Você está na página 1de 27
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA Programa de Pós Graduação em
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE AGRONOMIA
Programa de Pós Graduação em Fitotecnia
Disciplina de Manejo do Solo
Pós Graduação em Fitotecnia Disciplina de Manejo do Solo Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do

Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do Nitrogênio

de Manejo do Solo Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do

Clever Variani

de Manejo do Solo Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do
de Manejo do Solo Agricultura de Precisão no Manejo Conservacionista do Solo e o Manejo do

Roteiro
Roteiro

Definição de AP

Surgimento

Função

Evolução

Ferramentas para a adoção do sistema

• Evolução  Ferramentas para a adoção do sistema • Sistema de posicionamento (GPS) • Sistema

Sistema de posicionamento (GPS)

Sistema de processamento (SIG)

Sensores

Funcionamento

Benefícios Potenciais

Conclusão

Introdução  O que é agricultura de precisão ? • Origem em 1929 • Evolução
Introdução
Introdução

O que é agricultura de precisão?

Origem em 1929

Evolução na guerra fria

? • Origem em 1929 • Evolução na guerra fria • Tratamento da heterogeneidade • Utilizado

Tratamento da heterogeneidade

Utilizado em pequenas propriedades

Justificativa do surgimento (mapas)

Exemplos - Variabilidade  Possíveis causas: • Fertilidade • Compactação • Classe de solo •
Exemplos - Variabilidade
Exemplos - Variabilidade

Possíveis causas:

Exemplos - Variabilidade  Possíveis causas: • Fertilidade • Compactação • Classe de solo • Drenagem

Fertilidade

Compactação

Classe de solo

Drenagem

Patógenos

Moléstias

Produtividade em Soja  Variabilidade • Investigação 5
Produtividade em Soja
Produtividade em Soja

Variabilidade

Investigação

Produtividade em Soja  Variabilidade • Investigação 5
Exemplo de Mapa de Fertilidade Latossolo Vermelho Distroférrico - Dourados MS Teores de P 6
Exemplo de Mapa de Fertilidade
Exemplo de Mapa de Fertilidade

Latossolo Vermelho Distroférrico - Dourados MS

Teores de P

Exemplo de Mapa de Fertilidade Latossolo Vermelho Distroférrico - Dourados MS Teores de P 6
Heterogeneidade Evidenciada  Excesso de N • Lixiviação do NO 3 • Custos • Qualidade
Heterogeneidade Evidenciada
Heterogeneidade Evidenciada

Excesso de N

Lixiviação do NO 3

• Custos • Qualidade
• Custos
• Qualidade
Evidenciada  Excesso de N • Lixiviação do NO 3 • Custos • Qualidade • Colheita

Colheita

Mapas?

Evidenciada  Excesso de N • Lixiviação do NO 3 • Custos • Qualidade • Colheita
Sistema de Posicionamento GPS/Navstar (EUA), Glonass (Rússia) e Galileo (Europa)  GPS (Sistema de Posicionamento
Sistema de Posicionamento
Sistema de Posicionamento

GPS/Navstar (EUA), Glonass (Rússia) e Galileo

(Europa)

GPS/Navstar (EUA), Glonass (Rússia) e Galileo (Europa)  GPS (Sistema de Posicionamento Global) •

GPS (Sistema de Posicionamento Global)

Galileo (Europa)  GPS (Sistema de Posicionamento Global) • Constelação de 24 satélites (21+3) divididos em

Constelação de 24 satélites (21+3) divididos em 6 órbitas

Altitude ± 20.200 km

Operado pelo Departamento de Defesa dos EUA

Erros (ionosfera, troposfera, reflexão, etc)

•
• Sistema de Informação Geográfica  Importância Capacidade de armazenamento • Geração de mapas •

Sistema de Informação Geográfica

Importância

Capacidade de armazenamento

Geração de mapas

Interpretação e cruzamento de dados

Base de tomada de decisão

• Geração de mapas • Interpretação e cruzamento de dados • Base de tomada de decisão

manejo

• Geração de mapas • Interpretação e cruzamento de dados • Base de tomada de decisão
• Geração de mapas • Interpretação e cruzamento de dados • Base de tomada de decisão
• Geração de mapas • Interpretação e cruzamento de dados • Base de tomada de decisão
• Geração de mapas • Interpretação e cruzamento de dados • Base de tomada de decisão

9

Semeadura – Adubação de Cobertura  Diferentes formas de avaliação da variabilidade • NDVI •
Semeadura – Adubação de Cobertura  Diferentes formas de avaliação da variabilidade • NDVI •

Semeadura Adubação de Cobertura

Diferentes formas de avaliação da variabilidade

NDVI

Condutividade elétrica

Relação

teores de argila

umidade do solo

da variabilidade • NDVI • Condutividade elétrica • Relação • teores de argila • umidade do
da variabilidade • NDVI • Condutividade elétrica • Relação • teores de argila • umidade do
da variabilidade • NDVI • Condutividade elétrica • Relação • teores de argila • umidade do
Sensores
Sensores
Sensores 11
Sensores 11

11

Contaminação e Gastos com N na Agricultura Benefícios (%) Núm. de trabalhos Tecnologia Sim Não
Contaminação e Gastos com N na Agricultura
Contaminação e Gastos com N na
Agricultura

Benefícios (%)

Núm. de trabalhos

Tecnologia

Sim

Não

Mistos

 

Adub.Var. N

63

15

22

27

 

Adub.Var. P e K

71

29

0

7

Correção de pH 75 0 25 4

Correção de pH

75

0

25

4

 

Adub. NPK geral

75

8

16

24

Adaptado de J. Lowenberg-DeBoer and Alan Hallman, 2000.

Contaminação de lençol freático

capacidade da cultura

potencial da cultivar

capacidade de retenção do solo

Taxa Variável X Uniforme Aplicação em taxa variável de N Aplicação homogênea
Taxa Variável X Uniforme
Aplicação em
taxa variável de N
Aplicação homogênea
Princípio de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz
Princípio de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz

Princípio de funcionamento

Princípio de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar
Princípio de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar

O sensor mede e analisa

a luz solar refletida pela

comunidade

de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar Luz
de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar Luz
de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar Luz

Luz solar

de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar Luz

Luz refletida

Luz refletida

de funcionamento O sensor mede e analisa a luz solar refletida pela comunidade Luz solar Luz
Aplicação em Taxa Variável Aplicação em Processamento Medição dose variável
Aplicação em Taxa Variável
Aplicação em
Processamento
Medição
dose variável
NDVI na Aplicação de N (Greenseeker)  Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de
NDVI na Aplicação de N (Greenseeker)  Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de

NDVI na Aplicação de N (Greenseeker)

Funcionamento e acessórios

de N (Greenseeker)  Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de onda • Palmtop •

16

Comprimento de onda

Palmtop

Sensor ativo

GPS

Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de onda • Palmtop • Sensor ativo GPS Fonte

Fonte de radiação

Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de onda • Palmtop • Sensor ativo GPS Fonte

Detector

Funcionamento e acessórios 16 • • Comprimento de onda • Palmtop • Sensor ativo GPS Fonte
Sensoriamento remoto em alta resolução ( Greenseeker) Palmtop e GPS (ρinfravermelho – ρvermelho) NDVI =
Sensoriamento remoto em alta resolução
(
Greenseeker)
Palmtop e GPS
(ρinfravermelho – ρvermelho)
NDVI =
(ρinfravermelho + ρvermelho)
(ρinfravermelho – ρvermelho) NDVI = (ρinfravermelho + ρvermelho) 10 med./segundo 0,8 a 1,0 m 0,6 m

10 med./segundo

0,8 a 1,0 m 0,6 m 650 770
0,8 a 1,0 m
0,6 m
650
770

Curva típica de reflectância da vegetação

60 Vegetação verde 45 770 nm NDVI = ρNIR – ρR ρNIR + ρR 650
60
Vegetação
verde
45
770 nm
NDVI = ρNIR – ρR
ρNIR + ρR
650 nm
30
ρ=reflectância
15
0
Reflectância (%)

400

Visível

700

1300

Infravermelho próximo (NIR)

2500

Infravermelho médio (SWIR)

Comprimento de onda (nm)

Adaptado de Gibson & Power (2000)

Curva de reflexão de uma comunidade de

plantas

1 160 kg/ha 120 R e kg/ha f 90 l kg/ha e x 50 i
1
160
kg/ha
120
R
e
kg/ha
f
90
l
kg/ha
e
x
50
i
kg/ha
o
n
s
Redução em função do
g
Aumento em
r
alto teor de clorofila
a
d
função
da elevada
biomassa
0
Reflectância

Wellenlänge nm

500

550

600

640660

700

740

Comprimento de onda

800


Benefícios da Aplicação em Taxa Variável
Benefícios da Aplicação em Taxa
Variável

Redução de uso de fertilizantes

Lixiviação do NO 3 e outros nutrientes 3 e outros nutrientes

Custos de adubação•

Gases de efeito estufa•

Melhor distribuição na área

Qualidade do produto•

Colheita facilitada•

Lucratividade/área•


Possíveis Benefícios da AP
Possíveis Benefícios da AP

Redução na aplicação de fertilizantes e agroquímicos

Aumento na eficiência de uso de fertilizantes

 Aumento na eficiência de uso de fertilizantes  Aumento da produtividade e rentabilidade da cultura

Aumento da produtividade e rentabilidade da cultura

Redução do impacto ambiental da atividade agrícola


Considerações
Considerações

Existência de variabilidade

Solo

Cultura

Existência de relação em rendimento e/ou qualidade do produto colhido?

Tecnologia existente é suficiente?

Econômica para os níveis de variabilidade existente?

Vantagens ao ambiente?

Tecnologia Existente
Tecnologia Existente

Amostrador de solo e compactação

Aplicador de N em taxa variável

Tecnologia Existente
Tecnologia Existente

24

 Conclusão Equipamentos diversos (amplo espectro)  Nova ferramenta para manejo da agricultura (Viável) 

Conclusão
Conclusão

Equipamentos diversos (amplo espectro)

 Conclusão Equipamentos diversos (amplo espectro)  Nova ferramenta para manejo da agricultura (Viável)  Alta

Nova ferramenta para manejo da agricultura (Viável)

Alta tecnologia Custos - maior lucratividade

Ambiente (emergente)

Muito Obrigado cleverksk@ig.com.br 26

Muito Obrigado

cleverksk@ig.com.br


Referências
Referências

GROHS, Daniel S.; BREDEMEIER, C.; MUNDSTOCK, Claudio M.; POLETTO, Nara C. Modelo para Estimativa o Potencial Produtivo em Trigo e Cevada por meio do Sensor GREENSEEKER. Engenharia. Agrícola, Jaboticabal, v.29, n.1, p.101-112, 2009.

MOLIN, José Paulo.Agricultura de precisão. Parte 1: o que é e estado da arte em sensoriamento.

Parte 1: o que é e estado da arte em sensoriamento. Engenharia Agrícola, v. 17, n.

Engenharia Agrícola, v. 17, n. 2, p. 97-107, 1997.

MOLIN, José Paulo.Agricultura de precisão. Parte 2: diagnóstico, aplicação localizada e considerações econômicas. Engenharia Agrícola, v. 17, n. 2, p. 108-121, 1997.

MOLIN, José Paulo.Agricultura de precisão o gerenciamento da variabilidade. Piracicaba, 2003. 83 p.

POVH, Fabricio Pinheiro; MOLIN, J. P.; GIMENEZ, Leandro M.; PAULETTI,Volnei; MOLIN, R.; SALVI, José

Vitor. Comportamento do NDVI obtido por sensor ótico ativo em cereais. Pesquisa Agropecuária

Brasileira, v. 43, p. 1075-1083, 2008.

WANG, Dechun; PRATO,Tony. Economic and Environmental Evaluation of Variable Rate Nitrogen em Lime Application for Claypan Soil Fields. Precision Agriculture, 4, 35-52, 2003.

EGHBALL, Bahman; SCHEPERS, J. S.; NEGAHBAN, M. Spatial and Temporal Variability of Soil Nitrate and Corn Yield: Multifractal Analysis. Agronomy Journal, v. 95, p. 339-346, 2003.

Imagens: arquivo pessoal , Rodrigo T. da Rocha e Prof. Christian Bredemeier