Você está na página 1de 5

1. O caso instrumental é usado para expressar o instrumento ou o meio da ação verbal, e.g., Piszę zadanie piórem (Estou escrevendo o trabalho com uma caneta), Jedziemy do miasta autobusem (Estamos indo à cidade de busão). Esse significado é expresso com o caso instrumental reduzido, ou seja, sem preposição.

O caso instrumental sem preposição é também utilizado para expressar tempo e o lugar de uma ação, e.g., pracować wieczorami/wieczorem (noites de trabalho/a noite), iść lasem (ir pela floresta).

Em alguns contextos o caso instrumental se preposição compete com przez (por, através) + acusativo. Compare pracować przez cały wieczór (trabalhar por toda a noite), iść przez las (ir pela floresta), pola zatopione wodą/przez wodę (campos inundados por água/com água), <<Król>> się pisze przez o kreskowane (“Król” é escrito com acento agudo).

1.1. Preposições que exigem o caso instrumental incluem z, que significa “com” de acompanhamento, e.g., Poszliśmy z Markiem do kina (ou Myśmy z Markiem poszli do kina ou My z markiem poszliśmy do kina – Marek e eu fomos ao cinema). Note que “Marek e eu” em polonês é literalmente “nós com Marek”, e não Marek i ja. Também Piję herbatę z mlekiem (Eu bebo meu chá com leite).

2.2. Cinco preposições recebem o caso acusativo em frases que denotam o objetivo de um movimento, mas recebem o caso instrumental em frases que denotam localização: przed (antes, before), za (atrás, behind), nad (sobre, above), pod (abaixo, beneath), między (entre, between).

Wyszedłem przed dom - Eu andei para fora em frente a casa

Stałem przed domem - Fiquei em pé em frente a casa

Słońce zaszło za chmurę - O Sol pôs se atrás da nuvem.

Słoń kryje się za chmurą - O Sol está escondido atrás de uma nuvem.

Nad miasto przyleciał samolot - Um avião apareceu sobre a cidade

Nad jeziorem latały ptaki - Havia pássaros voando por sobre a lago

Pies pobiegł pod stół - O cachorro correu por baixo a mesa

Pies leżał pod stołem - O cachorro estava deitado debaixo da mesa

chłopak skoczył między tramwaj i autobus - O garoto pulou entre a rua e o ônibus.

obraz wisi między oknem i szafą - O quadro está pendurado entre a janela e o armário.

2.3. Certos verbos exigem complemento no caso instrumental. Eles são verbos que expressam governança ou controle. Exemplos: władać językami obcymi (ter domínio de línguas estrangeiras), kierować sprawami firmy (dirigir o negócio de uma firma). Quando expressam movimento com as partes do corpo, os nomes que denotam o último estão no instrumental, e.g., machać ręką (abanar a mão). Um uso relacionado é visível em rzucić piłką (arremeçar a bola). Verbos acompanhados por się não podem receber complementos no acusativo e alguns deles recebem complementos no instrumental, assim como em Lekarz zajmował się chorymi (O médico estava procurando os pacientes).

2.4. O instrumental também é o caso do predicado substantivo, i.e., o nome em uma sentença com uma

ligação o qual caracteriza o sujeito. Por exemplo, em Pani Nowak jest profesorem matematyki, a Senhora Nowak é caracterizada como professora de matemática e “professora” está no caso instrumental. O predicado substantivo precisa seguir o sujeito, porque a ordem das palavras nas sentenças em polonês é determinada por seu tópico como estrutura (ch. 3, §4). Se o tópico for Warsaw e se você quiser caracterizar ela como a capital da Polônia, você diz: Warszawa jest stolicą Polski. Mas se o tópico for as capitais europeias você vai querer dizer que a capital da Polônia é Warsaw, assim você diz Stolicą Polski jest Warszawa. Em qualquer ordem de palavras, o nome genérico

é o predicativo que caracteriza o nome próprio, e nomes próprios estão no caso nominativo.

Em algumas situações jest + caso instrumental competem com to (ou jesto to, ou to jest) + caso nominativo. Por exemplo, pode-se também dizer Warszawa to stolica Polski. O to + sentença nominativa meramente identifica, enquanto que o jest + sentença instrumental provê uma

caracterização mais completa. Na situação onde a Senhora Nowak é completamente desconhecida e precisa se identificada, pode-se dizer Pani Nowak to mój profesor matematyki. Num contexto onde ela

já é conhecida e onde se deseja dizer algo mais sobre ela, pode-se dizer Pani Nowak jest zdolnym

matematykiem (Sra. Nowak é uma matemática talentosa). Quando o sujeito é um pronome pessoal, o qual assume um referente conhecido, nós escontramos somente uma pós caracterização do jest + instrumental, e.g., Jestem obywatelem Stanów Zjednoczonych (Eu sou um cidadão dos Estados Unidos). Presumidamente a pessoa com quem você está falando tenha já identificado você e espera

aprender algo sobre você.

O caso instrumental é utilizado somente com predicados substantivo. Com predicados adjetivos o caso

utilizado é o nominativo: Pani Nowak jest zdolna, Jestem zmęczony (Sra. Nowak é talentosa, estou cansado).

3. Formas do caso instrumental. Em substantivos a 1ª declinação (masculino e neutro) é a terminação em (-

iem depois de k e g). Adjetivos e pronomes concordando com substantivos masculinos e neutros recebem ym (ou im). Exemplos: z tym panem, z moim gościem, z nim.

Para nomes femininos (incluindo a 2ª declinação para substantivos masculinos) a terminação é ą. A terminação para adjetivos e pronomes é a mesma –ą. Exemplos: z tą panią, z nią, z moim kolegą. No

plural a terminação do instrumental para todos os substantivo é ami, e a terminação para adjetivos e pronomes é ymi (ou imi). Exemplos: z moimi rodzicami, z nimi.

Exepcionalmente, alguns substantivos comuns recebem uma terminação reduzida no instrumental mi. Neles estão incluídos: braćmi, księżmi, gośćmi, przyjaciółmi, ludźmi, dziećmi, e pieniędzmi.

3.1. Pronomes pessoais no caso instrumental tem três formas:

NOMINATIVO

kto

Co

ja

ty

on/ono

ona

oni/one

my

wy

--

INSTRUMENTAL

kim

czym

mną

tobą

nim

nią

nimi

nami

wami

sobą

Os pronomes na 3ª pessoa começam com n mesmo não tendo preposição antes. Por exemplo: Córka ma nową nauczycielkę angielskiego. Jest nią pani Collins.

Antes do grupo de consoante inicial mną as preposições adquirem um e: ze mną, przede mną, etc.

3.2. Números cardinais no caso instrumental são dwoma (para feminino opcionalmente dwiema),

trzema, czterema. Para “cinco” e maiores que cinco, a terminação do instrumental é –oma (pięcioma, sześcioma, dziesięcioma, jedenastoma, kilkoma, etc.), a qual deve ser utilizada quando nenhum substantivo vem em seguida. Em outros contextos a forma oblíqua u pode ser utilizada. Então assim

pode-se dizer Rozmawiałem z pięciu kolegami assim como

z pięcioma kolegami.

4. Advérbios são palavras que não se flexionam e que modificam verbos (mówić po polsku falar polonês) , adjetivos (bardzo ciekawa muito interessante), ou outros advérbios (tylko dzisiaj apenas hoje). Eles também funcionam como predicado em senteças sem sujeito (Nam było ciepło [Estávamos com calor]).

Alguns advérbios são primários (bardzo, tylko), mas a maioria é derivada, principalmente de adjetivos (ciepło < ciepły, po polsku < polski) mas também de substantivos (czasem [às vezes] < czas [vez], na dole [abaixo] < dół [cova]).

4.1. A maneira mais produtiva de formar advérbios é com os sufixos o e e adicionados as raízes de

adjetivos que expressam qualidades. (Adjetivos que expressam relações, assim com tylny [atrás] < tył

[traseira], não forma advérbios.)

-e causa suavização na consoante da raiz. Então adjetivos com raízes terminadas em k, g, ou ch escolhem o como um jeito de evitar essa mudança de consoante (assim com em bookish srodze

[extremamente] < srogi [severo]). Exemplos: prędko (rapidamente, logo), długo (longo, demorado), cicho (silenciosamente).

Um advérbio nunca coincide com a forma do adjetivo correspondente nominativo-acusativo singular neutro. Então ładnie (bem, nicely) difere de ładne (linda, nice), dobrze (bem, well) de dobre (bom, good), e długo (por muito tempo, for a longo time) de długie (longo, long). Então quando a raiz do adjetivo é uma raiz não básica, a qual não se suaviza, ela sempre recebe o sufixo o. Então tanio (barato, cheaply) difere de tanie (barato, cheap) e głupio (estupidamente) de głupie (estúpido).

Além dessas, não há um regra geral para prever se um adjetivo será um advérbio com o ou e. Raízes terminadas em consoante labial tendem a receber o: słabo (fracamente), łatwo (facilmente), wiadomo (conhecido) (mas ciekawie [curiosamente] e łaskawie [graciosamente]). Raízes terminadas no sufixo n- ou ł- recebem e-: grzecznie (polidamente), zwykle (usualmente), ściśle (precisamente).

5. Comparações. A qualidade expressada por um adjetivo qualitativo ou advérbio pode ser apresentada por um nível maior ou menor: alguém pode ser mais esperto ou falar mais rápido que outro alguém. Correpondente ao sufixo er do inglês, o polonês tem um sufixo sz- comparativo e um sufixo ej- comparativo para advérbios.

5.1. Comparação de adjetivos. Como o er no inglês, -sz- no polonês não é utilizado com adjetivos

derivados de particípios. Assim como intressante é comparado com mais interessante e cansado com mais cansado, então em polonês interesujący (interessante) é comparado com bardziej interesujący e zmęczony (cansado) com bardziej zmęczony.

Para muitos adjetivos primários (aqueles que não são particípios), o comparativo pode ser formado adicionando o sufixo comparativo sz- à raiz. Exemplos: stary (velho) > starszy (mais velho), tani (barato) > tańszy (mais barato), długi (longo) > dłuższy (mais longo). Note que sz- às vezes suaviza a consoante precedente.

Quando a raiz do adjetivo termina em mais que uma consoante então se adicionássemos sz- resultaria num conjunto de consoantes difícil de ser pronunciado, ele é precedido por ej-. Então: ładny (bonito) > ładniejszy (mais bonito), łatwy (fácil) > łatwiejszy (mais fácil). Note que ej- suaviza a consoante precedente.

Ao formar comparativos, o sufixo k- (também ok- e ek-) é omitido. Então: blizki (perto) > (bliższy (mais perto), wysoki (alto) > wyższy (mais alto), daleki (distante) > dalszy (mais distante).

5.2. Comparação de advérbios. O sufixo ej- causa a suavização da consoante precedente. Exemplos:

łatwo (facilmente) > łatwiej (mais facilmente), cicho (silenciosamente) > ciszej (mais silenciosamente),

długo (por muito tempo) > dłużej (por muito tempo), grzecznie (polidamente) > grzeczniej (mais polidamente).

Na comparação de adjetivos, os sufixos k-, -ok-, e ek- são omitidos. Então: prędko (rapido, logo) > prędzej (mais rapido, sooner), blisko (perto) > bliżej (mais perto), wysoko (alto) > wyżej (mais alto). Como esses exemplos mostram, o tipo de suavização causada por ej- nem sempre é previsível.

5.3. Alguns poucos adjetivos e advérbios têm comparativos supertativos.

“Bom”: dobry > lepszy, dobrze > lepiej;

“Ruim”: zły > gorszy, źle > gorzej;

“Grande”: duży > (também wielki[great]) > większy, dużo > więcej;

“Pequeno”:mały > mniejszy, mało > mniej.

5.4. “Than”, “Que” (comparado a), depois de um adjetivo ou advérbio é niż. Exemplos: Marysia jest mądrzejsza, niż Janek, Janek śpiewa ładniej, niż Marysia. Onde o adjetivo comparativo é seguido por niż e o caso nominativo, od + genitivo pode ser substituido. Então em To pióro jest lepsze, niż tamto, mas não em Chciałbym napisać list lepszem piórem, niż to.

6. Superlativo. O grau do superlativo de um adjetivo ou advérbio é formado prefixando naj- ao comparativo. Exemplos: starszy > najstarszy, ładniejszy > najładnieszy, łniej > najładniej, bardziej interesujący > najbardziej interesujący.

O grau do superlativo é sempre seguido por z (de), e.g., Greka jest najtrudniejszym z języków obcych, których uczą na uniwersytecie (Grego é a língua estrageira mais difícil que eles ensinam na universidade).