Você está na página 1de 38

Língua Estrangeira:

Passaporte para
Novas Oportunidades

Concepção: Equipa de Projecto de


Informação e Orientação Vocacional
Direcção-Geral de Formação Vocacional
www.dgfv.min-edu.pt
26 de Setembro de 2004
ÍNDICE

I. INTRODUÇÃO ……………………………………………………………………………. Pag. 2


II. PLANO DE AULA ………………………………………………………………………… Pag. 4
III. FICHAS DE TRABALHO ………………………………………………………………. Pag. 11
IV. FICHAS RESOLVIDAS …………………………………………………………………. Pag. 18
V. MATERIAIS DE APOIO ………………………………………………………………. Pag. 22
VI. PROGRAMAS COMUNITÁRIOS ……………………………………………………. Pag. 32

1
2
Este material pedagógico intitula-se Língua Estrangeira: Passaporte para Novas
Oportunidades e destina-se a profissionais de orientação e professores. Tem como objectivo
promover nos alunos dos percursos qualificantes o desenvolvimento da motivação para a
aprendizagem das línguas estrangeiras, como forma de assegurar o acesso a uma maior
diversidade e profundidade de conhecimentos facilitadores da inserção e progressão nas carreiras,
de favorecer a mobilidade no espaço europeu e de rentabilizar, em proveito próprio e do exercício
da cidadania europeia, as oportunidades criadas pela existência de um espaço único de bens,
pessoas e capitais.
Este material consiste num Plano de Aula para 90 minutos, no qual se propõe uma
sequência de actividades e para as quais se disponibilizam as respectivas Fichas de Trabalho, as
Fichas Resolvidas e os Materiais de Apoio. Este instrumento de trabalho inclui, ainda, informação
sobre os programas comunitários promotores da mobilidade e da aprendizagem das línguas, bem
como uma lista de contactos úteis e publicações da Direcção-Geral de Formação Vocacional.
O material proposto constitui uma sugestão de trabalho, pelo que o profissional de
orientação / professor deverá adequá-lo às características e aos interesses dos alunos e das
turmas.

NOTA: Neste documento, onde se diz “o profissional de orientação / professor” , deve entender-se que se
refere sempre aos/às profissionais de orientação e aos/às professoras.

3
4
Exercício 1 – Identificar países da União Europeia / Sensibilizar os alunos para
as questões da mobilidade e da importância da aprendizagem das línguas
estrangeiras

Material: Documento de apoio 1


Tempo: 10 minutos

1.1. O profissional de orientação / professor coloca no quadro / projecta em acetato um mapa da


Europa, onde seja possível identificar claramente os 25 países da União Europeia (Documento de
Apoio 1).

1.2. Após clarificar que tipo de mapa está a ser apresentado, o profissional de orientação /
professor coloca aos alunos algumas questões:
• Conhecem / Já visitaram / Já ouviram falar de algum(ns) destes países? Em que
circunstâncias? / Através de quê? (Grupos musicais, Clubes de futebol, etc.)
• Têm familiares ou amigos a viver / estudar / trabalhar em algum dos países da União
Europeia? Se sim, onde?
• És capaz de identificar no mapa os países mencionados?
• És capaz de identificar quais dos países mencionados são Estados-Membros da União
Europeia?
• Que línguas se falam nos países que foram referidos?
• Na tua opinião, quais são as principais dificuldades que as pessoas que se encontram
nestes países podem sentir?

1.3. A partir das respostas dos alunos à última questão, o profissional de orientação / professor
deverá aproveitar para fazer uma breve referência a dois aspectos:
¾ a existência de um mercado único de bens, pessoas e capitais que permite aos cidadãos da
União Europeia viver, trabalhar e estudar em qualquer um dos seus Estados-Membros,
sendo que actualmente esta possibilidade é válida apenas nos quinze países que até Maio
2004 formavam a União Europeia, mais os três países associados: Noruega, Islândia e
Liechtenstein;

¾ a importância da aprendizagem das línguas estrangeiras como forma de assegurar o


acesso a uma maior diversidade e profundidade de conhecimentos facilitadores da iniciação
e progressão nas carreiras, de favorecer a mobilidade no espaço europeu e de rentabilizar,
em proveito próprio e da sociedade europeia, as oportunidades criadas pela existência de
um espaço único de bens, pessoas e capitais.
5
Exercício 2 – Associar uma língua ao(s) país(es) onde essa língua é falada /
Identificar as línguas europeias mais faladas

Material: Documento de Apoio 2 / Documento de Apoio 3


Documento de Apoio 4
Ficha de Trabalho 1 / Ficha de Trabalho 1 – Resolução
Opção: Ficha de Trabalho 1A / Ficha de Trabalho 1A – Resolução
Tempo: 20 minutos

2.1. O profissional de orientação / professor divide a turma em três ou quatro grupos (em função
do número de alunos), distribui a cada grupo um conjunto de cartões (Documento de Apoio 2)
com os países da União Europeia e as respectivas línguas, e solicita-lhes que façam corresponder a
língua ao país onde é falada.

2.2. O profissional de orientação / professor coloca no quadro uma cartolina na qual desenhou
uma grelha (Documento de Apoio 3) e onde os grupos colocarão os cartões que lhes foram
distribuídos, com a associação correcta País / Língua. O profissional de orientação / professor
deverá chamar a atenção dos alunos para a informação constante dos cartões dos países,
nomeadamente para a designação do país na língua de origem e para a capital.

2.3. Enquanto se procede à colocação dos cartões na cartolina, os alunos corrigem o exercício
usando a Ficha de Trabalho 1, que entretanto lhes foi distribuída. Neste exercício pretende-se dar
ênfase à(s) língua(s) falada(s) em cada país, devendo o profissional de orientação / professor
chamar a atenção dos alunos para o facto de existirem línguas que são faladas em mais do que
um país. A inclusão do mapa e das bandeiras de cada um dos países possibilita a localização
geográfica dos mesmos, constituindo esta uma informação acrescida que o profissional de
orientação / professor poderá explorar, em função do tempo disponível e do interesse da turma.

2.4. Após o preenchimento da ficha anterior, o profissional de orientação / professor deverá


chamar a atenção dos alunos para a diversidade de línguas faladas na Europa, sendo que as
línguas assinaladas a sombreado na ficha são as cinco línguas europeias mais faladas no mundo
pela ordem que se segue:
- Inglês – 470 milhões
- Castelhano (Espanhol) – 372 milhões
- Português – 182 milhões
- Francês – 124 milhões
- Alemão – 121 milhões

6
Estes números deverão ser dados a conhecer aos alunos através da colocação na cartolina das
setas (Documento de Apoio 4) junto das línguas assinaladas. Os alunos preencherão o espaço
correspondente na sua ficha.
Neste contexto de diversidade linguística, deverá ser feita referência à necessidade da existência
de línguas de trabalho e de negócios no âmbito da União Europeia, de onde se destaca, uma vez
mais, o Inglês.

OPÇÃO:
O exercício 2 poderá ser realizado, alternativamente, através da Ficha de Trabalho 1A. Uma vez
que nesta ficha o número de línguas é inferior ao número de países, o profissional de orientação /
professor deverá chamar a atenção dos alunos para o facto de existirem línguas que são faladas
em mais do que um país.
Após a resolução da ficha, deverão ser preenchidas as setas, sendo que os dados numéricos
necessários para o efeito (ver exercício 2.4) são fornecidos pelo profissional de orientação /
professor.

7
Exercício 3 – Listar situações, para além do contexto da sala de aula, em que os
alunos utilizam a língua estrangeira / Sensibilizar os alunos para a importância
da sua aprendizagem

Material: Ficha de Trabalho 2


Tempo: 20 minutos

3.1. Os alunos são confrontados com a questão “Em que situações já usei / uso habitualmente a
língua estrangeira, para além do contexto da sala de aula?”, esperando-se que neste curto diálogo
sejam relatadas experiências por eles vividas.

3.2. Na sequência do exercício anterior, o profissional de orientação / professor distribui aos


alunos e projecta em acetato a Ficha de Trabalho 2, pedindo-lhes que, face à situação
apresentada (Se eu souber falar uma Língua Estrangeira posso …), encontrem exemplos
relacionados com cada uma das capacidades base identificadas na ficha. O exercício deverá ser
resolvido em grupos e as situações sugeridas através dos respectivos porta-vozes, serão
registados no acetato pelo profissional de orientação / professor. Os alunos completarão a sua
ficha com os outros exemplos apresentados pelos colegas.

3.3. Com base nas respostas dadas pelos alunos no exercício anterior, o profissional de orientação
/ professor realçará, uma vez mais, a importância da aprendizagem da língua estrangeira, a qual
contempla a aprendizagem das quatro capacidades base e que, quando levada a cabo de forma
continuada e sistemática, possibilita aos alunos COMUNICAR, quer em situações do quotidiano,
quer num contexto de situação profissional. Caso os exemplos apresentados anteriormente pelos
alunos não possibilitem ilustrar esta diferença, o profissional de orientação / professor deverá, ele
próprio, sugerir alguns exemplos adequados, nomeadamente:
• perceber uma canção em língua estrangeira;
• comunicar com um estrangeiro no Messenger;
• ler e compreender os manuais do utilizador que acompanham as máquinas da minha
empresa;
• participar em reuniões de trabalho com colegas de outros países.

8
Exercício 4 – Identificar um conjunto de oportunidades de carreira
proporcionadas pelo domínio da língua inglesa

Material: Ficha de Trabalho 3


Tempo: 15 minutos

4.1. O profissional de orientação / professor distribui aos alunos a Ficha de Trabalho 3, pedindo-
lhes que a completem em pares. Ao introduzir este exercício, o profissional de orientação /
professor procurará que os alunos se centrem apenas no contexto da sua futura profissão e
retomará a ideia anteriormente veiculada da Língua Inglesa como a língua de trabalho e de
negócios ao nível da União Europeia, pelo que o seu domínio constituirá um instrumento facilitador
da inserção e progressão nas carreiras. No final, o profissional de orientação / professor registará
no quadro algumas das situações identificadas pelos alunos.

9
Exercício 5 – Ir trabalhar e / ou fazer um estágio para o estrangeiro: tomar
consciência dos aspectos relacionados com a mobilidade na União Europeia

Material: Ficha de Trabalho 4


Ficha de Trabalho 5 / Ficha de Trabalho 5 – Resolução
Tempo: 25 minutos

5.1. Os alunos são convidados a imaginar uma situação em que irão trabalhar / viver / estudar
temporariamente num país da União Europeia. Para o efeito, devem responder às questões da
Ficha de Trabalho 4 em pares ou pequenos grupos. Após o preenchimento da ficha, o profissional
de orientação / professor deverá suscitar no grupo turma a discussão sobre os sentimentos, as
expectativas e as preocupações identificados e inerentes à situação apresentada.

5.2. O profissional de orientação / professor coloca os alunos perante uma situação concreta: a
realização de um estágio profissional num país da União Europeia. A Ficha de Trabalho 5 – um
quiz – remete para aspectos de ordem prática relacionados com a mobilidade inerente à situação,
como sejam:
• transportes
• alojamento
• assistência médica
• seguros
• cursos de língua

A resolução da ficha deverá ser feita em pares e será auxiliada pela apresentação de frases a
completar. A correcção do exercício será realizada pelo grupo turma oralmente.

5.3. O profissional de orientação / professor apresenta as situações colocadas nos exercícios


anteriores como passíveis de virem a ser concretizadas pelos alunos no âmbito dos Programas
Comunitários Sócrates e Leonardo da Vinci.
No capítulo ‘Programas Comunitários’, o profissional de orientação / professor encontra informação
sistematizada sobre os diferentes programas comunitários / medidas promotores da mobilidade e
da aprendizagem das línguas.
Esta informação não deverá, no entanto, substituir uma consulta cuidada do sítio da Internet da
Agência Nacional para os Programas Comunitários Sócrates e Leonardo da Vinci, bem como de
outras páginas web constantes do referido capítulo.

10
11
FICHA DE TRABALHO 1
OS PAÍSES E AS LÍNGUAS DA UNIÃO EUROPEIA

Mapa: www.dre.pt/ue/default.html
Faz corresponder a Língua ao País onde é falada.

PAÍS LÍNGUA
Alemanha
Áustria
Bélgica
Chipre
Dinamarca
Eslováquia
Eslovénia
Espanha
Estónia
Finlândia
França
Grécia
Hungria
Irlanda
Itália
Letónia
Lituânia
Luxemburgo
Malta
Países Baixos / Holanda
Polónia
Portugal
Reino Unido
República Checa
Suécia
12
FICHA DE TRABALHO 1A
OS PAÍSES E AS LÍNGUAS DA UNIÃO EUROPEIA

Mapa: www.dre.pt/ue/default.html
Faz corresponder a Língua ao País onde é falada.

PAÍS PAÍS LÍNGUA LÍNGUA


1. Alemanha a. Grego
2. Áustria b. Castelhano (Espanhol)
3. Bélgica c. Húngaro
4. Chipre d. Finlandês
5. Dinamarca e. Alemão
6. Eslováquia f. Neerlandês
7. Eslovénia g. Italiano
8. Espanha h. Português
9. Estónia i. Lituano
10. Finlândia j. Maltês
11. França l. Checo
12. Grécia m. Inglês
13. Hungria n. Eslovaco
14. Irlanda o. Polaco
15. Itália p. Dinamarquês
16. Letónia q. Esloveno
17. Lituânia r. Francês
18. Luxemburgo s. Gaélico
19. Malta t. Letão
20. Países Baixos / u. Sueco
Holanda
21. Polónia v. Luxemburguês
22. Portugal x. Estónio
23. Reino Unido
24. República Checa
25. Suécia
13
FICHA DE TRABALHO 2

Completa os rectângulos com exemplos possíveis.

LER
y

y
ESCREVER
y
y
y
y

SE EU SOUBER FALAR

UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

POSSO …

FALAR
y

OUVIR y

y y
y
y
y
y y
y
y
y

14
FICHA DE TRABALHO 3

Completa o quadro com exemplos possíveis.

Na minha futura profissão, se eu souber falar Inglês, terei oportunidade de …

y acompanhar visitantes estrangeiros na minha empresa.

y aprender mais facilmente a trabalhar com novos programas informáticos.

15
FICHA DE TRABALHO 4

Imagina que vais trabalhar / viver / estudar temporariamente num país da União
Europeia. Completa as frases seguintes.

1. Eu imagino-me a ……………………………………………………………………………………………………
e sinto que ………………………………………………………………………………………………………………..
…………………………………………………………………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………………………………………………

2. As minhas expectativas e interesses são ………………………………………………………………….


…………………………………………………………………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………………………………………………

3. Eu estou preocupado com ………………………………………………………………………………………


…………………………………………………………………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………………………………………………

4. Antes de partir tenho que tratar de ………………………………………………………………………….


…………………………………………………………………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………………………………………………

5. Poderei obter a informação de que preciso consultando …………………………………………….


…………………………………………………………………………………………………………………………………
ou indo a ………………………………………………………………………………………………………………….
…………………………………………………………………………………………………………………………………

16
FICHA DE TRABALHO 5

Completa o seguinte quiz com as palavras que faltam nas frases apresentadas.

1. S

2. A

3. N S

4. A A D

5. O L

6. B D

7. A M

1. Em caso de acidente, devo ter a cobertura de um ……………….. .


2. O apoio financeiro que recebo para participar na formação chama-se ……………….. .
3. Vou ter de utilizar ……………….. para me deslocar.
4. Para beneficiar de consultas se estiver doente preciso de garantir ……………….. .
5. Depois de frequentar um ……………….. poderei falar na língua do país de acolhimento.
6. Através dos Programas Comunitários de ……………….. tenho oportunidade de ir estudar
ou trabalhar no estrangeiro.
7. Tratar do ……………….. é fundamental para não dormir na rua.

17
18
FICHA DE TRABALHO 1 - RESOLUÇÃO

Mapa: www.dre.pt/ue/default.html

PAÍS LÍNGUA
Alemanha ALEMÃO
Áustria ALEMÃO
Bélgica ALEMÃO, FRANCÊS, NEERLANDÊS
Chipre GREGO
Dinamarca DINAMARQUÊS
Eslováquia ESLOVACO
Eslovénia ESLOVENO
Espanha CASTELHANO (ESPANHOL)
Estónia ESTÓNIO
Finlândia FINLANDÊS
França FRANCÊS
Grécia GREGO
Hungria HÚNGARO
Irlanda GAÉLICO, INGLÊS
Itália ITALIANO
Letónia LETÃO
Lituânia LITUANO
Luxemburgo LUXEMBURGUÊS
Malta MALTÊS
Países Baixos / Holanda NEERLANDÊS
Polónia POLACO
Portugal PORTUGUÊS
Reino Unido INGLÊS
República Checa CHECO
Suécia SUECO

19
FICHA DE TRABALHO 1A - RESOLUÇÃO

Mapa: www.dre.pt/ue/default.html

PAÍS PAÍS LÍNGUA LÍNGUA


1. Alemanha 1. e. a. Grego
2. Áustria 2. e. b. Castelhano (Espanhol)
3. Bélgica 3. e., r., f. c. Húngaro
4. Chipre 4. a. d. Finlandês
5. Dinamarca 5. p. e. Alemão
6. Eslováquia 6. n. f. Neerlandês
7. Eslovénia 7. q. g. Italiano
8. Espanha 8. b. h. Português
9. Estónia 9. x. i. Lituano
10. Finlândia 10. d. j. Maltês
11. França 11. r. l. Checo
12. Grécia 12. a. m. Inglês
13. Hungria 13. c. n. Eslovaco
14. Irlanda 14. s., m. o. Polaco
15. Itália 15. g. p. Dinamarquês
16. Letónia 16. t. q. Esloveno
17. Lituânia 17. i. r. Francês
18. Luxemburgo 18. v. s. Gaélico
19. Malta 19. j. t. Letão
20. Países Baixos / 20. f. u. Sueco
Holanda
21. Polónia 21. o. v. Luxemburguês
22. Portugal 22. h. x. Estónio
23. Reino Unido 23. m.
24. República Checa 24. l.
25. Suécia 25. u.

20
FICHA DE TRABALHO 5 - RESOLUÇÃO

1. S E G U R O

2. B O L S A

3. T R A N S P O R T E S

4. A S S I S T Ê N C I A M É D I C A

5. C U R S O D E L Í N G U A S

6. M O B I L I D A D E

7. A L O J A M E N T O

1. Em caso de acidente, devo ter a cobertura de um ……………….. .


2. O apoio financeiro que recebo para participar na formação chama-se ……………….. .
3. Vou ter de utilizar ……………….. para me deslocar.
4. Para beneficiar de consultas se estiver doente preciso de garantir ……………….. .
5. Depois de frequentar um ……………….. poderei falar na língua do país de acolhimento.
6. Através dos Programas Comunitários de ……………….. tenho oportunidade de ir estudar
ou trabalhar no estrangeiro.
7. Tratar do ……………….. é fundamental para não dormir na rua.

21
22
DOCUMENTO DE APOIO 1 - MAPA DA EUROPA

Fonte: www.terravista.pt/bilene/1574/mg_europa.html
23
DOCUMENTO DE APOIO 2

ALEMANHA
(DEUTSCHLAND) ALEMÃO
BERLIM

ÁUSTRIA
(ÖSTERREICH) ALEMÃO
VIENA

BÉLGICA ALEMÃO, FRANCÊS,


(BELGIË / BELGIQUE) NEERLANDÊS
BRUXELAS

CHIPRE
(KYPROS) GREGO
NICÓSIA

DINAMARCA
(DANMARK) DINAMARQUÊS
COPENHAGA

24
DOCUMENTO DE APOIO 2

ESLOVÁQUIA
(SLOVENSKO) ESLOVACO
BRATISLAVA

ESLOVÉNIA
(SLOVENIJA) ESLOVENO
LLIUBLIANA

ESPANHA CASTELHANO
(ESPAÑA) (ESPANHOL)
MADRID

ESTÓNIA
(EESTI) ESTÓNIO
TALLIN

FINLÂNDIA
(SUOMI) FINLANDÊS
HELSÍNQUIA

25
DOCUMENTO DE APOIO 2

FRANÇA
(FRANCE) FRANCÊS
PARIS

GRÉCIA
(ELLADA) GREGO
ATENAS

HUNGRIA
(MAGYARORSZÁG) HÚNGARO
BUDAPESTE

REPÚBLICA DA IRLANDA
(ÉIRE) GAÉLICO, INGLÊS
DUBLIN

ITÁLIA
(ITALIA) ITALIANO
ROMA

26
DOCUMENTO DE APOIO 2

LETÓNIA
(LATVIJA) LETÃO
RIGA

LITUÂNIA
(LIETUVA) LITUANO
VILNIUS

LUXEMBURGO
(LUXEMBOURG) LUXEMBURGUÊS
LUXEMBURGO

MALTA
(MALTA) MALTÊS
LA VALETA

PAÍSES BAIXOS / HOLANDA


(NEDERLAND) NEERLANDÊS
AMSTERDÃO

27
DOCUMENTO DE APOIO 2

POLÓNIA
(POLSKA) POLACO
VARSÓVIA

PORTUGAL
(PORTUGAL) PORTUGUÊS
LISBOA

REINO UNIDO
(UNITED KINGDOM) INGLÊS
LONDRES

REPÚBLICA CHECA
(CESKÁ REPUBLIK) CHECO
PRAGA

SUÉCIA
(SVERIGE) SUECO
ESTOCOLMO

28
DOCUMENTO DE APOIO 3

PAÍS LÍNGUA

29
DOCUMENTO DE APOIO 4

470 MILHÕES

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

372 MILHÕES

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

182 MILHÕES

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
30
124 MILHÕES

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

121 MILHÕES

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

31
32
I. PROGRAMA LEONARDO DA VINCI – Programa Comunitário de Acção em
Matéria de Formação Profissional
www.socleo.pt

O Programa Leonardo da Vinci é um programa gerido pela União Europeia e tem como objectivos:
• proporcionar aos jovens o acesso a cursos e estágios de formação para que, através deles,
possam aumentar os seus níveis de qualificação e, consequentemente, as probabilidades
de inserção no mercado de trabalho;
• melhorar a formação profissional de pessoas de todas as idades, ajudando-as a
desenvolver competências e a adquirir novas qualificações ao longo da vida, preparando-
se, dessa forma, para as novas exigências profissionais.

No âmbito deste programa será concedido apoio comunitário, entre outras, às seguintes acções:
- Jovens que frequentam um curso de formação profissional inicial
• estágios de, em princípio, 3 semanas a 9 meses em instituições de formação profissional e
em empresas, sendo que estes estágios constituem parte integrante do programa de
formação profissional.
- Estudantes
• estágios de 3 a 12 meses em empresas.
- Jovens trabalhadores e recém-licenciados
• estágios de 2 a 12 meses em instituições de formação profissional e empresas.

Este programa prevê a atribuição de uma bolsa para os projectos transnacionais de estágios e
intercâmbios.

As qualificações obtidas nos cursos de formação técnica ou profissional no estrangeiro serão


reconhecidas em todos os países da União Europeia.

II. PROGRAMA SÓCRATES – Programa de Acção da Comunidade Europeia no


Domínio da Educação
www.socleo.pt

II. A. PROGRAMA SÓCRATES / COMENIUS

O Programa Sócrates / Comenius tem como objectivos:


• melhorar a qualidade e reforçar a dimensão europeia no ensino escolar;
• incentiva à cooperação transnacional entre escolas;
• promover o conhecimento de línguas e a consciência intercultural.

No âmbito deste programa, estudantes, professores, etc. podem participar em diferentes acções
apenas através do respectivo estabelecimento de ensino.

II. A. 1. PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO COMENIUS 1: PARCERIAS ENTRE ESCOLAS

No âmbito desta acção podem ser desenvolvidos, nomeadamente, dois tipos de projectos:
• Os Projectos de Escola Comenius desenvolvem-se com base numa parceria que
envolve, pelo menos, três países e proporcionam a professores e alunos desses países a
oportunidade de executarem actividades centradas num ou em vários temas de interesse
comum, no âmbito das actividades lectivas regulares. Os alunos têm a possibilidade de
participar na actividade de mobilidade transnacional ‘Reunião de Projecto’.
33
• Os Projectos de Língua Comenius procuram promover nos jovens a motivação, as
competências e a confiança para comunicarem noutras línguas europeias. Um Projecto de
Línguas Comenius é executado por grupos de pelo menos 10 jovens a partir dos 14 anos
de idade, das escolas dos dois países participantes. É parte integrante destes projectos a
realização de um intercâmbio recíproco de alunos, com uma duração de, pelo menos, 14
dias (incluindo a viagem) para cada um dos grupos.

II. B. PROGRAMA SÓCRATES / ERASMUS


www.socleo.pt

Este programa tem como objectivos:


• promover a qualidade e reforçar a dimensão europeia no ensino superior;
• incentivar a cooperação transnacional entre universidades;
• fomentar a mobilidade europeia no sector do ensino superior;
• melhorar a transparência e o reconhecimento académico de estudos e habilitações em toda
a União.

Este programa destina-se, pois, a jovens que pretendem estudar numa instituição de ensino
superior num dos 31 países que participam no programa.

O programa possibilita:
• a oportunidade de estudar numa instituição parceira num país europeu durante 3 a 12
meses;
• pleno reconhecimento académico do período de estudos efectuados no estrangeiro como
parte integrante do curso inicial;
• a possibilidade de beneficiar de uma pequena bolsa da União Europeia para cobrir
despesas suplementares.

Os cursos de línguas intensivos preparatórios, ministrados pelas universidades de acolhimento,


contribuem para a melhoria dos conhecimentos linguísticos dos jovens.

II. C. PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO GRUNDTVIG


www.socleo.pt

Esta acção destina-se a melhorar a qualidade e a incentivar a dimensão europeia na educação de


adultos, contribuindo para proporcionar mais oportunidades de aprendizagem ao longo da vida a
todos os cidadãos europeus.

No âmbito desta acção, entende-se por adulto qualquer pessoa com mais de 25 anos, ou qualquer
pessoa de idade compreendida entre os 16 e os 24 anos que não frequente o ensino secundário a
nível do sistema educativo formal.

O conceito de ‘educação de adultos e de ‘aprendizagem’ abrange todas as modalidades de


aprendizagem, quer estejam incluídas no sistema formal ou não formal de educação de adultos,
quer tenham ainda um carácter mais informal.

A Acção Grundtvig destina-se a pessoas que estão interessadas em:


• aumentar a sua capacidade de intervenção activa na sociedade e os seus conhecimentos
de outras culturas;
• melhorar as suas oportunidades profissionais, pela aquisição ou actualização das suas
próprias competências;
• aumentar a sua capacidade de ingresso ou de regresso ao sistema educativo formal.
34
III. EURES – Portal Europeu da Mobilidade Profissional
www.europa.eu.int/eures

A forma mais fácil de procurar trabalho noutro país europeu é visitar o portal EURES.

A rede EURES (Serviços de Emprego Europeus) tem por objectivo informar, aconselhar e assistir
os cidadãos europeus que pretendem trabalhar noutro país, bem como os empregadores que
desejam recrutar trabalhadores no estrangeiro.

A rede EURES agrupa a Comissão Europeia e os serviços públicos de emprego na Europa, bem
como sindicatos, organizações patronais e autoridades locais e regionais.

Conselheiros EURES
São mais de 500 em toda a Europa. Possuem uma base de dados com informações sobre as
condições de vida e de trabalho em cada país, o mercado laboral, o alojamento, a educação, o
custo de vida, a saúde, a legislação social, a fiscalidade, as oportunidades de formação, a
possibilidade de comparar qualificações, etc.

Bases de dados de ofertas de emprego e de Curriculum Vitae (CV)


A rede EURES desenvolveu uma base de dados que reúne as ofertas de emprego disponíveis em
toda a Europa.
Os empregadores podem utilizá-la para divulgar as suas ofertas de emprego em 17 países.
Todos os candidatos a emprego podem procurá-lo em qualquer um desses países.

Existe também uma base de dados de procura de CV. Todos os candidatos a emprego podem
recorrer a essa base para divulgar o respectivo CV a um leque alargado de empregadores, que
poderão contactar directamente os candidatos que considerem adequados.

IV. PLOTEUS – Portal on Learning Opportunities Throughout the European


Space / Portal sobre as Oportunidades de Aprendizagem no Espaço Europeu
www.ploteus.net

Portal concebido pela União Europeia para orientar os cidadãos para fontes de informação
pormenorizadas em matéria de ensino e formação em 30 países europeus.

Ligações possíveis:
• Oportunidades de Aprendizagem: ligações a bases de dados nacionais ou regionais e
sítios da Internet de estabelecimentos de ensino ou organismos de formação em 30 países
europeus
• Sistemas Educativos: descrições claras e sucintas dos sistemas nacionais de educação e
formação, incluindo informações sobre habilitações, bolsas e propinas
• Intercâmbios: informações sobre todos os tipos de programa de intercâmbio em todos os
níveis de ensino e de formação
• Contacto: informações e questões em matéria de orientação profissional – inclui dados
sobre centros nacionais de orientação profissional em 30 países
• Mudança de País: informações úteis sobre questões práticas relacionadas com a vida e a
aprendizagem no estrangeiro, tais como alojamento, custo de vida, impostos e segurança
social.

35
ESTIA
www.estia.educ.goteborg.se

O Projecto ESTIA começou como um projecto-piloto no quadro do Programa Leonardo da Vinci e


destina-se prioritariamente a conselheiros de orientação.

O objectivo do Projecto Estia, através da sua página web, é proporcionar ao utilizador informação
útil sobre educação, profissões e mercado de trabalho em diferentes países europeus.

Esta página web tem ligações às páginas nacionais de cada país participante, as quais obedecem a
uma estrutura semelhante na sua configuração e conteúdo.

36
SÍTIOS A CONSULTAR

www.dgfv.min-edu.pt
www.dgidc.min-edu.pt
www.rede-nonio.min-edu.pt/1cic/agrup_ovar/europa.htm
www.iefp.pt
www.socleo.pt
www.europa.eu.int
www.ploteus.net
www.estia.educ.goteborg.se
www.languages-on-the-web.com
www.eurydice.org
www.euroguidance.org.uk

PUBLICAÇÕES DA DGFV
Eu escolhi … a qualificação
Uma aposta na qualificação de jovens
Eu aprendo … ao longo da vida
Uma aposta na qualificação de adultos
Uma aposta na qualificação de jovens / Uma aposta na qualificação de adultos

CONTACTOS:
Direcção-Geral de Formação Vocacional
Av. 24 de Julho, n.º 138
1399-026 LISBOA
Tel: 21 394 37 00
Fax: 21 394 37 99