Você está na página 1de 24
CURSO DE TECLADO GRÁTIS VOL 1

CURSO DE TECLADO

GRÁTIS VOL 1

Introdução

Olá!

Nós do Guinada Musical temos uma grande satisfação em tê-lo como nosso aluno e parceiro. Esta literatura lhe ajudar a descobrir que a música, ao contrário que muitos dizem, é uma arte fácil e simples de ser compreendida e aprendida. Através de soluções eficazes e metodologias eficientes, vamos conduzir você e seu instrumento musical a este universo tão magnífico da música.

É claro que inúmeras vezes afirmações como: “Eu não levo jeito pra música! Eu não sou capaz de aprender um instrumento musical! Eu não tenho coordenação motora para aprender esta

arte! Eu não tenho o dom da música!” Entre outras, já passaram pela sua mente ou até mesmo já foram proferidas por você, não é mesmo? Mas estes pensamentos não são verdades! Estas afirmações são dogmas que pessoas sem a devida instrução sobre a área conduziu até você. Música é uma arte, e como qualquer outra, você tem total possibilidade de aprendê-la e praticá-la. A arte esta ligada totalmente com seu interior e a tudo aquilo que você sente. A Música é a arte de expressar os diversos afetos da alma mediante ao som. Logo se esta arte é

uma forma de expressão, ela já existe dentro de você, basta motivá-la e exercitá-la. Contudo, para que sua música seja efetivamente compreendida, é necessário que você aprenda corretamente a utilizar as técnicas de seu instrumento musical. Nosso compromisso é lhe ensinar a conduzir sua música da melhor forma possível. Anatomicamente falando, para se ter bons resultados, precisa-se de uma boa coordenação motora ao executar as canções. Através de exercícios e práticas aplicadas no instrumento, iremos lhe fornecer todos os caminhos para que seu som e sua música sejam plenamente compreendidos por todos.

Por fim, afirmamos que as dificuldades no aprendizado desta arte serão vencidas e ultrapassadas. Daremos a você total suporte para qualquer dúvida e esclarecimento sobre questões psicomotoras e também questões musicais. Contudo a música já esta em seu interior e nossa função e fornecer recursos para que este sonho de tocar um instrumento seja realizado. Temos total certeza que você irá conseguir chegar ao objetivo que almeja com a música, pois ela já existe dentro de você!

FORMAS DE ESTUDO

Este é um ponto que devemos dar uma atenção especial. De hoje em diante, o seu resultado musical dependerá da qualidade do seu estudo e da freqüência de vezes durante o dia e da semana que você tocará seu instrumento. Não há dúvidas quanto a isso! Uma ou duas aulas de uma hora por semana jamais serão suficientes.

A seguir, apresentaremos algumas dicas de como ter um bom estudo da música para se alcançar excelentes resultados.

FORMAS DE ESTUDO Este é um ponto que devemos dar uma atenção especial. De hoje em

Estudar Teclado em casa com disciplina

Em primeiro lugar, você precisa de disciplina. Em sua casa, não há ninguém vigiando, dizendo- lhe o que fazer, quando ou quanto tempo estudar. Portanto, você é quem manda.

  • 1. Estabeleça um horário para estudar. De preferência todos os dias. É melhor estudar um pouco por dia do que muitas horas em um ou dois dias.

  • 2. Não coloque o carro na frente dos bois. Procure assimilar corretamente cada etapa, antes de partir para a próxima. Exemplo: querer tocar a primeira música sem saber tocar sequer um ritmo.

  • 3. Procure compreender o que está fazendo. Não toque por tocar! A cada passo dado, mergulhe no universo da música. Caso haja dúvidas, procure seu professor ou o coordenador do curso e esclareça todas elas. Tudo na música tem um porquê, tem um fundamento. Busque o conhecimento sempre!

  • 4. Ao aprender sua primeira música, coloque a gravação original para rodar e procure acompanhar com o teclado. Isto vai ajudá-lo a assimilar o ritmo, o tempo e as mudanças de acorde. Não cante junto no começo, somente toque a guitarra.

  • 5. Não queira aprender milhares de músicas de uma só vez. Isto não é estudar teclado. Mais uma vez, tente compreender cada canção, cada acorde, porque os acordes estão naquela determinada seqüência, porque você dá quatro batidas em um acorde e só duas no outro (isto é apenas um exemplo), e por aí afora. Entendendo todas as nuances de uma música, você – com certeza – estará aprendendo muito mais que uma música.

5. Não queira aprender milhares de músicas de uma só vez. Isto não é estudar teclado

Teoria e prática ao estudar teclado

Tenha em mente que estudar teclado não é como estudar História por exemplo. Para estudar História você precisa apenas ler, reter informação.

A coisa é bem diferente no estudo do teclado. Você precisa reter informações e aplicá-las na prática. Ou seja, passar para o instrumento a teoria aprendida. Nenhuma novidade até aí, certo?

A coisa é assim: um montão de teoria e pouca prática = problema. Um montão de prática e nada de teoria = desastre. Ou seja, é necessário que haja um equilíbrio entre teoria e prática.

APRESENTAÇÃO DO INSTRUMENTO Anatomia do teclado

Teclado (instrumento musical)

APRESENTAÇÃO DO INSTRUMENTO Anatomia do teclado Teclado (instrumento musical) O teclado é um <a href=instrumento musical eletrônico, temperado, no qual se executam melodias e notas, formando uma harmonia. É composto por um conjunto de teclas adjacentes pretas e brancas, que quando pressionadas produzem os son s . O número de teclas pretas e brancas nos teclados atuais podem variar de acordo com o fabricante. Por padrão, os teclados arranjadores tem 61 teclas, (36 brancas e 25 pretas). Categorias Existem diferentes categorias de teclados musicais eletrônicos: Arranjadores São teclados que possuem vários estilos musicais ( pop , jazz , rock , balada , samba , bossa nova , dance , e muitos outros), onde se pode criar e modificar outros estilos, acompanhados por parte rítmica ( bateria ) , baixo , strings , cordas ( violão , guitarra ) , metais ( trompete , trombone , etc.), bem como ainda se pode sintetizar estes timbres (sons). São mais utilizados por iniciantes ou músicos em solo (sem banda). Sintetizadores Possuem recursos de edição de timbres (alteração de frequências , modulação , efeitos, etc.), com isso criando novos timbres (sons). São muito usados por profissionais em performances ao vivo com banda. " id="pdf-obj-4-7" src="pdf-obj-4-7.jpg">
APRESENTAÇÃO DO INSTRUMENTO Anatomia do teclado Teclado (instrumento musical) O teclado é um <a href=instrumento musical eletrônico, temperado, no qual se executam melodias e notas, formando uma harmonia. É composto por um conjunto de teclas adjacentes pretas e brancas, que quando pressionadas produzem os son s . O número de teclas pretas e brancas nos teclados atuais podem variar de acordo com o fabricante. Por padrão, os teclados arranjadores tem 61 teclas, (36 brancas e 25 pretas). Categorias Existem diferentes categorias de teclados musicais eletrônicos: Arranjadores São teclados que possuem vários estilos musicais ( pop , jazz , rock , balada , samba , bossa nova , dance , e muitos outros), onde se pode criar e modificar outros estilos, acompanhados por parte rítmica ( bateria ) , baixo , strings , cordas ( violão , guitarra ) , metais ( trompete , trombone , etc.), bem como ainda se pode sintetizar estes timbres (sons). São mais utilizados por iniciantes ou músicos em solo (sem banda). Sintetizadores Possuem recursos de edição de timbres (alteração de frequências , modulação , efeitos, etc.), com isso criando novos timbres (sons). São muito usados por profissionais em performances ao vivo com banda. " id="pdf-obj-4-9" src="pdf-obj-4-9.jpg">

O teclado é um instrumento musical eletrônico, temperado, no qual se executam melodias e notas, formando uma harmonia. É composto por um conjunto de teclas adjacentes pretas e brancas, que quando pressionadas produzem os sons 1 .

O número de teclas pretas e brancas nos teclados atuais podem variar de acordo com o fabricante. Por padrão, os teclados arranjadores tem 61 teclas, (36 brancas e 25 pretas).

Categorias

Existem diferentes categorias de teclados musicais eletrônicos:

Arranjadores

São teclados que possuem vários estilos musicais (pop, jazz, rock, balada, samba, bossa nova, dance, e muitos outros), onde se pode criar e modificar outros estilos, acompanhados por parte rítmica (bateria), baixo, strings, cordas (violão, guitarra), metais (trompete, trombone, etc.), bem como ainda se pode sintetizar estes timbres (sons). São mais utilizados por iniciantes ou músicos em solo (sem banda).

Sintetizadores

Possuem recursos de edição de timbres (alteração de frequências, modulação, efeitos, etc.), com isso criando novos timbres (sons). São muito usados por profissionais em performances ao vivo com banda.

Workstations

São teclados mais complexos, que envolve síntese de sons e seqüenciadores para composição, arranjos de partes musicais ou peças musicais completas. São mais usados em estúdio.

Teclados Controladores

São teclados com diferente número de teclas, na maioria das vezes não possuem timbres, que tem a finalidade de controlar outros instrumentos digitais através de MIDI (comunicação entre instrumentos digitais), controla uma bateria eletrônica, computadores, módulos de som, etc.

Exemplos de instrumentos de teclados

teclado pinçante: cravo, espineta

teclado de sopro: Escaleta.

NOTAS MUSICAIS

Muito se fala sobre este assunto. Pessoas dando palpites, opinando a respeito, falando qual a nota certa ou errada, mas enfim, o que de fato quer dizer a palavra NOTA? Nota é tudo aquilo que produz um som regular. Toda nota tem um som específico, um nome característico, uma altura e uma duração.

Abaixo ilustraremos todas as notas naturais existentes:

ESCADA DE DO ATE SI ASCENDENTE E DESCENDENTE

É claro que somente estas notas não satisfazem nosso universo da música. Desta forma, existem outras notas que complementam este quadro dando uma compreensão maior de algumas outras sonoridades existentes. Mas este é um assunto que iremos tratar mais tarde.

IPC

Não podemos esquecer um detalhe importantíssimo! As notas também variam de acordo com sua ALTURA. Um DO, por exemplo, poderá ser encontrado em várias regiões do teclado, ora em uma região mais grave, ora em outra região mais aguda. Desta forma, encontram-se uma variação enorme da nota DO na extensão do teclado, quanto a sua altura. Existe o DO mais

grave, o mais agudo e o Do na região média. Mas de fato, o que quer dizer GRAVE e AGUDO? A região Grave de uma música ou de um instrumento significa uma região com um som mais fechado. Exemplo, a voz masculina de um locutor de cinema é uma voz bem grave! A região Aguda de uma música ou de um instrumento significa uma região com um som mais aberto. Exemplo, uma mulher quando entra no banheiro, olha para o chão e vê uma barata. Ela

imediatamente solta um grito altíssimo ahhhhhhhhhhhhhhhhh

esse grito é um exemplo de

... um som na região aguda. Existe também uma região que é o meio termo das duas, é a região

MEDIA. Nesta se encontra a maioria das melodias e das vozes em sua forma cotidiana.

COMO ACHAR AS NOTAS COM TODAS ESSAS TECLAS?

Esse assunto é simples! O teclado, bem como o piano é basicamente um jogo de teclas repetidas. Olhe para as teclas e observe: O teclado é composto pela repetição de 2 TECLAS PRETAS seguidas de 3 TECLAS PRETAS, sempre assim. Antes das 2 teclas pretas, teremos uma tecla branca, a qual daremos o nome de DO. Dando sequencia a escala teremos DO, RE, MI, FA, SOL, LA e o SI. Desta forma, sempre acharemos o DO em qualquer circunstancia, até mesmo de olhos fechados, através de nossos tato.

É claro que somente estas notas não satisfazem nosso universo da música. Desta forma, existem outras

Então vamos para prática!

  • 1. Dê o nome das notas assinaladas:

Quadro de exercícios com o teclado.

Então vamos para prática! 1. Dê o nome das notas assinaladas: Quadro de exercícios com o
  • 2. Coloque no teclado as notas indicadas:

Quadro de notas e o teclado ao lado para assinalar. 06

2. Coloque no teclado as notas indicadas: Quadro de notas e o teclado ao lado para

Mãos e Dedos

Seja a mão direto quanto a esquerda, a numeração dos dedos de ambas as mãossão as mesmas. Assim:

06 A

Vamos a Prática!!!

06 A Vamos a Prática!!! Toque a música “Asa Branca” como escrita abaixo, observando o correto

Toque a música “Asa Branca” como escrita abaixo, observando o correto posicionamento dos dedos.

06 A Vamos a Prática!!! Toque a música “Asa Branca” como escrita abaixo, observando o correto

CIFRA

É um sistema de notação musical que serve para representar os acordes musicais através de Letras, Números e Sinais.

As cifras são utilizadas principalmente na música popular, acima das letras ou partituras de uma composição musical, indicando o acorde que deve ser tocado em conjunto com a melodia principal ou para acompanhar o canto.

Então, vamos a elas:

  • QUADRO DE CIFRAS DO BOEMIL

É um sistema de notação musical que serve para representar os acordes musicais através de Letras,

Importante lembrar que, as cifras são escritas na forma Maiúscula, nunca no formato minúsculo. Se o acorde que se deseja representar for do tipo Maior, basta apenas escrevê-lo com a letra Maiúscula. Se desejar representar o acorde menor, basta escrevê-lo com a cifra no formato maior e ao seu lado colocar um (m) “eme” minúsculo ao seu lado. Este representará que o acorde será menor. Assim:

DEMONSTRACAO DO FORMATO DE ACORDE MAIOR E MENOR NA CIFRA: X e Xm 08

O acréscimo de números e sinais será um assunto a ser tratado mais tarde.

Vamos ver se você entendeu!!!

  • 1. Dê o nome das Cifras:

2. Dê o nome das notas: ELEMENTOS BÁSICOS DA MÚSICA Música é arte de manifestar os
  • 2. Dê o nome das notas:

2. Dê o nome das notas: ELEMENTOS BÁSICOS DA MÚSICA Música é arte de manifestar os

ELEMENTOS BÁSICOS DA MÚSICA

Música é arte de manifestar os diversos afetos da alma, mediante ao som. A música é arte dos sons, combinados de acordo com as variações de sua altura e proporcionados segundo a sua duração.

São três os elementos fundamentais que compõe a música: São eles:

2.

RITMO: É o movimento dos nos regulados pela sua maior ou menor duração.

  • 3. HARMONIA: A harmonia consiste na execução de vários sons ouvidos ao mesmo tempo, ou seja, quando se executa as notas musicais simultaneamente respeitando as leis que regem os agrupamentos dos sons simultâneos.

A Melodia e o Ritmo combinados já encerram um sentido expressivo musical. Para exprimir profundamente qualquer sentimento, ou descrever por meio da música qualquer quadro da natureza, torna-se imprescindível a participação em comum desses três elementos: MELODIA, RITMO e HARMONIA.

  • Exemplos de instrumentos Melódicos

2. RITMO: É o movimento dos nos regulados pela sua maior ou menor duração. 3. HARMONIA:
  • Exemplos de Instrumentos Harmônicos

 Exemplos de instrumentos Melódicos e Harmônicos
 Exemplos de instrumentos Melódicos e Harmônicos
  • Exemplos de instrumentos Melódicos e Harmônicos

 Exemplos de instrumentos Melódicos e Harmônicos
  • Exemplos de Instrumentos Rítmicos

 Exemplos de Instrumentos Rítmicos Tom e Semitom Tom e semitom são medidas. Assim como o

Tom e Semitom

Tom e semitom são medidas. Assim como o metro e o centímetro existem pra medir a distancia de um ponto a outro. O tom e o semitom existem para medir a distancia de uma nota a outra.

O semitom é a menor distancia possível entre dois sons na nossa musica ocidental. Semitom é a distancia de uma casa pra outra superior ou inferior na mesma corda (em instrumentos de corda) e é a distancia de uma tecla a outra (em instrumentos de tecla).

Tom é a soma de dois semitons. É a distancia de uma casa pra outra posterior ou inferior, mas com uma casa entre elas (nos instrumentos de cordas) e é a distancia entre uma tecla e outra, com uma tecla entre elas (nos instrumentos de tecla).

Como dois semitons são iguais a um tom, o semitom também é conhecido como meio tom.

Distancia entre as notas naturais

Existe um tom entre as notas Do e Ré , Um tom entre Ré e Mi,

Um semitom entre Mi e Fá,

Um tom entre Fá e Sol, Um tom entre Sol e Lá, Um tom entre Lá e Si,

Um semitom entre Si e Do.

|Do |

|Re |

|Mi | Fa|

|Sol |

||

|Si | Do|

Se você estiver em Do basta subir um tom que estará em Ré, se estiver em Sol basta descer um tom que estará em Fá, etc.

ACIDENTES MUSICAIS (ALTERAÇÃO)

As Alterações ou os Acidentes Musicais são sinais que são colocados antes de uma nota na pauta ou compondo uma cifra. As alterações são utilizadas para dar característica nova a uma nota ou acorde, modificando-lhe sua entoação. A Entoação das notas, conforme o sinal de alteração poderá ser elevado ou abaixado um ou dois semitons. A seguir estarão os Acidentes Musicais.

IMAGEM DE TODOS OS ACIDENTES MUSICAIS

Tom é a soma de dois semitons. É a distancia de uma casa pra outra posterior

DEMONSTRAÇÃO EM LINHA

 DEMONSTRAÇÃO EM LINHA  DEMONSTRAÇÃO NO TECLADO Fundamentos dos Acordes Para um acorde existir, ele

DEMONSTRAÇÃO NO TECLADO

 DEMONSTRAÇÃO EM LINHA  DEMONSTRAÇÃO NO TECLADO Fundamentos dos Acordes Para um acorde existir, ele

Fundamentos dos Acordes

Para um acorde existir, ele necessita ter, no mínimo, 3 notas executadas simultaneamente. Os acordes se dividem, neste primeiro momento, em Maiores e menores. Existem outras subdivisões, mas estas veremos nos níveis seguintes.

FÓRMULA DO ACORDE MAIOR

Como o acorde é formado por no mínimo três notas, cada nota dessa terá uma nomenclatura específica. Na formação fundamental, a primeira nota terá o nome de TÔNICA , por se tratar da principal nota dentro do acorde. A próxima nota receberá o nome de TERÇA , que será a responsável por designar se o acorde será do modo Maior ou do modo Menor. A terça é a única nota que se modifica dentro do acorde para diferenciar uma formação maior da menor. Por fim, a última nota desta construção é a que receberá o nome de QUINTA.

Existe uma fórmula para formar qualquer acorde, quer seja do modo Maior, quer seja do modo Menor. A regra é simples, acompanhe:

1º Passo: Ache a TÔNICA do acorde desejado.

1º Passo: Ache a TÔNICA do acorde desejado. 2º Passo: A partir desta tônica, suba 4

2º Passo: A partir desta tônica, suba 4 semitons ou 2 tons;

1º Passo: Ache a TÔNICA do acorde desejado. 2º Passo: A partir desta tônica, suba 4

3º Passo: Achado a Terça, suba mais 3 semitons ou mais 1 tom e meio;

3º Passo: Achado a Terça, suba mais 3 semitons ou mais 1 tom e meio; Ao

Ao fim destes 3 Passos, você formará um Acorde Maior. No exemplo acima, Acorde de Dó Maior. Esta fórmula se adequará em qual modelo de acorde maior, seja ele Natural, seja ele Alterado.

Passada a fórmula da construção dos acordes maiores, vamos a construção dos acordes menores.

FÓRMULA DO ACORDE MENOR

Acima aprendemos como se forma um acorde maior. Para formar o menor basta seguir também, alguns passos. Vamos a eles:

1º Passo: Forme o acorde Maior como ensinado no tópico acima;

1º Passo: Forme o acorde Maior como ensinado no tópico acima; 2º Passo: Reconheça e encontre

2º Passo: Reconheça e encontre a Terça deste acorde;

1º Passo: Forme o acorde Maior como ensinado no tópico acima; 2º Passo: Reconheça e encontre

3º Passo: Diminua um semitom desta terça.

3º Passo: Diminua um semitom desta terça. Pronto, acorde menor formado!!!

Pronto, acorde menor formado!!!

Acordes Naturais

Os Acordes Naturais são aqueles que não possuem acidente. Abaixo alguns acordes maiores e menores naturais.

Acordes Naturais Os Acordes Naturais são aqueles que não possuem acidente. Abaixo alguns acordes maiores e