Você está na página 1de 23
Propriedades Coligativas Por: Anne Ingrid Gemerson Lins Guilherme Henrique Wendel Denyson
Propriedades Coligativas Por: Anne Ingrid Gemerson Lins Guilherme Henrique Wendel Denyson
Propriedades Coligativas
Por: Anne Ingrid
Gemerson Lins
Guilherme Henrique
Wendel Denyson
Soluções  São misturas homogêneas de dois ou mais componentes, podem ser sólidas, líquidas ou
Soluções  São misturas homogêneas de dois ou mais componentes, podem ser sólidas, líquidas ou
Soluções
 São misturas homogêneas de dois ou mais
componentes, podem ser sólidas, líquidas ou
gasosas.
 A substância com maior quantidade na
solução recebe o nome de solvente.
 Aquelas em menor quantidade são chamadas
solutos.
Propriedades Coligativas das Soluções  São propriedades relacionadas a quantidade de partículas de um solvente,
Propriedades Coligativas das Soluções  São propriedades relacionadas a quantidade de partículas de um solvente,
Propriedades Coligativas das Soluções
 São propriedades relacionadas a quantidade
de partículas de um solvente, quando nela
adicionamos um soluto não-volátil, e não
dependem da natureza destas partículas.
 Não-volátil :ponto de ebulição superior ao do
solvente.
Efeitos Coligativos soluto; volátil à água, o soluto modifica as • São alterações nas propriedades
Efeitos Coligativos soluto; volátil à água, o soluto modifica as
Efeitos Coligativos
soluto;
volátil à água, o soluto modifica as

São alterações nas propriedades físicas devido a adição do

Quando adicionamos um soluto não

propriedades físicas da água. Agora

a água congela abaixo de 0 o C e ferve

acima de 100 o C.

Tonoscopia  É a diminuição da pressão de vapor do solvente;  Pressão de vapor

Tonoscopia

É a diminuição da pressão de vapor do solvente;

Pressão de vapor é aquela exercida pelas moléculas (de maior energia) do solvente,

contra a interface para passar ao estado de

vapor

• O diagrama mostra o abaixamento da pressão de vapor da solução em relação ao

• O diagrama mostra o abaixamento da pressão de vapor da solução em relação ao solvente

puro, sendo:

de vapor da solução em relação ao solvente puro, sendo: A cada temperatura, a solução possui

A cada temperatura, a solução possui menor pressão de vapor que o

solvente puro.

Aplicação no dia-a-dia: • Se eu tiver um frasco completamente fechado contendo metade de sua

Aplicação no dia-a-dia:

• Se eu tiver um frasco completamente fechado contendo metade de sua

capacidade um líquido qualquer, as moléculas do líquido se desprenderão e passarão ao estado de vapor, até que toda a metade “vazia” passe a conter

o vapor desse líquido. Esse vapor entrará em equilíbrio com o líquido, ou

seja, à medida que mais moléculas se desprendam, este equilíbrio é o que

chamamos de “Equilíbrio Dinâmico”.

• Se a esse líquido eu adicionar certa quantidade de soluto, ele impedirá que

as moléculas do líquido passem para o estado de vapor, da mesma forma

como é mais difícil sairmos de um ônibus lotado. Como o soluto não é volátil, ele não vai para o estado de vapor também; e como haverá menos

moléculas do que teria se o líquido estivesse “desimpedido”, a pressão de

vapor diminui.

Ebulioscopia • É o estudo da elevação do ponto de ebulição de um líquido, ocasionado

Ebulioscopia

É o estudo da elevação do ponto de ebulição de um líquido, ocasionado pela dissolução de um soluto não- volátil.

• A diminuição da PMV do solvente, devido à adição de

um soluto, leva inevitavelmente ao aumento da

temperatura de ebulição.

• Quanto maior a concentração do soluto, maior a

elevação da temperatura de ebulição do solvente e

maior a temperatura de ebulição do mesmo.

Crioscopia • É o estudo do abaixamento da temperatura de congelação de um líquido, por

Crioscopia

• É o estudo do abaixamento da temperatura de congelação de um líquido, por meio da adição de um soluto.

• A diminuição da pressão de vapor do solvente, devido

à adição de um soluto, leva à diminuição da

temperatura de congelamento.

• Quanto maior a concentração do soluto, maior o

abaixamento da temperatura de congelamento do

solvente e menor a temperatura de congelamento do

mesmo.

Representação Gráfica Dos efeitos ebulioscópio e Crioscópico.

Representação Gráfica Dos efeitos ebulioscópio e Crioscópico.

Representação Gráfica Dos efeitos ebulioscópio e Crioscópico.
Você sabia que • Quem congela primeiro: água quente ou água fria?

Você sabia que

• Quem congela primeiro: água quente ou água fria?

Você sabia que • Quem congela primeiro: água quente ou água fria?
Colocando-se no congelador dois copos iguais cheios de água, um a temperatura ambiente (30 C)

Colocando-se no congelador dois copos iguais

cheios de água, um a temperatura ambiente (30 C) e outro saído da chaleira (70 C), qual congelará

primeiro? Surpreendemente, a água que inicia mais

quente congela primeiro.

Bom, na verdade a água quente não congela mais

rapidamente que a água fria, é claro. Mas se você

ferve água e depois deixa que ela resfrie até a

temperatura ambiente, ela congelará mais rapidamente que uma outra quantidade de água que

não tenha sido aquecida antes. Estranho?

Não, e vamos ver o porquê. Quando você aquece a água, ela perde parte do

Não, e vamos ver o porquê. Quando você aquece a

água, ela perde parte do ar dissolvido nela, que sai

em forma de bolhas, e o ar é um mau condutor

térmico. Assim, o ar presente na água dificulta as

trocas de calor com o meio e dificulta a perda de calor

que a água precisa sofrer para que aconteça o

congelamento.

Por essa mesma razão, o gelo formado por água previamente fervida tem densidade maior do que aquele que se obtém com água que não passou por

esse processo. Em países muito frios, o que não é o

caso do Brasil, os canos de água quente tendem a

arrebentar antes do que os de água fria, pois

congelam primeiro

Osmose  Estuda a pressão osmótica de soluções. Osmose é a denominação dada ao fenômeno

Osmose

Estuda a pressão osmótica de soluções. Osmose é a denominação dada ao fenômeno da difusão do solvente através de membranas.

• A osmose também é uma propriedade

coligativa da solução, pois depende do número

de partículas dissolvidas.

Exemplo:

Exemplo:

Exemplo:
Classificação de membranas  Quanto à permeabilidade: - Membranas permeáveis: são membranas que deixam difundir

Classificação de membranas

Quanto à permeabilidade:

- Membranas permeáveis: são membranas que deixam

difundir o solvente e o soluto.

- Membranas semipermeáveis: são membranas que

deixam difundir apenas o solvente, impedindo a

difusão do soluto.

- Membranas impermeáveis: são membranas que não

deixam difundir nem o solvente e nem o soluto.

 Quanto à origem - Membranas naturais: são membranas de origem animal ou vegetal, como

Quanto à origem

- Membranas naturais: são membranas de origem animal ou

vegetal, como o pergaminho, o papel de celofane e a bexiga de

porco. As membranas naturais não são empregadas no estudo dos fenômenos osmóticos quando se exige precisão nos resultados, uma vez que não são perfeitamente semipermeáveis e deixam difundir também pequenas

quantidades de soluto.

- Membranas artificiais: são membranas de origem industrial e

são mais usadas devido a sua semipermeabilidade ser mais perfeita. A membrana de Traube-Pfefffer é uma das mais

importantes e consiste de um cilindro de porcelana porosa

Referencias http://ceticismo.net/ciencia-tecnologia/propriedades-coligativas/

Referencias

http://ceticismo.net/ciencia-tecnologia/propriedades-coligativas/

http://www.pucrs.br/quimica/mateus/pcoligativos.pdf

http://www.profpc.com.br/propriedades_coligativas.htm

Obrigado(a)!

Obrigado(a)!

Obrigado(a)!