Você está na página 1de 7
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II (ENGC37)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II (ENGC37)

Professor: Daniel Barboza Alunos: Thiago Cezar Silva da Costa Manoel Santos Barreto Junior Timotio Carneiro Sena

Indicador de Temperatura Relatório Final

Salvador Ba Dezembro 2011

Santos Barreto Junior Timotio Carneiro Sena Indicador de Temperatura Relatório Final Salvador – Ba Dezembro 2011

1.

Introdução

O projeto foi baseado na utilização do CI LM35 como sensor de temperatura, esse sensor possui uma variação de 10mV a cada 1ºC, enviando um sinal que será amplificado e logo depois comparado e que irá disparar suas saídas quando a temperatura desejada for atingida. O projeto não apresenta um valor de temperatura diretamente visível, mas, apresenta LEDs que irão apontar quando chegar a uma determinada faixa de temperatura. O resultado final desse trabalho é criar um circuito indicador de temperatura onde será testado em água com diferentes faixas de temperaturas seguindo os seguintes critérios:

As diferentes faixas de temperatura devem ser indicadas por sinais luminosos (LEDs), junto aos quais deve constar um intervalo de valores indicando a variação de temperatura, em graus, da faixa. As seguintes faixas serão consideradas:

Baixa: temperatura inferior a 14ºC;

Média: temperatura entre 15ºC e 24ºC;

Alta: temperatura entre 25ºC e 50ºC;

Super aquecimento: temperatura superior a 50ºC.

1) Para cada faixa de temperatura (baixa, media ou alta), apenas um LED deverá permanecer aceso; 2) Quando for atingida a faixa de super aquecimento um LED (diferente dos anteriores e devidamente identificado) deverá se manter piscando enquanto os outros permanecerão apagados.

2. Projeto e Simulação

Para realizarmos a simulação do projeto utilizamos o programa ORCAD, um programa de simulação que foi trabalhado no decorrer do curso. Para montarmos a simulação usamos os critérios exigidos no roteiro, onde cada LED tem que acender em uma determinada faixa de temperatura, todo o procedimento foi feito usando amp-ops, tendo um amp-op de controle para amplificar o sinal do sensor de temperatura e emitir o sinal amplificado para os amp-ops posteriores, o amp-op 2 possui na Tensao de referencia 1,54V ou seja acende o LED de 0°C a 14°C, o amp-op 3 e 4 funciona como um

comparador janela, que o LED de 15°C a 24°C acende quando os dois amp-op estiverem em a entrada alta, os amp-op 5 e 6 funciona da mesma forma, e o amp-op 7 possui uma referencia de tensão igual a 5,5V que faz acende o LED de 50°C a 100°C.

Cálculo do amp-op de controle:

Com base na simulação.

Utilizando ganho de 11:

(R 22 /R 21 +1)= 11, sendo R 22 = 10 KΩ, R 21 = 1 KΩ.

Cálculo da primeira fila de resistência:

Como o sensor varia 100mV e o ganho é de 11:

Para T ≤ 14°C

(9 - 1,54)/ R 2 = i

R

R

R

Para T ≥ 15°C e ≤ 24°C

(9 2,64)/ R 6 = i

R

R

;

1 7,46=1,54R 2 1 =206,43 Ω

2

=1K

;

5

2

=415Ω

=1K

(9 1,65)/ R 11 = i

R

R

12 =224,49 Ω

11

=1K

;

(0 1,54)/R 1 =i

(2,64 - 0)/R 5 =i

(1,65 - 0)/R 12 =i

Para T ≥ 25°C e ≤ 50ºC

(9 2,75)/ R 13 = i R 14 =440 Ω

R 13

=1K

 

;

(2,75 0)/R 14 =i

;

(5,5 0)/R 9 =i

 

V +

ultrapassa o valor de 5,5V o amp-op ‘e ativado e saturado para

(9 5,5)/ R 10 = i R 10 =440 Ω R 9 =1K Para T ≥ 50°C A partir de 50 °C

V CC+.

Para as demais resistências temos:

R= 470Ω (usado para não queimar os LEDs)

≥ 50°C A partir de 50 °C V CC+. Para as demais resistências temos: R= 470

4/7

Material utilizado no projeto:

Um sensor LM35

11 Resistor de 1k

4 Trimpot 1k

1 Trimpot 10k

1 Trimpot 2k

1 Lm35

2 CI LM324

2 conectores de fonte;

4 LEDs;

1 placa de cobre;

1 protoboard;

1 ferro de solda;

1 sugador de solda;

Fios;

Estanho;

1 Caixa para a placa.

3. Resultados Preliminares

A montagem em protoboard foi feita utilizando o CI LM324 que não possui alimentação simétrica, o Vcc é ligado diretamente ao Gnd, esse CI possui internamente 4 amp-ops, o que simplificou bastante o nosso circuito, o teste do projeto só foi realizado em sala de aula pelo fato de utilizarmos uma tensão de 9 V, mas, apesar de ter sido o primeiro teste tudo ocorreu como o planejado. Conseguimos implementar os valores de resistência exatamente como estava planejado, pois utilizarmos o trimpot.

4. Trabalho Final

Após a simulação feita utilizamos o Eagle, para fazer a simulação e esquematizar a confecção da placa de circuito impresso, como mostrado na figura abaixo.

Com o schematic feito no Eagle fizemos os roteamentos onde o programa procura as melhores

Com o schematic feito no Eagle fizemos os roteamentos onde o programa procura as melhores posições e maneiras para passar as trilhas do circuito. Veja abaixo como ficou o layout da placa.

as melhores posições e maneiras para passar as trilhas do circuito. Veja abaixo como ficou o

Depois dessa etapa com a placa já impressa o único teste que fizemos foi o teste da continuidade para ver se estava passando corrente por todas as trilhas criadas. A caixa de proteção do circuito foi feita com um classificador pequeno onde colocamos os conectores da fonte para fora, os leds, e o sensor, juntamente com as especificações de temperatura onde cada led irá acender e com a especificação da tensão que você irá submeter o circuito.

4. Comentários Finais

O trabalho desenvolvido foi muito prazeroso devido ao fato de ser um desafio para os estudantes da disciplina e também você começa a ter um contato com o curso, esperamos que a disciplina continue planejando trabalhos desse tipo para incentivar os estudantes cada vez mais.

5. Referências bibliográficas

Irwin, J David

Alexander, Sadiku