Você está na página 1de 2

Escolha o tempero ideal e garanta o sucesso da suas receitas

Dê mais sabor aos seus pratos adicionando ervas aromáticas durante o preparo

Alecrim, manjericão, sálvia, salsa, orégano, erva-doce, cravo, canela e outros temperos são
obrigatórios em todas as cozinhas. O uso dos temperos varia de acordo com a origem da
família e os gostos pessoais, mas o futuro de qualquer prato depende da adição deles em
quantidade adequada , afirma a nutricionista Adriana Silva Santos, do Natural da Terra. Junto a
Alessandra Gagliardi, Andrea de Campos, Claudia Arjona e Jussara Macedo, também
especialistas da loja especializada em produtos naturais, ela selecionou os condimentos mais
utilizados em território nacional, ressaltando a origem e suas principais características.

Açafrão

O açafrão, um pó de cor preta ou avermelhada, é extraído dos estigmas de flores de uma


variedade de Crocus sativus, é utilizado desde a antiguidade como especiaria, principalmente
na culinária mediterrânica normalmente em risotos, caldos e massas. Na Espanha, é item
essencial à paella. Usado há séculos em molhos, arroz e aves.

Alecrim

Originária do mediterrâneo, o alecrim cresce em solos rochosos, geralmente perto do mar. É


uma planta que cresce forte e robusta, possui folhas pontiagudas verde-escuras e, em tempos
de florescência ganha miniflores brancas, azuis ou lilás. De sabor pungente e dominante, é
uma erva que tempera em carnes (porco, cordeiro e caças), aves em geral, sopas e cozidos.
Apesar da clássica mistura de alecrim seco com tomilho e outras ervas mediterrâneas, o ideal é
que seja utilizado sozinho para não roubar o sabor das demais. Sua combinação com carnes
grelhadas e assadas com batatas é perfeita.

Coentro

O coentro é natural do sul da Europa e da região mediterrânea, apesar de ter sido cultivado no
Egito Antigo para fins culinários e medicinais. Suas sementes eram usadas como especiarias
desde tempos remotos e atualmente o coentro é utilizado em larga escala na Europa. Na
culinária brasileira também faz muito sucesso, principalmente nas regiões Norte e Nordeste
para aromatizar peixes, frutos do mar, carnes brancas, legumes e preparação à base de ovos.
Quando comprar as folhas de coentro, prefira as mais frescas de cor verde vivo, sem manchas.

Hortelã

Utilizada em temperos, chás e em algumas bebidas alcoólicas, combina com tomate, pepino,
iogurte e abobrinha. É largamente utilizada fresca ou seca na culinária árabe, que a consome
misturada com coalhada seca e azeite, em pratos quentes e como ingrediente em chás
quentes ou gelados. Na Índia, suas folhas frescas são utilizadas em chutneys para acompanhar
os curries (ensopados). Combina muito bem com cuscuz marroquino e na forma de geléia é o
par clássico com carne de cordeiro. No preparo de drinques tem efeito refrescante como é o
caso do famoso Mojito, de origem cubana, que foi imortalizado pelo escritor Ernest Heminguay,
que sorvia vários em um de seus bares favoritos: o La Bodeguita, em Havana.

Manjericão

De folhas verdes, de tamanhos variados, com pequenas flores brancas, o manjericão está
entre as ervas mais sensíveis e tem um aroma inconfundível. Originário da Índia, é plantado em
diversas partes do mundo, o que lhe confere certa diversidade de aroma e de sabor. Como o
seu óleo essencial é muito volátil e evapora rapidamente quando submetido ao calor, a erva
fresca só deve ser adicionada ao final das preparações depois de terminado o cozimento ou
em pratos frios para sofrer danos. Muitos dos usos do manjericão se devem à culinária italiana,
talvez por causa da sua afinidade com o tomate, que faz com que ele torne saborosos pratos
frescos, mas também é muito utilizado para temperar saladas e sopas, assim como para
decoração de pratos.
O ingrediente fresco ganha enorme destaque no famoso molho pesto genovês. Esse molho
para massas é feito com grandes quantidades de folhas de manjericão, pinolis (ou nozes), óleo
de oliva e queijo perfumado, que tanto pode ser servido com espaguete ou gnochi, dar um
toque perfumado em sopas ou condimentar torradas.

Noz Moscada

É oriunda da Indonésia e faz parte daquele grupo de especiarias que motivaram os


portugueses a chegar à Índia por mar. De aroma agradável, seu sabor é levemente adocicado,
tem sido utilizada ao longo dos tempos em culinária para apurar o sabor de purês, o peixe e o
molho bechamel (branco), cremes doces, biscoitos, entre outros. A noz-moscada deve, de
preferência, ser moída no momento em que for usada, pois seu sabor e aroma se perdem
facilmente.