Você está na página 1de 8

Manual dos Bixos de Biblioteconomia 2009

CBD / ECA / USP

Alunos do Departamento de Biblioteconomia e


Documentação (CBD) da Escola de Comunicações e Artes
(ECA) da Universidade de São Paulo (USP)
Manual dos Bixos de Biblioteconomia 2009 / Alunos
do CBD / ECA / USP. São Paulo: CBD/ECA/USP, 2009.

1. Manual dos Bixos 2. Biblioteconomia 3. CBD /


ECA / USP I. Título
“Se os bibliotecários, deixando de lado por alguns instantes os códigos e citado por Kobashi, 1996). Lemos (1998) cita a existência de grandes bibliotecas da
normas aprendidos em seus cursos, sentissem a liberdade de organizar os Antigüidade entre os séculos VIII e VII a.C., como a de Assurbanipal, rei da Assíria,
livros, revistas, discos, vídeos, construiriam uma biblioteca que não seria encontrada por Layard e Rassam em 1849 no palácio de Ninive, com cerca de 30.000
apenas um acervo organizado, mas uma organização de estímulos”.
fragmentos. A maioria destes registros era de transações comerciais deste povo; ela
Luís Milanesi, A Casa da Invenção, 3ª ed. rev. e ampl., 1997
nasceu aproximadamente em 670 a. C.

Olá bibliotecári@!1 A partir do século IV a.C. têm-se notícia das bibliotecas dos templos gregos, sendo as
mais importantes aquelas referentes ao auge da cultura helênica, como a que Aristóteles
O objetivo deste pequeno manual é lhe mostrar um pouco mais sobre a profissão que criou em sua Escola de Filosofia. Esta biblioteca teria sido o modelo para a fundação, no
você escolheu, e também algumas dicas sobre a sua nova casa – a Universidade de São século III a.C., da famosa biblioteca de Alexandria, uma das maiores já conhecidas e que
Paulo. Comecemos por uma pequena história do curso, então... sobreviveu a muitos saques e desastres naturais, até ter seu fim definitivo. Manguel
(1997, p. 217) comenta que Alexandria, no Egito, era uma cidade excessivamente
De onde veio a Biblioteconomia?2 burocrática com um trânsito de documentos administrativos maior que sua capacidade
para tal, o que demonstra disseminado domínio da escrita. No entanto, não se sabe se a
biblioteca era reservada apenas aos eruditos ou a um público mais amplo. Parte do acervo
A existência comprovada das primeiras coleções organizadas de documentos, ou o que se desta biblioteca foi constituído principalmente a partir de um decreto de Ptolomeu III em
poderia chamar de primeira biblioteca primitiva, data do terceiro milênio a.C. Trata-se da que todos os navios que parassem em Alexandria tinham que entregar seus livros para
Biblioteca de Ebla, na Síria, cuja coleção era composta de textos administrativos, serem copiados (após a cópia, às vezes devolviam-se os originais, às vezes as cópias). O
literários e científicos, registrados em 15 mil tábuas de argila, as quais foram dispostas objetivo era o de uma biblioteca que abrigasse a totalidade do conhecimento humano
criteriosamente em estantes segundo o tema abordado, além de 15 tábuas pequenas com registrado. Com seus 700.000 papiros e pergaminhos, que durou quase mil anos. Em sua
resumos do conteúdo de documentos. A escrita era a cuneiforme, porém não no seu direção sempre existiram bibliotecários caracterizados pelo seu vasto conteúdo cultural
idioma original (o sumério), mas numa língua desconhecida a qual se chamou eblaíta. A (Nessa época ainda não havia essa profissão, deve-se ressaltar).
descoberta desta biblioteca, em 1975, altera a história conhecida sobre a Síria e sobre o
Oriente Médio no período e a organização nela encontrada vem sendo considerada a
origem dos princípios da Biblioteconomia (Sagredo e Nuño, 1994). Com o passar dos séculos, novas bibliotecas foram surgindo; muitas desapareceram na
Idade Média – época onde alguns livros nos mosteiros eram acorrentados, como descreve
Umberto Eco em O nome da rosa. Foi com a invenção da imprensa por Gutenberg, no
Segundo Kato (1987), data também do terceiro milênio a.C. o início da escrita século XV, aliado a outros fatores, que as bibliotecas se multiplicaram - saindo assim dos
propriamente dita, como a escrita cuneiforme e os hieróglifos (respectivamente do idioma mosteiros e exigindo maiores cuidados com as obras de seu acervo. Essa necessidade
sumério e egípcio), em substituição aos sistemas pictográficos que ainda não eram surgiu não só pela quantidade de material produzido, mas pelo crescente número de
representações da fala. A escrita demorou séculos para se constituir em sistemas de usuários que começou a freqüentar as bibliotecas.
representação similares aos que conhecemos hoje; contudo, pode-se dizer que seu
surgimento decorreu, de forma relativamente rápida, no início das atividades de As grandes bibliotecas públicas européias, que conservam as riquezas do passado para os
organização sistemática de documentos. pesquisadores do presente e do futuro, têm muitas vezes as suas origens em iniciativas
tomadas nesta época, tempo da Renascença. As coleções de manuscritos e de impressos
No segundo milênio a.C., na civilização mesopotâmica, foi constatada a organização de constituídas pelos humanistas, eruditos e sábios deste movimento foram a base para a
documentos acompanhada de representações para fins de recuperação: tábuas de argila Biblioteca Nacional da França, a Vaticana em Roma e várias outras bibliotecas européias.
eram protegidas por espécies de envelopes nos quais estavam dispostos resumos (Witty
O primeiro curso de Biblioteconomia, entretanto, não surgiu na Europa, mas nos Estados
Unidos. Foi Melvil Dewey, ex-assistente de bibliotecas, quem inaugurou na Universidade
1
@ significa “o” e “a” ao mesmo tempo. Pra ser politicamente correto, qualquer ato é de Columbia o pioneiro curso, na época composto só por mulheres, pois essas ocupavam,
válido... segundo o fundador, a “posição inferior” em relação aos especialistas que utilizassem a
2
Os quatro primeiros parágrafos, exceto os trechos em itálico, são de autoria da profª.
Ortega - http://dgz.org.br/out04/Art_03.htm Os trechos em itálico, e o restante do texto,
foram compilados por alunos do departamento.
biblioteca – segundo ele, necessária para o bom andamento deste trabalho3. De qualquer revista, por exemplo – existem Trabalhos de Conclusão de Curso na ECA onde o autor já
forma, Dewey tem seu nome marcado na história da biblioteconomia mundial pelo seu agradeceu ao Google, apenas. A própria biblioteca não pode mais ser considerada um
pioneirismo na criação do curso e pela famosa Classificação Decimal de Dewey - logo “ambiente de livros” (de onde provém esse termo), mas tem que ser um “ambiente de
você descobrirá o que é CDD. A profissão, embora exercida por alguns anteriormente, informações” qualquer que seja o seu meio de propagação. Ser um profissional da
agora estava criada e inserida na sociedade. Para ver mais detalhes sobre isso, leia A informação não é nada fácil hoje em dia.
missão do bibliotecário, de José Ortega y Gasset4.

O modelo norte-americano de ensino da biblioteconomia caracterizou-se por um


acentuado grau de tecnicismo, ou seja, o lado tido como cultural da formação do
profissional bibliotecário era deixado de lado – ao contrário do que ocorreria, na Europa
mais tarde, tomando por base o currículo da École de Chartes, na França. Muito se
discutiu sobre a vantagem de um sobre o outro, mas o que se percebeu é que, isolado,
nenhum dos dois lados seria satisfatório. As técnicas possibilitariam responder a pergunta
o que fazer? e o “outro lado” – o cultural - facilitaria a resposta porque fazer?

No Brasil, o curso de biblioteconomia surgiu na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro,


visando preencher vagas daquela instituição – em meados de 1915. O modelo adotado foi
o europeu; o profissional formado era caracterizado por ser um erudito-guardião. Pouco Você aluno deverá dizer se a sua formação está correspondendo a todas essas mudanças e
mais adiante, em 1929, surge no Instituto Mackenzie o primeiro curso paulista – que quebras de paradigmas da área que aconteceram. Seja consciente, participe das aulas,
visava a formação de bibliotecários mais técnicos, sendo alicerçado nos ideais norte- estude o necessário, converse com seus colegas e com seus representantes discentes sobre
americanos. Em São Paulo, a Escola Livre de Sociologia e Política também foi um nome suas dificuldades, tire suas dúvidas com seus professores, seja ativo na universidade,
forte no começo dessa carreira no país. Alguns estereótipos da área surgiram nessa época: ajude a sociedade que financia seus estudos, de alguma forma. Faça a sua parte...
a fama de carreira feminina, de mulheres “espera-marido” recatadas, por exemplo, deriva-
se daí. Vale lembrar que esse não é um estereótipo estritamente brasileiro. Biblioteconomia na atualidade
Apenas em 1962, a profissão foi regulamentada no Brasil. Em 1966 o curso de Talvez mesmo depois de ingressar na faculdade, você ainda não consiga responder para
Biblioteconomia foi inserido na Universidade de São Paulo; entretanto a primeira aula só os seus amigos e parentes o que é Biblioteconomia, quanto você vai ganhar, se o trabalho
ocorreu em 1967. Na época, havia um curso de Biblioteconomia e outro de e a formação são satisfatórios, coisa e tal. Para isso, algumas informações...
Documentação; este último desapareceu “misteriosamente” dessa instituição. As
primeiras aulas foram ministradas na antiga Escola de Comunicações Culturais (ECC), no Sobre as origens da profissão, você já está quase apto a disser pra todo mundo, ou não?
local onde hoje é a psicologia. O curso foi organizado pela bibliotecária chefe da Cabe a você pesquisar mais sobre o assunto – consulte os seus professores, os demais
Biblioteca Central da USP, Maria Luiza Monteiro da Cunha (hoje, o nome da Biblioteca alunos, leia algo da bibliografia do curso.
da ECA). O curso trouxe grandes contribuições a Escola e a Universidade. Uma delas foi
a organização do primeiro Catálogo de Partituras de Música do país. Atualmente essa Mas atualmente, para que serve a Biblioteconomia? O formando em biblioteconomia tem
atuação com a biblioteca e entidades da Escola já não acontece como outrora. como objetivo principal a organização, a mediação e também a conservação da
informação em qualquer suporte – e mais recentemente, com a apropriação dessa
Muitas foram as mudanças ocorridas desde o começo da profissão no restante do mundo e informação também. Generalizar a tal ponto de dizer que este é o profissional da
no Brasil. A forma como a informação é armazenada hoje não se limita mais ao livro: em informação chega a ser perigoso, afinal todo profissional o é de alguma informação: da
muitos casos mesmo um estudante universitário lê mais artigos na internet do que numa área médica, jurídica, botânica etc. Mas, de forma geral, participamos de uma etapa
importante do processo do conhecimento: da sua disponibilização. Informação não
3
Aliás, você calour@ 2009, pertence a primeira turma em mais de 40 anos do curso a ter disponibilizada é informação perdida e é aí que @ bibliotecári@ entra.
maior número de ingressantes masculinos.
4
No final do Guia há uma lista de obras, sites e blogs pra você conhecer mais
profundamente a área.
Sua área de atuação, como você deve ter visto em manuais pré-vestibular (ou não), vai
além das bibliotecas públicas, escolares, universitárias e particulares. Centros de Em 51,5% a atividade da instituição / empresa destes era educacional; 15,75%, de
documentação, centros culturais, arquivos, museus, órgãos públicos, editoras, escritórios pesquisa; 10,5%, de prestação de serviços. Houve outras áreas menos citadas como
de advocacia, agências de comunicação ou publicidade, ONGs (ramo pouco explorado agricultura e mineração.
ainda), auditorias e consultorias empresariais, empresas privadas – principalmente na área
da Internet – em todos esses locais @ bibliotecári@ acha o seu espaço. Uma nova Cerca de 47% possui o bacharelado; 2,25% o doutorado e 0,25% o segundo grau apenas.
alternativa é abrir uma consultoria de análise e catalogação de informações que preste
serviços temporários a empresas, além de conceber e implantar um centro de Quase 47% tinha como principal atividade em seu serviço informacional a administração,
documentação a ser posteriormente administrado por funcionários. Desde a sua formação supervisão ou controle e 1,75% cuidava do desenvolvimento de políticas de informação.
acadêmica, é interessante que você possa se especializar na área de seu interesse, focando
seus estudos na mesma. Como principal atividade nos processos informacionais – no ciclo documentário – 30%
cuidava de atividades de controle bibliográfico, como a catalogação e a classificação, e
Alguns alunos procuram a biblioteconomia, pois acham que assim garantirão um outros 30% da seleção, aquisição e intercâmbio de materiais bibliográficos e demais
emprego. Como em qualquer área, o que vale é competência, nem tudo é assim tão fácil. documentos.
De qualquer forma, o nosso curso tem uma das mais altas empregabilidades do mercado
e o setor de estágios oferece muitas oportunidades: aliás, cuidado com os estágios. Não os Usuários? Segundo os entrevistados, as principais categorias são estudantes e estagiários
deixe atrapalhar seus estudos, o mercado quer experiência mas quer também uma boa (20%), educadores (13%) e cientistas / pesquisadores (13%). A principal mudança
formação, sobretudo. registrada nos últimos três anos no seu ambiente de trabalho foi a compra de
microcomputadores (17%) seguida da automação dos serviços (16%) e do acesso à
Segundo o site do INEP, existem atualmente 42 Instituições de Ensino que oferecem Internet (14%) .
curso de graduação em Biblioteconomia no país, a maioria pública, vinculadas a
universidades federais ou estaduais.8 instituições que oferecem cursos de pós-graduação As barreiras mais citadas para o desenvolvimento do profissional da informação na
na área (8 de mestrado e 1 também com doutorado). Na USP você poderá fazer todas as atualidade foram: os Currículos das escolas de Biblioteconomia, Documentação e Ciência
etapas... Hoje cerca de 22 mil profissionais exercem a atividade no Brasil; quase 6700 da Informação inadequados às necessidades de treinamento em novas técnicas gerenciais
estão registrados no estado de São Paulo, no Conselho Regional de Biblioteconomia 8ª (28%), a falta de apoio institucional para o aprimoramento continuado e treinamento em
Região – existem 14 conselhos regionais pelo país. serviço pela instituição (16%) e a falta de motivação para o aprimoramento continuado
por parte dos profissionais (13%).
E afinal de contas, quanto você vai receber? O piso salarial (ou seja, o que deve ser o
mínimo pago a um profissional formado) é de R$ 1.450,005. Na Universidade de São Números não são nada sem contextualização: agora que você já tem os
Paulo, o salário inicial de um bibliotecário, em dezembro de 2005, era de R$ 2.100,00.
Num concurso na Câmara dos Deputados em Brasília o valor foi de R$ 9.000,00. Um dados comece a pensar sobre eles.
professor doutor na USP (quem sabe você não é @ próxim@), ganha cerca de R$
6.300,00– dados de janeiro de 2009. Segundo o Conselho Regional de Biblioteconomia Embora a potencialidade da área seja reconhecida, @ bibliotecári@ continua sendo
do Estado, a remuneração média está entre R$ 3.000 e R$ 5.000 - alguns profissionais identificado por muitos como um profissional apolítico, apático, neutro, distante das
chegam a receber R$ 13 mil. questões sociais e das discussões políticas. Entretanto, com as mudanças paradigmáticas,
a emergência e consolidação da Sociedade da Informação e a universalização dos direitos
 Quer mais dados? Em pesquisa realizada em 1996 por Kira Tarapanoff em à informação, uma nova postura é esperada deste profissional. O dever do bibliotecário na
Brasília e no restante do país, com foco nas bibliotecas universitárias, verificou- atual sociedade é o de agir como catalisador e difusor da informação na sociedade em que
se que: atua. E por aí vai...

Segundo a pesquisa, 65% dos bibliotecári@s entrevistad@s trabalhavam no setor


governamental; 32,5% no setor privado e 2% em ONGs

5
Veja mais em http://tinyurl.com/csfd79
papo com seus veteranos, espere a sua aula, faça um lanchinho, mas não vale deixar de
aproveitar os dotes de Morfeu que esse sofá tem! Por favor, não faça amor nele: já
retiraram todos os outros a ECA por esse motivo, deixe para juntar-se a outro ser do lado
de fora da ECA. No corredor há murais com vagas de estágio, avisos acadêmicos,
calendário, propagandas de festas e eventos. Fique sempre esperto com esse mural que
sempre há alguma informação relevante (ou não).
Seguindo em frente há as salas dos Laboratórios de Informática (algumas aulas
serão ministradas lá), a Secretaria do CBD (você descobrirá que na USP cada coisa pede
uma secretaria), e a famigerada Sala de Alunos, ou simplesmente, “salinha”, nela você
tem a disposição 4 computadores6, os quais você disputará com unhas e dentes. Nessa
sala você terá espaço para fazer aquele trabalho que deve ser entregue daqui a 5 minutos,
fofocar, dançar a “dança do quadrado”, se socializar (ou não), tirar uma soneca, varzear,
ficar no Messenger e Orkut, fazer amizades, encontrar veteranos, enfim, você poderá
realizar atividades acadêmicas, filosóficas e ociosas (o que é mais provável). Mas algo é
BIXONÁRIO BIBLIOTECÁRIO certo: você irá se divertir nessa salinha. Ou não.

O bixonário se divide em duas seções: uma contém essencialmente termos da nossa área, Muita informação? Site: http://www.eca.usp.br/departam/cbd
e a outra, termos da USP em geral... não se engane, não queremos ficar isolados - Email: cbd@usp.br Tel: 3091-4076 / 4011
simplesmente é uma divisão didática para você. Não precisa decorar tudo, apenas guarde
isso com carinho – talvez um dia você vá precisar. CFB: Sigla de Conselho Federal de Biblioteconomia. Na década de 50, algumas
bibliotecárias brasileiras, lideradas pela figura de Laura Garcia Moreno Russo, de São
Paulo, iniciaram os esforços para ver a biblioteconomia oficialmente reconhecida junto
CABiECA –A CABi - Comissão de Alunos de aos poderes públicos e junto à sociedade brasileira. Em 1962 veio a coroação de todos
Biblioteconomia começou a se formar nos corredores do CBD em setembro de 1996. Seu esses esforços, com a aprovação da Lei nº 4084, que regula, até hoje, o exercício da
objetivo é reunir os estudantes interessados em promover e participar de atividades de profissão de bibliotecário no Brasil. O CFB fica localizado em Brasília.
aperfeiçoamento e integração. Ela ainda não tem forma tampouco uma função definida: o
objetivo é torná-la a partir de agora algo que possa acolher os estudantes da biblio e os CRB8: Sigla de Conselho Regional de Biblioteconomia - 8ª Região. Criados em 1962, os
orientar para práticas como a construção de bibliotecas comunitárias, estudos em grupo CRBs tem por objetivos básicos fiscalizar o exercício da profissão de bibliotecário e
sobre aspectos da área, e demais coisas do tipo. Participe! Fale com seus RDs... contribuir para o aprimoramento da área e de seus profissionais. Para exercer legalmente
a profissão é obrigatório ter o nível superior em Biblioteconomia e o registro no Conselho
CBD: O Departamento de Biblioteconomia e Documentação será o seu novo “lar” Regional, assim como ocorre com outros profissionais liberais - médicos, advogados e
(Documentação porque antes os dois cursos eram separados na ECA, aliás, ECC, pois não arquitetos, por exemplo - que devem inscrever-se em seus respectivos órgãos
era Arte, era Cultura). Hum, mas o que quer dizer esse C no CBD??? Bem, todos os fiscalizadores. Atuar como bibliotecário é permitido e assegurado somente àqueles que
departamentos da ECA começam com C, CCA, CMU, CRP, etc, o C significa ... nada, é são registrados no CRB, mantendo atualizado o pagamento das anuidades. A organização
apenas a segunda letra de ECA. Isso é padrão na USP. Normas burocráticas. e manutenção de cadastros de profissionais registrados, de escolas de Biblioteconomia, de
O nosso departamento fica no prédio principal da ECA (o waffle), no segundo bibliotecas e centros de documentação, também é atribuição dos mesmos. O CRB 8ª
andar à esquerda: siga toda-vida e um dia você chegará lá. Curiosidade: Quando houve Região tem por jurisdição o Estado de São Paulo e existe desde 1966, criado numa
um incêndio no prédio principal da ECA, as chamas do fogaréu misteriosamente não reunião no Auditório da Biblioteca Mário de Andrade.
atingiram o CBD – perceba as marcas negras no chão no começo dele. Mas da fumaça
não teve como escapar – e por algum tempo as aulas foram ministradas na terra de ExNEBD: A Executiva Nacional dos Estudantes de Biblioteconomia e Documentação, é
ninguém, ou seja, no território ecano atrás da FEA (também conhecido como shopping), a entidade máxima de representação dos estudantes de Biblioteconomia, Documentação,
mais precisamente num local da Psico – o bloco P22.
Bom, logo que você chegar no CBD dará de cara com um conjunto de sofás 6
Eles não são tão modernos quanto os do NICA, mas o ambiente é muito mais amigável,
azuis. Bixo, esse será um ótimo espaço para desfrutar do ócio ecano, durma, role, bata um divertido e personalizado.
Ciência e Gestão da Informação do país, tendo como principais atribuições: representar Semana de Biblioteconomia: Todo ano alguns alunos da Biblio se reúnem, montam uma
os estudantes destes cursos junto aos fóruns da área e outros onde se fizer necessário; Comissão Organizadora, e realizam a Semana de Biblioteconomia, com o auxílio de
planejar e realizar o ENEBD e as reuniões da executiva; apoiar a criação e fortalecimento órgãos da área e dos próprios professores do departamento. Pra que? Pra que você
dos ENEBD’s. Visite o Blog provisório: http://www.exnebd.blog.com.br/ estudante possa ter uma semana de reflexão sobre o curso em que se encontra, e também
tenha, de certa forma, uma semana – ou parte dela – não se preocupando com “lição de
ExREBD SE/CO: A Executiva Regional dos Estudantes de Biblioteconomia e casa” e afins. O legal é vir em todas as palestras / mesas-redondas, sentar-se no auditório,
Documentação, tem como função Imprimir unidade à ação do movimento estudantil de curtir o cafezinho, e se deliciar no sábado com uma palestra mais leve que antecede o
Biblioteconomia, Documentação, Ciência e Gestão da Informação, bem como promover e churrasco...mas não se engane: essa semana é essencial para o seu desenvolvimento
incentivar a integração e articulação dos seus estudantes através de encontros, congressos, acadêmico, não pode ser simplesmente encarada como um período de “férias”. Esse ano,
seminários e outras atividades pertinentes ao seu campo de atuação e lutar pela qualidade provavelmente, será realizada no segundo semestre, e se você quiser fazer parte da
do ensino desses cursos. Também auxilia no planejamento e realização do EREBDs. organização, é só falar com qualquer representante discente.

ENEBD: Encontro Nacional dos Estudantes de Biblioteconomia e Documentação.


Realizado anualmente no mês de julho, é o maior evento estudantil na área de
Biblioteconomia. Além de promover uma interação cultural, política e acadêmica, visa
uma avaliação crítica do curso frente do mercado de trabalho e também uma proveitosa
discussão acerca da realidade sócio-econômica brasileira. Serve também para o seu
network, seja afetivo, seja profissional (os dois são indicados). Esse ano será na cidade do
Rio de Janeiro, na UNIRIO, em julho – tendo a duração de uma semana. Caso se
interesse em participar do evento entre em contato com algum Representante Discente
(RD).

EREBD: Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência


e Gestão da Informação. Realiza-se todo ano (antes era uma vez a cada dois anos), em
cada uma das regiões, assim divididas: Sul, Sudeste e Centro-Oeste, Norte e Nordeste.
Visa promover a integração entre estudantes de graduação e pós-graduação, profissionais,
 SOBRE O MOVIMENTO ESTUDANTIL
docentes e as universidades, e possibilitar a difusão do conhecimento, o
compartilhamento de experiências e o intercâmbio social. Há três EREBDs por ano:
Movimento Estudantil - O movimento estudantil é um movimento social, o movimento
Norte/Nordeste, Sudeste/Centro-Oeste e Sul. Este ano o Norte/Nordeste aconteceu em
social dos estudantes.“Grupo de estudantes organizados em defesa de objetivos comuns
Recife–PE, o Sudeste/Centro-Oeste vai ser em Goiás e o Sul no Rio Grande do Sul, em
em beneficio do coletivo dos estudantes, não se limitando exclusivamente a ele”. Os
abril. Em 2008, o IX EREBD SE/CO ocorreu aqui na USP, e com muita labuta e perda de
objetivos comuns se resumem nas lutas recentes como: a luta por mais verbas para a
cabelo os seus veteranos conseguiram promover o EREBD e não fizemos feio. Se quiser
educação, por eleições diretas para reitora, por uma universidade pública, gratuita e de
ir para algum EREBD procure seus RDs também.
qualidade para tod@s.
Prêmio Laura Russo: Prêmio anualmente realizado pelo CRB 8ª região (o “nosso”); visa
A força do movimento estudantil depende, necessariamente, das estudantes. Portanto, é
agraciar os profissionais mais destacados durante o ano, sempre com um tema para
necessária uma transformação entre os alunos, pois, se por um lado, enquanto estudantes,
avaliação de diversos trabalhos que possam ser premiados. Você, quando concluir sua
somos meros agentes passivos do processo educacional, podemos e devemos passar a ser
graduação e fizer ser Trabalho de Conclusão de Curso – poderá enviá-lo e esperar pelo
ativos, nos tornando educandos. O processo educativo que envolve educando e educador
evento, com um champagne guardado (como por exemplo, com a ‘nossa’ estudante
forma pessoas críticas que poderão cumprir efetivamente seu papel na sociedade, não
premiada, Luana Maíra...) Laura Russo foi uma das mais importantes bibliotecárias do
sendo apenas reprodutores. Desse modo, essa consciência critica é necessária para que a
país, e foi a primeira a presidir o Conselho Federal de Biblioteconomia, ainda na década
Universidade Pública cumpra sua função de formadora de pessoas críticas com
de 60.
responsabilidades para com o coletivo. Entre essas responsabilidades, temos o
desenvolvimento do conhecimento público, voltado para a sociedade, visando a
transformação social.

Se desejarmos uma universidade que esteja de fato a serviço do conjunto da população, é


fundamental que todas participem, nos atos e nas atividades do movimento, evidenciando
a força de nossas reivindicações e a urgência delas. Você, que passou no vestibular, faz
parte dos cerca de 9% da população que hoje tem acesso ao ensino superior, e nada mais
justo do que agora que você está dentro dela, lute pra que ela seja realmente pública e que
todos possam ter acesso a ela.

DCE e os CA´s - O DCE-Livre da USP (Diretório Central das Estudantes Livre da USP
“Alexandre Vannucchi Leme” - telefone: 3091-3269 / 3270) serve como instrumento para
organização das estudantes, ajudando a potencializar a mobilização estudantil e levá-la Para saber mais sobre Biblioteconomia, comece lendo:
adiante. O mesmo papel é desempenhado pelos Centros Acadêmicos, que têm a tarefa de
organizar no curso as demandas e lutas mais específicas das estudantes de cada unidade, o FONSECA, Edson Nery da. A biblioteconomia brasileira no contexto mundial. Rio de
CA da ECA é o CALC, Centro Acadêmico Lupe Cotrim (telefone: 3091-4013). O CALC Janeiro, Tempo Brasileiro/INL. 1979.
é a entidade independente que está mais próxima de nós estudantes, e é através dele e dos
Representantes Discentes (RD´s) – eleitos por todos os ecanos – que somos LE COADIC, Ives_François. A ciência da informação. Tradução de Maria Yêda F. S. de
representados. Curiosidade: Lupe Cotrim, formada em Filosofia e Biblioteconomia, foi Figueiras Gomes. 2ª ed. ver. e atual. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.
poeta, tradutora, produtora de televisão, e professora da ECA.
MILANESI, Luis. O que é biblioteca. São Paulo, Brasiliense, 1983.
A UNE (União Nacional dos Estudantes) - Atualmente a UNE não é tida como entidade
potencializadora das lutas da juventude. A maioria dos estudantes a conhece apenas como OTLET, Paul - Traité de Documentation: Le livre sur le livre: Théorie et pratique. 1934.
uma fábrica de carteirinhas. Assim como o DCE é o potencializador das lutas de todos os
estudantes dentro de uma Universidade, a UNE deveria ser a potencializadora das lutas de ORTEGA y GASSET, José. La misión del bibliotecario. Madrid: Revista de Occidente,
todos os estudantes nacionalmente, mas seu atrelamento ao governo e o encastelamento 1967. 183 p.
da sua diretoria, cada dia mais burocratizada, dão eco ao imobilismo entre os estudantes.
As eleições para a União Nacional dos Estudantes e para a União Estadual dos Estudantes RANGANATHAN, S. R. The Five Laws of Library Science. Bombay and New York:
são iguais. Elas diferem das eleições para CA´s e DCE´s (pois estas são diretas, e as da Asia Publishing House, 1963
UNE e da UEE são indiretas). As eleições da UNE e da UEE ocorrem no CONUNE
(Congresso dos estudantes da UNE e UEE) através do voto de delegados eleitos nos VALENTIM, Marta Lígia (org.) Atuação profissional na área de informação. São Paulo:
cursos. No CONUNE vota-se na nova diretoria e nas diretrizes para a entidade, ele ocorre Polis, 2004.
de dois em dois anos, e nesse ano teremos um (provavelmente no meio do ano).

CONLUTE: Coordenação Nacional de Lutas dos Estudantes - organização estudantil


alternativa a UNE, ainda em formação, visa reorganizar as lutas estudantis, papel que a
UNE não tem cumprido. Há “dois” anos organiza o ENE (Encontro Nacional de
Estudantes), onde são discutidos e feitos planos para os novos rumos do movimento
estudantil

"Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os


livros só mudam as pessoas”
(Mário Quintana)
Sites interessantes
Biblioteca Nacional: www.bn.br CONTATO COM OS RDs CBD/ECA/USP-SP
Visite o site da maior biblioteca do Brasil
Library of Congress: www.loc.gov
Site da maior biblioteca do mundo, localizada em Washington, EUA
Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas de São Paulo rdsbiblio@yahoo.com.br
www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas
Contém o catálogo dos livros das BPs de Sampa, programação das temáticas etc
Biblioteca Virtual: www.bibliotecavirtual.sp.gov.br
Pode ser útil nas suas pesquisas acadêmicas
OFAJ: www.ofaj.com.br
Possui banco de estágios e textos sobre a área atualizados quinzenalmente
Dedalus USP: www.usp.br/sibi
Acesso a OPAC das bibliotecas da USP
Biblioteca da ECA: www.rebeca.eca.usp.br
Conheça bem o acervo de nossa querida BibliotECA

Blogs / Sites de Biblio pra visitar


Biblioque (Laura Inafuko) - http://biblioque.wordpress.com/
Bibliotecários sem Fronteiras – (vários) http://bsf.org.br/
Fabiano Caruso - http://fabianocaruso.com/
Minhas Citações (Leonardo Assis) - http://www.minhascitacoes.org/leonardoassis/
OFAJ (Prof. Oswaldo Francisco Almeida Jr) - http://www.ofaj.com.br/
Panorama Geek (Luana Maíra) - http://panoramageek.wordpress.com/
Repositório Acvadêmico de Biblio&CI (vários) - http://rabci.org/rabci/
Web Librarian (Alexandre Berbe) – http://wl.blog.br

Acesse também: http://wl.blog.br/links e http://www.sobresites.com/biblioteconomia/

PRESTE MAIS ATENÇÃO A ESSE:

Site da CABi – site http://www.eca.usp.br/cabi


Você encontrará na seção “Arquivos” dicas de como se fazer um resumo, uma resenha,
um fichamento, citações, referências... se quiser, também há um manual de técnicas de
estudo pra você se orientar melhor na universidade (ou pelo menos tentar). Tem muito
mais por lá.