Você está na página 1de 6

CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE

FACULDADE ATENAS MARANHENSE


ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM

Samara Keylla
Silma Gois
Suely Martins
Taiza Cunha
Vilza Cruz

São Luis
2009
Samara Keylla
Silma Gois
Suely Martins
Taiza Cunha
Vilza Cruz

ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM

Trabalho apresentado ao
curso de Pós graduação da
FAMA, disciplina: Gestão
Contemporânea, ministrado
pelo professor Gerisval
Pessoa.

São Luís
2009
ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM

RESUMO

Apresenta as possibilidades de desenvolvimento dos processos de aprendizagem dentro


das organizações. A base de uma organização é o conhecimento dos seus
colaboradores. Hoje o que é relevante nas organizações é o capital intelectual. Tem como
base principal as ideais apresentadas por Peter Senge no seu livro A Quinta Disciplina.

PALAVRAS-CHAVE

Organizações, Aprendizagem, Conhecimento.

1. INTRODUÇÃO

As empresas estão diante de um macro-sistema marcado pela crise e a


incerteza que provoca a necessidade de mudanças. O administrador como um
agente de transformação necessita de um novo perfil, caracterizado pela
necessidade urgente de mudar a sua maneira de ver o processo de aprendizagem
como uma forma de requalificação profissional, passando a concebê-la como um
instrumento de renovação dos seus conhecimentos que acontece no dia-a-dia das
organizações.

Organizações que aprendem, é aquela em que o conhecimento é à base de


tudo que a empresa faz.

As empresas do passado precisavam muito do capital dinheiro no negócio


da produção. Hoje em dia, é preciso investir capital humano.

Se o ponto de partida para se tornar uma learning organization está no


engajamento de todos os membros da empresa, o passo seguinte é incorporar as
cinco disciplinas de aprendizagem: domínio pessoal, modelos mentais, visão
compartilhada, aprendizado em equipe e pensamento sistêmico. Quem diz isso é
Peter M. Senge, o maior especialista em aprendizado organizacional da
atualidade, autor do livro A Quinta Disciplina (ed. Best Seller), referência em todo
o mundo.
2. ORGANIZAÇÕES QUE APRENDEM

A organização que aprende ou (learning organization) valoriza cada vez mais


a geração de conhecimento interna. Criar uma ambiente de trabalho em que
possibilite que uma instância de treinamento seja o próprio local de trabalho. Além
do conjunto de treinamentos formais, as empresas que aprendem consideram
cada vez mais o próprio local para que ocorra discussão em grupo dos problemas
anormais: erros, falhas, problemas de qualidade. Não no sentido de apontar
culpados, mas falhas da organização como um todo. Este tipo de treinamento
ainda é muito pouco usado pelas empresas, mas pode configurar-se numa forma
de treinamento muito útil e relevante.

A Gestão do conhecimento é hoje um tema difundido nas organizações em


geral. Entretanto, não foi sempre assim. Na verdade, o estágio atual de evolução
da gestão do conhecimento teve origem bem definida: a publicação do livro A
QUINTA DISCIPLINA, de Peter Senge, no ano de 1990. De lá para cá, muitas
abordagens e modelos tem sido propostos por estudiosos e praticantes da área.

Peter Senge desenvolveu seu trabalho sobre as organizações que aprendem


aplicando conceitos da teoria dos sistemas à Administração. Desse ponto de
partida, ele apresentou um conjunto de cinco disciplinas que deveriam ser
desenvolvidas como meio de se implementar as mudanças necessárias para
desenvolver tal organização essas disciplinas são:

Domínio Pessoal - Significa aprender a expandir as capacidades pessoais para


obter os resultados desejados e criar um ambiente empresarial que estimule todos
os participantes a alcançar as metas escolhidas. No contexto estabelecido por
Senge, aprender não significaria estritamente adquirir mais conhecimentos, mas
sim expandir a capacidade de produzir os resultados desejados para a vida. A
importância dessa disciplina é baseada no fato das organizações aprenderem
através das pessoas. O desenvolvimento do domínio pessoal, apesar de
necessário, não é suficiente para promover sozinho, a aprendizagem
organizacional.

Modelos Mentais (ou paradigmas) - Consiste em refletir, esclarecer


continuamente e melhorar a imagem que cada um tem do mundo, a fim de
verificar como moldar atos e decisões. Nesse processo, as pessoas – e por
extensão, a organização toda – são levadas além dos questionamentos mais
óbvios e imediatos das suas práticas, ou na linguagem da teoria dos sistemas.

Visão Compartilhada – Fornece o foco e a energia necessária para o


aprendizado organizacional. O foco é expresso na forma de estratégias,
direcionando os esforços. A energia é necessária para superar os obstáculos
pessoais e organizacionais na concretização da visão, estimular o engajamento do
grupo em relação ao futuro que se procura criar e elaborar os princípios e as
diretrizes que permitirão que esse futuro seja alcançado logo. Por sua vez, a
visão exige algo além da sua aceitação, isto é, ela requer comprometimento.

Aprendizado em Equipe - Transforma as aptidões coletivas ligadas a


pensamento e comunicação, de maneira que grupos de pessoas possam
desenvolver inteligência e capacidades maiores do que a soma dos talentos
individuais. Devido à complexidade do ambiente de negócios, a maioria das
ações e projetos organizacionais exige cada vez mais trabalho coletivo. Daí a
importância dessa disciplina, seja para transcender as limitações e as
competências individuais, gerando sinergia e diversidade, seja para implementar o
trabalho de outras equipes. Ou seja, os trabalhos de maior impacto no
desempenho das organizações, frequentemente, são multidisciplinares.

Pensamento Sistêmico – É a disciplina específica que proporciona aos


indivíduos, e à organização como um todo, a capacidade de identificar e entender
como as forças e os elementos estruturais de um sistema interagem para produzir
os diversos fenômenos com os quais se deparam. Criar uma forma de analisar
uma linguagem para descrever e compreender as forças e inter-relações que
modelam o comportamento dos sistemas. É essa disciplina que permite mudar os
sistemas com maior eficácia e agir mais de acordo com os processos do mundo
natural e econômico.

REFERÊNCIAS
SENGE, Peter M. A quinta disciplina. São Paulo: Editora Best Seller, 1990.

MENDES, Jerônimo. A organização que aprende. Disponível em <


http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Organizacao_que_aprende.htm>.
Acessado em 09 de set. 2009.