Você está na página 1de 84
O QUE É TINTA? • TINTA é um produto líquido ou em forma de pó,
O QUE É TINTA? • TINTA é um produto líquido ou em forma de pó,
O QUE É TINTA? • TINTA é um produto líquido ou em forma de pó,

O QUE É TINTA?

TINTA é um produto líquido ou em forma

de pó, contendo pigmentos que quando

aplicado a um substrato forma um filme

pigmentos que quando aplicado a um substrato forma um filme opaco tendo propriedades protetoras, decorativas ou
pigmentos que quando aplicado a um substrato forma um filme opaco tendo propriedades protetoras, decorativas ou

opaco tendo propriedades protetoras,

forma um filme opaco tendo propriedades protetoras, decorativas ou técnicas específicas. • VERNIZ é um

decorativas ou técnicas específicas.

protetoras, decorativas ou técnicas específicas. • VERNIZ é um produto que quando aplicado a um
protetoras, decorativas ou técnicas específicas. • VERNIZ é um produto que quando aplicado a um

VERNIZ é um produto que quando

específicas. • VERNIZ é um produto que quando aplicado a um substrato forma um filme sólido
específicas. • VERNIZ é um produto que quando aplicado a um substrato forma um filme sólido

aplicado a um substrato forma um filme

sólido e transparente com propriedades

protetoras, decorativas ou técnicas

específicas.

a um substrato forma um filme sólido e transparente com propriedades protetoras, decorativas ou técnicas específicas.
a um substrato forma um filme sólido e transparente com propriedades protetoras, decorativas ou técnicas específicas.
DE QUE UMA TINTA CONSISTE ? • Os principais componentes de uma tinta são: Resina,
DE QUE UMA TINTA CONSISTE ? • Os principais componentes de uma tinta são: Resina,

DE QUE UMA TINTA CONSISTE ?

DE QUE UMA TINTA CONSISTE ? • Os principais componentes de uma tinta são: Resina, Pigmentos/Extensores,
DE QUE UMA TINTA CONSISTE ? • Os principais componentes de uma tinta são: Resina, Pigmentos/Extensores,

• Os principais componentes de uma tinta são:

Resina, Pigmentos/Extensores, Solventes e

Aditivos.

• Os ingredientes usados e suas quantidades

e Aditivos . • Os ingredientes usados e suas quantidades relativas são de fundamental importância para
e Aditivos . • Os ingredientes usados e suas quantidades relativas são de fundamental importância para

relativas são de fundamental importância para as

relativas são de fundamental importância para as propriedades finais da tinta. Não é uma tarefa fácil

propriedades finais da tinta. Não é uma tarefa

para as propriedades finais da tinta. Não é uma tarefa fácil formular uma tinta moderna que
para as propriedades finais da tinta. Não é uma tarefa fácil formular uma tinta moderna que

fácil formular uma tinta moderna que satisfaça

uma tarefa fácil formular uma tinta moderna que satisfaça requisitos técnicos, de saúde, segurança, ambiente e

requisitos técnicos, de saúde, segurança, ambiente

requisitos técnicos, de saúde, segurança, ambiente e econômicos. Pequenas variações nas quantidades

e econômicos. Pequenas variações nas

quantidades relativas dos constituintes podem

ocasionar grandes variações nas propriedades

finais da tinta.

nas quantidades relativas dos constituintes podem ocasionar grandes variações nas propriedades finais da tinta.
nas quantidades relativas dos constituintes podem ocasionar grandes variações nas propriedades finais da tinta.
COMPOSIÇÃO DAS TINTAS
COMPOSIÇÃO DAS TINTAS

RESINAS

• A Resina é a parte não volátil do veículo da tinta.

Veículo é definido como a porção flúida da tinta

que consiste de resina, solvente e qualquer outra

matéria dissolvida. A Resina mantém as

partículas de pigmentos unidas e promove

Resina mantém as partículas de pigmentos unidas e promove aderência ao substrato. Geralmente, as tintas recebem
Resina mantém as partículas de pigmentos unidas e promove aderência ao substrato. Geralmente, as tintas recebem

aderência ao substrato. Geralmente, as tintas

e promove aderência ao substrato. Geralmente, as tintas recebem o nome das resinas que as constituem.

recebem o nome das resinas que as constituem.

A Resina é responsável pela maioria das

propriedades físicas e químicas das tintas,

resistência química, aderência e influencia na

dureza e resistência à abrasão.

PIGMENTOS • Os Pigmentos podem ser classificados em várias classes tais como: Pimentos Coloridos, Extensores
PIGMENTOS • Os Pigmentos podem ser classificados em várias classes tais como: Pimentos Coloridos, Extensores

PIGMENTOS

• Os Pigmentos podem ser classificados em várias

classes tais como: Pimentos Coloridos, Extensores

(cargas), pigmentos Inibidores e pigmentos

Metálicos.

(cargas), pigmentos Inibidores e pigmentos Metálicos. • Pigmentos Coloridos promovem cor, opacidade, poder de
(cargas), pigmentos Inibidores e pigmentos Metálicos. • Pigmentos Coloridos promovem cor, opacidade, poder de

Pigmentos Coloridos promovem cor, opacidade,

• Pigmentos Coloridos promovem cor, opacidade, poder de cobertura e devem ter boa resistência química,

poder de cobertura e devem ter boa resistência

opacidade, poder de cobertura e devem ter boa resistência química, alta absorção a radiação ultravioleta e
opacidade, poder de cobertura e devem ter boa resistência química, alta absorção a radiação ultravioleta e

química, alta absorção a radiação ultravioleta e ser

química, alta absorção a radiação ultravioleta e ser insolúveis em solventes. Devem ser selecionados

insolúveis em solventes. Devem ser selecionados

criteriosamente em função das propriedades finais

da tinta. Para proteção contra corrosão, na maioria

das vezes, pigmentos inorgânicos são melhores que

os orgânicos.

da tinta. Para proteção contra corrosão, na maioria das vezes, pigmentos inorgânicos são melhores que os
da tinta. Para proteção contra corrosão, na maioria das vezes, pigmentos inorgânicos são melhores que os
 

EXTENSORES

PIGMENTOS EXTENSORES, também chamados de

 

cargas ou pigmentos de reforço, tem função específica

 

na tinta. Os extensores são pós de diferentes formas

 

(bastão, fibra, redonda, lamelar) e tamanhos de

 

partícula, os quais são praticamente insolúveis no

 

veículo. Praticamente, não têm poder de cobertura. O

 

tipo de extensor, quantidade relativa, forma e tamanho

 

de ser escolhido cuidadosamente para dar a melhor

 

qualidade possível à tinta. Os extensores são

 

adicionados para reforçar o filme e a dar à tinta o brilho

 

correto e consistência para adequá-la ao tipo de

 

aplicação e tornar possível a aplicação de altas

 

espessuras sem escorrimento.

PIGMENTOS ANTICORROSIVOS Os pigmentos anticorrosivos podem ser divididos em três grupos: · INIBIDORES : promovem
PIGMENTOS ANTICORROSIVOS Os pigmentos anticorrosivos podem ser divididos em três grupos: · INIBIDORES : promovem
PIGMENTOS ANTICORROSIVOS Os pigmentos anticorrosivos podem ser divididos em três grupos: · INIBIDORES : promovem

PIGMENTOS ANTICORROSIVOS

PIGMENTOS ANTICORROSIVOS Os pigmentos anticorrosivos podem ser divididos em três grupos: · INIBIDORES : promovem

Os pigmentos anticorrosivos podem ser divididos

em três grupos:

· INIBIDORES: promovem resistência à corrosão

Ex. Zarcão, Fosfato de Zinco, Cromato de Zinco,

corrosão Ex. Zarcão, Fosfato de Zinco, Cromato de Zinco, Metaborato de Bário. · METÁLICOS : Ex.
corrosão Ex. Zarcão, Fosfato de Zinco, Cromato de Zinco, Metaborato de Bário. · METÁLICOS : Ex.

Metaborato de Bário.

Fosfato de Zinco, Cromato de Zinco, Metaborato de Bário. · METÁLICOS : Ex. Zinco para proteção

· METÁLICOS: Ex. Zinco para proteção contra

de Bário. · METÁLICOS : Ex. Zinco para proteção contra corrosão, Alumínio (flocos) aumentar a impermeabilidade.
de Bário. · METÁLICOS : Ex. Zinco para proteção contra corrosão, Alumínio (flocos) aumentar a impermeabilidade.

corrosão, Alumínio (flocos) aumentar a

proteção contra corrosão, Alumínio (flocos) aumentar a impermeabilidade. · ESPECIAIS : Promovem reforço
proteção contra corrosão, Alumínio (flocos) aumentar a impermeabilidade. · ESPECIAIS : Promovem reforço

impermeabilidade.

· ESPECIAIS: Promovem reforço estrutural,

diminuem a permeabilidade e melhoram a

resistência à contração. Ex. Flocos de fibra de

a permeabilidade e melhoram a resistência à contração. Ex. Flocos de fibra de vidro, óxido de

vidro, óxido de ferro micáceo.

a permeabilidade e melhoram a resistência à contração. Ex. Flocos de fibra de vidro, óxido de
SOLVENTES • Solventes, Diluentes e Thinners são líquidos usados para dissolver a resina e ajustar
SOLVENTES • Solventes, Diluentes e Thinners são líquidos usados para dissolver a resina e ajustar

SOLVENTES

SOLVENTES • Solventes, Diluentes e Thinners são líquidos usados para dissolver a resina e ajustar a

Solventes, Diluentes e Thinners são líquidos usados

para dissolver a resina e ajustar a viscosidade da tinta.

Influenciam, também, as propriedades de alastramento,

secagem, brilho e aplicabilidade.

• O SOLVENTE é um líquido ou mistura volátil, em

• O SOLVENTE é um líquido ou mistura volátil, em condições normais, que é capaz de
• O SOLVENTE é um líquido ou mistura volátil, em condições normais, que é capaz de

condições normais, que é capaz de dissolver a resina

completamente. Logo após à aplicação, o solvente

resina completamente. Logo após à aplicação, o solvente evapora da camada de tinta. • Um DILUENTE

evapora da camada de tinta.

após à aplicação, o solvente evapora da camada de tinta. • Um DILUENTE é um líquido
após à aplicação, o solvente evapora da camada de tinta. • Um DILUENTE é um líquido
após à aplicação, o solvente evapora da camada de tinta. • Um DILUENTE é um líquido

• Um DILUENTE é um líquido ou mistura volátil, que

• Um DILUENTE é um líquido ou mistura volátil, que não dissolve completamente a resina. Ele

não dissolve completamente a resina. Ele normalmente é

usado em conjunto com um solvente sem causar

problemas.

• O THINNER é adicionado somente para reduzir a

viscosidade.

usado em conjunto com um solvente sem causar problemas. • O THINNER é adicionado somente para
usado em conjunto com um solvente sem causar problemas. • O THINNER é adicionado somente para

ADITIVOS

• São substâncias que entram em pequena

quantidade (no máximo 2%) nas

formulações, com o objetivo de melhorar certas propriedades das tintas durante as

de melhorar certas propriedades das tintas durante as etapas de fabricação, estocagem, aplicação e conferir
de melhorar certas propriedades das tintas durante as etapas de fabricação, estocagem, aplicação e conferir
de melhorar certas propriedades das tintas durante as etapas de fabricação, estocagem, aplicação e conferir

etapas de fabricação, estocagem, aplicação e

conferir algumas características à película

seca.

TIPOS DE ADITIVOS · SECANTES : Atuam com catalisadores de secagem das tintas que formam
TIPOS DE ADITIVOS · SECANTES : Atuam com catalisadores de secagem das tintas que formam

TIPOS DE ADITIVOS

TIPOS DE ADITIVOS · SECANTES : Atuam com catalisadores de secagem das tintas que formam película
TIPOS DE ADITIVOS · SECANTES : Atuam com catalisadores de secagem das tintas que formam película

· SECANTES: Atuam com catalisadores de secagem das tintas que formam

película pelo mecanismo de oxidação com o ar.

· ANTINATA: Evitam a formação de pele durante a estocagem.

· PLASTIFICANTES : Conferem flexibilidade à película.

· ANTISEDIMENTANTES : Evitam a formação de fundo ou sedimentação

durante a estocagem.

a formação de fundo ou sedimentação durante a estocagem. · TENSOATIVOS : Termo bastante genérico. Dependendo

· TENSOATIVOS: Termo bastante genérico. Dependendo da função podem

: Termo bastante genérico. Dependendo da função podem ser chamados de surfactantes ou umectantes. Podem atuar
: Termo bastante genérico. Dependendo da função podem ser chamados de surfactantes ou umectantes. Podem atuar

ser chamados de surfactantes ou umectantes. Podem atuar de diversas formas tais como: baixando a tensão superficial das tintas evitando o aparecimento de

a tensão superficial das tintas evitando o aparecimento de defeitos (crateras, casca-de-laranja, olho-de-peixe,

defeitos (crateras, casca-de-laranja, olho-de-peixe, bolhas); promovem

casca-de-laranja, olho-de-peixe, bolhas); promovem do compatibilidade e aderência com o substrato. ·

do compatibilidade e aderência com o substrato.

· DISPERSANTES : Auxiliam na dispersão/moagem dos pigmentos.

· ANTIESPUMENTES : reduzem a formação de ar/espuma durante a

fabricação da tinta.

· AGENTES TIXOTRÓPICOS : Conferem a consistência adequada.

· AGENTES TIXOTRÓPICOS: Conferem a consistência adequada.

· NIVELENTES : Melhoram o alastramento da tinta

tinta. · AGENTES TIXOTRÓPICOS : Conferem a consistência adequada. · NIVELENTES : Melhoram o alastramento da
tinta. · AGENTES TIXOTRÓPICOS : Conferem a consistência adequada. · NIVELENTES : Melhoram o alastramento da
tinta. · AGENTES TIXOTRÓPICOS : Conferem a consistência adequada. · NIVELENTES : Melhoram o alastramento da
CONCEITOS MATEMÁTICOS E PARÂMETROS PARA FORMULAÇÃO DE TINTAS COMPOSIÇÃO % P ME V PIGMENTOS P
CONCEITOS MATEMÁTICOS E PARÂMETROS PARA
FORMULAÇÃO DE TINTAS
COMPOSIÇÃO
% P
ME
V
PIGMENTOS
P
DP
VP
RESINAS
R
DR
VV
SOLVENTES
S
DS
VS
100
VT
Sólidos por Peso = P + R
Sólidos por Volume = (VP + VV ) 100
VT
PVC =
VP . 100 / VV + VP
INFUÊNCIA DO PVC NO BRILHO DA TINTA
INFUÊNCIA DO PVC NO BRILHO DA TINTA

A PINTURA INDUSTRIAL COMO TÉCNICA DE

PROTEÇÃO ANTICORROSIVA

• Bastante empregada devido à facilidade de aplicação, relação cus to/

benefício atraente, facilidade de manutenção e possibilidade de

proporcinar outras propriedades em paralelo.

ESQUEMAS DE PINTURA

outras propriedades em paralelo. ESQUEMAS DE PINTURA • ÍTENS DA ESPECIFICAÇÃO • Tintas de fundo,
outras propriedades em paralelo. ESQUEMAS DE PINTURA • ÍTENS DA ESPECIFICAÇÃO • Tintas de fundo,

• ÍTENS DA ESPECIFICAÇÃO

paralelo. ESQUEMAS DE PINTURA • ÍTENS DA ESPECIFICAÇÃO • Tintas de fundo, intermediária e acabamento •
paralelo. ESQUEMAS DE PINTURA • ÍTENS DA ESPECIFICAÇÃO • Tintas de fundo, intermediária e acabamento •

• Tintas de fundo, intermediária e acabamento

• Preparação da superfície

• Espessura seca de cada demão de tinta

• Intervalo entre demãos

• Métodos de aplicação

• Critérios de aceitação da pintura

• Retoques no esquema de pintura

MECANISMOS DE PROTEÇÃO

CONTRA CORROSÃO

CONFERIDO PELAS TINTAS

• A ferrugem pode ser considerada como um inimigo poderoso. A

cada ano ela consome enormes somas de dinheiro e grande parte

da produção de aço é destinada a substituição de aço corroído.

Em vários casos, ela pode ser evitada ou controlada empregando-

se um correto esquema de pintura. Se a ação corretiva é tomada

correto esquema de pintura. Se a ação corretiva é tomada quando a formação de ferrugem é

quando a formação de ferrugem é descoberta é possível

economizar dinheiro e trabalho.

• Para proteção contra corrosão com tintas, três mecanismos

principais são empregados:

BARREIRA

INIBIÇÃO ANÓDICA

PROTEÇÃO CATÓDICA

BARREIRA

• Consiste em interpor um revestimento protetor entre o substrato e

o ambiente corrosivo, isolando-os. O efeito de barreira é o

conceito básico mais comum nos revestimentos anticorrosivos.

Revestimentos por barreira são projetados para não serem

afetados pelo acúmulo de umidade ou vapor dentro do

revestimento até o seu ponto de absorção normal.

• Mecanismo das tintas para condições de imersão total ou parcial.

 

• Deve ser o mais impermeável possível a oxigênio, ar, dióxido de

 

carbono, e passagem de íons ou eletrons. A aderência ao

 

substrato deve ser excelente e as propriedades de molhabilidade

do substrato devem ser suficientes para prevenir falhas na

interface substrato/revestimento.

• Alguns pigmentos de orientação lamelar como alumínio “leafing”

flocos de fibra de vidro, óxido de ferro micáceo, mica, etc

São

empregados nas formulações para otimizar o efeito de barreira.

INFLUÊNCIA DOS PIGMENTOS “LAMELARES” NO EFEITO BARREIRA
INFLUÊNCIA DOS PIGMENTOS
“LAMELARES” NO EFEITO BARREIRA
INIBIÇÃO ANÓDICA • Inibidores são adicionados apenas nas tintas de fundo e consistem de pigmentos
INIBIÇÃO ANÓDICA • Inibidores são adicionados apenas nas tintas de fundo e consistem de pigmentos

INIBIÇÃO ANÓDICA

INIBIÇÃO ANÓDICA • Inibidores são adicionados apenas nas tintas de fundo e consistem de pigmentos que

• Inibidores são adicionados apenas nas tintas de fundo e consistem

de pigmentos que reagem com a umidade absorvida no interior do

revestimento. Então, ao invés de termos um filme inerte, como

nos revestimentos por barreira, essas tintas contêm pigmentos que

reagem com a água absorvida para “passivar o substrato e, por

conseguinte, reduzir suas características corrosivas.

por conseguinte, reduzir suas características corrosivas. • Pigmentos inibidores são caracterizados como

• Pigmentos inibidores são caracterizados como anodicamente

Pigmentos inibidores são caracterizados como anodicamente ativos, isto significa que os pigmentos se ionizam em

ativos, isto significa que os pigmentos se ionizam em presença de

isto significa que os pigmentos se ionizam em presença de água e reagem com a superfície

água e reagem com a superfície metálica nas áreas anódicas. Isto

com a superfície metálica nas áreas anódicas. Isto mantém estas áreas numa condição passiva ou inativa.

mantém estas áreas numa condição passiva ou inativa.

mantém estas áreas numa condição passiva ou inativa. • Revestimentos que atuam sob esse mecanismo devem

• Revestimentos que atuam sob esse mecanismo devem ser

empregadas em condições atmosféricas e não em condições de

imersão porque alguns são muito sensíveis à água e podem gerar

empolamento osmótico.

• Exemplo de pigmentos inibidores: zarcão, fosfato de zinco,

cromato de zinco, metaborato de bário, etc

osmótico. • Exemplo de pigmentos inibidores: zarcão, fosfato de zinco, cromato de zinco, metaborato de bário,
PROTEÇÃO CATÓDICA • Nestas tintas o zinco atuam como um ando de sacrifício, corroendo-se e
PROTEÇÃO CATÓDICA • Nestas tintas o zinco atuam como um ando de sacrifício, corroendo-se e

PROTEÇÃO CATÓDICA

PROTEÇÃO CATÓDICA • Nestas tintas o zinco atuam como um ando de sacrifício, corroendo-se e protegendo

• Nestas tintas o zinco atuam como um ando de sacrifício,

corroendo-se e protegendo o aço. Este mecanismo tende a

proteger o material base da corrosão enquanto o pigmento de

sacrifício estivar sendo corroído.

• No caso de pequenas falhas ou danos no esquema de pintura que

contêm tintas ricas em zinco, os produtos de corrosão do zinco

tintas ricas em zinco, os produtos de corrosão do zinco (corrosão branca) podem preencher estas falhas,

(corrosão branca) podem preencher estas falhas, selando-as e

branca) podem preencher estas falhas, selando-as e prevenindo o aparecimento de processo de deterioração

prevenindo o aparecimento de processo de deterioração posterior.

o aparecimento de processo de deterioração posterior. • Tintas ricas em zinco podem ser usadas sozinhas
o aparecimento de processo de deterioração posterior. • Tintas ricas em zinco podem ser usadas sozinhas

• Tintas ricas em zinco podem ser usadas sozinhas ou como primer

ricas em zinco podem ser usadas sozinhas ou como primer sobre o qual tintas de acabamento

sobre o qual tintas de acabamento podem ser aplicadas. As tintas

de silicatos de zinco são altamente aderentes, reagindo com o

substrato para formar uma ligação química em adição à ligação

física com a superfície do aço.

• A eficiência dessas tintas vai depender de vários parâmetros de

formulação e aplicação. Os mais importantes são o teor de zinco

metálico na película seca, espessura e preparação de superfície.

Os mais importantes são o teor de zinco metálico na película seca, espessura e preparação de
Mecanismo de PROTEÇÂO CATÓDICA conferido pelas tintas ricas em zinco
Mecanismo de PROTEÇÂO CATÓDICA conferido
pelas tintas ricas em zinco
TIPOS DE TINTA • As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo
TIPOS DE TINTA • As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo
TIPOS DE TINTA • As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo

TIPOS DE TINTA

TIPOS DE TINTA • As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo tipo

• As tintas podem ser classificadas de várias maneiras, isto é, pelo

tipo de resina, pela função (fundo, acabamento, protetiva,

tipo de resina, pela função (fundo, acabamento, protetiva,

decorativa). Vamos classificá-las em função da secagem e

mecanismo de cura.

classificá-las em função da secagem e mecanismo de cura. • As tintas são constituídas de moléculas

• As tintas são constituídas de moléculas e, a atração ou repulsão

são constituídas de moléculas e, a atração ou repulsão entre elas será decisiva para as propriedades

entre elas será decisiva para as propriedades físicas do materia l.

será decisiva para as propriedades físicas do materia l. Numa reação química as moléculas são alteradas

Numa reação química as moléculas são alteradas de alguma

forma. Os sólidos podem ser liqüefeitos quando misturados com

Os sólidos podem ser liqüefeitos quando misturados com materiais de moléculas menores, como p.e., resinas

materiais de moléculas menores, como p.e., resinas dissolvidas em

de moléculas menores, como p.e., resinas dissolvidas em solventes. Os líquidos podem se tornar sólidos através

solventes. Os líquidos podem se tornar sólidos através de reações

Os líquidos podem se tornar sólidos através de reações químicas, aumentando o tamanho das moléculas pela

químicas, aumentando o tamanho das moléculas pela ligação entre

moléculas menores de resinas quimicamente reativas. Durante a

secagem/cura de um filme de tinta, reações físicas e químicas

ocorrem e moléculas pequenas como solventes e água evaporam

do filme.

um filme de tinta, reações físicas e químicas ocorrem e moléculas pequenas como solventes e água
um filme de tinta, reações físicas e químicas ocorrem e moléculas pequenas como solventes e água

TIPOS DE TINTA

• Os principais mecanismos de formação de

película das tintas são:

SECAGEM FÍSICA

de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO POLIMERIZAÇÃO
de formação de película das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO POLIMERIZAÇÃO

(EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES)

das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO POLIMERIZAÇÃO (QUIMICAMENTE CURADAS) SECAGEM
das tintas são: SECAGEM FÍSICA (EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES) OXIDAÇÃO POLIMERIZAÇÃO (QUIMICAMENTE CURADAS) SECAGEM

OXIDAÇÃO

POLIMERIZAÇÃO

(QUIMICAMENTE CURADAS)

SECAGEM FÍSICA • Neste tipo de mecanismo podem ser inseridos dois tipos de tintas, as
SECAGEM FÍSICA • Neste tipo de mecanismo podem ser inseridos dois tipos de tintas, as

SECAGEM FÍSICA

SECAGEM FÍSICA • Neste tipo de mecanismo podem ser inseridos dois tipos de tintas, as baseadas

• Neste tipo de mecanismo podem ser inseridos dois tipos de tintas, as

baseadas em solventes orgânicos e as de base aquosa.

• Esses tipos de tinta não requerem reação química para formação do

filme, apenas a evaporação de solventes é necessária. Tem por base

resinas “prontas para uso” que consistem principalmente de grandes

moléculas (polímeros) formadas em cadeias. As moléculas das

(polímeros) formadas em cadeias. As moléculas das resinas são tão grandes que a atração entre elas

resinas são tão grandes que a atração entre elas é suficiente para

tão grandes que a atração entre elas é suficiente para formar um filme forte sem reação

formar um filme forte sem reação química posterior. Normalmente,

um filme forte sem reação química posterior. Normalmente, grandes quantidades de solvente são necessárias para

grandes quantidades de solvente são necessárias para manter as

moléculas de polímero líquidas e produzir tinta com viscosidade

de polímero líquidas e produzir tinta com viscosidade adequada para aplicação. Quando uma tinta desse tipo
de polímero líquidas e produzir tinta com viscosidade adequada para aplicação. Quando uma tinta desse tipo

adequada para aplicação. Quando uma tinta desse tipo é aplicada, o

solvente começa a evaporar imediatamente. As moléculas de resina

começam a se agrupar, juntando-se de tal forma que se tornam

imóveis. Um produto sólido é, então, obtido. Com exceção das tintas

de base aquosa, a tinta pode ser dissolvida no seu solvente original, o

que torna o processo reversível, acarretando certas vantagens,

no seu solvente original, o que torna o processo reversível, acarretando certas vantagens, principalmente para repintura.

principalmente para repintura.

SECAGEM FÍSICA • Nas tintas dispersas em água, como por exemplo as vinílicas (PVA) e
SECAGEM FÍSICA • Nas tintas dispersas em água, como por exemplo as vinílicas (PVA) e

SECAGEM FÍSICA

SECAGEM FÍSICA • Nas tintas dispersas em água, como por exemplo as vinílicas (PVA) e alguns
SECAGEM FÍSICA • Nas tintas dispersas em água, como por exemplo as vinílicas (PVA) e alguns

• Nas tintas dispersas em água, como por exemplo as vinílicas (PVA) e

alguns tipos de acrílicas, esse mecanismo é particularmente conhecido

como COALESCÊNCIA. Algumas resinas que formam película por

cura química como os epoxis e poliuretanos também podem ser

dispersas em água havendo, por conseguinte, para a formação de

em água havendo, por conseguinte, para a formação de película, uma combinação desses mecanismos. • Em

película, uma combinação desses mecanismos.

formação de película, uma combinação desses mecanismos. • Em virtude do crescimento da conscientização para

• Em virtude do crescimento da conscientização para problemas de

do crescimento da conscientização para problemas de proteção ambiental, redução de solventes nas tintas, é

proteção ambiental, redução de solventes nas tintas, é crescente a

ambiental, redução de solventes nas tintas, é crescente a utilização das tintas de base aquosa. A

utilização das tintas de base aquosa. A industria automobilística vem

das tintas de base aquosa. A industria automobilística vem substituindo gradativamente as tintas a base de

substituindo gradativamente as tintas a base de solventes orgânicos.

Na área industrial, muitos estudos tem sido conduzidos no sentido de

se obter tintas de base aquosa com desempenhos semelhantes às de

base solvente tradicionalmente usadas.

no sentido de se obter tintas de base aquosa com desempenhos semelhantes às de base solvente
no sentido de se obter tintas de base aquosa com desempenhos semelhantes às de base solvente
no sentido de se obter tintas de base aquosa com desempenhos semelhantes às de base solvente
SECAGEM FÍSICA EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES
SECAGEM FÍSICA
EVAPORAÇÃO DE SOLVENTES
SECAGEM FÍSICA - COALESCÊNCIA -
SECAGEM FÍSICA - COALESCÊNCIA -
 

OXIDAÇÃO

Esse mecanismo representa o mais antigo tipo de tinta que se tem

 

notícia. Resinas de óleos naturais como por exemplo o óleo de

 

linhaça, são constituídas de moléculas de tamanho médio com

 

pontos reativos representados por duplas ligações (C = C).

 

Quando em contato com o oxigênio do ar, uma reação química

 

acontece nestes pontos, unindo as moléculas de óleo. Um grande número de ligações ocorre aumentando o tamanho da molécula

 

de modo a formar um filme forte e duro. Esse processo de

 

secagem é, normalmente, bastante lento. O óleo natural é então

 

modificado com produtos químicos, resultando em produtos de

 

moléculas maiores, as resinas modificadas com óleos. As resinas

 

ALQUÍDICAS são os exemplos mais conhecidos óleos

 

quimicamente modificados.

 

OXIDAÇÃO

• O Oxigênio é a primeira substância a entrar em contato com o

filme de tinta. Se alguma tinta que tenha esse tipo de mecanismo

é

aplicada com espessura muito alta, uma pele se formará na

 

superfície da tinta com parte dela permanecendo líquida no

 

interior do filme. Esta pele reduz a movimentação de oxigênio

 
 

nas camadas inferiores acarretando secagem lenta ou incompleta. É muito importante nestas tintas o controle da espessura durante

a

aplicação.

 

• Controlando-se a qualidade e as quantidades relativas de óleo e

modificantes químicos é possível produzir resinas alquídicas com

diferentes características para diversas finalidades.

• Exemplos de tintas que formam película por este mecanismo são

as alquídicas, ésteres de epoxi e óleo-uretânicas.

OXIDAÇÃO
OXIDAÇÃO

POLIMERIZAÇÃO

Mecanismo pelo qual a película de tinta é formada através de reação

química à temperatura ambiente ou por meio de ativação térmica.

Este processo é comumente conhecido como CURA. As

tintas

que

curam à temperatura são normalmente fornecidas em dois

componentes, a resina ou base e o agente de cura ou endurecedor, que

são misturados na relação fornecida pelo fabricante (em peso ou em

na relação fornecida pelo fabricante (em peso ou em volume) por ocasião da aplicação da tinta.

volume) por ocasião da aplicação da tinta.

(em peso ou em volume) por ocasião da aplicação da tinta. “Pot-Life” ou Tempo de Vida

“Pot-Life” ou Tempo de Vida Útil da Mistura

da tinta. “Pot-Life” ou Tempo de Vida Útil da Mistura É o tempo máximo após a

É o tempo máximo após a mistura dos componentes, que a tinta

permanece em boas condições de aplicabilidade sem perda das

propriedades da película.

Tempo de Indução

Também chamado de tempo de pré-reação. É o tempo mínimo que se

deve esperar, após a mistura dos componentes, para se iniciar a

aplicação das tintas.

POLIMERIZAÇÃO • Para se obter melhores propriedades a partir da reação química, é muito importante
POLIMERIZAÇÃO • Para se obter melhores propriedades a partir da reação química, é muito importante
POLIMERIZAÇÃO • Para se obter melhores propriedades a partir da reação química, é muito importante

POLIMERIZAÇÃO

POLIMERIZAÇÃO • Para se obter melhores propriedades a partir da reação química, é muito importante que

• Para se obter melhores propriedades a partir da reação química, é

muito importante que os componentes sejam bem misturados na

proporção de mistura correta antes da aplicação. As tintas de dois

componentes podem se tornar muito duras e extremamente

resistentes. Uma cadeia tridimensional é formada durante a cura,

e uma força física muito forte é necessária para quebrar essa

força física muito forte é necessária para quebrar essa estrutura. Ao contrário das de secagem física,
força física muito forte é necessária para quebrar essa estrutura. Ao contrário das de secagem física,

estrutura. Ao contrário das de secagem física, essa estrutura é

impossível de se dissolver com solventes o que pode se tornar uma

de se dissolver com solventes o que pode se tornar uma vantagem ou desvantagem. Quando uma

vantagem ou desvantagem. Quando uma tinta desse tipo é

uma vantagem ou desvantagem. Quando uma tinta desse tipo é repintada após a cura completa, os

repintada após a cura completa, os solventes da nova tinta não

após a cura completa, os solventes da nova tinta não podem penetrar e dissolver a anterior

podem penetrar e dissolver a anterior resultando em falha de

aderência entre demãos.

• A temperatura influencia a reação de cura, geralmente exotérmica.

Um aumento de temperatura acelera a reação diminuindo o “pot-

life”, ao passo que, temperaturas muito baixas podem acarretar

problemas de cura.

a reação diminuindo o “pot- life”, ao passo que, temperaturas muito baixas podem acarretar problemas de
POLIMERIZAÇÃO CURA POR REAÇÃO QUÍMICA
POLIMERIZAÇÃO
CURA POR REAÇÃO QUÍMICA
MECANISMOS DE SECAGEM/CURA DOS DIVERSOS TIPOS DE TINTAS
MECANISMOS DE SECAGEM/CURA DOS
DIVERSOS TIPOS DE TINTAS

ANÁLISE DE ESQUEMA DE PINTURA

ANÁLISE DE ESQUEMA DE PINTURA • Muitas vezes nos deparamos com casos onde nenhuma informação ou
ANÁLISE DE ESQUEMA DE PINTURA • Muitas vezes nos deparamos com casos onde nenhuma informação ou

• Muitas vezes nos deparamos com casos onde nenhuma informação

vezes nos deparamos com casos onde nenhuma informação ou documentação sobre o esquema de pintura aplicado

ou documentação sobre o esquema de pintura aplicado está

disponível, ou seja, desconhece-se o número de demãos, espessura

de cada demão e o(s) tipo(s) de tinta utilizado(s). A identificação

do tipo de tinta genérico já pode ser bastante útil. Evidenteme nte

que isso pode ser feito com métodos sofisticados de laboratório

porém, do ponto de vista prático um simples teste com solventes

do ponto de vista prático um simples teste com solventes pode fornecer boas informações sobre o

pode fornecer boas informações sobre o sistema. Basta colocar

fornecer boas informações sobre o sistema. Basta colocar um chumaço de algodão embebido em um solvente

um chumaço de algodão embebido em um solvente forte sobre a

chumaço de algodão embebido em um solvente forte sobre a superfície pintada e observar o comportamento

superfície pintada e observar o comportamento do revestimento.

pintada e observar o comportamento do revestimento. • Se a tinta dissolve no solvente, ela forma
pintada e observar o comportamento do revestimento. • Se a tinta dissolve no solvente, ela forma

• Se a tinta dissolve no solvente, ela forma película por secagem

física.

• Caso não haja uma dissolução direta, mas um amolecimento

significativo ou empolamento, presume-se que a tinta age pelo

mecanismo de oxidação

• Não havendo qualquer anomalia é uma indicação de tinta

quimicamente curada.

tinta age pelo mecanismo de oxidação • Não havendo qualquer anomalia é uma indicação de tinta
DETERMINAÇÃO DO TIPO DE TINTA UTILIZANDO SOLVENTES
DETERMINAÇÃO DO TIPO DE TINTA
UTILIZANDO SOLVENTES

CARACTERÍSTICAS DOS DIVERSOS

TIPOS DE TINTAS

• A seleção de uma tinta ou esquema de pintura deve levar

em consideração vários fatores:

– tipo de estrutura a proteger;

– tempo de vida esperado;

tipo de estrutura a proteger; – tempo de vida esperado; – condições ambientais durante o pré-tratamento
tipo de estrutura a proteger; – tempo de vida esperado; – condições ambientais durante o pré-tratamento

– condições ambientais durante o pré-tratamento e

aplicação;

– condições de serviço e ambiente de exposição.

• Dentro de um mesmo grupo de tintas as propriedades e o

modo de tratá-las pode variar. É importante analisar a

ficha técnica do produto e seguir as orientações do

fabricante.

ALQUÍDICAS • Existem alquídicas de vários tipos e propriedades porém, na sua maioria são utilizadas
ALQUÍDICAS • Existem alquídicas de vários tipos e propriedades porém, na sua maioria são utilizadas

ALQUÍDICAS

ALQUÍDICAS • Existem alquídicas de vários tipos e propriedades porém, na sua maioria são utilizadas para
ALQUÍDICAS • Existem alquídicas de vários tipos e propriedades porém, na sua maioria são utilizadas para

• Existem alquídicas de vários tipos e propriedades porém, na sua

maioria são utilizadas para fins decorativos. São consideradas

maioria são utilizadas para fins decorativos. São consideradas

tintas convencionais e nos últimos anos tem perdido espaço para

as tintas mais avançadas.

anos tem perdido espaço para as tintas mais avançadas. • São normalmente utilizadas em condições de

• São normalmente utilizadas em condições de exposição

São normalmente utilizadas em condições de exposição atmosférica e não indicadas para condições de imersão

atmosférica e não indicadas para condições de imersão ou

e não indicadas para condições de imersão ou ambientes com elevada umidade. Não possuem boa resistência

ambientes com elevada umidade. Não possuem boa resistência

química, principalmente álcalis (saponificação). Apresentam bom

principalmente álcalis (saponificação). Apresentam bom desempenho em ambientes pouco agressivos e rurais. •

desempenho em ambientes pouco agressivos e rurais.

bom desempenho em ambientes pouco agressivos e rurais. • Alquídicas longas em óleo são usadas para
bom desempenho em ambientes pouco agressivos e rurais. • Alquídicas longas em óleo são usadas para

Alquídicas longas em óleo são usadas para pintura externa de

casas de madeira, vernizes decorativos e tintas protetoras.

Alquídicas médias em óleo são usadas em tintas decorativas,

pisos e outros lugares onde se deseja boa resistência ao desgaste.

pisos e outros lugares onde se deseja boa resistência ao desgaste.

Alquídicas curtas em óleo são utilizadas em tintas industriais,

curtas em óleo são utilizadas em tintas industriais, isto é, esmaltes de secagem em estufa e

isto é, esmaltes de secagem em estufa e vários primers.

curtas em óleo são utilizadas em tintas industriais, isto é, esmaltes de secagem em estufa e

ALQUÍDICAS

VANTAGENS

– Fácil aplicação a trincha rolo e pistola.

– Boa aderência ao substrato.

– Boas propriedades de penetração e molhabilidade do

substrato.

propriedades de penetração e molhabilidade do substrato. – Boas propriedades de nivelamento. – Produto

– Boas propriedades de nivelamento.

do substrato. – Boas propriedades de nivelamento. – Produto monocomponente. – Facilidade de reparo durante
do substrato. – Boas propriedades de nivelamento. – Produto monocomponente. – Facilidade de reparo durante

– Produto monocomponente.

– Facilidade de reparo durante a aplicação.

– Boas propriedades anticorrosivas quando pigmentadas

com pigmentos que atuam por inibição anódica, como

por exemplo o zarcão e o fosfato de zinco.

apurados tais como St 2 e St 3.

– Pode ser aplicada sobre tratamentos de superfície menos

ALQUÍDICAS

LIMITAÇÕES

– Baixa resistência química principalmente a álcalis

(saponificação)

– Limitada resistência a água e umidade.

– Limitada resistência a solventes; podem amolecer sob a

– Limitada resistência a solventes; podem amolecer sob a influência de solventes fortes como xileno, cetonas,
– Limitada resistência a solventes; podem amolecer sob a influência de solventes fortes como xileno, cetonas,

influência de solventes fortes como xileno, cetonas,

sob a influência de solventes fortes como xileno, cetonas, álcoois e solventes clorados. – A espessura
sob a influência de solventes fortes como xileno, cetonas, álcoois e solventes clorados. – A espessura

álcoois e solventes clorados.

– A espessura por demão é limitada, entre 30 mm e 50mm,

até 80 mm em alguns casos.

– Não devem ser usadas sobre primers ricos em zinco em

virtude da possibilidade de formação de sabões de zinco.

– Não podem ser repintadas com tintas contendo solventes

fortes.

TINTAS DE SECAGEM FÍSICA • Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente em
TINTAS DE SECAGEM FÍSICA • Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente em
TINTAS DE SECAGEM FÍSICA • Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente em
TINTAS DE SECAGEM FÍSICA • Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente em

TINTAS DE SECAGEM FÍSICA

TINTAS DE SECAGEM FÍSICA • Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente em saúde

• Nos últimos anos, a sociedade tem mostrado interesse crescente

em saúde e proteção ambiental. Na área das tintas, maior

destaque tem sido dado a emissão de solventes: Compostos

Orgânicos Voláteis (VOC). A restrições de VOC tem se tornado

Voláteis (VOC). A restrições de VOC tem se tornado mais importantes, o que acarreta uma tendência

mais importantes, o que acarreta uma tendência para utilização de

o que acarreta uma tendência para utilização de resinas de baixo peso molecular. As tintas de

resinas de baixo peso molecular. As tintas de secagem física são

constituídas de moléculas de cadeia longa, resultando em tintas

de moléculas de cadeia longa, resultando em tintas com altos teores de solventes. A regulamentações de

com altos teores de solventes. A regulamentações de VOC

com altos teores de solventes. A regulamentações de VOC poderão causar o desaparecimento dessas tintas do
com altos teores de solventes. A regulamentações de VOC poderão causar o desaparecimento dessas tintas do

poderão causar o desaparecimento dessas tintas do mercado, com

exceção de casos muito especiais.

• No futuro, a maior utilização de resinas que formam película por

esse mecanismo, serão as dispersas em água pelas razões

anteriormente mencionadas.

de resinas que formam película por esse mecanismo, serão as dispersas em água pelas razões anteriormente
de resinas que formam película por esse mecanismo, serão as dispersas em água pelas razões anteriormente
de resinas que formam película por esse mecanismo, serão as dispersas em água pelas razões anteriormente
VINÍLICAS • As principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de barreira (oxigênio e
VINÍLICAS • As principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de barreira (oxigênio e

VINÍLICAS

VINÍLICAS • As principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de barreira (oxigênio e umidade),
VINÍLICAS • As principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de barreira (oxigênio e umidade),

• As principais VANTAGENS dessas tintas são as boas

propriedades de barreira (oxigênio e umidade), boa resistência

química ,boa durabilidade ao exterior, boa resistência ao impacto

e abrasão. São monocomponentes e de fácil aplicação a trincha,

rolo ou pistola. São facilmente repintáveis, de secagem rápida

mesmo em baixas temperaturas.

de secagem rápida mesmo em baixas temperaturas. • Um tipo especial dessas resinas, a polivinilbutiral
de secagem rápida mesmo em baixas temperaturas. • Um tipo especial dessas resinas, a polivinilbutiral

• Um tipo especial dessas resinas, a polivinilbutiral ainda é

utilizada em “wash-primers” com ácido fosfórico para promover

em “wash-primers” com ácido fosfórico para promover aderência de tintas a substratos especiais tais como
em “wash-primers” com ácido fosfórico para promover aderência de tintas a substratos especiais tais como

aderência de tintas a substratos especiais tais como alumínio e aço

de tintas a substratos especiais tais como alumínio e aço galvanizado. • Dentre as principais LIMITAÇÕES

galvanizado.

substratos especiais tais como alumínio e aço galvanizado. • Dentre as principais LIMITAÇÕES das vinílicas

• Dentre as principais LIMITAÇÕES das vinílicas estão a

necessidade de elevado padrão de tratamento de superfície, altos

de elevado padrão de tratamento de superfície, altos teores de solventes nas tintas e as espessuras

teores de solventes nas tintas e as espessuras de aplicação que não

podem ser muitos altas, para evitar a retenção de ar e solventes no

interior do filme.

de aplicação que não podem ser muitos altas, para evitar a retenção de ar e solventes
de aplicação que não podem ser muitos altas, para evitar a retenção de ar e solventes
BORRACHA CLORADA • Assim como as vinílicas, principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades
BORRACHA CLORADA • Assim como as vinílicas, principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades

BORRACHA CLORADA

BORRACHA CLORADA • Assim como as vinílicas, principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de
BORRACHA CLORADA • Assim como as vinílicas, principais VANTAGENS dessas tintas são as boas propriedades de

• Assim como as vinílicas, principais VANTAGENS dessas tintas

são as boas propriedades de barreira (oxigênio e umidade), boa

resistência química ,boa durabilidade ao exterior, boa resistênc ia

ao impacto e abrasão. Da mesma forma, apresentam boa

flexibilidade no que diz respeito à repintura

boa flexibilidade no que diz respeito à repintura • São obtidas a partir de cloração de

• São obtidas a partir de cloração de borracha natural ou sintética.

a partir de cloração de borracha natural ou sintética. • As LIMITAÇÕES dessas são as mesmas
a partir de cloração de borracha natural ou sintética. • As LIMITAÇÕES dessas são as mesmas
a partir de cloração de borracha natural ou sintética. • As LIMITAÇÕES dessas são as mesmas

• As LIMITAÇÕES dessas são as mesmas das vinílicas: padrão de tratamento de superfície, altos teores de solventes nas tintas,

de superfície, altos teores de solventes nas tintas, espessuras de aplicação não podem ser muitos altas

espessuras de aplicação não podem ser muitos altas (60 - 80 mm)

de aplicação não podem ser muitos altas (60 - 80 m m) Especialmente nesse tipo de

Especialmente nesse tipo de resina, a temperatura pode se tornar

nesse tipo de resina, a temperatura pode se tornar um fator decisivo para um mau desempenho

um fator decisivo para um mau desempenho da tinta. Em

temperaturas acima de 60ºC pode haver degradação com

Em temperaturas acima de 60ºC pode haver degradação com liberação de cloro e formação de ácido

liberação de cloro e formação de ácido clorídrico e,

consequentemente, formação de processo corrosivo de grande

intensidade.

de cloro e formação de ácido clorídrico e, consequentemente, formação de processo corrosivo de grande intensidade.
de cloro e formação de ácido clorídrico e, consequentemente, formação de processo corrosivo de grande intensidade.

ACRÍLICAS

• As resinas acrílicas são caracterizadas principalmente

pelas propriedades de retenção de brilho e cor ao longo

do tempo. São muito claras e transparentes.

Apresentam as mesmas limitações das vinílicas em

relação à espessura por demão e teor de solventes. Tem

relação à espessura por demão e teor de solventes. Tem sido usadas em tintas de acabamento

sido usadas em tintas de acabamento em sistemas

Tem sido usadas em tintas de acabamento em sistemas vinílicos, borracha clorada e epoxi. Podem ser
Tem sido usadas em tintas de acabamento em sistemas vinílicos, borracha clorada e epoxi. Podem ser

vinílicos, borracha clorada e epoxi. Podem ser de vários

tipos e algumas especiais (com elevado teor de

hidroxilas) podem servir de base para tintas que curam

por reação química, como os sistemas poliuretano-

acrílico, muito usados atualmente pela facilidade de

repintura e permitir formulação de tintas de baixo VOC.

TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Durante muitos anos as tintas antiincrustantes tem sido empregadas para proteger estruturas
TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Durante muitos anos as tintas antiincrustantes tem sido empregadas para proteger estruturas
TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Durante muitos anos as tintas antiincrustantes tem sido empregadas para proteger estruturas

TINTAS ANTI-INCRUSTANTES

TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Durante muitos anos as tintas antiincrustantes tem sido empregadas para proteger estruturas

• Durante muitos anos as tintas antiincrustantes tem sido

empregadas para proteger estruturas submersas contra o

crescimento de incrustações (“ fouling”) marinhas. Estas

tintas evoluíram de sistemas bem simples até mais os

Estas tintas evoluíram de sistemas bem simples até mais os avançados, direcionados para proteção ambiental. Os
Estas tintas evoluíram de sistemas bem simples até mais os avançados, direcionados para proteção ambiental. Os

avançados, direcionados para proteção ambiental.

mais os avançados, direcionados para proteção ambiental. Os principais objetivos de uma tinta “antifouling” são:

Os principais objetivos de uma tinta “antifouling” são:

Os principais objetivos de uma tinta “antifouling” são: – prevenir ou reduzir o crescimento de organismos
Os principais objetivos de uma tinta “antifouling” são: – prevenir ou reduzir o crescimento de organismos

– prevenir ou reduzir o crescimento de organismos

são: – prevenir ou reduzir o crescimento de organismos marinhos. – Evitar o crescimento/penetração através do

marinhos.

prevenir ou reduzir o crescimento de organismos marinhos. – Evitar o crescimento/penetração através do

– Evitar o crescimento/penetração através do revestimento

aumentando a vida útil da proteção anticorrosiva.

• As incrustações marinhas acarretam problemas de peso,

navegabilidade e consumo de combustível em navios.

• As incrustações marinhas acarretam problemas de peso, navegabilidade e consumo de combustível em navios.
• As incrustações marinhas acarretam problemas de peso, navegabilidade e consumo de combustível em navios.
TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Como qualquer tinta, são compostas com resinas, pigmentos e solventes. A resina
TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Como qualquer tinta, são compostas com resinas, pigmentos e solventes. A resina
TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Como qualquer tinta, são compostas com resinas, pigmentos e solventes. A resina

TINTAS ANTI-INCRUSTANTES

TINTAS ANTI-INCRUSTANTES • Como qualquer tinta, são compostas com resinas, pigmentos e solventes. A resina determina

• Como qualquer tinta, são compostas com resinas, pigmentos e

solventes. A resina determina a natureza da tinta “antifouling”.

Os pigmentos incluem os agentes antiincrustantes ou biocidas e

outros extensores.

os agentes antiincrustantes ou biocidas e outros extensores. • O Biocida é uma substância química que

• O Biocida é uma substância química que é liberada em taxas

Biocida é uma substância química que é liberada em taxas muito baixas e inibe o crescimento
Biocida é uma substância química que é liberada em taxas muito baixas e inibe o crescimento

muito baixas e inibe o crescimento da incrustação marinha. O Biocida mais comum, e ainda o mais utilizado, é o Óxido

O Biocida mais comum, e ainda o mais utilizado, é o Óxido Cuproso. Antes dos últimos

Cuproso. Antes dos últimos anos da década de 1960 começaram

Antes dos últimos anos da década de 1960 começaram a ser usados, inicialmente como aditivos e

a ser usados, inicialmente como aditivos e mais tarde como parte

usados, inicialmente como aditivos e mais tarde como parte de um copolímero, os compostos orgânicos derivados

de um copolímero, os compostos orgânicos derivados de estanho,

copolímero, os compostos orgânicos derivados de estanho, que tornaram-se predominantes a partir da década de 1970.

que tornaram-se predominantes a partir da década de 1970.

• Basicamente, existem três tipos de Tintas “Antifouling”:

MATRIZ SOLÚVEL ou CONVENCIONAIS.

MATRIZ INSOLÚVEL

“Antifouling”: – MATRIZ SOLÚVEL ou CONVENCIONAIS. – MATRIZ INSOLÚVEL – AUTOPOLIMENTO ( SELFPOLISHING)

AUTOPOLIMENTO ( SELFPOLISHING)

“Antifouling”: – MATRIZ SOLÚVEL ou CONVENCIONAIS. – MATRIZ INSOLÚVEL – AUTOPOLIMENTO ( SELFPOLISHING)
MATRIZ SOLÚVEL • Estas tintas tem um produto natural como resina base, o BREU. O
MATRIZ SOLÚVEL • Estas tintas tem um produto natural como resina base, o BREU. O
MATRIZ SOLÚVEL • Estas tintas tem um produto natural como resina base, o BREU. O

MATRIZ SOLÚVEL

MATRIZ SOLÚVEL • Estas tintas tem um produto natural como resina base, o BREU. O Breu

• Estas tintas tem um produto natural como resina

base, o BREU. O Breu se dissolve lentamente

em água do mar.

base, o BREU. O Breu se dissolve lentamente em água do mar. • Quando a tinta
base, o BREU. O Breu se dissolve lentamente em água do mar. • Quando a tinta

• Quando a tinta é imersa na água do mar o

água do mar. • Quando a tinta é imersa na água do mar o biocida é

biocida é lixiviado para fora da tinta. A taxa de

do mar o biocida é lixiviado para fora da tinta. A taxa de liberação, entretanto, logo
do mar o biocida é lixiviado para fora da tinta. A taxa de liberação, entretanto, logo

liberação, entretanto, logo cai para um nível

A taxa de liberação, entretanto, logo cai para um nível abaixo do qual o crescimento marinho

abaixo do qual o crescimento marinho pode ser

para um nível abaixo do qual o crescimento marinho pode ser controlado. A sua eficiência é

controlado. A sua eficiência é geralmente curta,

aproximadamente 12 meses.

• Em águas tropicais a eficiência de todos os tipos

aproximadamente 12 meses. • Em águas tropicais a eficiência de todos os tipos de tinta “antifouling’

de tinta “antifouling’ diminui.

aproximadamente 12 meses. • Em águas tropicais a eficiência de todos os tipos de tinta “antifouling’
“ANTIFOULING” TIPO MATRIZ SOLÚVEL
“ANTIFOULING”
TIPO MATRIZ SOLÚVEL
MATRIZ INSOLÚVEL • Nestas tintas a resina é insolúvel em água do mar. Apenas o
MATRIZ INSOLÚVEL • Nestas tintas a resina é insolúvel em água do mar. Apenas o

MATRIZ INSOLÚVEL

MATRIZ INSOLÚVEL • Nestas tintas a resina é insolúvel em água do mar. Apenas o biocida
MATRIZ INSOLÚVEL • Nestas tintas a resina é insolúvel em água do mar. Apenas o biocida

• Nestas tintas a resina é insolúvel em água do

mar. Apenas o biocida é liberado do filme de

tinta, deixando-o como se fosse um esqueleto

do filme de tinta, deixando-o como se fosse um esqueleto poroso. Como essa camada porosa aumenta,

poroso. Como essa camada porosa aumenta, a

um esqueleto poroso. Como essa camada porosa aumenta, a taxa de liberação de biocida diminui e

taxa de liberação de biocida diminui e a

porosa aumenta, a taxa de liberação de biocida diminui e a performance cai drasticamente. • A

performance cai drasticamente.

de biocida diminui e a performance cai drasticamente. • A vida útil pode chegar a 24
de biocida diminui e a performance cai drasticamente. • A vida útil pode chegar a 24

• A vida útil pode chegar a 24 meses e uma

drasticamente. • A vida útil pode chegar a 24 meses e uma camada porosa significativa permanece,
drasticamente. • A vida útil pode chegar a 24 meses e uma camada porosa significativa permanece,

camada porosa significativa permanece, o que

problemática a aplicação de uma nova tinta no

caso de repintura.

• Boa quantidade de biocida ainda permanece no

filme

problemática a aplicação de uma nova tinta no caso de repintura. • Boa quantidade de biocida
“ANTIFOULING” TIPO MATRIZ INSOLÚVEL
“ANTIFOULING” TIPO MATRIZ INSOLÚVEL
AUTOPOLIMENTO • Foram introduzidas no anos 70, desenvolvendo-se rapidamente em função da melhor eficiência e
AUTOPOLIMENTO • Foram introduzidas no anos 70, desenvolvendo-se rapidamente em função da melhor eficiência e

AUTOPOLIMENTO

AUTOPOLIMENTO • Foram introduzidas no anos 70, desenvolvendo-se rapidamente em função da melhor eficiência e
AUTOPOLIMENTO • Foram introduzidas no anos 70, desenvolvendo-se rapidamente em função da melhor eficiência e

• Foram introduzidas no anos 70, desenvolvendo-se

rapidamente em função da melhor eficiência e controle.

Tornou-se possível prever a o tempo de vida útil

esperado para sistemas “antifouling”.

de vida útil esperado para sistemas “antifouling”. • Estas tintas contêm compostos orgânicos derivados de
de vida útil esperado para sistemas “antifouling”. • Estas tintas contêm compostos orgânicos derivados de

• Estas tintas contêm compostos orgânicos derivados de

• Estas tintas contêm compostos orgânicos derivados de estanho (TBTO, TBTF) ligados quimicamente à resina, que
• Estas tintas contêm compostos orgânicos derivados de estanho (TBTO, TBTF) ligados quimicamente à resina, que

estanho (TBTO, TBTF) ligados quimicamente à resina, que são liberados a partir da reação de hidrólise em

que são liberados a partir da reação de hidrólise em água do mar. • O organo-estanho

água do mar.

a partir da reação de hidrólise em água do mar. • O organo-estanho é liberado continuamente
a partir da reação de hidrólise em água do mar. • O organo-estanho é liberado continuamente

• O organo-estanho é liberado continuamente e a

eficiência da tinta é a mesma, até que tenha sido

totalmente removida (polida).

• Pode haver um desgaste irregular em função de pontos

onde a turbulência for maior.

totalmente removida (polida). • Pode haver um desgaste irregular em função de pontos onde a turbulência
totalmente removida (polida). • Pode haver um desgaste irregular em função de pontos onde a turbulência
“ANTIFOULING” TIPO AUTOPOLIMENTO
“ANTIFOULING” TIPO AUTOPOLIMENTO
AUTOPOLIMENTO “TIN FREE” • As tintas “antifouling” livres de estanho apresentam mecanismos diferentes. Os

AUTOPOLIMENTO “TIN FREE”

AUTOPOLIMENTO “TIN FREE” • As tintas “antifouling” livres de estanho apresentam mecanismos diferentes. Os
AUTOPOLIMENTO “TIN FREE” • As tintas “antifouling” livres de estanho apresentam mecanismos diferentes. Os
AUTOPOLIMENTO “TIN FREE” • As tintas “antifouling” livres de estanho apresentam mecanismos diferentes. Os

• As tintas “antifouling” livres de estanho apresentam

mecanismos diferentes. Os fabricantes usam várias

misturas de resinas solúveis e sensíveis à água. As

primeiras tintas “ablativas” ou fisicamente deterioráveis

tem sido refinadas. O efeito de polimento é similar ao

tem sido refinadas. O efeito de polimento é similar ao das tintas com estanho, mas a

das tintas com estanho, mas a performance não é a

ao das tintas com estanho, mas a performance não é a mesma, principalmente porque é diferente

mesma, principalmente porque é diferente a reação com

a mesma, principalmente porque é diferente a reação com a água do mar e devido a
a mesma, principalmente porque é diferente a reação com a água do mar e devido a

a água do mar e devido a ausência dos compostos de

com a água do mar e devido a ausência dos compostos de estanho como biocidas. •

estanho como biocidas.

e devido a ausência dos compostos de estanho como biocidas. • A presença de estanho nas

• A presença de estanho nas tintas “antifouling” tem sido

muito discutida sendo regulamentada pela IMO.

Pretende-se proibir a aplicação de tintas com estanho a

partir de 2003 e a presença dessas tintas em qualquer

embarcação após 2008.

a aplicação de tintas com estanho a partir de 2003 e a presença dessas tintas em
 

RESINAS EPOXI

 

As reinas epoxi podem ser líquidas, semi -sólidas e sólidas dependendo do peso

molecular. As sólidas apresentam maior valor de n e, po conseguinte, maior peso

molecular molecular. Uma característica única das resinas de Bisfenol-A é que, à

medida que o nºde unidades de repetição (n) na cadeia aumenta, o nº de hidroxilas

também aumenta, mantendo funcionalidade epoxídica dois .

EQUIVALENTE EPOXÍDICO - E.E.W -

É o peso de resina epoxi equivalente a um grupamento epoxi.

 

Exemplo : Resina Epoxi Líquida PM= 380

Nº de Grupamentos Epoxi= 2

E.E.W = 380/2 = 190

OUTROS TIPOS DE

RESINA EPOXI

 

RESINA EPOXI NOVOLAC - São resinas semi -sólidas ou sólidas, contando com

múltiplos grupos epoxi funcionais. A multifuncionalidade dessas resinas conduz a

uma maior densidade de ligações cruzadas que, por sua vez, resulta em melhores

 

propriedades físicas a temperaturas elevadas e melhor resistência química e a

solventes, comparando com as resinas de bisfenol-A.

RESINAS EPOXI FLEXÍVEIS - Normalmente são resinas de poliglicolde baixa

viscosidade e são usadas para melhorar a flexibilidade da resinas epoxi padrão.

 

AGENTES DE CURA PARA

AGENTES DE CURA PARA RESINAS EPOXI AMINAS ALIFÁTICAS - Curam à temperatura ambiente, reagindo com os
AGENTES DE CURA PARA RESINAS EPOXI AMINAS ALIFÁTICAS - Curam à temperatura ambiente, reagindo com os

RESINAS EPOXI

AMINAS ALIFÁTICAS - Curam à temperatura ambiente, reagindo com os

grupamentos epoxi terminais das resinas. Apresentam baixa viscosidade e elevada

toxidez. Normalmente não são utilizadas puras como agentes de cura e s im sob a

forma de adutos como forma de diminuir a toxidez e reduzir a formação de

“blushing”(névoa) na película de tinta. Geralmente empregadas em relações de

mistura estequiométricas e têm baixo custo.

relações de mistura estequiométricas e têm baixo custo. POLIAMIDAS - Também curam à temperatura ambiente da

POLIAMIDAS - Também curam à temperatura ambiente da mesma forma que as

aminas. Em relação às aminas alifáticas exibem melhor flexibilidade, menor

às aminas alifáticas exibem melhor flexibilidade, menor dureza, baixa toxidex, maior viscosidade e menor

dureza, baixa toxidex, maior viscosidade e menor resistência a altas temperaturas.

Ao contrário das aminas alifáticas, as relações de mistura não são tão rígidas. São

as relações de mistura não são tão rígidas. São obtidas a partir da reação entre ácidos

obtidas a partir da reação entre ácidos graxos dimerizados e poliaminas alifáticas.

entre ácidos graxos dimerizados e poliaminas alifáticas. AMIDOAMINAS - São derivadas da reação de ácidos

AMIDOAMINAS - São derivadas da reação de ácidos carboxílicos monobásicos

poliaminas alifáticas. Da mesma forma que as poliamidas podem ser usadas em

e

varios níveis par a reticulação da resina epoxi. Como vantagens podemos citar a

maior flexibilidade e resistência à umidade que as aminas alifáticas e a menor

viscosidade e cor mais clara que as poliamidas.

ISOCIANATOS - Reagem à temperatura ambiente com os grupamentos hidroxila

presentes nas resinas epoxi, particularmente as de peso molecular mais alto,

conferindo ao sistema excelente aderência e resistência química.

epoxi, particularmente as de peso molecular mais alto, conferindo ao sistema excelente aderência e resistência química.

AGENTES DE CURA PARA

RESINAS EPOXI

AMINAS AROMÁTICAS - São sólidas à temperatura ambiente e tem tempo de

cura muito elevado. Normalmente são utilizadas sob a forma de adutos, nos quais

amina é fundida com um umdiluente não reativo, normalmente umplastificante, a

uma temperatura por volta de 100ºC. Para aumentar a reatividade, adiciona-se um

acelerador ao aduto, sendo o ácido salicílico o mais usado. Apresentam resistência

química superior aos demais agentes de cura à temperatura ambiente. São produtos

cancerígenos, sendo esta a razão pelo qual tem seu uso proibido em vários países.

a razão pelo qual tem seu uso proibido em vários países. AMINAS CICLOALIFÁTICAS - Apresentam boa

AMINAS CICLOALIFÁTICAS - Apresentam boa reatividade e maior “pot-life”

- Apresentam boa reatividade e maior “ pot-life” que as aminas alifáticas. Exibem boa aderência e

que as aminas alifáticas. Exibem boa aderência e muito boa resistência química.

Exibem boa aderência e muito boa resistência química. Curam em baixas temperaturas e sob condições de

Curam em baixas temperaturas e sob condições de umidade elevada.

CURA EM ALTAS TEMPERATURAS

Alguns compostos reagem com as resinas epoxi em temperaturas acima de 100ºC,

conferindo aos produtos finais certas propriedades, principalmente boa resistência a

altas temperaturas. Neste caso, o produto é monocomponente e a reação só se

processa após exposição à temperatura e tempo necessários para a cura. Como

exemplos podemos citar: Anidridos, Resinas Uréia-formaldeido, Melamina-

formaldeido, Fenol-formaldeido, etc

CÁLCULO DAS RELAÇÕES ESTEQUIOMÉTRICAS

PARA RESINAS EPOXI E AGENTES DE CURA

• Para se obter ótimas propriedades com resinas epoxi e agentes de cura, eles devem

reagir em quantidades aproximadamente estequiométricas.

Exemplo: Determinar a relação estequiométrica para a reação entre uma resina

epoxi sólida de peso molecular 1000 e Trietileno tetramina (Teta).

1 - Cálculo do Equivalente Epoxídico da Resina (EEW):

As aminas reagem com os grupamentos epoxi da resina. Este tipo de resina tem

dois grupamentos epoxi terminais. O EEW. será igual a 1000/2=500.

epoxi terminais. O EEW. será igual a 1000/2=500. 2 - Cálculo do Equivalente amínico do Agente

2 - Cálculo do Equivalente amínico do Agente de cura:

2 - Cálculo do Equivalente amínico do Agente de cura: A Teta tem peso molecular igual

A Teta tem peso molecular igual a 146 e seis hidrogênios amínicos portanto, o

AHEW desse agente de cura é 146/6=24,3. Então, 24,3 g de Teta reagem

estequiométricamente com 500 g desta resina epoxi.

PHR

• Chamamos de phr a quantidade em peso de agente de cura necessária para a reação

estequiométrica com 100g de resina epoxi .

• phr = AHEW x 100/ EEW

• Exemplo anterior: phr da TETA para resina epoxi de PM=1000 => 24,3 x

100/500= 4,86

 

DILUENTES PARA RESINAS EPOXI

 
 

DILUENTES REATIVOS - São materiais de baixa viscosidade que, quando

adicionados a resinas epoxi mais viscosas, reduzem bastante a viscosidade da

resina. Os diluentes reativos são tipicamente compostos que contêm anel epoxi, de

baixo peso molecular, monofuncionais ou difuncionais . Os mais comuns são os

derivados do glicidil éter alifático.

 

DILUENTES NÃO REATIVOS - São materiais de baixa viscosidade que não

têm quaisquer grupamentos reativos e, portanto, não reagem formando a matriz

epoxi. Os mais comuns são: nonil-fenol, álcool furfurílico, alcool tetrahidro

furfurílico e o dibutilftalato.

 

CÁLCULO DO EEW DE UMA RESINA EPOXI

COM DILUENTES

   

EEW da mistura =

Massa Total

 
   
 

M A/EEW A +M B/EEW B + M C/EEW C +

 

Exemplo: Calcular o EEW de uma mistura de resina 240g de Resina epoxi líquida

(EEW=190), 150g de resina epoxi sólida (EEW=500) e 100g de monoglicidil éter

(EEW=290)

EEW da mistura =

490

= 256,8

 
 

240/190 + 150/500 + 100/290

 
TINTAS EPOXI • As resinas epoxi convencionais são produtos da reação de Bisfenol A e

TINTAS EPOXI

TINTAS EPOXI • As resinas epoxi convencionais são produtos da reação de Bisfenol A e Eplicloridrina.

• As resinas epoxi convencionais são produtos da reação de

As resinas epoxi convencionais são produtos da reação de Bisfenol A e Eplicloridrina. Existe uma grande

Bisfenol A e Eplicloridrina. Existe uma grande variedade de tipos

de tintas epoxi, cada uma delas formulada para atingir certos

objetivos. Entretanto, os membros da família epoxi apresentam

características comuns.

da família epoxi apresentam características comuns. • Dentre as principais VANTAGENS estão: Boa

• Dentre as principais VANTAGENS estão: Boa resistência à água,

as principais VANTAGENS estão: Boa resistência à água, produtos químicos principalmente álcalis e solventes, boa

produtos químicos principalmente álcalis e solventes, boa

produtos químicos principalmente álcalis e solventes, boa resistência a danos mecânicos, alta durabilidade,
produtos químicos principalmente álcalis e solventes, boa resistência a danos mecânicos, alta durabilidade,

resistência a danos mecânicos, alta durabilidade, possibilidade de utilização em contato com água potável e alimentos, boa

utilização em contato com água potável e alimentos, boa resistência à temperatura, possibilidade de tintas com

resistência à temperatura, possibilidade de tintas com baixo VOC

à temperatura, possibilidade de tintas com baixo VOC e mesmo sem solventes. • As principais LIMITAÇÕES

e mesmo sem solventes.

possibilidade de tintas com baixo VOC e mesmo sem solventes. • As principais LIMITAÇÕES são: pouca

• As principais LIMITAÇÕES são: pouca resistência à radiação

ultravioleta (calcinação/ “chalking”), dificuldade de aplicação em

temperaturas muito baixas, cuidados para repintura, ser em dois

componentes requerendo boa mistura, pode ocasionar maiores

perdas de material e requer maior conhecimento para ser usada

corretamente.

requerendo boa mistura, pode ocasionar maiores perdas de material e requer maior conhecimento para ser usada
DICAS PARA O USO DE TINTAS EPOXI • Os epoxis, embora antigos, são produtos muito

DICAS PARA O USO DE TINTAS EPOXI

DICAS PARA O USO DE TINTAS EPOXI • Os epoxis, embora antigos, são produtos muito usados
DICAS PARA O USO DE TINTAS EPOXI • Os epoxis, embora antigos, são produtos muito usados

• Os epoxis, embora antigos, são produtos muito usados e estão em

constante desenvolvimento. Requerem um certo conhecimento e

experiência do aplicador. Certos cuidados devem ser tomados:

– Usar a proporção de mistura correta e assegurar que os

grupamentos reativos entraram em contato um com o

outro.Preferencialmente usar agitador mecânico.

um com o outro.Preferencialmente usar agitador mecânico . – Respeitar o “pot- life”, tempo de indução

– Respeitar o “pot- life”, tempo de indução e intervalo para repintura,

life”, tempo de indução e intervalo para repintura, espessura por demão, tipo de tratamento de superfície,

espessura por demão, tipo de tratamento de superfície, condições

por demão, tipo de tratamento de superfície, condições mínimas do ambiente e do substrato, que deverão

mínimas do ambiente e do substrato, que deverão ser informados

do ambiente e do substrato, que deverão ser informados pelo fabricante. – Diluir somente com solventes

pelo fabricante.

e do substrato, que deverão ser informados pelo fabricante. – Diluir somente com solventes e percentuais

– Diluir somente com solventes e percentuais indicados pelo

fabricante.

– Todos os equipamentos deverão ser limpos antes que o “pot- life”

tenha sido atingido.

– Usar equipamento de proteção adequado e ter boa ventilação em

lugares confinados.

life” tenha sido atingido. – Usar equipamento de proteção adequado e ter boa ventilação em lugares
CARACTERÍSTICAS DOS DIVERSOS TIPOS DE TINTAS EPOXI
CARACTERÍSTICAS DOS DIVERSOS TIPOS DE
TINTAS EPOXI
EPOXI PURO • Revestimentos de epoxi são largamente utilizados em aplicações de campo tanto para
EPOXI PURO • Revestimentos de epoxi são largamente utilizados em aplicações de campo tanto para

EPOXI PURO

EPOXI PURO • Revestimentos de epoxi são largamente utilizados em aplicações de campo tanto para construções

• Revestimentos de epoxi são largamente utilizados em aplicações de

campo tanto para construções novas quanto para manutenção. Seu

uso é mais difundido em ambientes extremamente agressivos, tais

como plataformas de petróleo, refinarias, interior e exterior de

tanques. O tipo de epoxi a usar depende das condições de serviço,

do substrato e de aplicação. Os epoxis puros ou não modificados

e de aplicação. Os epoxis puros ou não modificados requerem tratamento de superfície apurado, mínimo Sa

requerem tratamento de superfície apurado, mínimo Sa 2 1/2.

tratamento de superfície apurado, mínimo Sa 2 1/2. • A maioria dos epoxis não modificados age

• A maioria dos epoxis não modificados age por barreira. São

A maioria dos epoxis não modificados age por barreira. São compatíveis com a maioria dos pigmentos

compatíveis com a maioria dos pigmentos inorgânicos e orgânicos.

Quando bem selecionados, pigmentos e extensores melhoram as

Quando bem selecionados, pigmentos e extensores melhoram as propriedades físicas da tinta, criando um filme mais
Quando bem selecionados, pigmentos e extensores melhoram as propriedades físicas da tinta, criando um filme mais

propriedades físicas da tinta, criando um filme mais denso e com

melhores propriedades de barreira.

• Embora estejam disponíveis em grande variedade de cores, não

apresentam boa retenção de brilho e cor. Quando o aspecto estético

é importante tinta acrílicas ou poliuretanos são usadas na tinta de

acabamento nos esquemas de base epoxi.

estético é importante tinta acrílicas ou poliuretanos são usadas na tinta de acabamento nos esquemas de
estético é importante tinta acrílicas ou poliuretanos são usadas na tinta de acabamento nos esquemas de
EPOXI-FENÓLICA • As epoxi-fenólicas exibem melhor resistência química que as epoxi convencionais. São produtos da
EPOXI-FENÓLICA • As epoxi-fenólicas exibem melhor resistência química que as epoxi convencionais. São produtos da
EPOXI-FENÓLICA • As epoxi-fenólicas exibem melhor resistência química que as epoxi convencionais. São produtos da

EPOXI-FENÓLICA

EPOXI-FENÓLICA • As epoxi-fenólicas exibem melhor resistência química que as epoxi convencionais. São produtos da

• As epoxi-fenólicas exibem melhor resistência química que

as epoxi convencionais. São produtos da reação de

Fenólicas Novolac e Epicloridrina. As Fenólicas Novolac

de Fenólicas Novolac e Epicloridrina. As Fenólicas Novolac tem mais grupamentos reativos, resultando em maior densidade

tem mais grupamentos reativos, resultando em maior

Novolac tem mais grupamentos reativos, resultando em maior densidade de ligações cruzadas e melhoria de algumas

densidade de ligações cruzadas e melhoria de algumas

maior densidade de ligações cruzadas e melhoria de algumas propriedades. Os revestimentos epoxi-fenólicos promovem

propriedades. Os revestimentos epoxi-fenólicos

de algumas propriedades. Os revestimentos epoxi-fenólicos promovem superior resistência química e resistência à
de algumas propriedades. Os revestimentos epoxi-fenólicos promovem superior resistência química e resistência à

promovem superior resistência química e resistência à

promovem superior resistência química e resistência à corrosão. São indicadas para revestimento interno de

corrosão. São indicadas para revestimento interno de

à corrosão. São indicadas para revestimento interno de tanques e tubulações de transporte de fluidos. Algumas

tanques e tubulações de transporte de fluidos. Algumas

necessitam de temperaturas de cura mais elevadas que as

epoxi convencionais.

de transporte de fluidos. Algumas necessitam de temperaturas de cura mais elevadas que as epoxi convencionais.
de transporte de fluidos. Algumas necessitam de temperaturas de cura mais elevadas que as epoxi convencionais.
de transporte de fluidos. Algumas necessitam de temperaturas de cura mais elevadas que as epoxi convencionais.
EPOXI ALCATRÃO-DE-HULHA • Essas tintas conhecidas como “ coal tar epoxy” consistem de resina epoxi,
EPOXI ALCATRÃO-DE-HULHA • Essas tintas conhecidas como “ coal tar epoxy” consistem de resina epoxi,

EPOXI ALCATRÃO-DE-HULHA

EPOXI ALCATRÃO-DE-HULHA • Essas tintas conhecidas como “ coal tar epoxy” consistem de resina epoxi, modificada
EPOXI ALCATRÃO-DE-HULHA • Essas tintas conhecidas como “ coal tar epoxy” consistem de resina epoxi, modificada

Essas tintas conhecidas como “coal tar epoxy” consistem de resina

epoxi, modificada com alcatrão-de-hulha e agente de cura. Estes

materiais combinam as boas propriedades de ambos, epoxi e

alcatrão-de-hulha, para formar um revestimento com melhor

resistência à água. A resina Epoxi promove resistência química e o

alcatrão-de-hulha, maior flexibilidade, maior impermeabilidade e

maior flexibilidade, maior impermeabilidade e melhor tolerância ao substrato. As tinta “coal tar
maior flexibilidade, maior impermeabilidade e melhor tolerância ao substrato. As tinta “coal tar

melhor tolerância ao substrato. As tinta “coal tar epoxy” funcionam

inteiramente por barreira.

“coal tar epoxy” funcionam inteiramente por barreira. • As principais DESVANTAGENS dessas tintas são: –
“coal tar epoxy” funcionam inteiramente por barreira. • As principais DESVANTAGENS dessas tintas são: –

• As principais DESVANTAGENS dessas tintas são:

• As principais DESVANTAGENS dessas tintas são: – Muito tóxicas o que tem gerado a proibição

– Muito tóxicas o que tem gerado a proibição de sua utilização em

o que tem gerado a proibição de sua utilização em vários países com rígida legislação ambiental.

vários países com rígida legislação ambiental. O alcatrão-de-hulha

contem algumas substâncias cancerígenas.

– Somente podemos ter acabamentos de cor escura (preto ou marron),

o que dificulta a inspeção em tanques e espaços confinados.

– Ocorrerá “sangramento” se outra tinta de acabamento for aplicada

“sangramento” se outra tinta de acabamento for aplicada diretamente sobre ela, prejudicando o aspecto estético.

diretamente sobre ela, prejudicando o aspecto estético.

EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são consideradas tintas modernas e consistem na maioria das
EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são consideradas tintas modernas e consistem na maioria das

EPOXI “MASTIC”

EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são consideradas tintas modernas e consistem na maioria das vezes
EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são consideradas tintas modernas e consistem na maioria das vezes

• As epoxi mastic são consideradas tintas modernas e consistem na

maioria das vezes de resina epoxi modificada com resina

hidrocarbônica e agente de cura. A resina hidrocarbônica é usada

para aumentar a resitência à umidade, a flexibilidade e as

propriedades de “molhabilidade” das resinas epoxi, melhorando a

aderência em substratos com tratamento de superfície menos

aderência em substratos com tratamento de superfície menos apurados. Essas tintas possuem muitas características
aderência em substratos com tratamento de superfície menos apurados. Essas tintas possuem muitas características

apurados. Essas tintas possuem muitas características semelhantes

às dos coal tar epoxi sem os problemas eles apresentados:

às dos coal tar epoxi sem os problemas eles apresentados: – Podem ser produzidos numa extensa
às dos coal tar epoxi sem os problemas eles apresentados: – Podem ser produzidos numa extensa

– Podem ser produzidos numa extensa variedade de cores.

– Podem ser produzidos numa extensa variedade de cores. – Exibem excelentes propriedades de penetração, o

– Exibem excelentes propriedades de penetração, o que implica dizer

excelentes propriedades de penetração, o que implica dizer que podem ser usados em vários tipos de

que podem ser usados em vários tipos de substratos.

– Tem altos sólidos por volume, 80 a 90% o que reduz a emissão de

VOC.

– Não causam sangramento na tinta de acabamento.

– Não contem alcatrão-de-hulha; não causam câncer.

de VOC. – Não causam sangramento na tinta de acabamento. – Não contem alcatrão-de-hulha; não causam
de VOC. – Não causam sangramento na tinta de acabamento. – Não contem alcatrão-de-hulha; não causam
EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são formuladas para serem tolerantes aos mais variados tipos
EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são formuladas para serem tolerantes aos mais variados tipos

EPOXI “MASTIC”

EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são formuladas para serem tolerantes aos mais variados tipos de
EPOXI “MASTIC” • As epoxi mastic são formuladas para serem tolerantes aos mais variados tipos de

• As epoxi mastic são formuladas para serem tolerantes aos mais

variados tipos de superfície. As razões para as excelentes

propriedades de penetração são o pequeno tamanho das moléculas e

a baixa viscosidade da resina, promovendo bom alastramento.

Podem ser usados com bons resultados em substratos preparados

ser usados com bons resultados em substratos preparados com ferramentas manuais ou mecânicas, hidrojateadas ou

com ferramentas manuais ou mecânicas, hidrojateadas ou jateadas

ferramentas manuais ou mecânicas, hidrojateadas ou jateadas com abrasivos. Evidentemente, melhores serão os resultados,

com abrasivos. Evidentemente, melhores serão os resultados,

quanto melhor for o tratamento da superfície.

resultados, quanto melhor for o tratamento da superfície. • Eles atuam por barreira e para aumentar
resultados, quanto melhor for o tratamento da superfície. • Eles atuam por barreira e para aumentar

• Eles atuam por barreira e para aumentar este efeito alguns mastics

por barreira e para aumentar este efeito alguns mastics são pigmentados com alumínio “leafing”, que apresentam

são pigmentados com alumínio “leafing”, que apresentam

disposição lamelar, dificultando o acesso de eletrólito ao substrato.

• Quando se necessita de um aspecto estético melhor, recomenda-se

uma demão de acabamento de poliuretano, acrílico ou poliuretano-

uma demão de acabamento de poliuretano, acrílico ou poliuretano-

acrílico.

de um aspecto estético melhor, recomenda-se uma demão de acabamento de poliuretano, acrílico ou poliuretano- acrílico.
de um aspecto estético melhor, recomenda-se uma demão de acabamento de poliuretano, acrílico ou poliuretano- acrílico.
de um aspecto estético melhor, recomenda-se uma demão de acabamento de poliuretano, acrílico ou poliuretano- acrílico.
“MOLHABILIDADE”/ PENETRAÇÃO NO SUBSTRATO DE DIVERSAS TINTAS “SURFACE TOLERANCE”
“MOLHABILIDADE”/ PENETRAÇÃO NO
SUBSTRATO DE DIVERSAS TINTAS
“SURFACE TOLERANCE”

EPOXI

SEM SOLVENTES

• Epoxis sem solventes são revestimentos mecanicamente muito

fortes, aplicados em altas espessuras e que apresentam elevada

resistência química. Usados para revestimentos internos de

tanques de estocagem de produtos químicos, tanques de lastro de

embarcações e para recipientes e tubulações em contato com água

potável e alimentos.

• Algumas tintas epoxi sem solventes mais modernas são indicadas

 

para aplicações em condições de umidade relativa acima de 85%,

 

sobre superfícies úmidas ou até molhadas, substratos com

preparação por ferramentas manuais ou mecânicas (“surface

 
 

tolerant”). Essas tintas, que se opõem a alguns conceitos

tradicionais de aplicações de tintas, mesmo com custo superior às

convencionais podem gerar reduções de custos nas obras e

permitir pintura sob condições pouco usuais tais como: dias

chuvosos, equipamentos em operação, interior de tanques sem

necessidade de desumidificação, superfícies molhadas com baixos

teores de sais solúveis.

 

TINTAS DE BASE AQUOSA

A

grande vantagem de se ter a água como solvente de uma tinta é,

 

evidentemente, o caráter ecológico do revestimento, isto é, não

 

venenoso, sem odor, sem riscos para a saúde e não inflamável. A

 

emissão de solventes orgânicos é mínima, e acarreta poucos riscos

 

para o aplicador ou usuário.

As acrílicas ainda apresentam boa resistência a UV, secagem rápida,

 
 

não amarelecem e não saponificam.

 

As desvantagens das dispersões de polímeros em água são a baixa

 
 
 

taxa de evaporação em temperaturas baixas e umidade relativa elevada

 
 

e a necessidade de adição de alguns aditivos (surfactantes) em função

 

da alta tensão superficial.

Podem ser aplicadas em vários tipos de substratos, incluindo aço, aço

 
 

galvanizado, alumínio, concreto e madeira.

Em geral, apresentam maior permeabilidade que as tintas de base

 

solvente, razão pela qual não são indicadas para trabalhos sob

 

condição de imersão permanente.

 
 

TINTAS DE BASE AQUOSA

 

As tintas epoxi a base d’água exibem, também, excelente aderência.

 

A

formação do filme, entretanto é mais crítica que as epoxi de base

 

solvente, uma vez que, existem dois estágios adicionais no processo

 
 

de formação do filme; a evaporação da água e o processo de

 

coalescência, que deverão preceder à evaporação de solventes e

 
 

formação das ligações cruzadas. Isto implica maior controle de

 
 

temperatura, umidade relativa e ventilação durante a aplicação em

 
 
 

comparação com as epoxi de base solvente ou mesmo as epoxi sem solventes. A epoxis a base d’água não podem ser diluídas

 

indefinidamente, sob pena de desestabilização ou quebra da emulsão

 

epoxi-amina. Atualmente, ainda apresentam custo maior que as de

 

base solvente.

O

“pot- life” das epoxi a base d’água são mais curtos que as de base

 

solvente e nem sempre podem ser imediatamente identificados, uma

 

vez que, geralmente a viscosidade permanece inalterada.

Podem ser usadas em sistemas híbridos, combinadas com tintas de

 
 

base solvente. Ex. Epoxi rica em zinco a base d’água.

TINTAS RICAS EM ZINCO • A princial razão da aplicação de uma rica em zinco
TINTAS RICAS EM ZINCO • A princial razão da aplicação de uma rica em zinco

TINTAS RICAS EM ZINCO

• A princial razão da aplicação de uma rica em zinco é ter uma tinta de

da aplicação de uma rica em zinco é ter uma tinta de fundo com a propriedade

fundo com a propriedade de promover proteção catódica, contribuindo

para proteção do aço e reduzindo o risco de corrosão sob o

revestimento.

• Para que o processo de proteção catódica ocorra de forma efetiva é

processo de proteção catódica ocorra de forma efetiva é necessário que o teor de zinco metálico

necessário que o teor de zinco metálico na formulação seja suficiente

o teor de zinco metálico na formulação seja suficiente para assegurar continuidade elétrica dentro do revestimento

para assegurar continuidade elétrica dentro do revestimento e obter

excelente contato entre o zinco e o substrato metálico.

excelente contato entre o zinco e o substrato metálico. • Essas tintas são classificadas em orgânicas

• Essas tintas são classificadas em orgânicas e inorgânicas, dependendo

são classificadas em orgânicas e inorgânicas, dependendo do veículo. As inorgânicas apresentam melhor condutividade

do veículo. As inorgânicas apresentam melhor condutividade elétrica,

As inorgânicas apresentam melhor condutividade elétrica, razão pela qual exigem menor quantidade de zinco metálico

razão pela qual exigem menor quantidade de zinco metálico em pó.

pela qual exigem menor quantidade de zinco metálico em pó. SSPC Paint 20: 74% mínimo de

SSPC Paint 20: 74% mínimo de Zn em peso dos sólidos totais para

“primers”inorgânicos e 77% para os orgânicos.

• As inorgânicas tem com base silicatos alcalinos de lítio, sódio ou

potássio. Nas orgânicas, os silicatos de etila pré-hidrolisados ou

sistemas epoxi constituem o veículo. A reação química de cura

epoxi constituem o veículo. A reação química de cura envolve o respectivo veículo, umidade e CO

envolve o respectivo veículo, umidade e CO 2 (atmosfera) e o zinco.

TINTAS RICAS EM ZINCO • A especificação uma tinta rica em zinco orgânica ou inorgânica
TINTAS RICAS EM ZINCO • A especificação uma tinta rica em zinco orgânica ou inorgânica

TINTAS RICAS EM ZINCO

TINTAS RICAS EM ZINCO • A especificação uma tinta rica em zinco orgânica ou inorgânica vai

• A especificação uma tinta rica em zinco orgânica ou inorgânica vai

além de saber qual é a melhor e sim qual a mais apropriada levando-se

em consideração o ambiente onde a tinta vai trabalhar e as condições

em consideração o ambiente onde a tinta vai trabalhar e as condições

de aplicação. Normalmente as tintas ricas em zinco orgânicas dão

melhor produtividade em função de serem menos sensíveis às

produtividade em função de serem menos sensíveis às condições atmosféricas, enquanto as inorgânicas tem

condições atmosféricas, enquanto as inorgânicas tem melhor

atmosféricas, enquanto as inorgânicas tem melhor condutividade e promovem melhor contato entre o aço e o

condutividade e promovem melhor contato entre o aço e o zinco.

e promovem melhor contato entre o aço e o zinco. • As tintas epoxi ricas em

• As tintas epoxi ricas em zinco são de fácil aplicação e fáceis de

repintar.

em zinco são de fácil aplicação e fáceis de repintar. • As tintas zinco/silicato de etila

• As tintas zinco/silicato de etila devem ser aplicadas com controle

zinco/silicato de etila devem ser aplicadas com controle rígido de espessura (70 A 80 m m)
zinco/silicato de etila devem ser aplicadas com controle rígido de espessura (70 A 80 m m)

rígido de espessura (70 A 80 mm) de modo a evitar craqueamento. Ao

contrário da epoxis, normalmente, necessitam de uma tinta seladora

(“tie-coat”) antes da demão de acabamento para não prejudicar o

aspecto final da pintura (formação de bolhas imediatamente após a

pintura).

• Os silicatos inorgânicos podem ser aplicadas em maior espessura ( 75

• Os silicatos inorgânicos podem ser aplicadas em maior espessura ( 75 a 125 m m)

a 125 mm) que os silicatos orgânicos

POLIURETANOS • As tintas de poliuretano podem ser monocomponentes (curam com a umidade do ar)
POLIURETANOS • As tintas de poliuretano podem ser monocomponentes (curam com a umidade do ar)

POLIURETANOS

POLIURETANOS • As tintas de poliuretano podem ser monocomponentes (curam com a umidade do ar) e
POLIURETANOS • As tintas de poliuretano podem ser monocomponentes (curam com a umidade do ar) e