Você está na página 1de 45

Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias Estruturas III

Capítulo 1
Carga axial
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.1 - Revisão
Definição de deformação e de tensão:
 
P

L A
Da Lei de Hooke:
 P1 P
  E   
E A E EA

Temos para o deslocamento:


PL

EA
Barra homogênea BC, de comprimento Com variações de carga, seção transversal
L e seção uniforme de área A,
submetida a uma força axial centrada P
ou propriedades dos materiais,
Pi Li
 
i Ei Ai
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Força e deslocamento são positivos se provocarem tração e alongamento;

e negativos causarão compressão e contração.


Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.2-Problemas hipestáticos
Barra sob carga axial fixada em uma única extremidade:
Isostático

Este problema é isostático, porque apenas as equações de equilíbrio


disponíveis são suficientes para determinar as reações de apoio.

  Fx  0:  R A  P2  P1  0 RA  P1  P2
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Hiperestático
Barra sob carga axial fixada nas
duas extremidades:
Neste caso o problema é
hiperestático, porque apenas as
equações de equilíbrio não
suficientes para determinar as
reações de apoio.

   F y  0: FA  FB  P  0 FA  FB  P (1)
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.3-Equação de compatibilidade
É preciso criar uma equação adicional que
leva em conta a maneira como a estrutura se A  0
deforma.
Este tipo de equação é chamado de equação
de compatibilidade (ou condição cinemática).

B  0

Neste problema como as extremidades A e


B são fixas, tem-se que o deslocamento  AB  0
relativo entre A e B deve ser nulo.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Equação de compatibilidade:

 AB   AC   CB  0

N AC .LAC NCB .LCB


 AB   0
E. A E. A
FA.LAC  FB .LCB
 0
E. A E. A
LAC
FB  FA (2) FA  FB  P (1)
LCB
L L
Substituindo (2) em (1): FA  CB P e FB  AC P
L L
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Procedimento de análise:
1. Desenhar um diagrama de corpo livre da
estrutura, indicando todas as reações de
apoio e forças externas.
2. Aplicar as equações de equilíbrio
disponíveis.
3. Criar uma ou mais equações de
compatibilidade adicionais.
4. Resolver o sistema de equações: equilíbrio +
compatibilidade.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação
1)A barra de aço é presa a dois apoios fixos A e B. Determine as reações
desses apoios quando se aplica o carregamento indicado. Eaço = 200 GPa

Respostas: RA=323kN↑ e RB=577kN ↑


Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exemplo 1-
A haste de aço tem diâmetro de 5 mm e está presa à parede fixa em A. Antes
de ser carregada, há uma folga de 1 mm entre a parede B’ e a haste.
Determine as reações em A e B’ se a haste for submetida a uma força axial
P = 20 kN. Despreze o tamanho do colar em C. (Eaço = 200 GPa)
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

O equilíbrio da haste exige:

   Fx  0;  FA  FB  20  103  0 (1)

A condição de compatibilidade para a haste é  B / A  0,001 m .


FALAC FB LCB
 AB  0,001m  
AE AE
0,001AE  FA  0,4m   FB  0,8m 

0,001(m )    0,00252(m 2 )  200  109(N / m 2 )  FA  0,4m   FB  0,8m 

FA  0,4m   FB  0,8m   3.927 N.m (2)


FA  FB  20  103 (1)
As equações (1) e (2) nos dá FA = 16,6 kN e FB = 3,39 kN
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação
2)Calcular as reações em A e B, na barra do exercício anterior, supondo que
existe uma distância de 4,5mm entre a barra e o apoio B, quando o
carregamento é aplicado. Adotar Eaço = 200 GPa
Respostas RA=784,6kN ↑ RB=115,4kN↑
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercícios de fixação:
3) As três barras de aço A-36 mostradas abaixo estão conectadas por
pinos a um elemento rígido. Se a carga aplicada ao elemento for 15kN,
determine a força desenvolvida em cada barra. Cada uma das barras
AB e EF tem área de seção transversal de 25mm2, e a barra CD tem área
de seção transversal de 15mm2. Respostas: FA=9,52kN, FC=3,46kN e
FE=2,02kN
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.4- Estruturas heterogêneas


quanto aos materiais
Outro tipo de problema estaticamente indeterminado: qual a
deformação da barra e do tubo quando uma força P é aplicada por
meio de uma placa rígida?

P1  P2  P (1)
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

No entanto, a geometria do problema nos mostra que as deformações


 1 e  2 da barra e do tubo devem ser iguais.
P1L P2L
1= 2 
E 1 A1 E 2 A2
P1 P2
 (2)
E 1 A1 E 2 A2
Resolvendo o sistema temos o valor de P1
e P2. Em seguida calculamos a deformação
da barra e do tubo pelas equações de
deslocamento citadas acima.
1 P1 2 P2
1  = e 2  =
L E 1 A1 L E 2 A2
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exemplo 3-
O poste de alumínio mostrado abaixo é reforçado com um núcleo de latão.
Se este conjunto suportar uma carga de compressão axial resultante
P=45kN, aplicada na tampa rígida, determine a tensão normal média no
alumínio e no latão. Considere E al  70GPa e E lat  105GPa

   F y  0;  45kN  Fal  Flat  0 (1)

estaticamente indeterminado

 al = lat
FalL Flat L

E al Aal E lat Alat
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

70GPa  (0,05m )  (0,025m ) 


2 2
Flat E al Aal
Fal   Flat 
E lat Alat 105GPa  (0,025m )2
Fal  2Flat (2)
Resolvendo o sistema:
Fal  30kN Flat  15kN
A tensão normal média no alumínio e no latão é:

Fal 30kN
 al    5,09MPa
Aal  (0,05  0,0025 )m
2 2 2

Flat 15kN
 lat    7,64MPa
A lat  (0,0025 )m
2 2
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercícios de fixação:
4) A coluna é construída de concreto de alta resistência e seis hastes
de reforço de aço A-36. Se ela for submetida a uma força axial de
30kip, determine a tensão normal média no concreto e em cada haste.
Cada uma tem diâmetro de 0,75in.
E conc  4,2(103 )ksi e E aço  29(103 )ksi
Resposta:
 aço  3,14ksi e  conc  0,46ksi
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.5- Tensões térmicas


A variação de temperatura provoca mudanças nas dimensões de uma
peça estrutural.
Quando a temperatura aumenta a estrutura sofre uma dilatação.
Quando a temperatura diminui a estrutura sofre uma contração.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Estudos experimentais demonstraram que a


variação de comprimento provocada pela
temperatura em uma barra de material
homogêneo é dada por:

T   .T .L

 = propriedade do material denominada coeficiente de dilatação


térmica dado em 1/oC
T = variação de temperatura em oC
L = comprimento inicial da barra
T = variação algébrica no comprimento da barra
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Se a estrutura for isostática, e a variação de comprimento provocada pela


temperatura for livre, não surgirão tensões causadas pela variação de
temperatura.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Se a estrutura for hiperestática, a variação de


comprimento da barra provocada pela temperatura
será impedida e surgirão tensões térmicas.

Estas tensões térmicas podem atingir valores


elevados, causando danos à estrutura ou mesmo
provocando sua ruptura.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Por este motivo, em estruturas de grande porte, como pontes, são feitas
juntas de dilatação, para permitir a livre movimentação térmica da
estrutura.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Cálculo do efeito da variação térmica em uma estrutura hiperestática


(variação de comprimento impedida).
Para a resolução deste tipo de problema, é possível considerar a
reação do apoio como reação redundante e aplicar o princípio da
superposição
Equação de equilíbrio:

 Fy  0: R A  RB  0
RA  RB (1)
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Equação de compatibilidade:

 AB  0 (2)
Variação de comprimento provocada pela
temperatura:

T   .T .L
Variação de comprimento provocada
reação RA:

R A .L
R 
E. A
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Equação de compatibilidade:

 AB  T   R  0 (2)
RA.L
 AB   .T .L  0
E. A
RA  E. A. .T  RB

N  E. A. .T

N
 T   E. .T Tensão térmica
A
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exemplo 4-
A barra de aço mostrada na figura está restringida para
caber exatamente entre os dois suportes fixos quando
T1=30°C. Se a temperatura aumentar até T2=60°C,
determinar a tensão térmica normal média desenvolvida
na barra. Usar E=200GPa e   12 106 1/ C .
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

   Fy  0: FA  FB  F

 AB  T   F  0

T  TL
FL
F 
AE
FL
TL- 0
EA
F  T AE
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

F  T AE
T =60-30=30°C

A  10mm×10mm=100mm2
F  12  106 1/ C   30C  100mm2  200  103MPa
F  7200N  7,2kN
F 7200N
=   72MPa
A 100mm 2

 =-72MPa
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação:
5) A barra AB é perfeitamente ajustada aos anteparos fixos quando a
temperatura é de +25°C. Determinar as tensões atuantes nas partes AC
e CB da barra para a temperatura de -50°C.
Usar :E=200GPa e   12 106 1/ C

Respostas:
 AC  240MPa CB  120MPa
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

6) Os diâmetros e materiais de fabricação do conjunto são indicados na


figura. Se o conjunto estiver bem ajustado entre seus apoios fixos
quando a temperatura é T1=70°F, determine a tensão normal média
em cada material quando a temperatura atingir T2=110°F .
alum  12,8  106 1/ F bronze  9,6  106 1/ F açoinox  9,6  106 1/ F
E alum  10,6(103 )ksi Ebronze  15(103 )ksi Eaçoinox  28(103 )ksi

Respostas:
 alum  2,5ksi  bronze  5,5ksi  açoinox  22,1ksi
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

7) Os dois segmentos de haste circular, um de alumínio e outro de


cobre, estão presos às paredes rígidas de modo tal que há uma folga de
0,2mm entre eles quando T1 = 15°C. Cada haste tem diâmetro de
30mm, determine a tensão normal média em cada haste se T2 = 150°C.
alum  24  106 1/ C cobre  17  106 1/ C
E alum  70GPa Ecobre  126GPa

Resposta:
  185,6MPa
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.6 - Coeficiente de Poisson


Quando um corpo deformável é alongado em
uma direção, ele sofre uma contração na
direção transversal.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Quando um corpo deformável sofre um


encurtamento em uma direção, ele sofre
uma expansão na direção transversal.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Nos anos de 1800, o cientista francês S. D. Poisson descobriu que a


relação entre a deformação transversal e deformação longitudinal era
constante no regime elástico.
 transversal
 
 longitudinal

Coeficiente de Poisson  (ni)


para alguns materiais:
• Aço: 0,30
• Concreto: 0,20
• Plástico: 0,34
• O valor máximo para  é 0,5.
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

A expressão acima tem sinal negativo porque o alongamento longitudinal


(deformação positiva) provoca contração lateral (deformação negativa) e
vice-versa.

 '
 longitudinal  transversal 
L r
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.7- Estados Múltiplos de Carregamento –


Generalização da Lei de Hooke
Até agora, nosso estudo se limitou à análise de barras delgadas
submetidas a cargas axiais, isto é, dirigidas ao longo de um eixo
somente.

Tensão normal em cubo elementar Tensão normal em um elemento plano


Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Passamos agora a considerar elementos estruturais sujeitos à ação de


carregamentos que atuam nas direções dos três eixos coordenados,
produzindo tensões normais  x , y e  z .
Temos então um ESTADO MÚLTIPLO DE CARREGAMENTO
OU CARREGAMENTO MULTIAXIAL.

Cubo elementar original de arestas de Cubo elementar deformado


comprimento unitário
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Para escrevermos as expressões das componentes de deformação em função


das tensões, vamos considerar separadamente o efeito provocado por cada
componente de tensão e superpor os resultados (princípio da superposição).
Considerando em primeiro lugar a tensão  x :
causa uma deformação específica de valor  x / E na direção do eixo x e de
 x / E na direção y e z.
 x  y  z
x    
E E E
 x  y  z Generalização da Lei de Hooke para
y     carregamento multiaxial
E E E
Lembrando:
 x  y  z Válido para o regime elástico e
z    
E E E deformações pequenas!
Deformação positiva – expansão
Deformação negativa - contração
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

1.8-Dilatação volumétrica
Volume :   (1   x )(1   y )(1   z )

Mudança de volume:
e    1  (1   x )(1   y )(1   z )  1
As deformações específicas são muito menores
que a unidade e os produtos entre elas podem
ser desprezados.
e  x   y  z Dilatação volumétrica específica
V
Aplicando a Lei de Hooke Generalizada: e
V
e
 x   y   z  2  x   y   z 

E E

e
1  2 
  y  z 
x
E
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Pressão hidrostática uniforme:


z  p
x  y z  p

3(1  2 )
e p
E
Módulo de elasticidade de volume: y  p
x  p

E
k
3(1  2 )
p
e
k
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação:
8) Um círculo de diâmetro d=230mm é desenhado em uma placa de
alumínio livre de tensões de espessura t=20mm. Forças atuando no
plano da placa posteriormente provocam tensões normais  x  84MPa
e  z  140MPa . Para E=70GPa e 𝜈=0,33, determine a variação (a) do
comprimento do diâmetro AB, (b) do comprimento do diâmetro CD,
(c) da espessura da placa e (d) a dilatação volumétrica específica.
Respostas: (a)δAB=122,6μm (b)δCD=368 μm (c) δt=-21,2 μm
(d) 0,00107
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação:
9) A figura mostra um bloco de aço submetido à ação de pressão
uniforme em todas as faces. Mediu-se a variação do comprimento AB,
que foi de -24μm. Determinar: (a) variação do comprimento das outras
duas arestas (b) a pressão p aplicada às faces do bloco. Adotar
E=200GPa e ν=0,29.
Respostas: (a)δy=-12μm (b)δz=-18 μm (c) p=-142,9MPa
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II
Centro de Engenharias Estruturas III

Exercício de fixação:
10) Um bloco cilíndrico de latão, com 160mm de altura e 120mm de
diâmetro é deixado afundar num oceano até a profundidade onde a
pressão é de 75MPa (cerca de 7500m abaixo da superfície). Sabendo-
se que E=105GPa e ν=0,35, determinar: (a) variação do altura do
bloco (b) sua variação do diâmetro (c) sua dilatação volumétrica
específica (d) variação do volume
Respostas: (a) δh=-34,2μm (b)δd=-25,7 μm (c) e=-6,42(10-4) (d)ΔV=
-1161mm3