Você está na página 1de 3

Atanásio de Alexandria, Santo

(296 - 373)
Teólogo romano e patrístico do período nissênico e bispo de Alexandria, onde nasceu,
famoso defensor da tese da consubstancialidade do Pai e do Filho e, portanto,
triunfador no Concílio de Nicéia. Bispo e doutor da igreja nascido em Alexandria,
Egito, conhecido como o campeão da divindade de Cristo, o pilar da igreja e o pai da
ortodoxia. Também chamado o Grande justamente por sua inteligência e sua defesa da
ortodoxia. Foi um dos maiores polemistas da igreja, inimigo feroz de todo tipo de
heresia e pioneiro da teologia científica. Ainda diácono, denunciou o arianismo, que
negava a divindade de Cristo. Arcebispo de Alexandria (328-373), notabilizou-se como
defensor da ortodoxia católica ante a difusão do arianismo, apontado por ele como a
maior das heresias, capaz de impossibilitar a obra da salvação. Para ele, como para
todos os que crêem na Santíssima Trindade, o Filho era idêntico ao Pai em substância.
Como Ário (256-336) possuía aliados poderosos, a luta contra o arianismo rendeu-lhe
cinco exílios: em Trèves (335-338), em Roma (340-346) e no deserto da Tebaida, em
três oportunidades (356-362). Duas vezes, em sua diocese, foi destituído pelas armas.
Escreveu A vida de santo Antão e Quatro orações contra os arianos, e a oração o credo
de Atanásio, uma das mais importantes afirmações do cristianismo histórico. Morreu em
Alexandria depois de dedicar toda sua vida na luta contra os hereges.
Neste artigo, falaremos apenas do seu credo.

Este credo, apesar do nome, foi divulgado por Santo Ambrósio, foi incluído na liturgia, é
autêntica profissão de fé e é totalmente reconhecido pela Igreja Católica.

Quicumque: é o nome deste símbolo em latim ; Símbolo: formulário de fé nas


Igrejas cristãs, para uso dos fiéis.

4 Símbolo de Santo Atanásio

Todo o que se quiser salvar, deve mais do que tudo ter a fé católica. Aquele que não a
guardar pura e inteira, de certo perecerá eternamente. A fé católica, pois, é esta:
Adoramos um Deus em Trindade e a Trindade em Unidade. Sem confundirmos as
Pessoas ou dividir a substância. Porque uma é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a
do Espírito Santo. Mas o Pai, o Filho e o Espírito Santo têm uma só divindade, Glória
igual e coeterna Majestade. O que o Pai é, tal é o Filho e tal o Espírito Santo.

a_ Quicumque: é o nome deste símbolo em latim b_ Símbolo: formulário de fé nas


Igrejas cristãs, para uso dos fiéis.
O Pai é incriado, o Filho é incriado e o Espírito Santo é incriado. O Pai é imenso, o
Filho é imenso e o Espírito Santo é imenso. O Pai é eterno, o Filho é eterno e o Espírito
Santo é eterno. No entanto não são três eternos, mas Um. Bem como não há três
imensos, nem três incriado, mas Um incriado e Um Imenso. Semelhantemente o Pai é
Onipotente, o Filho Onipotente e o Espírito Santo Onipotente. E contudo não são três
Onipotentes, mas um Onipotente. Assim também o Pai é Deus, o Filho é Deus e o
Espírito Santo é Deus. Do mesmo modo o Pai é Senhor, o Filho é Senhor e o Espírito
Santo é Senhor. E apesar disso, não são três Senhores, mas Um só Senhor. Porque,
como a verdade cristã nos obriga a confessar que cada uma das Pessoas por si só é Deus
e Senhor, assim a religião católica proíbe-nos dizer que há três Deuses ou três Senhores.
O Pai não foi feito por ninguém, nem foi criado, nem gerado. O Filho é do Pai somente;
não foi feito, nem foi criado, mas gerado.

O Espírito Santo é do Pai e do Filho; não foi criado, nem gerado, mas, deles procede.
Há, pois, um só Pai, e não três Pais; um só Filho, e não três Filhos; um só Espírito
Santo, e não três Espíritos Santos. E nesta Trindade não há primeiro nem último; nem
um é maior ou menor do que o outro; mas as três pessoas são justamente de uma mesma
eternidade e igualdade. De sorte que no todo como já se disse, cumpre adorar a Unidade
na Trindade e a Trindade na Unidade. Aquele, pois, que quiser salvar-se, deve assim
pensar e crer na Trindade. Além disto é necessário, para alcançar a salvação eterna, crer
fielmente na Encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo. A verdadeira fé, pois, consiste
em crermos e confessarmos que nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, é Deus e
Homem: Deus, gerado do Pai antes do tempo ser tempo; nascido em seu tempo da
substância de sua Mãe. Deus perfeito, e Homem perfeito: com alma racional e carne
humana. Ele é igual ao Pai segundo a sua Divindade e inferior ao Pai segundo a sua
Humanidade.

O qual, apesar de ser Deus e Homem, não é dois, mas um só Cristo. Um, não pela
conversão da Divindade em carne, mas pela Assunção da sua Humanidade em Deus.
Ele é inteiramente um, não por mistura de Substâncias, mas porque é uma só Pessoa.
Porque assim como a alma racional e a carne é um homem: assim Deus e Homem é um
Cristo. O qual padeceu para nossa salvação, desceu ao Hadesa, ao terceiro dia ressurgiu

dos mortos. Subiu ao Céu e está sentado à mão direita de Deus, Pai Onipotente; de
ondehá de vir a julgar os vivos e os mortos. A cuja vinda todos os homens ressuscitarão
com os seus corpos e darão contas das suas próprias obras. E os que tiverem trabalhado
bem, irão para a vida eterna; e os que mal, para o fogo eterno. Esta é a fé católica, na
qual o que não crer fielmente, não poderá salvar-se. Amém!

Historia do Credo de Santo Atanásio

O Credo de Santo Atanásio, também conhecido como o “Quicumque vult”, era


anteriormente recitados na Missa dos Primeiros domingos. É um dos quatro Credos
canônicos da Igreja Católica. A Igreja Anglicana e algumas igrejas protestantes também
o têm como canônico. Embora o credo tem sido sempre atribuído a Santo Atanásio (373
dC), ele era desconhecida nas Igrejas do Oriente até o século 12 e, portanto, é
improvável que ele seja o autor. Santo Ambrósio tinha sugerido Santo Atanásio como
autor, mas muitos outros autores têm sidos propostos, sem acordos conclusivos. A atual
teoria sugere que foi composto no sul da França no século 5º. Em 1940, foi descoberto,
e esta obra contém grande parte do Credo na língua francesa, onde encontrou o
"Excerpta" de São Vicente de Lerins (floresceu no ano 440: “quod ubique, quod
semper, quod ab omnibus creditum est”). Assim, quer de São Vicente, ou de um
seguidor foi sugeridos como o autor. O exemplar mais antigo conhecido do credo foi
encontrado em um prefácio de uma coleção de homilias por Caesarius de Arles (†542).