Regulamentado por - Decreto nº 2.

561, de 27 de abril de 1998 ; parágrao 1º ,
art. 8!
Regulamentado por - Decreto nº 2.207, de 15 de abril de 1997; as disposiçes
contidas nos art. 19, 20, !5, !" e # 1º, 52, par$gra%o &nico, 5! e ''.
Regulamentado por - Decreto nº 2.!9!, de 10 de %e(ereiro de 199'; o art. '0
Regulamentado por - Decreto nº 2.20', de 17 de abril de 1997; o # 2º do art.)" e
os arts. )9 a !2.
Regulamentado por - Decreto nº 2.2"!, de 27 de *un+o de 1997
"#$ nº 9.%9&, de 2! de De'embro de 1996
"ei de Diretri'e( e )a(e( da #duca*+o
,D-., 2% de de'embro de 1996 - /e*+o 1 - 0ágina 278%91

ESTABELECE AS DIRETRIZES E BASES
DA EDUCAÇÃO NACIONAL

23tulo $
Da #duca*+o
4rt. 1º , educaç-o abrange os processos %ormati(os .ue se desen(ol(em
na (ida %amiliar, na con(i(/ncia +umana, no trabal+o, nas instituiçes de ensino e
pes.uisa, nos mo(imentos sociais e organi0açes da sociedade ci(il e nas
mani%estaçes culturais.
5 1º 1sta 2ei disciplina a educaç-o escolar, .ue se desen(ol(e,
predominantemente, por meio do ensino, em instituiçes pr3prias.
5 2º , educaç-o escolar de(er$ (incular-se ao mundo do trabal+o e 4
pr$tica social.
262."- $$
D-/ 0R$7860$-/ # 9$7/ D4 #D.84:;- 748$-74"
4rt. 2º , educaç-o, de(er da %am5lia e do 1stado, inspirada nos princ5pios
de liberdade e nos ideais de solidariedade +umana, tem por %inalidade o pleno
desen(ol(imento do educando, seu preparo para o e6erc5cio da cidadania e sua
.uali%icaç-o para o trabal+o.
1
4rt. %º 7 ensino ser$ ministrado com base nos seguintes princ5pios8
$ - igualdade de condiçes para o acesso e perman/ncia na escola;
$$ - liberdade de aprender, ensinar, pes.uisar e di(ulgar a cultura, o
pensamento, a arte e o saber;
$$$ - pluralismo de id9ias e de concepçes pedag3gicas;
$< - respeito 4 liberdade e apreço 4 toler:ncia;
< - coe6ist/ncia de instituiçes p&blicas e pri(adas de ensino;
<$ - gratuidade do ensino p&blico em estabelecimentos o%iciais;
<$$ - (alori0aç-o do pro%issional da educaç-o escolar;
<$$$ - gest-o democr$tica do ensino p&blico, na %orma desta 2ei e da
legislaç-o dos sistemas de ensino;
$= - garantia de padr-o de .ualidade;
= - (alori0aç-o da e6peri/ncia e6tra-escolar;
=$ (inculaç-o entre a educaç-o escolar, o trabal+o e as pr$ticas sociais.
23tulo $$$
Do Direito à Educação e do Dever de Educar
4rt. &º 7 de(er do 1stado com educaç-o escolar p&blica ser$ e%eti(ado
mediante a garantia de8
$ - ensino %undamental, obrigat3rio e gratuito, inclusi(e para os .ue a ele
n-o ti(eram acesso na idade pr3pria;
$$ - progressi(a e6tens-o da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino
m9dio;
$$$ - atendimento educacional especiali0ado gratuito aos educandos com
necessidades especiais, pre%erencialmente na rede regular de ensino;
$< - atendimento gratuito em crec+es e pr9-escolas 4s crianças de 0ero a
seis anos de idade;
< - acesso aos n5(eis mais ele(ados do ensino, da pes.uisa e da criaç-o
art5stica, segundo a capacidade de cada um;
2
<$ - o%erta de ensino noturno regular, ade.uado 4s condiçes do
educando;
<$$ - o%erta de educaç-o escolar regular para *o(ens e adultos, com
caracter5sticas e modalidades ade.uadas 4s suas necessidades e
disponibilidades, garantindo-se aos .ue %orem trabal+adores as condiçes de
acesso e perman/ncia na escola;
<$$$ - atendimento ao educando, no ensino %undamental p&blico, por meio
de programas suplementares de material did$tico-escolar, transporte,
alimentaç-o e assist/ncia 4 sa&de;
$= - padres m5nimos de .ualidade de ensino, de%inidos como a
(ariedade e .uantidade m5nimas, por aluno, de insumos indispens$(eis ao
desen(ol(imento do processo de ensino-aprendi0agem.
4rt. 5º 7 acesso ao ensino %undamental 9 direito p&blico sub*eti(o, podendo
.ual.uer cidad-o, grupo de cidad-os, associaç-o comunit$ria, organi0aç-o
sindical, entidade de classe ou outra legalmente constitu5da, e, ainda, o
;inist9rio <&blico, acionar o <oder <&blico para e6igi-lo.
5 1º =ompete aos 1stados e aos ;unic5pios, em regime de colaboraç-o,
e com a assist/ncia da >ni-o8
$ - recensear a populaç-o em idade escolar para o ensino %undamental,
e os *o(ens e adultos .ue a ele n-o ti(eram acesso;
$$ - %a0er-l+es a c+amada p&blica;
$$$ - 0elar, *unto aos pais ou respons$(eis, pela %re.?/ncia 4 escola.
5 2º 1m todas as es%eras administrati(as, o <oder <&blico assegurar$ em
primeiro lugar o acesso ao ensino obrigat3rio, nos termos deste artigo,
contemplando em seguida os demais n5(eis e modalidades de ensino, con%orme
as prioridades constitucionais e legais.
5 %º @ual.uer das partes mencionadas no caput deste artigo tem
legitimidade para peticionar no <oder Audici$rio, na +ip3tese do # 2º do art. 20'
da =onstituiç-o Bederal, sendo gratuita e de rito sum$rio a aç-o *udicial
correspondente.
5 &º =ompro(ada a neglig/ncia da autoridade competente para garantir o
o%erecimento do ensino obrigat3rio, poder$ ela ser imputada por crime de
responsabilidade.
5 5º <ara garantir o cumprimento da obrigatoriedade de ensino, o <oder
<&blico criar$ %ormas alternati(as de acesso aos di%erentes n5(eis de ensino,
independentemente da escolari0aç-o anterior.
3
4rt. 6º C de(er dos pais ou respons$(eis e%etuar a matr5cula dos menores,
a partir dos sete anos de idade, no ensino %undamental.
4rt. 7º 7 ensino 9 li(re 4 iniciati(a pri(ada, atendidas as seguintes
condiçes8
$ - cumprimento das normas gerais da educaç-o nacional e do
respecti(o sistema de ensino;
$$ - autori0aç-o de %uncionamento e a(aliaç-o de .ualidade pelo <oder
<&blico;
$$$ - capacidade de auto%inanciamento, ressal(ado o pre(isto no art. 21)
da =onstituiç-o Bederal.
Títuo I!
Da -rgani'a*+o da #duca*+o 7acional
4rt. 8º , >ni-o, os 1stados, o Distrito Bederal e os ;unic5pios organi0ar-o,
em regime de colaboraç-o, os respecti(os sistemas de ensino.
5 1º =aber$ 4 >ni-o a coordenaç-o da pol5tica nacional de educaç-o,
articulando os di%erentes n5(eis e sistemas e e6ercendo %unç-o normati(a,
redistributi(a e supleti(a em relaç-o 4s demais inst:ncias educacionais.
5 2º 7s sistemas de ensino ter-o liberdade de organi0aç-o nos termos
desta 2ei.
4rt. 9º , >ni-o incumbir-se-$ de8
$ - elaborar o <lano Dacional de 1ducaç-o, em colaboraç-o com os
1stados, o Distrito Bederal e os ;unic5pios;
$$ - organi0ar, manter e desen(ol(er os 3rg-os e instituiçes o%iciais do
sistema %ederal de ensino e o dos Eerrit3rios;
$$$ - prestar assist/ncia t9cnica e %inanceira aos 1stados, ao Distrito
Bederal e aos ;unic5pios para o desen(ol(imento de seus sistemas de ensino e
o atendimento priorit$rio 4 escolaridade obrigat3ria, e6ercendo sua %unç-o
redistributi(a e supleti(a;
$< - estabelecer, em colaboraç-o com os 1stados, o Distrito Bederal e os
;unic5pios, compet/ncias e diretri0es para a educaç-o in%antil, o ensino
%undamental e o ensino m9dio, .ue nortear-o os curr5culos e seus conte&dos
m5nimos, de modo a assegurar %ormaç-o b$sica comum;
< - coletar, analisar e disseminar in%ormaçes sobre a educaç-o;
4
<$ - assegurar processo nacional de a(aliaç-o do rendimento escolar no
ensino %undamental, m9dio e superior, em colaboraç-o com os sistemas de
ensino, ob*eti(ando a de%iniç-o de prioridades e a mel+oria da .ualidade do
ensino;
<$$ - bai6ar normas gerais sobre cursos de graduaç-o e p3s-graduaç-o;
<$$$ - assegurar processo nacional de a(aliaç-o das instituiçes de
educaç-o superior, com a cooperaç-o dos sistemas .ue ti(erem
responsabilidade sobre este n5(el de ensino;
$= - autori0ar, recon+ecer, credenciar, super(isionar e a(aliar,
respecti(amente, os cursos das instituiçes de educaç-o superior e os
estabelecimentos do seu sistema de ensino.
5 1º Da estrutura educacional, +a(er$ um =onsel+o Dacional de
1ducaç-o, com %unçes normati(as e de super(is-o e ati(idade permanente,
criado por lei.
5 2º <ara o cumprimento do disposto nos incisos F a GH, a >ni-o ter$
acesso a todos os dados e in%ormaçes necess$rios de todos os
estabelecimentos e 3rg-os educacionais.
5 %º ,s atribuiçes constantes do inciso GH poder-o ser delegadas aos
1stados e ao Distrito Bederal, desde .ue manten+am instituiçes de educaç-o
superior.
,rt. 10. 7s 1stados incumbir-se--o de8
$ - organi0ar, manter e desen(ol(er os 3rg-os e instituiçes o%iciais dos
seus sistemas de ensino;
$$ - de%inir, com os ;unic5pios, %ormas de colaboraç-o na o%erta do
ensino %undamental, as .uais de(em assegurar a distribuiç-o proporcional das
responsabilidades, de acordo com a populaç-o a ser atendida e os recursos
%inanceiros dispon5(eis em cada uma dessas es%eras do <oder <&blico;
$$$ - elaborar e e6ecutar pol5ticas e planos educacionais, em conson:ncia
com as diretri0es e planos nacionais de educaç-o, integrando e coordenando as
suas açes e as dos seus ;unic5pios;
$< - autori0ar, recon+ecer, credenciar, super(isionar e a(aliar,
respecti(amente, os cursos das instituiçes de educaç-o superior e os
estabelecimentos do seu sistema de ensino;
< - bai6ar normas complementares para o seu sistema de ensino;
5
<$ - assegurar o ensino %undamental e o%erecer, com prioridade, o ensino
m9dio.
<ar$gra%o &nico. ,o Distrito Bederal aplicar-se--o as compet/ncias
re%erentes aos 1stados e aos ;unic5pios.
,rt. 11. 7s ;unic5pios incumbir-se--o de8
$ - organi0ar, manter e desen(ol(er os 3rg-os e instituiçes o%iciais dos
seus sistemas de ensino, integrando-os 4s pol5ticas e planos educacionais da
>ni-o e dos 1stados;
$$ - e6ercer aç-o redistributi(a em relaç-o 4s suas escolas;
$$$ - bai6ar normas complementares para o seu sistema de ensino;
$< - autori0ar, credenciar e super(isionar os estabelecimentos do seu
sistema de ensino;
< - o%erecer a educaç-o in%antil em crec+es e pr9-escolas, e, com
prioridade, o ensino %undamental, permitida a atuaç-o em outros n5(eis de ensino
somente .uando esti(erem atendidas plenamente as necessidades de sua $rea
de compet/ncia e com recursos acima dos percentuais m5nimos (inculados pela
=onstituiç-o Bederal 4 manutenç-o e desen(ol(imento do ensino.
<ar$gra%o &nico. 7s ;unic5pios poder-o optar, ainda, por se integrar ao
sistema estadual de ensino ou compor com ele um sistema &nico de educaç-o
b$sica.
,rt. 12. 7s estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e
as do seu sistema de ensino, ter-o a incumb/ncia de8
$ - elaborar e e6ecutar sua proposta pedag3gica;
$$ - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e %inanceiros;
$$$ - assegurar o cumprimento dos dias leti(os e +oras-aula
estabelecidas;
$< - (elar pelo cumprimento do plano de trabal+o de cada docente;
< - pro(er meios para a recuperaç-o dos alunos de menor rendimento;
<$ - articular-se com as %am5lias e a comunidade, criando processos de
integraç-o da sociedade com a escola;
<$$ - in%ormar os pais e respons$(eis sobre a %re.?/ncia e o rendimento
dos alunos, bem como sobre a e6ecuç-o de sua proposta pedag3gica.
6
,rt. 1). 7s docentes incumbir-se--o de8
$ - participar da elaboraç-o da proposta pedag3gica do estabelecimento
de ensino;
$$ - elaborar e cumprir plano de trabal+o, segundo a proposta
pedag3gica do estabelecimento de ensino;
$$$ - 0elar pela aprendi0agem dos alunos;
$< - estabelecer estrat9gias de recuperaç-o para os alunos de menor
rendimento;
< - ministrar os dias leti(os e +oras-aula estabelecidos, al9m de
participar integralmente dos per5odos dedicados ao plane*amento, 4 a(aliaç-o e
ao desen(ol(imento pro%issional;
<$ - colaborar com as ati(idades de articulaç-o da escola com as %am5lias
e a comunidade.
,rt. 1!. 7s sistemas de ensino de%inir-o as normas da gest-o democr$tica
do ensino p&blico na educaç-o b$sica, de acordo com as suas peculiaridades e
con%orme os seguintes princ5pios8
$ - participaç-o dos pro%issionais da educaç-o na elaboraç-o do pro*eto
pedag3gico da escola;
$$ - participaç-o das comunidades escolar e local em consel+os
escolares ou e.ui(alentes.
,rt. 15. 7s sistemas de ensino assegurar-o 4s unidades escolares p&blicas
de educaç-o b$sica .ue os integram progressi(os graus de autonomia
pedag3gica e administrati(a e de gest-o %inanceira, obser(adas as normas
gerais de direito %inanceiro p&blico.
,rt. 1". 7 sistema %ederal de ensino compreende8
$ - as instituiçes de ensino mantidas pela >ni-o;
$$ - as instituiçes de educaç-o superior criadas e mantidas pela
iniciati(a pri(ada;
$$$ - os 3rg-os %ederais de educaç-o.
,rt. 17. 7s sistemas de ensino dos 1stados e do Distrito Bederal
compreendem8
$ - as instituiçes de ensino mantidas, respecti(amente, pelo <oder
<&blico estadual e pelo Distrito Bederal;
7
$$ - as instituiçes de educaç-o superior mantidas pelo <oder <&blico
municipal;
$$$ - as instituiçes de ensino %undamental e m9dio criadas e mantidas
pela iniciati(a pri(ada;
$< - os 3rg-os de educaç-o estaduais e do Distrito Bederal,
respecti(amente.
<ar$gra%o &nico. Do Distrito Bederal, as instituiçes de educaç-o in%antil,
criadas e mantidas pela iniciati(a pri(ada, integram seu sistema de ensino.
,rt. 1'. 7s sistemas municipais de ensino compreendem8
$ - as instituiçes do ensino %undamental, m9dio e de educaç-o in%antil
mantidas pelo <oder <&blico municipal;
$$ - as instituiçes de educaç-o in%antil criadas e mantidas pela iniciati(a
pri(ada;
$$$ - os 3rg-os municipais de educaç-o.
,rt. 19. ,s instituiçes de ensino dos di%erentes n5(eis classi%icam-se nas
seguintes categorias administrati(as8
$ - p&blicas, assim entendidas as criadas ou incorporadas, mantidas e
administradas pelo <oder <&blico;
$$ - pri(adas, assim entendidas as mantidas e administradas por pessoas
%5sicas ou *ur5dicas de direito pri(ado.
,rt. 20. ,s instituiçes pri(adas de ensino se en.uadrar-o nas seguintes
categorias8
$ - particulares em sentido estrito, assim entendidas as .ue s-o
institu5das e mantidas por uma ou mais pessoas %5sicas ou *ur5dicas de direito
pri(ado .ue n-o apresentem as caracter5sticas dos incisos abai6o;
$$ - comunit$rias, assim entendidas as .ue s-o institu5das por grupos de
pessoas %5sicas ou por uma ou mais pessoas *ur5dicas, inclusi(e cooperati(as de
pro%essores e alunos .ue incluam na sua entidade mantenedora representantes
da comunidade;
$$$ - con%essionais, assim entendidas as .ue s-o institu5das por grupos de
pessoas %5sicas ou por uma ou mais pessoas *ur5dicas .ue atendem a orientaç-o
con%essional e ideologia espec5%icas e ao disposto no inciso anterior;
$< - %ilantr3picas, na %orma da lei.
8
23tulo <
Do( 73>ei( e da( ?odalidade( de #duca*+o e #n(ino
84062."- $
Da 8ompo(i*+o do( 73>ei( #(colare(
,rt. 21. , educaç-o escolar compe-se de8
$ - educaç-o b$sica, %ormada pela educaç-o in%antil, ensino
%undamental e ensino m9dio;
$$ - educaç-o superior.

8ap3tulo $$
Da #duca*+o )á(ica
/#:;- $
Da( Di(po(i*@e( Aerai(
,rt. 22. , educaç-o b$sica tem por %inalidades desen(ol(er o educando,
assegurar-l+e a %ormaç-o comum indispens$(el para o e6erc5cio da cidadania e
%ornecer-l+e meios para progredir no trabal+o e em estudos posteriores.
,rt. 2). , educaç-o b$sica poder$ organi0ar-se em s9ries anuais, per5odos
semestrais, ciclos, altern:ncia regular de per5odos de estudos, grupos n-o-
seriados, com base na idade, na compet/ncia e em outros crit9rios, ou por %orma
di(ersa de organi0aç-o, sempre .ue o interesse do processo de aprendi0agem
assim o recomendar.
# 1º , escola poder$ reclassi%icar os alunos, inclusi(e .uando se tratar de
trans%er/ncias entre estabelecimentos situados no <a5s e no e6terior, tendo como
base as normas curriculares gerais.
# 2º 7 calend$rio escolar de(er$ ade.uar-se 4s peculiaridades locais,
inclusi(e clim$ticas e econImicas, a crit9rio do respecti(o sistema de ensino,
sem com isso redu0ir o n&mero de +oras leti(as pre(isto nesta 2ei.
,rt. 2!. , educaç-o b$sica, nos n5(eis %undamental e m9dio, ser$
organi0ada de acordo com as seguintes regras comuns8
$ - a carga +or$ria m5nima anual ser$ de oitocentas +oras, distribu5das
por um m5nimo de du0entos dias de e%eti(o trabal+o escolar, e6clu5do o tempo
reser(ado aos e6ames %inais, .uando +ou(er;
$$ - a classi%icaç-o em .ual.uer s9rie ou etapa, e6ceto a primeira do
ensino %undamental, pode ser %eita8
9
a1 por promoç-o, para alunos .ue cursaram, com apro(eitamento, a
s9rie ou %ase anterior, na pr3pria escola;
b1 por trans%er/ncia, para candidatos procedentes de outras escolas;
c1 independentemente de escolari0aç-o anterior, mediante
a(aliaç-o %eita pela escola, .ue de%ina o grau de desen(ol(imento e e6peri/ncia
do candidato e permita sua inscriç-o na s9rie ou etapa ade.uada, con%orme
regulamentaç-o do respecti(o sistema de ensino;
$$$ - nos estabelecimentos .ue adotam a progress-o regular por s9rie, o
regimento escolar pode admitir %ormas de progress-o parcial, desde .ue
preser(ada a se.?/ncia do curr5culo, obser(adas as normas do respecti(o
sistema de ensino;
$< - poder-o organi0ar-se classes, ou turmas, com alunos de s9ries
distintas, com n5(eis e.ui(alentes de adiantamento na mat9ria, para o ensino de
l5nguas estrangeiras, artes, ou outros componentes curriculares;
< - a (eri%icaç-o do rendimento escolar obser(ar$ os seguintes crit9rios8
a1 a(aliaç-o cont5nua e cumulati(a do desempen+o do aluno, com
pre(al/ncia dos aspectos .ualitati(os sobre os .uantitati(os e dos resultados ao
longo do per5odo sobre os de e(entuais pro(as %inais;
b1 possibilidade de aceleraç-o de estudos para alunos com atraso
escolar;
c1 possibilidade de a(anço nos cursos e nas s9ries mediante
(eri%icaç-o do aprendi0ado;
d1 apro(eitamento de estudos conclu5dos com /6ito;
e1 obrigatoriedade de estudos de recuperaç-o, de pre%er/ncia
paralelos ao per5odo leti(o, para os casos de bai6o rendimento escolar, a serem
disciplinados pelas instituiçes de ensino em seus regimentos;
<$ - o controle de %re.?/ncia %ica a cargo da escola, con%orme o disposto
no seu regimento e nas normas do respecti(o sistema de ensino, e6igida a
%re.?/ncia m5nima de setenta e cinco por cento do total de +oras leti(as para
apro(aç-o;
<$$ - cabe a cada instituiç-o de ensino e6pedir +ist3ricos escolares,
declaraçes de conclus-o de s9rie e diplomas ou certi%icados de conclus-o de
cursos, com as especi%icaçes cab5(eis.
10
,rt. 25. Jer$ ob*eti(o permanente das autoridades respons$(eis alcançar
relaç-o ade.uada entre o n&mero de alunos e o pro%essor, a carga +or$ria e as
condiçes materiais do estabelecimento.
<ar$gra%o &nico. =abe ao respecti(o sistema de ensino, 4 (ista das
condiçes dispon5(eis e das caracter5sticas regionais e locais, estabelecer
par:metro para atendimento do disposto neste artigo.
,rt. 2". 7s curr5culos do ensino %undamental e m9dio de(em ter uma base
nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e
estabelecimento escolar, por uma parte di(ersi%icada, e6igida pelas
caracter5sticas regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da
clientela.
5 1º 7s curr5culos a .ue se re%ere o caput de(em abranger,
obrigatoriamente, o estudo da l5ngua portuguesa e da matem$tica, o
con+ecimento do mundo %5sico e natural e da realidade social e pol5tica,
especialmente do Krasil.
5 2º 7 ensino da arte constituir$ componente curricular obrigat3rio, nos
di(ersos n5(eis da educaç-o b$sica, de %orma a promo(er o desen(ol(imento
cultural dos alunos.
5 %º , educaç-o %5sica, integrada 4 proposta pedag3gica da escola, 9
componente curricular da 1ducaç-o K$sica, a*ustando-se 4s %ai6as et$rias e 4s
condiçes da populaç-o escolar, sendo %acultati(a nos cursos noturnos.
5 &º 7 ensino da List3ria do Krasil le(ar$ em conta as contribuiçes das
di%erentes culturas e etnias para a %ormaç-o do po(o brasileiro, especialmente
das matri0es ind5gena, a%ricana e europ9ia.
5 5º Da parte di(ersi%icada do curr5culo ser$ inclu5do, obrigatoriamente, a
partir da .uinta s9rie, o ensino de pelo menos uma l5ngua estrangeira moderna,
cu*a escol+a %icar$ a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da
instituiç-o.
,rt. 27. 7s conte&dos curriculares da educaç-o b$sica obser(ar-o, ainda,
as seguintes diretri0es8
$ - a di%us-o de (alores %undamentais ao interesse social, aos direitos e
de(eres dos cidad-os, de respeito ao bem comum e 4 ordem democr$tica;
$$ - consideraç-o das condiçes de escolaridade dos alunos em cada
estabelecimento;
11
$$$ - orientaç-o para o trabal+o;
$< - promoç-o do desporto educacional e apoio 4s pr$ticas desporti(as
n-o-%ormais.
,rt. 2'. Da o%erta de educaç-o b$sica para a populaç-o rural, os sistemas
de ensino promo(er-o as adaptaçes necess$rias 4 sua ade.uaç-o 4s
peculiaridades da (ida rural e de cada regi-o, especialmente8
$ - conte&dos curriculares e metodologias apropriadas 4s reais
necessidades e interesses dos alunos da 0ona rural;
$$ - organi0aç-o escolar pr3pria, incluindo ade.uaç-o do calend$rio
escolar 4s %ases do ciclo agr5cola e 4s condiçes clim$ticas;
$$$ - ade.uaç-o 4 nature0a do trabal+o na 0ona rural.
Seção II
Da #duca*+o $nantil
,rt. 29. , educaç-o in%antil, primeira etapa da educaç-o b$sica, tem como
%inalidade o desen(ol(imento integral da criança at9 seis anos de idade, em seus
aspectos %5sico, psicol3gico, intelectual e social, complementando a aç-o da
%am5lia e da comunidade.
,rt. )0. , educaç-o in%antil ser$ o%erecida em8
$ - crec+es, ou entidades e.ui(alentes, para crianças de at9 tr/s anos
de idade;
$$ - pr9-escolas, para as crianças de .uatro a seis anos de idade.
,rt. )1. Da educaç-o in%antil a a(aliaç-o %ar-se-$ mediante
acompan+amento e registro do seu desen(ol(imento, sem o ob*eti(o de
promoç-o, mesmo para o acesso ao ensino %undamental.
12
/e*+o $$$
Do #n(ino 9undamental
,rt. )2. 7 ensino %undamental, com duraç-o m5nima de oito anos,
obrigat3rio e gratuito na escola p&blica, ter$ por ob*eti(o a %ormaç-o b$sica do
cidad-o, mediante8
$ - o desen(ol(imento da capacidade de aprender, tendo como meios
b$sicos o pleno dom5nio da leitura, da escrita e do c$lculo;
$$ - a compreens-o do ambiente natural e social, do sistema pol5tico, da
tecnologia, das artes e dos (alores em .ue se %undamenta a sociedade;
$$$ - o desen(ol(imento da capacidade de aprendi0agem, tendo em (ista
a a.uisiç-o de con+ecimentos e +abilidades e a %ormaç-o de atitudes e (alores;
$< - o %ortalecimento dos (5nculos de %am5lia, dos laços de solidariedade
+umana e de toler:ncia rec5proca em .ue se assenta a (ida social.
5 1º C %acultado aos sistemas de ensino desdobrar o ensino %undamental
em ciclos.
5 2º 7s estabelecimentos .ue utili0am progress-o regular por s9rie
podem adotar no ensino %undamental o regime de progress-o continuada, sem
pre*u50o da a(aliaç-o do processo de ensino-aprendi0agem, obser(adas as
normas do respecti(o sistema de ensino.
5 %º 7 ensino %undamental regular ser$ ministrado em l5ngua portuguesa,
assegurada 4s comunidades ind5genas a utili0aç-o de suas l5nguas maternas e
processos pr3prios de aprendi0agem.
5 &º 7 ensino %undamental ser$ presencial, sendo o ensino a dist:ncia
utili0ado como complementaç-o da aprendi0agem ou em situaçes
emergenciais.
,rt. )). 7 ensino religioso, de matr5cula %acultati(a, constitui disciplina dos
+or$rios normais das escolas p&blicas de ensino %undamental, sendo o%erecido,
sem Inus para os co%res p&blicos, de acordo com as pre%er/ncias mani%estadas
pelos alunos ou por seus respons$(eis, em car$ter8
,lterado por - 2ei nº 9.!75, de 22 de *ul+o de 1997
$ - con%essional, de acordo com a opç-o religiosa do aluno ou do seu
respons$(el, ministrado por pro%essores ou orientadores religiosos preparados e
credenciados pelas respecti(as igre*as ou entidades religiosas; ou
$$ - intercon%essional, resultante de acordo entre as di(ersas entidades
religiosas, .ue se responsabili0ar-o pela elaboraç-o do respecti(o programa.
13
,rt. )!. , *ornada escolar no ensino %undamental incluir$ pelo menos .uatro
+oras de trabal+o e%eti(o em sala de aula, sendo progressi(amente ampliado o
per5odo de perman/ncia na escola.
5 1º J-o ressal(ados os casos do ensino noturno e das %ormas
alternati(as de organi0aç-o autori0adas nesta 2ei.
5 2º 7 ensino %undamental ser$ ministrado progressi(amente em tempo
integral, a crit9rio dos sistemas de ensino.
/e*+o $<
Do #n(ino ?Bdio
,rt. )5. 7 ensino m9dio, etapa %inal da educaç-o b$sica, com duraç-o
m5nima de tr/s anos, ter$ como %inalidades8
$ - a consolidaç-o e o apro%undamento dos con+ecimentos ad.uiridos
no ensino %undamental, possibilitando o prosseguimento de estudos;
$$ - a preparaç-o b$sica para o trabal+o e a cidadania do educando, para
continuar aprendendo, de modo a ser capa0 de se adaptar com %le6ibilidade a
no(as condiçes de ocupaç-o ou aper%eiçoamento posteriores;
$$$ - o aprimoramento do educando como pessoa +umana, incluindo a
%ormaç-o 9tica e o desen(ol(imento da autonomia intelectual e do pensamento
cr5tico;
$< - a compreens-o dos %undamentos cient5%ico-tecnol3gicos dos
processos produti(os, relacionando a teoria com a pr$tica, no ensino de cada
disciplina.
,rt. )". 7 curr5culo do ensino m9dio obser(ar$ o disposto na Jeç-o G deste
=ap5tulo e as seguintes diretri0es8
$ - destacar$ a educaç-o tecnol3gica b$sica, a compreens-o do
signi%icado da ci/ncia, das letras e das artes; o processo +ist3rico de
trans%ormaç-o da sociedade e da cultura; a l5ngua portuguesa como instrumento
de comunicaç-o, acesso ao con+ecimento e e6erc5cio da cidadania;
$$ - adotar$ metodologias de ensino e de a(aliaç-o .ue estimulem a
iniciati(a dos estudantes;
$$$ - ser$ inclu5da uma l5ngua estrangeira moderna, como disciplina
obrigat3ria, escol+ida pela comunidade escolar, e uma segunda, em car$ter
optati(o, dentro das disponibilidades da instituiç-o.
5 1º 7s conte&dos, as metodologias e as %ormas de a(aliaç-o ser-o
organi0ados de tal %orma .ue ao %inal do ensino m9dio o educando demonstre8
14
$ - dom5nio dos princ5pios cient5%icos e tecnol3gicos .ue presidem a
produç-o moderna;
$$ - con+ecimento das %ormas contempor:neas de linguagem;
$$$ - dom5nio dos con+ecimentos de Biloso%ia e de Jociologia necess$rios
ao e6erc5cio da cidadania.
5 2º 7 ensino m9dio, atendida a %ormaç-o geral do educando, poder$
prepar$-lo para o e6erc5cio de pro%isses t9cnicas.
5 %º 7s cursos do ensino m9dio ter-o e.ui(al/ncia legal e +abilitar-o ao
prosseguimento de estudos.
5 &º , preparaç-o geral para o trabal+o e, %acultati(amente, a +abilitaç-o
pro%issional, poder-o ser desen(ol(idas nos pr3prios estabelecimentos de ensino
m9dio ou em cooperaç-o com instituiçes especiali0adas em educaç-o
pro%issional.
/#:;- <
Da #duca*+o de Co>en( e 4dulto(
,rt. )7. , educaç-o de *o(ens e adultos ser$ destinada 4.ueles .ue n-o
ti(eram acesso ou continuidade de estudos no ensino %undamental e m9dio na
idade pr3pria.
5 1º 7s sistemas de ensino assegurar-o gratuitamente aos *o(ens e aos
adultos, .ue n-o puderam e%etuar os estudos na idade regular, oportunidades
educacionais apropriadas, consideradas as caracter5sticas do alunado, seus
interesses, condiçes de (ida e de trabal+o, mediante cursos e e6ames.
5 2º 7 <oder <&blico (iabili0ar$ e estimular$ o acesso e a perman/ncia
do trabal+ador na escola, mediante açes integradas e complementares entre si.
,rt. )'. 7s sistemas de ensino manter-o cursos e e6ames supleti(os, .ue
compreender-o a base nacional comum do curr5culo, +abilitando ao
prosseguimento de estudos em car$ter regular.
15
5 1º 7s e6ames a .ue se re%ere este artigo reali0ar-se--o8
$ - no n5(el de conclus-o do ensino %undamental, para os maiores de
.uin0e anos;
$$ - no n5(el de conclus-o do ensino m9dio, para os maiores de de0oito
anos.
5 2º 7s con+ecimentos e +abilidades ad.uiridos pelos educandos por
meios in%ormais ser-o a%eridos e recon+ecidos mediante e6ames.
8ap3tulo $$$
Da Educação Profissional
,rt. )9. , educaç-o pro%issional, integrada 4s di%erentes %ormas de
educaç-o, ao trabal+o, 4 ci/ncia e 4 tecnologia, condu0 ao permanente
desen(ol(imento de aptides para a (ida produti(a.
Regulamentado por - <ortaria nº "!", de 1! de maio de 1997 Martigos de )9
a !2N
<ar$gra%o &nico. 7 aluno matriculado ou egresso do ensino %undamental,
m9dio e superior, bem como o trabal+ador em geral, *o(em ou adulto, contar$
com a possibilidade de acesso 4 educaç-o pro%issional.
,rt. !0. , educaç-o pro%issional ser$ desen(ol(ida em articulaç-o com o
ensino regular ou por di%erentes estrat9gias de educaç-o continuada, em
instituiçes especiali0adas ou no ambiente de trabal+o.
,rt. !1. 7 con+ecimento ad.uirido na educaç-o pro%issional, inclusi(e no
trabal+o, poder$ ser ob*eto de a(aliaç-o, recon+ecimento e certi%icaç-o para
prosseguimento ou conclus-o de estudos.
<ar$gra%o &nico. 7s diplomas de cursos de educaç-o pro%issional de n5(el
m9dio, .uando registrados, ter-o (alidade nacional.
,rt. !2. ,s escolas t9cnicas e pro%issionais, al9m dos seus cursos
regulares, o%erecer-o cursos especiais, abertos 4 comunidade, condicionada a
matr5cula 4 capacidade de apro(eitamento e n-o necessariamente ao n5(el de
escolaridade.
8ap3tulo $<
Da #duca*+o /uperior
,rt. !). , educaç-o superior tem por %inalidade8
$ - estimular a criaç-o cultural e o desen(ol(imento do esp5rito cient5%ico
e do pensamento re%le6i(o;
16
$$ - %ormar diplomados nas di%erentes $reas de con+ecimentos, aptos
para a inserç-o em setores pro%issionais e para a participaç-o no
desen(ol(imento da sociedade brasileira, e colaborar na sua %ormaç-o cont5nua;
$$$ - incenti(ar o trabal+o de pes.uisa e in(estigaç-o cient5%ica, (isando o
desen(ol(imento da ci/ncia e da tecnologia e da criaç-o e di%us-o da cultura, e,
desse modo, desen(ol(er o entendimento do +omem e do meio em .ue (i(e;
$< - promo(er a di(ulgaç-o de con+ecimentos culturais, cient5%icos e
t9cnicos .ue constituem patrimInio da +umanidade e comunicar o saber atra(9s
do ensino, de publicaçes ou de outras %ormas de comunicaç-o;
< - suscitar o dese*o permanente de aper%eiçoamento cultural e
pro%issional e possibilitar a correspondente concreti0aç-o, integrando os
con+ecimentos .ue (-o sendo ad.uiridos numa estrutura intelectual
sistemati0adora do con+ecimento de cada geraç-o;
<$ - estimular o con+ecimento dos problemas do mundo presente, em
particular os nacionais e regionais, prestar ser(iços especiali0ados 4 comunidade
e estabelecer com esta uma relaç-o de reciprocidade;
<$ - promo(er a e6tens-o, aberta 4 participaç-o da populaç-o, (isando 4
di%us-o das con.uistas e bene%5cios resultantes da criaç-o cultural e da pes.uisa
cient5%ica e tecnol3gica geradas na instituiç-o.
,rt. !!. , educaç-o superior abranger$ os seguintes cursos e programas8
$ - cursos se.uenciais por campo de saber, de di%erentes n5(eis de
abrang/ncia, abertos a candidatos .ue atendam aos re.uisitos estabelecidos
pelas instituiçes de ensino;
$$ - de graduaç-o, abertos a candidatos .ue ten+am conclu5do o ensino
m9dio ou e.ui(alente e ten+am sido classi%icados em processo seleti(o;
$$$ - de p3s-graduaç-o, compreendendo programas de mestrado e
doutorado, cursos de especiali0aç-o, aper%eiçoamento e outros, abertos a
candidatos diplomados em cursos de graduaç-o e .ue atendam 4s e6ig/ncias
das instituiçes de ensino;
$< - de e6tens-o, abertos a candidatos .ue atendam aos re.uisitos
estabelecidos em cada caso pelas instituiçes de ensino.
,rt. !5. , educaç-o superior ser$ ministrada em instituiçes de ensino
superior, p&blicas ou pri(adas, com (ariados graus de abrang/ncia ou
especiali0aç-o.
17
,rt. !". , autori0aç-o e o recon+ecimento de cursos, bem como o
credenciamento de instituiçes de educaç-o superior, ter-o pra0os limitados,
sendo reno(ados, periodicamente, ap3s processo regular de a(aliaç-o.
5 1º ,p3s um pra0o para saneamento de de%ici/ncias e(entualmente
identi%icadas pela a(aliaç-o a .ue se re%ere este artigo, +a(er$ rea(aliaç-o, .ue
poder$ resultar, con%orme o caso, em desati(aç-o de cursos e +abilitaçes, em
inter(enç-o na instituiç-o, em suspens-o tempor$ria de prerrogati(as da
autonomia, ou em descredenciamento.
5 2º Do caso de instituiç-o p&blica, o <oder 16ecuti(o respons$(el por
sua manutenç-o acompan+ar$ o processo de saneamento e %ornecer$ recursos
adicionais, se necess$rios, para a superaç-o das de%ici/ncias.
,rt. !7. Da educaç-o superior, o ano leti(o regular, independente do ano
ci(il, tem, no m5nimo, du0entos dias de trabal+o acad/mico e%eti(o, e6clu5do o
tempo reser(ado aos e6ames %inais, .uando +ou(er.
5 1º ,s instituiçes in%ormar-o aos interessados, antes de cada per5odo
leti(o, os programas dos cursos e demais componentes curriculares, sua
duraç-o, re.uisitos, .uali%icaç-o dos pro%essores, recursos dispon5(eis e crit9rios
de a(aliaç-o, obrigando-se a cumprir as respecti(as condiçes.
5 2º 7s alunos .ue ten+am e6traordin$rio apro(eitamento nos estudos,
demonstrado por meio de pro(as e outros instrumentos de a(aliaç-o espec5%icos,
aplicados por banca e6aminadora especial, poder-o ter abre(iada a duraç-o dos
seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino.
5 %º C obrigat3ria a %re.?/ncia de alunos e pro%essores, sal(o nos
programas de educaç-o a dist:ncia.
5 &º ,s instituiçes de educaç-o superior o%erecer-o, no per5odo noturno,
cursos de graduaç-o nos mesmos padres de .ualidade mantidos no per5odo
diurno, sendo obrigat3ria a o%erta noturna nas instituiçes p&blicas, garantida a
necess$ria pre(is-o orçament$ria.
,rt. !'. 7s diplomas de cursos superiores recon+ecidos, .uando
registrados, ter-o (alidade nacional como pro(a da %ormaç-o recebida por seu
titular.
5 1º 7s diplomas e6pedidos pelas uni(ersidades ser-o por elas pr3prias
registrados, e a.ueles con%eridos por instituiçes n-o-uni(ersit$rias ser-o
registrados em uni(ersidades indicadas pelo =onsel+o Dacional de 1ducaç-o.
18
5 2º 7s diplomas de graduaç-o e6pedidos por uni(ersidades estrangeiras
ser-o re(alidados por uni(ersidades p&blicas .ue ten+am curso do mesmo n5(el
e $rea ou e.ui(alente, respeitando-se os acordos internacionais de reciprocidade
ou e.uiparaç-o.
5 %º 7s diplomas de ;estrado e de Doutorado e6pedidos por
uni(ersidades estrangeiras s3 poder-o ser recon+ecidos por uni(ersidades .ue
possuam cursos de p3s-graduaç-o recon+ecidos e a(aliados, na mesma $rea de
con+ecimento e em n5(el e.ui(alente ou superior.
,rt. !9. ,s instituiçes de educaç-o superior aceitar-o a trans%er/ncia de
alunos regulares, para cursos a%ins, na +ip3tese de e6ist/ncia de (agas, e
mediante processo seleti(o.
<ar$gra%o &nico. ,s trans%er/ncias e6 o%%icio dar-se--o na %orma da lei.
Regulamentada por - 2ei nº 9.5)", de 11 de de0embro de 1997
,rt. 50. ,s instituiçes de educaç-o superior, .uando da ocorr/ncia de
(agas, abrir-o matr5cula nas disciplinas de seus cursos a alunos n-o regulares
.ue demonstrem capacidade de curs$-las com pro(eito, mediante processo
seleti(o pr9(io.
,rt. 51. ,s instituiçes de educaç-o superior credenciadas como
uni(ersidades, ao deliberar sobre crit9rios e normas de seleç-o e admiss-o de
estudantes, le(ar-o em conta os e%eitos desses crit9rios sobre a orientaç-o do
ensino m9dio, articulando-se com os 3rg-os normati(os dos sistemas de ensino.
,rt. 52. ,s uni(ersidades s-o instituiçes pluridisciplinares de %ormaç-o dos
.uadros pro%issionais de n5(el superior, de pes.uisa, de e6tens-o e de dom5nio e
culti(o do saber +umano, .ue se caracteri0am por8
$ - produç-o intelectual institucionali0ada mediante o estudo sistem$tico
dos temas e problemas mais rele(antes, tanto do ponto de (ista cient5%ico e
cultural, .uanto regional e nacional;
$$ - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulaç-o acad/mica de
mestrado ou doutorado;
$$$ - um terço do corpo docente em regime de tempo integral.
<ar$gra%o &nico. C %acultada a criaç-o de uni(ersidades especiali0adas por
campo do saber.
,rt. 5). Do e6erc5cio de sua autonomia, s-o asseguradas 4s uni(ersidades,
sem pre*u50o de outras, as seguintes atribuiçes8
19
$ - criar, organi0ar e e6tinguir, em sua sede, cursos e programas de
educaç-o superior pre(istos nesta 2ei, obedecendo 4s normas gerais da >ni-o
e, .uando %or o caso, do respecti(o sistema de ensino;
$$ - %i6ar os curr5culos dos seus cursos e programas, obser(adas as
diretri0es gerais pertinentes;
$$$ - estabelecer planos, programas e pro*etos de pes.uisa cient5%ica,
produç-o art5stica e ati(idades de e6tens-o;
$< - %i6ar o n&mero de (agas de acordo com a capacidade institucional e
as e6ig/ncias do seu meio;
< - elaborar e re%ormar os seus estatutos e regimentos em conson:ncia
com as normas gerais atinentes;
<$ - con%erir graus, diplomas e outros t5tulos;
<$$ - %irmar contratos, acordos e con(/nios;
<$$$ - apro(ar e e6ecutar planos, programas e pro*etos de in(estimentos
re%erentes a obras, ser(iços e a.uisiçes em geral, bem como administrar
rendimentos con%orme dispositi(os institucionais;
$= - administrar os rendimentos e deles dispor na %orma pre(ista no ato
de constituiç-o, nas leis e nos respecti(os estatutos;
= - receber sub(ençes, doaçes, +eranças, legados e cooperaç-o
%inanceira resultante de con(/nios com entidades p&blicas e pri(adas.
<ar$gra%o &nico. <ara garantir a autonomia did$tico-cient5%ica das
uni(ersidades, caber$ aos seus colegiados de ensino e pes.uisa decidir, dentro
dos recursos orçament$rios dispon5(eis, sobre8
$ - criaç-o, e6pans-o, modi%icaç-o e e6tinç-o de cursos;
$$ - ampliaç-o e diminuiç-o de (agas;
$$$ - elaboraç-o da programaç-o dos cursos;
$< - programaç-o das pes.uisas e das ati(idades de e6tens-o;
< - contrataç-o e dispensa de pro%essores;
<$ - planos de carreira docente.
,rt. 5!. ,s uni(ersidades mantidas pelo <oder <&blico go0ar-o, na %orma
da lei, de estatuto *ur5dico especial para atender 4s peculiaridades de sua
20
estrutura, organi0aç-o e %inanciamento pelo <oder <&blico, assim como dos seus
planos de carreira e do regime *ur5dico do seu pessoal.
5 1º Do e6erc5cio da sua autonomia, al9m das atribuiçes asseguradas
pelo artigo anterior, as uni(ersidades p&blicas poder-o8
$ - propor o seu .uadro de pessoal docente, t9cnico e administrati(o,
assim como um plano de cargos e sal$rios, atendidas as normas gerais
pertinentes e os recursos dispon5(eis;
$$ - elaborar o regulamento de seu pessoal em con%ormidade com as
normas gerais concernentes;
$$$ - apro(ar e e6ecutar planos, programas e pro*etos de in(estimentos
re%erentes a obras, ser(iços e a.uisiçes em geral, de acordo com os recursos
alocados pelo respecti(o <oder mantenedor;
$< - elaborar seus orçamentos anuais e plurianuais;
< - adotar regime %inanceiro e cont$bil .ue atenda 4s suas
peculiaridades de organi0aç-o e %uncionamento;
<$ - reali0ar operaçes de cr9dito ou de %inanciamento, com apro(aç-o
do <oder competente, para a.uisiç-o de bens im3(eis, instalaçes e
e.uipamentos;
<$$ - e%etuar trans%er/ncias, .uitaçes e tomar outras pro(id/ncias de
ordem orçament$ria, %inanceira e patrimonial necess$rias ao seu bom
desempen+o.
5 2º ,tribuiçes de autonomia uni(ersit$ria poder-o ser estendidas a
instituiçes .ue compro(em alta .uali%icaç-o para o ensino ou para a pes.uisa,
com base em a(aliaç-o reali0ada pelo <oder <&blico.
,rt. 55. =aber$ 4 >ni-o assegurar, anualmente, em seu 7rçamento Oeral,
recursos su%icientes para manutenç-o e desen(ol(imento das instituiçes de
educaç-o superior por ela mantidas.
,rt. 5". ,s instituiçes p&blicas de educaç-o superior obedecer-o ao
princ5pio da gest-o democr$tica, assegurada a e6ist/ncia de 3rg-os colegiados
deliberati(os, de .ue participar-o os segmentos da comunidade institucional,
local e regional.
<ar$gra%o &nico. 1m .ual.uer caso, os docentes ocupar-o setenta por
cento dos assentos em cada 3rg-o colegiado e comiss-o, inclusi(e nos .ue
tratarem da elaboraç-o e modi%icaçes estatut$rias e regimentais, bem como da
escol+a de dirigentes.
21
,rt. 57. Das instituiçes p&blicas de educaç-o superior, o pro%essor %icar$
obrigado ao m5nimo de oito +oras semanais de aulas.
Ca"ítuo !
Da #duca*+o #(pecial
,rt. 5'. 1ntende-se por educaç-o especial, para os e%eitos desta 2ei, a
modalidade de educaç-o escolar, o%erecida pre%erencialmente na rede regular de
ensino, para educandos portadores de necessidades especiais.
5 1º La(er$, .uando necess$rio, ser(iços de apoio especiali0ado, na
escola regular, para atender 4s peculiaridades da clientela de educaç-o especial.
5 2º 7 atendimento educacional ser$ %eito em classes, escolas ou
ser(iços especiali0ados, sempre .ue, em %unç-o das condiçes espec5%icas dos
alunos, n-o %or poss5(el a sua integraç-o nas classes comuns de ensino regular.
5 %º , o%erta de educaç-o especial, de(er constitucional do 1stado, tem
in5cio na %ai6a et$ria de 0ero a seis anos, durante a educaç-o in%antil.
,rt. 59. 7s sistemas de ensino assegurar-o aos educandos com
necessidades especiais8
$ - curr5culos, m9todos, t9cnicas, recursos educati(os e organi0aç-o
espec5%icos, para atender 4s suas necessidades;
$$ - terminalidade espec5%ica para a.ueles .ue n-o puderem atingir o
n5(el e6igido para a conclus-o do ensino %undamental, em (irtude de suas
de%ici/ncias, e aceleraç-o para concluir em menor tempo o programa escolar
para os superdotados;
$$$ - pro%essores com especiali0aç-o ade.uada em n5(el m9dio ou
superior, para atendimento especiali0ado, bem como pro%essores do ensino
regular capacitados para a integraç-o desses educandos nas classes comuns;
$< - educaç-o especial para o trabal+o, (isando a sua e%eti(a integraç-o
na (ida em sociedade, inclusi(e condiçes ade.uadas para os .ue n-o
re(elarem capacidade de inserç-o no trabal+o competiti(o, mediante articulaç-o
com os 3rg-os o%iciais a%ins, bem como para a.ueles .ue apresentam uma
+abilidade superior nas $reas art5stica, intelectual ou psicomotora;
< - acesso igualit$rio aos bene%5cios dos programas sociais
suplementares dispon5(eis para o respecti(o n5(el do ensino regular.
,rt. "0. 7s 3rg-os normati(os dos sistemas de ensino estabelecer-o
crit9rios de caracteri0aç-o das instituiçes pri(adas sem %ins lucrati(os,
especiali0adas e com atuaç-o e6clusi(a em educaç-o especial, para %ins de
apoio t9cnico e %inanceiro pelo <oder <&blico.
22
<ar$gra%o &nico. 7 <oder <&blico adotar$, como alternati(a pre%erencial, a
ampliaç-o do atendimento aos educandos com necessidades especiais na
pr3pria rede p&blica regular de ensino, independentemente do apoio 4s
instituiçes pre(istas neste artigo.
23tulo <$
Dos Profissionais da Educação
,rt. "1. , %ormaç-o de pro%issionais da educaç-o, de modo a atender aos
ob*eti(os dos di%erentes n5(eis e modalidades de ensino e as caracter5sticas de
cada %ase do desen(ol(imento do educando, ter$ como %undamentos8
$ - a associaç-o entre teorias e pr$ticas, inclusi(e mediante a
capacitaç-o em ser(iço;
$$ - apro(eitamento da %ormaç-o e e6peri/ncias anteriores em
instituiçes de ensino e outras ati(idades.
,rt. "2. , %ormaç-o de docentes para atuar na educaç-o b$sica %ar-se-$ em
n5(el superior, em curso de licenciatura, de graduaç-o plena, em uni(ersidades e
institutos superiores de educaç-o, admitida, como %ormaç-o m5nima para o
e6erc5cio do magist9rio na educaç-o in%antil e nas .uatro primeiras s9ries do
ensino %undamental, a o%erecida em n5(el m9dio, na modalidade Dormal.
,rt. "). 7s institutos superiores de educaç-o manter-o8
$ - cursos %ormadores de pro%issionais para a educaç-o b$sica, inclusi(e
o curso normal superior, destinado 4 %ormaç-o de docentes para a educaç-o
in%antil e para as primeiras s9ries do ensino %undamental;
$$ - programas de %ormaç-o pedag3gica para portadores de diplomas de
educaç-o superior .ue .ueiram se dedicar 4 educaç-o b$sica;
$$$ - programas de educaç-o continuada para os pro%issionais de
educaç-o dos di(ersos n5(eis.
,rt. "!. , %ormaç-o de pro%issionais de educaç-o para administraç-o,
plane*amento, inspeç-o, super(is-o e orientaç-o educacional para a educaç-o
b$sica, ser$ %eita em cursos de graduaç-o em pedagogia ou em n5(el de p3s-
graduaç-o, a crit9rio da instituiç-o de ensino, garantida, nesta %ormaç-o, a base
comum nacional.
,rt. "5. , %ormaç-o docente, e6ceto para a educaç-o superior, incluir$
pr$tica de ensino de, no m5nimo, tre0entas +oras.
23
,rt. "". , preparaç-o para o e6erc5cio do magist9rio superior %ar-se-$ em
n5(el de p3s-graduaç-o, prioritariamente em programas de mestrado e
doutorado.
<ar$gra%o &nico. 7 not3rio saber, recon+ecido por uni(ersidade com curso
de doutorado em $rea a%im, poder$ suprir a e6ig/ncia de t5tulo acad/mico.
,rt. "7. 7s sistemas de ensino promo(er-o a (alori0aç-o dos pro%issionais
da educaç-o, assegurando-l+es, inclusi(e nos termos dos estatutos e dos planos
de carreira do magist9rio p&blico8
$ - ingresso e6clusi(amente por concurso p&blico de pro(as e t5tulos;
$$ - aper%eiçoamento pro%issional continuado, inclusi(e com licenciamento
peri3dico remunerado para esse %im;
$$$ - piso salarial pro%issional;
$< - progress-o %uncional baseada na titulaç-o ou +abilitaç-o, e na
a(aliaç-o do desempen+o;
< - per5odo reser(ado a estudos, plane*amento e a(aliaç-o, inclu5do na
carga de trabal+o;
<$ - condiçes ade.uadas de trabal+o.
<ar$gra%o &nico. , e6peri/ncia docente 9 pr9-re.uisito para o e6erc5cio
pro%issional de .uais.uer outras %unçes de magist9rio, nos termos das normas
de cada sistema de ensino.
23tulo <$$
Do( Recur(o( 9inanceiro(
,rt. "'. Jer-o recursos p&blicos destinados 4 educaç-o os origin$rios de8
$ - receita de impostos pr3prios da >ni-o, dos 1stados, do Distrito
Bederal e dos ;unic5pios;
$$ - receita de trans%er/ncias constitucionais e outras trans%er/ncias;
$$$ - receita do sal$rio-educaç-o e de outras contribuiçes sociais;
$< - receita de incenti(os %iscais;
< - outros recursos pre(istos em lei.
,rt. "9. , >ni-o aplicar$, anualmente, nunca menos de de0oito, e os
1stados, o Distrito Bederal e os ;unic5pios, (inte e cinco por cento, ou o .ue
consta nas respecti(as =onstituiçes ou 2eis 7rg:nicas, da receita resultante de
24
impostos, compreendidas as trans%er/ncias constitucionais, na manutenç-o e
desen(ol(imento do ensino p&blico.
5 1º , parcela da arrecadaç-o de impostos trans%erida pela >ni-o aos
1stados, ao Distrito Bederal e aos ;unic5pios, ou pelos 1stados aos respecti(os
;unic5pios, n-o ser$ considerada, para e%eito do c$lculo pre(isto neste artigo,
receita do go(erno .ue a trans%erir.
5 2º Jer-o consideradas e6clu5das das receitas de impostos
mencionadas neste artigo as operaçes de cr9dito por antecipaç-o de receita
orçament$ria de impostos.
5 %º <ara %i6aç-o inicial dos (alores correspondentes aos m5nimos
estatu5dos neste artigo, ser$ considerada a receita estimada na lei do orçamento
anual, a*ustada, .uando %or o caso, por lei .ue autori0ar a abertura de cr9ditos
adicionais, com base no e(entual e6cesso de arrecadaç-o.
5 &º ,s di%erenças entre a receita e a despesa pre(istas e as e%eti(amente
reali0adas, .ue resultem no n-o atendimento dos percentuais m5nimos
obrigat3rios, ser-o apuradas e corrigidas a cada trimestre do e6erc5cio %inanceiro.
5 5º 7 repasse dos (alores re%eridos neste artigo do cai6a da >ni-o, dos
1stados, do Distrito Bederal e dos ;unic5pios ocorrer$ imediatamente ao 3rg-o
respons$(el pela educaç-o, ober(ados os seguintes pra0os8
$ - recursos arrecadados do primeiro ao d9cimo dia de cada m/s, at9 o
(ig9simo dia;
$$ - recursos arrecadados do d9cimo primeiro ao (ig9simo dia de cada
m/s, at9 o trig9simo dia;
$$$ - recursos arrecadados do (ig9simo primeiro dia ao %inal de cada m/s,
at9 o d9cimo dia do m/s subse.?ente.
5 6º 7 atraso da liberaç-o su*eitar$ os recursos 4 correç-o monet$ria e 4
responsabili0aç-o ci(il e criminal das autoridades competentes.
,rt. 70. =onsiderar-se--o como de manutenç-o e desen(ol(imento do
ensino as despesas reali0adas com (istas 4 consecuç-o dos ob*eti(os b$sicos
das instituiçes educacionais de todos os n5(eis, compreendendo as .ue se
destinam a8
$ - remuneraç-o e aper%eiçoamento do pessoal docente e demais
pro%issionais da educaç-o;
$$ - a.uisiç-o, manutenç-o, construç-o e conser(aç-o de instalaçes e
e.uipamentos necess$rios ao ensino;
$$$ - uso e manutenç-o de bens e ser(iços (inculados ao ensino;
25
$< - le(antamentos estat5sticos, estudos e pes.uisas (isando
precipuamente ao aprimoramento da .ualidade e 4 e6pans-o do ensino;
< - reali0aç-o de ati(idades-meio necess$rias ao %uncionamento dos
sistemas de ensino;
<$ - concess-o de bolsas de estudo a alunos de escolas p&blicas e
pri(adas;
<$$ - amorti0aç-o e custeio de operaçes de cr9dito destinadas a atender
ao disposto nos incisos deste artigo;
<$$$ - a.uisiç-o de material did$tico-escolar e manutenç-o de programas
de transporte escolar.
,rt. 71. D-o constituir-o despesas de manutenç-o e desen(ol(imento do
ensino a.uelas reali0adas com8
$ - pes.uisa, .uando n-o (inculada 4s instituiçes de ensino, ou,
.uando e%eti(ada %ora dos sistemas de ensino, .ue n-o (ise, precipuamente, ao
aprimoramento de sua .ualidade ou 4 sua e6pans-o;
$$ - sub(enç-o a instituiçes p&blicas ou pri(adas de car$ter assistencial,
desporti(o ou cultural;
$$$ - %ormaç-o de .uadros especiais para a administraç-o p&blica, se*am
militares ou ci(is, inclusi(e diplom$ticos;
$< - programas suplementares de alimentaç-o, assist/ncia m9dico-
odontol3gica, %armac/utica e psicol3gica, e outras %ormas de assist/ncia social;
< - obras de in%ra-estrutura, ainda .ue reali0adas para bene%iciar direta
ou indiretamente a rede escolar;
<$ - pessoal docente e demais trabal+adores da educaç-o, .uando em
des(io de %unç-o ou em ati(idade al+eia a manutenç-o e desen(ol(imento do
ensino.
,rt. 72. ,s receitas e despesas com manutenç-o e desen(ol(imento do
ensino ser-o apuradas e publicadas nos balanços do <oder <&blico, assim como
nos relat3rios a .ue se re%ere o # )º do art. 1"5 da =onstituiç-o Bederal.
,rt. 7). 7s 3rg-os %iscali0adores e6aminar-o, prioritariamente, na prestaç-o
de contas de recursos p&blicos, o cumprimento do disposto no art. 212 da
=onstituiç-o Bederal, no art. "0 do ,to das Disposiçes =onstitucionais
Eransit3rias e na legislaç-o concernente.
26
,rt. 7!. , >ni-o, em colaboraç-o com os 1stados, o Distrito Bederal e os
;unic5pios, estabelecer$ padr-o m5nimo de oportunidades educacionais para o
ensino %undamental, baseado no c$lculo do custo m5nimo por aluno, capa0 de
assegurar ensino de .ualidade.
<ar$gra%o &nico. 7 custo m5nimo de .ue trata este artigo ser$ calculado
pela >ni-o ao %inal de cada ano, com (alidade para o ano subse.?ente,
considerando (ariaçes regionais no custo dos insumos e as di(ersas
modalidades de ensino.
,rt. 75. , aç-o supleti(a e redistributi(a da >ni-o e dos 1stados ser$
e6ercida de modo a corrigir, progressi(amente, as disparidades de acesso e
garantir o padr-o m5nimo de .ualidade de ensino.
5 1º , aç-o a .ue se re%ere este artigo obedecer$ a %3rmula de dom5nio
p&blico .ue inclua a capacidade de atendimento e a medida do es%orço %iscal do
respecti(o 1stado, do Distrito Bederal ou do ;unic5pio em %a(or da manutenç-o e
do desen(ol(imento do ensino.
5 2º , capacidade de atendimento de cada go(erno ser$ de%inida pela
ra0-o entre os recursos de uso constitucionalmente obrigat3rio na manutenç-o e
desen(ol(imento do ensino e o custo anual do aluno, relati(o ao padr-o m5nimo
de .ualidade.
5 %º =om base nos crit9rios estabelecidos nos ## 1º e 2º, a >ni-o poder$
%a0er a trans%er/ncia direta de recursos a cada estabelecimento de ensino,
considerado o n&mero de alunos .ue e%eti(amente %re.?entam a escola.
5 &º , aç-o supleti(a e redistributi(a n-o poder$ ser e6ercida em %a(or do
Distrito Bederal, dos 1stados e dos ;unic5pios se estes o%erecerem (agas, na
$rea de ensino de sua responsabilidade, con%orme o inciso FG do art. 10 e o
inciso F do art. 11 desta 2ei, em n&mero in%erior 4 sua capacidade de
atendimento.
,rt. 7". , aç-o supleti(a e redistributi(a pre(ista no artigo anterior %icar$
condicionada ao e%eti(o cumprimento pelos 1stados, Distrito Bederal e
;unic5pios do disposto nesta 2ei, sem pre*u50o de outras prescriçes legais.
,rt. 77. 7s recursos p&blicos ser-o destinados as escolas p&blicas,
podendo ser dirigidos a escolas comunit$rias, con%essionais ou %ilantr3picas .ue8
$ - compro(em %inalidade n-o-lucrati(a e n-o distribuam resultados,
di(idendos, boni%icaçes, participaçes ou parcela de seu patrimInio sob
nen+uma %orma ou prete6to;
$$ - apli.uem seus e6cedentes %inanceiros em educaç-o;
27
$$$ - assegurem a destinaç-o de seu patrimInio a outra escola
comunit$ria, %ilantr3pica ou con%essional, ou ao <oder <&blico, no caso de
encerramento de suas ati(idades;
$< - prestem contas ao <oder <&blico dos recursos recebidos.
5 1º 7s recursos de .ue trata este artigo poder-o ser destinados a bolsas
de estudo para a educaç-o b$sica, na %orma da lei, para os .ue demonstrarem
insu%ici/ncia de recursos, .uando +ou(er %alta de (agas e cursos regulares da
rede p&blica de domic5lio do educando, %icando o <oder <&blico obrigado a
in(estir prioritariamente na e6pans-o da sua rede local.
5 2º ,s ati(idades uni(ersit$rias de pes.uisa e e6tens-o poder-o receber
apoio %inanceiro do <oder <&blico, inclusi(e mediante bolsas de estudo.
23tulo <$$$
Da( Di(po(i*@e( Aerai(
,rt. 7'. 7 Jistema de 1nsino da >ni-o, com a colaboraç-o das ag/ncias
%ederais de %omento 4 cultura e de assist/ncia aos 5ndios, desen(ol(er$
programas integrados de ensino e pes.uisa, para o%erta de educaç-o escolar
biling?e e intercultural aos po(os ind5genas, com os seguintes ob*eti(os8
$ - proporcionar aos 5ndios, suas comunidades e po(os, a recuperaç-o
de suas mem3rias +ist3ricas; a rea%irmaç-o de suas identidades 9tnicas; a
(alori0aç-o de suas l5nguas e ci/ncias;
$$ - garantir aos 5ndios, suas comunidades e po(os, o acesso 4s
in%ormaçes, con+ecimentos t9cnicos e cient5%icos da sociedade nacional e
demais sociedades ind5genas e n-o-5ndias.
,rt. 79. , >ni-o apoiar$ t9cnica e %inanceiramente os sistemas de ensino
no pro(imento da educaç-o intercultural 4s comunidades ind5genas,
desen(ol(endo programas integrados de ensino e pes.uisa.
5 1º 7s programas ser-o plane*ados com audi/ncia das comunidades
ind5genas.
5 2º 7s programas a .ue se re%ere este artigo, inclu5dos nos <lanos
Dacionais de 1ducaç-o, ter-o os seguintes ob*eti(os8
$ - %ortalecer as pr$ticas s3cio-culturais e a l5ngua materna de cada
comunidade ind5gena;
$$ - manter programas de %ormaç-o de pessoal especiali0ado, destinado
4 educaç-o escolar nas comunidades ind5genas;
$$$ - desen(ol(er curr5culos e programas espec5%icos, neles incluindo os
conte&dos culturais correspondentes 4s respecti(as comunidades;
28
$< - elaborar e publicar sistematicamente material did$tico espec5%ico e
di%erenciado.
,rt. '0. 7 <oder <&blico incenti(ar$ o desen(ol(imento e a (eiculaç-o de
programas de ensino a dist:ncia, em todos os n5(eis e modalidades de ensino, e
de educaç-o continuada.
5 1º , educaç-o a dist:ncia, organi0ada com abertura e regime especiais,
ser$ o%erecida por instituiçes especi%icamente credenciadas pela >ni-o.
5 2º , >ni-o regulamentar$ os re.uisitos para a reali0aç-o de e6ames e
registro de diploma relati(os a cursos de educaç-o a dist:ncia.
5 %º ,s normas para produç-o, controle e a(aliaç-o de programas de
educaç-o a dist:ncia e a autori0aç-o para sua implementaç-o, caber-o aos
respecti(os sistemas de ensino, podendo +a(er cooperaç-o e integraç-o entre
os di%erentes sistemas.
5 &º , educaç-o a dist:ncia go0ar$ de tratamento di%erenciado, .ue
incluir$8
$ - custos de transmiss-o redu0idos em canais comerciais de
radiodi%us-o sonora e de sons e imagens;
$$ - concess-o de canais com %inalidades e6clusi(amente educati(as;
$$$ - reser(a de tempo m5nimo, sem Inus para o <oder <&blico, pelos
concession$rios de canais comerciais.
,rt. '1. C permitida a organi0aç-o de cursos ou instituiçes de ensino
e6perimentais, desde .ue obedecidas as disposiçes desta 2ei.
,rt. '2. 7s sistemas de ensino estabelecer-o as normas para reali0aç-o
dos est$gios dos alunos regularmente matriculados no ensino m9dio ou superior
em sua *urisdiç-o.
<ar$gra%o &nico. 7 est$gio reali0ado nas condiçes deste artigo n-o
estabelecem (5nculo empregat5cio, podendo o estagi$rio receber bolsa de
est$gio, estar segurado contra acidentes e ter a cobertura pre(idenci$ria pre(ista
na legislaç-o espec5%ica.
,rt. '). 7 ensino militar 9 regulado em lei espec5%ica, admitida a
e.ui(al/ncia de estudos, de acordo com as normas %i6adas pelos sistemas de
ensino.
29
,rt. '!. 7s discentes da educaç-o superior poder-o ser apro(eitados em
tare%as de ensino e pes.uisa pelas respecti(as instituiçes, e6ercendo %unçes
de monitoria, de acordo com seu rendimento e seu plano de estudos.
,rt. '5. @ual.uer cidad-o +abilitado com a titulaç-o pr3pria poder$ e6igir a
abertura de concurso p&blico de pro(as e t5tulos para cargo de docente de
instituiç-o p&blica de ensino .ue esti(er sendo ocupado por pro%essor n-o
concursado, por mais de seis anos, ressal(ados os direitos assegurados pelos
arts. !1 da =onstituiç-o Bederal e 19 do ,to das Disposiçes =onstitucionais
Eransit3rias.
,rt. '". ,s instituiçes de educaç-o superior constitu5das como
uni(ersidades integrar-se--o, tamb9m, na sua condiç-o de instituiçes de
pes.uisa, ao Jistema Dacional de =i/ncia e Eecnologia, nos termos da
legislaç-o espec5%ica.
23tulo $=
Da# Di#"o#iç$e# Tra%#it&ria#
,rt. '7. C institu5da a D9cada da 1ducaç-o, a iniciar-se um ano a partir da
publicaç-o desta 2ei.
5 1º , >ni-o, no pra0o de um ano a partir da publicaç-o desta 2ei,
encamin+ar$, ao =ongresso Dacional, o <lano Dacional de 1ducaç-o, com
diretri0es e metas para os de0 anos seguintes, em sintonia com a Declaraç-o
;undial sobre 1ducaç-o para Eodos.
5 2º 7 <oder <&blico de(er$ recensear os educandos no ensino
%undamental, com especial atenç-o para os grupos de sete a .uator0e e de
.uin0e a de0esseis anos de idade.
5 %º =ada ;unic5pio e, supleti(amente, o 1stado e a >ni-o, de(er$8
$ - matricular todos os educandos a partir dos sete anos de idade e,
%acultati(amente, a partir dos seis anos, no ensino %undamental;
$$ - pro(er cursos presenciais ou a dist:ncia aos *o(ens e adultos
insu%icientemente escolari0ados;
$$$ - reali0ar programas de capacitaç-o para todos os pro%essores em
e6erc5cio, utili0ando tamb9m, para isto, os recursos da educaç-o a dist:ncia;
$< - integrar todos os estabelecimentos de ensino %undamental do seu
territ3rio ao sistema nacional de a(aliaç-o do rendimento escolar.
5 &º ,t9 o %im da D9cada da 1ducaç-o somente ser-o admitidos
pro%essores +abilitados em n5(el superior ou %ormados por treinamento em
ser(iço.
30
5 5º Jer-o con*ugados todos os es%orços ob*eti(ando a progress-o das
redes escolares p&blicas urbanas de ensino %undamental para o regime de
escolas de tempo integral.
5 6º , assist/ncia %inanceira da >ni-o aos 1stados, ao Distrito Bederal e
aos ;unic5pios, bem como a dos 1stados aos seus ;unic5pios, %icam
condicionadas ao cumprimento do art. 212 da =onstituiç-o Bederal e dispositi(os
legais pertinentes pelos go(ernos bene%iciados.
,rt. ''. , >ni-o, os 1stados, o Distrito Bederal e os ;unic5pios adaptar-o
sua legislaç-o educacional e de ensino 4s disposiçes desta 2ei no pra0o
m$6imo de um ano, a partir da data de sua publicaç-o.
5 1º ,s instituiçes educacionais adaptar-o seus estatutos e regimentos
aos dispositi(os desta 2ei e 4s normas dos respecti(os sistemas de ensino, nos
pra0os por estes estabelecidos.
5 2º 7 pra0o para .ue as uni(ersidades cumpram o disposto nos incisos GG
e GGG do art. 52 9 de oito anos.
,rt. '9. ,s crec+es e pr9-escolas e6istentes ou .ue (en+am a ser criadas
de(er-o, no pra0o de tr/s anos, a contar da publicaç-o desta 2ei, integrar-se ao
respecti(o sistema de ensino.
,rt. 90. ,s .uestes suscitadas na transiç-o entre o regime anterior e o .ue
se institui nesta 2ei ser-o resol(idas pelo =onsel+o Dacional de 1ducaç-o ou,
mediante delegaç-o deste, pelos 3rg-os normati(os dos sistemas de ensino,
preser(ada a autonomia uni(ersit$ria.
,rt. 91. 1sta 2ei entra em (igor na data de sua publicaç-o.
,rt. 92. Re(ogam-se as disposiçes das 2eis nºs !.02!, de 20 de de0embro
de 19"1, e 5.5!0, de 2' de no(embro de 19"', n-o alteradas pelas 2eis nºs
9.1)1, de 2! de no(embro de 1995 e 9.192, de 21 de de0embro de 1995 e,
ainda, as 2eis nºs 5."92, de 11 de agosto de 1971 e 7.0!!, de 1' de outubro de
19'2, e as demais leis e decretos-lei .ue as modi%icaram e .uais.uer outras
disposiçes em contr$rio.

Kras5lia, 20 de de0embro de 199"; 175º da Gndepend/ncia e 10'º da
Rep&blica.

Fernando Henrique Cardoso
Paulo Renato Souza
0ala>ra( cDa>e
31
• 2ei de Diretri0es e Kases da 1ducaç-o - 2DK
32

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful