Você está na página 1de 3

Avaliação do Curso de Segurança Pública - UFRJ

julho de 08 •
Professor Marcos Luiz Bretas

o texto abaixo reproduz a definição de polícia do primeiro manual de treinamento da Polícia


Militar do Rio de Janeiro, publicado em 1922. Discuta a concepção de polícia apresentada,
face aos modelos internacionais e às tendências posteriores, na busca de um conceito
operacional de polícia.

Capítulo I - Fins e Constituição da Polícia

Polícia em Geral

Originária dos primeiros núcleos humanos, que sentiram a urgel!te necessidade d riação
~de ser considerada como a argamassa das sociedades mais antigas, o cimento as
civilizações mais remotas.
Ao homem não é dado viver sem a companhia e a solidariedade dos outros homens. A sua
organização física e moral, distinta da de todos os demais seres viventes, i~
com o isolamento.
~mem é sempre um fraco. Não teria resistido, nos primeiros tempos, aos .
animais, aos climas e às intempéries, nem triunfado, posteriormente, de outros elementos
hostis à sua segurança e ao seu bem estar, consolidando e aprimorando seus meios de defesa,
se se não houvesse associado aos seus semelhantes, suprindo pela união e cooperação a
deficiência dos seus recursos pessoais.
Mas a vida em sociedade, embora conjurando os males que fariám sucumbir o homem
isolado, não seria suportável, por implicar a inapelável dominação dos mais fracos elos mais
~s esmagando aqueles, se o Direito, criação dos próprios homens, dóceis ao instinto
social, não viesse por termo a essa causa de desagregação, regulando as vontades e ações
humanas.
Para conciliar a liberdade individual com a liberdade de todos, tornando possível a vida em
comum, o direito limita a atividade de cada homem formulando regras de conduta que
ninguém pode deixar de observar, sob pena d~ incidir em sanções várias.
Só o direito, portanto, tem força e eficácia para manter ~ ordem e a paz no seio dos
agru~
O~ na lei. Est,a supõe entidades que velem por sua observância e punam os
seus infratores. Daqui a concepção de Justiça e da Polícia.
A Justiça, ou melhor, o Poder Judiciário, por iniciativa dos lesados ou da sociedade,
representada por funcionários especiais, aplica a lei nos casos ocorrentes, apurando
responsabilidades e impondo penas ou reparações.
A Polícia, cumprindo e fazendo cumprir a lei, mantém a ordem pública, condição essencial de
paz e prosperidade, protege direitos e pessoas, previne perigos e delitos, e, qyando falha aJilla
atividade preventiYll, indica o autor da infração e recolhe provas e indícios, habilitando o
poder judiciário a exercer a sua alta missão. .~
A PQtíciaprecede a Justiça na luta contra os que se não adaptam ao regime do direito,
praticando atos perturbadores da paz social. O seu dever principal é impedir o malefício
possível, pertencendo à justiça o reprimir o malefício realizado.
Assim, imensa e da maior relevân~ia~ia nessa infinidade de séculos
por que se derrama a vida do homem.
Atualmente, em toda parte, os núcleos anti-sociais aumentam em densidade e nocividade,
reforçados, que são, ininterruptamente, por gente moça, ardilosa e resoluta, provinda das
camadas onde se aborrece o trabalho e se educam mal as crianças.
Tanto vale dizer que a necessidade da polícia nunca se fez sentir mais intensamente do que na
hora presente.

Compêndio de Instrução Policial mandado organizar pelo General Comandante José da Silva
Pessoa. Edição de 1922, pp. 117-118 .


~ t1.~ rvn<f ~J1OG-
fI'~/ ~~~~~~~~

-Jt>n<:1o YOfY ~.~ ~( fT ~ ~ (n-U>Oô -_

; '?1'Yf ~ ~ ~ ~~ (J' ~

~d)')tW' 0!~PJ1?-f\ 1O'f )~ ~ ~ ,-


- • ~'YY'( ~~tJY)

( •. i ~ov., ~~ 1> T ~ 'o ~ I't'


~k>1t" ~~wr ~- ~ O 9S - ,
~~ 'f O')~1p" ~~ -
.~'M~04 ~ ~.~ r\M~ -
-_ - rv~A)-
~ ~Jrl •

f4'PJd~l1