Você está na página 1de 7

O Modelo de Auto-Avaliação.

Problemáticas e conceitos implicados

Sessão 2:
São objectivos desta sessão:
• Perceber a estrutura e os conceitos implicados na construção do Modelo de Auto-Avaliação
das Bibliotecas Escolares.
• Entender os factores críticos de sucesso inerentes à sua aplicação.

Tarefa 2 – 1ª parte:

Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares

A. O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Conceitos implicados.

O documento base desta Formação, o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares,


na sua Introdução, considera que “a biblioteca escolar constitui um contributo essencial para o
sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e para a aprendizagem”, o que dá
às bibliotecas escolares um papel relevante no processo ensino aprendizagem e na vida das escolas.
Ora, nesta perspectiva, é fundamental “estabelecer uma relação entre o trabalho da e com a
Biblioteca Escolar e os resultados escolares dos alunos”. Neste contexto, como o próprio Modelo
preconiza, será obviamente necessário estar consciente desse papel da biblioteca escolar e “medir” a
sua eficácia. Para isso, o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares surge como um
instrumento pedagógico e de melhoria, muito rico, na medida em que permite, ou tem por objectivo,
avaliar a biblioteca escolar e o impacto do trabalho/serviço prestado para e com a escola, em quatro
grandes áreas/ Domínios nucleares de trabalho, perfeitamente abrangentes, Apoio ao
Desenvolvimento Curricular, Leitura e Literacia, Projectos, Parcerias e Actividades Livres e
de Abertura à Comunidade e Gestão da Biblioteca Escolar, e respectivos subdomínios, que
abarcam no seu conjunto as funções de uma verdadeira biblioteca escolar. Por outro lado, o Modelo,
sendo de auto-avaliação, abre desde logo o caminho para a reflexão, a auto-avaliação, que conduz a
práticas no terreno, traduzidas em acções várias, de alteração, de intensificação, acções para a
melhoria. Assim, este Modelo, enquanto instrumento pedagógico, constitui uma mais-valia para o
trabalho da biblioteca escolar, traduzida ainda em planos de acção a curto ou médio prazo, que
devem ter sempre como meta principal o Projecto Educativo de Escola e obviamente os resultados
escolares dos alunos.

Por outro lado, este Modelo, constituindo um instrumento de trabalho de uma biblioteca escolar
real, conduz à meta de quem aspira atingir uma biblioteca escolar ideal, que é aquela que, na minha
perspectiva, o Modelo abarca. Contudo, pela sua complexidade e abrangência, não poderá o
1 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

professor bibliotecário e a sua equipa entrar em angústias, mas, tendo-o como modelo, na
verdadeira acepção da palavra, deve encará-lo como um plano de trabalho que tende a ser atingido
ao longo do tempo, podendo um Domínio ser valorizado em determinada fase e outro, numa fase
posterior, procurando-se sempre manter os “sucessos” alcançados, num investimento crescente e
valorativo do papel da biblioteca escolar, procurando não desacreditar os “clientes”, após o
sucesso/a qualidade alcançado/a em determinada área. Se a biblioteca escolar responde bem às
necessidades em determinado domínio, tem de saber manter o nível atingido, tanto quanto possível.

Em conclusão, este Modelo, na medida em que ele próprio elenca também de forma bastante
exaustiva conjuntos de Indicadores dos vários subdomínios, elenca aqueles que são susceptíveis de
ser considerados os Factores Críticos de Sucesso, mas também enumera as possíveis Evidências
recolhidas, dá exemplos muito práticos de Acções para a melhoria e mesmo define
detalhadamente Perfis de Desempenho, numa escala de quatro níveis, reúne todos os requisitos
para que seja aplicado como um valioso instrumento pedagógico de qualquer biblioteca escolar dos
nossos dias.

B. Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares.

Hoje, tanto no sector da Educação, como em muitas outras áreas, a avaliação é uma prática que,
embora possa ser encarada com alguma ou muita resistência, tende a instalar-se cada vez mais e a
ser encarada como um instrumento de medida de qualidade, eficácia, a que não poderemos escapar
e no qual teremos de encontrar aspectos relevantes e positivos. A biblioteca escolar não poderá
portanto fugir a esta realidade. No contexto da biblioteca escolar, como da Escola, a avaliação tem
de ser encarada como uma realidade quotidiana. Assim, se lhe queremos dar um papel de relevo, o
Modelo de Avaliação está aí para nos auxiliar, nessa árdua tarefa. Procurando não repetir ideias já
desenvolvidas no ponto anterior, sobre a abrangência do Modelo no contexto da BIBLIOTECA
ESCOLAR, numa biblioteca perfeitamente enquadrada numa Escola, que quer perceber-se a si
própria e crescer, que quer definir uma rota e desviar-se de outra, só pode fazê-lo conscientemente
através de uma auto-avaliação sistemática e criteriosa, pelo que a pertinência da existência de um
Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares é inquestionável. Por outro lado, embora esta
seja uma avaliação interna, que pode correr o risco de não garantir a objectividade desejada, ela está
à altura de ser muito mais que um fim, um princípio para a melhoria, melhoria essa que se
repercutirá seguramente nos resultados escolares dos alunos.

Em conclusão, veja-se a pertinência desta afirmação, como consta do Texto da Sessão: “A


criação de um Modelo para avaliação das bibliotecas escolares permite dotar as escolas/
bibliotecas de um quadro de referência e de um instrumento que lhes permite a melhoria contínua
2 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

da qualidade, a busca de uma perspectiva de inovação. Pretende-se induzir a transformação das


bibliotecas escolares em organizações capazes de aprender e de crescer através da recolha
sistemática de evidências de uma auto-avaliação sistemática”.

C. Organização estrutural e funcional. Adequação e constrangimentos.


Acho que se pode considerar que o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares é um
instrumento pedagógico organizado, muito bem estruturado nos vários domínios e subdomínios
nucleares de trabalho, perfeitamente abrangente, que abarca no seu conjunto todas as
funcionalidades de uma verdadeira biblioteca escolar, elencando de forma bastante exaustiva vários
conjuntos de Indicadores, possíveis Factores Críticos de Sucesso, possíveis Evidências e Acções
para a melhoria e vários Perfis de Desempenho, numa escala por níveis, pelo que constitui um
instrumento rico, passível de ser aplicado, de modo sistemático, ao longo do ano, no final de um
determinado período de tempo, faseado ou em fim de ciclos de avaliação, sendo um valioso
instrumento pedagógico de qualquer biblioteca escolar dos nossos dias. Apesar de complexo e
exaustivo, penso que é um instrumento orientador, funcional, capaz de responder e de se assumir
como uma excelente base de trabalho da biblioteca escolar.
Assim, parece-me que a adequação do modelo não estará em causa, mas estarão sim alguns
constrangimentos que a sua aplicação levanta e que residem:
Em primeiro lugar na “novidade” que ele encerra em si mesmo, nas dificuldades que um
professor bibliotecário enfrenta quando o aplica nas primeiras vezes. E digo vezes, porque já o
apliquei no ano lectivo passado e sinto que as dificuldades a enfrentar este ano, embora diminuídas
com esta Formação, ainda vão subsistir em algumas questões.
Em segundo lugar, embora tenhamos de centrar a nossa avaliação num domínio, os outros
também não podem deixar de ser contabilizados e avaliados, o que torna o Relatório final um
documento muito “pesado”.
Em terceiro lugar, alguns instrumentos de Recolha de Evidências, ao “mexerem” directamente
com os utilizadores, tornam-se de difícil execução, uma vez que são uma prática nova no seio das
escolas e objecto de muitas resistências.
Em quarto lugar, os constrangimentos surgem com a pouca abertura à participação nos
Instrumentos de Recolha de Informação, por parte dos inquiridos, tanto professores, como alunos.
Em quinto lugar e finalmente, aponto ainda os escassos recursos humanos envolvidos no
processo, isto é, ao nível da equipa da biblioteca escolar, as horas de trabalho destes docentes, que
não sendo muitas, incidem obrigatória e prioritariamente no trabalho directo na biblioteca escolar,

3 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

deixando ao professor bibliotecário a tarefa de aplicação do Modelo e sobretudo de preparação do


Relatório final.

D. Integração/ Aplicação à realidade da escola.

Sobre esta questão direi desde já que a integração deste processo de avaliação (como o da ADD)
é sempre muito problematizada no seio da escola actual, como todos sabemos. Mas, embora pareça
um pouco contraditório, também verifico que a aplicação deste Modelo e o consequente
envolvimento, sobretudo dos professores, foi encarada com assinalável espírito colaborativo e
receptividade, no ano lectivo findo. Não posso negar que isso resultou da determinação, de alguma
coragem, da convicção de que, como consta do Texto da Sessão, “a criação de um Modelo para
avaliação das bibliotecas escolares permite dotar as escolas/ bibliotecas de um quadro de
referência e de um instrumento que lhes permite a melhoria contínua da qualidade, a busca de uma
perspectiva de inovação. Pretende-se induzir a transformação das bibliotecas escolares em
organizações capazes de aprender e de crescer através da recolha sistemática de evidências de
uma auto-avaliação sistemática.”
De qualquer modo, globalmente e a meu ver, este Modelo pode ser encarado como um
instrumento de trabalho susceptível de ser monitorizado, por conter em si mesmo uma característica
que me parece muito importante, a sua versatilidade, não só pelas várias performances, já
apontadas, mas também pela sua pertinência e, acima de tudo, porque permite fazer ou aprender
várias coisas.
Por outro lado, em determinadas situações em que se pretende avaliar de imediato o impacto da
biblioteca escolar, o Modelo pode contudo revelar-se menos rigoroso e muito precoce, porque os
“frutos” a colher, em alguns casos, são lentos e pouco quantificáveis, como é, por exemplo, o que se
prende com a Leitura e a Literacia.
Tendo presentes estas dificuldades e/ou limitações, caberá ao professor bibliotecário e à sua
equipa capacidade para o tornar exequível, dentro da dinâmica da Escola, na medida em que, como
consta do Texto da Sessão, “o modelo indica o caminho, a metodologia, a operacionalização. A
obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a
aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do
professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do
processo avaliativo.(...) De facto a metáfora da Alice no seu encontro com o gato Cheshire assume-
se aqui como um meio excelente para reforçar a ligação da avaliação aos processos de decisão e à
mudança, indicando caminhos sustentados e seguros, porque baseados nas evidências recolhidas
no processo de avaliação.”
4 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

E. Competências do professor bibliotecário e estratégias implicadas na sua aplicação.


Como consta do Texto da Sessão, “O modelo indica o caminho, a metodologia, a
operacionalização. A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja
preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a
liderança forte do professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e
implementação do processo avaliativo.”
Destas palavras conclui-se, como já referi anteriormente, uma competência fundamental na
implementação deste Modelo, o poder de comunicação do professor bibliotecário, junto da
comunidade educativa, sobretudo no contexto actual, onde reina um clima de instabilidade e
rejeição à mudança, no seio da classe docente. Esta competência passa pelo contacto directo com as
pessoas, mas passa expressamente pela via institucional, tanto ao nível da Direcção da Escola, como
do Conselho Pedagógico, órgãos de excelência no paradigma escolar. Só a capacidade de
comunicar, de forma equilibrada e sensata, devidamente fundamentada, poderá valorizar o papel da
biblioteca escolar.
Assim e como consta do Texto da Sessão, “o professor bibliotecário deve, neste processo,
evidenciar as seguintes competências:
a. Ser um comunicador efectivo no seio da instituição;
b. Ser proactivo;
c. Saber exercer influência junto de professores e do Conselho Executivo;
d. Ser útil, relevante e considerado pelos outros membros da comunidade educativa;
e. Ser observador e investigativo;
f. Ser capaz de ver o todo - “the big picture”;
g. Saber estabelecer prioridades;
h. Realizar uma abordagem construtiva aos problemas e à realidade;
i. Ser gestor de serviços de aprendizagem no seio da escola;
j. Saber gerir recursos no sentido lato do termo;
k. Ser promotor dos serviços e dos recursos;
l. Ser tutor, professor e um avaliador de recursos, com o objectivo de apoiar e contribuir para
as aprendizagens;
m. Saber gerir e avaliar de acordo com a missão e objectivos da escola.
n. Saber trabalhar com departamentos e colegas.”

Como consta ainda do Texto da Sessão, a aplicação do Modelo exige, “uma metodologia de
sensibilização e de readiness, que requer:
1. A mobilização da equipa para a necessidade de fazer diagnósticos/ avaliar o impacto e o
valor da biblioteca escolar na escola que serve;
5 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

2. Jornadas formativas para a equipa e para outros na escola. Definição precisa de conceitos
e processos. Realização de um processo de formação/ acção;
3. A comunicação constante com o Conselho Executivo, justificando a necessidade e o valor
da implementação do processo de avaliação;
4. A apresentação e discussão do processo no Conselho Pedagógico;
5. Aproximação/ diálogo com departamentos e professores. Criação e difusão de informação/
calendarização sobre o processo e sobre o contributo de cada um no processo.

Por outro lado, veja-se ainda The IFLA/UNESCO school libraries guidelines (2002):
Deveres do bibliotecário escolar. Espera-se que:
- Analise os recursos e as necessidades de informação da comunidade escolar
- Formule e promova políticas para o desenvolvimento dos serviços
- Desenvolva políticas e sistemas de aquisição para os recursos da biblioteca
- Catalogue e classifique documentos e recursos em geral
- Forme para a utilização da biblioteca
- Forme nas competências de literacia da informação e de conhecimento da informação
- Apoie alunos e professores na utilização de recursos da biblioteca e de tecnologia da
informação
- Dê resposta a pedidos de referência e de informação utilizando os materiais adequados
- Promova programas de leitura e eventos culturais
- Participe em actividades de planificação relacionadas com a gestão do curriculum
- Participe na preparação, promoção e avaliação de actividades de aprendizagem
- Promova a avaliação de serviços de biblioteca enquanto componente normal e regular
do sistema de avaliação global da escola
- Construa parcerias com organizações externas
- Prepare e aplique orçamentos
- Conceba planeamento estratégico
- Faça a gestão e a formação da equipa da biblioteca.

Veja-se ainda o Despacho n.º 17 860/2007:


a) Competências na área do planeamento e gestão (planificação de actividades, gestão do fundo
documental, organização da informação, serviços de referência e fontes de informação, difusão
da informação e marketing, gestão de recursos humanos, materiais e financeiros);
b) Competências na área das literacias, em particular nas da leitura e da informação;
c) Competências no desenvolvimento do trabalho em rede;
d) Competências na área da avaliação;
e) Competências de trabalho em equipa

Em conclusão, “o responsável pela biblioteca deve deixar de assumir apenas um papel reactivo –

6 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu
O Modelo de Auto-Avaliação. Problemáticas e conceitos implicados

ou seja, uma posição em que procura apenas responder de forma adequada às solicitações que lhe
chegam – para passar sobretudo a ter um papel proactivo – isto é, deve tomar a iniciativa, ir à
procura de soluções, antecipar necessidades” - Glória Bastos, Universidade Aberta.
FIM

7 de 7
A Formanda, Maria Alice Ribeiro de Abreu