte sobre o Rio Cuiabá, em concreto protendido, projetada por Aderson Moreira da Rocha;

Ponte sobre o Rio Tocantins, na rodovia Belém-Brasília, recorde mundial até 1965,

projetada pelo Eng. Sérgio Marques;

O edifício Itália, situado na cidade de São Paulo e a Torre do Rio-Sul, no Rio de Janeiro.

Também o conjunto das obras do arquiteto Oscar Niemeyer.

Importância do estudo do concreto armado

Quase todas as atividades de engenharia civil estão relacionadas direta ou indiretamente com obras de concreto:

1. nos edifícios alguns elementos sempre serão de concreto armado (fundações, pisos);

2. nas obras hidráulicas e de saneamento, as barragens, os canais, os tubos, os reservatórios com grande capacidade de armazenamento;

3. nas obras do sistema de transportes como as pontes, os viadutos, as estruturas de contenção, os revestimentos dos túneis;

4. em obras industriais tais como silos, chaminés, pavimentos, fundações de máquinas, etc.

Composição do concreto simples

O concreto é um material constituído por:

- Aglomerante Cimento Portland

constituído por: - Aglomerante – Cimento Portland Figura 1 – Cimento Portland Fonte: Apostila de

Figura 1 Cimento Portland

Fonte: Apostila de Fundamentos do concreto armado, Prof. Dr.

Paulo Sérgio dos Santos Bastos.

Composição do concreto simples

O concreto é um material constituído por:

- Agregados miúdos Areia;

material constituído por: - Agregados miúdos – Areia; Figura 2 - Areia Fonte: Apostila de Fundamentos

Figura 2 - Areia

Fonte: Apostila de Fundamentos do concreto armado, Prof. Dr.

Paulo Sérgio dos Santos Bastos.

Composição do concreto simples

O concreto é um material constituído por:

- Agregado graúdo Pedras ou Britas

constituído por: - Agregado graúdo – Pedras ou Britas Figura 3 – Brita Fonte: Apostila de

Figura 3 Brita

Fonte: Apostila de Fundamentos do concreto armado, Prof. Dr.

Paulo Sérgio dos Santos Bastos.

Composição do concreto simples

O concreto é um material constituído por:

- Água, e

- Adições em alguns casos.

A mistura entre o aglomerante e a água resulta no material denominado

Pasta (se a relação de água for grande denomina-se nata).

Pasta (se a relação de água for grande denomina-se nata). Figura 4 – Pasta (cimento +

Figura 4 Pasta (cimento + água)

Fonte: Apostila de Fundamentos do concreto armado, Prof. Dr.

Paulo Sérgio dos Santos Bastos.

Composição do concreto simples

A mistura entre a nata e o agregado miúdo resulta na argamassa, esta misturada com a brita resulta então no concreto simples.

misturada com a brita resulta então no concreto simples. Figuras 5 e 6 – Argamassa e
misturada com a brita resulta então no concreto simples. Figuras 5 e 6 – Argamassa e

Figuras 5 e 6 Argamassa e concreto simples

Fonte: Apostila de Fundamentos do concreto armado, Prof. Dr. Paulo Sérgio dos Santos Bastos.

Algumas características do concreto simples

Resistência à compressão f c elevada. Resistência à tração f t muito pequena: da ordem de 10% de f c .

Aplicação estrutural muito restrita:

Em peças onde as tensões de tração são pequenas. Blocos de fundações. Bases dos tubulões.

O concreto simples é inadequado para a confecção de peças fletidas.

Exercício: Determinar a maior carga distribuída que pode ser aplicada a uma viga de concreto simples. Dados: b=20 cm; h=30 cm; L=400 cm; f c = 10 MPa.

Concreto armado

O concreto armado é um material obtido pela associação entre o

concreto simples e a armadura, onde ambos resistam aos esforços de forma solidária. Essa solidariedade é garantida pela aderência.

Logo:

Concreto armado = Concreto simples + Armadura + Aderência

A aderência garante que a deformação da armadura seja igual à deformação

do concreto.

Exercício

Com o emprego de uma teoria elementar da flexão de vigas de concreto armado obter

o valor da carga distribuída máxima que se pode aplicar a uma viga com as seguintes

características:

b=20cm; h=30cm; d=27cm; L=400cm; A s =3,75 cm 2 ; s s = 200MPa, E c =20GPa,

E s =200GPa.

1.4 Vantagens e desvantagens das estruturas de concreto armado

 

Vantagens

 

Boa

resistência

à

maioria

das

solicitações,

as

armaduras são colocadas de acordo com as tensões.

Material de custo baixo, os agregados podem ser

obtidos nas proximidades da obra e a mão-de-obra

para a construção não precisa ser especializada.

 

Material durável, resistente ao fogo, às influências

atmosféricas e ao desgaste mecânico.

 

É apropriado para estruturas monolíticas e por serem

hiperestáticas

apresentam

boa

capacidade

de

redistribuição de esforços.

 

É

um

materia l

amoldável

que

possibilita

grande

variabilidade de concepções arquitetônicas.

 

Peso

próprio

desfavorável.

Desvantagens

elevado,

fator

resistência

pesopróprio

Reformas, adaptações e reforços são trabalhosos e

caros.

Oferece pouca isolação de temperatura e de som.

Apresenta grande probabilidade de fissurar, que pode

comprometer a estanqueidade das construções e o

aspecto estético.

Bibliografia

RODRIGUES JUNIOR, Manoel Santinho. Notas de aula da disciplina de Estruturas de

Concreto Armado. UFMT 2011.

BASTOS, Paulo Sérgio dos Santos. Notas de Aula Fundamentos do concreto armado. UNESP. 2006.

FUSCO, P.B.- Concreto armado: Solicitações normais. Editora Guanabara Dois, Rio de

Janeiro 1982.

LEONHARDT, F.; MÖNING, E. - Construções de concreto armado: Princípios básicos do dimensionamento das estruturas de concreto armado. Vol.1. Tradução David Fridman. Editora Interciência - 1a Reimpressão. Rio de Janeiro, 1979.

PINHEIRO, L.M.; GIONGO, J.S. - Concreto armado: Propriedades dos materiais.

EESC - USP. Publicação 006-92, Reimpressão. São Carlos, 1992.

WITTFOHT, H. - Puentes : Ejemplos internacionales. Tradução Luis A. Mestre. Editorial Gustavo Gili, Barcelona, Espanha, 1975.

ISHITANI, H.; MARTINS, A.R.; DELLA BELLA, J.C.; BITTENCOURT, T.N. Notas de

aulas da disciplina PEF-315. EPPUSP SP. 1999.