Você está na página 1de 1
A terra está cheia! Por Célio Teixeira Jr A terra está cheia de realida- des

A terra está cheia!

Por Célio Teixeira Jr

A terra está cheia de realida- des que são opostas entre si, que coexistirão até o fim e que, finalmente, terão, cada uma, o seu lugar. A terra está cheia da bondade de Deus e das riquezas do Senhor (Sl 33.5; 104.24). Mas tristemente a terra também está cheia de ídolos, de violência e de imorali-

dade (Is 2.8; Jr 23.10; Ez 7.23). Se isso foi ver- dade lá no passado e dizia respeito, principal- mente, à terra de Israel, hoje, sem dúvida algu- ma, podemos aplicar essa realidade aos quatro cantos da terra. Jesus disse que a maldade se espalharia, que o amor se esfriaria (Mt 24.4-12)

e que o joio também haveria de crescer até o

tempo da colheita (Mt 13.24-30). A terra foi cria- da boa e perfeita e Deus a deu ao homem (Sl

115.16), mas o homem a corrompeu e, por cau- sa dele, a terra adoeceu (Gn 3.17). Ela passou a abrigar em seu seio o homem pecador que a encheu de toda sorte de maldade e corrupção (Gn 6.13). Os tempos se tornaram maus porque os homens se tornaram egoístas, adoradores de si mesmos, amantes do brilho da prata, ami- gos dos prazeres e inimigos de Deus (2Tm 3.1-

5).

O que faz a terra ainda ser um bom lugar de viver é que ela ainda conserva a bondade e as riquezas do Senhor. A graça de Deus cobre

a terra de norte a sul, de leste a oeste. Ele pro-

meteu que, enquanto ela existir, nunca haverá de faltar sementeira e ceifa, frio e calor, verão e

inverno, dia e noite (Gn 8.22). Jesus também nos ensina em suas palavras que Deus faz nas- cer o sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos (Mt 5.45). Deus poderia, com

um só relance do seu olhar, fazer a terra tremer (Sl 104.32). Poderia destruí-la sem piedade com um simples estalar de seus dedos. Mas Ele ain- da a conserva e a própria terra geme e suporta

a aflição até agora, pois ela aguarda a adoção dos filhos de Deus, quando ela mesma será

redimida do cativeiro (Rm 8.20-22). Deus a con- serva porque ainda tem um propósito sobre ela

e para ela. Há filhos de Deus que ainda serão

salvos aqui e a terra será restaurada um dia para a glória do Senhor. A Bíblia nos diz que a terra se encherá do conhecimento de Deus,

como as águas cobrem o mar (Is 11.9; Hc 2.14). Pedro, o apóstolo, nos dá conta de que no no- vo céu e na nova terra a justiça habitará (2Pe 3.13). A nova terra é essa terra renovada, purifi- cada e totalmente restaurada.

Há um limite que o Senhor estabeleceu para a maldade aqui. Esse limite não será ultra- passado. Por isso podemos dizer que, até o fim, a terra não se encherá totalmente da impi- edade, da corrupção, da imoralidade e da injus- tiça, pois se o joio vai ser semeado até o fim, o trigo também o será. O que se encherá dessas coisas é o limite da paciência de Deus, ou, co- mo diz a Bíblia, da longanimidade do Senhor (2Pe 3.9). Talvez essas realidades aumentem a proximidade do fim, mas Deus há de conservar na terra a Sua Palavra, o Seu povo e a Sua gra- ça, ainda que seja somente um remanescente de tudo isso. Quando Ele mesmo retirar tais verdades e a iniquidade se multiplicar, logo em seguida Ele manifestará a Sua justiça, o Seu reino e a Sua glória para sempre (2Ts 2.7,8). Como bons observadores, concluímos que es- se tempo se avizinha e não há de se retardar. E que venha sem demora, pois, para dizer a ver- dade, o engano, o erro, a falsidade, o desamor e o distanciamento de Deus, não só têm ofen- dido os céus, mas têm nos desgastado sobre- maneira como servos de Deus e filhos da luz. O que temos a dizer é que, enquanto o limite da paciência de Deus não se encher, você e eu precisamos pregar o evangelho e espalhar a luz do testemunho cristão (Mt 5.13-16).

A terra está cheia da maldade humana, mas não totalmente cheia. Ela está cheia da injustiça, mas ainda há justos sobre ela. Ela sofre com o golpe mortal do pecado, mas ela há de reviver. Os únicos que têm consciência de tudo isso somos nós, crentes em Cristo Je- sus. Somos nós, povo de Deus, os responsá- veis por ela, em todos os sentidos. Devemos cuidar da terra, evangelizar seus moradores e perseverar até o fim na esperança de vê-la glo- riosa.

Rev Célio Teixeira Júnior (revctj@uol.com.br)