Você está na página 1de 3
I N S T I T U T O D E P A R T

I N S T I T U T O

D E P A R T A M E N T O

U N I V E R S I D A D E

D E

F I L O S O F I A

D E

F E D E R A L

E

C I Ê N C I A S

S O C I A I S

C U L T U R A L

J A N E I R O

A N T R O P O L O G I A

D O

R I O

D E

FCA 218 – ANTROPOLOGIA CULTURAL PROFESSOR: Cesar Gordon Horário: Terça-feira, 8h40 às 10h20 / Quinta Feira, 8h40 às 10h20 Turma: Ciências Sociais

Ementa:

A configuração da antropologia como campo de conhecimento próprio, e sua relação com as demais

ciências sociais e humanas. As concepções de sociedade e cultura: a diferenciação entre o social e o

biológico, entre o natural e o cultural. As teorias da evolução humana em perspectiva antropológica. O

problema do etnocentrismo e a experiência da relativização. A interrelação característica da disciplina

antropológica entre pesquisa de campo, etnografia e desenvolvimento teórico.

Introdução

PROGRAMA

Apresentação do programa, avaliação da bibliografia.

Primeira Parte: Antropologia no quadro das ciências humanas

I. Gênese das ciências humanas e sociais (panorama dos sécs. XVI ao XVIII, da renascença ao iluminismo)

I.1. Descoberta do novo mundo e a crise da consciência européia: o alvorecer do relativismo I.2. Antropologia mecanicista e cartesianismo I.3. A idéia de Natureza e a História Natural do Homem I.4. Teoria empirista do conhecimento e as origens da psicologia I.5. Filosofias da natureza, da cultura e da história

Bibliografia:

ERIKSEN, T. H & NIELSEN, F. S. 2007 [2001]. História da Antropologia. Petrópolis: Vozes. LAPLANTINE, François. 2005. [1987]. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense. POIRIER, Jean. 1981 [1969]. História da etnologia. São Paulo: Cultrix.

Bibliografia complementar recomendada:

GUSDORF, Georges. 1974. Introduction aux sciences humaines. Paris: Editions Ophrys. HAZARD, Paul. 1961. La Crise de la Conscience Européenne: 1680-1715. Paris: Fayard. HIMMELFARB, Gertrude. 2011 [2005]. Os caminhos para a modernidade: o iluminismo britânico, americano e francês. São Paulo: É Realizações.

II.

Antropologia no quadro do pensamento filosófico, social e científico europeu da segunda metade do séc. XIX

II.1. Divórcio da filosofia, da religião e da ciência: positivismo e cientificismo II.2. Evolucionismo filosófico, utilitarismo e darwinismo II.3. Antropologia física e teorias raciais II.4. Etnologia e Linguistica Comparativa II.4. O evolucionismo socio-cultural

Bibliografia:

CASTRO, Celso (org.). 2005. Evolucionismo cultural: textos de Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar. GOULD, Stephen Jay. 1991 [1981]. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes KUPER, Adam. 2008 [2005]. A reinvenção da sociedade primitiva: transformações de um mito. Recife:

Ed.UFPE. MEIRA PENNA, José Osvaldo de. 2006. Polemos: uma análise crítica do darwinismo. Brasília: Editora da UnB.

Bibliografia complementar recomendada

BURROW, J. W. 1966. Evolution and Society: a study in Victorian social theory. Cambridge: CUP. HIMMELFARB, G. 1968. Victorian Minds: a study of intellectuals in crisis and ideologies in transition. New York: Knopf. STOCKING Jr, George W. 1987. Victorian Anthropology. New York: The Free Press.

Segunda parte: O conceito antropológico de cultura

I. Gênese dos conceitos de cultura e civilização no sec. XVIII

II. O contraste franco-alemão entre civilização e cultura no sec. XIX

III. O desenvolvimento de um conceito “científico”, não normativo de cultura

Bibliografia:

CUCHE, Denys. 2002 [1999]. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC. ELIAS, Norbert. 1990 [1939]. “Da Sociogênese dos conceitos de civilização e cultura”, In: O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, pp. 21-64. KUPER, Adam. 2002 [1999]. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC.

Terceira Parte: Antropologia Cultural ou Social?

I. As principais tradições nacionais que se consolidam na antropologia no século XX:

Inglaterra, França, EUA

II. O particularismo cultural nos EUA de Franz Boas à escola de cultura personalidade

III. Cultura e sociedade na antropologia britânica: de Tylor a Malinowski

IV. Cultura e sociedade na Escola Sociológica Francesa: de Durkheim a Mauss

V. Dicotomias constitutivas: natureza x cultura; indivíduo e sociedade

VI. A antropologia no pós-guerra: cultura simbólica e o estruturalismo de Lévi-Strauss

Bibliografia:

BENEDICT, Ruth. [1934] 2005. Padrões de Cultura. Lisboa: Edições Livros do Brasil. CASTRO, Celso (org.). 2004. Franz Boas: antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar GEERTZ, Clifford. 1973 [1978]. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (se possível cotejar com o original em inglês, pois a tradução brasileira traz muitos erros).

KUPER, Adam. 2002 [1999]. Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: EDUSC. KUPER, Adam. 1978 [1973]. Antropólogos e antropologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves. LEACH, Edmund1982. A Diversidade da Antropologia. Lisboa: Edições 70. LÉVI-STRAUSS, Claude. 1987 [1960]. “O campo da antropologia”, e “O que a etnologia deve a Durkheim”, In Antropologia Estrutural Dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. MEAD, Margareth. 1988 [1950]. Sexo e Temperamento. 3ª ed., São Paulo: Editora Perspectiva. MAUSS, Marcel. 2003 [1950]. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify STOCKING Jr, George W. (org.). 2004 (1999). Franz Boas: a formação da antropologia americana. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora UFRJ

Bibliografia complementar:

BARNARD, Alan. 2000. History and theory in anthropology. Cambridge: Cambridge Univ. Press. HARRIS, Marvin. 1968. The rise of anthropological theory. New York: Thomas Crowell Co. MOORE, Jerry D. 2009. Visions of culture: an introduction to anthropological theories and theorists. Lanham: Altamira Press.

Quarta parte: Etnografia e Trabalho de Campo

I. A “invenção” do trabalho de campo por Malinowski e seus antecedentes.

II. A definição da antropologia moderna pela especificidade do método etnográfico

III. Para além da metodologia: implicações epistemológicas e existenciais do trabalho de campo

Bibliografia:

EVANS-PRTCHARD, E. E. 1985. [1951]. “Trabalho de campo e tradição empírica”. In: Antropologia Social. Lisboa: Edições 70. pp.67-85. LÉVI-STRAUSS, Claude. 2004 [1955]. Tristes Trópicos. São Paulo: Cia das Letras. MALINOWSKI, B. 1976 .[1922]. “Introdução: tema método e objetivo desta pesquisa”, In: Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural. pp. 21-74. MATTA, Roberto da. 1978. “O ofício do etnólogo, ou como ter anthropological blues”, In E. O. Nunes (org.), A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, pp. 23-35 SEEGER, Anthony. 1980. “Pesquisa de Campo: Uma Criança no Mundo” In: Os Índios e Nós: Estudos sobre Sociedades Tribais Brasileiras. Rio de Janeiro, Ed. Campus.

Avaliação

1) Serão realizadas duas verificações individuais(A e B), sendo a média final dada pela fórmula (A+B)/2. 2) Frequência: a aprovação está condicionada à presença mínima de 75% das aulas.

OBS. A bibliografia é apenas indicativa, podendo sofrer acréscimos ou substituições, a critério do professor e de acordo com o andamento das aulas. Não se espera que os alunos leiam integralmente todos os títulos mencionados acima, mas trechos e capítulos previamente selecionados pelo professor.