Você está na página 1de 1

O intento de Sartre no artigo, discorrer brevemente sobre o conceito de

intencionalidade de Husserl, o qual ele considera fundamental para entender a


sua filosofia.
Depois de 100 anos de academia, os franceses ainda acreditam que o
conhecimento se compara a digesto. Compreendem o conhecimento como a
dissoluo das coisas na conscincia. O que tornaria a conscincia como uma
espcie de gaveta ou ba, onde so guardados a rvore e os pssaros que
vemos pela manh.
Entretanto, Husserl no cansa de afirmar que impossvel dissolver as coisas
na conscincia. Quando vemos uma rvore ou os pssaros que nela esto
empoleirados, os vemos no lugar exato em que esto; eles no so
assimilados por uma conscincia, que faz da rvore seu contedo.
impossvel que a rvore entre na minha conscincia, pois a rvore e a
conscincia no so da mesma natureza. Husserl v a conscincia como um
se manifestar rumo a. A conscincia pura, ela clara como um grande
vento, no h nada nela, salvo um movimento para fugir de si, um
deslizamento para fora de si. esta renuncia em ser substncia que a
constitui como conscincia.
A conscincia possui a necessidade de existir como conscincia de alguma
coisa que ela no . Seguindo este pensamento, podemos dizer que existem
infinitas possibilidades de minha conscincia manifestar-se diante de uma
rvore. No a rvore que possui a qualidade de bonita, mas somos ss que a
fazemos bonita. E esta ultrapassagem da conscincia em relao ela
mesma, que nomeamos de intencionalidade.

Se a conscincia somente um vento que se direciona para fora, podemos
finalizar com Sartre dizendo que, tudo est fora, tudo, at ns mesmos: fora,
no mundo, entre os outros. No em no sei qual retiro que ns nos
descobriremos: na estrada, nas cidades, no meio da multido, coisa entre as
coisas, homem entre os homens.