Você está na página 1de 33

Alexander

Calder
e seus
móbiles e
estábiles
Alexander Calder (1898-1976).

Segundo filho de pais artistas – seu pai era um escultor


e sua mãe pintora.

Devido seu pai Alexander Stirling Calder ter recebido


comissões públicas, sua família viajou pelo país
durante sua infância.

Calder foi encorajado a criar e desde os 8 anos


possui o seu próprio ateliê onde quer que sua família
estivesse.

Calder e sua mãe Nanette na praia de Pasadena, Califórnia em 1909


O pato é cinético – balança para trás e para frente quando batido.
No natal de
1909, Calder
presenteou seus Mesmo aos 11,
pais com duas de sua facilidade em
suas primeiras manusear materiais
esculturas, um era visível.
pequeno cachorro
e pato cortados
de um pedaço de
papel e dobrados
em forma. Dog, 1909 Folha de latão Duck, 1909 Folha de latão
Calder Foundation, Nova Iorque Calder Foundation, Nova Iorque
Apesar de seus talentos, Calder não se tornou um artista de imediato.

Formou-se em engenharia mecânica em 1919 pelo


Instituto de Tecnologia Stevens, mas trabalhou em diversos
empregos após a graduação, incluindo como engenheiro
mecânico e automotivo, cronometrista numa madeireira e
bombeiro numa caldeira de um navio.

Enquanto servia em sua última ocupação num navio, que ia de


Nova Iorque para São Francisco, Calder acordou no deck para ver
simultaneamente um brilhante nascer do Sol e uma sintilante lua
cheia, ambos visíveis em horizontes opostos.

A experiência causou uma impressão duradoura em


Calder: ele faria referência a ela durante toda sua vida.

Calder decidiu seguir a carreira de artista logo em seguida,


e em 1923 se mudou para Nova Iorque onde se registrou no “Art Students’ League”.
Também arranjou um emprego como ilustrador para o A gazeta o encaminhou para o circo
“National Police Gazette” “Ringling Brothers e Barnum & Bailey Circus”
para rascunhar cenas circenses por duas semanas em 1925.

Courier Lithograph Co., Buffalo NY

Edição de 1847

O circo se tornou um interesse pertinente na vida de Calder,


e depois de se mudar para Paris em 1926, ele criou um conjunto

“O Circo de Calder”.
de obras complexas e únicas que foi chamado de
Convite para uma performance do
Circo de Calder, 28 de Agosto de 1929
A montagem incluia miniaturas de malabaristas, animais e Cada peça era pequena o bastante para ser guardada
objetos que havia observado no “Ringling Brothers Circus” . numa grande mala, permitindo que o artista fizesse suas
performances em qualquer lugar.

Conjunto de malas
onde era levado
o “Circo de Calder”

Sua primeira performance foi realizada em Paris para um


grupo de amigos e conhecidos, e logo Calder estava fazendo
apresentações tanto em Nova Iorque como em Paris com
muito sucesso.

Construídos com arame, couro, tecido e outros materiais Suas performances foram realizadas por quarenta anos.
encontrados, o “Circo de Calder” foi projetado para ser
manipulado manualmente por Calder.
O Poético/ O Artístico
Poesia - não é objetiva, intangível
Quebra de representação
O signo incorpora marcas qualitativas do objeto
Ambigüidade/ Polissemia
Forma e conteúdo - A estrutura também tem significado
Não há separação entre sentimento e lógica, entre estrutura e informação

Experimentação estética
Criar sentido
Um novo modo de olhar
O silêncio do sentir
Discurso poético se apresenta com uma estrutura complexa
Permite um valor enorme de informação

Todos os elementos são elementos de sentido (branco da página por exe.)


Traduzir o poético é matar a obra, o que se faz é recriar com as várias interpretações
No poético/artístico TUDO é mensagem
Porção sucessiva de conhecimento no decorrer de uma nova leitura
Elementos casuais podem vir a ganhar significado.
Calder ao descobrir que gostava de trabalhar com
arame em seu circo, logo começou a esculpir com
esse material, retratos de amigos e famosos da época.

Com o passar do tempo, sua fama foi aumentando e Calder


pode expor seu trabalho pela primeira vez na galeria de
Weyhe em Nova Iorque. O show em Weyhen logo foi
seguido de outros em lugares em Nova Iorque, Paris e Berlin.
Calder trabalhando no retrato com arame de
Kiki de Montparnasse, 1929

Como resultado, Calder passava muito tempo


cruzando o oceano de barco e foi numa dessas
viagens que conheceu sua futura esposa,
Louisa James, neta do escritor Henry James

Henry James (1843 -1916)


Escritor norte-americano, autor de alguns dos romances, contos e
críticas literárias mais importantes da literatura de língua inglesa.
Calder se tornou amigo de muitos artistas promissores e
intelectuais do começo do século vinte por volta de 1928,
incluindo Joan Miró, Fernand Léger, James Johnson
Sweeney e Marcel Duchamp.

Em Outubro de 1930, Calder visitou o estúdio


de Piet Mondrian em Paris e ficou muito
impressionado por uma parede com papéis
coloridos em formas de retângulos que
Mondrian continuamente reposicionava para
experimentos de composição.

Cita posteriormente que essa experiência


o “chocou” em direção a total abstração.

Por três semanas após a visita, criou unicamente pinturas Composição de Mondrian,
Museu de Arte Modena de Paris
abstratas, apenas para descobrir que de fato preferia
escultura à pintura.
Procura, pesquisa e consegue um equilíbrio perfeito
da composição, despojado de todo excesso da cor,
da linha ou da forma.
Pieter Cornelis Mondriaan
conhecido como
Piet Mondrian
(1872-1944)

Pintor holandês que após ter participado da arte cubista,


continua simplificando suas formas até conseguir um
resultado, baseado nas proporções matemáticas ideais,
entre as relações formais de um espaço estudado.

O artista utiliza, como elemento de base, uma superfície


plana, retangular e as três cores primárias com um pouco
de preto e branco.

Essas superfícies coloridas são distribuídas e justapostas


buscando uma arte pura.
Segundo Mondrian, cada coisa, seja uma casa, seja uma
árvore ou uma paisagem, possui uma essência que está por
traz de sua aparência.
E as coisas, em sua essência, estão em harmonia no universo.
Composição de Mondrian,Paris 1921
O papel do artista, para ele, seria revelar essa
essência oculta e essa harmonia universal.
Criou o NEOPLASTICISMO
Movimento artístico que defendia uma total limpeza espacial
para a pintura, reduzindo-a a seus elementos mais puros e
buscando suas características mais próprias.

Onde as cores e as formas são organizadas de maneira


que a composição resulte apenas na expressão de uma
concepção geométrica.

Resulta às linhas verticais e horizontais e às cores puras


(vermelho, azul e amarelo).

O ângulo reto é o símbolo do movimento, sendo


rigorosamente aplicado à arquitetura.
Mondrian também colaborou com a revista DE STIJL

A revista “De Stijl” foi uma publicação iniciada em


1917 por Theo van Doesburg e alguns colegas que
viriam a compor o movimento Neoplasticismo.

Um dos mais idealistas movimentos artísticos do século XX,


o Stijl (ou Neoplasticismo) foi um dos grandes marcos da arte
moderna, o “mais puro dos movimentos abstratos”.

O movimento permaneceu ativo e coeso por menos


Revista De Stijl, edição de 1920
de quinze anos, mas sua influência pode ser sentida
até hoje, particularmente nos campos da pintura e
arquitetura.
Mondrian foi uma das consciências mais elevadas, mais
lúcidas e mais civilizadas da história da arte moderna.

Influenciou Calder e muitos outros artistas, arquitetos além


de ter um papel importante em outros segmentos como a
moda, arquitetura e design.

Vestido tubinho, ícone da alta costura dos anos


60, mais famosa criação de Saint Laurent Casa e cadeira projetadas pelo arquiteto e
construtor de móveis holandês Gerrit Thomas Rietveld
Tênnis da Vans

A inspiração e o produto final,Tênnis da Nike. Caixa Porta-trecos feita pelo designer Artemy Lebedev
Casa Sapato

Bolsa Copo
Gabinete Vaso

Arquitetura Lâmpada
No outono de 1931, uma mudança significativa na carreira Calder logo abandonou os aspectos mecânicos desses
artística de Calder ocorreu quando ele criou sua primeira trabalhos quando percebeu que poderia fabricar móbiles
escultura cinética criando uma forma de arte inteiramente nova. que se movimentariam sozinhos com as correntes de ar.

Feathers, 1931
Pantograph, 1931 - Madeira, Arame, madeira, chumbo e tinta
arame, folha de metal, motor e tinta

O primeiro desses objetos se movia através de um sistema Jean Arp, a fim de diferenciar as obras cinéticas das
de manivelas e motores, e foi nomeado de “móbile” por não-cinéticas de Calder, nomeou os objetos estáticos
Marcel Duchamp, pois em francês móbile se refere tanto a de Calder como “estábiles”.
movimento como motivo.
Móbiles

Móbile, 1955

Finny Fish, 1948

The Red Serpent, 1958


Estábiles

Long Nose, 1946 The Baron,1965 Cinq ailes, 1967


Equilíbrio

Harmonia Cores primárias


Produção década

20

St. Regis Restaurant, 1925 The Flying Trapeze, 1925 Jimmy Durante, 1928
Produção década

30

Object with Red Ball, 1931 Elephant, 1936 Red Panel, 1936
Produção década

40

The S-Shaped Vine, 1946 Sword Plant, 1947 International Mobile, 1949
Produção década

50

Performing Seal, 1950 Triple Gong, 1951 Myxomatose, 1953


Produção década

60

Southern Cross [maquette], 1963 Man [maquette], 1966 One White, Four Blacks, 1967
Produção década

70

Crinkly, 1970 Young Girl and Her Entourage, 1970 Five Swords, 1976
Aplicação
comercial
de móbiles
Produção de Alunos
Bibliografia

http://calder.org/
Calder Mobiles and Stabiles - Giovanni Carandente / Mentor-Unesco Art Book
http://educacao.uol.com.br/biografias
http://gramorelli.wordpress.com/2008/06/26/mondrian-linha-plano-e-cores-fundamentais-em-busca-da-essencia/
http://onne.com.br/conteudo/6540
http://ifitshipitshere.blogspot.com/2008/08/mondrian-madness-in-furniture-shoes.html