Você está na página 1de 205

Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.

com)

Olá, sou !EDUTSE, o bruxo


dos concursos! Se vc olhar
bem no fundo dos meus
olhos, e se interessar por
mim, de verdade, farei
VOCÊ passar no concurso!
Acredite!!!

1
2
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Brasília/DF
Prof Marcus Belfort – 2009
„ Aos que sabem pouco: pressa! Estudem! Vocês fizeram
opção pelo concurso mais difícil do País e por uma das
melhores profissões que se pode ter. Macte animo,
generose puer, sic itur ad astra!
„ Aos que sabem muito: paciência! Vocês fizeram a opção
de estudar em grupo e precisam ser tolerantes com as
diferenças. Sursum corda!
„ A Deus, iluminai-nos, todos, nessa Maratona, em direção
ao sucesso, na medida da nossa determinAÇÃO, do nosso
trabalho cotidiano e da nossa grandeza de espírito!

(quem não sabe latim, pode falar comigo depois da aula)


Sondagem inicial

„ O que é bit?
„ Qualquer unidade de informação que tenha apenas dois estados

„ O que é middleware?
„ Camada de conexão entre dois programas (é software também).

„ Conector SATA pode ser chamado de IDE?


„ Sim, mas não é a prática usual (ATA = IDE).

„ Trilhas do HD: começa a contagem de onde?


„ A partir da borda para o centro.

„ O que é cache hit e cache miss?


„ Acerto e erro quando algum dado é buscado no cache.

„ O que é um PC (program counter)?


„ O ponteiro de instruções aponta para a próxima instrução a ser executada (PC).

„ Quantos clocks tem um computador?


„ Somente um.

„ O que é UNICODE?
„ Sistema de codificação de caracteres muito usando em páginas WEB.

4
A todos eu lembro:

Teoria é um mal necessário.


O que vai, verdadeiramente,
nos prontificar para o sucesso é
resolver questões de provas.
Façamos algumas!
6
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
PARTE I
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Representação da Informação

1. Sistemas de Numeração

2. Sistemas de Codificação

3. Aritmética Computacional

7
8
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

1. Sistemas de Numeração
Sistemas numéricos posicionais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ A idéia de número é uma abstração matemática


„ Números são representados por dígitos
„ Sistema Numérico
„ Símbolos para representar quantidades numéricas
„ É posicional porque: valor de um dígito depende
„ do símbolo utilizado e
„ da posição ocupada
„ Sistema Decimal
„ Cada dígito é multiplicado por uma potência da base 10
„ 982310 = (9x103) + (8x102) + (2x101) + (3x100)
„ Sistema Binário
„ Cada dígito é multiplicado por uma potência da base 2
„ 10012 = (1x23) + (0x22) + (0x21) + (1x20)
„ Significância dos dígitos
„ Quanto mais à direita Îmenos significativo (LSB)
„ Quanto mais à esquerdaÎmais significativo (MSB)
9
Sistemas numéricos
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

SISTEMA BASE SÍMBOLOS USO

Decimal 10 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 humano

Binário 2 0, 1 computadores digitais

facilitar a
Octal 8 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 representação binária

0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, facilitar a
Hexadecimal 16 8, 9, A, B, C, D, E, F representação binária

10
Sistemas numéricos (tabela de equivalência)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

DECIMAL (10) BINÁRIO (2) OCTAL (8) HEXADECIMAL (16)


0 0000 0 0
1 0001 1 1
2 0010 2 2
3 0011 3 3
4 0100 4 4
5 0101 5 5
6 0110 6 6
7 0111 7 7
8 1000 10 8
9 1001 11 9
10 1010 12 A
11 1011 13 B
12 1100 14 C
13 1101 15 D
14 1110 16 E
15 1111 17 F
11
Sistemas numéricos : conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base decimal para uma base qualquer: N(10) para M(X)


„ divida N por X até Q = 0
„ Inverso dos restos (do último para o 1º) = M
„ Ex: 125(10) = M(2) (decimal para binário)

N X Q R
(número) (base) (quociente) (resto)
125 2 62 1
2 31 0
2 15 1
2 7 1
2 3 1
2 1 1
2 0 1
„ 125(10) = 1111101(2) (faça a prova com a operação inversa)
„ Confira o resultado com a calculadora do Windows
12
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base decimal para uma base qualquer: N(10) para M(X)


„ divida N por X até Q = 0
„ Inverso dos restos (do último para o 1º) = M
„ Ex: 318(10) = M(16) (decimal para hexadecimal)

N X Q R
(número) (base) (quociente) (resto)
318 16 19 14 14(10) = E(16)

16 1 3
16 0 1
„ 318(10) = 13E(16)

13
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base qualquer para a base decimal: M(X) para N(10)


„ Multiplique cada dígito de M por X(potência da posiç
posição)

„ (em outras palavras: calcule o valor posicional de cada dígito de M)


„ Some esses valores
„ Ex: 1111101(2) = N(10) (binário para decimal)

64 32 16 8 4 2 1
base 26 25 24 23 22 21 20
M 1 1 1 1 1 0 1
valor
posicional
64 + 32 + 16 + 8 + 4 + 0 + 1 = 125
„ 1111101(2) = 125(10)

14
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base qualquer para a base decimal: M(X) para N(10)


„ Multiplique cada dígito de M por X(potência da posiç
posição)

„ (em outras palavras: calcule o valor posicional de cada dígito de M)


„ Some esses valores
„ Ex: 13E(16) = N(10) (hexadecimal para decimal)
256 16 1
base 162 161 160
M 1 3 E
valor + + =
posicional
256 48 14 318
„ 13E(16) = 318(10)
E(16) = 14(10)

15
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base binária para a base hexadecimal: N(2) para M(16)


„ Basta usar a tabela de equivalência, de forma direta
„ Separe N em grupos de 4 dígitos (da direita para esquerda)
„ Complete o grupo da esquerda com zeros à esquerda, se preciso
„ Para cada grupo resultante, veja o valor equivalente na tabela
„ Ex: 1111101(2) = M(16) (binário para hexadecimal)

N 0 1 1 1 1 1 0 1
M 7 D
„ 1111101(2) = 7D(16)

„ Base hexadecimal para a base binária: M(16) para N(2)


„ Use a tabela no sentido contrário ao demonstrado acima
„ Ex: 7D(16) = 1111101(2) (hexadecimal para binário)

16
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base binária para a base octal: N(2) para M(8)


„ Basta usar a tabela de equivalência, de forma direta
„ Separe N em grupos de 3 dígitos (da direita para esquerda)
„ Complete o grupo da esquerda com zeros à esquerda, se preciso
„ Para cada grupo resultante, veja o valor equivalente na tabela
„ Ex: 1111101(2) = M(8) (binário para octal)

N 0 0 1 1 1 1 1 0 1
M 1 7 5
„ 1111101(2) = 175(8)

„ Base octal para a base binária: M(8) para N(2)


„ Use a tabela no sentido contrário ao demonstrado acima
„ Ex: 175(8) = 1111101(2) (octal para binário)

17
Sistemas numéricos: conversões
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Base octal para a base hexadecimal: N(8) para M(16)


„ Converta octal para binário e, depois, para hexadecimal
„ Base hexadecimal para a base octal: M(16) para N(8)
„ Converta hexadecimal para binário e, depois, para octal

Lembrar:
DECIMAL Î BASE QUALQUER: DIVISÕES SUCESSIVAS
BASE QUALQUER Î DECIMAL: MULTIPLICAÇÕES SUCESSIVAS

„ Operações aritméticas com números em base não decimal:


„ Transforme tudo para decimal
„ Efetue as operações
„ Converta o resultado para a base existente nas respostas
„ Conversão de bases com números fracionários
„ Não será abordado neste curso
„ Não tem sido cobrado em concursos (nada impede que seja)
„ Esse assunto é: “Sistemas numéricos” (vide Google).

18
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Representação da Informação

2. Sistemas de Codificação

19
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
2. SISTEMAS DE CODIFICAÇÃO

„ Tabela dos principais sistemas de codificação


„ Características de cada sistema
„ BCD
„ EBCDIC
„ ASCII
„ ISO
„ UNICODE
„ UTF-8
„ UTF-16
„ UTF-32

20
PRINCIPAIS SISTEMAS DE CODIFICAÇÃO
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Letra “A”
CÓDIGO Bits ISO Obs.
(em hexa)
não pertinente
BCD(8421) 4 --- (só dígitos)
ex: 148= 0001 0100 1000

EBCDIC 8 --- C1 obsoleto (IBM)

ASCII 8 646 41 duas páginas

ex: 8859-1 = Latin 1


ISO 8 8859-X 41
(integra o Europeu Ocidental)

UTF-8 8/16/24/32 41 + usado (WEB e email)

Unicode
(UCS) UTF-16 16/32 10646 00 41

UTF-32 32 00 00 00 41

21
BCD – Binary Coded Decimal
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (Decimal Codificado em Binário)

„ Codificação numérica muito usada em


„ Informática e sistemas digitais eletrônicos
„ Padrão de codificação decimal em circuitos integrados
„ Representa dígitos decimais de 0 a 9
„ Cada dígito decimal é representado por 4 bits
„ Cada bit considera seu valor posicional: 8, 4, 2, 1
„ Requer hardware mais complexo (operações aritméticas)
„ Gasta mais memória
0 0000
1 0001
2 0010
3 0011
Decimal BCD
4 0100 100 0001 0000 0000
5 0101 834 1000 0011 0100
6 0110
0,764 0.0111 0110 0100
7 0111
8 1000
9 1001

22 BCD também é o nome de um antigo código de 6 bits, não mais utilizado


EBCDIC – Extended Binary Coded Decimal Interchange Code
(Código Ampliado de “Decimal Codificado em Binário” para Troca de Dados)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

23
Este código era usado apenas nos computadores da IBM (hoje, está obsoleto)
ASCII - American Standart Code for Information Interchange
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (Código Padrão Americano para Troca de Informação)

„ Representa todos os caracteres do teclado


„ Possui, ao todo, 128 caracteres (7 bits)

„ Tabela ASCII Padrão (128 símbolos)


„ Contida no BIOS
„ É a mesma em todo o mundo
„ Utiliza 7 bits
„ Quando se diz Tabela ASCII (apenas): é essa!

„ Tabela ASCII Estendida (128 símbolos)


„ Contida no Sistema Operacional
„ Uma para cada idioma
„ Utiliza 8 bits
„ Surge ao se acrescentar mais um bit à tabela
(vide tabelas a seguir)
24
Padrão
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Experimente:
em qualquer área de
edição de texto,
mantenha apertada
a tecla ALT
(esquerda) e digite,
no teclado numérico,
o número 035.
O que apareceu?
Por que isso
acontece?
25
Estendida
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Idioma: Português

Agora, faça a mesma


coisa, com os números:
• 128
• 135
• 166
• 167
O que apareceu?
26
ISO – International Standardization Organization
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (Organização Internacional de Padronização)

„ Existem diversas normas e padrões da ISO


„ ISO-8859-X: códigos para todos os idiomas
„ ISO-8859-1: Latin 1 (idiomas latinos – página 1)*

*Compõe uma extensão do código ASCII, a partir do caractere 160 (decimal)


27 *Integra o conjunto de páginas “Europeu Ocidental”
UNICODE (Universal Character Set)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) Conjunto Universal de Caracteres

„ Cobre quase todos os idiomas do mundo


„ Visa criar uma padronização mundial única

Arabic Khmer
Armenian Lao
Bengali Latin
Canadian Syllabics Malayalam
Cherokee Mongolian
Cyrillic Myanmar
Devanagari Ogham
Ethiopic Oriya
Georgian Panjabi
Greek Runic
Gujurati Sinhala
Gurmukhi Syriac
Han Tamil
Hangul Telugu
Hebrew Thaana
Hiragana Thai
Kannada Tibetan
Katakana etc...

•BMP (Plano Multilingual Básico): primeiros 65.536 “code points” (caracteres)


•SMP (Plano Multilingual Suplementar)
28
UNICODE (Universal Character Set)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) Conjunto Universal de Caracteres

„ Tem várias formas de representação

A ‫א‬ 好
Code point U+0041 U+05D0 U+597D U+233B4
UTF-8 41 D7 90 E5 A5 BD F0 A3 8E B4
UTF-16 00 41 05 D0 59 7D D8 4C DF B4
UTF-32 00 00 00 41 00 00 05 D0 00 00 59 7D 00 02 33 B4
O “code point” do caractere é único, mas, a representação pode variar em cada UTF:

„ UTF-8
„ 1 byte para representar caracteres do conjunto ASCII
„ 2 bytes para representar caracteres em vários blocos alfabéticos
„ 3 bytes para o restante do Plano Multilingual Básico (BMP)
„ 4 bytes para caracteres do Plano Multilingual Suplementar (SMP)
„ UTF-16
„ 2 bytes para representar caracteres do BMP
„ 4 bytes para representar caracteres do SMP
„ UTF-32
„ 4 bytes para qualquer caractere

UTF = Unicode Transformation Format (Formato de Transformação Unicode)


29
30
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Página WEB em ISO 8859-1
Página WEB em ISO 8859-1, vista como UTF-8
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

31
32
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Página WEB em UTF-8
Página WEB em UTF-8, vista como ISO 8859-1
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

33
34
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
UNICODE: Mapa de caracteres do Windows
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Representação da Informação

3. Aritmética Computacional

35
3. ARITMÉTICA COMPUTACIONAL
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Representação numérica
„ Números inteiros (com sinal)
„ Notação em Sinal e Magnitude
„ Notação em Complemento de 1
„ Notação em Complemento de 2
n-1
„ Notação em Excesso (de 2n-1)
„ Números reais
„ Em Ponto Fixo
„ Em Ponto Flutuante
„ Principais operações
„ Lógicas
„ Aritméticas

36
Representação Numérica
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Números inteiros (com sinal)


„ Notação em Sinal e Magnitude

„ Notação em Complemento de 1

„ Notação em Complemento de 2
n-1
„ Notação em Excesso (de 2 )

37
Notação em Sinal e Magnitude
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Bit mais a esquerda representa o sinal


0 indica positivo
„
„ 1 indica negativo
„ Demais bits representam a magnitude
„ n = quantidade bits para representação (sinal+nº)
„ Ex: Para n = 4 Î -410 = 11002
„ Intervalo de representação (usando n bits)
n-1 n-1
„ [(-2 +1);(2 -1)] Î para n=4 Î [-7;7]
„ Características
„ É um sistema simétrico (&
( )
„ Duas representações para o zero ('
( )
„ Implementação complexa em sistemas digitais ('( )
-7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 0 1 2 3 4 5 6 7
-111 -110 -101 -100 -011 -010 -001 -000 +000 +001 +010 +011 +100 +101 +110 +111

1111 1110 1101 1100 1011 1010 1001 1000 0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111

38 Exemplo: Para n=4 Î Notação em Sinal e Magnitude


Notação em Complemento de 1
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Bit mais a esquerda representa o sinal


„0 indica positivo
„ 1 indica negativo
„ Inverte todos os bits do nº original (quando negativo)
„ n = quantidade bits para representação (sinal+nº)
„ Para n = 4 Î +7 = 0111 e –7[1] = 1000 (em complemento de 1)
„ Intervalo de representação (usando n bits)
n-1 n-1
„ [(-2 +1);(2 -1)] Î n=4; [-7;7]
„ Características
„ É um sistema simétrico (&)
„ Regras iguais para + e – (porém, usa duas operações)(')
„ Duas representações para o dígito zero ('( )
„ Não é mais utilizado em sistemas digitais ('
( )
-7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 0 1 2 3 4 5 6 7
-111 -110 -101 -100 -011 -010 -001 -000 +000 +001 +010 +011 +100 +101 +110 +111

1000 1001 1010 1011 1100 1101 1110 1111 0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111

39
Exemplo: Para n=4 Î Notação em Complemento de 1
Notação em Complemento de 2
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Bit mais a esquerda representa o sinal


„0 indica positivo
„ 1 indica negativo
„ Inverte todos os bits do nº original e soma 1 ao resultado
„ n = quantidade bits para representação (sinal+nº)
„ Para n = 4 Î +7 = 0111 e –7[2] = 1001 (em complemento de 2)
„ Intervalo de representação (usando n bits)
n-1 n-1
„ [(-2 );(2 -1)] Î n=4; [-8;7]
„ Características
„ É um sistema assimétrico (' ( )
„ Apenas uma representação para o dígito zero (& ( )
„ Regras iguais para + e – (usa apenas uma operação) (&)
„ É amplamente empregado nos sistemas digitais atuais (& ( )
-8 -7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7
-111 -110 -101 -100 -011 -010 -001 +000 +001 +010 +011 +100 +101 +110 +111

1000 1001 1010 1011 1100 1101 1110 1111 0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111

40
Exemplo: Para n=4 Î Notação em Complemento de 2
n-1
Notação em Excesso ou Deslocada (de 2n-1)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Bit mais à esquerda representa o sinal


„1 “indica” positivo (contrário do sistema anterior)
„ 0 “indica” negativo (contrário do sistema anterior)
„ O nº é expresso na forma de uma soma (excesso)
„ n = quantidade bits para representação (sinal+nº)
n-1
„ X10 = X10 + (2 )10
„ Ex: Para n = 4; X=-5 Î -510 = (-510 + 810) = 310 = 00112
„ Intervalo de representação (usando n bits)
n-1 n-1
„ [(-2 );(2 -1)] Î n=4 Î [-8;7]
„ Características
„ É um sistema assimétrico (' ( )
„ Apenas uma representação para o dígito zero (& ( )
„ Não existem números negativos

-8 -7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7
-8+8 -7+8 -6+8 -5+8 -4+8 -3+8 -2+8 -1+8 0+8 1+8 2+8 3+8 4+8 5+8 6+8 7+8
0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111 1000 1001 1010 1011 1100 1101 1110 1111
n-1
41
Exemplo: Para n=4 Î Notação em excesso de 8 (2n-1)
Representação Numérica
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Números reais
„ Em Ponto Fixo

„ Em Ponto Flutuante

42
Números reais (em ponto fixo)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Nos reais tb podem ser expressos em potências de qq base


„ 1997.1610 =1×103+9×102+9×101+7×100+1×10−1+6×10−2
„ 1001.1012=1x23+1x20+1x2-1+1x2-3

„ Computadores dos anos 60/70 usavam ponto fixo


„ Posição do ponto é fixa: sempre após o último dígito inteiro
„ Quantidade de casas decimais é constante em cada máquina
„ Exemplos:
„ 7.01
„ 7.012
„ 7.0127
„ 1001.01
„ 1001.0110

„ Nº máximo de inteiros representáveis por n algarismos= bn


„ Exemplo: b (base) = 2; n (quantidade de bits) = 8
„ Quantidade máxima de números representáveis = 28 = 256

Esta representação não tem sido cobrada em concursos


43 No Brasil, usamos a vírgula como separador dos decimais
Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Quantidade de números representáveis (≈ notação científica)


„ Independe da quantidade de algarismos significativos
„ Depende da posição do ponto (flutuante) e do expoente
„ 6.440.00010 = 64,4 x 105 = 6,44 x 106 = 0,644 x 107
ƒ Sinal +; Fração = 0,644; Expoente = 7; Base = 10
„ -100112 = -10011. x 20 = -1001.1 x 21 = -0.10011 x 25
ƒ Sinal -; Fração = 10011; Expoente = 5; Base = 2
e
„ Forma geral: N = s * m * b
„ N = é o número real representado
„ s = sinal
„ m = mantissa (ou fração ou significando)
„ e = expoente
„ b = base 2 (sempre)
„ Precisão Í quantidade de dígitos da mantissa
„ Intervalo Í quantidade de dígitos do expoente

44
Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ O bit mais à esquerda guarda o sinal do número


„ bit = 0 => número positivo (+)
„ bit = 1 => número negativo (-)
„ Não se usa mais a notação de complemento de 2
„ A mantissa é representada na forma normalizada (base binária)
„ Algarismo 1; ponto de separação; fração: 1.xxxxx
„ Não se usa, portanto, a forma científica tradicional: 0.1xxxx

„ Não são armazenados (porque são comuns a todos os nos)


„ Algarismo 1
„ Ponto de separação
„ Base binária (o nº 2)

„ Expoente: é representado na notação deslocada (excesso de N)


„ Menor expoente representável: -(2n-1 - 1) = 00...00 (tudo 0)
„ Maior expoente representável: 2n-1 = 11...11 (tudo 1)
„ Representação do 0 = 01...11 (0 seguido de “uns”)
„ Representação do 1 = 10...00 (1 seguido de zeros)

„ Fração: completa com zeros (à direita) quando necessário

45
Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Menor expoente Maior expoente


N representável representável 0 (zero) 1 (um)
-(2n-1 - 1) 2n-1
-7 +8
4 0111 1000
(0000) (1111)
-127 +128
8 01111111 10000000
(00000000) (11111111)

-7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7 8
-7+7 -6+7 -5+7 -4+7 -3+7 -2+7 -1+7 0+7 1+7 2+7 3+7 4+7 5+7 6+7 7+7 8+7
0000 0001 0010 0011 0100 0101 0110 0111 1000 1001 1010 1011 1100 1101 1110 1111

e -127 -126 ... -1 0 1 ... 127 128

-127+127 -126+127 ... -1+127 0+127 1+127 ... 127+127 128+127


E 00000000 00000001 ... 01111110 01111111 10000000 ... 11111110 11111111
E 0 255

Forma = s * (m) * b(e) e = expoente representável (base 10)


Forma = s * (1,F) * 2(E-127) E = expoente armazenado (base 2)
46
Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Formatos de representação
Ocupa Bits (por segmento) Intervalos
Precisão Nome
(bits) Sinal Expoente Fração expoente Nº decimal

SIMPLES 32 Float 1 8 23 2-127 a 2+128 ≈ 10-38 a 10+38


DUPLA 64 Double 1 11 52 2-1023 a 2+1024 ≈ 10-308 a 10+308
Double
ESTENDIDA 80 Extended (não será abordado)

Exemplos Î Forma = s * (1,F) * 2(E-127)


S E (8b) F (23b) Forma N10 N10
0 10000000 00000000000000000000000 +1.0 x 21 2 2
0 10010011 10100010000000000000000 +1.1010001 x 210100 1,6328125 x 220 1712128
1 10010011 10100010000000000000000 -1.1010001 x 210100 -1,6328125 x 220 -1712128
0 01101011 10100010000000000000000 +1.1010001 x 2-10100 1,6328125 x 2-20 0,00000156
1 01101011 10100010000000000000000 -1.1010001 x 2-10100 -1,6328125 x 2-20 -0,00000156

47
Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Não são igualmente espaçados (como no Ponto Fixo)


„ Formam intervalos de módulos crescentes (a partir do zero)
„ decorrentes da precisão (mantissa)
„ cujos valores dependem da região numérica (= expoente)
„ Resultados não exatos serão arredondados p/ a notação + próxima
„ erro relativo causado: é o mesmo em qualquer região
„ Intervalos não representáveis (fora das possibilidades do sistema)
„ Overflow: quando o expoente é muito grande para o campo
„ Underflow: quando o expoente é muito pequeno para o campo
Representação dos Reais em Ponto Flutuante

48 Ponto Flutuante em “Precisão Simples”: intervalo de representação


Números reais (em ponto flutuante): IEEE 754
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Outras representações
S E (8b) F (23b) N Significado
0 00000000 00000000000000000000000 + 0
zero
1 00000000 00000000000000000000000 -0
0 11111111 00000000000000000000000 + ∞ Tratar eventos incomuns (ou overflow)
(p/ não interromper o processamento)
1 11111111 00000000000000000000000 - ∞
x 11111111 xxx...xxx ≠ 0 NaN* - Tratar operações inválidas: 0/0; ∞-∞; ∞/∞; 0*∞; x-1/2 (x<0)

x 00000000 xxx...xxx ≠ 0 Tratar casos de underflow Î shift à direita até que E = -127

*NaN (Not a Number): representação criada para lidar com operações inválidas
49
Principais operações
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Lógicas

„ Aritméticas

50
Lógicas: operadores lógicos (portas lógicas)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

51
Aritméticas

Aritmética binária
„ Soma
„ Subtração
„ Multiplicação
„ Divisão
Soma de números binários

1
0 0 1 1
+0 +1 +0 + 1
0 1 1 10 vai um

11 11 Conferindo:
11001 25
+ 1011 +11
100100 36
Subtração de números binários

0 1 1 0
-0 -0 -1 -11
0 1 0 1 empresta um

Conferindo:
101 5
- 110 -2
011 3
Subtração como soma de complemento

„ Subtração = [complemento do subtraendo] + [minuendo]


„ No sistema decimal: complemento de 6 = 4
„ Logo:

Minuendo 8 8
Subtraendo -6 +4
2 12

abandona
Subtração por complemento de 1

51 110011
-18 - 010010 C[1] = 101101
33
110011
+ 101101
abandona 1100000
+ 1 Soma 1 ao resultado

100001 Resultado final


Subtração por complemento de 2

51 110011
-18 - 010010 C[2] = 101110
33
110011
+ 101110
abandona 1100001 Resultado final
Multiplicação e divisão binárias

11001 11001 |10


x 10 -10 110
00000 010
11001 -10
110010 0001
Soma de números binários em complemento de 2
Avaliação de overflow (estouro)
„ Some os dois números em complemento de 2
„ Se ocorrer o carry (vai um):
„ Sobre o bit de sinal E após o bit de sinal:correto!
„ Sobre o bit de sinal OU após o bit de sinal: estouro
„ Ou seja: havendo apenas um carry = estouro!
„ Se não ocorrer carry: correto!
„ Exemplos para n = 4 (4 bits)

5 0101
+6 + 0110
11 1011 Carry só sobre o bit de sinal: estouro!

5 0101
+2 + 0010
7 0111 Não ocorreu carry: OK!
Soma de números binários em complemento de 2
Avaliação de overflow (estouro)

5 0101
-6 + 1010
-1 1111 Não ocorreu carry: OK!

6 0110
-5 + 1011
1 0001 Carry sobre o bit de sinal e após: OK!

-5 1011
-6 + 1010
-11 0101 Carry só após o bit de sinal: estouro!
Caso
Caso haja
haja maior
maior interesse,
interesse, consulte:
consulte:
http://www.icea.gov.br/ead/anexo/
http://www.icea.gov.br/ead/anexo/
http://iris.sel.eesc.sc.usp.br/sel414/05 -Aritmetbin.pdf
http://iris.sel.eesc.sc.usp.br/sel414/05-Aritmetbin.pdf

(além de
(além de outras
outras centenas
centenas de
de referências
referências no
no Google)
Google)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) PARTE II

Prof Marcus Belfort – 2009


Brasília/DF
62
Para meditar...
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

"Para não arrefecerdes, imaginai


que podeis vir a saber tudo; para
não presumirdes, refleti que, por
muito que souberdes, o CESPE
ainda pode te surpreender.“
(Rui Barbosa e Marcus Belfort)

63
64
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

História
Charles Babbage e a Máquina Analítica

O pai do computador?
65
66
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Máquina de Turing
John von Neumann
(e a sua proposta de arquitetura de computador)

Qual a grande sacada de Von Neumann?


67
Gerações dos computadores
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ 1ª geração: válvulas

„ 2ª geração: transistores

„ 3ª geração (e acima): circuitos integrados (chips)


„ fabricados a partir do silício
„ geração depende da escala de integração*
„ LSI (larga escala de integração)
„ VLSI (muito larga escala de integração)
„ ULSI (ultra larga escala de integração)

*10 milhões de microtransistores por mm2


(microtransistor < vírus da gripe)

68
Qual a medida usual da tecnologia de fabricação de chips?
69
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Bits e Bytes
Características dos computadores
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Têm algumas semelhanças com o cérebro humano


„ Têm área de processamento e memórias
„ Trabalham apenas com sinais elétricos
„ Sinais elétricos são de dois níveis (simplifica o hardware)
„ Baixo = representado por 0
„ Alto = representado por 1
„ Logo, usam linguagem binária (tem apenas dois símbolos)
„ Também chamada de linguagem de máquina
„ Envolve conhecimento do sistema numérico binário
„ Os dados e programas são convertidos para esse tipo de sinal

70 Qual a definição genérica para “bit”?


Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Sistemas binários

„ BIT (b) = binary digit (dígito binário)


„ Toda unidade de informação com apenas 2 estados
„ Moeda, lâmpada, sinal elétrico do computador
„ Podem representar qualquer número
„ 2 bits = 4 estados ou significados: 00 01 10 11
„ 3 bits = 8 estados: 000 001 010 011 100 101 110 111
„ 4 bits = 16 estados
„ 5 bits = 32 estados
„ 6 bits = 64 estados
„ Total de estados = 2(nº(nº de bits)

„ BYTE (B) = binary term (termo binário)


„ É um conjunto de 8 bits (sempre)
„ Tem 256 estados (significados) = 28
„ Unidade de medida da quantidade de informação
O que é um Nibble? E um octeto? O que é uma Word? Que espaço ocupa 1 bit? Como ocupa?
71
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) Múltiplos do byte
1024 ZB 1 YB yottabyte 280 B = 10248 B

1024 HB 1 ZB zettabyte 270 BB = 10247 B

1024 PB 1 EB exabyte 260 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 TB 1 PB petabyte 250 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 GB 1 TB terabyte 240 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 MB 1 GB gigabyte 230 B = 1024 x 1024 x 1024 B

1024 KB 1 MB megabyte 220 B = 1024 x 1024 B

1024 B 1 KB kilobyte 210 B = 1024 B

1 HB = toda informação contida na biblioteca do Congresso dos EUA


72
1 HB = toda nova informação escrita produzida no mundo a cada dois anos
Múltiplos do byte
(IEEE 1541)2002
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

1024 ZiB 1 YiB yobibyte 280 B = 10248 B

1024 EiB 1 ZiB zebibyte 270B = 10247 B

1024 PiB 1 EiB exbibyte 260 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 TiB 1 PiB pebibyte 250 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 GiB 1 TiB tebibyte 240 B = 1024 x 1024 x 1024 x 1024 B

1024 MiB 1 GiB gibibyte 230 B = 1024 x 1024 x 1024 B

1024 KiB 1 MiB mebibyte 220 B = 1024 x 1024 B

1024 B 1 KiB kibibyte 210 B = 1024 B

Essa codificação já foi adotada oficialmente em vários países, mas é pouco utilizada
73
74
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Tipos de Computadores
Tipos de computadores (corte analítico + alto)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ ANALÓGICO
„ Lidam com grandezas físicas contínuas
„ Servem para medir
„ Termômetro de mércurio

„ Relógio com ponteiros

„ Termostato da geladeira

„ DIGITAL
„ Lidam com códigos discretos arbitrários
„ Servem para contar
„ Ábaco

„ Máquina de calcular

„ Computadores de mesa (desktops)

75
Classificação dos computadores digitais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Supercomputador

Grande porte (main frame)


Sistemas multiusuário (1 CPU, n terminais)

Minicomputador
Estação de trabalho (workstation)
Microcomputador (PC)
Thin Client

Notebook (ou Laptop)


Netbook
Handheld (PDA´s)
Smartphones

Critérios para classificação:


•Preço
•Performance
•Porte
•Capacidades
76
Thin Client
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (processamento e armazenamento primário: no servidor)

Computador com CPU,


mas com pouco software
e reduzido espaço de ar-
mazenamento)

77
Tablet PC (prancheta eletrônica)
Computador (visão externa: frontal)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

1. Gabinete (unidade central)


a. Baia 1: drive de disco ótico
b. Baia 2: drive de disco rígido
c. Portas frontais
d. Botão liga/desliga (on/off)
2. Monitor (de vídeo)
3. Teclado a
4. Mouse o b

5. Caixas de som
d
c

n
p
q
79 O que é efeito burn-in?
Computador (visão externa: traseira)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

1. Fonte de força n
„ Para alimentar todo o sistema
2. Ventilador (cooler)
„ Para resfriar o gabinete o
3. Portas
„ Para conectar periféricos externos

Identifique todas as portas?


80
Computador (visão interna: placa-mãe)
q
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Soquetedo
1.1.Soquete doprocessador
processador(CPU)
(CPU)
Slots(memória
2.2.Slots (memóriaRAM)RAM)
p Slots(controladoras
3.3.Slots (controladoras“off
“offboard”)
board”)
Portas(periféricos
4.4.Portas (periféricosexternos)
externos)
r Chipset(chips
5.5.Chipset (chipscontroladores)
controladores)
n a. Ponte Norte (acima)
a. Ponte Norte (acima)
b. Ponte Sul (abaixo)
b. Ponte Sul (abaixo)

r o

Onde fica a CMOS?


81
82
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
83
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Ciclo de processamento
Ciclo de processamento – visão lógica
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

RAM

E CPU S

A
84
Componentes funcionais (hardware)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

CMOS ROM
(dados de setup) (programa de setup)
Clock
(BIOS) (GHz)
RAM

E S
CPU

Barramentos
(filamentos metá
metálicos)

85 Visão interna da ROM A


Ciclo de processamento (principais componentes)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

BIOS Texto
CMOS digitado
Windows

+ ROM Word
CLOCK

Registradores
RAM (acumuladores)

UC
ULA

E S
CPU

Texto Memória cache (L1)


Windows
digitado
Memória cache (L2)
Word

86 A
Funções do BIOS
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ É um programa gravado na ROM1 (firmware)


„ 1ª camada de software sobre o HW (1º a rodar)
„ Funções (após se autocopiar na RAM):
1. POST (Power On Self Test = auto-teste ao ligar)
„ Reconhece e testa o hardware
2. SETUP (executado se o usuário quiser)
„ Possibilita a configuração do computador durante
„ Atua sobre os dados da memória CMOS o boot2
3. Carga do Sistema Operacional
„ Copia o Sistema Operacional do HD para a RAM
„ Ordem de busca nos discos: é configurável
4. “Interface” entre o HW e o SW (o tempo todo)

1 – atualmente (nas provas): flash = flash ROM = flash RAM


87 2 - inicialização do computador (até que o computador esteja pronto para uso)
Camadas de software sobre o hardware
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Usuário
Aplicativos
Sistema Operacional
(e Drivers*)
Software
BIOS
Hardware

Driver: Informações que o Sistema Operacional precisa para lidar com um periférico.

88
Processador (partes principais)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Unidade de controle (UC)


Controla a execução dos programas
„
„ Controla a movimentação dos dados
„ Controla as partes do computador
„ Unidade Lógica e Aritmética (ULA)
„ Processa os dados que estão nos registradores
„ Executa as operações
„ Lógicas: de resultado V ou F (E, OU, NOT,<, >, <>, ...)
„ Aritméticas: + - * /
„ Registradores (ou acumuladores) (R)
„ São a “memória” da ULA
„ Onde, verdadeiramente, ocorre o processamento
„ Memória cache (L1)
„ Armazenam os dados mais usados de L2
„ Intermediária entre os registradores e L2
„ Memória cache (L2)
„ Armazenam os dados mais usados da RAM
„ Intermediária entre L1 e a RAM
„ Memória cache (L3)
„ Em alguns processadores mais modernos
„ Passa a ser a intermediária entre a RAM e L2
89
Computador (partes principais)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Processador (CPU)
„ Processa os dados (segundo as ordens dos programas)
„ Controla o funcionamento do hardware
„ Memória primária (ou principal): memórias eletrônicas
„ Memória ROM
„ Read Only Memory = Memória Somente de Leitura
„ Armazena o programa + importante: BIOS (Basic Input Output System)
„ Memória RAM
„ Random Access Memory = Memória de Acesso Aleatório
„ Armazena os dados antes e depois do processamento
„ Clock
„ Determina uma frequência de trabalho para cada componente
„ Serve para coordenar (harmonizar) o trabalho das partes
„ Barramentos
„ Vias elétricas (filamentos) por onde passam os dados
„ Interligam as diversas partes do computador
„ O mais importante: Barramento Frontal (FSB = front side bus)
„ Periféricos
„ Entrada: inserem dados no sistema
„ Saída: extraem dados do sistema
„ Armazenamento: guardam dados e programas (fazem I/O)
„ Entrada e saída: inserem/extraem dados no/do sistema
90
91
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Processadores
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Arquitetura interna
(processador genérico)

92
Arquitetura interna de processador genérico
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

UC
ULA
registradores

cache L1
cache L2

FSB
RAM

Entrada Saída
93
Processador genérico:
(diagrama funcional simplificado)

PI

94
95
CPU – registradores importantes

Na UC (Unidade de Controle)

CI - Contador de Instruções (PC - Program Counter ou PI)


„ armazena o endereço da próxima instrução a ser executada
„ tem sempre o mesmo tamanho do REM (barramento de endereços)

RI - Registrador de Instrução (IR - Instruction Register)


„ armazena a instrução a ser executada

Na ULA (Unidade Lógica e Aritmética)


ACC Acumulador (ACC - Accumulator)
„ armazena os dados (de entrada e resultados) para operações na ULA
„ um dos elementos que definem o tamanho da palavra do computador
„ o tamanho da palavra é igual ao tamanho do acumulador

96
CPU: diagrama funcional

97
CPU: diagrama funcional

98
CPU: partes internas (simplificado)

99
100
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Arquiteturas CISC e RISC


Arquitetura de processadores RISC e CISC
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Envolve a forma como:


„ os programas são elaborados e traduzidos
„ o processador executa as instruções de um programa
„ o processador lida com a memória
„ Arquiteturas
„ RISC = Reduced Instruction Set Computer
„ Conjunto Reduzido de Instruções Computacionais
„ Conjunto menor de instruções
„ Executadas em um único ciclo de clock (tempo fixo)
„ + rápido para instruções simples
„ CISC = Complex Instruction Set Computer
„ Conjunto Complexo de Instruções Computacionais
„ Conjunto maior de intruções
„ Executadas em um ou mais ciclos de clock (tempo variável)
„ + rápido para instruções complexas

101
„ Muitos processadores atuais são híbridos (CRISC)
Diferenças entre arquiteturas RISC e CISC

RISC CISC
Instruções Simples (1 ciclo) Complexas (n ciclos)
Instruções que referenciam a memória LOAD e STORE Todas
Pipelined Elevado Pouco
Instruções executadas pelo Hardware Microprograma
Formato das Instruções Fixo Variado
Instruções e modos Poucas Muitas
Complexidade está no Compilador Microprograma
Conjuntos de registradores Múltiplos Único
Qualidade do código na programação Exigida Desejável
Gerenciadores de memória Simplificados Complexos

102
Arquiteturas dos processadores RISC x CISC
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

103
Modelos de processadores CISC

104
Pipeline (de 4 estágios): ganhando tempo para a CPU
(preparação das próximas instruções)

105
Processadores atuais

106
Principais processadores (comparação)
Uso INTEL AMD
Primeiro HT Pentium 4 (HT) Athlon XP
Primeiro 64 bits Pentium 64 Athlon 64
Primeiro núcleo duplo Pentium D Athlon X2
Segundo núcleo duplo Pentium Dual Core (natimorto) Athlon X2
Rede Móvel Pentium M (Tecn. Centrino) Mobile Athlon XP
Netbook/ThinClient Atom Geode / Neo
Baixo custo Celeron (1) (2) Semprom (1) (pós Athlon/Duron)
Desktop Pentium Athlon X2 / Athlon II X2
Rede Móvel Core 2 Solo (1) Turion (1) (2)
Desktop Core 2 Duo (2) Athlon X2 / Athlon II X2
Desktop/Workstation Core 2 Quad (4) Phenom X3 X4 / Phenom II X4
Desktop/Workstation Core i7 (4) Phenom X3 X4 / Phenom II X4
Multiprocessamento Xeon (2) (4) (6) Atlhon MP (1)
Servidores pesados Itanium (2) Opteron (2) (4) (6)

Atenção: a sigla HT (Intel) <> sigla HT (AMD)


Números entre parênteses é a quantidade de “core”
Processadores Intel

„ O mais rápido
„ Finalidades
„ Famílias
„ Ordem cronológica
„ Tecnologias
„ Mapa da estrada
„ Informações adicionais
„ Solid-State Drives
„ Motherboards (chipsets)
Processadores AMD

„ O mais rápido
„ Finalidades
„ Tecnologias
„ Informações adicionais
Processadores INTEL (o que importa?)

Ano Core Nome Bits Socket L2 L3 Clock FSB


(MB) (MB) (GHz) (MHz)
4 Core 2 Quad 64 LGA775 8 (4 por par de core) ND 2.40/2.66 1066
2/4 Core 2 Extreme 64 LGA775 4 ou 8 8 (QX6850) 2.60/3.00 800/1066/1333
2 Core 2 Duo 64 LGA775 2a4 ND 1.50/3.00 533/667/800/1066/1333
2 Core Duo 64 LGA775 2 ND 1.60/ 2.33 533/667
HT Pentium Extreme Edition HT 64 LGA775 2x2 ou 2X1 ND 3.20/ 3.73 800/1066
2 Pentium Dual-Core 32/64 LGA775 1 ND 1.60/1.80 533/800
2 Pentium D 64 LGA775 2x2 ou 2X1 ND 2.66/3.60 533/800
1 Pentium M 32 478/479 1 ou 2 ND 1.50/2.26 400/533
HT Pentium 4 Mobile 478/479 1 ND 2.80/3.46 533
HT Pentium 4 HT Extreme Edition 32/64 478/LGA775 0.50/2 ND/2 3.20/3.73 800/1066
HT Pentium 4 HT 32/64 478/LGA775 1 ou 2 ND 2.80/3.80 533/800
1 Pentium 4 32/64 478/LGA775 0.25/0.5/1/2 ND 1.30/3.80 400/533/800
1 Celeron 64 478/LGA775 0.5/1 ND 1.60/2.00 533/800
1 Celeron D 32/64 478/LGA775 0.25/0.5 ND 2.13/3.20 533
1 Celeron M 32/64 478/LGA775 0.5/1 ND 1.20/1.73 400/533
HT/2/4 Xeon (System Tipe) (MP) 64 LGA771 (Socket J) 2/4/8 16 1.60/3.20 66/7800/1066/1333
1/2 Itanium 2 64 PAC611 0.25/1 6/8/12/18/24 1.40/1.60 400/533
1 Core Solo Centrino (p/ notebook) 64 2 1.83 1.66/1.83 533/667
1 Intel Xscale (RISC) 32 324/612

HT= HyperThreading (“duplicaç


duplicação”
ão” do nú
núcleo do processador via software)
110 Centrino = tecnologia móvel (envolve outros componentes, aléalém do processador)
Processadores AMD (o que importa?)

Ano Core Nome Bits Socket L2 L3 Clock FSB


(MB) (MB) (GHz) (MHz)
4 Opteron Quad Core 64 2
2 Opteron Dual Core 64 939/940 1 ND 1.60/2.80
2 Opteron 2nd Generation 64 AM2/Socket F 2 ND 1.80/3.20
1 Opteron 64 939/940 1 ND 1.40/3.00
1 Geode (thin client) 64 A 0.25 ND 1.00/1.80
2HT Athlon X2 (Dual Core) (ex- 64 X2) 64 AM2 0.5 ND 1.90/2.10
2HT Athlon 64 X2 (Dual Core) 64 939/AM2 1 ND 1.90/3.00
1HT Athlon 64 FX 64 754/939/AM2/Socket F 1 ND 2.20/3.00 2000 clock free (for gamers)
1 Athlon 64 64 754/939/AM2 0.5 ND 1.80/3.00 800/1000
1 Athlon MP (multiprocessamento) 64
2 Turion 64 X2 Dual Core (Mobile) 64 S1 1 ND 1.80/2.30
1 Turion 64 (Mobile) (ex-Athlon 64 Mobile) 64 S1 1 ND 1.80/2.30
1 Sempron Mobile 32/64 S1/754 0.5 ND 1.60/2.20 800
1 Sempron 32/64 754/AM2 0.5 ND 1.60/2.20 333/400/800/1000

111
HT= HyperTransport (barramento proprietá
proprietário da AMD, de alta velocidade)
Intel Quad Core : CPU com quatro núcleos

112
AMD Quad Core: CPU com quatro núcleos

113
Distribuição dos núcleos de processamento

114
115
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Memórias
MEMÓRIAS - características
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (são dispositivos que armazenam informação)

„ OPERAÇÕES
„ Escrita e leitura = EL
„ Leitura (somente) = SL
„ ACESSO
„ Seqüencial = S
„ Aleatório (ou randômico ou direto) = A
„ TEMPORALIDADE DA INFORMAÇÃO
„ Permanente = P
„ Temporária (volátil) = T
„ CONSTITUIÇÃO PRINCIPAL
„ Eletrônica (só chips) = E
„ Mecânica (tem partes móveis) = M
116
MEMÓRIAS – classifique todas!
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ EL/SL?
„ S/A?
RAM „ P/T?
ODD
„ E/M?

memory stick (flash)


FDD
papel

Flash BIOS

HDD
Fita DAT
pendrive (flash) ROM BIOS
117
Hierarquia das memórias (no processamento)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (capacidades X velocidades)
Registradores
Memória da ULA

ns = nanosegundo = 10-9 seg


R
100 B ms = milisegundo = 10-3 seg
0,1 ns

L1
160 KB CPU
1 ns
Eletrônicas (ns)
L2 Voláteis
1 a 2 MB
2 a 5 ns

RAM Ordem de busca


1 a 2 GB
10 ns

HD (discos)
1 TB
10 ms
Mecânicas (ms)
Permanentes

Aumenta velocidade Î diminui tempo de acesso


Diminui capacidade Î Bytes (e seus múltiplos)
118
Memória RAM - características
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Tempo de acesso = nanosegundo (ns) = 10-9 seg


„ Componentes de fabricação
„ DRAM (dinâmica):
„ ocupa menos espaço físico por byte (micro-capacitores)

„ + lenta (precisa de refresh): usada na RAM PRIMÁRIA

„ SRAM (estática)
„ ocupa mais espaço físico por byte (circuitos flip-flop)

„ + mais rápida: usada para CACHE

„ VRAM (RAM rápida para placas de vídeo)


„ Tecnologias de utilização (transferência dos dados)
„ FPMe EDO (obsoletas)
„ SDR-SDRAM (obsoletas)
„ DDR*-SDRAM (veja diversas variantes a seguir)
*Double-data-rate synchronous dynamic random access memory (kidiabeíçu?)
• o dobro da razão de dados (a cada ciclo de clock= 64x2 bits por ciclo de clock)
119 • aparenta que a freqüência do clock é o dobro da freqüência real
Memória SDRAM – características

Clock do Taxa de
Nome do
Barramento Transferência Pinos
módulo
(MHz) (MBps)
SDR-100 100 800 PC-100
168 DIMM
SDR-133 133 1100 PC-133
DDR-200 100 1.600 PC-1600
DDR-266 133 2.133 PC-2100
184 DIMM
DDR-333 166 2.667 PC-2700
DDR-400 200 3.200 PC-3200
DDR2-400 200 3.200 PC2-3200
DDR2-533 266 4.264 PC2-4200
DDR2-667 333 5.336 PC2-5300 240 DIMM
DDR2-800 400 6.400 PC2-6400
DDR2-1066 533 8.500 PC2-8500
DDR3-800 400 6.400 PC3-6400
DDR3-1066 533 8.530 PC3-8500
240 DIMM
DDR3-1333 667 10.670 PC3-10600
DDR3-1600 800 12.800 PC3-12800
120
Pentes de memória RAM (atuais)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

DIMM 184
DDR 400-SDRAM (512 MB)

DIMM 240
DDR2 800 -SDRAM (2 x 1GB)

121
Memória RAM - Terminologias comuns
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Tipo de pentes
„ SIMM – vias de 32 bits (instala aos pares)
„ DIMM – vias de 64 bits
„ Latência = retardo natural de acesso à memória
„ É medido por 4 tempos de atividades distintas
„ Varia de acordo com a tecnologia
„ ECC
„ Código de correção de erros nas transmissões
„ Usa 1 bit extra na pinagem da memória

122
Memórias eletrônicas permanentes
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ ROM (Read Only Memory)


„ O programa é construído durante a fabricação do chip
„ Programa, nesse caso, é chamado de firmware
„ Não aceita qualquer modificação ou regravação

„ PROM (Programmable ROM)


„ O programa é gravado após a fabricação do chip
„ Não aceita qualquer modificação ou regravação (após)

„ EPROM (Erasable PROM)


„ O programa pode ser apagado com luz ultra-violeta
„ Aceita várias regravações (usa gravadoras especiais)

„ EEPROM (Electrically EPROM)


„ Aceita várias regravações por software (sem sacar da placa)

„ FLASH (Flash RAM ou Flash ROM)


„ Semelhante à EEPROM (regravável por software)
„ Mais capacidade e velocidade
„ Armazena o BIOS atualmente (nos computadores modernos)
123
CPU: visão do cache (mapeamento direto)

10

Como funciona o cache associativo?


124
Memória virtual (um triângulo amoroso: CPU x RAM x HD)
(momentos de pura troca e entrega!!!)

Para assegurar que cada processo tenha...


„ Realocação de endereços
„ Ter seu próprio espaço de endereçamento começando em zero
„ Proteção de memória
„ Não pode utilizar endereço de memória que não lhe pertença
„ Memória adicional (mais óbvia)
„ Pode usar mais memória do que a fisicamente existente

Paginação x Segmentação
Kidiabeíiiiiissuuuu? Veja em Sistemas Operacionais!
(não cai na prova: desaba!!!)

125
Memória virtual: mapeamento CPU X RAM x HD

TLB: como se fosse um cache de endereços

TLB = Translation Lookaside Buffer


126
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Placa-mãe
(barramentos externos)
(soquetes, slots, portas, conectores)

127
Ciclo de processamento – visão lógica (imaginária)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

RAM

E CPU S

A
128
Ciclo de processamento – visão física (real)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

CPU Barramento da CPU


(interno)
64 filamentos = 64 bits
(computadores atuais)

cache L4 RAM
(Itanium)
Itanium)

E S

A Barramento FRONTAL
E/S
(externo)
(FSB = front side bus)
64 filamentos = 64 bits
(computadores atuais)

Largura do barramento frontal (FSB) = nº de vias elétricas (filamentos metálicos)


Palavra = Quantidade de bits transferidos entre a RAM e CPU por ciclo do clock
129
Taxa de Transferência = nº de vias do barramento X velocidade do clock (B/s)
Barramento LOCAL
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

CPU
Dados
(trafegam dados do usuário para processamento)

Endereços
(trafegam endereços de memória)
cache RAM
Controle
(trafegam sinais de controle dos dispositivos)

E S

Buffer = memória “RAM” de cada periférico


(para aumentar a velocidade de comunicaç
comunicação com a CPU)

E/S A

130
Placa-mãe e seus componentes principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Slots (conexão interna de periféricos) portas (conexão externa de periféricos)

Cadê o
Ponte SUL?

Processador (CPU)

chip set
(“auxiliar” da CPU)
Ponte Norte
Controladora “off board” (adaptador)
(vídeo, som, disco, fax/modem, rede) Conector de energia
pente de memória (RAM)
Conector HD PATA (IDE)
131
Placa-mãe e seus componentes principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

processador (CPU)

portas
(expansão externa)

memória

conectores
(de disco)

slots (fendas)
(expansão interna)

Portas, slots e conectores


132(servem para acessar o barramento de dados)
133
Placa-mãe e seus componentes principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

soquete LGA 775 (Intel)

134
Motherboard: jumper e dip switch
(maneiras de configurar a placa-mãe)

135
Placa-mãe: identificar partes e funções!
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Barramento Frontal (FSB)

(duplex)

384 MBps

Barramentos
(vias elétricas)

136
Graphics Memory Controller Hub

Velocidade de cada um dos dois canais Velocidade total (nas duas direç
direções)
(Intel Enhanced Host Controller Interface) (Intel Direct Media Interface)

Especificaç
Especificação da interface para o BIOS
•Low Pin Count
Gigabit LAN Connect Interface •Serial Peripheral Interface
• Fácil implementaç
implementação
• Pinagem
• One pin for a clock
• One for data in
• One for data out
137 • One for chip selection
138
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Barramentos de dados (e seus slots)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

slot AGP (32 bits - 66 ou 133 MHz)


(para placas de vídeo 3D)

slots PCI (32 bits - 33 ou 66 MHz)


(para todos os tipos de placas controladoras
139
Barramentos de dados (e seus slots)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

140 slots PCI de 32 e de 64 bits


Barramentos de dados (e seus slots)
Barramentos de dados (e seus slots)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

142
slots PCI-Express 4X, 16X, 1X, 16X e o padrão de 32 bits
PCI Express: links e lanes

143
Barramentos e seus slots - características
Fabrica bits MHz MBps Obs.
ISA 8 4,77 extinta
ISA 16 8 extinta
EISA extinta
VESA extinta
PCI 32 133 em extinção Incorporou PnP
PCI 64 em extinção Incorporou PnP
AGP 1X Intel 32 133 266 vídeo 3D
AGP 2X Intel 32 532 vídeo 3D texturas e
elemento Z
AGP 4X Intel 32 1064 vídeo 3D na RAM
AGP 8X Intel 32 2128 vídeo 3D
PCIe 1X Intel 1 lane 250*
PCIe 2X Intel 2 lanes 500*
PCIe 4X Intel 4 lanes 1000* lane = 1 par de vias seriais
PCIe 8X Intel 8 lanes 2000* *velocidade em cada direção
PCIe 12X Intel 12 lanes 3000* (multiplique por 2)
PCIe 16X Intel 16 lanes 4000* vídeo 3D
PCIe 32X Intel 32 lanes 8000*
AGPe ECS 32 vídeo 3D Tecnologia “C2O2”
144
Barramentos de dados (e seus slots)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Como ki pronuncia isso?


•Piiciiemciaiei?
•Peceemecia?
•Pecemicia?
•Pikimikia?

PCMCIA (slots externos para notebooks - tipos: I, II, III)


• HD´s, memórias...
145
• Placas de: rede, som, TV, etc.
Barramentos de dados (e suas portas)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (conexão externa – traseira ou frontal)

146
Barramentos de dados (e suas portas)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (conexão externa – traseira ou frontal)
Fonte de força e seu ventilador

RJ-11 (linha telefônica)


Para fax/modem
147
148
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Barramentos de dados (e suas portas)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (conexão externa – traseira ou frontal)

DB-25F (impressora)

Portas do som (P2)


(Mini D-sub 15-pin) (Mini DIN 4-pin) DB-9M (vários periféricos)

Sony/Philips Digital Interface (áudio)

(vários tipos de periféricos)

149
Barramentos de dados (e suas portas)
(conexão externa – traseira ou frontal)

150
Dê o nome e função de cada porta!
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Típica questão de prova (CEF-2004)


4
3
1 2 5

6 7 8 9

151
Outros tipos de conexão

Serial RS232

Conectores DVI
(vídeo digital)

Paralela - IEEE 1284


152
Portas (para conexão externa de periféricos)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Nome Função Obs.


Serial (DB-9M) modem (com1) em obsolescência
Paralela (DB-25F) impressora (lpt1) em obsolescência
PS/2 mouse e teclado em obsolescência
Midi DB-15 joystick, teclados em obsolescência
Mini D-sub 15-pin monitor em obsolescência
P2 (jack stereo 1/8”) som R(mic) G(speaker) B(line in)
Mini DIN 4-pin S-vídeo
RCA vídeo
DVI-28 video digital
SPDIF som
USB (Universal Serial Bus) quase todos (até 127 periféricos por barramento)

tipo “F” cabo coaxial p TV


Firewire filmadoras*
RJ-11 telefone/modem
RJ-45 rede local
153
Barramentos FIREWIRE X USB

F400 F800 F800


USB 1.1 USB 2.0 USB 3.0
(1394a) (1394b) (1394d)
Número de dispositivos 63 63 63 127 127 127
Hot swap SIM SIM SIM SIM SIM SIM
Comprimento máximo do cabo 4,5 m 100 m 100 m 5m 5m 5.3 m
100 800 1,5 Low
6400 1,5 Low 5000
Velocidades (Mbps) 200 1600* 12 Full
(201X?)
201X?) 12 Full (2010?)
2010?)
400 3200* 480 High
Comunicação direta entre dispositivos SIM SIM SIM NÃO NÃO NÃO

4 pinos 6 pinos

154
Firewire USB
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

155
Sistemas de entrada e saída
Componentes principais do computador
UC
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

ULA
portas
conectores
cache L1
slots
cache L2

RAM placa de ví
vídeo vídeo

HD

CD/DVD

teclado disquete

mouse flash memory

placa de modem
joystick
alto-
alto-falantes
placa de som
webcam microfone

scanner impressora

156
Portas
Conector de energia elé
elétrica adicional para a placa-
placa-mãe
(para o caso de haver duas placas de vívídeos)

Slots

Soquete

Conector de energia elé


elétrica
(para o cooler do processador)

Conector IDE
Conector SATA Slots RAM
Placa-mãe dual channel (Intel)

„ Tecnologia de comunicação full duplex (CPU-memória)


„ Exige (para não ficar igual à placa comum)
„ Par de pentes idênticos
„ BIOS compatível
„ Configuração do setup
„ Colocação dos pentes nos slots corretos
Componentes do computador (classifique todos!)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

RAM

ODD web Cam


FDD
modem (externo)

memory stick (flash)

joysticks

HDD
pendrive (flash) headset
159
fita DAT
Outros componentes (identificar nomes e funções!)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

160
Unidade central e periféricos
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Gabinete ou
Unidade Central ou
Unidade do Sistema ou
“Case”
(nunca CPU)

161
162
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Entrada
Periféricos
163
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
Teclado e mouse
164
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Saída
Periféricos
Monitores de vídeo: características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Tamanho
„ Diagonal do monitor, expressa em polegadas
„ Mais comuns atualmente: 15”, 17”, 19” e 21”
„ Proporção (largura x altura)
„ 4:3 = telas comuns
„ 16:9 = telas “wide screen”: proporção das telas de cinema
„ Elementos de composição da tela
„ Pixel (picture element): cada ponto luminoso da tela
„ Composto por 3 pontos: vermelho, verde, azul (padrão RGB)
„ A variação dessa cores resulta na cor final do pixel
„ O valor de cada pixel é armazenado na memória (código da cor) um pixel
„ Dot pitch: a distância de dois pixels vizinhos
„ Quanto maior, pior a imagem
„ Resolução da tela
„ Quantidade de pontos que compõem uma imagem na tela
„ Quanto maior a resolução, menor o pixel, melhor a imagem
„ “largura X altura” da matriz de pixels da tela (colunas X linhas)
„ Resoluções mais comuns atualmente:
„ VGA = 640 x 480 (origem do padrão: hoje, apenas para texto)
„ SVGA = 800 X 600
„ XGA = 1024 x 768
„ SXGA = 1280 x 1024
„ SXGA Plus = 1400 x 1050
165 „ UGA = 1600 x 1200
Monitores de vídeo: características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

166
Monitores de vídeo: características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Cores
„ Monocromático (preto e branco)
„ Policromático (colorido)
„ Padrão de cores: RGB (red, green, blue)
„ Qualidade da cor: quantidade de cores que o pixel pode assumir
ƒ É definida pela quantidade de bits que armazenam a cor
ƒ Quanto mais bits, mais cores, mais real a imagem,
imagem, mais memó
memória é necessá
necessária
ƒ Padrões atuais
ƒ High color (16 ou 24 bits)
ƒ True color (32 bits)

Quanto de memória ira ocupar a imagem?


„ Resolução da tela : 800 x 600
„ Qualidade da cor: 32 bits = 232 cores possíveis
„ Resposta:
„ Nº de pixels da tela = 800 x 600 = 480.000
„ Cada pixel ocupa 32 bits = 4 Bytes
„ Logo: 480.000 x 4 = 1.920.000 B

167
Monitores de vídeo: características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Tipos de monitores
„ CRT (tubo de raios catódicos)
„ monitor tradicional, que emite radiação e é bem pesado
„ feixe de elétrons varre anteparo com partículas de fósforo (excitando-as)
„ existe uma freqüência de varredura do canhão (horizontal e vertical)
„ quando a resolução é elevada, pode passar para o modo entrelaçado
ƒ uma linha se apaga antes que o canhão possa voltar para refazê-la
ƒ solução: deixar de construir as linhas da imagem na seqüência normal
ƒ passa a construir as linhas ímpares e, depois, as linhas pares (entrelaçado)
ƒ com isso, consegue manter uma linha “acesa” até poder voltar para refazê-la
ƒ a imagem perde qualidade
„ LCD (liquid crystal display)
„ partículas de cristal líquido agem como “persianas”
„ permitem, ou não, a passagem de luz emitida por trás do cristal
„ tipos (diz respeito às formas de energizar as partículas)
ƒ matriz passiva: grade de metal condutor por trás do cristal
ƒ matriz ativa: película (filme) com transistores e capacitores sobre a tela (TFT*)
„ PLASMA (as próprias partículas do plasma são emissoras de luz)

168 (*TFT: thin film transistor)


Monitores de vídeo: características principais
Cristal Líquido
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

169
Impressoras: características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Tipos
„ Impacto
„ Matricial (9 ou 24 pinos)
ƒ matriz de agulhas incide em uma fita entintada sobre o papel
ƒ normalmente, usam formulários contínuos com cópia carbono
„ De linha
ƒ martelos batem nos caracteres de uma cinta metálica rotativa
ƒ caracteres incidem em uma fita entintada sobre o papel
„ Não-impacto
„ Jato de tinta
ƒ cabeça de impressão arperge gotículas de tinta sobre o papel
ƒ 2 cartuchos (black e tricolor) ou 4 cartuchos (um para cada cor)
„ Laser
ƒ toner adere à “imagem” gravada a laser em um cilindro metálico
ƒ papel passa pelo cilindro e recebe o toner (que é fixado por calor)
„ Térmica
„ Sublimação

170 cabeça de impressão matricial


Impressoras: características principais
esquema básico da matricial
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Velocidade
„ CPS (caractere por segundo)
„ para matriciais
„ LPM (linhas por minuto)
„ para “de linha”
„ PPM (páginas por minuto)
„ para folhas soltas
„ Resolução
„ DPI (dots per inche)*
„ [*PPP (pontos por polegada)]
„ Sistema de cores:
„ CMYK
„ cyan (azul)
„ magenta (vermelho)
„ yellow (amarelo)
„ black (preto)

171 esquema básico da laser


Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Periféricos de
Armazenamento
(também ENTRADA/SAÍDA?)

172
Disco rígido: principal periférico de armazenamento
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

173
Discos rígidos (HD): características principais
„ ATA/IDE
„ PATA: ATA de interface paralela (IDE) (+ antigos, + lentos)
„ Existem vários tipos (disponível tb para: CD´s e DVD´s)
„ Até dois discos no mesmo cabo (identificados por “jumper”)
„ Dois tipos de cabo:
ƒ 40 vias
ƒ 80 vias
ƒ obrigató
obrigatório para o UDMA modo 3 e posteriores
ƒ 40 vias a mais: para reduzir ruí
ruídos e interferências (não levam dados)
„ Não aceitam hot-swap
„ SATA: ATA de interface serial (+ recentes, + rápidos)
„ Não carecem de identificação por “jumper” (um HD por cabo = P2P)
„ Aceitam hot-swap
„ SCSI (disponível, tb, para scanners e impressoras...)
„ Tecnologia antiga, mas de boa performance
„ Ideal para o mercado de servidores
„ Podem ser encadeados (até 15)
„ Aceitam hot-swap
174 „ SAS (Serial Attached SCSI): SCSI serial (+novos)
(PATA X SATA) X SCSI (tipos e características)
Nome MB/s Nome alternativo

PATA ATA-1 até ATA-8 xxx Vide http://pt.wikipedia.org/wiki/ATA

PATA Ultra-DMA/133 133 UDMA (Ultra/ATA) modo 6 (“o top”)

SATA SATA I 150 SATA 1.5 Gb/s (150 ou 1.0)

SATA SATA II 300 SATA 3.0 Gb/s (real = 2,4 Gbps)

SATA SATA 6.0 600 SATA 6.0 Gb/s (previsão?)

SCSI SCSI paralelo 640 (50, 68 ou 80 pinos)


SAS SCSI serial 300

0: 2 X 512 GB = 1 TB 1: 2 X 512 GB = 512 GB

175 RAID: opções mais simples


DVD/IDE: como jumpear?

O que é fazer jumpeamento?


(somente para PATA!)

176
Conectores: PATA, SATA, SCSI

SATA

PATA

SATA

SCSI
SCSI
177
Tecnologia de discos (siglas utilizadas)

• IDE = Integrated Drive Electronics1


• PATA=Parallel Advanced Technology Attachment
• SATA=Serial Advanced Technology Attachment
• (E)IDE - (Extended) Integrated Drive Electronics
• ATAPI - Advanced Technology Attachment Packet Interface2

1 Tecnologia onde a placa controladora do disco fica nele próprio, ao


contrário das tecnologias anteriores, onde a controladora era uma placa
conectada à placa-mãe (host adapter).

2 Tecnologia que incorpora, às interfaces IDE, a possibilidade de utilizar,


também, discos removíveis (CD e DVD).

178
CE-ATA (mini HD) – para filmadoras e players

179
Discos rígidos (HD): características principais

„ Tempo de acesso = milisegundo (ms) = 10-3 seg


„ HD = 10 ms; CD = 100 ms; FD = 200 ms (disquete)
„ RAID: Redundant Array of Independent (or Inexpensive) Disks
„ 0: dados distribuídos por dois discos (1+1=2)
„ 1: dados espelhados no segundo disco (1+1=1)
„ Tecnologias de armazenamento em rede
„ DAS: Direct-attached storage
„ Modo tradicional (acessa um servidor que contém discos)
„ Depende do servidor estar no ar
„ NAS: Network Attached Storage
„ Protocolos de alto nível (NFS – camada 5): lida com arquivos
„ Independe do servidor da rede estar no ar (usa a mesma rede)
„ Ligação (worksations e servers)-armazenamento (libera o servidor)
„ Alta mobilidade, simples e de baixo custo: pequenas e médias empresas
„ SAN: Storage Area Network (rede de armazenamento)
„ Protocolos de baixo nível (≈ SCSI ou IDE): lida com blocos
„ Separada da rede local (é uma outra rede)
„ Ligação servers-armazenamento (de alta performance)
„ Baixa mobilidade, complexa, cara: grandes empresas, aplicações críticas

180
181
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

DAS
Que é isso?

182
Um disco rí
rígido com 3 pratos tem:
Disco rígido: estrutura interna • 6 faces
• 6 cabeç
cabeças de leitura e gravaç
gravação
• 6 trilhas de mesmo núnúmero
• 6 setores de mesmo nú número
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

eixo central (motorizado)


pratos metálicos (rígidos)
cabeças de leitura e gravação (motorizadas)
cilindro (conjunto de trilhas de mesmo nº)
trilhas (concêntricas)
0
setores (radiais) Setor: 2,0

partições (C: e D:)

C:\
Numeração das trilhas:
• de zero em diante
• da borda para o centro
Numeração dos setores
• de zero em diante
• no sentido horário
D:\

183
visão de uma face
Disco rígido: unidades de alocação (clusters)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (também chamados de agrupamento)

Setor (512 B)
Trilha 1, Setor 2

Cluster (4096 B)
configurável

arquivo de 4 KB
(usa 4 KB)

arquivo de 512 B
(usa 4 KB)

Fragmentação interna: não tem solução

Fragmentação externa: Defrag

184
Disco rígido: unidades de alocação (clusters)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Unidade de alocação (cluster)


„ É um conjunto de setores (setor = 512 Bytes)
„ Menor unidade física tratada pelo SisOp
„ Exemplo: sistema de arquivos NTFS (Windows)
„ Mínimo: 512 B
„ Máximo: 64 KB
„ Padrão: 4 KB
„ É configurável
„ Influencia a performance do disco
„ Quanto menor o cluster:
„ Mais economia de espaço
„ Menor velocidade de leitura e gravação

185
Disco rígido – análise de fragmentação

186
Disco rígido:seqüência de preparação (Windows)
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ Formatação de baixo nível (feita pela fábrica)


„ Criação das trilhas e setores (setor é padrão= 512 B)
„ Serve para qualquer Sistema Operacional
„ Particionamento (pode usar o FDISK ou outro qualquer)
„ Pode ser feito pelo usuário (por que particionar?)
„ Criação dos drives lógicos (no mesmo drive físico)
„ Definição prévia do sistema de arquivos
„ FAT 32 (FAT: File Alocation Table) – Windows 95 (no final) e 98
„ NTFS (MFT: Master File Table) – Windows NT, 2000, XP, Vista
„ Formatação (deve usar o próprio Sistema Operacional)
„ Feito pelo usuário
„ Definição do tamanho do cluster (default: 4 KB)
„ Criação do sistema de arquivos (e respectiva tabela)
„ Instalação do Sistema Operacional (trilhas 0 e 1)
„ MBR (Master Boot Record): 512 KB
„ Dados iniciais para carga do Sistema Operacional
„ Tabelas de partição da mídia
„ Instalação dos aplicativos
187
SSD – Solid State Drive (Drive de Estado Sólido)
„ Nome: RAIDDrive
„ Fabricante: Super Talent Technology
„ Características (dois dos itens mais cobiçados no segmento)
„ Grande capacidade de armazenamento: 2TB (maior do mercado)
„ Alta velocidade (mais rápido do mercado):
„ 1,2 GB/s (Read)
„ 1,3 GB/s (Write)
STT SATA Mini PCIe
„ PCI Express 1X
„ Suporte a RAID5
“O futuro dos discos rí
rígidos atuais está
está cada vez mais perto de chegar ao fim”
fim” (hahaha, como pode, se o futuro ainda nem começ
começou?)

SSD de 2TB (conexão PCI-Express)

http://www.vidadigital.info/blog/hd-
http://www.vidadigital.info/blog/hd-ssd-
ssd-pci-
pci-express-
express-com-
com-2tb Junho de 2009: SSD de 120 GB = R$ 1.000,00 (Mercado Livre)
Flash NOR e NAND
Existem dois tipos de memórias flash, a NOR e a NAND.
„ Flash NOR (Not OR)
„ Interface de endereços semelhante à da memória RAM
„ Alta velocidade, alto custo, alto tempo de acesso (para escrita), acesso aleatório
„ Largamente utilizada, até hoje, em celulares, palmtops e firmware (inclusive BIOS)
„ Anteriormente, usada em memórias PCMCIA e CompactFlash (hoje, usam NAND)

„ Flash NAND (Not AND)


„ As células de memória são tratadas em blocos
„ Alta velocidade, acesso seqüencial por bloco
„ Tecnologia introduzida pela Toshiba, em 1989
„ Cada bloco = 2n páginas (páginas são, tipicamente, de 512, 2048 ou 4096 bytes)
„ Atualmentente, é o tipo de memória mais usado em dispositivos portáteis (SSD)
„ Tamanhos típicos dos blocos
„ 32 páginas de 512 bytes para cada tamanho de um bloco de 16 kB
„ 64 páginas de 2048 bytes para cada tamanho de um bloco de 128 kB
„ 64 páginas de 4096 bytes para cada tamanho de um bloco de 256 kB
„ 128 páginas de 4096 bytes para cada tamanho de um bloco de 512 kB
„ Principais diferenças entre NOR e NAND
„ As conexões das células individuais de memória são diferentes
„ Densidade de armazenamento: mais elevado em memórias NAND
„ Custo: muito mais elevado em memórias NOR
„ Acesso: NOR - acesso aleatório; NAND - acesso sequencial
„ A leitura é muito mais rápida na NOR
Discos óticos: ver as características principais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

„ CD
„ DVD
„ DVD-RAM
„ Permite cerca de 100.000 regravações (os outros: 1000)
„ Possibilidade de leitura e gravação simultâneas
„ Não é compatível com as gravadoras de DVD padrões

„ Características gerais
„ Saber possibilidades de gravação e capacidades
„ O que é light scriber (mídia especial?)?
„ O que é dual layer
„ Diferenças entre +R e -R

190
Discos óticos: estrutura de gravação
(lands e pits)

191
Discos óticos: HD-DVD x Blu Ray
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com) (novas alternativas aos DVD atuais)

HD-DVD (perdeu) Blu Ray (ganhou)


ambos usam laser de luz azul em vez do laser vermelho
mesmos padrões de compressão para áudio e vídeo
30 GB (camada dupla) 50 GB (camada dupla)
aprovado pelo DVD Forum não aprovado pelo DVD Forum
+ baratos + caros
EUA: Abr 2006 EUA: Jun 2006

192
Drives de fita para backup
1

Tipo Capacidade
1. LTO - Linear Tape-Open (Ultrium) 3.2 TB
5 2. Travan (QIC) 20 GB
3. AIT - Advanced Intelligent Tape 800 GB
4. DLT - Digital Linear Tape 800 GB
5. DAT - Digital Audio Tape 80 GB

4
3

193
Hardware: características e parâmetros atuais
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

COMPONENTE CARACTERÍSTICA PARÂMETROS

Processador freqüência do clock / larg barramento 4 GHz / 64 bits

Disquete cap. armazenamento (nominal e real) 1,44 MB e 1,38 MB

Disco rígido cap. armazenamento / velocidade de giro 1 TB / 7200 RPM

Memória RAM cap.armazenamento / tempo de acesso 1 GB / 10 ns

Memória cache (L2) cap. armazenamento / tempo de acesso 1 MB / 2 ns

Modem (linha discada) taxa de transferência (veloc. de transmissão) 56 Kbps

Impressora resolução de impressão 9600 x 2400 DPI

Scanner resolução de leitura (real/interpolada) 6400 DPI


CD (mídia) cap. armazenamento 700 MB
DVD (mídia) cap. armazenamento (faces e camadas) 4,7 / 8,5 / 9,4 / 17 GB

Acionador de Disco Ótico taxa de transferência (veloc. de transmissão) 52 X (Rep > Grav > Regrav)

Barramento frontal (FSB) freqüência do clock / largura de barramento 1333 MHz / 64 bits

Fonte de força potência Mínimo de 250 W

194
Saiba se a configuração de um micro está compatível com a realidade atual!
Estruturas de controle de sistemas de arquivos
Os sistemas de arquivos NTFS (para
Microsoft Windows), ReiserFS (para
B+ tree Unix e Linux), XFS (For IRIX e
Linux) e o JFS2 (para AIX, OS/2 e
Linux) usam esse tipo de árvore
(B+ tree) para blocos indexados.
Banco de Dados Relacionais,
também, freqüentemente, usam
esse tipo de árvore para tabelas de
índices).

Em computação, i-node é
uma estrutura de dados de
tradicionais sistemas Unix-like,
tais como UFS (Unix File
System). Um i-node armazena
informação básica sobre um
arquivo, diretório ou outro
objeto do sistema.
195
Canais de IRQ (Interruption Request)

196
197
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)

Arquitetura SUN
Arquitetura SUN

Na arquitetura SUN, o conceito de placa-mãe


tornou-se obsoleto. Blades, Board´s, I/O´s
tomaram o lugar das antigas formas de
atribuição de recursos.

198
Arquitetura SUN

e450 6500 e10000 f15000 f25000

Família produtiva de servidores SUN

199
Composição de domínios

A arquitetura SUN prevê a utilização de domínios como


sendo a estrutura básica de disponibilização ao
usuário.
Um domínio contém um sistema, que pode conter,
uma ou mais board´s que, por sua vez, estão
associados à um número específico de processadores,
memória e pode estar vinculado a uma ou mais I/O
board´s.
As I/O board´s por sua vez estão ligadas a periféricos,
sub-sistemas de discos e outros.

200
Arranjo de hardware

O termo arranjo de hardware é


altamente utilizado em equipamentos
SUN de grande porte.
Define-se momentos em que o
equipamento, dinamicamente, passa
a suportar recursos associados a ele
pelo administrador.

201
Arranjo de hardware

• Board
• I/O Board
• Expand Board
• Center Plane

202
Cálculo de potência do computador (online):
o vídeo é o periférico que mais gasta (depois, o HD)

203
204
Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
uuuuuu uuuuuu uuuuuu
u u u u u
u u u u u
u uuuu uuuuuu uuuuuu
u u u uu
u u u uu
u uuuuuu u uu

críticas e sugestões serão bem vindas


envie para: Prof. Belfort (professorbelfort@gmail.com)
205

Você também pode gostar