Você está na página 1de 20
FOPASE – 2006 CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS O QUE SE SABE: MITOS E VERDADES, E O TRABALHO
FOPASE – 2006 CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS O QUE SE SABE: MITOS E VERDADES, E O TRABALHO

FOPASE – 2006

CAMPOS ELETROMAGNÉTICOS

O QUE SE SABE: MITOS E VERDADES, E O TRABALHO DO PROFISSIONAL EM ELETRICIDADE

Eng. José de Melo Camargo

AES ELETROPAULO

Telefone: (11) – 2195 2693 jose.camargo@aes.com

Maio/2006

FOPASE – 2006 O uso da eletricidade, como conhecemos, teve início na segunda metade do
FOPASE – 2006 O uso da eletricidade, como conhecemos, teve início na segunda metade do

FOPASE – 2006

O uso da eletricidade, como conhecemos, teve início na segunda metade do século XIX.

Como toda nova tecnologia, a eletricidade também não poderia deixar de causar reações nem sempre ditadas pela razão.

O uso da eletricidade para iluminação de forma alguma é prejudicial à saúde e não afeta a qualidade do sono

No século XXI, o número de pessoas expostas a Campos Magnéticos e Elétricos de baixa freqüência (50 ou 60 Hz) cresceu muito rapidamente, até incluir praticamente toda a população urbana e boa parte da população rural.

FOPASE – 2006 Aspectos Aspectos F F í í sicos sicos do do Campo Campo
FOPASE – 2006 Aspectos Aspectos F F í í sicos sicos do do Campo Campo

FOPASE – 2006

AspectosAspectos FFíísicossicos dodo CampoCampo MagnMagnééticotico ee CampoCampo ElEléétricotrico

O campo é uma área do espaço onde existem forças (ex. campo gravitacional);

Campo elétrico representa a força de uma carga elétrica exerce sobre outra carga elétrica;

Campo magnético representa a força que uma carga elétrica em movimento exerce sobre outra carga elétrica;

As instalações elétricas, igual a tudo que funciona com energia elétrica, gera campos magnéticos e elétricos.

FOPASE – 2006 Caracter Caracter í í sticas sticas do do Campo Campo Magn Magn
FOPASE – 2006 Caracter Caracter í í sticas sticas do do Campo Campo Magn Magn

FOPASE – 2006

CaracterCaracteríísticassticas dodo CampoCampo MagnMagnééticotico ee CampoCampo ElEléétricotrico

Intensidade;

Forma de onda (senoidal, retangular, dente de serra, etc);

Polarização;

Perfil no período (contínua, pulsante, etc);

Freqüência.

Todas estas características influência na interação dos campos magnéticos e elétricos com a exposição humana.

Campo Campo El El é é trico trico É proporcional ao número de cargas elétricas;
Campo Campo El El é é trico trico É proporcional ao número de cargas elétricas;

CampoCampo ElEléétricotrico

É proporcional ao número de cargas elétricas;

Um equipamento conectado na rede elétrica gera campo elétrico, devido a presença de cargas;

Diminuí rapidamente ao aumentar-se a distância da fonte de geração;

É fortemente atenuado pela maioria dos materiais como:

parede, telhado, árvores, pele humana, etc.

FOPASE – 2006

CampoCampo MagnMagnééticotico

É proporcional a intensidade de corrente elétrica;

Um equipamento conectado na rede elétrica gera campo Magnético quando está em funcionamento, devido ao movimento da corrente elétrica;

Diminuí rapidamente ao aumentar-se a distância da fonte de geração;

Não é fortemente atenuado por nenhum material.

Unidades Unidades de de Medida Medida Campo Elétrico FOPASE – 2006 O campo elétrico é
Unidades Unidades de de Medida Medida Campo Elétrico FOPASE – 2006 O campo elétrico é

UnidadesUnidades dede MedidaMedida

Campo Elétrico

FOPASE – 2006

O campo elétrico é expresso nas unidades: V/m ou kV/m

Campo Magnético

O campo magnético é expresso na unidade: A/m

Densidade de Fluxo Magnético

A densidade de fluxo magnético é expresso na unidade: T (tesla)

ou G (gauss)

1

B μ H onde μ

=

×

= 1 3 10

,

T (tesla) ou G (gauss) 1 B μ H onde μ = × = 1 3

A m , μT; μT

=

1 3

1

=

0 77

,

T (tesla) ou G (gauss) 1 B μ H onde μ = × = 1 3

A m

e

6

T

1

=

10

4 G

FOPASE – 2006 Espectro Espectro Eletromagn Eletromagn é é tico tico A freqüência determina as
FOPASE – 2006 Espectro Espectro Eletromagn Eletromagn é é tico tico A freqüência determina as

FOPASE – 2006

EspectroEspectro EletromagnEletromagnééticotico

Espectro Espectro Eletromagn Eletromagn é é tico tico A freqüência determina as caract erísticas físicas e

A freqüência determina as características físicas e os possíveis efeitos biológicos;

A intensidade da exposição dependerá se produz efeito ou não;

Efeito biológico não significa nocivo.

FOPASE – 2006 Fontes Fontes de de Ondas Ondas Eletromagn Eletromagn é é ticas ticas
FOPASE – 2006 Fontes Fontes de de Ondas Ondas Eletromagn Eletromagn é é ticas ticas

FOPASE – 2006

FontesFontes dede OndasOndas EletromagnEletromagnééticasticas

Natural

O Sol (luz visível, infravermelho, ultravioleta, etc;

A Terra (campo estático natural, radioatividade natural, etc); O espaço externo (raios X, raios gama, etc);

Artificial

Equipamentos e instalações elétricas (freqüência industrial); Via férrea (freqüência estática ou muito baixa); Telefone móvel, rádio e televisão (rádio freqüência); Aparelhos de ressonância magnética nuclear (estático e RF); Sistemas de anti-roubo, controles remotos, radares, raios X, etc.

Alta Alta Freq Freq ü ü ência ência freqüência as componentes elétricas e magnéticas se
Alta Alta Freq Freq ü ü ência ência freqüência as componentes elétricas e magnéticas se

AltaAlta FreqFreqüüênciaência

freqüência as

componentes elétricas e magnéticas se realimentam mutuamente e a onda têm capacidade para mover-se pelo

Na

alta

espaço, é uma “radiação eletromagnética”.

FOPASE – 2006

BaixaBaixa FreqFreqüüênciaência

Na baixa freqüência as componentes elétricas e magnéticas estão desacopladas, não se realimentam e não podem mover-se para o espaço, desaparecendo a certa distância da fonte, é um “campo eletromagnético”.

FOPASE – 2006 Intera Intera ç ç ões ões do do Campo Campo Magn Magn
FOPASE – 2006 Intera Intera ç ç ões ões do do Campo Campo Magn Magn

FOPASE – 2006

InteraInteraççõesões dodo CampoCampo MagnMagnééticotico ee CampoCampo ElEléétricotrico comcom oo CorpoCorpo HumanoHumano

Mecanismo Básico:

Indução de campos internos: correntes elétricas e oscilações dipolo;

Efeito Físico:

Baixa freqüência: correntes induzidas dentro do corpo; Alta freqüência: absorção de energia eletromagnética.

Efeito Biológico:

Baixa freqüência: estimulação da excitação dos tecidos; Alta freqüência: aquecimento dos tecidos.

FOPASE – 2006 Efeitos Efeitos de de Curto Curto e e Longo Longo Prazo Prazo
FOPASE – 2006 Efeitos Efeitos de de Curto Curto e e Longo Longo Prazo Prazo

FOPASE – 2006

EfeitosEfeitos dede CurtoCurto ee LongoLongo PrazoPrazo

Efeitos de Curto Prazo:

São bem estabelecidos e compreendidos; Acontece sobre limiares identificados; Pode ser prevenido fixando valores limites de exposição;

Efeitos de Longo Prazo:

Não existe evidências científicas para estabelecer restrição a exposição.

FOPASE – 2006 Penetra Penetra ç ç ão ão no no Corpo Corpo Humano Humano
FOPASE – 2006 Penetra Penetra ç ç ão ão no no Corpo Corpo Humano Humano

FOPASE – 2006

PenetraPenetraççãoão nono CorpoCorpo HumanoHumano

FOPASE – 2006 Penetra Penetra ç ç ão ão no no Corpo Corpo Humano Humano
FOPASE – 2006 Densidade Densidade de de Corrente Corrente Induzida Induzida no no Corpo Corpo
FOPASE – 2006 Densidade Densidade de de Corrente Corrente Induzida Induzida no no Corpo Corpo

FOPASE – 2006

DensidadeDensidade dede CorrenteCorrente InduzidaInduzida nono CorpoCorpo HumanoHumano

Os campos magnéticos e elétricos induzem correntes elétricas nos organismos expostos;

A densidade de corrente endógena normalmente é 10 mA/m 2 , embora algumas funções é muito superior; A corrente elétrica induzida têm alguns efeitos biológicos agudos, a curto prazo, bem conhecidos:

<10 mA/m 2 : efeitos biológicos menores, sem importância; 10 a 100 mA/m 2 : efeitos visuais e contrações leves; 100 a 1000 mA/m 2 : excitação de nervos e músculos, contrações, arritmias; >1000 mA/m 2 : possível disfunções cardíacas e fribilação ventricular.

FOPASE – 2006 ICNIRP ICNIRP – – “ “ Guidelines Guidelines for for limiting limiting
FOPASE – 2006 ICNIRP ICNIRP – – “ “ Guidelines Guidelines for for limiting limiting

FOPASE – 2006

ICNIRPICNIRP GuidelinesGuidelines forfor limitinglimiting exposureexposure toto timetime-- varyingvarying electricelectric,, magneticmagnetic andand electromagneticelectromagnetic fieldsfields ((upup toto 300300 GHz)GHz)

Baseados prazo;

Estabelece como “Restrição Básica” que não deve-se superar uma densidade de corrente induzida nos tecidos do sistema nervoso central na cabeça e no tronco de 100 mA/m 2 a partir das correlações das grandezas físicas e dos efeitos biológicos conhecidos; Estabelece como “Nível de Referência” que não deve superar uma densidade de corrente induzida de:

curto

nos

efeitos

conhecidos

e

comprovados

de

10 mA/m 2 para os trabalhadores;

2 mA/m 2 para o público em geral.

Não têm cálculo de tempo de exposição.

FOPASE – 2006 As normas de exposição são mais restritivas para o público em geral
FOPASE – 2006 As normas de exposição são mais restritivas para o público em geral

FOPASE – 2006

As normas de exposição são mais restritivas para o público em geral do que para os trabalhadores.

TrabalhadoresTrabalhadores

São adultos saudáveis;

PPúúblicoblico emem GeralGeral

Incluem indivíduos de todas

Estão

em

exposição

as idades e condição física,

controlada;

grupos especialmente sensíveis;

Dispõem

de

informação,

Sua exposição não é

conhecedor

dos

possíveis

controlada;

riscos

e

das

medidas

de

Não dispõem de informações,

precaução;

 

não conhece os possíveis riscos

Sua

jornada

limita-se

a

e das medidas de precaução;

jornada de trabalho.

Podem estar expostos as 24

horas do dia, durante toda sua

vida.

Limites Limites de de Exposi Exposi ç ç ão ão FOPASE – 2006 Valores definidos
Limites Limites de de Exposi Exposi ç ç ão ão FOPASE – 2006 Valores definidos

LimitesLimites dede ExposiExposiççãoão

FOPASE – 2006

Valores definidos pela ICNIRP e recomendados pela Organização Mundial da Saúde (WHO) para o público em geral:

Campo

Freqüência (Hz)

50

60

Elétrico (kV/m)

5

4,17

Magnético (µT)

100

83,3

Para o público

ocupacional,

a

NR

9

e

NR

15 do Ministério do

Trabalho e Emprego aplica os seguintes valores limites:

Campo Elétrico (kV/m)

25

Campo Magnético (µT)

1000

Projeto de Norma ABNT: 03:077.01-002 – Métodos de medição e níveis de referência para a exposição a campos elétricos e magnéticos na freqüência de 50 Hz e 60 Hz; Revisão da Norma ABNT: 5422 – Projetos de linhas aéreas de linhas de transmissão.

FOPASE – 2006 Medi Medi ç ç ões ões de de Campo Campo Magn Magn
FOPASE – 2006 Medi Medi ç ç ões ões de de Campo Campo Magn Magn

FOPASE – 2006

MediMediççõesões dede CampoCampo MagnMagnééticotico ee ElEléétricotrico

Critérios:

Avaliação da planta da instalação para mapeamento dos campos magnéticos e elétricos a serem avaliados; Outras fontes emissoras de campos eletromagnéticos; Árvores e massas metálicas que interferem no campo elétrico; Topologia do terreno; Medição da corrente e tensão; Curva de carga; Geometria da linha ou do circuito; Umidade relativa;

Aparelho Aparelho de de Medi Medi ç ç ão ão FOPASE – 2006
Aparelho Aparelho de de Medi Medi ç ç ão ão FOPASE – 2006

AparelhoAparelho dede MediMediççãoão

FOPASE – 2006

Aparelho Aparelho de de Medi Medi ç ç ão ão FOPASE – 2006
Aparelho Aparelho de de Medi Medi ç ç ão ão FOPASE – 2006
FOPASE – 2006 Medi Medi ç ç ões ões no no Sistema Sistema El El
FOPASE – 2006 Medi Medi ç ç ões ões no no Sistema Sistema El El

FOPASE – 2006

MediMediççõesões nono SistemaSistema ElEléétricotrico dada EletropauloEletropaulo PPúúblicoblico GeralGeral

10

8

6

4

2

0

E (kV/m) T (µT) 100 83,3 80 60 4,17 40 22,3 2,033 15,9 20 0,687
E (kV/m)
T (µT)
100
83,3
80
60
4,17
40
22,3
2,033
15,9
20
0,687
4,13
0,053
0
LDA
LTA
SE
LDA
SE
LTA

LIMITE CAMPO

MAGNÉTICO (B)4,13 0,053 0 LDA LTA SE LDA SE LTA LIMITE CAMPO ICNIRP LIMITE CAMPO ELÉTRICO (E)

ICNIRP

LIMITE CAMPO

ELÉTRICO (E)LDA SE LTA LIMITE CAMPO MAGNÉTICO (B) ICNIRP LIMITE CAMPO ICNIRP Valores Medidos de E (kV/m)

ICNIRP

Valores Medidos de E (kV/m)

LDA

LTA

SE

Valores Medidos de B (mG)

LDA(B) ICNIRP LIMITE CAMPO ELÉTRICO (E) ICNIRP Valores Medidos de E (kV/m) LDA LTA SE Valores

LTA(B) ICNIRP LIMITE CAMPO ELÉTRICO (E) ICNIRP Valores Medidos de E (kV/m) LDA LTA SE Valores

SE(B) ICNIRP LIMITE CAMPO ELÉTRICO (E) ICNIRP Valores Medidos de E (kV/m) LDA LTA SE Valores

Bibliografia Bibliografia FOPASE – 2006 Projeto de P&D Gerenciamento de Ca mpos Elétricos e Magnéticos,
Bibliografia Bibliografia FOPASE – 2006 Projeto de P&D Gerenciamento de Ca mpos Elétricos e Magnéticos,

BibliografiaBibliografia

FOPASE – 2006

Projeto de P&D Gerenciamento de Campos Elétricos e Magnéticos, ciclo

2001/2002;

Artigos e palestras da Dra. Leeka Kheifets;

Palestras de Carlos Lianos Leccumberj da Red Electrica de Espanã;

Palestra de Paolo Vecchia, National Institute of Health, Rome, Italy.

Chairman of ICNIRP;

Palestra de Michael H. Repacholi, coordenador projeto EMF – WHO;

Guia ICNIRP;

Estabelecendo um diálogo sobre riscos de campos eletromagnéticos,

Organização Mundial da Saúde.