Você está na página 1de 5

Auto-avaliação da BE

Destinatários:
Conselho Pedagógico

“O homem que não lê não tem mais mérito que o homem que não sabe ler”

Mark Twain

Introdução
Objectivos:
Apresentar o propósito e metodologia da auto-avaliação.

Reflectir sobre as implicações da aplicação da auto-avaliação da BE,


no seio da Escola.

Delinear alguns procedimentos no sentido de uma mobilização e co-


responsabilização de todos os intervenientes.

2
A Auto-avaliação da BE

“A ligação entre a biblioteca escolar, a escola e o


sucesso educativo é hoje um facto assumido por
Organizações e Associações Internacionais que a
definem como núcleo de trabalho e aprendizagem ao
serviço da escola.” (Práticas e Modelos da Auto-avaliação das BEs, sessão 3)

A Auto-avaliação da BE

1. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE

2. O processo e o necessário envolvimento da Escola

3. A relação com o processo de planeamento

4. A integração dos resultados na auto-avaliação da Escola

“O processo de auto-avaliação deve enquadrar-se


no contexto da escola e ter em conta as diferentes
estruturas com as quais é necessário interagir.”
Katherine Mansfield

4
1.1 O papel da auto-avaliação da BE

“Dotar as escolas/ bibliotecas de um quadro de referência e de um instrumento que

lhes permita a melhoria contínua da qualidade e a transformação das bibliotecas

escolares em organizações capazes de aprender e de crescer através da recolha

sistemática de evidências, conducentes a processos regulares de auto-avaliação.

Criar condições para que as bibliotecas escolares ganhem visibilidade e obtenham a

plena integração na escola com a qual interagem e mantém uma relação orgânica.”

Elsa Conde e Rosa Canhoto Martins - RBE, Newsletter n.º 5

1.2 As mais valias da auto-avaliação da BE

Conhecer o impacto das actividades realizadas pela e com a BE no processo de ensino e


na aprendizagem.

Conhecer o grau de eficiência e de satisfação dos serviços prestados.

Contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE.

Determinar o alcance da missão e dos objectivos estabelecidos para a BE.

Definir áreas nucleares de trabalho da BE.

Identificar práticas de sucesso e estabelecer linhas de continuidade dessas práticas.

Identificar pontos fracos ( gaps) e definir acções para a melhoria.

Orientar a Escola na redefinição de objectivos e prioridades.

6
2. O processo e o necessário envolvimento da Escola na Auto-avaliação da BE

A auto-avaliação é um processo regulador,


envolvendo toda a Escola e não estando
dependente do trabalho do Professor Bibliotecário
ou da equipa, em exclusivo.

Processa-se num ciclo de 4 anos lectivos, sendo


avaliado predominantemente um DOMÍNIO em
cada ano. Professor Bibliotecário Professores
+ Equipa da BE Alunos
Envolve:

Professor bibliotecário e Equipa da BE –


responsáveis pelo processo e sua execução;

Professores e alunos – actores no processo e


nos vários instrumentos de recolha de evidências;

Direcção Executiva – responsável pela


implementação e monitorização do processo;

Conselho Pedagógico – responsável pelo


acompanhamento do processo e aprovação do
Direcção Executiva
relatório final. Conselho Pedagógico

2. O processo de planeamento da Auto-avaliação

Selecção do Domínio a avaliar.

Elaboração do Plano de Acção da BE, de acordo com o Domínio seleccionado.

Integração do Plano de Acção da BE no Plano de Acção da Escola.

Facilitação de documentação e disponibilização de dados pelos colegas;

Definição de formas de colaboração com os docentes na recolha de evidências sobre os alunos;

Recolha de evidências – registos diversos, estatísticas, inquéritos, instrumentos participação da


BE em reuniões alargadas ou restritas de docentes para recolha da informação;

Aceitação e reconhecimento dos resultados por todos;

Envolvimento na subsequente promoção de um plano de melhoria e desenvolvimento;

Apresentação e discussão dos resultados em Conselho Pedagógico;

Apresentação e aprovação em Conselho Pedagógico do Relatório Final.

Integração do Relatório da BE no Relatório de Avaliação Interna da Escola.

8
3. A relação com o processo de planeamento da Auto-avaliação da BE

Motivação e compromisso institucional dos órgãos de gestão pedagógica e


executiva da escola com o processo de auto-avaliação da BE;

Participação da BE em reuniões alargadas ou restritas de docentes para recolha


da informação;

Facilitação de documentação e disponibilização de dados pelos colegas;

Definição de formas de colaboração com os docentes na recolha de evidências


sobre os alunos;

Aceitação e reconhecimento dos resultados por todos;

Envolvimento na subsequente promoção de um plano de melhoria e


desenvolvimento.

4. A integração dos resultados na auto-avaliação da Escola

Tomar consciência da importância da BE nos resultados escolares;

Melhorar o conhecimento e rentabilização dos recursos humanos e materiais da BE;

Estabelecer critérios de qualidade e acções de melhoria, tendo em vista o processo educativo;

Estreitar a cooperação entre a Comunidade Educativa e a BE.

FIM

A Professora Bibliotecária, Alice Abreu

10